Arquivo da categoria: Arte

Paula Rego no museu e no cinema

O filme, realizado pelo filho Nick Willing, é elegante e terno, mas também revela medos, fantasmas e obsessões, descendo à intimidade da pintora Paula Rego e abrindo pistas para a compreensão da sua obra. Sim, nós precisamos de signos e de interpretação para entendermos as suas pinturas. O ideal de belo e harmonioso não faz parte da estética dela, mas o grotesco e o violento. Documentário e exposição, patentes desde esta semana no cinema Ideal (Lisboa, onde vi o filme) e na Casa das Histórias (Cascais), ajudam-se mutuamente. Na exposição, parcelas das falas de Paula Rego no filme acompanham as telas que vimos mais fugidiamente no ecrã.

As séries sobre o aborto, as mulheres-cão, o crime do padre Amaro (a partir de Eça de Queirós), as pinturas zoomórficas de coelhos, ursos e macacos e as obras no período da depressão de 2007, sempre escondidas e agora reveladas numa só sala (onze quadros), representam um percurso muito rico desde a aprendizagem artística na Slade School of Fine Arts (Londres), de 1952 a 1956, onde ela também conheceu aquele que viria a ser o seu marido Vic Willing. O filme revela melhor o seu itinerário biográfico, entre Ericeira e Estoril, de um lado, e Londres, do outro. A exposição mostra o percurso artístico marcado pela biografia: as alegrias, as tristezas, os sonhos e os pesadelos.

A par da exposição de obras e temas emblemáticos dos trabalhos da pintora, em Cascais veem-se fotografias, cartas, livros que pertenceram a Paula Rego, uma pintura da sua mãe (que aquela comenta no filme) e até a reconstituição do seu estúdio, visto no filme mas mais próximo de nós na exposição.

Da fotografia ao azulejo

Da Fotografia ao Azulejo é uma exposição temporária que se pode visitar no museu Soares dos Reis (Porto). O tema é o azulejo enquanto decoração de espaços públicos e privados desde o século XVII em Portugal. Fachadas de edifícios de casas das cidades, mercados, instalações fabris e estações ferroviárias contam-se entre as que têm azulejos como elementos decorativos. Em muitas situações, os azulejos contam histórias ou são representações da paisagem, da sociedade e de momentos de trabalho. Lisboa, Porto (Vila Nova de Gaia) e Aveiro foram os centros fabris de trabalho do azulejo.

A exposição, para além de um grande repositório de imagens de locais onde ainda se veem os azulejos, mostra a maneira como artesãos e artistas pintam os azulejos a partir de modelos, nomeadamente fotografias. As fontes gráficas incluem livros, revistas e postais. Fotografias de Joshua Benoliel e de fotógrafos locais são empregues. Estas imagens trazem associadas a si a ideia de verdade. No Porto, há edifícios notáveis pelos azulejos, como a estação ferroviária de S. Bento e igrejas dos Congregados e de Santo Ildefonso, todos de autoria do pintor Jorge Colaço, produzidos em fábricas de Lisboa (Sacavém e Lusitânia). Já os painéis da igreja do Carmo (Porto) foram realizados nas fábricas de Vila Nova de Gaia (Senhor d’Além e Torrinha) [texto a partir do folheto que acompanha a exposição].

Sonia Delaunay na Gulbenkian

O painel mural que Sonia Delaunay fez para o pavilhão dos caminhos de ferro na Exposição Internacional de Paris em 1937 Étude pour Portugal tinha cerca de 18 metros de comprimento. Após a exposição três dos quatro painéis desapareceram. Por isso, causa espanto a sua reconstituição na presente exposição na Gulbenkian, O Círculo Delaunay (Sonia e Robert Delaunay), onde aparecem também obras de Amadeu Sousa-Cardoso, Eduardo Viana e José Almada Negreiros. Sonia e Robert Delaunay viveram em Portugal entre agosto de 1915 e dezembro de 1916.

