Arquivo da categoria: Comunicação

Museu do Douro

O Museu do Douro define-se como museu de território, vocacionado para reunir, conservar, identificar e divulgar o património museológico e documental disperso pela região, dentro de uma perspetiva de “museologia de comunidade” (da documentação explicativa do museu). Situado no Peso da Régua, o edifício do museu está relacionado com a fundação da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756), que criou a primeira zona vinícola regulada do mundo.

Ainda os oitenta anos da rádio pública

Assisti a uma parte e ouvi uma outra parte da emissão que hoje a RDP faz para comemorar os 80 anos de vida. Gostei particularmente da horas dedicadas ao teatro radiofónico e ao desporto. Pelos convidados e pelas memórias levadas para as ondas de rádio, pode dizer-se que este meio é caloroso, universal e quase camaleão, pois se tem transfigurado sempre que surgem ameaças de outros media.

[na imagem, a mesa sobre música ligeira e clássica: André Cunha Leal, Armando Carvalhêda, António Macedo e José Pereira Bastos]

As telecomunicações em 1989

Em 1989, um grupo de profissionais das telecomunicações quis fazer um vídeo sobre a atividade. Retiro a ficha técnica: “TLP em Linha com o Futuro (1989), coordenação Maria Conceição Ramires, realização António Clemente, Manuel Aguiar Costa, Rogério Santos e Rui Medeiros, operador de câmara Américo Barros, produção Centro de Formação TLP-Porto”. O vídeo segue parcialmente a ideia que eu desenhara em livro (Da Telefonista ao Digital).

No vídeo, de passagem, fala-se de correio eletrónico (email) e de telemóveis (ainda ligados ao automóvel por uma ligação física). Os computadores que se veem são anacrónicos e a palavra internet ainda não é dita. O vídeo feito em VHS ou Betamax, não me recordo, foi agora passado para formato digital, perdendo alguma qualidade na definição das cores. Agora, vale apenas como documento.

Vão os Gato Fedorento desaparecer?

O texto vem hoje no Diário de Notícias, assinado por Carla Bernardino. Ricardo Araújo Pereira, José Diogo Quintela, Tiago Dores e Miguel Góis formam o quarteto humorístico Gato Fedorento. Embora não haja separação oficial, não se sabe o que o grupo fará no futuro, disse Digo Quintela, empresário de Padaria Portuguesa. Mas Ricardo Araújo Pereira vai regressar sozinho à TVI na altura das eleições legislativas para o final deste ano, embora não seja em programa semelhante ao Esmiuçar os Sufrágios (SIC, Setembro de 2009), que atingiu uma média de 1,3 milhões de espectadores por sessão. No terreno da publicidade, o grupo terá chegado ao fim, pois Ricardo Araújo Pereira está sozinho na campanha da Meo.

gato

Ucrânia em Lisboa

Hoje, começou a semana da Ucrânia na freguesia de Arroios (Lisboa). À missa celebrada por um padre ucraniano e um português, dentro do ritual bizantino, seguiu-se a apresentação do Coro Católico Ucraniano, dirigido pela Maestrina Ivanna Stasiv, com temas adaptados das obras do grande poeta ucraniano Taras Shevchenko (1814-1861). O vídeo mostra um desses temas.

Na semana agora iniciada, há exposições, música, dança, cinema, poesia, teatro e gastronomia. Destaque para o documentário Stronger than Arms, no dia 24 de Março, às 18:30, no auditório do liceu Camões. Em Portugal, vivem atualmente cerca de 40 mil ucranianos, dos quais dez mil na Grande Lisboa.

Apresentação do livro sobre protocolo empresarial

Isabel Amaral, especialista em questões de imagem, comunicação e protocolo, presidente da Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (APOREP) (à esquerda), apresentou hoje o livro de Cristina Fernandes (à direita), com o título Manual de Protocolo Empresarial, uma edição da Universidade Católica Editora. A diretora da editora, Anabela Antunes (ao centro), apresentou Isabel Amaral e a autora.

Memória das comunicações

001Em Portugal, realizou-se um importante encontro nacional sobre património industrial em 1986, reunindo os animadores de uma nova área, a da arqueologia industrial. Dos membros activos do encontro, recordo José Amado Mendes, Jorge Custódio e José Lopes Cordeiro. Então, eu estava a trabalhar sobre a história das telecomunicações em Portugal, tendo analisado alguns suportes visuais e cartazes da actividade ao longo das décadas de 1930 e 1940.

