Cultura da informação digital em José Afonso Furtado

O livro Uma Cultura da Informação para o Universo Digital, de José Afonso Furtado, foi lançado hoje ao final da tarde na livraria Almedina, ao Saldanha, com apresentação de Gustavo Cardoso, docente do ISCTE.

Na contracapa do livro lê-se que a “informação é agora criada, registada e armazenada em suportes digitais e circula em infra-estruturas e redes globais. Se é certo que tal pode representar enormes oportunidades para o desenvolvimento individual e coletivo, tem contudo gerado novas desigualdades, que se sobrepõem e reconfiguram as anteriores. A noção de «fratura digital» designa então as dificuldades na interação com as tecnologias e no acesso a recursos de informação, cuja produção é exponencial e de dimensão difícil de abranger e gerir”.

O livro tem seis capítulos, de que destaco o quarto, que trata da questão da fratura digital, eufemismo que designa o largo repertório das desigualdades sociais face à utilização dos novos media (p. 152). O autor esclarece o assunto, chamando a atenção para o simplismo da divisão entre ricos e pobres de informação (p. 158), pelo que considera melhor uma gradação de diferentes níveis de acesso. A reconceptualização da fratura digital está a ser objeto de estudo por parte de investigadores da universidade de Twente – fiz ontem uma alusão a documentos desta universidade – que encontram quatro pontos: 1) categorias pessoais e posicionais, 2) distribuição de recursos, 3) diferentes tipos de acesso às tecnologias, de ordem motivacional, material, competências, sucessivos, cumulativos, recursivos, 4) campos de participação (pp. 164-165).

Partindo da distinção entre nativos digitais (os que nasceram com as tecnologias digitais) e imigrantes digitais (os mais velhos), José Afonso Furtado levanta algumas dúvidas (p. 182). Aliás, ele, nascido em 1953, mantém uma atualização invejável no uso das tecnologias de informação: o seu twitter tem doze mil seguidores, de nacionalidade portuguesa mas também de leitores de língua inglesa. Ele entende haver aqui uma necessária condimentação e equilíbrio, quer na divisão etária quer no uso produtivo das tecnologias. Critica ainda a ideia de novidade do multitasking, além da nem sempre útil e eficaz atividade múltipla, que pode levar a falhas de concentração e sobrecarga cognitiva (p. 185).

Do mesmo modo que em livros anteriores, José Afonso Furtado traz cuidadosas e atualizadas leituras, visíveis na construção do capítulo 2, onde trabalha a noção de literacia. Mostra prudência na manipulação do conceito, pois literacia pode cobrir apenas a ideologia de melhoria das condições sociais (p. 61) ao invés de uma provável equiparação ao valor positivo do termo, mas de modo acrítico e pouco refletido. Desde a década de 1920, continua, a palavra literacia vem sendo empregue, em especial na língua inglesa, como substantivação da palavra literário.

Mais à frente, o autor propõe a organização de uma ética da informação para a ionosfera, o ambiente dos dados, da informação e do conhecimento (p. 229). Nas conclusões, apresenta a necessidade de uma sociedade isenta de destruição, de redução ou fechamento da ionosfera. Na apresentação do livro, lembrou ainda a brutal obsolescência dos equipamentos e software. Isto traduz-se em perda de suportes e errância diretiva quanto a ordens de identificação e preservação da informação. Por isso, defende uma espécie de movimento lento na absorção e aceitação das tecnologias.


1 comentário a “Cultura da informação digital em José Afonso Furtado”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *