Arquivo da categoria: Museus

Museu Nadir Afonso

O Museu Nadir Afonso (Chaves, numa margem do rio Tâmega) merece ser visto (e refletido). Pintor, arquiteto e filósofo, Nadir Afonso Rodrigues nasceu em Chaves (1920) e licenciou-se em arquitetura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Ele tinha 24 anos quando a sua obra A Ribeira entrou no Museu de Arte Contemporânea de Lisboa. Em 1965, abandonou a arquitetura e desenvolveu estudos sobre a geometria (e a abstração geométrica). Influenciaram-no os estudos, experiências e contactos em França (com Le Corbusier) e Brasil (com Óscar Niemeyer), como a vemos no museu, onde se exibem trabalhos das décadas de 1930 a 1970. Para saber mais sobre o pintor, que faleceu em 2013, ler aqui.

O museu, suportado no Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), foi orçado em nove milhões de euros, com projeto do arquiteto Siza Vieira (2016). Segundo a estratégia cultural da região, o Museu Nadir Afonso localiza-se dentro do perímetro do centro histórico e da reabilitação ribeirinha do Tâmega e forma um triângulo cultural com o Museu do Douro (Peso da Régua) e o Museu do Côa (Vila Nova de Foz Côa).

Sem contestar o valor arquitetónico do museu de Chaves, o seu volume parece-me exagerado, a lembrar outras obras em Portugal, como o CCB e o museu de Côa, acima indicado. A opção de colocar um conjunto de pinturas de menor formato acima do nível da longa janela de corredor voltado para o lado do rio não permite ver com profundidade as linhas geométricas e as cores dessas obras. Além disso, Chaves, cidade interessante a visitar, tem ainda problemas vindos da crise financeira da última década. Se o museu influenciará na produção de riqueza da região, com ida de interessados em conhecer melhor a obra do pintos, uma casa onde ele pintor viveu, mesmo junto à ponte de Trajano, com uma lápide sobre a porta a indicar tal situação, está em total ruína. Parece-me uma contradição violenta.

Paula Rego no museu e no cinema

O filme, realizado pelo filho Nick Willing, é elegante e terno, mas também revela medos, fantasmas e obsessões, descendo à intimidade da pintora Paula Rego e abrindo pistas para a compreensão da sua obra. Sim, nós precisamos de signos e de interpretação para entendermos as suas pinturas. O ideal de belo e harmonioso não faz parte da estética dela, mas o grotesco e o violento. Documentário e exposição, patentes desde esta semana no cinema Ideal (Lisboa, onde vi o filme) e na Casa das Histórias (Cascais), ajudam-se mutuamente. Na exposição, parcelas das falas de Paula Rego no filme acompanham as telas que vimos mais fugidiamente no ecrã.

As séries sobre o aborto, as mulheres-cão, o crime do padre Amaro (a partir de Eça de Queirós), as pinturas zoomórficas de coelhos, ursos e macacos e as obras no período da depressão de 2007, sempre escondidas e agora reveladas numa só sala (onze quadros), representam um percurso muito rico desde a aprendizagem artística na Slade School of Fine Arts (Londres), de 1952 a 1956, onde ela também conheceu aquele que viria a ser o seu marido Vic Willing. O filme revela melhor o seu itinerário biográfico, entre Ericeira e Estoril, de um lado, e Londres, do outro. A exposição mostra o percurso artístico marcado pela biografia: as alegrias, as tristezas, os sonhos e os pesadelos.

A par da exposição de obras e temas emblemáticos dos trabalhos da pintora, em Cascais veem-se fotografias, cartas, livros que pertenceram a Paula Rego, uma pintura da sua mãe (que aquela comenta no filme) e até a reconstituição do seu estúdio, visto no filme mas mais próximo de nós na exposição.

