Arquivo da categoria: Banda desenhada

A Festa, uma banda desenhada

Julgo ter sido em 1988 que Henrique Leorne fez as vinhetas da banda desenhada A Festa, a partir de um texto meu. Descobri nos meus papéis esta colaboração – na altura, trabalhávamos na indústria das telecomunicações – e resolvi reproduzi-las aqui, numa homenagem ao autor dos desenhos. A Festa era um concurso do melhor mascarado no Carnaval – e que até envolve a televisão.

Realce: a importância do telefone na comunicação humana. O objetivo era fazer uma impressão tipo livro de banda desenhada. Mas nunca foi publicado nem sequer mostrado a alguém. Creio que nem o autor dos desenhos ficou com uma cópia.

A realização da festa é comunicada a muita gente de profissões diferentes: empregada de escritório, basquetebolista, professora do ensino secundário, mecânico. Todos recebem bem a notícia e vão preparar as suas roupas e máscaras. O telefone é sempre fixo. De notar o telefone que liga ao futebolista, com um longo cabo desde a ficha, algo que não era habitual nas instalações telefónicas de então mas que se viam em filmes americanos, quando as conversas eram longas (e românticas).

Numa imagem, Henrique Leorne propôs-me mudar o texto. Onde eu tinha escrito bebidas como vinho e cerveja, ele optou por bebidas não alcoólicas (ver o meu texto no final da mensagem). Era um tempo em que se discutia publicamente a questão, do mesmo modo que o tabaco. Ainda me lembro de ver locutores-jornalistas na televisão apresentarem o telejornal enquanto fumavam. Hoje, é impossível.

Noutra vinheta, observa-se o movimento urbano (transportes públicos e particulares, transporte de bens) e indicação da discoteca da festa. Em fundo, que eu apreciei muito quando Henrique Leorne me mostrou o conjunto dos desenhos, uma cidade de prédios elevados e muitas luzes, a indiciar uma pujante vida urbana. Curiosa, porque datada num tempo, a vinheta do cliente ir à loja de computadores reservar uma mesa para a festa. Hoje, far-se-ia online (em linha). Na mesa ao fundo, um empregado da loja escreve num papel; hoje, usaria um tablet ou telemóvel inteligente.

Já agora, nem um só telemóvel ao dispor dos utentes do metro ou autocarro. O desenhador não podia prever a explosão de aparelhos de comunicação móvel. A primeira empresa em Portugal, a TMN surgiu em 1991 e os primeiros telemóveis eram muito grandes (implantavam-se nas malas dos automóveis) e muito caros.

Uma das imagens tem anacronismos. Se a empresa de telefones pretendia que o consumo (ligações telefónicas) fosse fluído, a ideia aqui é a do “entupimento” (linhas todas ocupadas). A imagem da central manual com telefonistas quase tinha desaparecido com a implantação de centrais digitais. O desenho da telefonista, de perfil, retoma uma imagem de Henrique Leorne feito noutra ocasião da sua colaboração.

Quando o cliente comenta ir para a festa, a telefonista, ainda vista de perfil, lamenta não poder ir. As horas do seu turno de trabalho coincidiam com as da festa. Na vinheta seguinte, onde se recupera o enquadramento de desenho anterior da banda desenhada, vê-se uma carrinha com panos publicitários a anunciar a festa. Ao fundo, no passeio, de forma estilizada, tipos de figuras: o punk (de cabelos eriçados), o janota (de chapéu alto) e a senhora da sociedade (com estola).

Como comentário final, houve sempre uma ligação (ou tentação) das telecomunicações aos media. A televisão é cobiçada pelas telecomunicações em termos de conteúdos e transporte de mensagens. A PT teve no seu portfólio de empresas jornais e uma rádio. Nos anos mais recentes, procurou comprar um canal de televisão generalista.

Observação: faz hoje 15 anos que comecei a escrever nas redes sociais (caso da Blogger.com).