Cores vivas, círculos rodeando as figuras – mulheres do Minho, cenas de trabalho no mercado, um carro de bois, elementos de azulejaria, parece-me que também uma pequena capela. A exposição tem ainda quadros representando mulheres que vendem laranjas, cantoras de flamenco. E L’Hommage au Donateur (1916), da coleção Centre Pompidou, Paris.

Le Corbusier

 

 

 

 

Charles-Édouard Jeanneret, mais conhecido por Le Corbusier (1887), começou por se dedicar à relojoaria mas orientou-se depois para a arquitetura. Ele formou-se junto dos grandes arquitetos da época, como Hoffman, Pierret e Behrens, e viajou muito pela Europa. Mas a exposição no Centre Pompidou, em Paris, revela um igualmente talentoso pintor.

Sem qualquer intenção de o biografar, destaco alguns momentos da sua atividade: purismo, espírito novo, figuração dos corpos, equipamentos domésticos, modulor, unidades de habitação, período acústico, ressonância espiritual e cidade humanista.

Limite da compreensão

Um dia, conduzia a visita a exposição de pintura abstracta de um pintor português. Apesar de ainda relativamente jovem, o artista já tinha acumulado muita experiência e exibia prestígio nacional. Da turma, uma aluna mais ousada perguntou-me porque eu gostava daquele tipo de pintura. Eu, apoiado nas leituras ao longo dos anos, em livros e em crítica de arte, dei os meus argumentos. Nessa altura, fiquei convencido das minhas razões. Bastantes anos depois, comecei a ler outras versões da história da arte, apropriadamente chamadas de revisionismo histórico. A arte abstracta teve um grande impacto na literatura do género devido ao marketing apurado dos norte-americanos, passou a ler-se. Eu não me convenci, mas fiquei recetivo à nova abordagem. O pós-modernismo deixara-me alerta e atento a perspectivas diferentes da hegemónica.

A arte de Mónica Sosnowska, Arquitetonização (Casa de Serralves, 2015) trabalha a linguagem da arquitetura, mostrando corredores e estruturas em aço de peças outrora úteis e agora tornadas lixo ou objetos museológicos. Do ponto de vista espacial, a geometria, as formas apelando para o caos cósmico, ajudadas pela cor branca das paredes, o soalho envernizado do chão e as luzes difusas junto às paredes, dão uma forte espessura intelectual. Posso chamar ao conjunto das peças assim expostas um caldo escultórico. Mas a lógica construtivista remonta a Marcel Duchamp que os revisionistas tratam agora por oportunista. Qual o contributo distinto de fábricas entre Vila das Aves e Vizela, junto ao rio Ave e que se vislumbram do comboio? Ou de uma fábrica de descasca de arroz perto de Alcácer do Sal? Três décadas atrás, historiadores sonhadores falavam de arqueologia industrial como património a preservar. Algumas peças ficaram do período industrial e as suas formas adaptaram a novas funções. Sem esta sequência, lembro-me da livraria Ler Devagar, no polo da Lx Factory, em Alcântara, onde funcionou a importante tipografia Mirandela, conservando-se ainda a sua rotativa.

Se, hoje, a aluna astuta que indiquei acima me perguntasse se as esculturas de Sosnowska são arte eu não teria a convicção dessa altura. Do mesmo modo que não sei se Pântano, bailado criado por Miguel Moreira e com os bailarinos Catarina Félix, Francisco Camacho e Romeu Runa (Teatro Carlos Alberto, Porto), é arte ou puro exibicionismo (contorcionismo) de corpos. Quase no final do bailado, os intérpretes atiram farinha uns aos outros, sem qualquer alcance estético a não ser lembrar as festas de Carnaval ou as tomatadas que nos chegam via televisão de festas populares de Espanha e Itália. Estou atemorizado comigo mesmo, pois começo a não ter capacidade para compreender o novo. A isso, chama-se conservadorismo.