Ópera chinesa no Museu do Oriente

O ocidente gosta da ópera chinesa mas não conhece o seu repertório narrativo e o modo como se combinam o canto, a música, a dança, a mímica, a acrobacia e o humor. A ópera chinesa surgiu no final do século XI e a sua época dourada iniciou-se no século XIII. Há estilos regionais diferentes, mas destacam-se os de Beijing e de Cantão.

 

 

 

 

 

O repertório inclui comédias satíricas, histórias de amor, peças históricas e mitos fundadores da China. A exposição patente no Museu do Oriente explora quatro das mais célebres histórias: Romance dos Três Reinos, A Viagem ao Ocidente, A Lenda da Serpente Branca e o Pavilhão da Ala Oeste. Assim, compreendem-se traços gerais da história do país, como a crítica de costumes, a exaltação das virtudes guerreiras, o temor aos deuses, a transmissão da sabedoria dos mais velhos. Há ainda espaço para o teatro das marionetas.

Trajes, maquilhagem e acessórios identificam as personagens. Linhas negras indicam rugas. O branco é para ministros traidores e personagens violentas como generais e bandidos, o vermelho é para homens honestos e fieis, o azul para personagens vigorosas, o amarelo para calculistas, o verde para orgulhosos e o dourado para os deuses. As personagens masculinas dividem-se em idoso, jovem e guerreiro, as femininas em idosa, mulher virtuosa, cortesã ou criada, guerreira e jovem de família distinta. A estas personagens, juntam-se os rostos pintados e os palhaços [texto a partir dos elementos da exposição].

Museu de Música Mecânica, de novo

No Museu de Música Mecânica (Pinhal Novo, Palmela), aprendi hoje que, antes da gravação de discos, houve gravação em cilindros. O equipamento era usado nomeadamente em escritórios em que as secretárias deixavam mensagens ao patrão sobre o expediente e restantes atividades comerciais da empresa. O que melhora a minha compreensão do registo sonoro. Na rádio, é dito que o registo inicial foi em disco. Será que as primeiras estações de rádio gravaram música em cilindros?

Na fotografia, uma das primeiras juke boxes, marca Regina, de seis cilindros (Estados Unidos, 1912). Colocada num sítio público, funcionava com uma moeda, com seis melodias cujos títulos se expunham na parte superior do aparelho.

No vídeo, o colecionador dr. Luís Cangueiro em três momentos da visita guiada: 1) fonógrafo de Edison, 2) Frank Sinatra numa canção de Natal, 3) canção Auld Lang Syne, melodia popular tradicional, conhecida em países ingleses e cantada para comemorar o começo do ano novo. Robert Burns em 1788 adaptou-a com um poema seu, conhecida como The Song that Nobody Knows, porque ninguém se lembra desse poema, que começa assim: Should auld acquaintance be forgot / and never brought to mind? / Should auld acquaintance be forgot/ and days of auld lang syne? / For auld lang syne, my dear, / for auld lang syne, / we’ll take a cup of kindness yet, / for auld lang syne.

Museu de Música Mecânica

O Museu de Música Mecânica excedeu as minhas expectativas. Situado em Pinhal Novo (Palmela), em edifício construído para o efeito (em forma de caixa de música), alberga cerca de 600 peças de música mecânica, coleção que Luís Cangueiro começou em 1987, quando comprou uma máquina de música mecânica num centro comercial de Almada por 30 mil escudos (quase 470 euros a preços atuais). Luís Cangueiro foi professor do ensino secundário e dedica-se à publicidade e ao hipismo.

De um pequeno texto do colecionador, retiro: “Destes instrumentos poderiam ouvir-se as mais belas melodias, rodando simplesmente uma manivela, dando corda a uma mola, acionando pesos, movimentando pedais, articulando foles”. De uma notícia do Público, de há quatro anos, sobre a coleção então ainda à espera de sítio definitivo, retiro a seguinte parcela: “E que sistemas [de produção de sons] são esses? Os cilindros de madeira, por exemplo, eram movidos rodando uma manivela e activavam várias peças, tais como um Gem Roller Organ de 1887 para se ouvir 39 segundos de Auld Lang Syne, uma conhecida canção tradicional inglesa de Ano Novo, ou um piano bastringue que toca sozinho a valsa Douce Risette. Os cilindros de metal são usados nas caixinhas de música. A Edellweiss (peça do final do século XIX) usa um disco de metal para ressoar 63 segundos de um excerto de La Fille de Madame Argot, uma ópera cómica criada por Charles Lecocq em 1872. Já o Coelophone Orquestre, uma peça francesa de 1884, prefere uma simples banda de cartão. E o gigantesco Seybold, que junta um piano, um acordeão e um tambor numa mesma peça, é capaz de animar uma sala com Mimi d”Amour usando um frágil rolo de papel”.

Num olhar mais preciso, noto similitudes em tecnologias: entre aparelhos de música mecânica e telefones, na transição do século XIX para o XX; no cartão perfurado de aparelhos de música mecânica a lembrar os computadores das décadas de 1950 a 1970.

 

 

Descobri um texto – que coloco a seguir, escrito por Teresa Margarida Cangueiro (e colegas) em abril de 2013 aqui – sobre o que se esperava do museu, agora tornado realidade (inaugurado em outubro de 2016):

“A música é algo intrínseca ao ser humano. A sociedade contemporânea tem uma relação diária com gira-discos, leitores de cassetes, ipods, iphones”, afirma Luís Cangueiro, “A história é a memória da humanidade, e será através das sonoridades que estes instrumentos nos transmitem que as gerações vindouras poderão recriar e reviver uma época já longínqua”. A prática colecionista de Luís Cangueiro remonta a muitas décadas atrás.

Em 2000, a coleção de instrumentos de música mecânica já contava com cerca de três centenas de peças. Como consequência, o proprietário deste importante espólio decidiu que se justificava
a construção de um espaço próprio, de forma a poder preservar e expor estas peças de forma condigna. Tratar-se-ia de um espaço museológico privado, de acesso restrito a familiares e amigos. O interesse em aumentar a área de construção de um pequeno espaço, destinado a utilização privada, seria transformar a edificação já quase concluída num projeto de museu que pudesse ser considerado de relevante interesse cultural. “A iniciativa da construção deste museu tem como objetivo contribuir para a divulgação da música mecânica, muito pouco conhecida em Portugal, ao contrário do que acontece com outros países da Europa”, acrescenta Luís Cangueiro. As previsões para a conclusão das obras de construção do museu apontam para o próximo ano.

A coleção prima pelas diversas tipologias que se distribuem pelos mais variados instrumentos. Estes têm como objetivo tentar compreender a importância e o lugar que a música ocupava na sociedade da época da segunda metade do Séc. XIX até aos anos 30 do Séc. XX. O acervo divide-se nas duas grandes áreas da música mecânica: os instrumentos de música mecânica e os fonógrafos e gramofones. A primeira forma de instrumento musical mecânico foi a caixa de música de cilindro, tornando possível ouvir-se música em casa sem ter que aprender a tocar um instrumento. Dentro desta parte da coleção é possível encontrar as diversas tipologias dos instrumentos de música mecânica: caixa de música de disco metálico, caixa de música de cilindro metálico, o autómato, o instrumento de cilindro de madeira, o instrumento de suporte perfurado e diversos objetos ligados a estes instrumentos.

A segunda área da música mecânica é dedicada aos fonógrafos e gramofones. Estes aparelhos tornaram possível gravar e reproduzir no momento seguinte a voz humana pela primeira vez. Estes têm a capacidade de nos transmitir a sua sonoridade por intermédio de cilindros que imortalizam as canções dos artistas do passado.

