Arquivo da categoria: Museus

Museus de Belo Horizonte

Museu dos Brinquedos (possui um acervo de mais de cinco mil peças, das quais 800 estão expostas), Centro de Referência da Moda (vestidos de cerimónica e baile, nomeadamente) e Museu de Artes e Ofícios (couro, ourivesaria, mineração, fogo, transportes, madeira, cerâmica, comércio), este em edifícios recuperados junto à estação ferroviária e de metro [ver slideshow abaixo]. Faltou o de minas (gerais).

21345

Paula Rego a visitar

regoA nova exposição de Paula Rego na Casa das Histórias (Cascais) é um núcleo fundamental de catorze obras da série Óperas (1983) da pintora portuguesa radicada em Londres. La Bohème, de Puccini, Aida, Rigoletto, Falstaff e La Traviata, de Verdi, Fausto, de Gounod, Carmen, de Bizet, e Jenufa, de Leoš Janácek, são as obras que inspiraram a autora. Nos quadros, que ela pinta no chão, de cima para baixo, como se fossem grandes bandas desenhadas, representam-se histórias que são simultaneamente comédias e tragédias, nas quais os humanos e heróis interagem com animais, vegetais e híbridos. Por vezes, são imagens desconcertantes como se fossem contos de fadas, mas sempre vivas apesar das cores de uma paleta expressivamente em número reduzido (curadoria de Catarina Alfaro).

Para além desta mostra temporária, recomenda-se uma visita a outras obras da pintora, nomeadamente um pequeno conjunto de colagens e pinturas de meados da década de 1960, trabalhos artesanais muito minuciosos, com uma linguagem intimista e ainda sem o carácter antropomórfico da obra posterior.

rego

Atelier Museu Júlio Pomar (Lisboa)

JPAbriu esta semana o Atelier Museu Júlio Pomar, num armazém comprado (2000) e recuperado pela Câmara Municipal de Lisboa com traço de Álvaro Siza Vieira, na rua do Vale, 7, muito perto da Igreja das Mercês. É um espaço airoso de dois pisos, em que se expõe a obra do pintor Júlio Pomar. A fundação que gere o atelier museu possui um total de várias centenas de obras no seu acervo, incluindo pintura, escultura, desenho, gravura, cerâmica, colagens e assemblages, que irá expor doravante. Alberga ainda um auditório para realização de conferências, lançamentos de livros e outros eventos.

A exposição inaugural tem obras da fundação e de entidades privadas e está dividida em quatro núcleos, o primeiro dos quais mostra a pintura do artista no período neo-realista das décadas de 1940 e 1950, como Resistência (1946) e Marcha (1946). O segundo núcleo pertence à década de 1960, de linguagem gestual, onde estão presentes temas como as corridas de touros e cavalos. O terceiro núcleo, que ocupa uma parede do segundo piso, revela colagens, de grande beleza conceptual, com temas de animais e cenas de corpos, desejo e maior erotismo, e assemblages. O último núcleo, um regresso à pintura nas décadas de 1980 e 1990, tem telas de maior dimensão, de cores fortes e vivas, o que expressa vidas intensas, algumas delas dedicadas aos índios da Amazónia.

JP

Museu das Marionetas (Porto)

O Museu das Marionetas (rua das Flores, Porto) abriu ao público muito recentemente.

vai no batalha

O Museu tem como diretora Isabel Barros, mas a grande alma do espaço e do Teatro das Marionetas foi João Paulo Seara Cardoso (1956-2010), que teve formação no domínio da animação socio-cultural, do teatro e das marionetas (estes e os dados seguintes retirados do sítio do museu). Frequentou os cursos do Institut National d’Éducation Populaire e do Institut International de la Marionnette. Iniciou a sua atividade teatral e formação no Teatro Universitário do Porto. Dedicou-se à pesquisa e reconstituição do Teatro Dom Roberto, fantoches populares portugueses e recebeu de Mestre António Dias a herança desta tradição secular. Efetuou cerca de mil e quinhentas representações do Teatro Dom Roberto. Com a coreógrafa Isabel Barros codirigiu dois espetáculos explorando o cruzamento das marionetas e da dança: 3ª Estação e Hamlet Machine.

Para João Paulo Seara Cardoso, “Andamos sempre à procura dessa linguagem sensível que nos permite voar até lugares bonitos onde podemos encontrar um certo apaziguamento”. Esse lugar bonito e com apaziguamento, doce, quase a saber a flores e a sentir a encantamento, feito por gente que gosta do amor e da amizade, fica na rua das Flores. Aconselho uma visita.

