Arquivo da categoria: Audiências

Recepção dos media pelo género feminino

O livro organizado por José Ricardo Carvalheiro, As Caixas Mudaram o Mundo? Usos Femininos dos Media no Estado Novo, resulta da investigação inserida num projecto da Universidade da Beira Interior financiado pela FCT. Objectivo: saber os consumos dos media e a sua recepção pelo género feminino a partir da década de 1940, ou, como o livro diz mais acertadamente: “trabalhar com memórias acerca da recepção mediática na ditadura” (p. 10).

O meu ponto de descoberta foi o texto do organizador do livro “História oral, memória e recepção mediática”. Nele, o autor procura “reconstituir e compreender o passado” (p. 45), o que o leva a captar as práticas e os contextos de uso dos media e os compreender na dimensão diacrónica (histórica). No texto, também se fala de memória e identidade, biografias e apreensão da recepção no passado e da interpretação dos textos às práticas significativas. Como corpo de observação empírica, a equipa de investigação conduziu 57 entrevistas a mulheres nascidas antes da Segunda Guerra Mundial e o início das emissões de televisão (1939-1957) em associações na Covilhã e em Coimbra em núcleos fabris e de serviços das duas cidades (p. 134). A partir das entrevistas, a equipa procurou reconstituir histórias de vida. Aqui, reside a riqueza da investigação agora publicada e que, além de José Ricardo Carvalheiro, inclui os nomes de João Carlos Correia, Maria João Silveirinha, Sara Portovedo, Diana Tomás e Catarina Valdigem.

Um dos outros capítulos que gostei de ler foi o dedicado às narrativas de vida de quatro lisboetas sobre a recepção da rádio, igualmente escrito pelo organizador do volume. Carvalheiro destaca as estruturas de relevância e as práticas criativas de recepção (p. 160). O livro insere-se na colecção “Comunicação, História e Memória”, da MinervaCoimbra, dirigida por Isabel Vargues. Da colecção, já fiz aqui comentários do livro de Carolina Ferreira Os Media na Guerra Colonial.

Leitura: José Ricardo Carvalheiro (2014). As Caixas Mudaram o Mundo? Usos Femininos dos Media no Estado Novo. Coimbra: MinervaCoimbra, 284 páginas, 21 euros

TVI e RTP abandonam CAEM

A TVI decidiu hoje abandonar a CAEM, de acordo com a newsletter Meios & Publicidade.  Razão: ter ignorado os pedidos da TVI e da RTP para realizar uma auditoria final ao funcionamento do serviço de audimetria prestado pela GfK. Logo depois, seguiu-se a RTP. Para a televisão pública, a “auditoria, pedida por quem paga 44,5% do custo desse serviço, não teria aliás quaisquer custos para os restantes Associados nem para a Associação”.

A RTP e o sistema de medição de audiências

Hoje, ao fim da tarde, ouvi na rádio que a RTP, pela voz do seu presidente, Guilherme Costa, considera ter a auditoria ao sistema de medição de audiências da GfK provado que os resultados não são credíveis. Guilherme Costa mostrou preocupação com a próxima privatização de um canal da RTP, que pode ter prejuízos nessa venda caso a percentagem de audiência seja subavaliada.

Resultados da auditoria ao sistema de audiências de televisão

Da newsletter Briefing de hoje, retiro a seguinte informação sobre a auditoria ao sistema de medição de audiências da CAEM: “O relatório preliminar da auditoria efetuada pela consultora PwC ao sistema de audimetria da CAEM não assinala questões que possam pôr em causa o contrato celebrado com a GfK”. O relatório fez uma análise exaustiva dos aspetos relativos ao sistema de audimetria mas não produz uma conclusão definitiva. A newsletter da Briefing continua assim: “A consultora PwC enuncia um vasto conjunto de questões, desde o establishment survey, ponto de partida para a criação da amostra de telespetadores, até às condições de segurança das instalações onde os dados são guardados. O relatório preliminar valida ainda os aspetos metodológicos relacionados com a instalação do painel e analisa a infraestrutura técnica do sistema, nomeadamente testando o limiar da perda de som e da falta de matching, aspetos suscitados publicamente nas primeiras semanas de funcionamento do novo sistema. É ainda referenciada a existência de indicadores de audiência de canais que não estão disponíveis free to air em boxes instaladas em lares que declararam não deter TV por subscrição. Os técnicos da PwC fizeram ainda um levantamento de riscos relacionados com a segurança do sistema. O relatório preliminar, sendo muito exaustivo na identificação das questões relacionadas com a prestação de serviços da GfK e, inclusivamente, com as convenções definidas no seio da CAEM, omite, no entanto, qualquer referência à eventualidade de os procedimentos adotados poderem pôr em causa a fiabilidade do sistema de audimetria. A apresentação foi feita na segunda-feira à CAEM, a entidade autorreguladora que agrupa as televisões, as agências de meios e os anunciantes”.

