Arquivo da categoria: Museus

CURSO DE MUSEOLOGIA NO PORTO


O Curso de Especialização em Museologia (equivalente ao 1º ano do ciclo de estudos em Museologia conducente ao grau de Mestre, segundo o processo de Bolonha / em fase de aprovação) vai arrancar na Faculdade de Letras da Universidade do Porto a partir de 15 de Setembro (Departamento de Ciências e Técnicas do Património – FLUP, Via Panorâmica, s/n Porto, com o email dctp@letras.up.pt.

Abrange áreas como: museu, colecções, conservação, exposições, serviços educativos, novas tecnologias, arquitectura, desenvolvimento, parcerias, criatividade e património (para ver melhor a imagem seguinte clicar no símbolo de SlideShare e voltar a clicar em ecrã cheio).

MUSEU DO ORIENTE


O piso 1 do Museu do Oriente integra objectos reunidos ao longo dos anos pela Fundação Oriente, tais como biombos chineses e japoneses dos séculos XVII e XVIII, arte namban (pintura, escultura, cerâmica, mobiliário, laca e outros, produzidos após a chegada dos portugueses ao Japão), porcelana brasonada da Companhia das Índias e peças de Timor.

Só por este piso, vale a pena visitar o museu. Mas igualmente o piso 2 atrai, com a exposição Deuses da Ásia, sobre as grandes mitologias e religiões populares de todo esse continente. Sem esquecer a exposição temporária Máscaras da Ásia.

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS


No próximo dia 18, celebra-se o Dia Internacional dos Museus, este ano sob o lema Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento.

Abaixo, as indicações do programa do Museu da Pólvora Negra, Fábrica da Pólvora de Barcarena, Oeiras, capa e contracapa do belo desdobrável dos museus de Cascais e promoção do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado (Lisboa).


Claro que a noite do dia 17 também pode ser dedicada a ver museus, com alguns deles a fecharem à meia-noite.

Destaco a oferta do Museu Condes de Castro Guimarães (Cascais) no dia 17 à tarde: os percursos do chá, com o significado mágico e sagrado da bebida no Oriente, a introdução do chá na Europa, a cerimónia do chá, a prova do chá (seis variedades).

Finalmente, destaco a publicidade nos mupis sobre o novo Museu do Oriente (Lisboa).

MUSEU DO ORIENTE


Na Primavera de 2008, o Museu do Oriente abre as suas portas na zona ribeirinha de Lisboa (edifício Pedro Álvares Cabral, mais conhecido como antigo armazém frigorífico de Alcântara).

Trata-se de um acervo duplo: 1) espólio que tem vindo a ser reunido pela Fundação Oriente desde 1988, 2) colecção Kwok On, incorporada em 1999. Só esta colecção, de arte popular asiática, possui mais de 13 mil peças e inclui trajes, marionetas, máscaras, pinturas, porcelanas, objectos rituais, lanternas, dragões, jogos e estátuas.

MNAA EM TRÊS MOMENTOS


1º – Dalila Rodrigues, historiadora de arte e directora do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) entre Novembro de 2004 e Agosto de 2007, escreveu um artigo de opinião no jornal Público de 1 de Setembro último. No artigo, destaco as posições quanto à necessidade de incluir as verbas de apoios mecenáticos no próprio museu e não transferi-las para a tutela, a importância da programação das exposições temporárias com devido tempo (dois anos de antecedência), o número de visitantes do MNAA (Dalila Rodrigues fala em “muito expressivo aumento de públicos” no MNAA).


2º – Paulo Henriques aparece em artigo de Maria José Oliveira, a partir de entrevista, no jornal Público, no dia 3 de Setembro último, quando assume o cargo de novo director do MNAA. Diz adoptar uma política de três erres: recuperar o prestígio do museu, reatar a investigação das colecções de artes plásticas e decorativas, revitalizar os serviços de educação e divulgação. Sobre mostras internacionais, o novo responsável quer as “já produzidas e com real qualidade científica ou produzidas por solicitação do MNAA”. O perfil do novo director do museu, a duas colunas, fala do seu olhar equilibrado.


3º – na edição de hoje do Público, a mesma jornalista da peça anterior, Maria José Oliveira, dá conta da tomada de posse do director pela ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima. As primeiras palavras da ministra foram para o “novo ciclo de vida” do MNAA, um “virar de página na orientação da programação”. Referiu-se à perda do segundo lugar do MNAA em termos de visitantes no ranking dos museus nacionais, pelo que a captação de novos públicos precisa de ser conduzida pelos serviços de educação do museu. A ministra questionou ainda as fórmulas publicitárias adoptadas no tempo da anterior direcção, sem contudo a mencionar explicitamente.


Não me interessa aqui criticar ou elogiar um ou outro dos três agentes envolvidos nas notícias (Dalila Rodrigues, Paulo Henriques, Isabel Pires de Lima), mas tão só referir duas ou três ideias. A primeira é a adequada forma jornalística dada ao assunto: uma página de opinião a Dalila Rodrigues na altura de saída do cargo, o perfil do novo director Paulo Henriques e o seu pensamento estratégico sobre o museu, as palavras da ministra na tomada de posse de Paulo Henriques. A segunda tem a ver com as mensagens que cada agente disse no momento próprio: Dalila Rodrigues defendeu as suas posições de três anos de directora do museu, os dois outros agentes falam de novas orientações.