Colóquio sobre O Mosquito na Biblioteca Nacional

Por ocasião dos 80 anos do lançamento da revista juvenil de banda desenhada O Mosquito, que se publicou durante dezassete anos e na qual diversos artistas portugueses iniciaram ou desenvolveram as suas carreiras, a Biblioteca Nacional de Portugal e o Clube Português de Banda Desenhada promovem um colóquio, a 17 de fevereiro, pelas 17:00, no auditório da BN, com entrada livre. Uma exposição associada, com exemplares da revista, publicações associadas e construções oferecidas como separatas, estará patente na Biblioteca Nacional até ao dia 29 fevereiro de 2016.

O programa conta a participação de José Ruy (leitor de primeira hora e posteriormente colaborador da revista onde publicou O Reino Proibido) sobre a parceria de Tiotónio e Raul Correia na criação e desenvolvimento de O Mosquito, António Martinó Coutinho sobre memórias portuenses de Hélder Pacheco relativas a O Mosquito, Carlos Gonçalves sobre as construções de O Mosquito, e João Manuel Mimoso, complementado com uma visita guiada à exposição.

Atualização no dia 17 de fevereiro de 2016: no colóquio, intervieram João Manuel Mimoso, António Martinó Coutinho, Carlos Gonçalves e José Ruy (nos vídeos, parcelas das intervenções do primeiro e último dos oradores).


AmadoraBD – 25 anos

O Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora foi criado em Novembro de 1990. na 25ª edição, a autora em destaque seria Joana Afonso, responsável pelo desenho d’O Baile, premiado como melhor álbum no prémio nacional de BD da Amadora em 2013.

Núcleos: 1) os grandes mercados: EUA e Japão, 2) a BD para além da BD: biografia, graphic novel, não-ficção, 3) novos suportes: BD no ecrã, 4) regresso às origens: tinta no papel, 5) editar e distribuir ao alcance de todos, 6) trabalho colectivo: a internet quebrando fronteiras, 7) o colosso franco-belga, 8) BD no Cinema. Comissariado por Sara Figueiredo Costa e Luís Salvado, retiro do texto deles no catálogo:

“Ao lado de modelos de produção e distribuição de banda desenhada com algumas décadas de consolidação, como os grandes mercados dos comics nos Estados Unidos da América, da mangá no Japão, ou do mercado franco-belga, outros modos de trabalhar foram ganhando espaço. A democratização dos modos de produção e impressão de livros e revistas preconizada pela impressão digital, pela vulgarização das ferramentas de paginação e pelos serviços de print-on-demand permitiu que mais gente acedesse ao trabalho de edição, sem necessidade de uma grande estrutura a apoiar o seu trabalho. Por outro lado, a enorme expansão da internet, quer como plataforma de divulgação, discussão e venda, quer como ferramenta de comunicação que coloca gente em contacto em qualquer parte do mundo, permitiu uma liberdade de contactos cujos resultados estão à vista em trabalhos colectivos, parcerias e redes de divulgação que podem chegar a qualquer parte do mundo”(ver aqui catálogo e programa).

23º Festival Internacional de Banda Desenhada 2012 Amadora

Paulo Monteiro, autor da ilustração de base da imagem do festival deste ano (melhor álbum de 2011), autobiografia na banda desenhada, Homem Aranha, Portugal de Cyril Pedrosa, Zep, Victor Mesquita, Ricardo Cabral (melhor desenho de álbum português), José Carlos Fernandes e Ana Afonso preenchem uma parcela importante da edição deste festival de banda desenhada da Amadora. A ver até 11 de novembro.

Cartoon no festival de banda desenhada da Amadora

Até ao dia 8 deste mês, pelas 17:00, está aberto o concurso de cartoon inserido no 23º Amadora BD – Festival Internacional de Banda Desenhada 2012. O tema do concurso é livre e podem concorrer os autores que tenham mais de 16 anos de idade, com trabalhos individuais ou em equipa, a entregar na Câmara Municipal da Amadora (CNBDI – Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem) (Av. do Brasil, 52 A, Amadora). Cada concorrente ou equipa pode apresentar até dois trabalhos, com pseudónimo para cada trabalho. O formato dos trabalhos admitidos é o A4.