Já para o Diário de Notícias, “A auditoria independente ao novo sistema de medição de audiências arrasa a GfK, a empresa que desde 1 de março é responsável pela operação. A Pricewaterhouse não poupa críticas à empresa de audimetria. O relatório preliminar, a que o DN.pt teve acesso, enumera vários erros da GfK, quer na constituição do painel, quer em falhas técnicas, quer em procedimentos no apuramento dos resultados. Desde a presença de espectadores não portugueses no painel, à segmentação social diferente da contratada inicialmente, passando por longos períodos de emissão sem qualquer espectador, são várias as deficiências apontadas pelos auditores. A auditoria foi encomendada pela Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM), depois da polémica criada em redor dos resultados, desde 1 de março, quando a GfK substituiu a Marktest na medição do consumo televisivo”.

Esperam-se comentários oficiais a este relatório e a posições tão contraditórias nos media a que eu acedi.

[atualizado em 20 de junho de 2012]

“A SIC e a TVI emitiram esta tarde comunicados a defender ser «prematuro tirar conclusões sobre o relatório preliminar» da auditoria da PriceWaterHouse ao novo sistema de medição de audiências televisivas da GfK. Na sequência das notícias contraditórias publicadas ontem e hoje na imprensa portuguesa sobre as conclusões deste documento preliminar, as duas estações privadas anunciam em comunicado que só «farão uma análise detalhada ao relatório final da auditoria para decidir as medidas a tomar» em função dessas conclusões. Contactada pelo Expresso, fonte oficial da RTP também remeteu para as próximas semanas «uma posição oficial sobre o relatório final da auditoria», depois de devidamente analisadas todas as conclusões do documento. Ontem, no entanto, e após o envio do relatório preliminar para os associados da Comissão de Análise de Estudos de Mercado (CAEM) – a entidade de auto-regulação do sector -, a RTP emitiu uma peça nos seus serviços informativos a informar que «a auditoria à medição de audiências televisivas arrasou o sistema da GFK». Em causa estariam, segundo a peça da RTP,  resultados preliminares que demonstrariam «que a amostra foi mal constituída pela GFK» e que «foram identificadas falhas técnicas por parte da empresa» no novo serviço de audiências que substituiu o anterior sistema da Marktest”. Ler mais: Expresso (20.6.2012, às 15:04)

RTP pede auditoria ao sistema da GfK

Da leitura da newsletter da Briefing de hoje, retiro a informação que a RTP pediu uma auditoria ao sistema da medição de audiências da GfK, seguindo recomendações da diretora-geral da Kantar Marktest. A RTP foi a primeira entidade dentro da CAEM (Comissão de Análise de Estudos de Mercados) a levantar questões quanto ao sistema de medição de audiências fornecido pela GfK, em vigor desde o mês passado), tendo entregue um projeto de caderno de encargos para a concretização da mesma. O documento, de onze páginas, terá sido discutido em reunião da CAEM. Os cinco operadores de televisão (RTP, SIC, TVI, ZON e Meo) irão estabelecer um consenso quanto ao “guião” da auditoria, continua o texto da Briefing, que indica que a Kantar Marktest foi a oponente da GfK no concurso aberto pela CAEM para o fornecimento do sistema de audimetria. A notícia não informa, mas li noutros meios que a Marktest Audimetria foi comprada pela Kantar (presente na organização de um seminário de grande projeção sobre audiências realizado o ano passado).

Guerra das audiências

A TVI comunicou hoje à GfK e associados da CAEM – Comissão de Análise de Estudos de Meios que não reconhece a validade dos dados produzidos pelo seu painel, pelo que volta ao painel da Marktest. Em 13 de Fevereiro, a TVI votou na CAEM contra a entrada em vigor do sistema de medição de audiências da GfK por entender que a amostra da painel não garantia a representatividade demográfica da população portuguesa. A RTP teve a mesma atitude e manifestou isso de modo enérgico nas últimas semanas, enquanto a SIC e os operadores de televisão por cabo apoiaram o trabalho da GfK.