AIO universo das comunicações faz parte da minha vida profissional desde há 40 anos. Por isso, me lembrei da imagem à esquerda. Não sei o percurso posterior do fotografado e do fotógrafo mas lembro-me das condições da fotografia e do local, possivelmente feita no ano de 1989, ainda estava eu engajado na actividade de arqueologia industrial. O mecânico aqui presente juntava fios de cobre para novas ligações telefónicas num longo repartidor, trabalho minucioso e monótono de soldar com um ferro apropriado. Por baixo do sítio onde solda, um folha de papel grosso funciona como local de aparo das parcelas desperdiçadas de solda, ao lado de um documento onde tem a informação sobre o trabalho em execução. Num tempo anterior, ele usava um fato macaco de cor azulada mas aparece aqui com roupa de uso pessoal.

Raymond Williams (2)

Raymond Williams (1921-1988) foi um dos mais importantes intelectuais do Reino Unido (País de Gales). Inicialmente ligado a F. R. Leavis e a cultura literária inglesa e influenciado pelo marxismo, ele evoluiu para um pensamento próprio. As relações com Richard Hoggart (o primeiro director dos Cultural Studies de Birmingham), Edward Thompson e Eric Hobsbawm, entre outros, são bem esclarecidas na biografia escrita por Dai Smith (Raymond Williams. A Warrior’s Tale, 2008, Cardigan: Parthian) . De Williams conhecia os trabalhos ligados à cultura, à sociologia e à comunicação, mas não sabia da importância no domínio da literatura, que o catapultaria para o ensino de teatro na universidade. Aliás, Williams queria ser conhecido como autor literário.

Smith estuda o percurso de Williams desde a frequência da escola primária em Pandy, a sua evolução para a escola de Abergavenny e a sua entrada no Trinity College, em Cambridge. A relação com o pai, um ferroviário ligado ao Partido Trabalhista e que se dedicava nas horas vagas à produção de mel e a tarefas hortícolas, a reflexão sobre a origem de classe da família, a greve geral de 1926, a vida como militar destacado na frente de batalha em França, Bélgica e Alemanha nos anos trágicos da II Guerra Mundial, onde chefiou um grupo de força anti-tanques, e a recusa posterior de reservista para combater na guerra da Coreia em 1951, de que se tornou objector de consciência, aparecem bem definidas na obra literária que escreve e reescreve continuamente, com um grande sentido autobiográfico. A obra que Williams vai construindo reflecte igualmente a melhoria das condições de vida dos britânicos após a II Guerra Mundial, o que o leva a reformular as posições do marxismo (e a ter um pensamento não crítico no sentido de Theodor Adorno), embora se mantenha no interior da Nova Esquerda. Smith esclarece bem essas ligações, mas não vai além de 1961. Por isso, somos informados da sua actividade profissional ligada à educação de adultos (departamento extra-muros da universidade), que visava preparar estes para uma formação mais avançada nos domínios das humanidades e da literatura, actividade itinerante e não muito lucrativa para uma família de pais e três filhos, mas não entramos na sua vida ligada à universidade de Cambridge onde iria ensinar Drama, dados os textos sobre cultura e teatro produzidos por ele. Embora ligado, ele nunca se sentiu totalmente dentro do espírito de Cambridge.

Da obra de Raymond Williams destacam-se Culture and Society (1958) e The Long Revolution (1961). Fora do âmbito da biografia de Smith, não se inclui a análise a Television: Technology and Cultural Form (1974), texto onde Williams reflecte no pensamento de Marshall McLuhan sobre a tecnologia e o rebate. As suas definições de cultura, que incluem a ideia de cultura como “uma  forma total de vida”, abrem as portas à variedade de manifestações individuais e de grupo e que elidem a separação entre cultura de elite e cultura popular. Dai Smith acaba a biografia de Williams imprimindo quatro páginas de conclusão do livro The Long Revolution que Williams acabaria por não incluir, com um forte sentido pessoal, a intersecção entre a experiência da sua geração face às gerações anteriores. No livro, em que associou cultura, indústria, democracia, classe e arte, a longa revolução significou o crescimento da democracia e o voto nas eleições e o aumento da educação, os jornais mais baratos e o acesso a livros. Williams reflecte nomeadamente na idade de sair de casa para trabalhar: aos onze anos com o seu avô, aos treze anos com o seu pai, muito mais tarde com ele. Na casa dos pais de Williams havia sete livros, na casa de Williams os filhos já tinham tudo o que queriam. O tempo em que ele escreveu o livro (1961) era de grande confiança no futuro, o que o leva a incluir nessa longa marcha revolucionária a segurança do emprego e das pensões para os reformados. Então, havia fortes valores de tolerância e de decência, conclui nesse texto não incluído na versão impressa.

Leitura: Dai Smith (2008). Raymond Williams. A Warrior’s Tale. Cardigan: Parthian

Da oralidade à escrita em Jack Goody

goodyEm A Lógica da Escrita e a Organização da Sociedade, Jack Goody (Edições 70, 1987) considera a intersecção entre oral e escrito como tópico central na sua investigação. Outro objectivo foi ver os efeitos a longo prazo da escrita da sociedade. Muito do trabalho que Goody provém do seu, e de outros, trabalho na África ocidental. Goody deslocou-se muitas vezes ao Gana. Alguns conceitos que trabalhou seriam fronteira (p. 21), mudança (p. 22), obsolescência (p. 24), incorporação ou conversão (p. 26), universalismo e particularismo (p. 27) e especialização (sacerdotes e intelectuais, p. 32).

 Nas sociedades religiosas compostas por homens eruditos, especialmente quando estes profissionais controlam, de alguma forma, o conhecimento proveniente do livro, pelo menos da Escritura religiosa, ocorre uma forma de especialização (p. 33). Claro que o clero, como corpo distinto, também aparece em sociedades orais sem escrita. Com a escrita, surge uma nova situação – o sacerdote tem acesso privilegiado a textos sagrados. Como mediador, ele possui uma ligação única com Deus. No princípio, era o livro, mas o sacerdote lê-o e explica-o. Daí, as religiões baseadas no livro serem frequentemente associadas a restrições nos usos e extensão da instrução. No caso extremo, os sacerdotes são a única categoria de pessoas capazes de ler, situação em diferentes etapas da história indiana, quando a instrução estava restrita aos brâmanes, e nos primeiros tempos da Europa medieval, a seguir ao declínio da instrução laica com a queda de Roma. Na Inglaterra, clericus acabou por se identificar com literatus e este com o conhecimento do latim, o que trouxe privilégios. Os especialistas da escrita adquirem o controlo inevitável de entrada e saída de um segmento de conhecimento (p. 34).

jack_goodyGoody, ao decifrar as influências da escrita na religião, fala de tendências (p. 194). O tema do livro é a influência de um modo de comunicação fundamental, a escrita, na organização social (p. 205). Com isto, Goody não pretendeu negar a relevância deste ou de outro meio de comunicação. Como influenciou a escrita a orientação política? (p. 107) As nações modernas estão muito dependentes da escrita para sistemas eleitorais, legislações, administração interna e relações externas.

 O uso da escrita é-o também para o registo de mudanças de estatuto social no ciclo de vida – nascimento, casamento, morte (p. 60). A publicação toma muitas formas e aspectos nas culturas escritas, com mensagens inscritas na pedra. As narrativas da Mesopotâmia insistem no grau em que a economia e escrita estavam mutuamente dependentes (p. 67). A escrita era utilizada fundamentalmente para a condução dos assuntos económicos – e não tanto para a conservação do conhecimento pelos sacerdotes (como visto acima). Mas os livros eram também usados nas contas dos depósitos do templo (p. 68). Os registos incluem dádivas dos palácios reais e transacções a partir de casamentos, adopções e testemunhos. O templo recebia a sua dotação do palácio, que, por sua vez, arrecadava a receita, organizava a produção primária, participava no comércio (p. 81). Sobre a escrita e a economia em África, em observações feitas pelo próprio Goody, tome-se a simples questão do crédito (p. 103). Por exemplo, as mulheres ganesas forneciam comida a crédito a empregados de um recinto de transportes. Tinham um número restrito de tipos de transacções, devido ao esforço de memória em fixar os diferentes negócios, a menos que houvesse um livro de contabilidade. A vantagem da escrita funcionava também no domínio da prova e do acordo. A factura escrita fornece a oportunidade de examinar e verificar o conteúdo, o que garante autoridade (p. 104).

 Goody dedicou atenção a duas situações, uma com e outra sem escrita – o Próximo Oriente da Antiguidade, onde apareceu a escrita, e a África ocidental contemporânea, onde o seu uso tem proliferado nos últimos 75 anos (p. 9). Ele olha os colegas antropólogos – habituados a analisar um contexto particular a partir do terreno e com atenção aos informadores – e os historiadores e arqueólogos – que reconstituem situações ao longo do tempo e estabelecem sequências cronológicas de desenvolvimento, o que o conduziu a uma terceira hipótese, que seguiu, a de pegar numa sequência (ou tópico) e seguir o seu trajecto variável no tempo e no espaço (p. 12). O autor estabelece a relevância de alguns elementos (mas não a teoria funcionalista, onde tudo influencia tudo, e a análise sociocultural). Na bibliografia, não há referências a Harold Innis, Marshall McLuhan, James Carey ou Walter Ong. Mas cita E.L.Eisenstein (The printing Press as na Agent of Change) sobre as implicações da imprensa e de Sherry Turkle sobre o efeito dos computadores no espírito humano. Goody e I.P.Watt publicaram em 1963 um artigo (The Consequences of Literacy) na revista Comparative Studies in Society and HistoryNeste artigo, exploram o significado do desenvolvimento e do movimento da alfabetização. Ao discutir a mudança, e os seus benefícios, da oralidade para a cultura escrita, Goody e Watt notam que “a natureza intrínseca da comunicação oral tem um efeito considerável sobre o conteúdo e a transmissão do repertório cultural” (p.2). A citação acaba por definir um contexto.

