Celebridades

Ao final da tarde de hoje, foi apresentado o livro coordenado por Eduardo Cintra Torres e José Pedro Zúquete, A vida como um filme. Fama e celebridade no século XXI, da editora Texto. O apresentador do livro foi o professor Marcelo Rebelo de Sousa, figura bem conhecida da televisão portuguesa pelo seu comentário político.

Além da introdução, o livro tem onze capítulos dos seguintes autores: José Pedro Zúquete (Em busca do carisma perdido), Jamil Dakhlia (A peopolização política ou a cultura da celebridade em versão francesa), Paul Hollander (A cultura da celebridade americana, a modernidade e a decadência), Eduardo Cintra Torres (Televisão: a celebridade em estado natural), Fabiana Moraes e Maria Eduarda da Mota Rocha (Tão perto, tão longe: o cotidiano encantado dos famosos na revista Caras brasileira), Martin Conboy (Celebridade na cultura tablóide britânica), Fernando Ilharco (A vida como história: o hiperprofissional do século XXI), Matt Stefon (“The dogs on Main Street Howl”, “Cause they understand”: Bruce Springsteen, sonhos americanos e os laços que unem), Ana Jorge (Celebridades e jovens em Portugal: da televisão aos novos media), Maria Claudia Coelho (O dilema do fã: a experiência emocional da idolatria) e Paulo Tunhas (Fama e tempo) [na fotografia, para além da responsável da editora, sentam-se, da esquerda para a direita: José Pedro Zúquete, Eduardo Cintra Torres e Marcelo Rebelo de Sousa].


Para além de um vídeo, onde o apresentador do livro falou dos autores (não registei tudo), debruço-me sobre a sua teorização sobre a celebridade e os exemplos políticos de boa (ou menos boa) adequação aos media, em especial a televisão. Para Marcelo Rebelo de Sousa, antes falava-se em célebres, agora em celebridades, aqueles os famosos sem aspas e estes os famosos com aspas. Há um contexto da fama: os méritos individuais, o acaso (que serviu para recordar a chegada ao poder de Thatcher como primeiro-ministro na Grã-Bretanha), a fama por morte, as áreas de projecção da fama (religião, política, artes, cultura, ciência), o alargamento com a laicização e a diversificação das actividades. Com a televisão, continuou o professor Rebelo de Sousa, passou a haver famosos com substância que deixaram de ser sem aspas e famosos com substância que passaram a famosos entre aspas. A obsessão passou para: como vou tratar da imagem para valorizar o que sou?

Nesta altura da sua apresentação, o conhecido comentador político mostrou as suas preferências e as suas críticas. Para ele, Salazar era pré-televisão, o qual retardou o seu aparecimento, porque percebeu que a televisão não encaixava no modelo político que tinha concebido. Tolerou-a e acabou por a utilizar durante a guerra de África, para a comunicação quase presencial dos soldados com as famílias. Já Marcelo Caetano seria um apóstolo da televisão, nas palavras do apresentador do livro. Quando ministro da Presidência, ele telecomandou a instalação da televisão e utilizou-a como presidente do Conselho de Ministros, com as conversas em família, cujo efeito lenitivo percorreu os primeiros anos da sua governação. A revolução de 1974 trouxe, ainda segundo Marcelo Rebelo de Sousa, duas figuras que perceberam a importância da televisão: Spínola, que quis dramatizar o período em que foi presidente, apesar de curto temporalmente; Vasco Gonçalves, que a usou excessivamente (caso do comício de Almada), acabando por ela se virar contra ele. Então, ainda conforme Rebelo de Sousa, surgem as primeiras figuras que usam a televisão com talento: António Barreto, então ministro da Agricultura, com intervenções marcantes, a que se seguiram debates com comentário político com Miguel Sousa Tavares e José Pacheco Pereira. O primeiro governante a usar bem a televisão foi Mário Soares. À partida, Soares não seria uma boa figura televisiva, pois o seu perfil era o de um tribuno clássico, mas na televisão mostrou um estilo muito empático. Na sua longa apresentação, Marcelo Rebelo de Sousa referiu ainda dois políticos sem cariz televisivo: Sá Carneiro e Álvaro Cunhal. Sá Carneiro seria muito racional e explicativo. Finalmente, o comentador político apresenta Cavaco Silva como o político que usa profissionalmente a televisão, ao evidenciar um estilo popular senão populista, a perceber o byte televisivo e o que é essencial na mensagem.


2 thoughts on “Celebridades”

  1. Olá VIVA!
    Este livro cativou-me. Para já a capa está muito bem conseguida, e depois a temática é de meu agrado.

    Passei por cá e irei regressar, sem dúvida.
    O mundo dos livros é de meu interesse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *