Arquivo da categoria: Imprensa

Imprensa empresarial em discussão

João Moreira dos Santos foi o curador da exposição patente na Biblioteca Nacional. Hoje, no seminário organizado pela SOPCOM e pela APCE, ele foi um dos oradores, traçando a história da imprensa empresarial em Portugal em dois tópicos centrais: censura e politização. Deu exemplos de jornais de empresa do tempo do Estado Novo, que exibiam a indicação “visado pela censura”, como outro meio de informação qualquer. O orador destacou três tipos de censura: de conteúdo (prévia), do editor (autorização estatal do lugar de editor) e diretor (autorização estatal do lugar de diretor). A censura seria centralizada no SNI em 1944. O segundo elemento apresentado por João Moreira dos Santos foi o da politização, no Estado Novo com o elogio público das figuras gradas do regime, com fotografias publicadas em jornais de empresa, e já nos primeiros anos da democracia com o apoio à revolução e tendo como editores comissões de trabalhadores ou outras estruturas de participação dos trabalhadores.

Imprensa empresarial em Portugal

João Moreira dos Santos é o comissário da exposição ontem inaugurada na Biblioteca Nacional sob o título Imprensa Empresarial em Portugal: 145 anos de Jornais de Empresa. O primeiro jornal publicado seria editado em 1869 pela Caixa de Crédito Industrial. A mostra é representativa de cerca de 900 títulos que João Moreira dos Santos recolheu, não podendo expor todos, dado o espaço disponível (abaixo vídeo com o comissário da exposição a apresentar os principais objetivos da mostra).

Uma referência exemplar à Associação Portuguesa de Comunicação de Empresa (APCE), criada em 1990, e à sua figura tutelar, Vítor Baltasar, diretor do jornal Águas Livres, que a exposição homenageia.

[o som do vídeo está baixo, pelo que deve aumentar para ouvir em condições]

Inquérito de imprensa cristã (2009)

Em 2009, foi lançado um inquérito às publicações ligadas à Associação de Imprensa Cristã, com desenho do inquérito, inserção de dados e interpretação de resultados trabalhado pelo CESOP (Centro de Sondagens e Opinião Pública), centro da Universidade Católica Portuguesa. Houve 997 respostas de inquéritos válidos para um total de 36 publicações (envio de 12325 inquéritos por correio, junto da publicação, com envelope franqueado para resposta).

História da imprensa de língua portuguesa

Portuguese pressEm inglês, o livro A History of Press in the Portuguese-Speaking Countries (2014), organizado por Jorge Pedro Sousa, Helena Lima, Antonio Hohlfelft e Marialva Barbosa, tem nove capítulos, quatro sobre a imprensa em Portugal, três sobre a imprensa no Brasil, um sobre a imprensa na Galiza e um sobre a imprensa nas antigas colónias portuguesas. Como indica o prefácio, o objectivo do livro é tornar conhecida a génese e evolução da imprensa escrita em português à comunidade internacional.

No caso da imprensa portuguesa, os períodos estudados foram a monarquia, a Primeira República, a Ditadura e o pós-1974. No caso do Brasil, os períodos estudados foram a monarquia e a república. Um terceiro capítulo é dedicado aos jornalistas.

O capítulo sobre a imprensa das antigas colónias, assinado por Antonio Hohlfelft, despertou o meu interesse, dada a falta de bibliografia sobre o tema, como o historiador reconhece (p. 599). Hohlfelft (p. 611) elenca um conjunto de características comuns aos jornais estudados, de que destaco a troca de informação entre os diferentes jornais, com citação e transcrição de artigos, circulação de temas entre os jornais formando uma espécie de opinião pública geral, um jornal proibido era substituído por um novo título com o mesmo editorial e obrigações financeiras e assinantes, por vezes os jornais das colónias opunham-se a empresas coloniais, algumas de capitais ingleses e alemães, julgadas ineficientes, períodos sequenciais de censura, formato tablóide mas permitindo outros tamanhos, exigência inicial da identificação do director e do editor. Antonio Hohlfelft analisou a imprensa colonial em depósito na Biblioteca Municipal do Porto respeitante a Goa, Angola, Cabo Verde, Moçambique, Macau, S. Tomé e Guiné-Bissau.

Leitura: Jorge Pedro Sousa, Helena Lima, Antonio Hohlfelft e Marialva Barbosa (org.) (2014). A History of Press in the Portuguese-Speaking Countries. Ramada e Porto: Media XXI, 692 páginas, 25€&

A imprensa portuguesa em novo livro de José Tengarrinha

tengarrinhaJosé Tengarrinha publicou um novo livro a que deu o nome de Nova História da Imprensa Portuguesa das Origens a 1865, um volumoso livro de mil páginas editado pela Temas e Debates/Círculo de Leitores, e que se torna indispensável para quem queira conhecer a realidade social, económica, cultural e política desta indústria.

No prefácio, o autor começa com a definição de imprensa, inicialmente a máquina de imprimir e depois também o produto: impressos, revistas ou jornais. Adiante, ele traça a história da imprensa em Portugal a partir do momento em que o seu objeto se apresenta como periódico e envolve homens de letras como Alexandre Herculano ou Eduardo Coelho. Identifica a história da imprensa como aquela que resulta de critérios formais estabelecidos na década de 1940 – a consideração do jornal como chega ao leitor. Destes e de outros critérios, Tengarrinha releva quatro fases da sua história: 1) primórdios, da Gazeta de 1641 à revolução de 1820, 2) nascimento da imprensa de opinião, até ao estabelecimento da monarquia constitucional em 1834, 3) liberais contra liberais, indo do fim da guerra civil até à regeneração, e 4) da regeneração em 1851 à organização industrial da imprensa em 1865.

O esquema de classificação das publicações periódicas atende a um conjunto de fatores tais como âmbito geográfico, relação com os poderes públicos e religiosos, orientação, conteúdos, periodicidade e género. Entre as páginas 845 e 880, o historiador faz o que ele chama um breve balanço mas que representa um longo caminho e que subdivide em áreas: 1) transição para o jornalismo moderno (empresa jornalística e jornalista, dificuldades técnicas, ilustração e gravura, portes do correio e expedição, o papel como matéria prima cara, primeiros movimentos reivindicativos dos tipógrafos, e 2) imprensa e evolução da sociedade oitocentista portuguesa.

Detenho-me na sua análise à imprensa jornalística, em que assinala uma maior complexidade a partir de 1834 (pp. 854-857). O jornal passava a ter um editor, um redator responsável ou chefe de redação, um a dois noticiaristas e um folhetinista. Os noticiaristas ganhavam um salário pequeno, pelo que precisavam de ter outros rendimentos. O negócio era regra geral pouco lucrativo e Tengarrinha estima um mínimo de 200 cópias para um jornal subsistir no tempo. Na segunda metade do século XIX, o jornal começava a deixar de ser visto como tendo função doutrinária para passar a ser considerado como uma mercadoria, evidenciado pela presença crescente de anúncios pagos.

José Tengarrinha é doutorado em História e professor catedrático jubilado, presidente do Instituto de Cultura e Estudos Sociais (Cascais) e autor de muitas obras sobre a imprensa das quais destaco História da Imprensa Periódica Portuguesa (1965) e Imprensa e Opinião Pública em Portugal (2006). Tengarrinha foi o arguente da minha tese de mestrado defendida em 1994.

Leitura: José Tengarrinha (2013). Nova História da Imprensa Portuguesa das Origens a 1865. Lisboa: Temas e Debates/Círculo de Leitores, 1003 páginas, 24,40 €

A venda do Washington Post

O Washington Post resistiu a Nixon mas não à internet, consideram os media desta semana quando comentam a venda do jornal da família Graham ao fundador da Amazon, Jeff Bezos. Este vai pagar 250 milhões de dólares (190 milhões de euros) e terá garantido os princípios e os valores do jornal. O Post nunca foi um jornal para ganhar dinheiro mas como agente de promoção de uma sociedade mais informada, culta e democrática (sigo os textos de Rita Siza e João Pedro Pereira, do Público de 7 de agosto).

A quebra da imprensa em papel é mostrada no percurso do Washington Post: há 20 anos, tinha uma média de 832 mil assinaturas; este ano, a circulação baixou para 450 mil exemplares. Nos últimos cinco anos, as receitas desceram mais de 25% e a redação baixou de mil profissionais para 640 pessoas. A perda dos jornais tem a ver com a mudança de hábitos de leitura e com o número de milionários com interesse no papel social e cívico dos jornais.

