Deuze em Coimbra

Como comunicador, Mark Deuze é brilhante. Na sessão de encerramento do congresso da SOPCOM, a sua comunicação foi adaptada a partir dos acontecimentos sangrentos de ontem em Paris. Deuze falou do desaparecimento dos media (o videogravador, o telecomando, o lado físico de muitos equipamentos, hoje dentro do telemóvel) e da imersão nos media (o televisor de ecrã curvo para dar a sensação de estar dentro da imagem). Antigo jornalista, ele falou do novo profissional como um dj.

Desta leitura, parece-me que o jornalista já não é o repórter ou o produtor de conteúdos mas uma espécie de misturador de géneros e sem preocupações com a realidade. Contudo, não é essa a atitude das capas dos jornais parisienses e franceses de hoje, num repúdio pela tragédia de ontem. O trabalho do jornalista ainda é sobre a realidade. A visão de profeta de Deuze está a desvanecer-se?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *