Arquivo da categoria: Literatura

Tertúlia Recordar os Esquecidos

A tertúlia de hoje Recordar os Esquecidos (livraria Almedina, Saldanha, Lisboa) teve como convidados Luís Carmelo (esquerda) e Paulo Moreiras (direita), com moderação de João Morales. Os dois convidados evidenciaram a qualidade da literatura portuguesa, com autores muito esquecidos e à procura de resgate. Hoje, foi dito, vivemos sob o ditame da atualidade, da realidade que se remove permanentemente. Paulo Moreiras apresentou livros de Guilherme Centazzi (O Estudante de Coimbra), Fortunato da Câmara (Os Mistérios do Abade de Priscos), Bento da Cruz (Histórias de Lana-Caprina), António Manuel Policarpo da Silva (O Piolho Viajante) e João Palma Ferreira (Vida e Obra de D. Gibão). Já Luís Carmelo falou de livros de José Almada Negreiros (Nome de Guerra), Malcom Lowry (Através do Canal do Panamá), Patrícia Melo (Inferno), Adolfo Bioy Casares (A Invenção de Morel) e Maria Judite de Carvalho (Tanta Gente, Mariana).

Retirei algumas ideias. Em Paulo Moreiras, a confissão da influência do livro de João Palma Ferreira no seu primeiro romance, a este dedicado (A Demanda de D. Fuas Bragatela, 2002). Em Luís Carmelo, a emoção com que recordou Maria Judite Carvalho, casada com Urbano Tavares Rodrigues. Quando ia a casa deles, ela abria-lhe a porta mas afastava-se silenciosa. De Guilherme Centazzi, médico, foi destacado o seu papel pioneiro no romance português, mesmo antes de Alexandre Herculano e João Almeida Garrett, ele que foi estudante em Coimbra e diretor de dois jornais, um deles com o propositado nome Desenganos da Vida. Do livro de Fortunato da Câmara, destacou-se as viagens de noventa e tal histórias em torno da culinária. Por exemplo, a distinção entre porco com ameijoas e carne de porco à alentejana, modo de referir a alimentação do porco com peixe dado pelos pescadores do Algarve. Sobre o livro de Bento da Cruz, Paulo Moreiras falou do recorte satírico, de histórias bem humoradas, para não se andar com ar de enterro. Talvez o Piolho Viajante tenha merecido a mais divertida leitura. O dito piolho viajou por 72 cabeças no Terreiro do Paço, numa época em que este sítio era o local onde tudo acontecia, de festas a autos-de-fé e a touradas. O pequeno bicho passou por cabeças como boticário, estudante, caixeiro, ladrão, criada e velha gaiteira. Para quem quiser estudar a época e as suas expressões linguísticas, o livro de António Manuel Policarpo da Silva (1802) é aconselhável.

Para Luís Carmelo, se Almada Negreiros é recordado hoje pela bela exposição patente na Gulbenkian, o livro que ele levou para a tertúlia representaria três novidades: dar voz à noite, o eu que se interroga e o primeiro romance que alia a ficção à reflexão. De Malcom Lowry, em tradução de Ana Haterly, existe um universo de perda, errância e loucura, de ser deserdado, de tempestade interior e de solitário. O livro de Patrícia Melo, autora que foi jornalista e guionista e partilha muitas ideias com o escritor Rubem Fonseca, percorre a favela do Rio de Janeiro e dá um lado mitológico, com histórias de crianças que sobrevivem num mundo deveras hostil. De Adolfo Bioy Casares, livro escrito no ano da invasão de Paris pelas tropas nazis, há uma escrita do fantástico, com a personagem principal a ser objeto de uma projeção virtual. Isolado numa ilha, há uma máquina que produz imagens irreais. Sobre o livro de Maria Judite de Carvalho, duas notas: um grande elogio a um romance de género e retrato impiedoso de uma época (1959, com um regime político fechado a tudo); um pedido para as suas obras serem republicadas, dado ela estar injustamente esquecida (contudo, Tanta Gente, Mariana tem uma reedição de 2010).

