Arquivo da categoria: Jornalismo

News Museum, Sintra

O NewsMuseum, museu dedicado às notícias, aos media e à comunicação, situado em Sintra, tem inauguração prevista para 25 de abril de 2016. O museu ocupa as antigas instalações do Museu do Brinquedo e divide-se em temas como spin wall, géneros, contrários, propaganda, bad news, guerras e mind games. Pretende ser uma Media Age Experience, “janela aberta para o mundo dos media e da comunicação, e para o impacto destes na sociedade, recorrendo para isso a uma forte componente digital e tecnológica”.

A Associação Acta Diurna, promotora do projeto e presidida por Luís Paixão Martins, vai investir cerca de 1,8 milhões de euros no museu. O projeto conta com o apoio da Câmara Municipal de Sintra, que cedeu o imóvel no centro histórico por 20 anos à associação Acta Diurna. O fundador da TSF, Emídio Rangel, foi escolhido pelos comissários do módulo “imortais” para figurar no grupo dos fundadores dos grandes meios de comunicação atuais.

O museu é interativo e tem vários jogos. Segundo a entidade promotora, “fizemos um grande esforço para que em todos os módulos as pessoas pudessem participar no museu”. Por exemplo, no módulo da rádio, simulação da cabina de Rádio Clube Português na noite do 25 de Abril de 1974, com Joaquim Furtado, as pessoas podem gravar “Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas” e publicar no YouTube (informação retirada da página do museu e de uma notícia da TSF).

Jornalismo cultural em ambiente digital

Dora Santos Silva defendeu hoje a sua tese de doutoramento na Universidade Nova de Lisboa, com o título Cultural Journalism in a Digital Environment. New Models, Practices and Possibilities.
Retiro o começo da sua síntese:

“Both culture coverage and digital journalism are contemporary phenomena that have undergone several transformations within a short period of time. Whenever the media enters a period of uncertainty such as the present one, there is an attempt to innovate in order to seek sustainability, skip the crisis or find a new public. This indicates that there are new trends to be understood and explored, i.e., how are media innovating in a digital environment? Not only does the professional debate about the future of journalism justify the need to explore the issue, but so do the academic approaches to cultural journalism. However, none of the studies so far have considered innovation as a motto or driver and tried to explain how the media are covering culture, achieving sustainability and engaging with the readers in a digital environment. This research examines how European media which specialize in culture or have an important cultural section are innovating in a digital environment. Specifically, we see how these innovation strategies are being taken in relation to the approach to culture and dominant cultural areas, editorial models, the use of digital tools for telling stories, overall brand positioning and extensions, engagement with the public and business models”.

Os jornalistas vão desaparecer?

Leio agora no Diário de Notícias: “O número de profissionais com carteira desceu de 6839 para 5621 entre 2007 e 2014. Portugal perdeu 1218 jornalistas em sete anos, segundo dados da Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (CCPJ). O número profissionais ativos desceu de 6839 para 5621, entre 2007 e 2014, o equivalente a um declínio de 17,8%. Estes resultados devem-se ao “crescimento assustador do desemprego”, de acordo com Rosária Rato, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas e representante da CCPJ”. O estudo pode ser consultado, na íntegra, na página do Observatório Europeu do Jornalismo.

Que poderei dizer aos meus alunos em abril do próximo ano quando começar a lecionar Estudos de Jornalismo?

número zeroUmberto Eco é um bom contador de histórias. Ele tem muita experiência de escrita de narrativas, possui uma enorme cultura europeia (e norte-americana, quando escreveu sobre banda desenhada em Apocalíticos e Integrados) e é sábio pela idade. Logo, um novo livro aguça o apetite do leitor em busca de uma história palpitante.

Número Zero não foge à regra. Primeiro, tem uma dimensão própria para se ler num serão ou numa viagem de comboio, por exemplo. Depois, há uma intriga policial, aqui com um regresso a acontecimentos passados, como ele produziu no livro A Misteriosa Chama da Rainha Loana, por exemplo. Sob a forma de diário, Colonna, jornalista e escritor fantasma (ghost-writer), escreve sobre um jornal chamado Amanhã, de que apenas se editarão números zero. Além do dr. Colonna, têm importância para a história o diretor Simei, a solteira Maia Fresia e o investigador de coisas ligadas à teoria da conspiração, Romano Braggadocio. Colonna amparar-se-ia no ombro de Maia, Braggadocio vasculharia na História a morte do ditador Mussolini, o que ditaria o assassinato do jornalista, o fecho mais rápido do jornal e a fuga do diretor e de Colonna, que ia escrever um livro sobre a experiência do jornal de números zeros. Há uma personagem distante, apenas entrevista, a do comendador, o dono do jornal e com interesses económicos e financeiros em muitas áreas de negócio.

Um terceiro elemento a retirar do romance é a erudição do autor, aqui excessivamente aplicada. E, talvez, algum exagero na descrição da história de Mussolini e do presumível duplo deste, que teria morrido na praça pública, enquanto o verdadeiro ditador se refugiava na Argentina, como Braggadocio estava a investigar. Porém, por outro lado, o centrar muito da narrativa na história do fascismo italiano de um modo leve mas relevando a estupidez, a perversidade e o tenebroso do regime habilita leitores mais jovens a compreenderem o núcleo político desse regime desaparecido no final da II Guerra Mundial. Além de nos levar a pistas engenhosas de grupos extremistas como Gladio e Aginter Presse, este último com atividade verdadeira em Portugal e já romanceado por João Paulo Guerra, pelo menos.