O primeiro fonógrafo foi apresentado por Thomas Edison em 1877. Esta máquina era constituída por um cilindro posto em movimento por uma manivela e recoberto por uma folha de estanho muito fina. “Num dos lados havia um estilete preso a um diafragma para gravar o som, e no outro uma agulha presa a um outro diafragma para o reproduzir. Edison pôs lentamente em movimento o cilindro e recitou um poema infantil Mary Had a Little Lamb, ouvindo-se a sua voz a reproduzir estes versos”, explica o colecionador, “Assim, tinha acabado de nascer a primeira máquina falante, o Tin Foil Phonograph, a primeira invenção com a capacidade de registar a voz humana”. O surgimento do fonógrafo levou o público a desinteressar-se pelos instrumentos de música mecânica.

Posteriormente foi a vez do gramofone se impor em relação ao fonógrafo. O Gramofone foi inventado por Berliner em 1887. O gramofone substituiu claramente o fonógrafo como instrumento de reprodução, sendo considerado como o grande precursor dos gira-discos elétricos que chegaram até aos nossos dias.
Nesta coleção estão incluídos diversos modelos de fonógrafos e gramofones: gramofones de viagem, gramofones de criança, grafonolas, objetos relacionados com esta área como brinquedos musicais, agulhas, etc. e as formas de comunicação utilizadas na promoção destes aparelhos. O aparecimento da telefonia fez com que os gramofones perdessem gradualmente a sua influência. Durante décadas as máquinas falantes que constituem esta colecção eram os únicos meios para divulgar a música. Perante o som destas caixas falantes no plano acústico, estas são restauradas permitindo a audição destas sonoridades que nos transportam para o plano sentimental ao despertar uma profunda nostalgia através da recriação do fascínio que provocou nas gerações
passadas.

A coleção começou como um passatempo, tornando-se no primeiro museu dedicado à música mecânica. Neste espaço é impossível resistir à audição dos sons mágicos e nostálgico, produzidos e reproduzidos por estas máquinas falantes. É através da memória auditiva dos visitantes que ficará parte da essência da sociedade desta época. Este museu será o palco de um concerto do passado. “Ver, ouvir e sentir” é a mensagem que se deixa a todos os visitantes que se aventurem nesta viagem musical. A difusão desta arte permitiu o universo de uma linguagem musical, sem barreiras linguísticas.

O Museu de Música Mecânica, para além das salas de exposição, tem um auditório, uma sala de exposições temporárias (atualmente com uma coleção de fotografias de Luís Cangueiro), um centro de documentação, uma cafetaria e um espaço de venda de artigos relacionados com o museu.

NewsMuseum (Sintra)

Hoje, integrado num grupo, visitei o NewsMuseum (Media Age Experience), em Sintra, cuja inauguração está apontada para 25 de abril próximo (gentileza de Luís Paixão Martins).

A ideia do museu nasceu um ano atrás e teve 80 colaboradores a trabalhar até chegar ao momento de apresentação pública, num espaço de 900 metros quadrados, mesmo no centro de Sintra. Destaques, para mim, da recriação de espaço de emissão de rádio, do lounge e interatividade com imagens, páginas e vídeos (históricos e depoimentos de profissionais e investigadores, que narram a história do media e do jornalismo ao longo de várias salas (de guerra, fotojornalismo, desportivo, jornalismo e cinema, sala dos imortais, ética e liberdade de imprensa, realidade virtual – desmaterialização dos media), cada qual com o seu curador (profissional ou especialista que apresenta o conteúdo da sala, equipamentos de televisão.

A jóia do museu é a torre de Babel, uma enorme coluna que acompanha a altura dos diversos andares, com ecrãs ligados a 90 canais de televisão. Mas ainda a sala da propaganda, com cartazes políticos ao longo das últimas décadas, em que se pode colar um cartaz (isto é, simular a sua colagem), com um mural do criador de murais do MRPP junto a um busto de António Ferro, dentro da ideia de contradição máxima: o que é próximo e o que é distante.Ou a sala dos duelos, de que recordo o debate Soares-Cunhal (e a frase: “olhe que não, olhe que não”). Diretor: Rodrigo Manuel Botelho Moniz Moita de Deus (pelo nome, descobre-se logo ser bisneto do fundador de Rádio Clube Português, Jorge Botelho Moniz) [numa das fotografias a “colar” um cartaz]. Ver mais em NewsMuseum.