Dona Alice Mexe o Tacho

Hoje à tarde, na Biblioteca de São Lázaro, em Lisboa, foi lançado o livro Dona Alice Mexe o Tacho, contos, lengas-lengas e poesias de Ana Ventura, Emílio Miranda, Fátima Vivas, Maria Apolinário e Rui Carvalho, vencedores de concurso promovido pela editora Alfarroba. Foram ainda publicados mais dois textos, de Cláudia Neto e Magda Massano e de Frederico Leite, como menções honrosas do referido concurso.Foi uma sessão muito concorrida, até pelo número de autores. Literatura com histórias mais adequadas a públicos infantis, o objectivo do volume foi encontrar sabores e cheiros, doces e salgados, apetitosos e quentes ou frios, que se encontram a partir de uma receita culinária. Esta é o começo de cada história e, depois, existe um enredo, uma memória ou uma efabulação, como cada autor explicou durante a sessão. No vídeo, ouvem-se vozes, em especial de crianças, numa melhor contextualização da apresentação.

Raymond Roussel

Michel Foucault publicou o livro Raymond Roussel em 1963, faz agora 50 anos. Não se deve ler o texto sobre Roussel por comparação ou complemento a História da Loucura na Idade Clássica (1961), o primeiro grande livro do filósofo francês, mas há uma aproximação a Nascimento da Clínica: uma Arqueologia do Olhar Médico, publicado também em 1963. Neste, regista-se uma mudança de perspectiva da patologia geral para a doença mental.

Ora, Roussel (1877-1933), poeta, escritor, autor de peças, músico e entusiasta de xadrez, descoberto pelos surrealistas como um seu antecessor, caso de André Breton, foi visto como louco. As edições de livros, as encenações dos seus trabalhos e a sua vida faustosa foram suportadas pela fortuna elevada herdada do pai, a ida de Paris para Palermo, onde acabou por morrer (ou ser assassinado), viagem extravagante mas decidida nos seus contornos finais por ele – comportaram sempre situações de desviante ou excluído ou marginal. Tudo assuntos que interessaram a Foucault.

Por isso, ao contrário de outros analistas, Foucault não olhou Roussel através da loucura mas pela leitura da obra, de forma distinta da do psiquiatra Pierre Janet, que conhecia o caso, e da de Michel Leiris, autor muito próximo de Roussel. Este, aos olhos de Foucault, aparece-lhe como uma das vítimas da medicalização moderna da loucura. No primeiro capítulo sobre o autor de Locus Solus e Nouvelles Impressions,  Foucault foi directamente ao seu último texto: Comment J’ai Écrit Certains de mes Livres (1932), obra autorizada a publicar após a morte de Roussel, por vontade expressa deste, onde ele revela o segredo da sua escrita.

Este autor construíra um modelo, um procedimento ou jogos de linguagem, como diz Foucault, em que as palavras assumiam significados distintos sempre que colocados uns a seguir aos outros. Casos de lettres (cartas epistolares ou letras gráficas)  e bandes (pano verde ou selvagens de uma tribo africana de um dos seus textos). Ou: vocábulos emparelhados que formam o eco sonoro de palavras nunca enunciadas (p. 39). Isto é um facto de linguagem, em que palavras idênticas dizem duas coisas diferentes (p. 12). O procedimento é uma espécie de purificação dos falsos acasos da inspiração e da fantasia para se colocar perante uma linguagem clara mas impossível de dominar, continua Foucault (p. 34), embora haja “alguns dos seus livros” estranhos ao procedimento (p. 83), como indicaria o próprio Roussel.

