Arquivo da categoria: Media

Feira do Livro

Foi hoje ao final da tarde lançado o livro A História na Ficção Televisiva Portuguesa, livro coordenado por Catarina Duff Burnay (ver curto vídeo abaixo) e com capítulos assinados pela responsável da obra e por José Miguel Sardica (idem), Eduardo Cintra Torres (idem), Rogério Santos, Carlos Capucho e Pedro Lopes.

ficção televisivaComo aborda a introdução, assinada por Catarina Duff Burnay e José Miguel Sardica, “a ficção televisiva sempre se constituiu como um produto âncora na definição das grelhas de programação. Histórias inspiradas na realidade e na memória são produzidas pelos canais públicos e privados de maneira continuada, arrastando audiências de forma transversal” (p. 13).

Os autores dos capítulos debruçaram-se cada um sobre uma série ou telefilme de ficção histórica. Assim, Eduardo Cintra Torres escreve sobreA Raia dos Medos (RTP1, 2000), Rogério Santos sobre A Vida Privada de Salazar (SIC, 2009), Carlos Capucho sobre Até Amanhã Camaradas (SIC, 2005) e Pedro Lopes sobre Conta-me Como Foi (RTP, 2007-2011). Um dos capítulos fundamentais deste novo livro é intitulado Os Temas da Ficção Histórica Audiovisual em Portugal (1909-2013), assinado por Catarina Duff Burnay e Eduardo Cintra Torres. Aqui, os dois autores escrevem: “pretendemos comparar a produção da memória histórica ficcional no audiovisual desde 1909, procurando continuidades e contrastes nos temas trabalhados pelo meio de massas audiovisual dominante em cada período” (p. 29), incluindo cinema, teleteatro e ficção dramática televisiva nos canais generalistas.

Catarina Duff Burnay é responsável da licenciatura de Comunicação Social e Cultural da Universidade Católica Portuguesa, dirigente da Faculdade de Ciências Humanas daquela universidade e coordenadora da equipa portuguesa do Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva (OBITEL). O outro membro que assina a introdução, José Miguel Sardica, é o director da mesma Faculdade de Ciências Humanas.

As fontes de informação em tese de doutoramento

Ontem, na Universidade do Minho, Vasco Ribeiro (à esquerda, de pé, na primeira fotografia; o quarto a contar da esquerda na segunda fotografia) defendeu tese de doutoramento com o título O Spin Doctoring em Portugal: Estudo Sobre as Fontes Profissionais de Informação que Operam na Assembleia da República (fotografias de Luís António Santos).

Do que então disse, deixo aqui um resumo. O trabalho apresentado tem muita qualidade, está bem escrito e traz novidades para a investigação – que é o que se pretende num trabalho académico. Tem cinco capítulos, com informação muito útil e alargada no tempo, cobrindo as realidades americana e inglesa e, sempre que possível, portuguesa. Aprendi muito com os capítulos 2, 3 e 4. Constatei a quase inexistência de bibliografia sobre a realidade nacional em termos de assessoria de imprensa. Por outro lado, a leitura da tese levou a rever a minha posição que tinha quanto a um livro português, o de Joaquim Martins Lampreia. Alguns conceitos como interacção e negociação fazem já parte do património intelectual da área da sociologia do jornalismo.

Encontrei a tese da tese entre as páginas 268 e 294, quando traça a matriz de comportamento do spin doctor. Tem quatro pontos principais (grandes objectivos, pré-condições, principais tarefas do processo de spinning, principais técnicas e instrumentos). Às vezes, dá exemplos concretos, práticos, da aplicação dos conceitos, como faz no resto da obra, embora isso diminua a escrita conceptual. A meu ver, alguns tópicos, caso das fugas-plantadas, merecem mais análises.

Sobre a metodologia, quando discute a dimensão da amostra (20 entrevistas), ela parece-me de boa dimensão. Pode dizer que há uma dúvida inicial, mas se entrevistou o universo não pode entrevistar mais ninguém. Melhor: obteve as respostas pretendidas. E, logo no começo da tese, refere as limitações da história oral. Sim, há limitações mas ela resolve alguns problemas, em especial quando não há outro tipo de documentos.