A exposição de cartoons estará patente durante o 23º Amadora BD – Festival Internacional de Banda Desenhada 2012, entre 26 de outubro e 11 de novembro.

Fanzine CRU

Casa de nomes como Esgar Acelerado, Rui Torres, Rui Ricardo, Eduardo de Portugal, Helen Gossip, Emerenciano Osga, Mário Moura, Paolo Matlam, Asnaldo di Pietro, Randy Alvey, Cunha Rêgo, entre muitos outros, a CRU, revista rasca e vadia, foi o fanzine mais representativo do no-design e do do it yourself português durante a década de 1990. Com tiragens que não ultrapassavam os 100 exemplares, a CRU é hoje um valioso objeto de coleção, que agora se (re)introduz a uma plateia mais vasta. No limbo desde 1999, a CRU regressa aos escaparates com uma nova edição, mais rasca e vadia de que nunca, com antigos e novos colaboradores. CRU, uma publicação pelintra, repleta do melhor da cultura underground. valter hugo mãe (que aqui se estreia como argumentista de BD), Nuno Saraiva, Alex Gozblau, Esgar Acelerado, Valquíria Aragão, Johnny Ryan, Rudolfo, Darren Merinuk ou Zita Carícias são alguns dos colaboradores desta edição, repleta de banda desenhada, ilustração, contos, críticas de discos, cinema, colunas de opinião e muitos outros motivos de interesse. Com impressão offset limitada a 300 exemplares [imagem e informação fornecidas pelos responsáveis da publicação].

GRAFITTI DA BRANDOA

Há um grande realismo nas imagens dos grafitos da Brandoa, ali às portas de Lisboa. Cenas da vida do quotidiano (o casal num processo de afastamento, o polícia à procura dos bandidos, a cena da beleza e da necrofilia), cores vivas, animais com um grande antropomorfismo, com atitudes tiradas dos humanos (o dragão, os tigres), imagens da banda desenhada, a homenagear o festival que se realiza ali perto, como se fosse uma enorme banda desenhada para ler enquanto se viaja de automóvel e contorna a rotunda.

BANDA DESENHADA DA AMADORA

O 22º Festival Internacional de Banda Desenhada 2011 da Amadora decorre sob o signo do humor e do centenário da fundação da Sociedade dos Humoristas Portugueses, cujo manifesto data de Junho de 1911, publicado no jornal Sátira. Conforme diz Osvaldo de Sousa no catálogo do Festival, o manifesto considerava que a “caricatura não serve só para desmandibular as multidões num riso animal. Tem uma grave responsabilidade perante a história, qual seja a concepção dos costumes”. Em torno da Sociedade, movimentaram-se humoristas como Christiano Cruz, Almada Negreiros, Stuart Carvalhais, Jorge Barradas e Hipólito Collomb. O único projecto concretizado da Sociedade dos Humoristas Portugueses foi a produção de duas exposições em 1912 e 1913.

Osvaldo de Sousa escreve igualmente sobre o humor na banda desenhada internacional. Ele estrutura o seu texto nos seguintes pontos: 1) génese estrutural e satírica, 1800-1900, 2) génese conceptual e humorística, 1895-1915, 3) génese da narrativa como sonho poético, 1900-1910, 4) despertar das estéticas e da ironia, 1915-1928, 5) da maturação à reconversão, 1928-1950, 6) da redescoberta à sublevação, 1947-1960, 7) revolução dos grotescos, 1955-1970, 8) da contestação ao apaziguamento irónico, 1968-1980, 9) contemporaneidade, 1980-2000, 10) século XXI.

Há ainda textos de John Lent (cartoons, banda desenhada e humor), Amadeu Carvalho Homem (riso, sátira e caricatura), Pedro Cleto (rir com Axtérix e a primeira publicação em Portugal na revista Foguetão). Os 60 anos dos Peanuts (desde o começo da década de 1950) são recordados com texto do museu Charles Schulz. Mais à frente, no catálogo há lugar para os prémios de 2010, para os concursos de 2011, o festival pela cidade e AmadoraCartoon.