[Vai no Batalha, encenação de João Paulo Seara Cardoso e marionetas de Rosa Ramos. Vai no Batalha era uma expressão que significava atualidade, novidade, cosmopolitismo, mas também conversa fiada, da treta, como se o outro fosse um tonto]

O encanto do museu Machado de Castro

Muito recentemente, o Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra) reabriu as suas portas. Tem uma magnífica colecção de escultura, com imagens esculpidas em pedra, madeira, marfim e barro. Muitas dessas obras foram retiradas de antigas igrejas ou conventos e aqui enquadradas, com uma forte visibilidade e destaque. Relevo ainda a ourivesaria, a pintura, a joalharia e os têxteis. As obras do renovado museu percorrem um longo período histórico, com particular incidência na idade media, no renascimento e no barroco, além dos contactos com outros povos e culturas, como é o caso da indiana.

Uma tapeçaria preencheu o meu encanto, como aliás deixei entrever em texto aqui (22 de Julho último), sob o título de viagem no museu: “Hoje, no museu Machado de Castro, a viagem foi dada pela leitura das imagens de uma colcha indo-portuguesa do século XVII, que pertence à colecção de têxteis do museu. O pano e o seu bordado serviram de elemento físico e pretexto para compreender a viagem, o sincretismo das culturas portuguesa e indiana, a influência religiosa do cristianismo e do budismo, as histórias que uma tapeçaria nos conta como se fosse uma banda desenhada no corpo de linho bordado a fios de seda. Cultura e arte (também visíveis num objecto de uso comum como uma colcha, toalha ou tapeçaria), comércio e poder (trocas económicas e supremacia política e militar), tecnologia (da caravela à nau), religião (a conversão ao cristianismo) e procura intensa de produtos daquelas terras longínquas da Ásia que os portugueses trouxeram para a Europa em concorrência com outras rotas (como a da seda), em termos de especiarias mas também objectos estranhos à nossa cultura”.

Visita guiada

Interior (Costureiras Trabalhando), óleo sobre tela de Marques de Oliveira (1884), é uma cena que representa uma pacata vida familiar, com três mulheres em casa, costurando e bordando, no silêncio da sala de trabalho. À falta de um terceiro modelo, a mulher de Marques de Oliveira é pintada duas vezes, em posições distintas e com outro vestuário, e na casa do próprio artista. Há igualmente uma pintura sobre a pintura, pois o centro da tela mostra uma paisagem através de uma porta aberta de par em par: um jardim com árvores em dia brilhante. O sol entra do lado esquerdo da pintura, iluminando mais a mulher que se senta naquele lado, projetando-se num jarro com água, com uma sombra esbatida na parede. Essa mulher à esquerda, de costas, debruça-se sobre o trabalho numa máquina de costura, à época da pintura um objeto muito moderno. Ainda deste lado, alguns quadros na parede indicam a casa de uma família com algumas posses. Um pormenor: um dos quadros não tem moldura, o que permite a seguinte interpretação: só um artista aceita colocar na parede uma pintura sem moldura. Do lado direito, em penumbra, como quem entra num espaço às escuras, vislumbram-se peças de mobiliário e algumas roupas.

Já havia passado por, e olhado para, o quadro múltiplas vezes, das vezes que percorri a pintura exposta no Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto. Mas só agora me apercebi destes pormenores, ouvindo a responsável pela visita guiada. Histórias das obras, enquadramento geral do trabalho dos artistas e contexto mais geral da sociedade em que as obras são produzidas – só assim é possível entrarmos em cada uma das representações pictóricas expostas.

Mas, além de Marques de Oliveira, ouvi explicações entusiasmantes sobre pintores como Silva Porto e Henrique Pousão ou sobre as origens do romantismo, afinal um dos melhores conjuntos daquele espaço cultural. É isso que torna fascinante ir a um museu.

Movimentos em Serralves

Suzanne Cotter, curadora de 50 anos nascida em Melbourne, na Austrália, com dupla nacionalidade australiana e britânica e atualmente sediada em Nova Iorque, vai ser a nova directora do Museu de Arte Contemporânea de Serralves (MACS). Cotter foi escolhida a partir de concurso internacional em que participaram 114 candidatos. No próximo mês de janeiro, substitui João Fernandes, convidado para sub-director do Museu Nacional Rainha Sofia, em Madrid (a partir de noticia do jornal Publico).