Do lado de Bezos, sabe-se que ele está habituado a prejuízos. A sua Amazon, lançada em 1994, começou a dar lucros em 2003 mas em 2012 teve prejuízo. Experimentar mas manter as equipas de administração e de direção editorial são duas ideias chave de Bezos, que não se vai envolver na gestão quotidiana. Uma certeza apenas: os media digitais e o online são o futuro. As suas linhas de sucesso é que ainda não estão determinadas.

Número 50 da revista Jornalismo e Jornalistas

O número mais recente da revista Jornalismo e Jornalistas (abril-junho 2012) tem como tema central a diluição do jornalismo no ciberjornalismo, texto assinado por Helder Bastos, docente da Universidade do Porto e especialista do tema. Para ele, “O aparecimento da Internet e a subsequente emergência do ciberjornalismo proporcionou ao jornalismo a exploração de novos territórios e diferentes linguagens. Surgiram narrativas inovadoras e práticas inéditas. Nasceram novos géneros jornalísticos. Entre outras potencialidades, o hipertexto, o multimedia, a interatividade, a ubiquidade e a instantaneidade levaram os media noticiosos a reconfigurar-se de modo a responder às exigências do novo meio, às tendências do momento e ao crescimento e sofisticação das audiências online”. No final do texto, o autor faz perguntas. Uma delas é: como será o jornalismo quando todos os jornalistas produzirem para todas as plataformas e se diluir a fronteira entre jornalismo e ciberjornalismo? Observo eu: quando a rádio e a televisão se massificaram, o que aconteceu ao jornalismo e aos jornalistas? Talvez encontremos respostas se fizermos estudos comparativos.

Num outro texto, neste caso uma entrevista a Jorge Pedro Sousa, docente da Universidade Fernando Pessoa (Porto) e coordenador do grupo de trabalho de Jornalismo e Sociedade da SOPCOM, defende-se que o jornalismo deve ser configurado como campo específico. Ainda no mesmo número, destaco, pelo meu interesse nas matérias, o trabalho de Álvaro Costa de Matos sobre Francisco Homem Cristo (1860-1943), jornalista e panfletário de Aveiro, e o texto de Francisco Pinheiro sobre a seleção nacional de futebol e o jornalismo.

Isto é jornalismo?

Ontem, chamaram-me a atenção para um texto publicado no Correio da Manhã do dia. Só agora é que acedi a ele, onde se fala de um jogo de futebol. Assisti ao jogo através da televisão, e vi que a equipa de Portugal jogou muito bem mas o resultado foi favorável a Espanha. Numa competição desportiva, é natural ganhar-se ou perder-se. Mas a antevisão (política, cultural) do senhor subdiretor do jornal está longe dos cânones do jornalismo. Isto é, da decência. Mostro aqui a minha repugnância, a minha vergonha pela prosa publicada.

É que não se deve confundir um jogo, por muito importante que seja, com um país, o seu tecido cultural e económico e a inserção num contexto mais vasto. Portugal convive com a Espanha, cultural, económica e politicamente, como convive com a Alemanha ou outro país. Uma coisa poderia ser eu, em minha casa ou com os meus amigos, de modo privado, querer que a Alemanha perca o jogo com a Itália, relacionado com o atual momento político e económico da Europa; outra coisa é escrever num jornal lido em todo o país, formador da opinião pública do país. Que pensarão os outros povos? Talvez que Portugal seja um país de trogloditas – ou de homens medievais, feudais, que julgam que tudo se resolve à paulada.

Ou será que o futebol é o motor de arranque da economia e da esperança de melhores dias na vida de todos nós? Absurdo!

LIBERDADE DE IMPRENSA

Ontem, Francisco Pinto Balsemão deu uma conferência sobre liberdade de imprensa. O Diário de Notícias publicou hoje uma notícia sobre o evento ocorrido na Universidade Católica Portuguesa. Na fotografia, o embaixador Fernando Andresen, presidente da Comissão Nacional da Unesco, apresenta Pinto Balsemão. Na mesa, estão ainda o professor Braga da Cruz, reitor daquela universidade, Berhan da Costa, director do Gabinete para os Meios de Comunicação Social, e Filomena Martins, directora-adjunta do Diário de Notícias. O vídeo mostra os primeiros dez minutos da conferência.