O imitador

Hoje, li a imprensa do começo da década de 1970. De repente, fiquei surpreendido. Já esquecera. Não se diziam as coisas mas percebia-se que o regime político estava com muitas dificuldades. A artista Io Apolloni a fazer streap-tease numa peça de teatro (a actriz diria que apenas tirara o casaco que cobria o seu corpo e as fotografias comprovam isso, apesar da crítica criticar essa postura), a cantora Suzy Paula a falar das suas mini-saias e dos seus maxi-casacos, o programa de televisão de João Martins Ensaio suspenso antes de começar, o intérprete Tony de Matos a criticar os baladeiros que “chegam aos palcos ou às câmaras e dizem que a música é deles, que a letra é deles, que a guitarra é deles […] só as canções é que continuam a não prestar” (Rádio & Televisão, 7 de Março de 1970). Mas havia um imitador fantástico chamado Mena Matos: ele era um “dos que a falar se arrisca muito” (Rádio & Televisão, 14 de Fevereiro de 1970). Na Gulbenkian, em 1972, discutia-se a música ligeira e escrevia-se um abaixo-assinado. Diversos músicos e cantores que brilhariam na segunda metade da década estavam presentes, bem como locutores e outros profissionais dos media. Sentia-se no ar que alguma coisa se ia dissolver. Curiosamente, a melhor imitação de Mena Matos era a voz de Salazar. Dizia ele: “Ouço as vozes, procuro fixar os seus pontos característicos e ensaio meia dúzia de vezes. […] existe certa dificuldade quando, num espectáculo, tenho de fazer sete ou oito imitações consecutivas, praticamente sem intervalo”.

Precisam-se novos imitadores. Há muitas dificuldades, outra vez.

001002

Future of journalism – Call for Papers

October 17-18, 2014

10th Dubrovnik Media Days: Call for Papers

The world media are in crisis as a result of the collapse of monopolistic business model based on advertisers. New technologies have helped in this process, but also led to the emergence of a large number of media that have yet to find a profitable business model and impose as a substitute for the watchdog function of the newspapers. New technologies helped media content to be consumed quickly and on a variety of platforms. Also, media audiences no longer want to be passive. Audience wants to be found by information and to be directly involved in the production of content. At the same time, journalistic sources no longer need journalists to tell stories, and whistleblowers directly communicate with the audience. New technologies are increasing the transparency of journalism which leads to decrease in the credibility of the media and journalism in general. Due to cost cutting, journalism newsrooms are shrinking and less investigative journalism is conducted.

Possible topics include, but are not limited to, issues surrounding the following questions:

• What are the business models of media with special focus on online and mobile media?
• What are the new platforms for content distribution and their future?
• How the fragmentation of media audiences affects the media industry?
• How is the relationship between journalists and media audience changing?
• What is the future of investigative journalism?
• How to increase transparency and quality of journalistic content?
• What is the role of citizen journalism?
• What is the role of quality journalism and content specialization?

Different theoretical and empirical scientific approaches are welcome. Papers presented at the conference (after peer review) will be published in science journal Medianali. Official conference language is English. Timeline: Deadline for submission of abstracts and registration: September 1, 2014; Notification of acceptance: September 5, 2014 Registration fee for participants whose papers are accepted – 80 Euros, all others pay 150 Euros. Registration fee includes conference materials, dinner and lunch, coffee breaks. Full Papers due by November 1, 2014 (4,000-6,000 words, including 200 word abstracts and six keywords; referencing – Harvard system) Please forward as appropriate to interested parties.

The University of Dubrovnik is the “youngest” university in Croatia. It was established in 2003 [University of Dubrovnik].

750 milhões de páginas de jornais e 4,8 milhões de sítios da internet em nova sala da British Library

A nova sala de leitura da British Library para jornais e noticiários de rádio e televisão foi oficialmente inaugurada pelo Secretário de Estado do governo britânico, Sajid Javid.

BLAgora, os investigadores podem aceder à colecção nacional de notícias – 750 milhões de páginas de jornais e publicações, 4,8 milhões de sítios da internet arquivados e milhares de horas de noticiários de rádio e televisão. Trata-se do culminar de um programa de 33 milhões de libras, que incluiu a transferência de uma grande colecção de jornais impressos para um edifício construído em Yorkshire e com armazenamento robótico. A colecção nacional de jornais atinge períodos tão antigos como a Guerra Civil Inglesa e constitui um número incomparável de registos (impressos e de audiovisual) sobre a sociedade, os indivíduos, a política e os acontecimentos do dia a dia. Ao cuidado da British Library, o arquivo totaliza mais de 750 milhões de páginas de jornais e media em geral e estende-se por mais de 20 quilómetros de espaço de prateleira. Embora muitas vezes rejeitado por críticos e leitores de se tornarem o “papel de chip de amanhã”, os jornais são uma fonte inestimável para investigadores que estudam os aspectos da vida local, regional e nacional ao longo de mais de três séculos.

Entre outras facilidades, a nova sala de leitura inclui 100 secretárias e 40 aparelhos de visualização de microfilmes (texto e imagem a partir de British Library).

Os filhos do Zip Zip

Helena Matos 001Helena Matos (1961-), para este livro, serviu-se de jornais e revistas da época, com destaque para o Diário Popular, jornal que dava muita atenção ao quotidiano, Diário de Lisboa, O Século, Diário de Notícias e O Século Ilustrado, ao longo da década de 1960 e até 1974. Ela usou outras fontes, como indica no final do livro. O livro, no seu todo, resultou de trabalhos que lhe foram encomendados, em especial a consultoria histórica feita, a pedido da RTP, para a série Conta-me Como Foi. Mais recentemente, ouvi Helena Matos em trabalhos feitos para a Antena 1, onde ela comentava o quotidiano dos portugueses nos anos em volta de 1974, a propósito dos 40 anos de implantação do regime democrático no nosso país.