Já estou a ver o Newsmuseum a ganhar o prémio de melhor museu do ano. Pelo conteúdo, pelas ideias inovadoras nas diversas salas e pelas tecnologias de interatividade!

newsmuseum newsmuseum1 newsmuseum2

Côa ou as gravuras não sabem nadar

A guia que nos levou ao sítio da Penascosa (praia fluvial na margem direita do rio Côa), onde se encontra um património valioso de arte rupestre do Vale do Côa classificada como património mundial, era muito competente. De conversa paralela ao seu trabalho de guia, ficámos a saber que é necessário frequentar um curso de Guias de Arte Rupestre do Coa, com formação específica em arte rupestre e seu contexto arqueológico.

Rapidamente, nos pôs a ler os traços e o significado em termos de animais representados: auroque, cabra e cavalo. Das interpretações e das dúvidas sobre como se teriam inscrito na pedra aquelas gravuras, foi tudo explicado, levando-nos ao museu de Côa, um magnífico edifício mas parecendo um bunker de guerra nuclear, o que amedronta um pouco.

Lá dentro, com excesso de informação visual, talvez a agradar a uma população juvenil que toma contacto pela primeira vez com um mundo de 25 mil anos antes do presente (BP – before present, com está escrito no texto em português). Pirotécnico, diria eu, ao ver citações de professores de reconhecida notoriedade da Universidade Nova de Lisboa mas cujos trabalhos de arte rupestre ignoro junto a imagens explicativas da evolução da cultura naquele vale. Sei que se podem reduzir as gravuras a simples (ou complexos) signos, mas daí a ter citações de professores dedicados a semiótica ou filosofia da linguagem parece-me exagerado. Sem me querer centrar nas citações, estas soam a soundbites dos jornalistas e dos técnicos de relações públicas.

Felizmente que a anunciada barragem no Côa não foi para a frente. Ficou um magnífico património num local de uma enorme beleza. E de fora ficou uma recente polémica de dificuldades financeiras, com histórias de jipes avariados. Houve jipe e houve explicações bem feitas pela guia. Lembrei-me do conceito ou grito “As gravuras não sabem nadar”, a partir da música dos Black Company (1994) Não sabe nadar.

Museu de Lamego

O Museu de Lamego está instalado no antigo paço episcopal, no largo de Camões, onde ficam alguns edifícios de grande valor histórico como a catedral. Reedificado na segunda metade do século XVIII, o palácio serviu de residência a oito prelados que ocuparam o governo da diocese de Lamego (1773-1911). O museu começou a ser instalado em 1907, quase a fazer um século. Tem tapeçarias flamengas e francesas dos séculos XVI e do XVII, ourivesaria, cinco painéis de retábulo pintado por Grão Vasco (século XVI) e peças de heráldica, túmulos, estelas funerárias, lápides, esculturas e elementos arquitetónicos de edifícios demolidos (informação do próprio museu).

News Museum, Sintra

O NewsMuseum, museu dedicado às notícias, aos media e à comunicação, situado em Sintra, tem inauguração prevista para 25 de abril de 2016. O museu ocupa as antigas instalações do Museu do Brinquedo e divide-se em temas como spin wall, géneros, contrários, propaganda, bad news, guerras e mind games. Pretende ser uma Media Age Experience, “janela aberta para o mundo dos media e da comunicação, e para o impacto destes na sociedade, recorrendo para isso a uma forte componente digital e tecnológica”.

A Associação Acta Diurna, promotora do projeto e presidida por Luís Paixão Martins, vai investir cerca de 1,8 milhões de euros no museu. O projeto conta com o apoio da Câmara Municipal de Sintra, que cedeu o imóvel no centro histórico por 20 anos à associação Acta Diurna. O fundador da TSF, Emídio Rangel, foi escolhido pelos comissários do módulo “imortais” para figurar no grupo dos fundadores dos grandes meios de comunicação atuais.