AUDIÊNCIAS DE MEIOS (1952)

“Todos os jornais e revistas possuem leitores, poucos ou muitos. Porém, os jornais e as revistas têm tiragens que nem sempre correspondem ao seu verdadeiro número de leitores. Há que diferenciar entre os chamados leitores regulares e os leitores ocasionais ou excepcionais, como sejam os leitores de domingo, nos jornais, ou de tiragens especiais, nas revistas” [Salviano Cruz (1952). “Problemas económicos dos jornais e revistas de Portugal e os seus leitores”. A Revista de Pesquisas Económico-Sociais, 3: 303-319].

Assim, pergunta Salviano Cruz, quantos leitores tem determinada publicação? E como são qualitativamente, social e economicamente? O autor parte de um inquérito feito em Lisboa e no Porto pelo processo de amostra estruturada (embora não diga o número de inquiridos, a data em que o trabalho foi feito, qual a entidade que solicitou o estudo e a margem de erro, elementos hoje fundamentais num inquérito, mas indica haver dois estudos por ano, em Junho e em Dezembro). Trata-se, a meu ver, do primeiro texto e estudo de meios em Portugal, pelo que merece uma atenção especial.

Quanto a Lisboa, o jornal mais lido em 1952 era o Diário de Notícias, seguindo-se o Diário Popular, O Século e O Diário de Lisboa, este apresentado como “o jornal mais progressivo e dinâmico desde há 20 a 25 anos”. Além dos chamados quatro grandes, o autor faz uma classificação da imprensa independente em três grupos: 1) desportiva, com A Bola à frente, 2) política, com O Diário da Manhã à frente de A República, e 3) católica, com As Novidades e A Voz. Em Lisboa, 60% dos leitores de classe média e superior, 73% da classe média baixa e 70% de homens e 59% de mulheres lêem o Diário de Notícias; no Porto, 80% de leitores da classe média alta lêem O Primeiro de Janeiro, com 66% de homens e 43% de mulheres.

Já no tocante aos jornais do Porto, O Primeiro de Janeiro aparece à frente, seguido do Jornal de Notícias, O Comércio do Porto e o Diário do Norte. Na imprensa desportiva, O Norte Desportivo aparece à frente de A Bola e O Mundo Desportivo.

Enquanto em Lisboa a imprensa do Porto não chega aos 6%, no Porto a imprensa de Lisboa alcança 27%. Em termos de leitura regular, o Diário de Notícias atinge 57% dos leitores, a que se seguem O Diário Popular e O Século.

O impacto da publicidade junto dos leitores é um dos elementos primordiais do estudo de Salviano Cruz. Por exemplo, a publicidade a produtos higiénicos de carácter feminino no Diário de Lisboa parece pouco indicada. Por outro lado, o preço da publicidade em O Século pode não se justificar, dado o número pouco representativo de leitores que a apreciam. O autor recomenda ser pouco aconselhável economicamente fazer publicidade nos quatro principais jornais de Lisboa em simultâneo. No Porto, para os produtos populares de multidão (é a palavra usada), O Jornal de Notícias é o segundo mais indicado. Destaca-se a atitude menos receptiva à publicidade por parte de O Primeiro de Janeiro.

Salviano Cruz chama a atenção para as estatísticas inflacionadas de tiragem e de vendas apresentadas pelos jornais.

Quanto a revistas, o estudo conclui que 17% da população de Lisboa e 42% da população do Porto não lê revistas. As mais lidas são O Século Ilustrado (45 mil leitores), A Flama (cerca de 43 mil leitores), Modas e Bordados (quase 38 mil leitores). Os leitores regulares predominam sobre os ocasionais. Se O Século Ilustrado é lido pela classe média superior para cima e tem mais leitores masculinos no Porto e femininos em Lisboa, A Flama é lida pela classe média baixa, principalmente no Porto, com maior afluência de leitores católicos. Modas e Bordados e Eva são publicações para mulheres e As Selecções do Reader’s Digest tem na classe média alta o maior número de leitores.

