Arquivo da categoria: Livro

A revolução para José Miguel Sardica

JMSTerminar a Revolução. A Política Portuguesa de Napoleão a Salazar é o novo livro de José Miguel Sardica, hoje lançado na livraria Bertrand no Picoas Plaza, em Lisboa. A apresentação coube ao professor Manuel Braga da Cruz.

Na contracapa, o autor explica o objetivo do livro – explorar um dos eixos fundamentais da realidade portuguesa ao longo de mais de um século (XIX e XX), o da revolução. O livro é composto de três partes, com uma introdução (o problema da revolução na contemporaneidade europeia e nacional), a(s) revolução(ões) e as dinâmicas e as raízes do revolucionarismo português.

O vídeo seguinte mostra parte da apresentação pelo próprio autor. José Miguel Sardica é professor associado com agregação na Universidade Católica Portuguesa. O livro resulta da versão alargada da lição de síntese apresentada nas provas académicas de agregação em História.

Um livro sobre a editora Romano Torres

As edições Romano Torres constituem o nome de uma empresa livreira de grande significado em Portugal. Ela foi conhecida por fornecer edições populares no preço e nos gostos.

A alma da editora foi a literatura infantil e popular, com abertura ao romance histórico, ainda no final do século XIX. A coleção “Biblioteca de Recreio”, iniciada em 1888, combinaria obras de referência, divulgação, história e romances. A coleção foi uma estratégia editorial para desenhar o catálogo da Romano Torres, que se prolongou por décadas e que se traduziu numa novidade à época: a especialização.

Os romances de aventuras nas coleções Salgari, Manecas e Gigante marcaram o conhecimento da juventude masculina de gerações, já na primeira metade do século XX. A coleção Azul, orientada para um público feminino, composta de novelas sentimentais e referenciada como a biblioteca ideal da família. Dito de outro modo: a biblioteca como lugar simbólico que incorporava novas relações temporais, acumulação, leitura e difusão.

Por outro lado, pseudónimos escondiam autores portugueses, que se identificavam apenas como “tradutores”, o que lhes trazia mais liberdade quanto a histórias, lugares e fantasias. O tradutor era o elemento central no modo de circulação principal do livro a partir do século XIX, permitindo que textos romanceados europeus mas de línguas estrangeiras chegassem às mãos de leitores ávidos de novidades. Walter Scott, Dumas pai e filho, Emilio Salgari, Charles Dickens, Emile Zola, Jane Austin, as irmãs Brontë (Emily e Charlotte) e Odette de Saint-Maurice seriam alguns dos autores privilegiados pela editora.

Um terceiro fator marcante é a viabilização do negócio dentro de uma estrutura familiar. A editora Romano Torres nasceria do trabalho e conhecimento de tipógrafos, litógrafos e profissionais ligados à impressão, que criaram competências e negócios entre tipografias e editoras em torno do livro e do didatismo. A Romano Torres insere-se na regra da maioria das empresas que começam com um nome de família, com as chancelas das editoras a revelarem dois universos: empresarial e profissional.

O livro agora publicado revela uma faceta que não deixo de destacar: o arquivo organizado da empresa e a generosidade do último proprietário, Francisco Noronha e Andrade, doar o arquivo para melhor tratamento e divulgação de um espólio cultural marcante. Isso ilustra uma estabilidade empresarial ao longo da sua existência, em especial pela conservação da sua propriedade e identidade numa família.

O projeto, corporizado em torno de Daniel Melo e da sua equipa, chamou-se “Romano Torres: um arquivo histórico representativo da edição contemporânea”, foi apoiado financeiramente pela Fundação Calouste Gulbenkian e em termos logísticos pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, dentro do Centro de História da Cultura. Além do arquivo, o projeto promoveu encontros, edição de revistas e criou um sítio na internet. O livro tem capítulos escritos por Daniel Melo, João Luís Lisboa, Afonso Reis Cabral, Joanna Latka e Patrícia Cordeiro. A capa do livro tem ilustração de António José Ramos Ribeiro, trabalhada para aparecer na História Ilustrada da Guerra de 1914.