Dito de outro modo: as palavras são como que desviadas do seu sentido primitivo para adquirem um sentido novo (p. 13). É deste espaço de deslocamento que nascem as figuras da retórica: metonínimia, sinédoque, antonomásia, litote, metáfora, uma espécie de espaço tropológico do vocabulário. Depois, cada palavra está associada por um domínio de parentesco (p. 29) – do bilhar passa-se ao taco de bilhar, deste à sua incrustação de metal prateado, às iniciais de quem comprou o bilhar e o taco. Há, comenta Foucault, uma segunda navegação em torno dos objectos, uma narrativa repetida indefinidamente (p. 43), encarregada de restituir aos signos o significado (p. 44), com o labirinto ligado à metamorfose (p. 74). Os efeitos do duplo não deixam de se multiplicar (p. 47).

Além disso, há antifrases, como o desenhador que não reproduziu regularmente as malhas da rede sobre a escama do peixe, como se a função da linguagem duplicada estivesse no pequeno intervalo que separa a imitação do que imita (p. 20). Em Chiquenaude, um espectador que conta a peça compôs um poema que um dos personagens vai recitar várias vezes no palco, mas sucede que este último fica doente pelo que é o seu substituto que lê (p. 22). Fala de objectos nunca vistos ou de máquinas nunca pensadas ou de plantas monstruosas (p. 39). O papel dessas máquinas é fazer passar: transpor obstáculos, atravessar reinos, derrubar prisões e segredos, vencer memórias adormecidas (p. 63).

O teatro, os amantes surpreendidos, as substâncias maravilhosas, as personagens mascaradas, os objectos minúsculos, tudo faz parte do repertório de Roussel (p. 23). Já em Nouvelles Impressions, escreve Foucault, o autor emprega comparações, aproximações, distinções, metáforas, analogias, através de coisas e palavras, com repetições sem fim (p. 19). Nos textos de Roussel, há assim repetições, substituições, retorno do mesmo, diferenças imperceptíveis, desdobramentos, falhas fatais, meticulosidade e concisão, unir e reencontrar (p. 66). Melhor: imagens invisivelmente visíveis, perceptíveis mas não decifráveis (p. 48), em que há lugar privilegiado para a imitação (p. 67). A obsessão de máscaras, disfarces ou duplos e desdobramentos poderia encobrir o talento de imitador que desde cedo se notara nele (p. 141). Talvez por isso, Roussel aconselhasse os seus leitores a lerem a segunda parte das Impressions d’Afrique antes da primeira, de modo a tornar legível o seu conto (p. 64).

Sobre a edição portuguesa Impressões de África, publicada pela Relógio d’Água, retiro o que escreveu Eduardo Pitta (Da Literatura), romance que passou despercebido quando saiu em 1910: “Roussel, que influenciou os surrealistas, os dadaístas, os autores do futuro Nouveau Roman, bem como os artistas e poetas da Escola de Nova Iorque (Kooning, Ashbery e outros), era de opinião que o livro podia, e talvez devesse, ser lido de forma arbitrária, embora aconselhasse os amigos a começar pelo décimo capítulo”.

Roussel vivia à espera de um reconhecimento pela sua obra que acreditava estar injustamente privado. Entende Foucault, em Raymond Roussel, que este, na altura em que redigiu o seu primeiro livro, experimentou uma sensação de glória universal, não um desejo de celebridade mas de constatação física (p. 139). Pierre Macherey, o apresentador da obra de Foucault, lança uma hipótese sobre o que fascinou este ao escrever sobre Roussel, aliás a única obra sobre um autor, um comentário sobre alguém que produziu, contrário ao que ele próprio se dispusera (como se observa em O que é um autor?, a que talvez eu um dia dedique algum espaço aqui). A hipótese é que Roussel consagrou-se a uma obra com tal disciplina, em que cegueira e lucidez parecem conjugar-se em obstinação, excesso e desmedida (p. XIX). Vigiar e Punir (1975) vinha ainda longe, mas a disciplina dos corpos já andava na cogitação de Foucault. E o tema da sexualidade aprisionada fazia também parte do programa de Foucault, como a História da Sexualidade confirmou.