Dos assuntos mais lidos nos jornais, primeiro vem o noticiário internacional e depois o nacional. Os leitores de O Século também gostam de ler os editoriais e o caso do dia (penso que crime ou outro assunto do dia) e os leitores do Diário de Notícias apreciam os anúncios e a secção Cidade.

O autor, na parte final do seu artigo, volta ao tema da publicidade. Escreve ele que, em contraste com as dificuldades da publicidade na imprensa, a da rádio está em aperfeiçoamento, além de que existem cerca de 600 mil aparelhos espalhados pelo país. O maior jornal não ia além de 90 mil leitores, o que indica uma maior concorrência entre os meios. A televisão ainda não tinha chegado e baralhado de novo as estimativas.

IMPRENSA E INTERNET

Na sua coluna do Diário de Notícias publicada hoje, J.-M. Nobre-Correia escreve sobre sucessivas crises que abalaram a imprensa: a rádio nas décadas de 1940 e 1950, a televisão nas décadas de 1960 e 1970, a perda dos monopólios com proliferação de rádios e televisões nas décadas de 1970 e 1980, a internet com abundância de fontes de informação e interactividade e possibilidade de criação de media nas décadas de 1990 e 2000. Para combater a quebra de vendas, abriram-se portas à “economia da gratuidade” e a passagem das “informações de serviço e dos classificados esvaziou seriamente duas funções sociais primárias dos jornais”. Mas a internet não permitiu atingir os resultados esperados em termos de pagamento das consultas, de assinaturas e de receitas publicitárias. O novo tablet da Apple parecia alterar esta situação, mas J.-M. Nobre-Correia apresenta razões para um novo falhanço.

AID

Fernando Alves Monteiro, 65 anos, licenciado em teologia e administrador do Diário do Minho há cerca de dez anos, foi eleito presidente da Associação da Imprensa Diária (AID). A AID engloba todos os jornais diários regionais e procura representar, defender e promover os interesses empresariais dos seus associados, além de salvaguardar a liberdade de expressão e de pensamento (a partir de notícia do Público).

Os primeiro e segundo vice-presidentes são Adriano Callé Lucas (Diário de Aveiro) e José Miguel Piçarra (Diário do Sul). Este último presidiu já aos destinos da AID. Igualmente, Alves Monteiro fora já vice-presidente da associação.

PRACTICES AND CONSUMPTION OF CHRISTIAN PRESS READERS

In 2009, the Portuguese Christian Press Association (AIC, Associação de Imprensa de Inspiração Cristã) held a survey of publications that belongs to the Association, with 22 questions. The CESOP (Centro de Estudos de Sondagens e Opinião Pública, Centre for the Study of Polls and Public Opinion) from Catholic University of Portugal was responsible for this survey and its analysis. There were a total of 997 answers from valid surveys, concerning a total of 36 publications. It was not my intention to project the idea of a community of knowledge (Zelizer), nor to work on concepts such as passive or critical audiences (Hall), but to look into a specific set of publications (daily, weekly, fortnightly, monthly) included in the association. The production of this survey had several objectives, the first of which was to know the readers of the publications identified with religious ideals. Then, the intention was to find out the receptivity of those readers to advertising, as well as relating local, national and international news, with the objective of calculating the interaction in reading between regional and global topics.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=HfPI3ZSulnM&fs=1&hl=pt_BR]

PUBLICIDADE VERSUS JORNALISMO

Samuel Godinho, director-geral executivo da agência Carat Portugal, à revista “Pública” (Público, de 8 de Agosto último) falou da relação da publicidade com o jornalismo e da existência da imprensa. Para ele, a imprensa “tem de se redimensionar, reinventar do ponto de vista de conteúdos, olhar cada vez mais para o que o consumidor quer […] As empresas estão por vezes distraídas, não têm acompanhado as dinâmicas do mercado e a evolução geracional do consumo. Os índices de leitura da população não aumentaram o que não quer dizer que os jovens estejam a ler menos, e estarão porventura muito mais informados do que a geração dos seus pais. […] Têm acesso à informação de outras formas”.