 Leituras suplementares: Análise Social e Horizontes Antropológicos.

A gente habitua-se

O template Twenty Ten, que foi sempre a imagem do blogue na plataforma Hypotheses, vai ser descontinuado. Tenho pena, porque estava habituado a ver os textos nele. Agora, está no template Twenty Fourteen. Estou a estudar a mudança da imagem de cabeçalho – agora fica sem qualquer imagem. Os títulos de cada mensagem, que os responsáveis que lançaram a plataforma queriam em letra minúscula, agora aparecem em maiúscula. As categorias, colocadas no final da mensagem, surgem no topo no novo template.

Blogue hypotheses

Ié-Ié – memórias musicais dos anos 60

LPADaniel Bacelar, Claves e Ekos tomaram ontem conta do palco da Associação Desportiva e Cultural da Encarnação e Olivais, apresentados por Teresa Lage. Foi um fantástico retorno à música da década de 1960. Tudo devido ao lançamento do livro de Luís Pinheiro de Almeida, Biografia do Ié-Ié, e ontem apresentado por Nuno Galopim, jornalista e realizador de programas de rádio na Radar.

Escrito por Luís Pinheiro de Almeida, saiu recentemente o livro Biografia do Ié-Ié. Trata-se de um dicionário de entradas (bandas, programas de rádio, empresários, concursos) de um período vibrante (1964-1967), revisitado por um grande especialista.

Das bandas ou grupos, como então se dizia, Luís Pinheiro de Almeida dá o destaque principal no livro. De entre eles, porque me impressionaram na época, recordo Conjunto Mistério/Quarteto 1111 (pp. 127-130), Quarteto 1111 (pp. 252-258) e censura aos seus trabalhos (pp. 254-255, 274), Sheiks (pp. 269-286), Quinteto Académico, Pop Five Music Incorporated. Foi esta última banda qu fez a música que servia de indicativo ao programa de rádio Página 1. Há também espaço para as versões (p. 129) – as canções de êxito internacional tinham tradução (adaptação) de letra para português e cantor(a) nacional.

Popologia, uma conferência sobre cultura pop (Março de 1968) é analisada pelo autor (pp. 245-246). Ele apresenta também três programas essenciais da rádio portuguesa daquele período: Em Órbita, 23.ª Hora e Página 1. Ouvir os discos na rádio era uma forma habitual (p. 240), pois na época eram elevados os preços dos discos e em especial dos gira-discos. Os discos, até aí gravados numa pista, passaram a sê-lo em quatro pistas (p. 241) e mais. Com os estúdios da Valentim de Carvalho, a possibilidade aumentava para 16 pistas (p. 260). Em 1973, surgia o primeiro disco a usar o sintetizador Moog (p. 257). O livro destaca um empresário, Arlindo Conde (p. 66), e um concurso de ié-ié no Monumental em 1965 (pp. 93-117).

Para Luís Pinheiro de Almeida, o serviço militar obrigatório em África foi a morte do movimento musical ié-ié. Por exemplo, os Sheiks, que poderiam ter uma vida artística internacional, acabaram com a ida de alguns elementos para esse serviço militar (p. 233).

Daniel Bacelar foi o primeiro músico português a gravar um disco de rock, então com 17 anos, com Fui Louco por Ti e Nunca (lado A; o lado B pertenceu aos Conchas). Na apresentação do livro, Nuno Galopim falou de memórias da alvorada da música pop rock portuguesa, vinda de finais da década de 1950. Para ele, esta corrente de música nasceu em Coimbra, de uma banda que não chegou a gravar, os Babies, de que fazia parte José Cid. O critério de entrada no livro de Luís Pinheiro de Almeida seria o das bandas que editaram discos. O livro, que começara por ser uma biografia dos Sheiks, acabou por se alargar no tempo – antes e depois.

Na apresentação do livro, Nuno Galopim chamou ainda a atenção de como a ditadura se soube aproveitar do entusiasmo da “rapaziada” em tocar guitarra. Enquanto fazia isto, “não se metia na política”, como então se dizia. E lembrou o momento mítico da organização do concurso de rock pop organizado pelo Movimento Nacional Feminino entre 1965 e 1966 no Teatro Monumental e apoiado pelos media controlados pelo Estado. Não havia uma agenda política nos músicos, consciencializados logo depois, como um disco do Quarteto 1111 iria revelar.

Leitura: Luís Pinheiro de Almeida (2014). Biografia do Ié-Ié. Lisboa: Documenta, 327

Lembrar um magazine de comunicação empresarial

De vez em quando, há memórias que se recuperam. É o caso de um magazine de comunicação empresarial, aqui na sua edição de Setembro de 1992, onde colaborei intensamente. A empresa TLP (Telefones de Lisboa e Porto) desapareceria em Junho de 1994, há 20 anos, para, com outras duas empresas, dar origem à actual PT. Na página 4 do magazine vinha a minha biografia e, na página 11, um texto sobre o telefone Bramão. Então, eu editara um livro sobre as telecomunicações portuguesas (que se pode ler a meio da coluna da direita do blogue).