FESTA DA BANDA DESENHADA NA AMADORA

O 22º Festival Internacional de Banda Desenhada 2011 vai decorrer na Amadora de 21 de Outubro a 6 de Novembro. O Fórum Luís de Camões é o ponto de encontro internacional. Exposições de autores nacionais e estrangeiros, novidades editoriais, debates e colóquios, concertos, feira do livro e animação infantil são as actividades previstas. O tema central é O humor na banda desenhada. O Festival celebra os 60 anos dos Peanuts.

CONFERÊNCIA SOBRE BANDA DESENHADA

O Instituto B. Franklin ­de Estudos Norteamericanos da Universidad de Alcalá (Alcalá de Henares, Madrid) organiza uma conferência internacional sobre banda desenhada (International Conference on Comics and Graphics Novels) com o título Sites of Visual and Textual Innovation, de 10 a 12 de Novembro de 2011. O objectivo é levar à conferência o maior número de especialistas em banda desenhada e manga para uma reflexão dessas matérias.

BANDA DESENHADA E PRIMEIRA REPÚBLICA

A Câmara Municipal da Amadora (Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem, CNBDI) e a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República organizam a exposição A I República na Banda Desenhada e no olhar do Século XXI, patente até 5 de Outubro próximo no CNBDI. Muito do material é composto por desenhos originais de artistas e publicações das décadas de 1910 e 1920.

Presente ainda o mais antigo filme de animação português, O Pesadelo de António Maria, realizado recentemente por Paulo Cambraia a partir do original de 1923 do ilustrador e realizador Joaquim Guerreiro [sobre a história deste filme ver o blogue Animação Portuguesa].

CALVIN AND HOBBES

O cartoonista norte-americano Bill Waterson (51 anos), criador de Calvin and Hobbes, afirmou, em entrevista publicada hoje no Cleveland Plain Dealer, que não se arrepende de ter deixado de desenhar as tiras de banda desenhada (fonte: Público). Já passaram quinze anos. Então, 2400 jornais imprimiam as aventuras de um miúdo traquina e do seu urso de peluche transformado em companheiro folgazão pela imaginação da criança e que atingiam centenas de milhões de leitores em todo o mundo. Em Portugal, foi no jornal Público que se pode acompanhar as fantásticas tiras entretanto passadas para livro.

BANDA DESENHADA

O número 10, com data de Dezembro de 2009, do BD’/10, Boletim de Informação do CNBDI (Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem) da câmara da Amadora é dedicado à 20ª edição do Amadora BD, realizada em Outubro último.

O álbum Metrópole Feérica – Terra Incógnita, volume 1, de Luís Henriques (desenho) e José Carlos Fernandes (argumento) foi o vencedor em três categorias destinadas a autores nacionais – melhor álbum, melhor desenho, melhor argumento. François Schuiten e Benoït Peeters ganharam dois prémios, aquele com o melhor álbum estrangeiro, este com o prémio Juventude, pelo álbum A Teoria do Grão de Areia. O 1º prémio cartoon foi ganho por Bruno Sá.

A edição de 2009 do festival de banda desenhada serviu ainda para homenagear Artur Correia (revistas Papagaio e Cavaleiro Andante) e Maurício de Sousa (brasileiro, ilustrador do suplemento infantil do jornal O Estado de S. Paulo).

LEITURA DE BANDA DESENHADA


Dado o sucesso de sessões anteriores, a Bedeteca vai manter o Grupo de Leitores de Banda Desenhada (GLBD), actividade da Bedeteca de Lisboa, concebida em colaboração com Sara Figueiredo Costa e Pedro Moura. O novo ciclo terá Sara Figueiredo Costa como moderaradora (a Sara é a autora do blogue Cadeirão Voltaire, agora com problemas informáticos de actualização).

O objectivo principal do GLBD é partilhar leituras de títulos de banda desenhada. As sessões decorrem no auditório da Bedeteca de Lisboa, às 16:30, de 15 em 15 dias. Na sessão do passado sábado, o GLBD terá discutido a lista de livros para selecção.

Para saber mais, enviar um email para bedeteca@cm-lisboa.pt.