Novo diretor do Museu do Chiado

Paulo Henriques assume amanhã o cargo de diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea (Museu do Chiado). Sucede a Helena Barranha, que ocupou o cargo nos últimos três anos, a qual pretende seguir a vida académica. Na sua carreira, Paulo Henriques já foi diretor do Museu Malhoa e do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), aqui sucedendo a Dalila Rodrigues (notícia a partir do jornal Público).

Museu do Teatro

O Museu Nacional do Teatro, através das suas coleções, constituídas a partir de 1979, desenvolve o conhecimento da história e da atualidade das artes do espetáculo e tratar, e visa conservar, preservar, organizar, investigar, documentar e divulgar um património de 250 mil peças, que incluem trajes e adereços de cena, cenários, figurinos, cartazes, programas, discos e partituras e cerca de 120 mil fotografias. Existe uma biblioteca especializada com 35 mil volumes. O Museu está instalado no Palácio Monteiro-Mor, edifício do século XVIII restaurado e adaptado especificamente para o efeito (informação retirada do sítio do museu).

Museu da Chapelaria

O Museu da Chapelaria (rua Oliveira Júnior, São João da Madeira) foi inaugurado a 22 de junho de 2005. Está no edifício da Empresa Industrial de Chapelaria, fundada por António José de Oliveira Júnior em 1914, então a maior fábrica da indústria do chapéu em Portugal. O edifício da fábrica de chapéus, agora museu, fica ao lado da fábrica Oliva, já desativada. O conjunto fabril tornava aquele percurso um dos mais industriais da região.

A exposição permanente inclui diferentes máquinas industriais usadas na produção de chapéus, coleções de chapéus e testemunhos de operários de chapelaria. A matéria prima dos chapéus provinha da lã, da pele de coelho e de castor (este oriundo do Canadá).

A segunda imagem contém a fachada interna do Museu da Chapelaria e o monumento Unhas Negras, designação que se dava aos chapeleiros devido ao seu trabalho e que João da Silva Correia (1886-1973) celebrizou num romance seu exatamente com o título Unhas Negras.

“Ergueram-se os apropriagistas – a fidalguia da classe -, melhor encadernados, de gravata (até corrente de prata, este ou aquele), a bater palmas com entusiasmo, como os mais classificados da chusma, para renderem testemunho de apreço à pessoa importante. Ergueram-se os serventes, os fogueiros, os serralheiros. Ergueram-se os fulistas, figuras de fadiga mais apagadas, pálidas do vapor tóxico das fulas, metidos em si mesmos, como que conscientes do rigor da sua insignificância como membros da classe. Ostentavam estes, nas mãos, todos e cada um, unhas negras deformadas e grossas, muito roídas dos ácidos, a rematar os dedos escaldados. E ergueram-se também os do grosso – os da lã -, os mais menos, os párias dos párias, muito inseguros de si, visivelmente envergonhados entre a mais camaradagem” (João da Silva Correia (2003). Unhas Negras. São João da Madeira: Câmara Municipal de São João da Madeira, p. 46). O autor mostrava o ambiente de uma assembleia da Associação dos Operários Chapeleiros. A primeira edição do livro dataria de 1953.

KELVINGROVE MUSEUM

O estilo de Glasgow de Charles Rennie Macintosh (mobiliário) e Marat e os peixes (1990), pintura de Alison Watt, são duas atracções do Kelvingrove Art Gallery and Museum (Argyle Street, Glasgow), com temas dedicados à história natural, armaduras, máscaras e movimentos artísticos como a pintura escocesa ou Salvador Dali. E, junto à cafetaria, também se aprende a dançar, iniciativa que chama mais público ao museu. Muito visitado, a entrada é gratuita mas pede-se um donativo de uma a três libras ou três euros.

MUSEU DE ETNOGRAFIA

Recupero uma peça saída no jornal Público de 30 de Maio de 2011, assinada pelo antropólogo Pedro Prista. O texto é um elogio ao Museu Nacional de Etnologia, no Restelo (Lisboa). Grande pelas colecções e pelo trabalho científico e museológico, reconhecido internacionalmente, o museu tem uma equipa reduzida e um pequeno orçamento. O resultado pedagógico é excelente, escreve Prista, que elogia a abnegada dedicação da equipa.

