Arquivo da categoria: Cidades criativas

Andor violeta


Andor violeta foi uma expressão que sempre achei, em simultâneo, fascinante e estranha. Significa apenas “põe-te a andar” ou “sai da minha frente, não me aborreças”. Há outras expressões ou palavras igualmente curiosas como sertã (frigideira), “estar com o toco” (estar aborrecido) ou morcão (tonto ou estúpido). E ainda cruzeta (cabide), ferrar o jeco (fazer uma dívida), trolha (pedreiro) ou carago (caramba).

Estas e outras palavras fazem parte das entradas do livro lançado ontem no café Progresso (Porto), Dicionário do Calão do Porto, de João Carlos Brito (Porto, 1966). Licenciado em Línguas, Literaturas e Culturas Modernas, exerce a profissão de professor-bibliotecário na Escola Secundária de Gondomar. Em 2010, publicara Heróis à Moda do Porto, a que se seguiu em 2014 Lugares e Palavras do Porto. Agora é a vez do dicionário.

O autor é favorável aos regionalismos. Aquando da saída do livro anterior, ele defendia as marcas linguísticas regionais, as quais tendem a esbater-se devido à televisão. No lançamento do livro de ontem, foi um pouco mais longe e falou de centralismo de Lisboa. Mas elogiou marcas de identidade linguística dos madeirenses e açorianos, com vocábulos levados do Alentejo para aquelas paragens. Creio que, a par dos regionalismos da região portuense, deve haver um estudo das marcas linguísticas alentejanas.

Évora

Big bands, jazz bands, pequena orquestra onde os sopros tinham importância mas o piano estava lá atrás, como grande instrumento. Como seria o café Arcada, na praça do Giraldo, desde 14 de fevereiro de 1942, quando abriu? Socorro-me do sítio Viver Évora (texto de José Frota): “«considerado um dos melhores do País, com mais de 100 mesas, possuindo frigorífico e outras inovações modernas», foi tida como um acontecimento social de grande impacto no quotidiano citadino. Iniciativa conjunta de António Justino Mexia da Costa Praça, Basílio da Costa Oliveira, Celestino Costa e António Borges Barreto, quatro dos maiores comerciantes eborenses, o estabelecimento foi inaugurado com um «jantar à americana (para famílias)», sendo obrigatório o uso de «trajo de passeio». As inscrições para o repasto efectuaram-se no próprio café ou através do telefone 357, permitindo a selecção dos clientes, que no final brindaram com champanhe e ouviram actuar a Orquestra de Jazz Luz e Vida em «alguns números do seu seleccionado reportório», como salientava o relato do Notícias d’Évora“.

Continuo a ler no sítio: “Nos primeiros tempos o Arcada foi frequentado pela burguesia local, pequenos grupos de intelectuais, gente do reviralho, profissionais liberais e estudantes liceais. Os latifundiários e os agricultores frequentavam o Café Camões, à Porta Nova. Mas com a perda de centralidade desta zona e o acrescido ganho de importância da Praça do Giraldo, estes passaram a tomar de assalto o Arcada às terças-feiras, dia do mercado semanal. Em plena Praça e no interior do Café se discutiam e apalavravam negócios, tendo ali chegado a funcionar uma informal bolsa de gado. No seu romance Aparição, o escritor Vergílio Ferreira relata bem o ambiente do Café Arcada quando nele entrou pela primeira vez em 1946, colocando a sua visão na boca do protagonista Alberto Soares. «… acabámos por marcar o encontro para o dia seguinte no Arcada sem que o Moura se lembrasse de que era uma terça-feira, ou seja dia de mercado»”.

Para além da porta giratória de acesso pela praça do Giraldo, fascina-me a enorme fotografia da orquestra. Que conhecimentos tinham aqueles músicos? Que temas principais tocavam? Dançava-se com a sua música? Formou-se um público fã? Quanto tempo durou aquela alegria?

Museu do caminho de ferro (Madrid)

O Museo del Ferrocarril de Madrid tem como objetivos conservar, estudar e difundir o património histórico e cultural ferroviário. Atualmente, tem mais de 4800 peças que explicam a história do caminho de ferro em Espanha. Tem coleções de comboios a vapor, tração elétrica e diesel, além de salas específicas de relógios, modelismo e infraestutura. Ao domingo, uma feira de venda de comboios em miniatura e acessórios anima o espaço no Passeo de las Delicias.