O título do livro, Os Filhos do Zip Zip, constitui uma referência a um programa de televisão famoso na época e que marcou uma espécie de transição ou, pelo menos, de anseio de mudança política. Esta, como sabemos, veio a fazer-se por via militar e não civil, embora abrisse caminho a uma vasta alteração na sociedade civil.

A obra Os Filhos do Zip Zip divide-se em seis partes, cada uma delas com título apelativo e que reflecte valores partilhados na época: adeus aldeia, nós por cá vamos andando, estranha forma de vida, os desejados, mundo de aventuras, conversas em família. E tem 23 capítulos, onde identifica problemas muito sentidos então: subúrbios, delitos, guerra colonial, Tempo Zip (o programa de televisão e de rádio), questões femininas, amor, rock’n’roll, juventude, notícias sobre mistérios, sangue na estrada, conversas em família de Caetano, “por motivos alheios à nossa vontade” (diapositivo mostrado quando o programa da RTP sofria alguma avaria), primavera marcelista.

Na sua biografia, Helena Matos é apresentada como antiga professora do ensino secundário e jornalista. Dessa dupla vertente de pedagoga e de construtora de notícias surge uma capacidade de expor os temas com vivacidade e mantendo uma narrativa atraente. De produtora de notícias, ela passou a analista de notícias; daí, o recurso sistemático à análise das notícias e ao seu enquadramento histórico, social e linguístico. Isso verifica-se logo na entrada do livro – “Maio de 1973: os eléctricos deixam de circular na Estrada da Luz e também em Benfica. A Casa das Gravatas vai dar lugar a um banco e no Rossio fecha o Hotel Francfort” (p. 16). Logo depois, salta (e explica) para um fenómeno então a ter uma grande expansão: o crescimento urbano para a periferia de Lisboa. Sem o explicitar no texto, ela ilustra essa expansão com um anúncio de J. Pimenta, então um construtor afamado e que ficou conhecido através do slogan “Pois, pois, Jota Pimenta”, enunciado a significar que o problema da habitação estava resolvido com os seus empreendimentos.

O texto de Helena Matos tem de ser lido todo, para nos apercebermos das ironias, dos trocadilhos, das “coisas da vida” num país pequeno, pobre e silenciado. Basta atentar num dos cartunes publicados no livro (p. 48), retirado do Diário Popular, conversa entre o merceeiro e a cliente, com aquele a dizer: “É o que eu lhe digo, D. Rita: quando havia batatas, não havia bacalhau. Agora, que há bacalhau, não há batatas”. Era o custo de vida. No Natal de 1973, foi difícil arranjar bacalhau. Suspeitava-se que havia insuficiências de distribuição ou especulação (p. 47). Numa altura assim, dizia-se que os preços estavam “pela hora da morte”, exactamente o título do capítulo 3 da obra.

Da sua bibliografia, Helena Matos escreveu o livro Salazar, em dois volumes (A Construção do Mito; A Propaganda).

Leitura: Helena Matos (2013). Os Filhos do Zip Zip. Lisboa: A Esfera dos Livros, 359 páginas

Portugal e a Eurovisão. 50 anos de canções (1964-2014)

Portugal e a Eurovisão. 50 Anos de Canções (1964-2014) foi um pequeno livro de Jorge Mangorrinha lançado e apresentado na Sociedade Portuguesa de Autores, num projeto alargado à Hemeroteca Municipal, RTP e Universidade Lusófona. O livro foi o pretexto para juntar artistas que concorreram a festivais em representação de Portugal, como António Calvário, que esteve no primeiro festival em 1964.
Para Mangorrinha, o trabalho foi feito sem preconceitos, onde se aborda um tema até agora arredado dos estudos universitários: a música ligeira e os seus cantores. Para ele, o festival é um grande acontecimento na música portuguesa, pelo número de pessoas reunidas na sua efectivação, pela promoção do país neste evento anual na Europa e pelas características das canções, pelo papel da televisão pública e pela necessidade de partenariado em edições próximas.
No livro, escreve o autor: “Naquele domingo, pouco depois das 22:30, o realizador Raul Ferrão mandou avançar uma câmara para Maria Helena Fialho Gouveia e Henrique Mendes, e estes iniciaram a apresentação do primeiro festival, que contou com 12 canções na final (das 127 submetidas) defendidas por António Calvário, Artur Garcia, Madalena Iglésias, Simone de Oliveira, Gina Maria e Guilherme Kjolner”.
A música, foi dito neste encontro, representa 3% do PIB nacional, sendo comparada com a actividade do futebol, que representa 1,5%. Em nome dos artistas, António Calvário recordou a importância da orquestra ao vivo a acompanhar o cantor no festival da Eurovisão onde esteve e as perguntas dos jornalistas que lhes foram dirigidas sobre o regime de Salazar. Tozé Brito, que presidia à sessão, falou da dicotomia entre o envolvimento de compositores e artistas e o seu afastamento versus canais de televisão público e privados. Na época em que António Calvário ou Madalena Iglésias cantavam, havia um só canal e a preto e branco, hoje há múltiplas opções. A uma pergunta sobre a visibilidade dada pela RTP, um responsável desta empresa, José Poiares, lembrava exactamente a concorrência audiovisual como elemento de diluição do impacto do género televisivo.