Leitura: Daniel Melo (2015). História e Património da Edição – a Romano Torres. Famalicão: Humus, 153 páginas, 8,5 euros

Pós-Graduação em Livro Infantil – “b-learning”

“Este curso de pós-graduação pretende ser uma resposta concreta às lacunas de formação específica sentidas por profissionais, provenientes de diversas áreas disciplinares, em relação ao livro infantil. Multifacetado e complexo pela sua natureza transversal, este objecto de estudo profundamente contemporâneo convoca um conjunto de saberes articulados – teóricos e práticos – que vão das questões de natureza textual (relativas ao texto verbal e à ilustração), passando pela edição, chegando aos usos e práticas em diversos contextos” (texto da organização; pode ler mais aqui). Pode também ver o vídeo de apresentação em https://www.youtube.com/watch?v=pingcuosCwI&feature=youtu.be.

Na edição 2013-2014 será em regime de b-learning.

Ilustradores portugueses na FILBo 2013 [Feira do Livro de Bogotá]

Ilustración sobre tres ilustradores portugueses, texto de Natalia Jerez Quintero, Literata, Universidad de los Andes, publicado em 3 de Maio de 2013 em http://www.uniandes.edu.co/noticias/artes-y-humanidades/ilustracion-sobre-tres-ilustradores-portugueses

Bernardo Carvalho

[Ilustração de Bernardo Carvalho]

“Los talleres de André da Loba empiezan con un muñequito portugués y con la pregunta ¿alguien sabe qué es un portugués? Como nadie en la sala sabe la respuesta, el ilustrador tiene toda la libertad del mundo para jugar con su audiencia. Yo no sé qué es un portugués, pero este artículo intentará contarnos, desde la perspectiva de una de sus acompañantes, lo que tres portugueses, el dueño de una maleta de madera llena de objetos mágicos, el capitán de un barco editorial llamado Pato Lógico, y el dueño de las manos rápidas que hacen ilustraciones al ritmo de una actriz, hicieron y dejaron en Bogotá hace un par de semanas.

“Los ilustradores André da Loba, André Letria y Bernardo Carvalho, respectivamente, son los protagonistas de esta historia. Da Loba es un caminante que alguna vez quiso ser físico pero terminó siendo diseñador y que ahora, gracias al destino, vive secretamente feliz en Brooklyn donde ilustra libros infantiles, crea objetos especiales que después pasea por el mundo en una maleta de madera, y hace ilustraciones para The New York Times, The New Yorker y Time Magazine entre otros. Letria, “El increíble dormidor de libros”, ha hecho ilustraciones para periódicos y libros desde 1992, ha ganado varios premios de ilustración y en 2010 creó la editorial Pato Lógico, que fue la encargada de darle vida a la sección infantojuvenil del pabellón de Portugal en la Feria Internacional del Libro de Bogotá (FILBo 2013) con su libro Mar, ilustrado por Letria y escrito por el divertidísimo Ricardo Henriques. Bernardo Carvalho es un viajero y fotógrafo que siempre está sonriendo, pero también es el cofundador de Planeta Tangerina —la editorial portuguesa que este año fue elegida en la Feria del Libro Infantil de Boloña como la mejor editorial europea de libros infantiles y juveniles— y el ilustrador de la editorial.

“Para cada invitado portugués a la Feria había uno o dos acompañantes colombianos encargados de estar con ellos todo el tiempo, de ser sus “hombre-sombra” o “mujer-sombra”, como decían ellos, y estar ahí para lo que necesitaran. Ser la mujer sombra de los ilustradores parecía todo menos trabajo; caminar con lluvia por la Macarena en busca de un bar con una barra decente, descansar en la sección infantil de la librería del Fondo de Cultura Económica después de una larga noche, dar clases de salsa en la Soledad, oír cuenteros en Usaquén, encontrar un buen lugar para comer lechona y buscar dónde ir a bailar en martes fueron algunas de las “funciones” de sus acompañantes colombianos que, más que sombras, eran nuevos amigos.

“En el marco de la FILBo 2013, los ilustradores estuvieron dictando talleres y charlas no sólo en la Feria sino también en universidades y colegios donde el público, muy variado, siempre quedó contento con lo que veía y oía. Se habló del mundo editorial, del proceso creativo, de la dificultad de encontrar la voz propia, de la edición digital, de los adultos y los niños, pero lo que más llamó la atención de todos los talleres fue la forma en que estos tres portugueses se conectaban con el público, dejando siempre algo personal en cada conferencia que dictaban, desdibujando así la barrera que suele existir entre las personas famosas —sí, ¡ellos son muy famosos!— y los demás.