Fonte: Bedeteca

19º FIBDA


O 19º Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora (FIBDA) inaugurou ontem, este ano com o tema central da Tecnologia e Ficção Científica.

Recorda-se o herói Flash Gordon (de Alex Raymond), que procura liquidar o terrível imperador Ming, Valerian (de Pierre Christin e Jean Claude Mézières) que chega no ano 2770, a Guerra das estrelas e Blake & Mortimer. Luís Henrique é o autor em destaque, tendo ganho o Prémio para Melhor Desenho do FIBDA 2007 (ler o texto de Sara Figueiredo Costa no catálogo da exposição).

O catálogo é um elemento fundamental para a compreensão da filosofia da exposição central. No texto que justifica o tema e os autores escolhidos para essa exposição, escreve Pedro Mota que o ponto de partida seria o estudo de Jorge Magalhães, Banda Desenhada e Ficção Científica – as Madrugadas do Futuro (2005). Definido o universo, escolheram-se obras dos seguintes autores portugueses: Jayme Cortez, Fernando Bento, Vítor Péon, António Barata, José Garcês, Monteiro Neves, Nuno San Payo, Júlio Resende, Jorge Brandeiro, Relvas, Victor Mesquita, Augusto Mota e Nelson Dias, Luís Louro, Luís Diferr e José Ruy.

De leitura obrigatória, o ensaio do próprio Jorge Magalhães no catálogo, O Século XX e a BD de Ficção Científica em Portugal, um longo e magnífico texto de 31 páginas.

Já hoje à tarde, e em edição da Plátano Editora, Jorge Miguel lançou o álbum Camões. De vós não conhecido nem sonhado? Apenas posso dizer que me vou deliciar hoje à noite a ler a história e a olhar para os magníficos desenhos de Miguel (à esquerda na imagem em baixo). Só de olhar para o quadrinho da Rua Nova dos Mercadores (p. 8), cresce água na minha boca.

BANDA DESENHADA NA AMADORA


O 19º Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora aproxima-se, pois decorre entre 24 de Outubro e 9 de Novembro, no Fórum Luís de Camões, na Brandoa.


O tema principal deste ano é a tecnologia e a ficção científica. Haverá lugar para um tributo ao mestre José Garcês e uma homenagem a José Ruy, cuja exposição está patente até Março do próximo ano.

ÁLBUNS DE BANDA DESENHADA


O primeiro é o melhor livro italiano de banda desenhada atribuído este ano pelo Festival de BD de Roma – ROMICS 2008 e pertence a Giorgio Fratini, com tradução de Selena da Cruz Testolina. Chama-se As paredes têm ouvidos e é editado pela Campo das Letras.

O segundo é a edição polaca de Tu és a mulher da minha vida, ela a mulher dos meus sonhos, de Pedro Brito (argumento) e João Fazenda (desenho), sob o título Kobieta mego życia, kobieta moich snów. O livro foi vencedor dos prémios “Melhor Álbum Nacional” e “Juventude” no Festival de Banda Desenhada da Amadora de 2000. A obra já tem uma edição francesa saída este ano (mais informações em Taurusmedia).

19º FESTIVAL INTERNACIONAL DE BANDA DESENHADA DA AMADORA


O 19º Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora (FIBDA) realiza-se entre 24 de Outubro e 9 de Novembro deste ano.

Nessa ocasião, organizam-se Concursos de BD e de Cartoon com objectivo “de encontrar novos valores, incentivar a produção da Banda Desenhada e proporcionar a sua apresentação pública”. O tema central do FIBDA e dos concursos é Tecnologia e Ficção Científica.

Na categoria de Banda Desenhada, existem dois escalões etários: A (17-30 anos) e B (12-16); na categoria de Cartoon existe um só escalão, indo dos 16 aos 30 anos.

Para conhecer as normas de participação nos Concursos de BD e de Cartoon e a ficha de inscrição, ver aqui.

CERCA – O ÁLBUM ILUSTRADO DE NATALIA COLOMBO

A argentina Natalia Colombo ganha o I Prémio Internacional Compostela com o álbum intitulado Cerca.