A Hemeroteca Municipal colocou a partir de hoje muita informação sobre a matéria, e que pode ser consultada a partir desta ligação: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/EFEMERIDES/festival/festivaldacancao.htm, de onde retiramos as páginas da publicação Rádio & Televisão, nº 395, de 28 de Março de 1964, pp. 6-7.

Inauguration lecture Christian Fuchs: Social Media and the Public Sphere

“Social media has become a key term in Media and Communication Studies and public discourse for characterising platforms such as Facebook, Twitter, YouTube, Wikipedia, LinkedIn, WordPress, Blogspot, Weibo, Pinterest, Foursquare and Tumblr. This lecture will discuss the implications of social media for power structures in society, the economy and politics. The lecture will first discuss the question “What is social about social media?”. Providing answers requires a social theory understanding of what it means to be social. The lecture will explore different concepts of the social and relate them to the realm of the media. Social media are an expression of the tendency that in contemporary society boundaries become liquid. The distinctions between the private and the public, play and labour (playbour, digital labour), work and leisure, production and consumption (prosumption), individual and collective action, online and offline, networking and autonomy, spatial distance and co-presence, anonymity and knowledge, presence and absence, appearance and disappearance, and visibility and invisibility, are blurring. This lecture will discuss what risks and opportunities these changes imply for society. Many political and academic discussions about the implications of social media for society are concentrated on the question of whether social media enhance or endanger various dimensions of the public sphere. Whereas some say that social media make the economy more democratic and have been used as tools of revolutions and democratisation (‘revolution 2.0’, ‘Twitter/Facebook revolution’), others hold that social media are first and foremost instruments of control and commerce. The lecture will engage with Habermas’ concept of the public sphere and discuss social media’s variety of implications for the structural transformation of the public sphere. Whereas we are accustomed to the idea of public service broadcasting, an understanding of how a public service internet could look and be advanced is largely missing. This lecture wants to contribute to the public discussion of how the social dimension of the internet and the media can serve the public interest, the concept of a public service internet and how ideas for specific organisation, policy and funding models could look like”. Wed. Feb 19, 2013, 18:00. Univ. of Westminster, Regent Street Campus. More information is available here: http://www.westminster.ac.uk/news-and-events/events/inaugural-lectures/2014/social-media-and-the-public-sphere.

III Conference on Communication and Sports

http://comunicacaoedesporto.blogspot.pt/

Call for Papers

24  February 2014
Faculdade  de Letras – University of Coimbra, Portugal
Sports and media is a very important research field in the Portuguese  Group for Communication, Journalism and Public Space, working at the research  institute of CEIS20 from University of Coimbra, in Portugal. In 24 February 2014 it’ll be organize the III Conference on  Communication and Sports at the Faculdade de Letras of the University of  Coimbra, in Portugal. The main subject will be «Football and Media».
Football becomes one of the most important subjects during the  contemporary period. The goal of this conference is promote research about the  relation(s) between football and media, in its different perspectives and  dimensions, precisely in the year (2014) when Portugal commemorates the  10th year of Euro 2004 and when Brazil organized the Football World  Cup.
General themes
Main subjects for abstracts:
. Construction of the popular and media football personage  (players/coaches/managers);
. The concept of football player in the media;
. Women’s visions in the media;
. Social myths as structural football narratives;
. Economic logistics as promoters of new heroes in  football;
. Football and the social (anti)model;
. The footballer as esthetical and photographic model;
. Media narratives for football players, coaches, referees,  managers;
. Press, radio and television focus;
. New media and football;
. Media and football mega-events.
Rules for abstracts
No more  than 500 words. Please include three key words related to the paper, a brief  curriculum vitae, academic affiliation and contact information (including email  and telephone). Papers can be presented in Portuguese, Spanish and  English.
Proposals  should be submitted to: comunicacao.desporto@gmail.com.
Agenda
27  January 2014: Closing  deadline for proposals

Um novo jornal digital em perspectiva

Segundo li no Expresso online, prepara-se o lançamento no final do semestre da edição de um jornal diário digital com o nome de Observador, dirigido pelo jornalista David Dinis, até agora editor de política do  semanário Sol. Por detrás do projecto, está um conjunto de investidores, casos de António Carrapatoso,  Alexandre Relvas, João Talone, António Pinto Leite, Filipe de Botton e Luís  Amaral. Na mesma notícia, adianta-se o envolvimento do antigo director do Público, José Manuel Fernandes, como publisher, do  historiador Rui Ramos como coordenador do Conselho Editorial e de Diogo Queiroz de  Andrade como director criativo.