Nova medição das audiências: o ganho dos distribuidores de cabo e a perda da RTP

No jornal Público, leio que as audiências dos canais por cabo (e outros) subiram de 25,8% na medição da Marktest para 36,9% segundo a medição da GfK. A RTP1 baixou “de 20,8% de quota de espectadores na quarta-feira para 13,9% durante o dia de quinta”, enquanto a TVI desceu de 24,9% para 23,9%, a SIC de 24,9% para 21,7% e a RTP2 de 3,6% para 3,2%. O sistema da GfK usa a tecnologia de audiomatching, com gravação do som de 150 canais e sua comparação com o da emissão nos 1100 lares do painel.

Uma conclusão rápida mostra que os distribuidores de cabo (canais pagos do Meo e da Zon) se estão a afirmar como os líderes de audiência e do mercado, enquanto os canais generalistas (hertzianos e gratuitos) perdem muito terreno, algo que se anunciava desde 2010 mas que se alterou mais depressa que o previsto. Recorde-se que, desde que a GfK ganhou à Marktest o concurso para medir as audiências, tem havido contestação por parte dos canais de televisão, acentuada nos últimos dias, em que se considera haver uma sobrevalorização dos lares com televisão por cabo. Além de que poderá haver uma depreciação do valor económico da RTP1, se se mantiver a tendência de quebra de audiências, o que a coloca numa situação ainda mais frágil como marca de televisão de serviço público.

Medição de audiências de televisão

Há dias, li uma notícia sobre a atual situação de medição de audiências de televisão. A Marktest, que perdeu a licença para essa medição a favor da GfK, continua a produzi-las. O modelo da GfK ainda não está (estava) estabilizado e a CAEM decidiu manter até ao final deste mês a elaboração de audiências pela Marktest. A notícia avançava com discordâncias dentro do grupo de canais de televisão, com a RTP e a TVI a duvidarem dos futuros resultados da GfK por duas razões: sobreavaliação dos lares com cabo, dificuldades de deteção de algumas frequências de sinais por parte dos equipamentos em teste pela GfK. Do lado desta, encontram-se as duas distribuidoras de televisão por cabo (PT e Zon) e a SIC. Compreende-se a posição deste segundo grupo: a SIC tem uma boa penetração no mercado de televisão a pagamento; as distribuidoras de televisão, que controlam bem o mercado, veem uma possibilidade de liderança mais confortável nas audiências.

Medição de audiências

Lido na newsletter da Meios e Publicidade, a GfK adiou uma segunda vez o arranque do seu sistema de medição de audiências em televisão. A Comissão de Análise e Estudos de Meios (CAEM) solicitará à Marktest que prossiga em Fevereiro a prestação do serviço de audimetria. O sistema de medição de audiências da GFK ainda apresenta resultados que motivam dúvidas aos membros do conselho técnico de televisão da CAEM.

LIVRO DE PEDRO MAGALHÃES SOBRE SONDAGENS

Sondagens, eleições e opinião pública, de Pedro Magalhães, foi lançado no final da tarde no Instituto de Ciências Sociais. Fazendo parte da colecção de ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), o livro procura, como se lê na contracapa, ser “uma introdução não técnica ao mundo das sondagens, e, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre o panorama das sondagens em Portugal: como são feitas e, especialmente, como são encarados os seus resultados”.

A sessão foi dirigida por António Araújo, director da colecção de ensaios da FFMS, e o livro foi apresentado por Manuel Braga da Cruz, Reitor da Universidade Católica, Luís Valente Rosa, da Universidade Nova de Lisboa e antigo responsável da Metris Gfk, e Pedro Camacho, director da revista Visão.

MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS

José Manuel Oliveira, administrador da Marktest Audimetria, deu uma entrevista ao sítio da própria Marktest sobre a medição de audiências de televisão. Pela importância do tema, a entrevista merece ser lida aqui. José Manuel Oliveira diz que “a assinatura deste contrato [da CAEM, a entidade que congrega operadores de televisão, agências de meios e anunciantes, com a GfK] constitui um prejuízo para a indústria e para o País. Desde logo, porque não foi seleccionada a melhor proposta técnica, nem aquela que está assente numa tecnologia testada em dezenas de mercados, com provas dadas e capaz de responder aos desafios do futuro. Em nosso entender, também não foi seleccionada a empresa melhor preparada para desenvolver este serviço, nem aquela que, com maior know how e capacidade técnica, tem condições de responder com grande flexibilidade e qualidade a qualquer solicitação do mercado”.

Dado que a Marktest decidiu continuar a medir as audiências de televisão, a par da GfK, José Manuel Oliveira indica que “A existência de duas empresas não seria uma situação única, pois já aconteceu no passado, no entanto, o que nos parece que está em vias de acontecer é uma limitação à livre concorrência, o que, aliás, motivou da nossa parte a apresentação de uma queixa na Autoridade da Concorrência”.