O quarto elemento – e a razão principal que me leva a escrever sobre o romance de Eco – é o que ele conta ou analisa sobre a atividade jornalística: os temas, as relações com o mundo político, empresarial e económico, o que convém dizer ou não, as insinuações, a ausência de objetividade e, mais do que isso, de verdade em muitas notícias. Não sendo um livro de sociologia ou de história dos media, sem a organização dos textos de ciências sociais, mas um romance, onde o mais importante é o enredo, do livro retiram-se muitos conhecimentos, interessantes para quem quiser estudar o jornalismo. Reconheço que a imagem que daqui sai sobre os media está longe de ser otimista ou positiva, mas a sua leitura permite pensar (ou efabular) sobre jornais e meios de comunicação que conhecemos. A morte de caráter (indivíduos ou entidades), o tendencioso e o falso em muito do que se noticia, surgem no livro em toda a sua nudez.

Recupero Eco de um seu texto que li com muita atenção Construir o Inimigo e Outros Escritos Ocasionais: “Ter um inimigo é importante, não apenas para definir a nossa identidade, mas também para arranjarmos um obstáculo em relação ao qual seja medido o nosso sistema de valores, e para mostrar, ao afrontá-lo, o nosso valor” (p. 12). E lembro-me dos tão brilhantes quanto impenetráveis livros de semiótica do autor: a Obra Aberta continua uma das minhas grandes referências literárias de sempre. E O Nome da Rosa um romance de uma enorme imaginação e que passou para o cinema.

Impressões do jornalista após a Expo de Osaka

Disse Adelino Gomes, à chegada de Osaka, Japão, onde foi reportar a Expo 70 para o Rádio Clube Português: “séculos de História, de progresso científico, que estão em cada um dos pavilhões das setenta e sete nações presentes” (Diário Popular, 28 de março de 1970). O jornalista falaria para Portugal via satélite, sem retorno de som de Lisboa, junto a técnicos que apenas falavam japonês e a oitocentos homens de informação de todo o mundo.

 

A história de uma repórter intrépida contada por Gonçalo Pereira

Quando escrevi aqui sobre o livro de Gonçalo Pereira Parem as Máquinas!, anotei que faltavam histórias de mulheres jornalistas. O autor quase não descansou até editar a história da repórter Fernanda Reis.

«Salte!»

Fernanda Reis não assimila de imediato as implicações daquela ordem. Foi proferida num tom imperativo, mas com uma calma totalmente desajustada da realidade que se vive a bordo daquele bombardeiro pintado com as cores da Organização das Nações Unidas (ONU). Foi o soldado encarregado da metralhadora que ordenou a Fernanda que saltasse para o vazio, o mesmo soldado que, instantes antes, ficara com um «dos braços inutilizados por uma rajada de metralhadora inimiga».

«Salte!»

Assim começa a história de Fernanda Reis na guerra da Coreia, em 1952. Portuguesa, aluna de Medicina até ao segundo ano, piloto de automóveis nos tempos livres e repórter, mulher de “moral duvidosa”, como a rotulou a polícia política portuguesa em 1940, foi para o Brasil e trabalhou para jornais do Rio de Janeiro, como A Noite e O Globo. A jornalista esteve no centro da guerra e relatou-o. Se quiser continuar a ler, veja aqui: http://ecosferaportuguesa.blogspot.pt/2015/06/fernanda-reis-reporter-intrepida-na.html.

O jornal do futuro em 1969

As eleições de outubro de 1968 levariam Francisco Pinto Balsemão ao parlamento, enquanto deputado da ala liberal da União Nacional. Ele já era um homem dos jornais, como um dos responsáveis do Diário Popular. Aqui, no seu jornal, uma notícia sobre uma conferência por ele dada a um curso de jornalismo (22 de março de 1969). Mais tarde, em 1973, fundaria o Expresso.

O curso era promovido pelo Sindicato Nacional dos Jornalistas, ainda antes das licenciaturas em jornalismo e comunicação. Na conferência, Balsemão falava em computadores e atraso tecnológico em Portugal e desenvolvia o neologismo tecnetrónica, sociedade onde se juntavam as ideias de tecnologia e eletrónica. Diria: “As empresas de Imprensa, para se manterem, para ganharem dinheiro, precisam de acompanhar o progresso tecnológico”. Reconheço a importância da pertinente e permanente ideia em Balsemão ao longo de décadas até hoje.

1969.03.22 (recortado)

Parem as máquinas

São 23 histórias deliciosas do jornalismo, desde o final da monarquia até ao pós-1974. Quase todos os jornalistas referidos no livro ficaram para a história e para a cultura nacional, como Ferreira de Castro, Félix Correia, Urbano Carrasco, Urbano Tavares Rodrigues, Maurício de Oliveira, José Mensurado, Eduardo Gageiro (foto-jornalista), Nuno Rocha, José Goulão e Carneiro Jacinto. Do ponto de vista político, estes jornalistas podem até ter visões diferentes, mas o que sobressai das histórias é o lado épico, divertido, ou até tendencioso e falso, umas resultaram de atos corajosos dos jornalistas, outras são embustes que levaram à publicação de notícias depois desmentidas, mas sempre resultado da paixão de quem escreve nos jornais de papel.

Por gosto pessoal, destaco as histórias em torno das fotografias do embarque da fuga do último rei de Portugal, do acompanhamento dos funerais dos regicidas de 1908, da entrevista ao membro do grupo que fuzilou Mata-Hari, à paródia em torno da “morte” de Peyradon e dos “árabes” que queriam comprar petróleo em Angola. E diverti-me ao conhecer as razões para o duelo entre dois jornalistas consagrados à época: Pinheiro Chagas e Magalhães Lima.