Recordo outra publicação com o nome de Observador, revista semanal editada entre 1970 e 1974 e dirigida por Artur Anselmo. Nessa altura, a publicação estava identificada com Marcelo Caetano. E, agora, qual a identificação política?

Memórias dos media

jjlvjsO pai de José Jorge Letria morreu quando ele tinha 16 anos. Prometeu à mãe dar menos atenção às guitarras e preparar-se para o curso de direito. Andou pela Faculdade, mas a música foi mais forte e enveredou por uma carreira que o levou a Paris e a outras andanças. Vicente Jorge Silva chegou ao quinto ano do liceu e fartou-se. Na Madeira, na esquina do café Golden Gate, ele via os passageiros que vinham de fora ou iam para fora da ilha. Para ele, esses viajantes vinham de mundos nebulosos ou estranhos para a terra, a existência, a vida.

No caso de ambos, os percursos políticos são marcantes: José Jorge Letria da simpatia e militância no Partido Comunista para o Partido Socialista, Vicente Jorge Silva de social-democrata mais ou menos anarquista para deputado do Partido Socialista e abandono posterior.

Ambos apanharam a mudança de regime político em 1974 e fizeram opções políticas, eles que já estavam engajados social e culturalmente. O percurso de José Jorge Letria levou-o a Paris, ao contacto com a música de José Mário Branco, à descoberta e companhia de José Afonso e Carlos Paredes, à cumplicidade com José Barata-Moura. Eles eram os músicos que começavam a ser conhecidos mas marginalizados pela política vigente em 1968 e anos seguintes, até à explosão de 1974, momento a partir do qual os músicos receberiam muitas solicitações mas se separariam, consumidos pelas fracções partidárias. José Jorge Letria, entretanto com família constituída, tornara-se jornalista, percorrendo o Diário de Lisboa, o República, o Musicalíssimo, o Diário de Notícias e o Diário. Depois, viria o pelouro da cultura na Câmara Municipal de Cascais e a direcção da Sociedade Portuguesa de Autores.

Vicente Jorge Silva começara, depois de paragens em Londres e Paris, à procura de entrar num curso de cinema, por explorar uma agência de publicidade até que apareceu o Comércio do Funchal, o jornal cor-de-rosa que vendia e quase não tinha problemas com a censura apesar de muitos artigos censuráveis pelo regime político. Mudado o regime, surgia a oportunidade de começar a “Revista” do Expresso, ao lado de nomes como António Mega Ferreira e Teresa Schmidt. Era uma divisão de poderes: o director Marcelo Rebelo de Sousa, que se seguira a Francisco Pinto Balsemão, o proprietário que fora para primeiro-ministro, ficava com o primeiro caderno do Expresso, Vicente Jorge Silva com a revista. Depois, já em 1990, nascia o Público, o melhor diário ainda hoje publicado em Portugal. O seu fundador e primeiro director manter-se-ia seis anos no lugar e, entre muitas coisas, foi conhecido por caracterizar a juventude como geração rasca, por atitudes então tomadas.

De José Jorge Letria, retenho a escassa informação que dedica à rádio (e alguns aspectos da música), caso do suplemento “Mosca” do Diário de Lisboa e da designação nacional-cançonetismo, cunhada por João Paulo Guerra sobre os cantores do Centro de Preparação de Artistas da Rádio da então Emissora Nacional (p. 76). Mas também a referência a Manuel Jorge Veloso, crítico e músico de jazz e director do repertório de jazz da Sassetti (p. 93), as 24 pistas de gravação no estúdio moderno de Paris (p. 94) para o disco lançado e logo apreendido em 1972 (p. 96), o exemplar do disco de José Afonso com a faixa “Grândola” que tocou no programa Limite na madrugada de 25 de Abril de 1974 e foi uma das três senhas na rádio para o avanço dos militares em revolta (p. 155) e o debate sobre música ligeira e música erudita na Emissora Nacional com Luigi Nono (p. 182).

De Vicente Jorge Silva, fico com a sua grande erudição, mesmo que não tenha sequer completado o curso liceal, nomeadamente na literatura e no cinema (e da prática deste). As páginas sobre jornalismo e, em especial sobre o Público, merecem ser lidas e discutidas pelos meus alunos, pois são de uma grande densidade conceptual e prática. Projecto que custou três milhões de contos – uma quantia fabulosa e que creio que não se repetirá -, o seu director procurava alterar a ideia de ciclo de informação semanal a que os leitores do Expresso estavam habituados (p. 155), mas isso não aconteceria. A televisão fornecia essa informação e o Expresso continuava a ser lido ao sábado, fornecendo mais detalhes e profundidade. Fala também da importância do design do jornal e da fotografia (p. 153), da necessidade de uma maior cobertura internacional (p. 151), do caderno local em Lisboa e no Porto (p. 146), da gente nova que nunca tivesse trabalhado em jornais para ingressar no Público (p. 147).