Entretanto, o número mais recente do Briefing, que ainda não comprei nem li, dá destaque a António Salvador, CEO e sócio da GfK Portugal, e que defende que o novo sistema de audimetria trará as audiências para mais perto “da verdade”. Diz ainda (na informação que promove a revista) que “Os resultados das audiências não vão poder ser iguais aos actuais. Há duas diferenças muito grandes: a forma como é feito o estudo base e o que a tecnologia de audio matching permite auditar. Seria estranhíssimo se não houvesse diferenças. Não vamos ter um novo retrato. Vamos ter a continuidade do actual, só que um bocado menos desfocado”.

A GfK ganhou o concurso aberto pela CAEM para medir a partir de Janeiro de 2012 as audiências televisivas, ao que a Marktest contesta, tendo apresentado uma queixa à Autoridade da Concorrência, como acima escrevo.

AUDIÊNCIAS EM PORTUGAL EM 1970

Audiências dos meios de difusão em Portugal é um texto assinado por Oliveira e Castro e editado em 1971, a partir de um estudo da Norma. O autor, na nota prévia, indica que o estudo é importante para as agências de publicidade e para a definição de uma política de informação e de sensibilização da opinião pública. Os media incluídos no texto seriam imprensa diária, não diária, revistas, rádio, televisão e cinema.

Com dados recolhidos entre 30 de Março e 3 de Maio de 1970 (há 41 anos, portanto), foram inquiridos sete mil indivíduos, 47% de homens e 53% de mulheres, com 23% de indivíduos com idade entre 15 e 24 anos, 21% entre 25 e 34 anos, 17% entre 35 e 44 anos, 16% entre 45 e 54 anos, 12% entre 55 e 64 anos e 11% com mais de 64 anos.

A audiência geral na imprensa diária colocava o Diário de Notícias com 21,6%, O Século com 15,8%, o Diário Popular com 15,3%, o Primeiro de Janeiro com 13,2%, o Jornal de Notícias com 9,5%, o Diário de Lisboa com 7,6%, o Comércio do Porto com 7,3%, A Capital com 5% e o Diário de Coimbra com 2,1%.  Todos os jornais eram mais lidos por homens que por mulheres e pelos mais novos (até 34 anos). Acidentes e desastres (12%), dia a dia (10,5%), política internacional (8,2%), política nacional (6,9%) e desporto (6%) eram os assuntos de maior interesse para os leitores.

Na rádio, a líder era a Emissora Nacional, programa 1 (35,3%), seguida do Rádio Clube Português da Parede (30,6%), do Rádio Clube Português de Miramar (23,7%), da Renascença de Lisboa (12,4%), da Renascença do Porto (11,1%), da Rádio Graça (6,9%) e dos Emissores Norte Reunidos (5,6%). As mulheres ouviam mais que os homens a Emissora Nacional, programa 1, o Rádio Clube Português e a Renascença. O que mais gostavam de ouvir eram programas de noticiário, teatro, discos pedidos, música portuguesa e fados. Só depois vinham os programas desportivos.

A televisão, então com apenas um canal, era mais vista à segunda-feira, seguindo-se o domingo, e o quadro de programas preferidos incluia teatro (37,9%), variedades (30,2%), séries filmadas (27,3%), telejornal (27,2%). Muito depois, preferiam-se programas desportivos (9,6%), folclore (8,8%), tourada (6,2%) e fados e futebol (juntos) (5%).

Frequentar as salas de cinema era um hábito polarizado entre um grande consumo e uma ausência de consumo: 23,7% ia três a sete vezes por semana, 10,7% entre uma e duas vezes, 1,3% uma vez por semana, 14,8% tinham ido na semana anterior, 64,1% não frequentavam o cinema.

Uma conclusão geral seria a da baixa taxa de leitura, visão e audição dos media, o que significava baixos índices de influência na formação da opinião pública.

TELEVISÃO

O grupo Impresa, a quem pertence o canal SIC, teve, no primeiro trimestre de 2011, um prejuízo de 3,4 milhões de euros, segundo se lia ontem no Diário Económico e no Jornal de Negócios. A área editorial (Impresa Publishing) foi a que teve maior quebra de receitas, com 18,3 milhões de euros. A perda de receitas no mercado publicitário foi ligeira.

Quanto a audiências do último domingo, o programa que se estreou Perdidos na Tribo, da TVI, teve 41,5% de share. Seguiu-se o programa Peso Pesado, da SIC, com 35,2% de share (na semana anterior, de estreia, chegara a 44,8%). No total do dia de domingo, a TVI teve 28,83% de share, a SIC 27% e a RTP1 17,13%.