ASSOCIAÇÃO ALAGAMARES PROMOVE ENCONTRO DE ESCRITORES

No dia 14 de Abril, pelas 21:00, a associação cultural Alagamares promove um encontro com escritores sintrenses no Espaço Reflexo (Rua Heliodoro Salgado, Sintra, pedonal). Apresentados por Jorge Telles Menezes, estarão para falar da sua obra e autografar algumas delas os escritores Sérgio Luís Carvalho, Marta Amado, Augusto Carlos e Gonçalo Nuno Neves.

A Alagamares é uma associação cultural com sede em Galamares (Sintra) fundada em Março de 2005 e promove o debate e a acção cultural nas áreas da história, património, artes e ambiente (ver mais informações aqui).

ALICE VIEIRA

Sessão de homenagem a Alice Vieira no dia 16 de Dezembro pelas 17:00 no Jardim de Inverno do Teatro S. Luiz (Lisboa).

Alice Vieira nasceu em 1943 em Lisboa e é licenciada em Germânicas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em 1958, iniciou colaboração no suplemento “Juvenil” do Diário de Lisboa; em 1969, passou a dedicar-se ao jornalismo profissional. Desde 1979, tem vindo a publicar regularmente livros. Tem programado para 2010 um curso de escrita criativa.

CLUBE LITERÁRIO


“Numa época em que todos podemos estar a qualquer momento em qualquer parte do mundo sem, efectivamente, haver uma deslocação física, o Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, em parceria com o Clube Literário do Porto, convida-o a participar no ciclo de Conversas sobre viagens e outras deslocações. Neste ciclo contaremos com a presença de viajantes, ensaístas e críticos, de modo a que possamos dialogar sobre a viagem/deslocação efectiva e a escrita de viagem. As conversas iniciam já dia 22 de Maio no Auditório do CLP. Na sessão de abertura estará presente o escritor Miguel Gullander” (blogue Clube Literário, Rua Nova da Alfândega, 22, Porto).

AL BERTO NASCEU HÁ 60 ANOS


Al Berto (Alberto Raposo Pidwell Tavares) nasceu em Coimbra, a 11 de Janeiro de 1948 (e morreu em Lisboa, a 13 de Junho de 1997).

O blogue da Assírio e Alvim faz-lhe hoje uma curta referência.

E ao anoitecer / adquires nome de ilha ou de vulcão / deixas viver sobre a pele uma criança de lume / e na fria lava da noite ensinas ao corpo / a paciência o amor o abandono das palavras / o silêncio / e a difícil arte da melancolia (poema E ao anoitecer, retirado do sítio As Tormentas)

CONGRESSO SOBRE LITERATURA INFANTIL EM SANTIAGO DE COMPOSTELA EM 2010


A forza das minorías é o título do 32º Congresso Internacional do IBBY (International Board on Books for Young People), de 8 a 12 de Setembro de 2010, em Santiago de Compostela. Os temas do congresso são:

– Literatura infantil e juvenil: uma minoria no conjunto da literatura,
– Literatura infantil e juvenil em línguas minoritárias: da diferença à sobrevivência,
-Leitores em situação de minoria.

O logo do congresso e o cartaz, reproduzido no lado esquerdo, pertencem ao ilustrador galego Xan López Domínguez (Lugo, 1957).

ALICE VIEIRA HOJE NA TERTÚLIA VIA LATINA


Ela vai falar, às 21:30, na Galeria Matos Ferreira (Rua Luz Soriano, 18, Lisboa). Uma realização do ciclo de tertúlias organizado pelo blogue
Via Latina.