Eixos comerciais urbanos

Não quero comparar Madrid com o Porto, dado serem cidades de dimensões muito distintas, mas notar tendências novas.

No passado dia 15 de outubro, na Gran Vía, em Madrid, abriu a loja Primark, o gigante irlandês do low cost, como noticia o El País de domingo. A avenida central de Madrid, além de cinemas e salas de espetáculos, integra outras multinacionais do têxtil como a H&M e a Inditex (melhor: as suas diferentes marcas), levando mesmo ao desaparecimento já nesta década de um dos seus mais emblemáticos cafés, como escrevi aqui. Logo ao lado, as ruas Montera e Fuencarral (já no bairro da Chueca) e a praça do Callao são responsáveis por um grande tráfego de peões, o que eleva o potencial comercial da zona – ou a sua reinvenção.

gran vía

IMG_0771

Já no Porto, a colina junto à torre e igreja dos Clérigos – sem a dimensão territorial da Gran Vía (ou da avenida da Liberdade, aqui em Lisboa) – está a assistir a uma revitalização comercial apreciável, resultado da estética urbana desde 2001, da transformação de antigos armazéns em espaços de convívio (restauração) e da velha praça de Lisboa, hoje igualmente espaço de convívio e de lojas, além do muito recente restauro da igreja dos Clérigos. Por ali, circulam muitos turistas falando francês – com sotaque do Canadá, onde a promoção turística tem sido forte, além do peso dos voos de companhias low cost, visível um pouco mais a leste da cidade, caso da saída de metro da rua Fernandes Tomás, na confluência com a rua de Santa Catarina.

Sobre o comércio na colina dos Clérigos, retiro do jornal Público parte de um texto sobre as lojas Marques Soares: “São 55 anos de história e de presença na baixa do Porto, 55 anos de sucesso, muito espírito de resistência e de crescimento. A Marques Soares abriu a 5 de Novembro de 1960, pelas mãos de António Marques Pinho e Manuel Soares Antunes, para se tornar, ao longo de décadas, numa empresa incontornável do comércio tradicional da cidade. Com portas abertas noutros pontos do país. Os sócios fundadores já trabalhavam juntos, nos Armazéns do Norte, dos quais detinham uma quota minoritária, quando decidiram abrir o seu próprio negócio – uma loja de tecidos, que se comprometia a dar qualidade ao vestuário de quem os visitasse. Hoje, a Marques Soares cresceu, não só na loja onde começou, como por outras ruas do Porto, e outros pontos do país, como Braga, Aveiro ou Beja. […] Este novo impulso destaca-se também na revitalização que a Baixa portuense tem sofrido nos últimos anos, com impacto visível na zona dos Clérigos, onde a Marques Soares se instalou em 1960. […] A viragem que acontece actualmente, com a revitalização da Baixa, novas lojas e novos conceitos, é vista com agrado pela Marques Soares”.

As lojas de rua e o movimento de circulação das pessoas volta a ser considerado, após um longo período dos centros comerciais, dentro e à volta das cidades. A cultura da Europa reside desde há muito neste tipo de tráfego.

Le Corbusier

 

 

 

 

Charles-Édouard Jeanneret, mais conhecido por Le Corbusier (1887), começou por se dedicar à relojoaria mas orientou-se depois para a arquitetura. Ele formou-se junto dos grandes arquitetos da época, como Hoffman, Pierret e Behrens, e viajou muito pela Europa. Mas a exposição no Centre Pompidou, em Paris, revela um igualmente talentoso pintor.

Sem qualquer intenção de o biografar, destaco alguns momentos da sua atividade: purismo, espírito novo, figuração dos corpos, equipamentos domésticos, modulor, unidades de habitação, período acústico, ressonância espiritual e cidade humanista.

Luz de Lisboa

luz de lisboacidade do solramalhete

No Museu de Lisboa – Torreão Poente, ao Terreiro do Paço, inaugura amanhã a exposição A Luz de Lisboa, abrindo ao público no dia 17 de Julho (vai até 20 de dezembro de 2015).