Gonçalo Pereira Rosa narra as histórias com um sentido quase policial, que nos leva a querer chegar até ao fim da mesma para saber que desenlaces ocorrem. Ele, que revela um sentido apurado de humor, tem muitas qualidades de escrita, quase ao nível do romancista ou da História romanceada: ao facto verdadeiro, ele junta pequenas cores de aguarela. Ao que junta duas outras características: fica a saber-se o que aconteceu ao jornalista ou à personalidade retratada, com uma curta biografia em cada história; imagens de jornal, fotografias da época ou desenhos modernos que nos remetem para os jornalistas ou personalidades. O que torna o livro um produto cultural muito interessante. Cada história ocupa uma média de 10 páginas, o que permite ao autor apresentar o facto, situá-lo no contexto do tempo e do espaço e trazer as histórias quase à atualidade, género “estes homens podiam ser nossos contemporâneos”.

O autor acrescenta outra qualidade. Ele é um historiador – não das estruturas mas da micro-história. A ele interessa-lhe a ocorrência, a cintilação, o gesto – e depois junta, interpreta, avalia e anuncia. Parece inaugurar um género – o do historiador-jornalista. Não nos dá o ambiente pesado da redação, mas o lado do repórter, do que está em campo e julga apanhar a “cacha” que o pode tornar conhecido, mas nem sempre preocupado com o que ganha financeiramente. Repito: o autor é historiador, pois o seu livro recolhe dados obtidos nos arquivos da Torre do Tombo e da Biblioteca Nacional. Por vezes, cruzamo-nos nesses sítios fantásticos.

Uma única falha no livro: os jornalistas são do género masculino. Não há nenhuma história que mostre a perspetiva feminina?

Gonçalo Pereira Rosa tem o mestrado em Ciências da Comunicação e doutoramento em Sociologia, é professor na Universidade Católica e diretor da National Geographic portuguesa. Como leitor de livros de media, gostaria que a sua tese de doutoramento (sobre jornalismo e ambiente) fosse publicada tão depressa quanto possível.

Leitura: Gonçalo Pereira Rosa (2015). Parem as máquinas! Lisboa: Parsifal, 254 páginas, 16 euros

Felisbela Lopes apresenta livro sobre jornalismo em Lisboa

Foi hoje ao fim da tarde que Carlos Magno, presidente da ERC (à esquerda) apresentou o livro de Felisbela Lopes, docente da Universidade do Minho (ao centro), e com Zita Seabra, responsável pela editora Alêtheia. O livro chama-se Jornalista. Profissão Ameaçada. Começa do seguinte modo: “Os jornalistas vivem hoje sob permanente pressão. Pressão para ser rentável. Pressão para fazer a cobertura de determinado acontecimento. Pressão para ouvir este ou aquele interlocutor”.

Em poucas palavras de apresentação, a editora regozijou-se por, no livro, se juntar a academia e os profissionais da coisa. Depois, Carlos Magno, na linguagem simultaneamente jornalística e erudita que o caracteriza, referiu o texto como sendo de leitura não necessariamente linear mas uma obra para ser consultada e revisitada. Para ele, a autora apagou-se face aos inquiridos, deixou falar cem jornalistas, que responderam ao inquérito que está na base do livro e sem se importarem de responder a questões polémicas. O que significa que os profissionais estão à espera de ser desafiados na sua profissão, embora possam ter dificuldade de auto-reflexão. O livro, para Carlos Magno, mostra as pressões económicas, políticas e de mãos invisíveis que marcam a agenda mediática, e contra a qual os jornalistas se devem erguer.

Quer Carlos Magno quer Felisbela Lopes expressaram uma posição semelhante face à atual discussão sobre a legislação sobre a cobertura da campanha eleitoral que se avizinha. Para o primeiro, os diretores dos media devem fazer e conduzir a discussão. E devem defender o espaço editorial. Magno olha o problema de dois ângulos: 1) à profissionalização das fontes de informação corresponde a proletarização dos jornalistas, 2) recuperação do poder do editor como responsável do espaço editorial. Ele frisaria ainda mais dois pontos: 3) criar alternativas à existente agenda mediática, 4) juntar, como no presente livro, a experiência dos jornalistas e a investigação académica.

Este último tópico foi recuperado por Felisbela Lopes, que destacou a disponibilidade dos jornalistas para responderem às suas perguntas. A autora acredita no futuro do jornalismo, apesar de encontrar tensões agravadas (pressões económicas e políticas como o começo do seu livro anuncia). “A pressão de lucro não pode ser cega”, num enunciado próximo do manifesto.

[ouvir parte da apresentação de Felisbela Lopes em  https://soundcloud.com/rog-rio-santos-6/felisbela-lopes]

Notícias do CIMJ

Ontem, na minha caixa de correio, vi esta imagem e um comentário sobre o fim do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo), instituição fundada em finais de 1997 por Nelson Traquina e outros investigadores de ciências da comunicação e do jornalismo. Depois, veio uma mensagem mais tranquila. O CIMJ acabou enquanto modelo autónomo como existia no começo mas associou-se a outras unidades das universidades (Nova de Lisboa, Porto, Aveiro, Lusófona), formando um centro de maior massa crítica em termos de investigadores. O CIMJ, que dá o nome a uma linha de investigação no seio desse consórcio, tem três projetos em curso até final do ano e seis outros aguardam resultado do recente concurso da FCT.