(ver http://issuu.com/rogeriosantos7/docs/tlp.pptx?e=4056411/7779997).

International Conference Freedom of Information Under Pressure. Control – Crisis – Culture

28th of February and 1st of March 2014, Vienna, Austria. “The University of Vienna, the transform!at Association and the Critical Librarians Association (KRIBIBI) are pleased to invite you to the International Conference on «Freedom of Information under Pressure. Control – Crisis – Culture», which will take place in Vienna on the 28th of February and 1st of March 2014 at the Kuppelsaal of the Vienna Univesity of Technology, which is situated at the centre of Vienna at Karlsplatz 13, 1040. This conference will gather more than 30 international speakers (academics, media practitioners, librarians, experts of open culture and public space, activists and policy makers) from Austria, Bulgaria, Germany, Greece, Spain, Sweden and United Kingdom and will call for an open discussion on the challenges of freedom of information in the light of the recent surveillance revelations and the increase in censorship and prosecutions of media, journalists and whistle-blowers in Europe and beyond. The event has been endorsed and supported by the Mayor and Governor of the city of Vienna, as well as by a number of organisations and institutions, such as the Association of European Journalists, the Centre for Freedom of the Media of the University of Sheffield, the International Press Institute and the University of Westminster. Keynote and plenary speakers include: Gill Phillips (Director of Editorial Legal Service, The Guardian, United Kingdom), Augoustine Zenakos (Investigative Journalist, UNFOLLOW magazine, Greece), Mariniki Alevizopoulou (Investigative Journalist, UNFOLLOW magazine, Greece), Christian Fuchs (Professor of Social Media, University of Westminster, United Kingdom), Joachim Losehand (Scholar, VIBE!at, Austria), George Katrougalos (Professor, Democritus University of Thrace, Greece), Wolfgang Hofkirchner (Professor, Vienna University of Technology, Austria), Erich Möchel (Journalist, ORF, Austria. The event is public, open to everyone and free, but registration is essential”. If you would like to attend, you can register at: http://freedom-of-information.info/en/28-registration/18-registration-form.

Tim Suter sobre o serviço público de media

Ontem, integrado na conferência organizada pela RTP, Tim Suter, consultor da BBC para o projecto Vision 2020 da European Broadcasting Union (EBU), falou do que se espera do serviço público de media nos próximos anos (ouvir o início da sua comunicação no podcast abaixo). Por serviço público de media pode definir-se a conjugação e articulação, nos media (rádio, televisão e internet), de serviços de interesse prestados aos cidadãos e às comunidades por parte do Estado na promoção da democracia e no fortalecimento do bem comum.

tim sluter

Tirei algumas notas do que ele disse, nomeadamente as principais características dos media actuais. Estes precisam de estar atentos às múltiplas escolhas, pois diferentes aparelhos e ecrãs chamam a atenção do cidadão e consumidor. De outras características dos media, detive-me em: 1) entrada de novos parceiros e actores de media, 2) concretização do cidadão como criador, 3) o que os indivíduos fazem com os aparelhos de comunicação (blogues, YouTube, jornalista-cidadão), e 4) interatividade dos media. Tudo isto representa uma grande expectativa em termos de responsabilidade e abertura (incentivar e aceitar contributos).

Suter demonstrou as diferenças com um passado recente e identificou a necessidade de redefinir o âmbito do serviço público de media, de encontrar respostas para novas parcerias, atrair as populações mais jovens, adequação às novas tendências de consumo. E centrou a discussão na obtenção de novas formas de financiamento, dado os modelos presentes estarem a esgotar-se, caso do financiamento do Estado.

Ao mesmo tempo em que se propõe um retorno à sociedade, a alternativa económica, que julgo inegavelmente neoliberal, é buscar modelos de financiamento orientados para o mercado. Mas não é isto o que as empresas comerciais fazem? Por isso, o equilíbrio – disse ele ou concluí eu do que ouvi dele – entre qualidade e audiência parece resultar numa aposta muito difícil. Pode acontecer mesmo estarem a fazer-se experiências, desprezando a experiência e o orgulho e a crença individual e de grupo dos profissionais do serviço público e a marca que está representada na empresa de serviço público, que mais tarde vão custar caro.

Claro que acredito em outras palavras e ideias de Tim Suter, tais como haver o interesse do serviço público acompanhar as mudanças tecnológicas, liderando-as se possível, conhecer as suas audiências, saber recrutar bem o seu pessoal, estabelecer parcerias sólidas com produtores independentes e empresas concorrentes (em algumas actividades, presumo, seguindo o pensamento de Suter). O mesmo consultor adiantou ainda a importância de criar pluralismo interno e diversificação de conteúdos.