“Por ejemplo, los tres contaron con entusiasmo anécdotas sobre proyectos que los apasionaron y que resultaron siendo fracasos editoriales e incluso uno de ellos contó cómo había vendido 23 libros. Pero esto no fue en ningún momento una razón para dejar de hacer lo que hacen, es decir, divertirse, ya sea haciendo libros, ilustraciones ‘serias’ para periódicos y revistas de renombre u objetos que cuentan todo tipo de historias.
Aunque los tres hablan de la soledad de su profesión y de las horas que deben pasar en su estudio solamente acompañados por “papel, tinta y amor”, al verlos interactuar entre ellos y con el público uno no pensaría que son personas solitarias. Siempre amables, risueños y dispuestos a hacer chistes e interactuar con las personas que tienen cerca, estos tres ilustradores portugueses transforman las historias en color, texturas, personajes, páginas, libros y obras de arte espectaculares pues, como alguien me dijo hace poco mientras caminábamos por la exposición de ilustración “Como las cerezas” en el Pabellón de Portugal, “la ilustración portuguesa está en su edad de oro”.

“Este artículo no pretende contestar la pregunta que hace da Loba en sus talleres, pero sí contar un poco la experiencia de la mulher-sombra de los ilustradores portugueses que, a decir verdad, dejaron mucho más que papel, tinta y amor en su paso por Colombia”.

*Los talleres con los ilustradores hicieron parte de los eventos que la Universidad de los Andes presentó dentro de la Feria del Libro de Bogotá, bajo el título ‘Mar, viajes y libros: Portugal en Los Andes’.

Fusão no mercado livreiro

Foi hoje anunciada a fusão das duas maiores editoras de livros do mundo, a partir dos grupos britânico Pearson e alemão Bertelsmann. A Penguin e a Random House dão origem à Penguin Random House. Trata-se, de acordo com os especialistas do setor do livro, uma revolução capaz de enfrentar os desafios colocados pelos ebooks ou livros digitais e os gigantes Google, Amazon e Apple. Em 2011, as duas editoras atingiram três mil milhões de euros de volume de negócios.

Prémio de edição Ler/Booktailors

Encontram-se abertas as candidaturas para a 5.ª edição dos Prémios de Edição Ler/Booktailors. Para a presente edição, e de forma a corrigir o anterior desvio temporal, aceitam-se obras publicadas nos anos de 2011 e 2012 em todas as categorias de design, fotografia e ilustração. O prazo de receção de candidaturas termina a 30 de outubro, podendo o regulamento ser consultado no sítio oficial dos Prémios de Edição, na barra lateral direita. Os vencedores serão anunciados na 14.ª edição das Correntes d’Escritas, em fevereiro de 2013.

Acordo de distribuição feito entre a distribuidora Vasp e a editora Guerra e Paz

A Vasp, a maior distribuidora de publicações a operar no mercado português, celebrou com a Guerra e Paz Editores, um acordo para a distribuição dos livros deste Editor. A Vasp alarga desta forma a sua actividade ao mercado livreiro, num movimento crescimento. Para a Guerra e Paz, o acordo com a Vasp constitui um passo na procura de solidez logística e de novos segmentos para a penetração do livro (informação dada pelas entidades que estabeleceram o acordo).

Compra da Assírio & Alvim pela Porto Editora

A editora Assírio & Alvim foi agora adquirida pelo Grupo Porto Editora. Em agosto de 2011, entre as duas entidades fez-se um acordo na área da distribuição. Depois, em outubro último, estabeleceu-se um protocolo que incluía a parceria editorial. Manuel Rosa, o anterior accionista maioritário da Assírio & Alvim, assume doravante o papel de colaborador externo, com propostas de obras para edição (e lançou uma editora própria). A Assírio & Alvim foi fundada em 1972. Na primeira metade da década seguinte, a editora estava quase a falir, quando Hermínio Monteiro assumiu a sua direcção e a tornou uma prestigiada editora, apostando em autores consagrados, como Mário Cesariny e Herberto Helder e revelando novos poetas (Monteiro faleceu em 2001). Dados os problemas que existem atualmente nas editoras de média dimensão, com grande rotação de livros nas livrarias, concentração económica das editoras e das livrarias, fragilidades da distribuição, decadência da rede livreira tradicional e prazos de pagamento mais dilatados, a Assírio & Alvim apresentava muitas dificuldades (sigo de perto o artigo do jornal Público). O mercado livreiro está hoje fortemente representado pela Leya, Porto Editora e Almedina.