Atualização (19.5.2015). Registo aqui um dos comentários no Facebook, escrito por Teresa Mendes Flores, sobre a nova vida do CIMJ: “Eu não sou fundadora, mas foi com muito orgulho que participei neste centro com uma dinâmica tão especial, com um espírito aberto e colegial, integrador das pessoas – sem olhar a hierarquias e proveniências – e a olhar para as mais valias que cada um e cada uma pudessem trazer. Sonho que se consiga continuar este espírito no novo centro”.

O jornalismo actual em Nelson Traquina

Em 1993, Nelson Traquina, o mais conceituado professor de jornalismo em Portugal, lançava a sua obra-prima Jornalismo: Questões, Teorias e “Estórias”, uma antologia de textos que deram a conhecer aos seus alunos a pujante investigação norte-americana, nomeadamente a sociologia do jornalismo.

Agora, com data de finais de 2014, ele volta a editar um livro com textos de investigadores consagrados norte-americanos, embora sem a novidade do livro inicial do professor: Questões Críticas do Jornalismo Contemporâneo. Os Papéis Pulverizados do Capitalismo.

Além da introdução, escrita pelo organizador, o volume tem textos de William Gamson e Andre Modigliani, Nelson Traquina, Thomas Hanitzsch e colegas, Brian McNair, Thomas Patterson, Maria João Silveirinha, Sonia Serra, Steven Livingston e Lance Bennett, e Rui Miguel Gomes.Na contracapa do volume, apresenta-se o levantamento dos temas presentes no livro: cobertura jornalísticas de temas globais, como a energia nuclear, enquadramentos e representações de grupos sociais, como mulheres, tendências contemporâneas do jornalismo e impactos na vida pública e cívica, como o aumento da tabloidização, e avaliação sobre as narrativas jornalísticas, caso do uso crescente de acontecimentos presentes ao vivo.

Na introdução, Nelson Traquina, que dedica o livro à nova geração de jornalistas, questiona o jornalismo sobre o hipotético fim da importância da reportagem, a perda do poder de selecção, construção e saliência dos profissionais quando olham o acontecimento e reflectem sobre se ele se torna ou não notícia. Os jornalistas também mudaram, conclui o antigo professor de Jornalismo e de Teoria da Notícia da Universidade Nova de Lisboa. A chegada de mulheres, de licenciados de várias origens (economia, história, ciência política), além da consolidação da democracia em Portugal, foram elementos fulcrais nessa transformação. Um outro texto da colecção inserida no livro identifica o relevo da tecnologia na construção da notícia, embora a conclusão não indique uma relação directa.

Leitura: Nelson Traquina (2014). Questões Críticas do Jornalismo Contemporâneo. Os Papéis Pulverizados do Capitalismo. Lisboa: Aletheia, 379 páginas, 16 euros

As revistas de informação segundo Carla Cardoso

Foi hoje à tarde que a Carla Cardoso, responsável da licenciatura em Comunicação e Jornalismo na Universidade Lusófona desde 2013, defendeu a sua tese de doutoramento intitulada A Newsmagazine em Portugal: 70 anos até à consolidação do conceito. A prova decorreu na Universidade Nova de Lisboa, onde ela já defendera a tese de mestrado em 2006, como aqui referi na altura.

A tese debruça-se sobre o segmento da newsmagazine, como hoje a entendemos, nascida em 1923 nos Estados Unidos, com a Time. O objecto de investigação empírica foi a análise das revistas portuguesas no longo período de 1967 a 2014, num total de 15 publicações, de que destacou a Visão e a Sábado, mas  também Vida Mundial, Observador, Opção, Grande Reportagem, Focus e outras. Em trabalho muito minucioso, Carla Cardoso olhou as capas e os títulos e temas de edições número 0 e 1, além de números especiais (aniversários, por exemplo). Do trabalho, fica um acervo muito importante deste tipo de publicações, esperando-se agora a sua divulgação para além do circuito académico.

Do que eu disse, destaquei o texto limpo, claro e agradável, apesar da dimensão (626 páginas), o ponto 1.7 onde escreveu sobre jornalismo de revista e criou uma nova palavra – jorvista – que caracteriza o cruzamento de jornal e revista.

Na foto, da esquerda para a direita: Rui Francisco Cádima, Rogério Santos, Cristina Ponte (a orientadora), Carla Cardoso (a nova doutora), Jorge Pedro Sousa, Estrela Serrano e Carla Baptista.

Organizações não governamentais e media segundo Sónia Lamy

Em 2007, cruzámo-nos no mestrado dela enquanto arguente da sua dissertação (A presença da AMI nas notícias. O contributo da ONG no discurso sobre Direitos Humanos) (ler aqui). Agora (2015), foi a vez da prova de doutoramento (As fontes não governamentais nos media. As ONG enquanto fontes de informação).

Em 2007, entre outras coisas, disse: “Trata-se de um capítulo bem construído e aquele em que aprendi mais [capítulo 1 – os direitos humanos e a sociedade]. Foca, nomeadamente, a consciência histórica dos conceitos relacionados a direitos humanos. […] Em Portugal, o sucesso de uma ONG é, simultaneamente: 1) resultado de organizações pequenas mas maleáveis e colocadas no terreno, desburocratizadas e não ligadas a fortes poderes identificados, 2) apoio do Estado (subsídios, participação em comissões, encomenda de estudos). Por outro lado, torna-se essencial uma classificação de ONG e a sua variada origem; por exemplo, a partir de movimentos sociais, grupos de pressão ou resultado de lóbingue. Uma ONG, ao formar-se, tem um ideal, uma causa. Qualquer causa é política. Há que distinguir causa política, no sentido nobre do envolvimento numa causa, e apoio a um campo partidário ou de grupo. [Depois], as ONG em geral sabem da importância do papel dos media e treinam e refinam a metodologia de abordagem aos media. Creio que a AMI [tema do seu trabalho] aprendeu nesse sentido. Qualquer pequena queixa de menor acompanhamento por parte dos media é, certamente, compreendida pela AMI (em especial a área de comunicação)”.