Por seu lado, em artigo de duas páginas no Diário Económico de ontem, José Eduardo Moniz escreve sobre o programa político do PSD, que defende. Aproveita o último ponto, o oitavo, para dizer o que pensa da actual TVI, ele que foi seu director-geral até ao ano passado. Escreve sobre o sofrimento na TVI quanto ao desgaste lento mas sustentado (refere-se às audiências). Sobre o modelo de noticiário, indica que se trata de “um modelo que traz a memória de ideias envelhecidas, disfarçadas em tecnologia e novo riquismo, mas sem inovações dignas desse nome. Aposta, sobretudo, em aspectos formais e parece confiar mais na notoriedade dos apresentadores do que na essência do jornalismo”. Acaba por criticar opções jornalísticas, o que prova que continua a seguir a programação do canal numa mistura de mágoa e de ressentimento.

AUDIÊNCIAS E NOVOS CANAIS DE CABO

Anteontem, o Diário Económico publicou um suplemento comemorativo do primeiro aniversário do canal televisivo do grupo Ongoing, dedicado à economia, citando-me: “Rogério Santos, da Universidade Católica de Lisboa, enquadra esta evolução do Económico em dois movimentos cada vez mais visíveis: «a segmentação e a digitalização». «Enquanto as televisões generalistas terão mais dificuldade em crescer, tratando-se de um mercado maduro, a audiência dos canais por cabo estão a crescer cerca de 20%», explica, lembrando e importância do surgimento dos operadores Meo e Zon nesta área”. O que eu quis dizer foi que o conjunto dos canais por cabo ultrapassou os 20% de audiência.

AUDIÊNCIAS

Ontem, num hotel de Lisboa, a Marktest organizou uma conferência a informar que manterá a medição de audiências de televisão em 2012, apesar da GfK ter ganho o recente concurso lançado pela CAEM (Comissão de Análise de Estudos de Meios) [junto notícias do Jornal de Negócios e Diário Económico de hoje]. A Marktest anunciou também ter em ensaio 60 audímetros com tecnologia audiomatching, tendo já informado a CAEM que pretende adicionar os lares com este equipamento ao painel actual. Na conferência, foi apresentado o audímetro da Kantar, empresa com sede no Reino Unido, que detém 40% da Investimentos Marktest e que foi escolhida pela empresa portuguesa por ter a tecnologia mais fiável instalada em 24 países. O resultado do teste num período recente (28 de Março a 18 de Abril) indica não haver muitas diferenças em termos de audiência entre o sistema instalado e o novo, mas a amostra é reequilibrada. O audiomatching é a tecnologia igualmente a instalar no mercado português pela GfK. Caso as duas empresas façam análise de audiências no começo do próximo ano, assistir-se-á a uma desregulação no mercado como há muito não existia.

TELEVISÃO POR CABO E AUDIÊNCIAS

A quota de canais de cabo pode ter batido um dos canais generalistas em Abril. Nos últimos meses, essa quota de audiência dos canais por cabo tem ultrapassado os 20%, podendo já ter ficado à frente da audiência da RTP1. O jornal Expresso na edição de sábado indica que até 27 de Abril os mais de cem canais de cabo somavam 22,5% das audiências, três décimas acima da quota da RTP1. Os conteúdos dos canais generalistas mantêm-se nos designados blockbusters: notícias, novelas, grandes entrevistas, desporto e conteúdos de entretenimento como reality shows ou talent shows. Os canais de cabo com maior audiência são SIC Notícias (3%), AXN, FOX, Panda, Sport TV, Hollywood, SIC Mulher, RTPN, Disney e SIC Radical. A segmentação de audiências é cada vez maior, capitalizada nomeadamente pela oferta do IPTV, primeiro o Meo e depois a Zon, com novas ofertas e preços concorrenciais. No mesmo texto, indica-se que, por razões desse crescimento dos canais por cabo, as receitas publicitárias subiram.

AUDIÊNCIAS DE MEIOS (1952)

“Todos os jornais e revistas possuem leitores, poucos ou muitos. Porém, os jornais e as revistas têm tiragens que nem sempre correspondem ao seu verdadeiro número de leitores. Há que diferenciar entre os chamados leitores regulares e os leitores ocasionais ou excepcionais, como sejam os leitores de domingo, nos jornais, ou de tiragens especiais, nas revistas” [Salviano Cruz (1952). “Problemas económicos dos jornais e revistas de Portugal e os seus leitores”. A Revista de Pesquisas Económico-Sociais, 3: 303-319].