BERTRAND

A Bertrand tem a mais antiga livraria aberta em todo o mundo, como foi declarado esta semana pelo Guiness, a funcionar desde 1732 no Chiado. Ontem, para festejar essa nomeação, alguns jornais, como Público e Expresso, traziam uma falsa capa com publicidade da Bertrand.

Tiro duas conclusões. A primeira é que a falsa capa era bonita. A segunda é que os jornais estão a editar publicidade em falsas capas. Que me lembre, está é a segunda campanha que vejo; a outra foi publicada simultaneamente no Público e no Correio da Manhã. O que pode querer dizer que a publicidade regressa aos media tradicionais.

ENCERRAMENTO DA MAIOR DISTRIBUIDORA DE LIVROS DO CANADÁ

No dia em que o Canadá indicava que as taxas de falência tinham reduzido bastante, Harold Fenn anunciou o fracasso do outrora próspero negócio de família, a H.B. Fenn, a maior distribuidora independente de livros daquele país localizada em Bolton, no Estado de Ontário. 125 empregados ficam no desemprego. Esta decisão segue-se ao encerramento em Janeiro da editora do grupo, a Key Porter, e da bancarrota da distribuidora DB Media em Dezembro. Um especialista do sector disse que se vive actualmente com a mais pequena das margens de lucro de sempre, o que leva as empresas à sua destruição ao mais frágil problema que surja (The Globe and Mail).

EDIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE LIVROS EM PORTUGAL: EMPRESAS, VOLUME DE NEGÓCIOS E EMPREGO (2000-2008)

A Edição e Comercialização de Livros em Portugal: Empresas, Volume de negócios e Emprego (2000-2008), de José Soares Neves e Jorge Alves dos Santos, é um documento electrónico disponível no endereço Observatório de Actividades Culturais (OAC), agora divulgado e onde se aborda a edição e a comercialização de livros em quatro dimensões: número de empresas, volume de negócios, valor acrescentado bruto (VAB) e pessoal ao serviço [tínhamos aqui, em 26 de Janeiro de 2008, feito a divulgação dos primeiros dados do trabalho agora publicitado]. Os dados são apresentados por totais, por escalão de pessoal e por região (NUTS II), variáveis utilizadas pelo INE. As unidades em análise são as empresas cuja actividade económica principal é a edição de livros (edição) ou o comércio a retalho de livros (comercialização). Os indicadores foram construídos pelo OAC a partir dos dados disponibilizados pelo INE no seu portal e na publicação Estatísticas da Cultura 2008. Os períodos abrangidos são, para a edição de livros, 2000-2008 e, para o comércio a retalho de livros, 2004-2008. O projecto agora apresentado é o resultado do estudo concluído em 2009 com o Inquérito ao Sector do Livro que incluiu três fases: levantamento de fontes estatísticas e construção de indicadores; realização de entrevistas a diversos agentes do sector; e inquérito por questionário às empresas de edição e de comercialização de livros. Das conclusões retiro os seguintes dados:

  • o número de Empresas em análise mostra uma tendência de crescimento. Em 2008 são 415. A distribuição por escalão de pessoal confirma que a grande maioria, nove em cada 10, são pequenas e muito pequenas com até 9 pessoas ao serviço, o que aliás confirma uma das características das indústrias culturais. Em 2007 e 2008, já de acordo com a nova CAE, nenhuma empresa tem mais de 250 empregados. A estrutura regional mantém-se estável ao longo do período considerado. A maioria está localizada na região de Lisboa (66% em 2008), a que se segue a região Norte (21% nesse mesmo ano). As empresas da edição estão presentes nas restantes regiões, embora em pequenas percentagens. O Volume de negócios evidencia algumas oscilações ao longo da série. Em 2008 o valor é o mais elevado, perto de 404 milhões. Como termo de referência, anote-se que, nesse mesmo ano, o orçamento do Ministério da Cultura inscrito no Orçamento de Estado foi 245,5 milhões. A distribuição por escalão de pessoal, pese embora as limitações impostas pela aplicação das normas de segredo estatístico, mostra que mais de metade do volume de negócios total (63% em 2007, ano mais recente em que tal dado está disponível) se situa nas empresas que têm entre 50 e 249 pessoas ao serviço. A distribuição por região mostra que Lisboa e Norte concentram a parte substancial do volume de negócios. Em 2008 a soma da primeira (60%) com a segunda (34%) representa perto de 94%. Das restantes apenas a região Centro regista um valor com algum peso (6%).