Ontem, disse: “A tese está bem dividida em sete capítulos, indo dos temas em geral (jornalismo e ONG) para o seu cruzamento e temas em particular. Saliento o que escreve na p. 3 sobre a compreensão do processo de produção das notícias e o modo com se constrói a agenda e se reflecte a realidade. Igual impressão positiva sobre a análise das notícias com vozes não-governamentais tais como ambiente, exclusão social e violação de direitos humanos (p. 152). Destaco igualmente o número de entrevistas feitas (17), como indica na p. 139, valor apreciável. A caracterização que decorre nas pp. 139-145 é clara e sucinta, que saúdo. Gosto ainda das regras para a comunicação das ONG e para a maior pluralidade nas notícias no final do texto”.

Da esquerda para a direita: Francisco Rui Cádima, Cristina Ponte, Rogério Santos, Carla Cerqueira, Sónia Lamy, António Granado e Vasco Ribeiro (fotografia: Pedro Pereira Neto).

Fazer notícias segundo Nikki Usher

usherQuando na aula discutimos o texto de Nikki Usher Goodbye to the News: How Out-of-work Journalists Assess Enduring News Values and the New Media Landscape (texto publicado na New Media & Society, 2010: 911-928), vim embora intranquilo. O texto era claro mas expressava um ponto de vista pessimista: jornalistas despedidos por encerramento de jornais ou redução de pessoal nas redacções escreviam cartas onde se chamava a atenção para a perda de qualidade dos media e para o cinismo patronal que não via os jornalistas como pessoas com família mas como números. No texto, Usher surgia com uma base teórica simples mas poderosa: os conceitos de nostalgia, de Jameson, e de comunidade interpretativa, de Zelizer. Depois, partia para o método: uma análise de conteúdo de 31 cartas escritas por jornalistas despedidos.

A palavra (ou conceito) mudança era a mais evidenciada no texto. Agora, com a edição de Making News at the New York Times (2014, Ann Arbor: The University of Michigan Press), o pensamento da jovem investigadora torna-se mais transparente. Deixo ficar algumas ideias do último capítulo, Prelúdio a Quê? Ela avança com três palavras-chave do novo jornalismo: urgência (no sentido de imediato), interactividade e participação. Refere que estamos num ponto de viragem de paradigma, seguindo Thomas Khun, onde ainda não há todas as certezas mas em que mudaram: as tecnologias (as redes sociais estão na ordem do dia; a actualização 24 horas por dia; a agregação de conteúdos e não a simples produção), as audiências (conteúdos gerados por utilizadores), os métodos de distribuição. Mantêm-se, seguindo Herbert Gans, o inspirador de Usher, as rotinas e as práticas de produção de notícias e a influência das fontes poderosas, apesar de existirem fontes de informação novas e não tradicionais, caso da informação veiculada pelo Twitter.

As fontes de informação em tese de doutoramento

Ontem, na Universidade do Minho, Vasco Ribeiro (à esquerda, de pé, na primeira fotografia; o quarto a contar da esquerda na segunda fotografia) defendeu tese de doutoramento com o título O Spin Doctoring em Portugal: Estudo Sobre as Fontes Profissionais de Informação que Operam na Assembleia da República (fotografias de Luís António Santos).

Do que então disse, deixo aqui um resumo. O trabalho apresentado tem muita qualidade, está bem escrito e traz novidades para a investigação – que é o que se pretende num trabalho académico. Tem cinco capítulos, com informação muito útil e alargada no tempo, cobrindo as realidades americana e inglesa e, sempre que possível, portuguesa. Aprendi muito com os capítulos 2, 3 e 4. Constatei a quase inexistência de bibliografia sobre a realidade nacional em termos de assessoria de imprensa. Por outro lado, a leitura da tese levou a rever a minha posição que tinha quanto a um livro português, o de Joaquim Martins Lampreia. Alguns conceitos como interacção e negociação fazem já parte do património intelectual da área da sociologia do jornalismo.

Encontrei a tese da tese entre as páginas 268 e 294, quando traça a matriz de comportamento do spin doctor. Tem quatro pontos principais (grandes objectivos, pré-condições, principais tarefas do processo de spinning, principais técnicas e instrumentos). Às vezes, dá exemplos concretos, práticos, da aplicação dos conceitos, como faz no resto da obra, embora isso diminua a escrita conceptual. A meu ver, alguns tópicos, caso das fugas-plantadas, merecem mais análises.

Sobre a metodologia, quando discute a dimensão da amostra (20 entrevistas), ela parece-me de boa dimensão. Pode dizer que há uma dúvida inicial, mas se entrevistou o universo não pode entrevistar mais ninguém. Melhor: obteve as respostas pretendidas. E, logo no começo da tese, refere as limitações da história oral. Sim, há limitações mas ela resolve alguns problemas, em especial quando não há outro tipo de documentos.