Guimarães

Além do moderno museu onde se pode ver a obra de José de Guimarães, a cidade possui dois museus muito interessantes, o museu de Martins Sarmento (1895, dedicado a indústrias pré-históricas) e o museu de Alberto Sampaio (1928, com talha, pintura, como o fresco Desolação de São João Baptista, e escultura, com muitas obras provenientes de igrejas da região). Relevo, pela magnífica apresentação, o segundo museu. Manifesto tristeza pela exposição, ultrapassada em termos museológicos, o primeiro. Isso repercute-se até na alegria e/ou afastamento no atendimento.

O rapazinho que teve medo do transformer

circo

O circo adaptou-se. Já não monta a tenda e exibe leões ou outros animais selvagens mas mostra-se em salas multiusos dos concelhos do país. Uma apresentadora, com música de fundo, a ginasta, o palhaço e figuras do audiovisual como o Rato Mickey e a sua namorada Minnie, mais umas canções actuais da televisão que o público infantil conhece e canta, e correntes de fumo colorido, constituem um repertório que apela para as indústrias culturais e preenche um serão agradável. No espectáculo, houve ainda uma prova com crianças no palco, chamados a fazer umas habilidades simples, e outra prova com quatro pais. Estes, sentados em cadeiras e inclinados (quase deitados) sobre cada um deles, foram sentindo que o palhaço lhes tirava cadeira a cadeira. O equilíbrio foi ficando precário, até se estatelarem no chão, o que provocou um riso maior do que anteriores ocasiões.

Num dado momento, veio o Transformer, um robô gigante de ar ameaçador, movendo-se lentamente. Após a exibição, seguiu-se o intervalo, aproveitado para fazer fotografias ao lado do robô. Todas as crianças quiseram ficar ao lado do robô, que a organização do circo se serviu para cobrar algum dinheiro pelo momento. Mas o rapazinho da imagem, mesmo com a ajuda do pai, sentiu-se intimidado. Talvez ele compreendesse o que o monstro dizia em inglês, qualquer coisa como “eu vou destruir a raça humana”.

A cultura no período de “olhar para dentro”

O título do volume 4 da História Contemporânea de Portugal – 1808-2010, dirigido por António Costa Pinto e Nuno Gonçalo Monteiro, é muito interessante: Olhando para Dentro, 1930-1960. O volume tem coordenação de José Luís Cardoso e contém capítulos assinados por José Luís Cardoso (“As chaves do período”; “O processo económico”), Bruno C. Reis (“A vida política”), Pedro Aires Oliveira (“Portugal no mundo”), Álvaro Garrido (“População e sociedade”) e Daniel Melo (“A cultura”).

O texto que mais interesse me despertou seria o de Daniel Melo pelo tema, com 33 páginas. Destaco os subtítulos: “Introdução: discursos e instituições oficiais de enquadramento”; “Literatura, imprensa e leitura”; “Artes plásticas e arquitectura”; “Teatro e cinema”; “Música e dança”; “Rádio e televisão”; “Mostrar Portugal a si mesmo e aos outros”; “Tertúlias, cafés e tabernas”; “Festas, desporto e lazeres vários”; “Universos socioculturais alternativos”; “Educação”. Daniel Melo identifica autores, obras, acontecimentos, interliga grupos e correntes, tudo com uma escrita leve e muito atraente. Da minha leitura, o subtítulo sobre a rádio e a televisão é menos importante, talvez porque eu tenha trabalhado esses tópicos e não há surpresas, mas os últimos subtítulos fornecem informação e, acima de tudo, mostram uma riqueza de propostas e realizações de trabalho cultural mesmo sob a tutela de um regime político opressor e conservador.