OS CONSTRUTORES DO MAP – UM MUSEU EM CONSTRUÇÃO

No Museu de Arte Popular, até ao final deste mês, decorre a exposição temporária Os construtores do MAP – um museu em construção. Depois da história atribulada do museu nos últimos anos, e que eu fiz eco no blogue, a exposição leva-nos à explicação das razões da sua existência. Lê-se:

“A estrutura da Exposição, de base cronológica, parte da análise dos processos artísticos que, na viragem para Novecentos, conduziram à consolidação de um gosto simultaneamente moderno e nacionalista, que se traduziu na procura de motivos e temas que remetem ao imaginário, cultura e tradição populares portuguesas, ilustrando de forma carismática a imagem do próprio SPN/SNI. No percurso da Exposição, o núcleo dedicado ao Centro Regional da Exposição do Mundo Português documenta a Secção da Vida Popular e as Aldeias Portuguesas e ilustra os processos cenográficos de síntese do país de 40. Recorrendo a uma vasta quantidade de materiais gráficos, apresenta-se o Museu de 1948, analisando-se o seu edifício, a equipa de artistas-decoradores que se envolveram no projecto, a museografia e as colecções, e as mostras temporárias realizadas antes do seu encerramento”.

O concurso das aldeias de Portugal, as miniaturas, a exposição do Mundo Português (1940), o relevo aos frescos que decoram o museu, os artistas, o iniciador teórico (António Ferro) e a origem ideológica do museu estão explicados nos painéis da exposição.

MUSEU DE PORTIMÃO PREMIADO

O Museu de Portimão venceu a primeira edição do DASA, Prémio do Mundo do Trabalho 2011, atribuído ontem em Dortmund (Alemanha). Segundo o director do museu, José Gameiro, é importante “este reconhecimento do museu, numa visão ligada mais a uma perspectiva histórica”. O museu abriu as suas portas em 17 de Maio de 2008, instalado na antiga fábrica de conservas Feu.

GAETANO PESCE NO MUDE

No próximo dia 3 de Fevereiro, pelas 16:00, o designer italiano Gaetano Pesce vai estar à conversa no MUDE, com moderação da directora do MUDE, Bárbara Coutinho. O encontro é aberto ao público em geral e destina-se, em particular, a designers e estudantes de design, arquitectura e artes plásticas.

Para assinalar a visita deste criador, que vem lançar o modelo Melissa+Gaetano Pesce, o MUDE vai apresentar, a partir de 1 de Fevereiro, no centro da sua exposição permanente (Piso 0), um núcleo com todas as peças da sua autoria que integram o espólio do museu.

Gaetano Pesce é considerado um dos expoentes máximos do Design Radical. Os seus trabalhos de arquitectura e design privilegiam o significado em detrimento do funcionalismo, tornando-o num ícone do anti-design. Mais recentemente, colaborou com a Melissa, dando continuidade ao projecto que a marca brasileira tem vindo a desenvolver com grandes criadores da actualidade, como Vivienne Westwood, irmãos Campana e Zaha Hadid.

MUSEOLOGIA

“João Neto, do Museu da Farmácia de Lisboa, foi reeleito hoje, por unanimidade, presidente da Associação Portuguesa de Museologia (APOM), disse hoje à agência Lusa fonte da organização. Da anterior direcção, acompanham João Neto neste segundo mandato de três anos, Pedro Inácio (Museu da Água), vice-presidente, e Aida Rechena (Museu Tavares Proença Jr.), secretária-geral. Da direcção passarão também a fazer parte Joana Monteiro (Câmara de Lisboa), Teresa Tomás (Museu da Polícia Judiciária) e o museólogo Alexandre Matos” (Público).

SEMENTES. VALOR CAPITAL

O MUDE, Museu do Design e da Moda Colecção Francisco Capelo, a partir do dia 18 próximo, abre a exposição Sementes. Valor Capital.