DIA MUNDIAL DO LIVRO

O Diário de Notícias de hoje dedica três páginas ao Dia Mundial do Livro, focando os dez anos de existência de livros electrónicos no país.

Lê-se no começo do trabalho de Pedro Fonseca: “Mais de dez anos após o lançamento dos primeiros livros electrónicos em Portugal, é hoje lançada a primeira associação entre um fabricante de leitores de livros electrónicos (e-reader) e uma editora nacional. A Samsung revela o seu E60 (disponível em Junho) e a parceria com a Babel para disponibilizar conteúdos multimedia para esses dispositivos”.

José Afonso Furtado, especialista em livros electrónicos, tema sobre o qual tem escrito muito, aparece no jornal a dizer o que pensa sobre os novos livros. Para ele, “A tendência é para a compra de fragmentos de informação. Os utilizadores querem apenas a informação de que necessitam, numa filosofia de acesso cada vez mais rápido e permanente e de qualquer local”.

CRUZAMENTO DE TEATRO, CINEMA E MEIOS DIGITAIS

Em Abril de 2009, a Universidade do Algarve organizou o I Simpósio Internacional em Comunicação, Cultura e Artes no âmbito das actividades do CIAC (Centro de Investigação em Artes e Comunicação). O objectivo era cruzar diferentes formas de expressão artística e comunicacional, casos do teatro, do cinema e dos novos ambientes digitais. O livro nasceu dessa realização.

A organizadora da obra é Gabriela Borges, docente daquela universidade. O livro inicia uma nova colecção, fruto da colaboração do CIAC com a editora Gradiva, sendo Mirian Tavares, docente da Universidade do Algarve, a sua coordenadora. Como indiquei acima, os textos abordam o teatro (António Branco, David Antunes, José Simões de Almeida Junior, José Paulo Pereira), cinema (Mirian Tavares, Rosana Soares, Hudson Moura), autoria (Ana Isabel Soares, Josette Monzani, Gabriela Borges) e meios digitais (Erik Felinto, Bruno Silva, Nelson Zagalo).

Leitura: Gabriela Borges (org.) (2010). Nas margens. Ensaios sobre teatro, cinema e meios digitais. Lisboa: Gradiva, 214 p., 14 €

ESPAÇOS PERDIDOS – COIMBRA


Livro coordenado por João Figueira, com textos dos jornalistas Álvaro Vieira, Graça Barbosa Ribeiro, João Mesquita (já desaparecido), Júlio Roldão, Lídia Pereira, Marco Carvalho e Paula Carmo. Apresentação feita pelo professor Henrique Fernandes Tomás Veiga e com alguns dos autores do livro.

A sessão realiza-se às 18:30 do dia 27 de Maio no Palácio da Bolsa (rua Ferreira Borges, Porto).

CRISE NA INDÚSTRIA LIVREIRA

O Expresso de hoje dedica uma página a falar da crise nas editoras (texto de Carla Tomás). Há uma quebra desde finais de 2008, acompanhando a situação geral. Uma das editoras entrevistadas pelo jornal fala de uma redução de 20% face a 2007. Outra editora diz que há livreiros que não pagam aos distribuidores e estes às editoras, varrendo toda a cadeia de valor.

Mas há dados contraditórios. Um estudo de mercado feito pela GKF, e citado na mesma notícia, diz que se venderam 13,7 milhões de livros o ano passado, um aumento de 1% relativamente a 2007, sem contar com os livros escolares e a que correspondem €157 mihões. Por ano, são lançados no país 12 a 14 mil títulos (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros), quando em 2005 eram 10 mil (Observatório de Actividades Culturais).