Leitura: José Luís Cardoso (coord.) (2014). Olhando para Dentro, 1930-1960. In António Costa Pinto e Nuno Gonçalo Monteiro (dir.) História Contemporânea de Portugal – 1808-2010, 4º volume. Madrid e Lisboa: Mapfre e Penguin Random House, 252 páginas, 17,5 euros

Vítor Pi

Ontem foi a inauguração do Museu de Artes de Sintra, no edifício do antigo Casino, junto ao Centro Cultural Olga Cadaval, herdando o espólio e a actividade da Galeria Municipal, constituído por colecções permanentes (Dórita Castel-Branco e Emílio de Paula Campos) e temporárias. Aqui, relevo a exposição de Vítor Pi, sob o tema Breu, patente até 18 de Junho (na primeira imagem, o pintor está junto ao seu painel na entrada nobre do edifício). Vítor Pi, além de pintor, é dinamizador na área do teatro.

Vítor Pi 1Vítor Pi 3

Mural na avenida de Berna (Lisboa)

Retiro algumas informações do texto de Marisa Soares no Público de 13 de Abril último: a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, na avenida de Berna, lançou o repto a grafitters da galeria Underdogs (Frederico Draw, Gonçalo Ribeiro Mar, Diogo Machado Add Fuel e Miguel Januário) para pintarem uma parede daquele espaço de ensino.

No meio do espaço, a figura de Salgueiro Maia, um dos heróis de 25 de Abril de 1974, a partir de uma fotografia de Alfredo Cunha. O blogueiro passou no local quando os grafitters estavam a começar o seu trabalho.

Amadeu ao fundo

fcg

A exposição no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian chama-se Sob o Signo de Amadeo – um Século de Arte. Mas a obra de Amadeu Sousa Cardoso está no fundo, numa cave. Devia estar à entrada. Parece que a sua organização funcionou na lógica do supermercado: quando quero comprar água ou leite tenho de percorrer toda a superfície até chegar lá, obrigando-me a ver tudo e talvez a comprar algo que não tinha pensado antes.

Até chegar a Amadeu, a exposição fez-me algum tédio.

Nova exposição no Atelier-Museu Júlio Pomar

A próxima exposição temporária do Atelier-Museu Júlio Pomar (rua do Vale, 7, Lisboa) inaugura a 31 de Outubro (5ª feira), às 18:00. Tem o título Caveiras, casas, pedras e uma figueira e é “integrada no programa de projectos paralelos da 3ª Trienal de Arquitetura de Lisboa, com obras de Álvaro Siza Vieira, Fernando Lanhas, Júlio Pomar e Luís Noronha da Costa, surgindo no terreno de convergência entre as diferentes disciplinas praticadas por estes autores, explora as estruturas através do desenho”. A curadoria da exposição pertence a Delfim Sardo, defensor de há muito da ligação entre as artes plásticas e a arquitetura. A exposição estará patente até 16 de Fevereiro de 2014.

Informações adicionais: https://www.facebook.com/ateliermuseujuliopomar, atelier.museu.pomar@cm-lisboa.pt.

d’Orfeu

orfeuA d’Orfeu continua a investir na criatividade e apresenta novas produções artísticas: o espectáculo de canções irónicas “Reportório Osório” e a peça de teatro de marionetas para a infância “Borbolino”, duas propostas que completam o original catálogo artístico da d’Orfeu. Se “Borbolino” subiu à cena hoje mesmo em Ponte de Lima, “Reportório Osório” arranca a sua temporada oficial de estreia com concertos na Maia (24 Setembro) e em Águeda (3 de Outubro) [informação da organização].