O enunciado deste responsável da Carat Portugal merece reflexão, dada a importância das afirmações. Reconhece que os índices de leitura não aumentaram mas crê que haja mais informação acedida e consumida, o que parece uma contradição. Considera que há empresas distraídas na concepção dos seus modelos de negócio, desacompanhando as novas tendências. A meu ver, as empresas de media que actuam nos mercados considerados tradicionais – caso da imprensa em papel – têm trabalhado na internet mas ainda não encontraram um modelo rentável. Isso acontece em todo o Ocidente e não é problema apenas em Portugal. O responsável da Carat Portugal indica ser necessária a reinvenção de conteúdos, mas não sugere que tipo de reinvenção. Isto é, apontam-se os problemas mas surge uma dificuldade em apresentar soluções.

Talvez mais perto das soluções estejam Lennart Weibull & Åsa Nilsson, no texto editado este ano “Four decades of European newspapers: structure and content”, no livro de Jostein Gripsrud e Lennart Weibull, Media, markets & public spheres. Para os autores, há tendências precisas: aumento do preço dos jornais, quebra de publicidade por migração para a internet, aparecimento de jornais gratuitos. Mas também mais suplementos (muitos com linha editorial própria), fragmentação (com alargamento de temas culturais, económicos e desportivos, por exemplo), apropriação de bandeiras da imprensa tablóide pelos jornais de qualidade (como a ilustração editorial do tema central da edição, mais espaço para temas de consumo, bem-estar, entretenimento e “fofocas”). Estas linhas talvez indiquem o futuro da imprensa, a sua reinvenção, além do retrato dos problemas por Samuel Godinho, mesmo que desagradem a defensores de um modelo específico de imprensa.

IMPRENSA LOCAL E REGIONAL: UM RETRATO ACTUAL

Foi hoje apresentado o estudo A imprensa Local e Regional em Portugal, da ERC.

O estudo decompõe-se em diversas fases, com diferentes metodologias: trabalho de campo (entrevistas a responsáveis dos meios locais e regionais), inquérito e análises financeira e jurídica. No inquérito, responderam 411 de um universo de 689 publicações. 80% destas publicações foram fundadas desde a década de 1980, o que significa juventude, 45% das quais têm versão electrónica da edição em papel. Dos jornalistas, 44,4% possuem carteira profissional de jornalista, 80,3% desempenha uma só função na publicação. 52,1% das publicações respondentes conta com menos de cinco colaboradores e 18,5% tem de 5 a 8 colaboradores, enquanto 18,5% não tem qualquer jornalista ao seu serviço. A publicidade comercial é a principal fonte de rendimento das publicações, seguindo-se assinaturas, publicidade institucional e venda em banca. De modo interessante, 31,9% são sociedades limitadas por quotas e 16,1% são fábricas de Igreja, traçando dois perfis de imprensa local e regional. A primeira tem mais colaboradores, títulos em papel e em formato electrónico e pertencem a grupos de media; a segunda tem menos colaboradores, títulos e uma periodicidade de edição mais alargada (quinzenal, mensal).

Da leitura do CD-Rom, retiro os seguintes dados: “A informação domina mais de metade da área impressa de três quartos das publicações analisadas (75,5%); a opinião ocupa até 20% da área impressa em 75,0% do total de publicações em estudo; o entretenimento, preenche uma proporção inferior a 10% da superfície impressa em 58,4% das publicações, estando ausente em 37,0% dos títulos em análise” (p. 437).

Seguindo estudos da Marktest, o trabalho agora apresentado traça o seguinte perfil dos leitores das publicações locais e regionais: mais homens (55%) do que mulheres, faixas etárias dos 25 aos 44 anos (41,3%), classes média baixa e média média (62,5%), reformados, pensionistas e desempregados (21,7%) (pp. 231-234).

Quanto a conclusões apresentadas na sessão da manhã (aquela onde pude estar presente), saliento: desenvolvimento de estratégias multimedia, integração em grupos de comunicação social, existência de projectos exclusivamente na internet, inexistência do controlo de tiragens, acesso nem sempre possível às fontes de informação, escassez de publicidade comercial, critérios de transparência na distribuição da publicidade, porte pago.

A ficha técnica do estudo tem os seguintes nomes – supervisão: Azeredo Lopes e Estrela Serrano; coordenação: Carla Martins e Telmo Gonçalves (ambos da Unidade de Análise de Média da ERC); analistas: Catarina Páscoa, Eulália Pereira, Pedro Puga (todos da Unidade de Análise de Média da ERC); Rui Mouta, Departamento Juridico da ERC; Henrique Dias Gonçalves, Gabinete de Estatística da ERC; Carla Oliveira (analista de media, colaboração externa); análise económico-financeira: Paulo Faustino, investigador, Media XXI – Consulting Research/Universidade do Porto.