O Público, por seu lado, dá conta da má situação da editora Campo das Letras. Citando Jorge Araújo, que detém 51% das acções da empresa, a editora pode desaparecer até ao final do mês, se não aparecer um investidor com um milhão de euros. Às quebras de vendas juntou-se a falência da ECL (Empresa de Comércio Livre), uma distribuidora de livros. A Campo das Letras tem 17 empregados, 1407 títulos e representa 536 autores portugueses (entre os quais me incluo) e 318 estrangeiros.

O FIM DA BYBLOS

Os jornais de hoje dão conta do encerramento da loja de 3300 metros quadrados e mais de 150 mil títulos. A Byblos abriu como espaço de fundos bibliográficos, de livros já não existentes à venda ao público nas outras livrarias. Mas não chegou a completar um ano de vida. 50 colaboradores ficam sem emprego. Foi um sonho no panorama livreiro do país, mas a ausência de accionistas e de clientes decretou o seu fim. A Byblos ficava numa excelente área comercial, com muitos escritórios à volta e mesmo do outro lado da rua do centro comercial Amoreiras, igualmente perto do bairro de Campo de Ourique, um dos mais bonitos da cidade.

10 ANOS DA LIVRARIA MINERVA GALERIA, EM COIMBRA

Dou parabéns e desejo felicidades à Livraria Minerva Galeria, e a Isabel e a José Alberto Garcia, pelos 10 anos da Livraria Minerva Galeria, na rua de Macau, em Coimbra, assim como pelos 23 anos da Livraria Minerva (alfarrabista), na Rua dos Gatos, 22 anos das Edições MinervaCoimbra e 16 anos da Livraria Minerva da Faculdade de Letras (ver blogue da MinervaCoimbra).

Dentro do programa de comemorações, será inaugurada uma exposição com obras de muitos dos artistas que ali têm exposto, casos de Ana Rosmaninho, António Menano, Artur Bual, Colette Vilatte, Hans George Schüssler, João Berardo, Lena Gal, Lúcia Maia, Maluda, M. Helena Toscano, Marco Rooth, Mário Silva, Miguel Barbosa, Paula Rego, Pedro Charneca, Pinho Dinis, Rebelo, Rui Cunha, Santiago Ribeiro, Sérgio Sá, Silva Duarte e Vasco Berardo, a decorrer no próximo sábado pelas 18:00.

Já participei em debates na livraria, sobre blogues, por exemplo. E a MinervaCoimbra editou dois livros meus, o que jamais esquecerei.

SOBRE LIVROS


Jorge Manuel Martins, cujo livro Profissões do livro. Editores e gráficos, críticos e livreiros (2005) comentei
aqui e aqui, publicou uma separata ao mesmo livro, editada pelo Centro de Línguas e Culturas, da Universidade de Aveiro, com o título Livros: difícil é vendê-los (2007).

Neste trabalho de 20 páginas, o autor propõe-se abandonar a teoria da cadeia de valor (diferentes etapas na produção de um bem, estruturadas segundo saberes e profissões diferentes e que introduzem valor económico em cada uma delas) e falar da rede social do livro. Para compreender a rede social do livro, Jorge Manuel Martins diz que “cada um dos mediadores do livro «interpreta e filtra, selecciona e produz sentido, contribuindo com a sua própria marca, ou com o seu capital simbólico socialmente reconhecido, para transformar um produto base num valor acrescentado e num pacote de benefícios» e que, na nova rede do livro, cruzam-se agora vidas tão especializadas quanto convergentes, sem actores principais nem secundários, em equilíbrio culturalmente desafiante” (p. 43).

Na página seguinte do texto, o autor apresenta um quadro de oferta (produção, difusão) e procura (organizações, indivíduos).

Destaco ainda no trabalho de Jorge Manuel Martins aquilo a que chama de auxiliares de diagnóstico, em que apresenta as fontes de análise dos actores sociais da difusão do livro (pp. 51-57). Um dos elementos que igualmente destaco é a observância de algumas tendências: concentração versus excesso de produto, prioridade aos best-sellers versus ausência de livros de fundo, novos consumidores, aumento das devoluções e descontos crescentes, e proliferação de feiras e saldos enquanto diminuem as livrarias tradicionais e se disputa o espaço nas lojas.