Arte mexicana

Vai até ao dia 29 do corrente mês a exposição Mexico. A revolution in art, 1910-1940, na Royal Academy of Arts, em Londres. O México a ferro e fogo (1910-1920), retorno ao estilo nativo (1921-1928), a distinção entre sol e sombra (1929-1934) e criação artística não adulterada (1935-1940) são as etapas principais da exposição em que se apresentam 30 anos de profundas modificações políticas, sociais e económicas. A revolução mexicana e os seus heróis populares (Emiliano Zapata e Francisco “Pancho” Villa, assassinados mas que traçaram o arquétipo do mexicano de bigode e sombrero com uma espingarda a tiracolo. Francisco Goitia, Saturnino Herrán, Diego Rivera, David Alfaro Siqueiros, José Clemente Orozco, Rufino Tamayo, Maria Izquierdo, Edward Weston, Tina Modotti, Manuel Álvarez Bravo, Agustin Jimenéz, Edward Burra e Frida Kahlo são alguns dos artistas mexicanos e estrangeiros que amaram o país presentes. Na pintura, na fotografia, nas artes gráficas.

méxico

Manuela Bacelar em exposição

Bacelar_peq_0Manuela Bacelar (1943) fez Ilustração em Praga (Escola Superior de Artes Aplicadas). É considerada uma das mais importantes ilustradoras contemporâneas, com uma obra de mais de meia centena de livros. Em 1989, pelas ilustrações para a obra Silka, de Ilse Losa, foi premiada com a Maçã de Ouro da Bienal Internacional de Bratislava, e em 1990, com o Prémio Gulbenkian de Ilustração. Agora Manuela Bacelar: a arte da ilustração é uma exposição que vai estar patente na Biblioteca Pública Municipal do Porto.

Museu do Chiado

ANJosé de Almada Negreiros (1893-1970) foi um artista de diversos talentos: poeta, escritor, bailarino, actor, desenhador, pintor. O Museu Nacional de Arte Contemporânea (Museu do Chiado) dedica, em exposição temporária, uma sala ao artista, nomeadamente o moderno desenho A Sesta (1939).

Além de outra exposição temporária, a de Jorge Oliveira (1924-2012), A Invenção Contínua, congratulo-me com a exposição permanente, onde dialogam obras do século XIX com o século XX, numa melhor aproximação à história da arte portuguesa. Uma visita ali não esgota a necessidade de conhecer melhor a cultura artística portuguesa. O museu fica ao serviço dessa divulgação, que faz parte das suas obrigações. O que pareceu esquecido nos anos mais recentes.

Maria Keil, de propósito

Maria Keil (1914-2012) trabalhou em sucessivas áreas, como azulejo, pintura e desenho, cenografia e figurinos, design gráfico e publicidade, ilustração, mobiliário e decoração e tapeçaria mural. Uma obra gráfica e visual notável de uma mulher que viu um dos seus quadros ser retirado pela PIDE em 1947 devido ao tema, de índole neo-realista. Ela desenhou cenários e figurinos para o Verde Gaio, grupo de bailado criado por António Ferro, tem conjuntos de azulejos seus em estações do comboio metropolitano de Lisboa, trabalhou no Estúdio Técnico de Publicidade, fundado por José Rocha, fez capas e desenhos de livros infantis, desenhou selos e anúncios, colaborou com a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre.

Título da exposição: De propósito. Maria Keil, obra artística.

739

A ver no Palácio da Cidadela de Cascais. Igualmente a visitar o palácio presidencial, restaurado com muito requinte e agora aberto ao público visitante.

Exposição Maria Keil em Cascais

bar dos cavalos“O Museu da Presidência da República inaugura no próximo dia 10 de Julho, no Palácio da Cidadela de Cascais, em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, a exposição «de propósito – Maria Keil, obra artística», apresentando uma visão retrospectiva e abrangente dos seus trabalhos. Com base num recenseamento exaustivo da sua obra, de oito décadas, o projecto expositivo procura dar conta do percurso multifacetado da artista, que trilhou os caminhos da ilustração, do azulejo, do design gráfico, da pintura, do desenho, do mobiliário, da tapeçaria, da cenografia e dos figurinos. A qualidade, inovação e surpresa do seu trabalho conferem a Maria Keil um lugar indiscutível na História da Arte portuguesa do século XX. «de propósito …» é a apropriação de uma expressão utilizada pela artista, por ocasião do seu 80º aniversário: «Faço 80 anos, sim e é de propósito». A ironia subjacente em grande parte dos seus trabalhos, a desconstrução, a diversidade de abordagens e de suportes e a fuga a categorizações espelham bem a personalidade de Maria Keil e a reivindicação da sua liberdade criativa.