O museu é interativo e tem vários jogos. Segundo a entidade promotora, “fizemos um grande esforço para que em todos os módulos as pessoas pudessem participar no museu”. Por exemplo, no módulo da rádio, simulação da cabina de Rádio Clube Português na noite do 25 de Abril de 1974, com Joaquim Furtado, as pessoas podem gravar “Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas” e publicar no YouTube (informação retirada da página do museu e de uma notícia da TSF).

Museu Machado de Castro

Lê-se da missão do Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra): “As atividades do Museu apostam na divulgação da cultura e na educação do gosto, enquanto capacidade crítica de saber aquilo de que gostamos”.

É um prazer voltar a visitar o museu: escultura (pedra de calcário e granito, madeira, marfim, barro), pintura, ourivesaria, tapetes orientais (portugueses-hindus), cerâmica, têxteis, arqueologia. Um dia, numa visita guiada ali efetuada, ouvi pormenores sobre a história de um dos tapetes e as relações entre ocidente e oriente. Refleti: a história da cultura do mundo num pano longamente tecido e agora frágil pela sua idade, o que me encheu de muito contentamento.

Museu de Espinho

A antiga fábrica de conservas Brandão e Gomes, instalada em 1894 em Espinho (sociedade depois alargada para instalações em Matosinhos, Setúbal e S. Jacinto), é atualmente o museu municipal de Espinho. Além de elementos ligados ao fabrico das conservas de peixe, há espaço para a arte xávega (pesca artesanal com uso de rede).

Magritte

O museu Magritte existe no local desde 2009. Lembro-me de o ter visitado noutro edifício há muito tempo. Está muito pedagógico e com um percurso ideal para se compreender a sua obra. René Magritte é um dos pintores que mais gosto. Não conhecia, contudo, o seu impacto como pintor de cartazes. A sua obra divide-se em três períodos principais: 1) 1898-1929, período desconstrutivista e primeiras obras surrealistas, 2) 1930-1950, trabalho de publicidade, aproximação ao partido comunista, pleno surrealismo, 3) 1951-1967, trabalho de repetição de grandes imagens como Empire des Lumières e Domain d’Arnheim [quadro de Francis Picabia em fundo].

Ouvir a TSF Jazz, andar, visitar museus

Das práticas culturais, ouvir rádio e visitar museus são duas boas atividades. Um museu de pintura exige conhecimento ou vontade de aprendizagem. As obras expõem-se e precisam de códigos interpretativos e gente que discuta e troque saberes. Utensílios suplementares são os aparelhos em várias línguas que nos guiam pelas obras. Outra ajuda são os folhetos que distribuem à entrada da visita. Fenómeno mais recente é a fotografia (selfie) junto da obra, uma nova espécie de kitsch. Há museus que proíbem, há museus que se mostram permissivos nas suas obras de exposição permanente, mantendo as restrições quando elas estão em exposição temporária e pertencem a outras instituições. Mas as fotografias que fazemos são alguma vez utilizadas? Não começa a haver um excesso de imagens? Como as classificamos e como as partilhamos?

Mona Hatoum

Mona Hatoum nasceu em 1952 no Líbano, filha de pais palestinianos. Quando a guerra civil rebentou no seu país, ela estava em Londres, não podendo regressar. Matriculou-se numa escola de arte em Londres, tendo adquirido a nacionalidade inglesa. Desde 2003, divide o seu tempo entre Londres e Berlim.
Agora, uma exposição completa das sua obras, nomeadamente instalações desde o final da década de 1970, está presente no Centre Pompidou. Ela atraiu inicialmente pelas suas performances e trabalhos em vídeo com uma expressão assente em motivações sociais e políticas. Depois, começou a trabalhar em esculturas e grandes instalações. A sua obra articula-se entre minimalismo, arte cinestésica e conceptual com o surrealismo.