Future of journalism – Call for Papers

October 17-18, 2014

10th Dubrovnik Media Days: Call for Papers

The world media are in crisis as a result of the collapse of monopolistic business model based on advertisers. New technologies have helped in this process, but also led to the emergence of a large number of media that have yet to find a profitable business model and impose as a substitute for the watchdog function of the newspapers. New technologies helped media content to be consumed quickly and on a variety of platforms. Also, media audiences no longer want to be passive. Audience wants to be found by information and to be directly involved in the production of content. At the same time, journalistic sources no longer need journalists to tell stories, and whistleblowers directly communicate with the audience. New technologies are increasing the transparency of journalism which leads to decrease in the credibility of the media and journalism in general. Due to cost cutting, journalism newsrooms are shrinking and less investigative journalism is conducted.

Possible topics include, but are not limited to, issues surrounding the following questions:

• What are the business models of media with special focus on online and mobile media?
• What are the new platforms for content distribution and their future?
• How the fragmentation of media audiences affects the media industry?
• How is the relationship between journalists and media audience changing?
• What is the future of investigative journalism?
• How to increase transparency and quality of journalistic content?
• What is the role of citizen journalism?
• What is the role of quality journalism and content specialization?

Different theoretical and empirical scientific approaches are welcome. Papers presented at the conference (after peer review) will be published in science journal Medianali. Official conference language is English. Timeline: Deadline for submission of abstracts and registration: September 1, 2014; Notification of acceptance: September 5, 2014 Registration fee for participants whose papers are accepted – 80 Euros, all others pay 150 Euros. Registration fee includes conference materials, dinner and lunch, coffee breaks. Full Papers due by November 1, 2014 (4,000-6,000 words, including 200 word abstracts and six keywords; referencing – Harvard system) Please forward as appropriate to interested parties.

The University of Dubrovnik is the “youngest” university in Croatia. It was established in 2003 [University of Dubrovnik].

Um novo jornal digital em perspectiva

Segundo li no Expresso online, prepara-se o lançamento no final do semestre da edição de um jornal diário digital com o nome de Observador, dirigido pelo jornalista David Dinis, até agora editor de política do  semanário Sol. Por detrás do projecto, está um conjunto de investidores, casos de António Carrapatoso,  Alexandre Relvas, João Talone, António Pinto Leite, Filipe de Botton e Luís  Amaral. Na mesma notícia, adianta-se o envolvimento do antigo director do Público, José Manuel Fernandes, como publisher, do  historiador Rui Ramos como coordenador do Conselho Editorial e de Diogo Queiroz de  Andrade como director criativo.

Recordo outra publicação com o nome de Observador, revista semanal editada entre 1970 e 1974 e dirigida por Artur Anselmo. Nessa altura, a publicação estava identificada com Marcelo Caetano. E, agora, qual a identificação política?

Memórias dos media

jjlvjsO pai de José Jorge Letria morreu quando ele tinha 16 anos. Prometeu à mãe dar menos atenção às guitarras e preparar-se para o curso de direito. Andou pela Faculdade, mas a música foi mais forte e enveredou por uma carreira que o levou a Paris e a outras andanças. Vicente Jorge Silva chegou ao quinto ano do liceu e fartou-se. Na Madeira, na esquina do café Golden Gate, ele via os passageiros que vinham de fora ou iam para fora da ilha. Para ele, esses viajantes vinham de mundos nebulosos ou estranhos para a terra, a existência, a vida.

No caso de ambos, os percursos políticos são marcantes: José Jorge Letria da simpatia e militância no Partido Comunista para o Partido Socialista, Vicente Jorge Silva de social-democrata mais ou menos anarquista para deputado do Partido Socialista e abandono posterior.

Ambos apanharam a mudança de regime político em 1974 e fizeram opções políticas, eles que já estavam engajados social e culturalmente. O percurso de José Jorge Letria levou-o a Paris, ao contacto com a música de José Mário Branco, à descoberta e companhia de José Afonso e Carlos Paredes, à cumplicidade com José Barata-Moura. Eles eram os músicos que começavam a ser conhecidos mas marginalizados pela política vigente em 1968 e anos seguintes, até à explosão de 1974, momento a partir do qual os músicos receberiam muitas solicitações mas se separariam, consumidos pelas fracções partidárias. José Jorge Letria, entretanto com família constituída, tornara-se jornalista, percorrendo o Diário de Lisboa, o República, o Musicalíssimo, o Diário de Notícias e o Diário. Depois, viria o pelouro da cultura na Câmara Municipal de Cascais e a direcção da Sociedade Portuguesa de Autores.

Vicente Jorge Silva começara, depois de paragens em Londres e Paris, à procura de entrar num curso de cinema, por explorar uma agência de publicidade até que apareceu o Comércio do Funchal, o jornal cor-de-rosa que vendia e quase não tinha problemas com a censura apesar de muitos artigos censuráveis pelo regime político. Mudado o regime, surgia a oportunidade de começar a “Revista” do Expresso, ao lado de nomes como António Mega Ferreira e Teresa Schmidt. Era uma divisão de poderes: o director Marcelo Rebelo de Sousa, que se seguira a Francisco Pinto Balsemão, o proprietário que fora para primeiro-ministro, ficava com o primeiro caderno do Expresso, Vicente Jorge Silva com a revista. Depois, já em 1990, nascia o Público, o melhor diário ainda hoje publicado em Portugal. O seu fundador e primeiro director manter-se-ia seis anos no lugar e, entre muitas coisas, foi conhecido por caracterizar a juventude como geração rasca, por atitudes então tomadas.