Sobre o teatro e a comunicação

Acaba de sair o primeiro número de Conexión, publicação do Departamento de Comunicaciones da Pontificia Universidad Católica do Perú. Na apresentação, indicam-se os principais textos agora publicados:

“El texto de Juan Gargurevich, por ejemplo, es una conferencia que dictara en abril de este año en Arequipa, en el marco del Foro Hablemos: Más Voces para la Comunicación, organizado por la Presidencia del Consejo de Ministros y apoyado por nuestra Facultad; Rolando Pérez comparte los apuntes teóricos y lecturas sobre la relación entre los medios y la religión, cuyos insumos corresponden a su tesis de maestría y a los avances de un proyecto de investigación interdisciplinaria sobre el nuevo rol público de la religión con profesores de la Facultad de Ciencias Sociales; Jorge Acevedo pone al alcance un texto introductorio a una mesa redonda sobre la relación entre medios de comunicación y democracia en el Perú, que organizó la especialidad de Comunicación para el Desarrollo en octubre del 2011 en el marco del Foro Permanente Hacia una Comunicación Plural. En este caso hemos considerado oportuno incorporar también las intervenciones de los asistentes al evento” (descarregar aqui toda a revista).

conexión

Há um texto que me chamou a particular atenção, o de Lorena Pastor sobre El teatro: una propuesta metodológica. Trata-se do capítulo metodológico da sua tese de mestrado Break dance: “un camino diferente”. Construcción de identidades, entorno y referentes para la acción social. Experiencia en el distrito de El Agustino (2011). Escreve: “La investigación busca problematizar qué es lo que los jóvenes constituyen a través del break dance en sus diversos espacios de acción, así como descubrir motivaciones y fines (agencia). Se trata de develar de qué manera los cuerpos codifican (procesos) y comunican (acciones) un lenguaje que puede contener conflictos y objetivos que se encuentran relacionados con un contexto y situación social determinados. Se busca observar y analizar cuáles son los procesos de apropiación, práctica y difusión del break dance con el fin de descubrir el carácter de agencia de esta cultura expresiva en la sociedad contemporánea. La idea es entender al joven como  actor protagónico de su destino, como sujeto que emprende acciones a través de recursos propios que abarcan desde la misma individualidad que acciona en el cuerpo, hasta estrategias de relaciones que se materializan en redes sociales que se desarrollan en el espacio y el tiempo”.

Os dez anos do LabCom

digitalComunicação Digital. 10 Anos de Investigação, livro organizado por António Fidalgo e João Canavilhas, é o volume mais recente da colecção Comunicação da editora MinervaCoimbra.

O livro apresenta o trabalho do LabCom, Laboratório de Comunicação Online, centro de pesquisa de Ciências da Comunicação da Universidade da Beira Interior, na Covilhã, criado em 2002. Antes do LabCom, a equipa fundadora já tinha a experiência de uma biblioteca, a BOCC (Biblioteca Online de Ciências da Comunicação), lançada em 1999, o jornal Urbi et Orbi (2000), a revista Recensio (2001) e a investigação no projeto Akademia, financiado pela FCT.

O objectivo geral do LabCom é “a pesquisa sobre o estado das novas tecnologias de comunicação, especialmente aquelas envolvidas nos processos de comunicação online, para avaliar [o] seu impacto na vida quotidiana e os diferentes tipos de fenómenos resultantes da comunicação” (p. 11). Os textos incluídos no livro resultam de trabalhos feitos no LabCom, com a grande maioria dos seus autores oriundos da própria universidade da Covilhã como docentes ou investigadores. Design, jornalismo nos tablets, ecrãs e dispositivos móveis, Facebook, comunicação estratégica e webdocumentário são algumas das ideias traduzidas em capítulos de 15 a 20 páginas cada.

Por razões de interesse pessoal, mas sem qualquer valorização face aos outros, destaco os capítulos escritos por João Canavilhas e Ivan Satuf (Jornalismo em Transição: do Papel para o Tablet) e António Fidalgo e Catarina Moura (O Design e a Fabricação da Experiência). Neste último, acrescento a elegância da escrita e das referências bibliográficas (Vilém Flusser, Jean Baudrillard, Umberto Eco, Walter Benjamin, José Bragança de Miranda, Roland Barthes, Lev Manovich, Marshall McLuhan). Seguindo Manovich, pensamento aplicado à arquitectura e ao urbanismo, os autores consideram que o espaço navegável (multimédia) se torna uma espécie de medium que pode ser guardado, formatado, comprimido, recuperado e programado como o texto, o áudio e a imagem (p. 29).

Leitura: António Fidalgo e João Canavilhas (org.) (2013). Comunicação Digital. 10 Anos de Investigação, Coimbra: MinervaCoimbra, 209 p., 17€.