Eu gosto de biografias ou autobiografias, já o escrevi aqui mais de uma vez. Elas narram histórias pessoais, remetem para tempos precisos. Mas não posso esquecer que as biografias são também ajustes de contas do biografado consigo mesmo e as personalidades com que trabalharam ou se relacionaram. Os autores são já sexagenários e preparam a sua posição na História. José Jorge Letria fala dos antigos companheiros comunistas com mágoa ou preocupação, Vicente Jorge Silva nomeia Francisco Pinto Balsemão (proprietário do Expresso), Belmiro de Azevedo (proprietário do Público) e José Manuel Fernandes (anterior director do Público).

Leituras: José Jorge Letria (2013). E Tudo Era Possível. Retrato de Juventude com Abril em Fundo. Lisboa: Clube do Autor, 287 p.
Isabel Lucas (2013). Conversas com Vicente Jorge Silva. Lisboa: Temas e Debates/Círculo de Leitores, 261 p.

História dos media da Suécia

swedish broadcastingEditado por Monika Djerf-Pierre e Mats Ekström, A History of Swedish Broadcasting. Communicative ethos, genres and institutional change, com a marca da Nordicom, é um livro sobre os media electrónicos suecos, agora editado.

Os editores falam em cinco temas essenciais no livro: 1) inovações na rádio e na televisão, 2) orientação das audiências, 3) profissões dos media, 4) géneros de programas, e 5) mudanças institucionais. Para Ekström e Djerf-Pierre, estes temas capturam os aspectos significativos da radiodifusão (ou audiovisual, como se queira chamar) como comunicação pública (p. 13). Logo a seguir, os editores destacam a importância da história dos media como actividade multidisciplinar de investigação e relevam o trabalho dos diferentes contribuintes para o volume, que vêm das áreas da história dos media e da comunicação e ainda de áreas relacionadas como os estudos fílmicos. Dão ainda importância à periodização: 1) anos 1920-1950, em que os media se vêem como bem comum e com imparcialidade, 2) anos 1950, quando os media crescem em termos de influência social e de autoridade, 3) anos de 1960 e 1970, com a profissionalização da produção de programas, 4) décadas seguintes, com desregulação e concorrência comercial.

A maior parte dos textos – dezasseis capítulos – é de autores suecos ou nórdicos, mas destaco a senioridade de Paddy Scannell, um autor britânico respeitável e que sigo com assiduidade a sua produção teórica, agora a escrever sobre a historicalidade das instituições centrais da radiodifusão (audiovisual).

Leitura (ainda a fazer, porque o carteiro entregou-me o livro há uma hora): Monika Djerf-Pierre e Mats Ekström (2013). A History of Swedish Broadcasting. Communicative ethos, genres and institutional change. Göteborg: Nordicom, 379 páginas, 360 coroas suecas (40 euros).

Novo número da revista Trajectos

TrajectosA revista Trajectos, dirigida por José Rebelo e Muniz Sodré, propriedade do ISCTE, dedicou o número agora saído ao tema “Centralidade/Periferia”.

Após dois anos de interrupção, a publicação volta ao convívio dos seus leitores. Francisco Pinto Balsemão (sobre o jornalismo do nosso tempo), José Jorge Letria (sobre os direitos de autor) e Pedro Marques Gomes (sobre o Diário de Notícias em 1975) são os três textos de abertura, na secção “Em Análise”. Já na segunda parte do volume, com a designação “Discursividades”, há textos sobre a mensagem do presidente da República no Ano Novo, os cartoons e memórias e murais em Tróia. O longo dossier, sobre a estética do “mix” (ou crioulagem ou hibridação ou arte periférica), abarcando investigadores portugueses e brasileiros, inclui textos sobre música (funk, funk gospel, punk e superpop). Alguns textos adiantam propostas radicais, a ler com interesse crítico, onde a cultura da favela do Rio de Janeiro e a cultura burguesa do bairro de Ipanema e Leblon se misturam e se apropriam e expropriam.

Jogar Futebol com as Palavras

MCA3Ao fim da tarde de hoje, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi lançado o livro Jogar Futebol com as Palavras. Imagens Metafóricas no Jornal “A Bola”, de Maria Clotilde Almeida, Bibiana de Sousa, Paula Órfão e Sílvia Teixeira, em edição da Colibri.

Conforme a introdução da obra, ela “tem como objectivo desconstruir as metáforas e mesclas em notícias do jornal A Bola recolhidas entre 2002 e 2013, à luz do paradigma cognitivo”, num total de cerca de cinco mil ocorrências recolhidas daquele jornal desportivo. No final da mesma introdução, as quatro autoras concluem que “A Bola estimula as nossas mentes imaginativas, que se afiguram ferramentas indispensáveis à nossa sobrevivência intelectual no mundo actual. As imagens retóricas não são supérfluas, mas antes construtoras da realidade futebolística em dimensões culturais mais vastas” (p. 14).