 

Museu dos Coches

Retiro a informação do sítio do novo Museu Nacional dos Coches: “Reunindo uma coleção única no mundo de viaturas de gala e de passeio dos séculos XVI a XIX, na sua maioria provenientes da Casa Real Portuguesa, a que se acrescentaram veículos vindos dos bens da Igreja e de coleções particulares, o Museu Nacional dos Coches apresenta um excelente conjunto que permite ao visitante a compreensão da evolução técnica e artística dos meios de transporte de tração animal, utilizados pelas cortes europeias até ao aparecimento do automóvel”.

Carro triunfal, que fez parte da embaixada de João V ao papa Clemente XI, e Clarence que pertenceu a Maria Pia, filha do rei italiano Vitor Emanuell e mulher do rei português Luís I.

Museu do Trabalho Michel Giacometti (Setúbal)

Instalado numa antiga fábrica conserveira, desde 1987, relevo a reconstituição da mercearia da Liberdade (que existiu na avenida da Liberdade, em Lisboa) e da fábrica da indústria conserveira, bem como os equipamentos e utensílios do trabalho da terra recolhidos pelo etnomusicólogo Michel Giacometti. A visita guiada foi muito bem conduzida e pude aperceber-me de todo o processo de trabalho da conserva de peixe. Na década de 1920, Setúbal tinha perto de 130 fábricas, empregando muita mão de obra da região mas também de zonas portuárias como Murtosa e Aveiro (mais a sul, há cerca de cem anos, pescadores daquelas zonas implantaram a pesca de xávega em Santo André, mais a sul de Setúbal).

Museu Nogueira da Silva (Braga)

Jorge Barradas tem diversas obras no museu António Nogueira da Silva (Braga). Dono da Casa da Sorte, negócio de venda de lotarias iniciada em Braga e alargada a todo o país, Nogueira da Silva (1901-1976) começou a investir em arte, cujo espólio se vê no museu. Filantropo, ficou o bairro com o seu nome e a escola, a conclusão a igreja dos Congregados, o apoio à Universidade Católica e o legado da Casa da Sorte aos seus funcionários são marcas da sua ação. Por ocasião da sua morte, a casa e toda a coleção de arte passou para a universidade do Minho. Nogueira da Silva era amigo de Salazar, que pernoitaria naquela casa quando se deslocava a Braga. No seu escritório, são evidentes as obras do homem do Estado Novo.

Mobiliário, tapeçaria, pintura, louça, faiança e alfaias religiosas são áreas que se encontram no museu. Não há propriamente uma linha cultural específica na aquisição de obras por parte de Nogueira da Silva, mas é relevante o conjunto. Acresce-se o jardim decorado e com um mural de Jorge Barradas.

Esta semana, Braga comemora a sua origem romana, o que traz muita alegria à cidade no seu perímetro histórico.

Cultura pública em Castelo Branco

O Museu Cargaleiro, nome do popular artista plástico, em Castelo Branco, é constituído por dois edifícios próximos. Um, o Solar dos Cavaleiros, palacete do séc.XVIII, outro, um edifício contemporâneo, muito perto da Praça de Camões, mais conhecida como Praça Velha. Além de louças utilitárias do século XIX oriundas da zona de Sevilha e dos trabalhadores sazonais oriundos da Beira Baixa, que se deslocavam para o Alentejo com roupas e utensílios domésticos, os ratinhos, o mais importante da coleção do museu são as obras do mestre Cargaleiro e peças contemporâneas de cerâmica, feitas por artistas internacionais, numa soma de bom gosto e qualidade.

 
O Centro Cultural de Castelo Branco, equipamento cultural inaugurado em 2013, está em edifício da autoria do arquiteto catalão Josep Lluis Mateo, numa colaboração com o arquitcto português Carlos Reis de Figueiredo. Fica no Campo Mártires da Pátria, no centro da cidade, perto do Cine-Teatro Avenida e da Biblioteca Municipal.
Possui um excelente auditório e tem exposições temporárias. A atual chama-se Everywhere is the same sky – Uma perspetiva de paisagem na coleção Norlinda e José Lima, com 50 artistas nacionais e estrangeiros: pintura a óleo, desenho, fotografia, vídeo, técnicas mistas.