O I Prémio Internacional Compostela para Álbuns Ilustrados foi organizado pelo Departamento de Educação do Concelho de Santiago de Compostela e pela editora Kalandraka. O galardão tem um valor pecuniário de 12 mil euros, sendo o livro publicado no final de 2008 pela Kalandraka nas cinco línguas peninsulares. O júri avaliou 335 trabalhos provenientes de inúmeros países. Houve menções honrosas para os trabalhos dos portugueses José António Gomes e Gémeo Luís, e Isabel Minhós Martins e Yara Kono.

Informações suplementares: comunicacion@kalandraka.com.

INTERTOON


Muitos dos cartunes referem a vida da cidade da Guarda e da região onde Luís Veloso vive. O seu blogue Intertoon, de “Alguns momentos de HUMOR imaginados e criados no planeta TERRA” é muito interessante, pois combina a crítica política mais geral e cenas do quotidiano mais local. Quase sempre usa dois quadradinhos para contar a sua história, com personagens tipificados – o casal em torno de uma mesa ou dois amigos lendo o jornal e reflectindo acontecimentos recentes, o funcionário público versus um cidadão recorrendo aos serviços do Estado, visões de D. Quixote e Sancho Pança (em Portugal), o paciente com o psicanalista. A apreciar.

BANDA DESENHADA


Foi numa aula da semana passada que ouvi Nelson Dona, o responsável pelo Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora (FIBDA). Ele falou da banda desenhada (BD) enquanto arte (a 9ª), da linguagem da BD, da apresentação do festival da Amadora e da indústria da BD (mundo editorial).


A BD enquanto arte nasce, conjuntamente com o cinema, do contexto da revolução industrial, com base na imprensa. Logo, a BD implica reprodução – é uma indústria cultural –, onde se fala da imprensa, de revistas, do livro. Em Portugal, o primeiro autor foi Rafael Bordallo Pinheiro, ainda no século XIX. Até aos anos de 1920, usava-se o termo ilustrado para designar um tipo de imagem, caricatura ou desenho. A BD aparecia em jornais. Entre os anos 1930 e meados dos anos 1960, a designação passou a ser história aos quadradinhos (vinheta ou moldura).

Nesses anos 1930, surgiam revistas especializadas com artistas como Almada Negreiros, Stuart Carvalhais e Cottinelli Telmo. Os nomes dessas publicações eram Camarada, Gafanhoto, Pim-pam-pum, designações que evocam públicos-alvo específicos: crianças e adolescentes. E o bissemanal Mosquito (1936-1953), de António Cardoso Lopes, em que as histórias mais longas continuavam em números seguintes, atingindo cem mil exemplares cada número. O Mosquito tinha um suplemento feminino, A Formiga, em tamanho mais pequeno que a revista, dirigido pela tia Nita (mãe do actor Mário Viegas), que escrevia número a número cartas tipo correio sentimental. A partir dos anos 1960, surge a revista Tintim, coordenada por Vasco Granja, começando a privilegiar-se a BD franco-belga. A revista portuguesa seria a primeira feita fora de França e a primeira editada a cores em todo o mundo.

BD, designação adoptada desde finais dos anos de 1960, vindo do francês, significa tira desenhada (inglês: strip) e tira dominical, adquire palavras específicas em cada país. Assim, no Brasil é quadrinho, na América Latina historieta, na Itália fummeto e no Japão mangá. Nos Estados Unidos mantém a designação comics.

A BD é uma narrativa dupla de texto e imagem, situando-se entre a cultura literária e as artes visuais. Um dos pais da BD é Rodolphe Töpffer (1799-1846), gravador e teórico da futura BD, para quem esta era uma associação de literatura e história ilustrada – a literatura gráfica. Outro pioneiro da BD foi Richard Felton Outcault (1846-1905), o primeiro a inserir o balão como espaço de inserção do texto nas vinhetas.