A Luz de Lisboa tem como objetivo apresentar, pela primeira vez, uma exposição sobre o fenómeno mundialmente reconhecido da luz natural de Lisboa, luz considerada única e especial que continua a encantar todos os dias portugueses e estrangeiros. A exposição apresenta obras do acervo do Museu de Lisboa menos conhecidas do público e desafia o visitante a olhar a cidade, tomando consciência da luz que a atravessa, como se de um voo de pássaro sobre Lisboa se tratasse.

Comissariada pela Profª Doutora Ana Eiró, professora de física e ex-diretora do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, e por Acácio de Almeida, diretor de fotografia no cinema português e estrangeiro. [imagens: cartaz; cartaz do espólio IHRU SIPA; Carlos Botelho, Ramalhete de Lisboa]

[imagens e texto fornecido pela organização e promoção da exposição]

Mercado de 31 de Janeiro (Saldanha)

O mercado 31 de Janeiro, ao Saldanha (Lisboa), foi remodelado. Pareceu-me mais bonito e animado. Algumas bancas (peixe) desceram do andar superior, juntando-se às outras bancas de produtos frescos e a lojas de artesanato. O andar liberto vai ser ocupado para outras actividades.

Os mercados públicos higienizados foram sendo construídos no começo da década de 1950, como o de Arroios. Era um tempo em que a cidade crescia em termos de população e não havia ainda as grandes cadeias de distribuição de bens alimentares. Com o tempo, com a diversidade de produtos e horários mais alargados e compatíveis com as novas necessidades da população que sai cedo de casa para o emprego e volta tarde, os mercados públicos perderam clientela. O mercado da Ribeira, mais antigo, está a reinventar-se. O mercado de Campo de Ourique é uma mistura interessante entre o mercado de produtos alimentares frescos e espaços de degustação.Agora, o mercado de 31 de Janeiro segue nessa linha de adaptação. Ainda me lembro há 40 anos ele funcionar em espaço aberto, como seria em 1920 ou 1930. Nos últimos 20 anos, e até porque a pressão imobiliária foi forte, a zona foi urbanizada e o mercado ficou enquadrado no interior de um edifício. A concorrência das cadeias de distribuição e, repito, os horários desenquadrados da vida moderna, afastaram os clientes. Para quem sai às 18 ou 19:00 do emprego não serve um mercado que às 17:00 já não funciona.

Ontem, até havia espaço para a tecelagem artesanal.

Lisboa, a partir de Melody Gardot

Se Melody Gardot estivesse hoje à tarde em Lisboa, reescreveria a sua canção. A cidade estava magnífica no dia em que passam 40 anos de liberdade de expressão em Portugal.

“Lisboa, Lisboa / The sorrow of your days gone by / Now the hinterland of lovers should lay / Beneath all your vacant skies / Lisboa, Lisboa / From Alfama’s arms to Liberdade / Paper lanterns, falling embers / Quiet cantors sing of saudade / The ever twilight amber of your alleyways / Paint the air of evening oh so well / And strolls about the river bank / Suggests there’s history left to tell / Ai Lisboa / A paradise beside the sea / There’s a beauty / To the absence of tainting all your scenery / Lisboa / Lisboa e luz boa / Lisboa é Pessoa / Lisboa tem Chiado / Tem Alfama e tem Fado / Da era severa / De um tempo que já era / Nas ruas de Lisboa / Eu vou / Das tuas Colinas / Milagres e sinas / Nas praças, rainhas / Flores e Rimas /Eu vou / Lisboa /Ele, I, Esse, Be, O, A”.

Melody Gardot (New Jersey, 1985) é uma cantora e compositora de jazz americana. Influenciada pelos blues e jazz de Janis Joplin, Miles Davis, Duke Ellington e George Gershwin, e pela música latina, de Stan Getz e Caetano Veloso, ela é conhecida como a “artista acidental”, por se ter dedicado à música como forma de terapia, depois de um grave acidente, que lhe deixou diversas sequelas. Em 2011, Melody Gardot esteve seis meses em Lisboa, um lugar em que gosta de escrever e que descreve como um lugar de paz. A influência de Lisboa está bem visível no seu terceiro álbum, The Absence (2012), que inclui a canção “Lisboa” (a partir da Wikipedia). Perdoo à cantora o ritmo brasileiro, pois aprecio a melodia. Dela gosto muito de Our Love is Easy.