Assim, pergunta Salviano Cruz, quantos leitores tem determinada publicação? E como são qualitativamente, social e economicamente? O autor parte de um inquérito feito em Lisboa e no Porto pelo processo de amostra estruturada (embora não diga o número de inquiridos, a data em que o trabalho foi feito, qual a entidade que solicitou o estudo e a margem de erro, elementos hoje fundamentais num inquérito, mas indica haver dois estudos por ano, em Junho e em Dezembro). Trata-se, a meu ver, do primeiro texto e estudo de meios em Portugal, pelo que merece uma atenção especial.

Quanto a Lisboa, o jornal mais lido em 1952 era o Diário de Notícias, seguindo-se o Diário Popular, O Século e O Diário de Lisboa, este apresentado como “o jornal mais progressivo e dinâmico desde há 20 a 25 anos”. Além dos chamados quatro grandes, o autor faz uma classificação da imprensa independente em três grupos: 1) desportiva, com A Bola à frente, 2) política, com O Diário da Manhã à frente de A República, e 3) católica, com As Novidades e A Voz. Em Lisboa, 60% dos leitores de classe média e superior, 73% da classe média baixa e 70% de homens e 59% de mulheres lêem o Diário de Notícias; no Porto, 80% de leitores da classe média alta lêem O Primeiro de Janeiro, com 66% de homens e 43% de mulheres.

Já no tocante aos jornais do Porto, O Primeiro de Janeiro aparece à frente, seguido do Jornal de Notícias, O Comércio do Porto e o Diário do Norte. Na imprensa desportiva, O Norte Desportivo aparece à frente de A Bola e O Mundo Desportivo.

Enquanto em Lisboa a imprensa do Porto não chega aos 6%, no Porto a imprensa de Lisboa alcança 27%. Em termos de leitura regular, o Diário de Notícias atinge 57% dos leitores, a que se seguem O Diário Popular e O Século.

O impacto da publicidade junto dos leitores é um dos elementos primordiais do estudo de Salviano Cruz. Por exemplo, a publicidade a produtos higiénicos de carácter feminino no Diário de Lisboa parece pouco indicada. Por outro lado, o preço da publicidade em O Século pode não se justificar, dado o número pouco representativo de leitores que a apreciam. O autor recomenda ser pouco aconselhável economicamente fazer publicidade nos quatro principais jornais de Lisboa em simultâneo. No Porto, para os produtos populares de multidão (é a palavra usada), O Jornal de Notícias é o segundo mais indicado. Destaca-se a atitude menos receptiva à publicidade por parte de O Primeiro de Janeiro.

Salviano Cruz chama a atenção para as estatísticas inflacionadas de tiragem e de vendas apresentadas pelos jornais.

Quanto a revistas, o estudo conclui que 17% da população de Lisboa e 42% da população do Porto não lê revistas. As mais lidas são O Século Ilustrado (45 mil leitores), A Flama (cerca de 43 mil leitores), Modas e Bordados (quase 38 mil leitores). Os leitores regulares predominam sobre os ocasionais. Se O Século Ilustrado é lido pela classe média superior para cima e tem mais leitores masculinos no Porto e femininos em Lisboa, A Flama é lida pela classe média baixa, principalmente no Porto, com maior afluência de leitores católicos. Modas e Bordados e Eva são publicações para mulheres e As Selecções do Reader’s Digest tem na classe média alta o maior número de leitores.

Dos assuntos mais lidos nos jornais, primeiro vem o noticiário internacional e depois o nacional. Os leitores de O Século também gostam de ler os editoriais e o caso do dia (penso que crime ou outro assunto do dia) e os leitores do Diário de Notícias apreciam os anúncios e a secção Cidade.

O autor, na parte final do seu artigo, volta ao tema da publicidade. Escreve ele que, em contraste com as dificuldades da publicidade na imprensa, a da rádio está em aperfeiçoamento, além de que existem cerca de 600 mil aparelhos espalhados pelo país. O maior jornal não ia além de 90 mil leitores, o que indica uma maior concorrência entre os meios. A televisão ainda não tinha chegado e baralhado de novo as estimativas.

Elihu Katz

Só agora li o texto de Elihu Katz (אליהוא כ”ץ) sobre a leitura da recepção a partir da teoria dos efeitos limitados de Paul Lazarsfeld (original de 1989).