Ora, balão e vinheta fazem parte da gramática da BD, a par de figuras/personagens, onomatopeia, linhas cinéticas (de movimento), quadro (o que está dentro da vinheta), prancha (página), elipse (tempo existente entre duas vinhetas). À gramática junta-se o tempo de trabalho de um álbum: estima-se que um livro como o Tintim demorasse dois a três anos a fazer. E a discussão sobre se a BD é cultura de comunicação de massas – eu prefiro a designação de indústria cultural, dada a sua reprodutibilidade técnica e massificação, como o cinema, a televisão e a internet. A BD perdeu a conotação de ser uma actividade voltada para públicos muito jovens, agarrando hoje leitores de todas as idades.

O FIBDA

O Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora (FIBDA) arrancou em 1990, com apoio da Câmara Municipal da Amadora. Começou com a ideia de jovens quererem fazer um fanzine (fanáticos de magazine). Entretanto, corria um concurso sobre aviação portuguesa em BD, o que ajudou a alicerçar a ideia. Por outro lado ainda, a Amadora era um concelho em que residiam (ou tinham residido) artistas ligados à BD, como António Cardoso Lopes, o responsável pelo Mosquito. Nesse arranque do que é hoje o FIBDA fez-se uma pequena exposição. Simultaneamente, vivia-se um boom da BD, levando os promotores do evento a internacionalizarem-no na terceira edição.

O FIBDA é, actualmente, para além da mostra de novos artistas, lugar para exposições temáticas e de outras estéticas, conferências, venda de livros e promoção da leitura, e prémios (os nossos óscares na BD), com um custo total anual rondando os 400 mil euros, suportados maioritariamente pela autarquia. O festival funciona com um cariz artístico e que integra eventos paralelos que atraem públicos distintos (caso do FIBDA júnior, com ateliês). O FIBDA – e actividades e instituições como o Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem e o serviço de itinerância de exposições – emprega seis colaboradores a tempo inteiro, mas atinge as 200 pessoas por ocasião do festival. A itinerância de exposições está a alcançar diversos pontos do globo, prova da notoriedade e reconhecimento do bom trabalho desenvolvido pela equipa.

A próxima edição do festival vai ter uma boa representação da BD chinesa, grande potência mundial e com elevada qualidade estética, a qual esteve no centro do muito recente festival de Angoulême (França). A entrada da China no mercado mundial da BD veio alterar a correlação de forças entre as várias áreas do planeta. Se os Estados Unidos são o principal produtor e exportador de BD, o eixo França-Bélgica (20% da indústria editorial reside na BD) e o Japão eram outros pólos fundame
ntais da indústria.

O MOSQUITO E TIOTÓNIO, O SEU CRIADOR

Escreve Carlos Pessoa na edição de hoje do Público sobre o Mosquito (1936-1953) e o seu criador, António Cardoso Lopes, mais conhecido por Tiotónio.


Tiotónio nasceu na Amadora, cidade onde decorre o Festival Internacional de Banda Desenhada (FIBDA) e que o homenageia nesta edição. Ele e Raúl Correia fundariam o Mosquito, publicação que chegou a ter tiragens semanais de 60 mil exemplares (nas imagens acima: página do Público de hoje, meia página do catálogo sobre o Mosquito, produto de exposição realizada em 2006-2007 na Amadora, e capa do livro sobre práticas culturais dos visitantes do 16º Festival Internacional de banda Desenhada da Amadora, publicação a que espero regressar em breve).

Tiotónio nasceu em 12 de Junho de 1907 e foi responsável por figuras como Zé Pacóvio e Grilinho. Director artístico do Mosquito, o autor passara pela revista Tic-Tac (onde conheceria o outro fundador do Mosquito, Raúl Correia), O Bébé e Có-Có-Ró-Có, entre outras publicações. mais tarde, António Cardoso Lopes Júnior partiu para o Brasil, começando uma nova vida familiar e profissional, ligada ainda às actividades gráficas mas nunca conseguindo atingir o brilho que obtivera com as publicações em Lisboa. O autor de O Mosquito faleceria em 1985, no Rio de Janeiro (Brasil), exactamente no mesmo ano em que o seu companheiro Raúl Correia desaparecia igualmente.