Para justificar a sua actividade como escritora, Alice Vieira fala de uma culpada, a sua filha Catarina. Um dia, a criança, então com nove anos, terá dito: “Já li todos os livros que há para ler. E agora, o que é que leio”? A mãe decidiu escrever um livro em conjunto com a filha. Meteu papel à máquina de escrever e saíu a seguinte frase: «Quando a minha irmã nasceu o meu desapontamento foi tão evidente que a minha mãe, abafada entre lençóis e cobertores da cama do hospital, me disse: Ela vai crescer num instante»! Era o começo do primeiro capítulo do livro Rosa, minha irmã Rosa. Ganhou o prémio de Literatura Infantil Ano Internacional da Criança (1979), dividiu-o com os filhos e fizeram em conjunto uma viagem à Grécia. Depois, em 1983, com Este Rei que Eu Escolhi ganhou o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura Infantil e em 1994 o Grande Prémio Gulbenkian, pelo conjunto da sua obra.

Nascida em 1943 em Lisboa e licenciada em Germânicas (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), começou a escrever nos jornais em 1958 (Suplemento Juvenil do Diário de Lisboa). A partir de 1969 dedicou-se ao jornalismo profissional.

ANTÓNIO QUADROS


António Quadros Ferro mantém um blogue cujo título é o nome do seu avó António Quadros. Prestou recente homenagem a esse seu antepassado, no momento do aniversário de nascimento, com textos de familiares e investigadores.

Da mensagem colocada no dia 25 de Julho passado, assinada por Romana Valente Pinho retiro a seguinte nota biográfica:

António Gabriel de Quadros Ferro nasceu na cidade de Lisboa no dia 14 de Julho de 1923. Se fosse vivo faria 85 anos. Filho dos escritores António Ferro (1895-1956) e Fernanda de Castro (1900-1994), António Quadros licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e dedicou-se, durante toda a sua vida, à filosofia, à literatura e à arte de uma forma geral. Por esse motivo, fundou, entre outras instituições, a Associação Portuguesa de Escritores e o Instituto de Arte, Decoração e Design (IADE). Na sua actividade profissional fundou e dirigiu alguns dos periódicos mais importantes do seu tempo, a saber, Acto, 57 e Espiral.

EDUARDO PRADO COELHO


De Eduardo Prado Coelho (1944-2007) lembro-me de ter lido, nomeadamente, a antologia Estruturalismo (1968), Os Universos da Crítica (1983) e Vinte Anos do Cinema Português (1983). Por essa altura, eu vira-o no congresso do pós-modernismo (Depois do Modernismo, coordenado por Luís Serpa, em Janeiro de 1983), recordando-me do título venenoso publicado pelo jornal Expresso, “Pós de modernismo”.

A sua leitura permitiu-me conhecer o estruturalismo e o que veio depois, nomeadamente o pós-modernismo. Ele era um farol, sempre pronto a revelar as últimas novidades, em especial as escritas em língua francesa. E com um grande ecletismo em termos de áreas de reflexão, da filosofia ao cinema e à moda. Ficou, aliás, célebre um artigo que escreveu sobre moda e publicado na revista Máxima [textos laterais retirados das últimas edições do JL – Jornal das Letras, Artes e Ideias e do Expresso – “Actual”].

Do livro Os Universos da Crítica, resultado da sua tese de doutoramento, o quase começo sufocava pela ousadia: “No interior do paradigam comunicacional, podemos considerar: a) uma versão erótica (segundo um modelo conjugal): crítica de identificação; b) uma versão tecnocrática: diluição do literário numa pragmática do texto ou da comunicação em geral; c) uma reformulação dos estudos históricos: a estética da recepção” (p. 16). E uma formulação estilística que eu desconhecia: “Questão de moda? Seja. Mas a moda é sintoma de” (p. 21).

Eduardo Prado Coelho, que queria aplicar as teses de Kuhn ao texto literário, mostra neste trabalho estruturalista o seu imenso conhecimento. Escreveria ele na mesma obra: “A «cultura literária», peça fundamental da «instituição da literatura», tem, pois, uma função determinada no sistema de distinções” (p. 185).