Nascido em 1926, o primeiro livro de Katz foi feito em co-autoria com Lazarsfeld (Personal influence: the part played by people in the flow of mass communications, 1955), sobre o fluxo da influência e das interseccções da comunicação de massa e interpessoal. Depois, entre aulas, nomeadamente na Annenberg School for Communication da Universidade da Pennsylvania, presidência da televisão de Israel (1967-1969) e livros, escreveu sobre o sociólogo francês Gabriel Tarde (pode ser lido no livro La réception, como o texto que indico em primeiro lugar), analisou o impacto da televisão com autores como Michael Gurevitch, escreveu Media events com Daniel Dayan (em português: A história em directo. Os acontecimentos mediáticos da televisão, Minerva, 1999), e participou no primeiro congresso da SOPCOM em 1999, com o importante texto One hundred years of communication research, onde falaria do seu “herói” Gabriel Tarde.

Lazarsfeld, nas suas investigações em especial no seu Bureau of Applied Social Research, criado em 1937, ocupou-se da comunicação de massa no processo de decisão: votar, comprar, ir ao cinema, mudar de opinião. Os efeitos dos media, até então profundos e duradouros sobre as audiências, eram temperados com os processos selectivos de atenção, percepção e memória. Estas, escreveu Katz, dependem de variáveis de situação como idade, história familiar, pertença política. O jornal, a rádio e os outros media partilham com o grupo primário um duplo papel: rede de informação, gerador de pressão social. Katz considera ainda aplicável, hoje, a teoria do fluxo de comunicação em dois passos, corrigindo algumas perspectivas como a substituição da influência pela informação, a partilha de influência de vários líderes, etapas múltiplas em vez de apenas duas.

Katz apresenta três perspectivas discordantes do modelo de efeitos limitados: institucional, crítico e tecnológico. O mais sedutor e o mais atacado por Katz é o crítico, centrado nos textos de Todd Gitlin. Curiosamente, o livro organizado por João Pissarra Esteves, Comunicação e sociedade. Os efeitos sociais dos meios de comunicação de massa, 2002, publica um texto de Katz e outro de Gitlin, onde este segundo autor evidencia a polémica). Gitlin, segundo Katz, releva a ambiguidade e liberdade de público e a escassa influência do líder de opinião, exactamente o oposto dos autores dos efeitos limitados. Para Gitlin, na leitura de Katz, o poder dos media é grande, com estes a construirem a realidade política e social, a decidirem o que é politicamente legítimo ou desviante, a fazerem a imagem dos movimentos sociais.

A leitura do texto de Katz permite-me reconstituir a visão sobre o paradigma dominante ou administrativo ou teoria dos efeitos limitados, como se chamou à linha de investigação de Lazarsfeld, já no final da década de 1970 e anos seguintes. A sua compreensão pode ter apenas um interesse histórico, mas leva-me a olhar a querela público-audiência de outro modo.

Leitura: Elihu Katz (2009). “Lire la réception à travers le modèle des effets limités. Actualité de Lazarsfeld”. Em Cécile Méadel (coord.) La réception. Paris: CNRS Éditions, pp. 47-67

AUDIENCES

From Audience to Users and Beyond is the second Finnish COST Action-seminar. The organizer of the second conference is Aalto TAIK Department of Media in cooperation with Media Factory, Aalto SCI and Aalto ECON, Tampere University and University of Helsinki. Aalto University, Otaniemi, Finland June, 6-7, 2011. For more information contact Professor Maija Töyry (maija.toyry@aalto.fi).

AUDIÊNCIAS EM CÉCILE MÉADEL

De entre as representações do conceito público, a sondagem é uma das mais usadas formas de medir. A medição de audiências situa-se no mesmo plano, com emprego estatístico, quando aplicada à televisão, à rádio e, mas recentemente, à internet, onde se aplicam valores ligados a públicos-alvo, programação.

No seu livro Quantifier le public (2010), Cécile Méadel analisa a evolução da medição de audiências de um tempo qualitativo até uma época de valores quantitativos. Aparelhagem metodológica, definição do objecto, utilizações dos resultados, inquérito telefónico, caderno diário, audímetro, são alguns dos elementos trabalhados no livro.

O texto é objectivo, mas nota-se uma espécie de nostalgia pela perda de importância do conceito público face ao de audiência, de modo menos notório e apaixonado que nos livros de Daniel Dayan. Méadel (2010: 10) afirma a existência de críticas (técnicas), a primeira das quais acentua o carácter artificial das medidas, a diferença muito negligenciada entre público e audiência e os limites, em particular científicos, dos dados que nada dizem em termos das práticas de consumo.

Em segundo lugar, a crítica entra nas esferas do político, do mediático e do universitário, dada a articulação desastrosa entre medidas de audiência e qualidade de programas. O audímetro é uma espécie de separador da programação em direcção ao menor denominador comum, de fraqueza da qualidade intelectual dos programas. O audímetro parece ser o oposto da inteligência na televisão ou o audímetro é a desculpa para a a falta de debate (Méadel, 2010: 11). Ainda: o audímetro é um instrumento de gestão económica das marcas.