“Depois de terem guardado dinheiro e riquezas várias durante mais de 50 anos, os antigos cofres do Banco Nacional Ultramarino, actualmente propriedade da CML/ MUDE, recebem […] um bem vivo de toda a Humanidade, um valor capital do qual depende a própria sobrevivência das espécies – AS SEMENTES. O MUDE abre assim ao público a sala dos antigos cofres [imagem em cima], apresentando 500 variedades de sementes agrícolas plantadas em Portugal, tratando-se de uma oportunidade de conhecer melhor esta riqueza e de perceber um pouco melhor o design que a natureza nos legou. Compreender a importância das sementes é lembrar que estiveram na origem da agricultura e dos primeiros povoamentos sedentários, da escrita, do cálculo e da aritmética. Entendidas como dote de casamento em tempos passados, serviram também de moeda nas transacções comerciais. […] Produzida em colaboração com o Instituto Superior de Agronomia, o Banco Germoplasma Vegetal e a Associação Colher para Semear que constituíram a sua comissão cientifica, esta exposição espera contribuir para a sensibilização e consciencialização do público em relação a temática da biodiversidade” (informação da organização).

DIA E NOITE DOS MUSEUS

No Dia Internacional dos Museus, a 18 de Maio, o Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal (MAEDS, Av. Luisa Todi, 162, Setúbal) convida as escolas, instituições e público a participar. O projecto deste ano visa, de forma lúdica e criativa, promover o conhecimento e a prática arqueológica, etnográfica, patrimonial e artística. O Dia estende-se à noite.

SOBRE MUSEUS

Maria Vlachou é mestre em Museologia (University College London, 1994), com uma tese sobre a temática do marketing de museus. Além de outras actividades gratificantes ao longo da década, ela é directora de Comunicação do Teatro Municipal São Luiz desde 2006. Agora, iniciou um blogue, Musing on Culture, em que os tópicos principais são os museus, o teatro, a arte e a cultura. Vale a pena consultá-lo.

O MUSEU COMO LUGAR DE DISTINÇÃO PARA TODOS

A primeira edição do livro de Karsten Schubert, The curator’s egg, é de 2000, reimpresso em 2002 e, agora, em 2009, com um novo capítulo. É a terceira edição do texto que eu acabei de ler, e que considero uma das leituras mais interessantes deste ano.

Schubert faz primeiro uma análise diacrónica dos museus, desde o século XVIII. O primeiro museu no sentido moderno foi o do Louvre, edificado num palácio outrora casa real, e que se tornou um repositório de grandes colecções reais. O Louvre como o conhecemos nasceu após a revolução francesa de 1789, apesar de já ter sido discutido ainda no ancien régime, nomeadamente pelo conde de Angiviller. O que até ao final do século XVIII era um privilégio de visita apenas para a aristocracia passou para o domínio público mais vasto. Aberto em 1793, a posição política assumida era que o museu teria um papel central na formação da nova sociedade. Dominique-Vivant Denon colocou obras de Rafael na Grande Galerie e convidou Napoleão a visitar o espaço. Havia uma explicação forte: às vitórias militares de Napoleão tinham significado a vinda de tesouros de arte oriundos do Vaticano, da Áustria, da Alemanha e da Itália, nomeadamente.

O British Museum, apesar de mais antigo, pois foi criado em 1759, tinha outra filosofia, pois nessa altura ainda não era encarado como museu propriamente dito. Não estava instalado num antigo palácio real, não reunia colecções pertencentes inicialmente a entidades reais, aristocráticas ou eclesiásticas e não tinha uma visão propagandística. Mas, com a ascensão política e imperialista da Inglaterra, o museu adquiriu igual estatuto. Mais tarde, o mesmo aconteceria com a Alemanha, a partir da década de 1870 e com mais ênfase a partir de 1900. Representantes dos museus, ajudados por diplomatas, exércitos e armadas, escrutinavam todo o globo. Por isso, a pedra roseta acabou por ficar em Londres após a derrota napoleónica, os franceses tentaram impedir a ida dos mármores do Partenon para Londres, ingleses e franceses disputaram os palácios da Suméria.

Em Berlim, a figura de Wilhelm Bode como responsável dos museus prussos e director do departamento de pintura e escultura emerge como principal protagonista. Por Bode passaram muitas aquisições e doações de colecções, além das suas enormes qualidades de académico e investigador. Por exemplo, entre 1897 e 1905 publicou o catálogo completo da pintura de Rembrandt. A aquisição do Altar do Pergamon (1878) e da Porta Ishtar da Babilónia tornaram Berlim o centro dos museus da Europa e do mundo. Depois, a aquisição de obras impressionistas e expressionistas, além da arte de outras partes do mundo, possibilitaram o erguer da ilha dos museus. A Segunda Grande Guerra e a partilha de Berlim entre aliados e soviéticos em 1945 veio interromper o florescimento daquele espaço, só retomado nos anos a seguir à queda do muro de Berlim em 1989.