De José Jorge Letria, retenho a escassa informação que dedica à rádio (e alguns aspectos da música), caso do suplemento “Mosca” do Diário de Lisboa e da designação nacional-cançonetismo, cunhada por João Paulo Guerra sobre os cantores do Centro de Preparação de Artistas da Rádio da então Emissora Nacional (p. 76). Mas também a referência a Manuel Jorge Veloso, crítico e músico de jazz e director do repertório de jazz da Sassetti (p. 93), as 24 pistas de gravação no estúdio moderno de Paris (p. 94) para o disco lançado e logo apreendido em 1972 (p. 96), o exemplar do disco de José Afonso com a faixa “Grândola” que tocou no programa Limite na madrugada de 25 de Abril de 1974 e foi uma das três senhas na rádio para o avanço dos militares em revolta (p. 155) e o debate sobre música ligeira e música erudita na Emissora Nacional com Luigi Nono (p. 182).

De Vicente Jorge Silva, fico com a sua grande erudição, mesmo que não tenha sequer completado o curso liceal, nomeadamente na literatura e no cinema (e da prática deste). As páginas sobre jornalismo e, em especial sobre o Público, merecem ser lidas e discutidas pelos meus alunos, pois são de uma grande densidade conceptual e prática. Projecto que custou três milhões de contos – uma quantia fabulosa e que creio que não se repetirá -, o seu director procurava alterar a ideia de ciclo de informação semanal a que os leitores do Expresso estavam habituados (p. 155), mas isso não aconteceria. A televisão fornecia essa informação e o Expresso continuava a ser lido ao sábado, fornecendo mais detalhes e profundidade. Fala também da importância do design do jornal e da fotografia (p. 153), da necessidade de uma maior cobertura internacional (p. 151), do caderno local em Lisboa e no Porto (p. 146), da gente nova que nunca tivesse trabalhado em jornais para ingressar no Público (p. 147).

Eu gosto de biografias ou autobiografias, já o escrevi aqui mais de uma vez. Elas narram histórias pessoais, remetem para tempos precisos. Mas não posso esquecer que as biografias são também ajustes de contas do biografado consigo mesmo e as personalidades com que trabalharam ou se relacionaram. Os autores são já sexagenários e preparam a sua posição na História. José Jorge Letria fala dos antigos companheiros comunistas com mágoa ou preocupação, Vicente Jorge Silva nomeia Francisco Pinto Balsemão (proprietário do Expresso), Belmiro de Azevedo (proprietário do Público) e José Manuel Fernandes (anterior director do Público).

Leituras: José Jorge Letria (2013). E Tudo Era Possível. Retrato de Juventude com Abril em Fundo. Lisboa: Clube do Autor, 287 p.
Isabel Lucas (2013). Conversas com Vicente Jorge Silva. Lisboa: Temas e Debates/Círculo de Leitores, 261 p.

Número da revista Jornalismo & Jornalistas

JJChegou hoje às minhas mãos o número mais recente da revista Jornalismo & Jornalistas (55), referente a Julho/Setembro de 2013. O tema de capa aborda o estudo “As Novas Gerações de Jornalistas em Portugal”, investigação realizada pelo ISCTE e pelo Instituto de Ciências Sociais e com apoio da Fundação Gulbenkian. Mercantilização, tecnologização e precariedade de emprego nos jornalistas são algumas palavras-chave que ressaltam do estudo, pelo que leio do trabalho agora publicado.

A revista revela quem são os Prémios Gazeta do Jornalismo 2012 na imprensa, rádio, televisão, fotografia, multimedia, imprensa regional, mérito e revelação. Jornalismo das rádios locais, apresentação do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo), texto da jornalista Francesca Borri, que tem coberto a guerra na Síria, recensões de livros agora saídos e curtas análises a sítios da internet relacionados com os media são outros tópicos da revista.

Deixo para o fim dois textos de história da imprensa, o de Gonçalo Pereira sobre o aviador Charles Lindbergh e uma sua passagem pelo Minho, com jornalistas portugueses no seu encalço para obterem um exclusivo, e o de Francisco Pinheiro sobre Carlos Callixto, jornalista, professor e pioneiro do desporto em Portugal.

Carlos Fino recebe o título académico de “Notório Saber em Comunicação”

Vai ser depois de amanhã, dia 27 de Novembro, em Brasília, capital federal do Brasil, que o jornalista português Carlos Fino vai receber da Universidade de Brasília (UnB) o título académico de “Notório Saber em Comunicação”. Estabelecido por lei, o “Notório Saber” qualifica, no Brasil, a pessoa cujo conhecimento e experiência numa área específica são reconhecidos por umainstituição de ensino superior como tendo mérito equivalente a um doutorado. Os critérios de reconhecimento são estabelecidos pelo Conselho Nacional de Educação e o título aceite oficialmente para todos os fins úteis.

Carlos Fino foi, entre 2004 e 2012, conselheiro de imprensa na embaixada de Portugal no Brasil. Da sua carreira jornalística destaca-se a cobertura da última guerra do Iraque. Nessa altura, foi distinguido o facto de a RTP, através dos serviços noticiosos de Carlos Fino, ter sido a primeira estação do mundo a dar a notícia do início do conflito, superando cadeias mundiais como a CNN, BBC e Sky News. Depois da guerra, Carlos Fino foi convidado a deslocar-se ao Brasil, onde proferiu conferências e participou em debates em diversas faculdades de comunicação, como Natal, Fortaleza, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Novo provedor do leitor do Público

José Manuel Paquete de Oliveira vai assumir o cargo de Provedor do Leitor do jornal Público a partir do próximo mês de Dezembro. Paquete de Oliveira, doutorado em Sociologia da Comunicação e da Cultura, foi professor e vice-Presidente do ISCTE, Provedor do Telespectador da RTP (2006-2011), presidente da direcção da SOPCOM e dirigente do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo), e colaborador de vários jornais.