 

Museu da Imagem (Braga)

No Museu da Imagem em Braga está exposta uma colecção de fotografias do chileno Adolfo Vera. O texto disponível na exposição não nos diz claramente de que se trata a exposição, mas, pelo perfil do artista, percebe-se que as fotografias resultam de um período em que esteve no Benim (2006), numa residência de artista.

O título do museu é errado. Apesar de um belo edifício, com parte da antiga muralha da cidade e uma boa arquitectura interior, com recurso ao ferro, o artigo definido (contracção com a preposição de) indica a entrada de qualquer imagem no museu e aguça o apetite para a inclusão de equipamentos dedicados à fotografia, ao cinema, à televisão e à internet. Afinal, parece que apenas permite exposições temporárias substituídas de mês e meio em mês e meio.

Museu da Imagem em Movimento

O Museu da Imagem em Movimento (m|i|mo), em Leiria, nasceu em 1996, por ocasião da comemoração do centenário do cinema em Portugal. Então, ele foi adaptado ao espaço do Teatro José Lúcio da Silva. Mais tarde, transferiu-se para um conjunto edificado de três volumes dentro da antiga cerca medieval, junto à Igreja de S. Pedro, que já tinham acolhido as cavalariças dos Paços Reais, o Celeiro da Mitra e o Regimento de Artilharia n.º 4, inaugurado em 2010.

Tem uma colecção interessante de máquinas fotográficas, de filmar e de projectar. Um conjunto de painéis ilustra a evolução da imagem ao longo da história, incluindo as sombras chinesas.

mimo1 mimo2 mimo3

Sapatos

Salvatore Ferragamo (1898-1960) foi de Itália para os Estados Unidos, onde consolidou a sua marca de sapateiro. Ele calçou as estrelas de Hollywood, de Pola Negri e Mary Pickford a Audrey Hepburn e Marilyn Monroe e as suas sandálias entraram nos filmes de Cecil B. de Mille sobre a história de Roma. O seu sonho de fazer sapatos manuais mas dentro de uma linha de montagem concretizava-se. Regressado a Itália e quando o regime de Mussolini foi isolado e as matérias-primas escasseavam para produzir os seus sapatos, Ferragamo ensaiou os sapatos de base de cortiça, usados em modelos ortopédicos (imagens do Museu Salvatore Ferragamo, Florença; texto a partir de artigo de Guido Vergani, um dos curadores da exposição sobre o fabricante de sapatos de Florença, em 1985).

Amadeu ao fundo

fcg

A exposição no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian chama-se Sob o Signo de Amadeo – um Século de Arte. Mas a obra de Amadeu Sousa Cardoso está no fundo, numa cave. Devia estar à entrada. Parece que a sua organização funcionou na lógica do supermercado: quando quero comprar água ou leite tenho de percorrer toda a superfície até chegar lá, obrigando-me a ver tudo e talvez a comprar algo que não tinha pensado antes.

Até chegar a Amadeu, a exposição fez-me algum tédio.

Museu do Chiado

ANJosé de Almada Negreiros (1893-1970) foi um artista de diversos talentos: poeta, escritor, bailarino, actor, desenhador, pintor. O Museu Nacional de Arte Contemporânea (Museu do Chiado) dedica, em exposição temporária, uma sala ao artista, nomeadamente o moderno desenho A Sesta (1939).

Além de outra exposição temporária, a de Jorge Oliveira (1924-2012), A Invenção Contínua, congratulo-me com a exposição permanente, onde dialogam obras do século XIX com o século XX, numa melhor aproximação à história da arte portuguesa. Uma visita ali não esgota a necessidade de conhecer melhor a cultura artística portuguesa. O museu fica ao serviço dessa divulgação, que faz parte das suas obrigações. O que pareceu esquecido nos anos mais recentes.