Mural na avenida de Berna (Lisboa)

Retiro algumas informações do texto de Marisa Soares no Público de 13 de Abril último: a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, na avenida de Berna, lançou o repto a grafitters da galeria Underdogs (Frederico Draw, Gonçalo Ribeiro Mar, Diogo Machado Add Fuel e Miguel Januário) para pintarem uma parede daquele espaço de ensino.

No meio do espaço, a figura de Salgueiro Maia, um dos heróis de 25 de Abril de 1974, a partir de uma fotografia de Alfredo Cunha. O blogueiro passou no local quando os grafitters estavam a começar o seu trabalho.

O dia em que Paulo Pires e Rui Zink cozinharam cavala

Hoje de manhã, realizou-se um workshop no mercado 31 de Janeiro, cujo objectivo foi cozinhar cavala. O ator Paulo Pires, o escritor e professor universitário Rui Zink e outros cozinheiros estiveram a fritar aquele peixe e a preparar arroz para o acompanhar. A actividade inseriu-se na campanha em curso de dinamização dos mercados da cidade de Lisboa.

A chef Patrícia Borges, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (Peniche), do Politécnico de Leiria, conduziu o workshop e deixou a receita de filetes de cavala, como se mostra abaixo.

Tendências de consumo

No jornal em papel de hoje do Público, há um texto sobre novas tendências de lojas de centros comerciais que, em vez de contratos de fidelização de seis anos, alugam espaços por seis meses. Isso significa que há lojistas e marcas que chegam aos centros comerciais que antes não tinham possibilidades financeiras de aceder às grandes superfícies. A tendência de aluguer temporário, lê-se no artigo, não é nova e está associada às lojas pop up, usadas por marcas reconhecidas para surpreender o cliente e testar novos produtos. A tendência começou nos Estados Unidos há cerca de dez anos. Para um especialista citado, aproveitam-se instalações sem um grande investimento para actividades promocionais específicas. Uma loja num centro comercial tem um tráfego que pode chegar a 700 milhões de visitas por ano e o preço por metro quadrado das lojas de novas tendências a metade do valor das lojas convencionais.

O Porto em 1958, segundo a revista Flama

Na capa, à esquerda, detecta-se um anúncio luminoso Rádio Porto, logo a seguir aos Armazéns do Porto. Era uma estação de rádio e uma loja de electrodomésticos. A rainha inglesa passara por aí uns meses antes, num cortejo de muitos automóveis e muita assistência popular a ver esse cortejo, conforme outro número da revista mostrara em imagens.

O maior tráfego na rua dos Clérigos era constituído por carros eléctricos. A bitola da linha é mais larga do que a dos eléctricos de Lisboa, por exemplo, o que tornava os veículos menos elegantes. A tecnologia fora aplicada primeiro naquela cidade. Vê-se uma carroça à frente do eléctrico que desce para a Praça da Liberdade. E um transeunte passa tranquilo, aparentemente alheio ao movimento de veículos. O eléctrico mais próximo da máquina do fotógrafo – que estava na escadaria da Torre dos Clérigos – publicita Zenith, uma marca de relógios então muito conhecida.

No interior da revista, há um texto de Pinto Garcia, então um jovem jornalista. Muito mais tarde, conheci-o como jornalista do Jornal de Notícias e um dos responsáveis da Escola Superior de Jornalismo.

Porto

Absolutribut

lojaNum 2 de Setembro, publicava-se: “A Absolutribut é essencialmente uma loja de roupa em segunda mão. Como o próprio nome indica, a loja é um tributo ao «Absoluto», a todas as marcas e todos os géneros de vestuários até hoje inventados : hippie, anos 70, anos 80, gótico, punk, grunge, entre muitos outros. Convidámo-lo a criar o seu próprio estilo na fusão de diversas relíquias que possa encontrar! Envolva-se num ambiente acolhedor e encontre peças únicas em óptimo estado” (Absolutribut, twice upon a time).

Gostei de conhecer a jovem e empreendedora proprietária da loja [na foto aqui] (ver imagem da montra aqui, em que falei sobre lojas de roupa em segunda mão, o que provocou a escrita de cem comentários na mensagem). Ela andava a arranjar tempo para visitar o MUDE (Museu do Design e da Moda), pois queria diversificar, aprender e inovar. Agora, que passei pelo local, a loja tinha desaparecido. Esta havia sido inaugurada a 15 de Novembro de 2010, com a informação: “com horário alargado das 9 às 21 horas. Venha visitar-nos, e quem sabe, encontre as peças ideias para renovar o seu guarda roupa”.