Cultura do ouvir

cultura do ouvirO título do livro organizado por José Eugenio de O. Menezes e Marcelo Cardoso, Comunicação e Cultura do Ouvir, é fabuloso. Cultura do ouvir, explica Eugenio Menezes, foi o título de uma conferência dada em 1997 por Norval Baitello sobre as relações entre o ouvir e o ver: “o ouvir e o ver, operações perceptivas associadas a cada um destes dois universos, requerem ambos o cuidado e o cultivo dos próprios limites. O ouvir, mais vinculado ao universo do sentir, da paixão, do passivo, do receber e do aceitar. O ver, mais associado ao universo da acção, do fazer, da actividade, do actuar, do agir e do poder”.

Para Eugenio Menezes, a cultura do ouvir remete-nos para o tempo das grandes narrativas mitológicas mas também para a valorização das histórias que, antes de dormir, os pais contam aos filhos pequenos (p. 22). O mesmo organizador do volume leva-nos a autores como Vilém Flusser (que mapeia o crescimento da abstracção, ele que viveu na passagem da escrita para a imagem e a comunicação codificada em computador), Bertold Brecht (que na sua teoria sobre a rádio lembra que um homem se tem algo a dizer está em má situação se não encontra ouvintes mas entende haver pior situação se os ouvintes não escutarem nada de interessante) e Rudolf Arnheim (para quem o ouvinte se sente seduzido a completar a sua fantasia que falta na emissão radiofónica) (p. 31). Conclui Eugenio Menezes que, na “cultura do ouvir, somos desafiados a repotencializar a capacidade de vibração do corpo diante dos corpos dos outros” (p. 33).

O livro divide-se em três partes: vínculos, ambientes e tendências e perspectivas de rádio. Os capítulos resultam do trabalho do Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura do Ouvir, integrado no programa de mestrado da Faculdade Cásper Líbero. À primeira parte do livro pertence o texto que identifiquei acima, mas também o de Júlia Lúcia de Oliveira Albano da Silva, A oralidade mediatizada revisitada sob o tear de Michel Serres. A autora parte de um trabalho seu anterior, sobre a estética radiofónica, a sua estrutura e organização. Ela começa com uma oposição: se no Brasil a rádio tem uma função de expressão semelhante à commedia dell’arte, em que o radialista inventa a linguagem do veículo, na Europa a rádio é teatro, literatura, artigo, concerto sinfónico, conferência e debate, um veículo dentro de outro veículo (p. 83). Por isso, Júlia Albano da Silva procura o paralelo entre o texto oral das comunidades da oralidade primária e o texto verbal escrito para ser traduzido (lido) por uma voz determinada na rádio. A voz torna sensível o sentido da palavra, personalizada pela cor, ritmo, fraseado, emoção e atmosfera vocal, acrescenta, seguindo Werner Klippert (p. 85).

A audição e a escuta são o campo de investigação do texto, apoiado por conceitos elaborados por alguns dos nomes grandes da teoria da rádio, como Arnheim, Flusser, Baitello, Serres e Schafer. À identidade sonora dos diferentes ambientes, ela entende que saber escutar contribui para a preservação da integridade psicológica e física do indivíduo (p. 95). Júlia Albano da Silva leva-nos a Arnheim, ao encontrar a passagem do estado de ouvir para o de escutar (atendendo a que este é mais profundo ou reflexivo), um estado de maturação da materialidade do som (p. 87). Mas conduz-nos igualmente a Serres, onde o som no espaço público é factor de aproximação: o badalar do sino, o soar dos tambores ou gongos, o passar da banda, o altifalante das praças. De Serres retira ainda a ideia da produção dos ruídos em consonância com a sociedade que a produz e a anulação do silêncio no corpo e no mundo (p. 90). Há algo de estranho no corte livre do som da sua origem natural, o que leva a autora a convocar Murray Schafer, que constrói o termo esquizofonia: schizo (do grego), separado, e phone (do grego), voz (p. 91).

No texto, Júlia Albano da Silva quase conclui com as perguntas: quais as consequências para o cidadão contemporâneo em constante exposição ao som? Ele escuta ou apenas ouve? Há um empobrecimento da escuta?

Observação: de Júlia Lúcia de Oliveira Albano da Silva escrevi já aqui sobre uma comunicação dela acerca da formação de grupos de fãs e concursos para eleição da Rainha da Rádio no Brasil (em http://industrias-culturais.hypotheses.org/24455).