A imprensa portuguesa em novo livro de José Tengarrinha

tengarrinhaJosé Tengarrinha publicou um novo livro a que deu o nome de Nova História da Imprensa Portuguesa das Origens a 1865, um volumoso livro de mil páginas editado pela Temas e Debates/Círculo de Leitores, e que se torna indispensável para quem queira conhecer a realidade social, económica, cultural e política desta indústria.

No prefácio, o autor começa com a definição de imprensa, inicialmente a máquina de imprimir e depois também o produto: impressos, revistas ou jornais. Adiante, ele traça a história da imprensa em Portugal a partir do momento em que o seu objeto se apresenta como periódico e envolve homens de letras como Alexandre Herculano ou Eduardo Coelho. Identifica a história da imprensa como aquela que resulta de critérios formais estabelecidos na década de 1940 – a consideração do jornal como chega ao leitor. Destes e de outros critérios, Tengarrinha releva quatro fases da sua história: 1) primórdios, da Gazeta de 1641 à revolução de 1820, 2) nascimento da imprensa de opinião, até ao estabelecimento da monarquia constitucional em 1834, 3) liberais contra liberais, indo do fim da guerra civil até à regeneração, e 4) da regeneração em 1851 à organização industrial da imprensa em 1865.

O esquema de classificação das publicações periódicas atende a um conjunto de fatores tais como âmbito geográfico, relação com os poderes públicos e religiosos, orientação, conteúdos, periodicidade e género. Entre as páginas 845 e 880, o historiador faz o que ele chama um breve balanço mas que representa um longo caminho e que subdivide em áreas: 1) transição para o jornalismo moderno (empresa jornalística e jornalista, dificuldades técnicas, ilustração e gravura, portes do correio e expedição, o papel como matéria prima cara, primeiros movimentos reivindicativos dos tipógrafos, e 2) imprensa e evolução da sociedade oitocentista portuguesa.

Detenho-me na sua análise à imprensa jornalística, em que assinala uma maior complexidade a partir de 1834 (pp. 854-857). O jornal passava a ter um editor, um redator responsável ou chefe de redação, um a dois noticiaristas e um folhetinista. Os noticiaristas ganhavam um salário pequeno, pelo que precisavam de ter outros rendimentos. O negócio era regra geral pouco lucrativo e Tengarrinha estima um mínimo de 200 cópias para um jornal subsistir no tempo. Na segunda metade do século XIX, o jornal começava a deixar de ser visto como tendo função doutrinária para passar a ser considerado como uma mercadoria, evidenciado pela presença crescente de anúncios pagos.

José Tengarrinha é doutorado em História e professor catedrático jubilado, presidente do Instituto de Cultura e Estudos Sociais (Cascais) e autor de muitas obras sobre a imprensa das quais destaco História da Imprensa Periódica Portuguesa (1965) e Imprensa e Opinião Pública em Portugal (2006). Tengarrinha foi o arguente da minha tese de mestrado defendida em 1994.

Leitura: José Tengarrinha (2013). Nova História da Imprensa Portuguesa das Origens a 1865. Lisboa: Temas e Debates/Círculo de Leitores, 1003 páginas, 24,40 €

A revista do jornalismo

jj54O número mais recente de Jornalismo & Jornalistas (abril/junho) traz um texto sobre a internet e os jornalistas, um estudo de Helder Bastos, Helena Lima, Nuno Moutinho e Isabel Reis apresentado o ano passado e que partiu de um inquérito a 103 jornalistas. O objectivo foi saber como os jornalistas avaliam as mudanças ou potenciais mudanças trazidas pela internet nas práticas, funções e ética da profissão. Como resultado, os investigadores concluíram pela existência de duas percepções distintas. Por um lado, a ideia positiva, que potencia as rotinas produtivas e o desempenho profissional. Por outro lado, a internet é uma ferramenta útil mas que não reforça o papel de autonomia do jornalismo. Por outro lado ainda, a internet não é encarada como uma ameaça à ética ou qualidade do jornalismo.

Também na capa são feitas chamadas a entrevistas, de que destaco a realizada com Luís Bonixe, que destaca a criação do Grupo de Estudos de Rádio e Som. Para este investigador, o conjunto de investigadores da área vai procurar estabelecer um grupo formal no seio da SOPCOM (Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação) e “tem ainda a intenção de dinamizar a publicação de livros ou organização de números temáticos em revistas científicas. Por outro lado, a dinamização em Portugal do Dia Mundial da Rádio, que se assinala em Fevereiro, é outro dos propósitos do grupo”.

A história dos media está bem representada no número agora divulgado com os textos O dia de glória de Urbano Carrasco, por Gonçalo Pereira Rosa, e Da imprensa libertária portuguesa. O caso da revista Nova Silva, por Álvaro Costa de Matos.

Novo livro de Fernando Correia sobre jornalismo

FCFernando Correia lançou muito recentemente o livro Em defesa do jornalismo e dos jornalistas, onde edita textos que foi escrevendo e publicando no final da década de 1990 e primeira metade da primeira década do século XXI. Textos apresentados em congressos (jornalistas, SOPCOM) constituem o centro dos trabalhos agora presentes no livro. Jornalismo e jornalistas, concentração da propriedade dos media e investigação e história do jornalismo são os três núcleos.

O vídeo que se segue resulta de uma parte substancial da entrevista que lhe fiz hoje.

Leitura: Fernando Correia (2013). Em defesa do jornalismo e dos jornalistas. Lisboa: Ideias com História, 159 p.