Eu suspeitava de qualquer coisa, pois no último S. João não houve montra enfeitada para o concurso como nos anos de 2011 e 2012. Lembro-me de ter comentado com ela a montra de 2011, que estava muito bonita. O pequeno sapo em cerâmica no chão à entrada não foi suficiente para evitar o encerramento. Agora, a minha rua Chelsea ficou mais triste, tornou-se quase só uma passagem de autocarros em direcção à parte oriental da cidade.

Actualização (9:08, 11 de Novembro de 2013): afinal, e apenas por meu desconhecimento, a vintage store, como se intitula, mudou de sítio, mantendo-se na mesma zona (rua Formosa, 194, Porto).

Cuenca

A mulher a descascar alhos no restaurante lembrou-me, de repente, as pinturas de Johannes Vermeer. Os músicos do Sax Ensemble (Francisco Martínez, Francisco Herrero, Pilar Montejano e Miriam Castellanos), em actuação no Teatro-Auditório da cidade, trouxeram à actualidade composições antigas (Georg F. Haendel, Elliott Carter, Jean Françaix, Aldemaro Romero e Tierry Escaich), num presente contínuo como escreve David Hesmondhalgh (Why music matters, 2013: 117). O museu de arte abstracta nas casas colgadas traça uma longa história desde a sua construção, em meados do século XV, à sua recuperação e organização como museu, quando, em 1955, Fernando Zóbel viu uma primeira exposição de pintura contemporânea espanhola e logo traçou o sonho de um espaço para a glorificar, agora com Luis Feito, Manuel Millares, Antonio Saura, Antoni Tapies, Gustavo Torner e outros. Na cozinha, na música e na pintura há uma manualidade exercitada, especializada, algumas dessas artes mais efémeras que outras, umas mais espirituais e outras mais emocionais.

cuenca1cuenca2cuenca3cuenca4cuenca5cuenca6cuenca7cuenca8cuenca9cuenca1cuenca2

A Journey Through London Subculture: 1980s To Now

ZL_ZMIsto não é uma exposição mas um projecto. Melhor ainda: A Journey Through London Subculture: 1980s To Now é uma experiência ou experimentação, em que o Institute of Contemporary Arts (ICA), de Londres, procura testar a existência de um legado cultural e artístico interligado desde a década de 1980. Para tal, foi criado um ambiente no Old Selfridges Hotel, na Orchard Street, quase junto à Oxford Street, não muito distante do Marble Arch [imagem: Kinky Gerlinky, década de 1980].

don't obey

Fotografias, design, vídeos, objectos reunidos em assemblages, imagens de revistas e vestuário expressam colectivos e artistas de vanguarda e alternativos mas também cenas de clubes nocturnos, restaurantes e espaços industriais. Uma contra-cultura bem vincada, rodeada por memórias da música, de doenças como a SIDA e da comercialização da arte e do consumo conspícuo.

journey1journey2ica

Museu dos Transportes de Londres

BrightestLondon_webO Museu dos Transportes de Londres (London Transport Museum) conta a história dos transportes em Londres desde 1800: tracção a cavalo, autocarros, linha ferroviária no subsolo, metro a diesel e eléctrico, autocarros de dois pisos. Situado em Covent Garden Piazza, é muito frequentado por jovens e crianças que procuram saber como são e como eram os transportes.

14092013686

 

14092013699

 

14092013709

14092013719

14092013727

 

A história das freguesias de Lisboa

A exposição Freguesias de Lisboa: passado e presente, patente na câmara municipal da cidade, desenvolve-se em dois núcleos principais: 1) histórico, com as diferentes fases e evolução das freguesias, ocupando o átrio e a galeria do edifício da câmara, 2) actual, com as novas 24 freguesias, caracterização e competências. Já na praça, doze elementos desenham um percurso, fazendo-se acompanhar por fotografias de Daniel Rodrigues, fotógrafo recentemente galardoado com uma distinção da World Press Photo (texto retirado do sítio da Câmara).