ESTUDO DE IMPRENSA LOCAL E REGIONAL

Apresentação do estudo da ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social), A imprensa local e regional em Portugal, no dia 30, na Fundação Calouste Gulbenkian. Coordenação do estudo de Carla Martins e Telmo Gonçalves, ambos da Unidade de Análise de Média (ERC).
Lê-se no sítio da ERC: “O estudo é o primeiro a realizar uma abordagem transversal deste sector da imprensa, abrangendo as suas dimensões mais relevantes, entre as quais se destaca a caracterização geral do sector; um “diário de campo” elaborado com base em testemunhos de responsáveis de jornais locais e regionais; um enquadramento jurídico do sector; uma análise económico-financeira; uma análise dos públicos da imprensa local e regional; os resultados de um inquérito às publicações do sector; uma análise morfológica e de conteúdo de publicações locais e regionais e um levantamento das deliberações e decisões da ERC sobre este sector no ano de 2009″.

LIBERDADE DE IMPRENSA

“O relatório [sobre liberdade de imprensa], elaborado pela deputada comunista Rita Rato, conclui que as condições do exercício da liberdade de imprensa em Portugal têm vindo a diminuir e que o cenário começa a ser preocupante devido a uma complicada relação entre o poder económico, a política e os media e em especial o condicionamento crescente dos dois primeiros sobre a comunicação social” [Público de hoje].

100 ANOS DE IMPRENSA NA BATALHA

Na exposição 1909-2009 – 100 Anos de Imprensa no Concelho da Batalha, podem ver-se as capas dos primeiros números de jornais ao longo de um século como Batalha Nova, A Voz do Lena, Jornal da Golpilheira e Jornal da Batalha, este a celebrar o seu vigésimo aniversário. Há também máquinas fotográficas e de escrever antigas, para além de uma breve cronologia com os principais momentos da história do jornalismo, contributos para a compreensão da história local. Local do evento: Galeria de Exposições Mouzinho de Albuquerque (Batalha, mesmo ao lado do mosteiro), patente até 28 de Março, das 14:00 às 17:30.

[obrigado a Francisco Vicente pela informação]

THE INDEPENDENT

Após muitas negociações para a venda dos jornais The Independent e The Independent on Sunday, sabe-se que estes títulos irão pertencer a Alexander Lebedev, um milionário russo. Ontem, a secretaria de Estado para os Assuntos Comerciais do Reino Unido indicou não ser necessário investigar se havia matéria de concorrência, o que significa luz verde para o negócio.

O jornal vai custar uma libra a Lebedev, mas ele tem de fazer face a perdas de 10 milhões de libras anuais num jornal lançado em 1986. As negociações começaram em Dezembro último (fonte: editorsweblog.org).

TESE DE DOUTORAMENTO

Foi hoje à tarde defendida a tese de doutoramento de Marisa Torres da Silva As cartas dos leitores na imprensa portuguesa: uma forma de comunicação e debate do público, na Universidade Nova de Lisboa. Foi classificada com a nota mais alta. No pequeno vídeo a seguir, a nova doutora diz quais são os principais pontos do seu trabalho.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=LRsn03MKRwQ&hl=pt_BR&fs=1&color1=0x5d1719&color2=0xcd311b]

AFINIDADES COM A IMPRENSA, SEGUNDO ESTUDO DA MARKTEST

“A análise dos dados do Bareme Imprensa da Marktest permite concluir que os indivíduos da classe social alta são os que possuem maior afinidade com a imprensa, revelando um consumo superior à média” (fonte: Marktest).

Diz o mesmo relatório que, a partir das principais variáveis sociodemográficas, quadros médios e superiores, homens, jovens, indivíduos da classes sociais mais elevadas e residentes nas regiões da Grande Lisboa e do Grande Porto apresentam também valores acima da média. Ao contrário, reformados e pensionistas, domésticas, indivíduos do Interior Norte e do Sul, pertencentes à classe social baixa e idosos com mais de 64 anos evidenciam hábitos de leitura de imprensa abaixo da média do universo.