Muitos dos títulos do jornal são metáforas muito ricas, em que o leitor é cúmplice e partilha uma cultura baseada no cinema, na gastronomia, nas emoções e no amor, nos domínios da guerra, da natureza, da tecnologia, do sobrenatural, da economia. Alguns dos títulos analisados seriam: Incerteza na última jornada da liga: juízo final? (Maio de 2007), Recheio de Figo (Agosto de 2006, quando Luís Figo representava o Sporting em jogo contra o Inter de Milão), Dragão sobre rodas (Agosto de 2006, quando o F.C.Porto adquiriu um novo autocarro), Cristiano Ronaldo eléctrico (Março de 2007), Plantel vai emagrecer (Agosto de 2007), Confronto de almirantes (Agosto de 2005, sobre os treinadores de dois clubes que se iam defrontar). A imprensa desportiva e o futebol em particular constituem “um manancial para o estudo das estruturas responsáveis pelas formações linguísticas” (p. 90).

O livro foi apresentado por Manuel Frias da Silva (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) e Eduardo Cintra Torres (Universidade Católica Portuguesa). Na sessão de apresentação, entre outras pessoas, estiveram o vice-reitor da universidade e o director da Faculdade de Letras da universidade.

MCA2MCA1

Alterações na sociedade accionista da Controlinveste

As dificuldades financeiras do grupo Controlinveste Media, de Joaquim Oliveira, devido seu passivo, levaram à entrada de novos accionistas: o empresário angolano António Mosquito e o promotor de espectáculos e proprietário de estações de rádio Luís Montez. A prioridade dos capitalistas entrantes é a redução de custos, o que significa redução de efectivos. O grupo possui os media Diário de Notícias, Jornal de Notícias, O Jogo e TSF. Os novos investidores entrarão na Controlinveste Media através de um aumento de capital, ficando respetivamente participações de 27,5% e 15%, baixando a de Joaquim Oliveira para 27,5% e 15% para o Banco Comercial Português e 15% para o Banco Espírito Santo. O conselho de administração terá como presidente não executivo Daniel Proença de Carvalho e mais seis nomeados por Mosquito, Montez e Oliveira. A administração designará uma comissão executiva com três gestores.

Em edição desta semana, o Jornal de Negócios descrevia o percurso empresarial dos jornais e rádio acima identificados ao longo dos últimos vinte anos. No início dos anos 1990, o coronel Luís Silva, que já tinha o catálogo da Lusomundo (cinema) tornou-se empresário dos media, ao ser o vencedor das privatizações dos jornais e comprar a TSF, fundada por um grupo de jornalistas após 1988. Logo depois, na euforia dos negócios de integração das tecnologia de informação, media e telecomunicações, no início dos anos 2000, a Portugal Telecom compra o pacote empresarial dos media de Luís Silva. Na altura, o grupo de media e distribuição de cinema valeria 500 milhões de euros. Já em 2005, a PT saía do negócio dos media e vendeu a Lusomundo Serviços, que incluía apenas o negócio dos media, à Controlinveste, de Joaquim Oliveira (300 milhões, financiados pelo BCP e BES). Agora, Mosquito e Montez entram na Controlinveste Media.

Televisão, serviço público de media e sociedade civil

De repente, o tema do serviço público de media (televisão, rádio e internet) saltou para a ordem do dia. No próximo sábado, dia 16 de Novembro (ver abaixo), o ISCTE promove o I Congresso Nacional da Sociedade Civil – A vez dos cidadãos, reunindo organizações que vão discutir o Projeto de Contrato de Concessão da RTP, que se encontra em fase de discussão pública até final de Dezembro e será o foco do debate do encontro. Depois, durante a tarde do dia 20 de Novembro, no Centro Cultural de Belém, realizar-se-á a conferência Um Novo Paradigma para o Serviço Público de Media em Portugal, onde estarão presentes, para além de governantes e dirigentes da RTP, entidade que organiza o evento, Tim Suter, consultor da BBC para o Projecto Vision 2020, e Ingrid Deltenre, directora-geral da European Broadcasting Union (EBU).

Novo provedor do leitor do Público

José Manuel Paquete de Oliveira vai assumir o cargo de Provedor do Leitor do jornal Público a partir do próximo mês de Dezembro. Paquete de Oliveira, doutorado em Sociologia da Comunicação e da Cultura, foi professor e vice-Presidente do ISCTE, Provedor do Telespectador da RTP (2006-2011), presidente da direcção da SOPCOM e dirigente do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo), e colaborador de vários jornais.

Qual dos provedores fica?

A notícia é do Diário de Notícias: “A RTP poderá perder um de dois provedores, mas quem ficar com a pasta terá de responder a ouvintes e a telespectadores. A criação do Provedor do Serviço Público é uma das alterações constantes na proposta do contrato de concessão apresentada pelo ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro”. Actualmente, Paula Cordeiro é provedora da rádio e Jaime Fernandes da televisão. A notícia diz ainda que “A nova voz do público da RTP que responde a queixas vai perder o programa e passa a intervir directamente no formato que é alvo de reclamação”.