Leitura: José Eugenio de O. Menezes e Marcelo Cardoso (org.) (2012). Comunicação e Cultura do Ouvir. São Paulo: Plêiade, 494 páginas

Memória Visual

Com coordenação de Isabel Capeloa Gil está-se a preparar o número 17 da Revista Comunicação e Cultura, aceitando-se originais até 30 de Novembro de 2013. “A relação entre recordação e visualidade constitui um tópico recorrente da reflexão filosófico-cultural desde o pensamento grego à modernidade. No início do século XX, a psicanálise freudiana salientava a predominância do sentido visual na incisão psíquica das memórias, que se manifestavam sobretudo sob a forma de imagens. O advento das tecnologias visuais reprodutíveis, a fotografia e o cinema, veio transformar o aparelho num armazém prostético de memórias, e simultaneamente dar-lhe o estatuto de mediador de acesso ao inconsciente óptico da modernidade. A questão da memória visual adquire, por isso, centralidade no contexto de um modelo de relação com o real e o passado efetuado, predominantemente, por via visual, de uma modernidade que se debate com o crescente potencial de armazenamento tecnológico da memória e o concomitante desaparecimento da memória experiencial, mas também com a forma como a organização do sensível realizada pelos media visuais (da pintura ao cinema) se relaciona com estruturas de poder. Que mecanismos culturais e políticos determinam a emergência de determinadas memórias individuais e coletivas? Como é que a tecnologia de reprodução visual condiciona a construção da memória coletiva? De que forma as novas tecnologias se articulam com as mnemotécnicas do passado e que implicação têm estas formas de remediação, são algumas das questões que este volume da Revista Comunicação & Cultura deseja abordar. Aceitam-se propostas que se debrucem sobre o tema da memória visual, abordando, entre outros, os temas abaixo elencados: Culturas da memória visual, As imagens e a transmissão do passado, As imagens e a organização do sensível, Memória tecnológica e memória visual, Diversidade cultural, género e memória visual, O cinema, a fotografia e a construção da memória coletiva, Os media sociais e a dinâmica de esquecer e recordar, Memória visual e o «direito ao olhar». Apresentação dos artigos: Todos os artigos correspondendo às exigências e padrões da revista Comunicação & Cultura são submetidos a double blind peer review. Os artigos devem ter espaçamento de 1,5 em todo o texto e não exceder o limite de 40 mil caracteres, incluindo notas e bibliografia, um resumo de 100-150 palavras (em português e inglês) e um máximo de seis palavras-chave. Por favor, envie o artigo como anexo a uma mensagem eletrónica para comunicultura@fch.lisboa.ucp.pt, juntando uma folha separada do texto com identificação do autor, endereços postal e eletrónico, e um número de telefone de contacto. É favor consultar documento anexo com as normas completas relativas à submissão de artigos”.

História da comunicação e humor em congresso

cuenca3No segundo dia do congresso de História da Comunicação, entre outras comunicações, Xosé Lopéz Garcia falou sobre o humor galego Enchufados, com páginas pessoais de humoristas que produzem cartoons (vinhetas) pessoais, embora poucos tenham hipermediação.

No final do congresso, foi aprovada a constituição de uma associação internacional de historiadores de imprensa e comunicação, ficando como presidente Antonio Laguna.

Cuenca1cuenca4cuenca2cuenca3cuenca4

El humor en la historia de la comunicación

Na conferência inicial, Josep María Casasús falou sobre como o humor jornalístico intervém na história. Ele apresentou dois registos, um em 1905 num jornal satírico de Barcelona e outro em 2005 num jornal dinamarquês. O professor de Barcelona consideraria que o humor funciona como arma de efeitos ideológicos e emocionais, a partir de contradições irónicas, culturais e éticas, podendo modificar ou reorientar a estrutura dos acontecimentos.

Nas sessões seguintes, registo as intervenções de Jorge Pedro Sousa sobre a ideia de identidade nacional em publicações do século XVIII e de Ana Cabrera sobre jornalismo, infotainment e democracia.

cuenca1cuenca2AC1

Les meilleurs articles en blogs pour édition

L’Agence Science Presse, agence de presse québécoise à but non lucratif (voir la fiche Wikipédia http://fr.wikipedia.org/wiki/Agence_Science-Presse), invite pour la deuxième année les blogueurs à leur proposer leurs meilleurs articles pour les regrouper au sein d’un livre (papier et ebook) à destination du grand public. L’année dernière, l’Agence avait sélectionné des billets de Zineddine Aboubekeur du carnet Metablog http://metablog.hypotheses.org/ et d’Émilien Ruiz du carnet Devenir historienne http://devhist.hypotheses.org/. L’équipe d’Hypothèses encourage à participer au projet. Pour cela, vous pouvez proposer votre ou vos deux meilleures publications (articles, ou images / BD*). Celles-ci doivent avoir été publiées entre le 1er novembre 2012 et le 31 octobre 2013. La date limite est le 15 novembre 2013. Si vous êtes intéressé par ce projet, vous pouvez consulter cette page http://www.sciencepresse.qc.ca/blogue/2013/10/14/meilleurs-blogues-science-francophones-selection-2014 pour plus d’information.