A IMPRENSA EM PORTUGAL: TRANSFORMAÇÕES E TENDÊNCIAS

paulofaustino.jpgFoi ontem lançado o livro de Paulo Faustino, intitulado A imprensa em Portugal: transformações e tendências. Trata-se de um excelente estudo sobre a imprensa no nosso país nos últimos cinco anos, mas com um pano de fundo que remete para os últimos 15 anos.

O livro, com 267 páginas de texto, está dividido em sete capítulos, abordando os seguintes temas: evolução e dinâmicas empresariais (cap. 1), evolução e tendências de consumo da imprensa (cap. 2), análise económica e financeira da imprensa (cap. 3), gestão, estratégia e marketing na imprensa (cap. 4), grupos de imprensa (cap. 5), actores do mercado (cap. 6) e tendências na imprensa (cap. 7). O texto é acompanhado de muitos quadros e gráficos.

Para mim, os capítulos com mais interesse para o conhecimento da realidade nacional são os 2º, 3º e 5º. O autor analisa quer a imprensa nacional, quer a imprensa regional [área onde mais tem investido em termos de investigação], quer a imprensa especializada.

faustino3.jpgfaustino1.jpg

Paulo Faustino, que prepara o doutoramento na Universidade Complutense, de Madrid, tem uma perspectiva optimista do mercado. Por um lado, acredita que já se está em recuperação do investimento publicitário, o que conduz a uma melhoria da situação dos media escritos no nosso país. Por outro lado, observa a existência de uma indústria mais bem desenvolvida do que a descrita nas análises estatísticas fornecidas pela WAN (World Association of Newspapers), que coloca Portugal no segundo pior lugar de leitura de jornais a nível da União Europeia, antes do alargamento a 25 países. Se Portugal tem um número baixo de diários, a situação inverte-se em termos de imprensa regional e local. Aliás, um dos méritos do texto agora publicado é o da apresentação de elementos referentes ao país nos últimos anos, a partir de dados que ele coligiu e que suprime algumas carências que nem o último anuário do Obercom supriu.

Trata-se – e aqui não é o local para se fazer uma análise mais detalhada – de uma das mais importantes publicações sobre a matéria e que será, com certeza, objecto de estudo nas universidades e no meio empresarial da indústria. O autor apresenta, sempre que pode, valores respeitantes ao último semestre de 2004, o que dá conta de uma grande actualidade. E quem quiser estudar a formação e peso dos grupos económicos dos media escritos encontra tudo neste trabalho de referência. É esta a minha impressão sincera depois de ter lido o seu original antes de ser impresso.

Adenda escrita às 10:30: a apresentação do livro coube a Rui Cádima (Universidade Nova de Lisboa e anterior director executivo do Obercom) e Timoteo Alvarez (Universidade Complutense de Madrid). Deste último retive algumas ideias de memória (pois não levei o meu caderninho de notas), menos centrado no livro de Paulo Faustino e mais na realidade da indústria.

Para Alvarez, antigo jornalista, professor catedrático e director de uma empresa de comunicação, os media escritos ainda têm uma longa e frutuosa vida à sua frente. Contudo, ele apontou alguns estrangulamentos, nomeadamente em Espanha. Os investimentos publicitários têm sido desviados da imprensa para a televisão regional e local, em que alguns projectos, na sua opinião, são ilegais. Além disso, nos últimos anos, os jornais têm sido obrigados a reconhecer erros na informação que prestam, caso do New York Times ou o El Pais (na sexta-feira da semana passada), ou são revelados segredos de poder e abuso do poder por alguns antigos jornalistas, caso do Le Monde, em 2003.

A imprensa, considera Timoteo Alvarez, tem de continuar na senda da objectividade, da imparcialidade e da confirmação de informação a partir de duas fontes credíveis. Até porque a indústria é rentável, como no começo da sua apresentação o professor de Madrid afirmou. Ele pôs em confronto os jornais existentes na época de Franco (muitos deles estatais e dando prejuízo) e os mesmos periódicos após a transição democrática (todos eles dando lucro).

E destacou o jornal El Pais, o meio impresso paradigmático em Espanha. Iniciado há perto de 30 anos, o equilíbrio financeiro foi conseguido poucos anos depois, tendo estabilizado frequentemente em lucros, após impostos, na ordem de 18 milhões de pesetas (fazendo um câmbio à época – uma peseta equivalente a 1$50 – e convertendo para a moeda comum actual, teríamos grosseiramente, €5,4 milhões). Hoje esse valor anual baixou consideravelmente, mas continua na senda dos resultados positivos.


Print This Post Print This Post
This entry was posted in Jornalismo. Bookmark the permalink.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <embed style="" type="" id="" height="" width="" src="" object="" allowfullscreen="" allowscriptaccess="" cachebusting="" bgcolor="" quality="" flashvars=""> <iframe width="" height="" frameborder="" scrolling="" marginheight="" marginwidth="" src=""> <object style="" height="" width="" param="" embed=""> <param name="" value="">