A autora escreve sobre o Big Brother, o programa audimétrico por excelência, que condensa todos os ingredientes da televisão contemporânea (directo, interactividade, autenticidade e intimidade), construído para ser falado pelos outros. No fundo, a medição de audiência marginaliza o estudo qualitativo e aprofundado das práticas culturais dos usos da rádio e da televisão (Méadel, 2010: 15).

O livro identifica o desenvolvimento dos inquéritos estatísticos nas décadas de 1950 e 1960, aplicados respectivamente à rádio e à televisão em França, a produção de publicações, o interesse da matéria sobre os políticos e as empresas (de audiovisual, anunciantes) e o uso do audímetro.

Cécile Méadel é investigadora do Centre de sociologie de l’innovations (CNRS) e professora universitária, publicou nomeadamente uma Histoire de la radio des années trente, que este blogueiro leu com muita atenção e prazer, e conjuntamente com Jérôme Bourdon está a organizar a edição do livro Deconstructing the ratings machine: television audience measurement worldwide (com capítulos de especialistas na área como Philip M. Napoli e Tom O’Regan).

Leitura: Cécile Méadel (2010). Quantifier le public. Histoire des mesures de la radio et de la télévision. Paris: Economica, 283 páginas

INOVAÇÕES NAS AUDIÊNCIAS

A introdução do Local People Meter (LPM), desenvolvido pela Nielsen em 210 mercados de televisão local nos Estados Unidos encontrou muita resistência. O LPM foi um salto metodológico importante, passando dos diários em papel para os set-top meters electrónicos semelhantes aos usados nas audiências de televisão nacionais na década de 1980.

Tudo começou com o primeiro sistema de teste em Boston nos finais da década de 1990, vinda principalmente das estações televisivas locais. A resistência devia-se a: 1) mudança substancial na metodologia existente (e ruptura nas práticas instauradas), 2) custos associados à mudança, 3) incapacidade dos media absorverem tanta informação, 4) a Nielsen instituiu a mudança antes de haver acreditação do sistema por parte do Media Rating Council americano (MRC). Com o sistema LPM, as estações locais experimentaram quebras significativas, ao passo que os canais por cabo experimentaram crescimentos significativos.

Leitura: Philip M. Napoli (2011). Audience evolution. New technologies and the transformation of media audiences. Nova Iorque: Columbia University Press, pp. 132-135

AUDIMETRIA

Em comunicado, a Marktest “não se conforma, sem contestação” a classificação no concurso para medição de audiências na televisão, onde ficou atrás da GFK, com resultados divulgados há duas semanas. A Marktest entende que a decisão foi o “resultado de um processo, dirigido, desde o início, contra si” e que “não foi escolhida a proposta mais qualificada do ponto de vista técnico, tecnológico e aquela que assegurava um melhor nível de serviço” (Meios & Publicidade). A Marktest, que tem fornecido ao mercado os dados de audiência de televisão nos últimos 18 anos, obteve a melhor pontuação na fase técnica, mas Fernando Cruz, director-executivo da Comissão de Análise de Estudos de Mercado (CAEM), indica que a GFK apresentou a proposta financeiramente mais baixa. Segundo a mesma notícia, a opção pela GFK “levantou, no entanto, reservas junto dos operadores, dado o facto dos meters propostos não estarem implementados em nenhum mercado, tendo sido pedido uma certificação dos aparelhos ao CESP – Centre d’Études des Supports de Publicité (a mesma entidade que validou o caderno de encargos)”.

AUDIÊNCIAS DA PORTO CANAL

O canal de televisão regional por cabo Porto Canal refutou os argumentos da Marktest Audimetria sobre a diferença de valores de audiência entre diferentes estudos, reafirmando que o sistema de medição utilizado pela Marktest não é fiável. O canal reiteraria a “confiança na veracidade dos dados avançados pelo Instituto de Pesquisa de Opinião de Mercado (IPOM), que concluiu que 5,7% dos telespectadores dos cinco distritos do Norte vêem diariamente a estação”. O Porto Canal anunciou em Outubro o abandono do sistema de medição de audiências da Marktest Audimetria, criticando a sua fiabilidade. A Marktest Audimetria indicou que o share do Porto Canal baixou de 0,9% em Setembro de 2010 para 0,4% em Janeiro e argumentou que foram usados termos de comparação que não o podem ser (a partir de notícia da Briefing).