A notícia não adianta quem é que dos dois provedores fica (e sai). Mas a legenda da fotografia diz: “Jaime Fernandes será o Provedor do Serviço Público”. Qual é válida: a certeza da legenda da fotografia ou a incerteza do texto?

A imprensa portuguesa em novo livro de José Tengarrinha

tengarrinhaJosé Tengarrinha publicou um novo livro a que deu o nome de Nova História da Imprensa Portuguesa das Origens a 1865, um volumoso livro de mil páginas editado pela Temas e Debates/Círculo de Leitores, e que se torna indispensável para quem queira conhecer a realidade social, económica, cultural e política desta indústria.

No prefácio, o autor começa com a definição de imprensa, inicialmente a máquina de imprimir e depois também o produto: impressos, revistas ou jornais. Adiante, ele traça a história da imprensa em Portugal a partir do momento em que o seu objeto se apresenta como periódico e envolve homens de letras como Alexandre Herculano ou Eduardo Coelho. Identifica a história da imprensa como aquela que resulta de critérios formais estabelecidos na década de 1940 – a consideração do jornal como chega ao leitor. Destes e de outros critérios, Tengarrinha releva quatro fases da sua história: 1) primórdios, da Gazeta de 1641 à revolução de 1820, 2) nascimento da imprensa de opinião, até ao estabelecimento da monarquia constitucional em 1834, 3) liberais contra liberais, indo do fim da guerra civil até à regeneração, e 4) da regeneração em 1851 à organização industrial da imprensa em 1865.

O esquema de classificação das publicações periódicas atende a um conjunto de fatores tais como âmbito geográfico, relação com os poderes públicos e religiosos, orientação, conteúdos, periodicidade e género. Entre as páginas 845 e 880, o historiador faz o que ele chama um breve balanço mas que representa um longo caminho e que subdivide em áreas: 1) transição para o jornalismo moderno (empresa jornalística e jornalista, dificuldades técnicas, ilustração e gravura, portes do correio e expedição, o papel como matéria prima cara, primeiros movimentos reivindicativos dos tipógrafos, e 2) imprensa e evolução da sociedade oitocentista portuguesa.

Detenho-me na sua análise à imprensa jornalística, em que assinala uma maior complexidade a partir de 1834 (pp. 854-857). O jornal passava a ter um editor, um redator responsável ou chefe de redação, um a dois noticiaristas e um folhetinista. Os noticiaristas ganhavam um salário pequeno, pelo que precisavam de ter outros rendimentos. O negócio era regra geral pouco lucrativo e Tengarrinha estima um mínimo de 200 cópias para um jornal subsistir no tempo. Na segunda metade do século XIX, o jornal começava a deixar de ser visto como tendo função doutrinária para passar a ser considerado como uma mercadoria, evidenciado pela presença crescente de anúncios pagos.

José Tengarrinha é doutorado em História e professor catedrático jubilado, presidente do Instituto de Cultura e Estudos Sociais (Cascais) e autor de muitas obras sobre a imprensa das quais destaco História da Imprensa Periódica Portuguesa (1965) e Imprensa e Opinião Pública em Portugal (2006). Tengarrinha foi o arguente da minha tese de mestrado defendida em 1994.

Leitura: José Tengarrinha (2013). Nova História da Imprensa Portuguesa das Origens a 1865. Lisboa: Temas e Debates/Círculo de Leitores, 1003 páginas, 24,40 €

A revista do jornalismo

jj54O número mais recente de Jornalismo & Jornalistas (abril/junho) traz um texto sobre a internet e os jornalistas, um estudo de Helder Bastos, Helena Lima, Nuno Moutinho e Isabel Reis apresentado o ano passado e que partiu de um inquérito a 103 jornalistas. O objectivo foi saber como os jornalistas avaliam as mudanças ou potenciais mudanças trazidas pela internet nas práticas, funções e ética da profissão. Como resultado, os investigadores concluíram pela existência de duas percepções distintas. Por um lado, a ideia positiva, que potencia as rotinas produtivas e o desempenho profissional. Por outro lado, a internet é uma ferramenta útil mas que não reforça o papel de autonomia do jornalismo. Por outro lado ainda, a internet não é encarada como uma ameaça à ética ou qualidade do jornalismo.

Também na capa são feitas chamadas a entrevistas, de que destaco a realizada com Luís Bonixe, que destaca a criação do Grupo de Estudos de Rádio e Som. Para este investigador, o conjunto de investigadores da área vai procurar estabelecer um grupo formal no seio da SOPCOM (Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação) e “tem ainda a intenção de dinamizar a publicação de livros ou organização de números temáticos em revistas científicas. Por outro lado, a dinamização em Portugal do Dia Mundial da Rádio, que se assinala em Fevereiro, é outro dos propósitos do grupo”.

A história dos media está bem representada no número agora divulgado com os textos O dia de glória de Urbano Carrasco, por Gonçalo Pereira Rosa, e Da imprensa libertária portuguesa. O caso da revista Nova Silva, por Álvaro Costa de Matos.