Já no século XX, o centro mundial dos museus vira-se para Nova Iorque. Novas correntes, a distinção entre museus de origem pública e privada, o apoio directo e contínuo a artistas que permitiriam dar conta da evolução do trabalho destes ao longo de anos e décadas, a colocação de museus em blocos semelhantes aos habitacionais, numa integração do museu no tecido urbano, foram algumas novas características criadas e desenvolvidas nos Estados Unidos e, em especial, em Nova Iorque. A Segunda Grande Guerra permitiu ainda uma larga aquisição de obras europeias, dada a situação de conflito nos principais países do nosso continente, ajudada pelo poder financeiro americano. Schubert enfatiza a criação do Museum of Modern Art (MoMA). Alfred Barr desenhou o MoMA como laboratório em que o público devia participar e uma marca corporativa forte, isto é, o primeiro museu mundial dedicado somente à arte moderna. O expressionismo abstracto teve o seu apogeu nas exposições deste museu, reflectindo igualmente a própria produção americana. Também Thomas Kren e o Guggenheim têm lugar no texto de Schubert, nomeadamente a ideia de franchise como o museu de Bilbau, o que permite a circulação de obras pelo mundo. Ora, o autor chama a atenção para a habitual fragilidade das obras e para a contextualização destas com o espaço onde habitualmente estão, ilustrando alguns fracassos de exposições.

O grande momento seguinte, segundo Schubert, seria o Centro George Pompidou, criado pelo presidente francês logo após os acontecimentos estundantis de 1968. O museu perdia a autoridade e infabilidade anteriores e tornava-se parte integrante das práticas quotidianas, associadas a uma definição mais lúdica de cultura. O plano arquitectural pertenceu a Renzo Piano e Richard Rogers, em que a parede como separador desaparecia e dava lugar à flexibilidade, adaptando os espaços às necessidades de cada exposição. Por outro lado, desenvolvia-se a conceptualização de época em exposição por oposição à narrativa linear do MoMA. Mas, do mesmo modo que o museu americano, o museu francês também dedicou uma grande importância aos catálogos, o que aconteceria igualmente com a Tate Modern (Londres).

No seu livro, Karsten Schubert presta atenção à relação entre o curador, o artista, os donos dos museus (instituições, fundações, doadores) e as audiências. Nomeadamente a partir da década de 1980, os curadores passaram a preocupar-se com os orçamentos e a necessidade de organizarem exposições apropriadas a grandes massas. As áreas como cafetarias, restaurantes e lojas de venda de produtos relacionados com os museus ganharam peso. O museu adquiria uma posição de local de entretenimento e de informação, deixando para trás a ideia do museu como local de observação lenta e atenta da obra. As décadas seguintes reforçaram esta tendência, abrindo espaço às instalações e à fotografia, com criação de percursos que facilitassem a circulação dos visitantes, caso da pirâmide do Louvre que funciona como entrada mais fácil de acesso ao museu.

Contudo, as últimas palavras do livro de Schubert vão no sentido do museu como elitista, embora para toda a gente. A leitura atenta, a fruição, o conhecimento adquirido do visitante precisam de ter da parte do curador espaço para investigar e tornar acessível mas com produção intelectual profunda. E o autor explica a importância dos grandes museus institucionais, como locais de grandes repositórios de obras, e os museus mais pequenos, de colecções de época ou corrente ou artista, com lógicas diferentes de exposição (nas imagens seguintes, obra de Joana Vasconcelos, da exposição Sem Rede, na Fundação Berardo, de Março a Maio de 2010, e entrevista a António Cachola, em Abril de 2009, em visita ao MACE – Museu de Arte Moderna de Elvas).

Leitura: Karsten Schubert (2009). The curator’s egg. Londres, Manchester e Santa Monica, CA: Ridinghouse, 187 p., 21,45 €

DIRECÇÃO DO MUSEU DE ARTE POPULAR

A imprensa de hoje anuncia que Andreia Galvão será a nova directora do Museu de Arte Popular. Esta, que disse querer reabrir o museu até final de 2010, é arquitecta e docente universitária, com uma tese de doutoramento sobre Jorge Segurado, o arquitecto que em 1940 fez a adaptação do pavilhão integrado na Exposição do Mundo Português para museu. Inovação e criatividade são dois lemas da nova direcção.

Assim, parece-me que o Museu de Arte Popular está no bom caminho, após o desvario dos anos mais recentes.