excerto painelpainel CTT“Maria Keil (Silves, 1914 – Lisboa, 2012) frequenta a Escola de Belas Artes de Lisboa e é aluna de Veloso Salgado. Em 1933 casa com o arquitecto Francisco Keil do Amaral. Três anos mais tarde inicia colaboração com o Estúdio Técnico de Publicidade, fundado por José Rocha, para o qual trabalham também Carlos Botelho, Fred Kradolfer, Ofélia e Bernardo Marques. Realiza a primeira exposição individual de pintura em 1939 na Galeria Larbom, em Lisboa. Em 1941 ganha o prémio de revelação Souza-Cardoso com o seu auto-retrato. Outras participações se seguem, no Secretariado de Propaganda Nacional, na Sociedade Nacional de Belas Artes. A partir dos anos 50 do século XX inicia uma inspirada e constante obra azulejar, entre muitos outros exemplos para as estações do Metropolitano de Lisboa, criação que lhe confere lugar indiscutível na História da Arte portuguesa. A par do azulejo, também a ilustração – na literatura para a infância, nos manuais escolares – constitui campo de trabalho profícuo, inovador, durante décadas. Maria Keil destaca-se também noutras expressões artísticas: no desenho para selos, mobiliário e decoração, figurinos e cenografia, fotografia, calçada, tapeçaria” (texto da entidade organizadora; imagens: em cima, à esquerda, móvel bar de cavalos; a seguir, excerto painel e painel CTT).

Ler Mário de Sá-Carneiro

Pedro Eiras e Rui Manuel Amaral lêem Mário de Sá-Carneiro no próximo sábado, 8 de Junho, pelas 17:00, no Gato Vadio (Rua do Rosário, 281, Porto). Escreve Arnaldo Saraiva: “Moderno – mais do que modernista -, Sá-Carneiro é um poeta genial, inimitável, alheio a gostos elitistas ou formalistas, já que só lhe interessa a matéria trágica da sua vida, que nem o amigo Pessoa salvará do suicídio”.

Bem gostaria de estar presente, mas estou tão longe!

5,6 mil milhões de euros gerado por empresas culturais e criativas em 2011

Recupero uma informação divulgada no final de 2012, saída no jornal Público a partir de um estudo do INE, que é um retrato das artes e da cultura em Portugal. Como nota mais importante, o estudo indica que as famílias portuguesas investem mil euros em lazer e cultura por ano e em média.

Na rubrica “lazer e cultura” incluem-se áreas diversificadas como compra de equipamentos audiovisuais e viagens turísticas. Na rubrica “serviços recreativos e culturais” incluem-se os eventos desportivos, rubrica em que os portugueses gastaram 334 euros em média em 2011. Os livros, jornais e outros materiais impressos levaram 309 euros por agregado. Em termos de cinema, Harry Potter e os Talismãs da Morte: parte 2, Piratas das Caraíbas: por Estranhas Marés e Smurfs foram os filmes mais vistos em 2011 nas salas portuguesas, com 1,5 milhões de espectadores e 8,6 milhões de euros de receitas. Já nas artes plásticas, o número de visitantes em exposições temporárias ultrapassou 8,8 milhões. Em 2011, realizaram-se 7304 exposições temporárias. No tocante a espectáculos ao vivo, em 2011 estavam activos 347 recintos com 485 salas ou espaços, que atingiam 221037 lugares.

Por outro lado, as actividades culturais e criativas empregaram em Portugal cerca de 77 mil pessoas, representando 1,6% da totalidade da população empregada e menos cerca de quatro mil postos de trabalho relativo a 2010. Cerca de 53 mil empresas culturais e criativas geraram 5,6 mil milhões de euros em 2011.