Aqui é que eu temo mais: um novo dirigente, ainda por cima com o respaldo do ministério da tutela, aponta – polidamente, como tem de acontecer – graves falhas ao anterior dirigente. Para o leitor, que não acompanha diariamente o que se passa dentro de uma instituição, parece que o que foi feito anteriormente o foi de modo muito mal feito. Agora, vem um tempo de recuperação e de razão. Ora, a história das instituições não é feita somente deste corte de dirigentes mas de muitas outras variáveis.

Criticar a estratégia de um dirigente anterior, quando o currículo dele é muito bom, é errado. E se o próximo dirigente critica o actual? Sendo oficiais do mesmo ofício, fica deselegante e é incorrecto. A polémica apenas serve o poder político de serviço e mais ninguém.

A formação de públicos é algo que atravessa toda a sociedade e não apenas a vontade de um gestor. Qualquer museu continua a ser frequentado por escalões altos do ponto de vista social. Sem ser fatalidade, as classes C2 e D preferem o centro comercial e o cinema ou o estádio de futebol. Depois, vem o dinheiro: se houver cortes orçamentais, por muito bom que seja o dirigente, este não consegue atingir objectivos. Além disso, os museus têm técnicos e pessoal operacional nos museus. Dificuldades administrativas podem vir daqui, esbarrando com a vontade dos directores, pessoas nomeadas a prazo e que se vão embora ao fim desse tempo.

Um último ponto é a da relação com os media, afinal um ponto fulcral na promoção dos acontecimentos num museu. Embora se possa criticar, a publicitação de exposições de um museu tem o efeito da moda (podendo aproximar-se do sentido do espectáculo), o que leva as pessoas a ver o que se passa naquele sítio tão falado. Dalila Rodrigues, muito intrusiva na sua relação com os media e outros agentes sociais, coloca os museus que dirige na rota da moda; pode não construir públicos (cultivados e especializados no sentido do Observatório de Actividades Culturais) mas abre o leque de visitantes (públicos liminares e displicentes, segundo o mesmo observatório). A conquista de mais entradas nos museus passa praticamente quase por estes e não por aqueles.

REFLEXÕES SOBRE MUSEUS

Ontem, quando escrevi sobre a má qualidade do museu de Bach na cidade alemã de Leipzig – e a partir do meu protesto sobre uma exposição temporária no Museu Nacional do Traje (tema da mensagem anterior) -, pus-me a reflectir sobre a excelência dos museus.

Por vezes, temos um discurso miserabilista sobre a nossa realidade. As coisas de fora é que são boas, concluimos regularmente. Por exemplo, o Museu do Fado tem uma grande qualidade de apresentação dos materiais, quer técnica quer socialmente, com imagens, instrumentos e outros elementos. Além da reconstituição histórica dos ambientes e dos espaços. Devo dizer que, após uma crítica aqui feita em 18 de Junho de 2006, testemunhei o seu valor (ver mensagens em 31 de Julho de 2006 e 22 de Outubro de 2006), incluindo o próprio envolvimento externo ao museu, com visitantes organizados.

O Museu Nacional do Traje, apesar da minha crítica à exposição temporária, tem uma colecção importante no tocante a vestuário e moda, como o ilustra o catálogo A Moda do Século (1900-2000), cuja comissária foi a própria Madalena Brás Teixeira.

Neste catálogo, para além dos textos da comissária da exposição, destaco o de Miguel Fialho de Brito, chamado O Traje Masculino em Portugal 1900-1974, que escreve sobre influências e antecedentes da moda masculina na Europa, arte de vestir, lanifícios, alfaiataria (com um estudo de caso de um alfaiate da Baixa de Lisboa, António Feijão) e moda quase década a década.

O importante, quanto a mim, é a necessidade de se fazerem estudos comparativos entre museus, para apurar da relevância e do apuro das suas colecções. Mas deve haver atenção a falhas na organização de exposições temporárias, como o caso da referida em mensagens anteriores. Para memória do futuro, o que fica? Como nem um simples desdobrável se produziu, fica apenas para a estatística das realizações do museu – o que deveria ser o último elo na idealização de uma exposição ou mostra.

A EXPOSIÇÃO DE SAPATOS NÃO É UMA EXPOSIÇÃO (PARTE II)


No passado dia 16 de Agosto visitei uma exposição no Museu do Traje, intitulada Mostra do Sapato do Século XX. Não gostei, escrevi o meu protesto no livro de reclamações do Museu e publiquei aqui a minha opinião.

Prontamente, a directora do Museu Nacional do Traje, Madalena Braz Teixeira, respondeu-me. Escreveu:

“Lamento sinceramente que a expectativa de vir visitar uma grande exposição sobre a história do sapato não tenha correspondido à apresentação de 26 sapatos femininos e masculinos que cobrem a área cronológica de 1900 a 2007. Para colmatar o diminuto número de peças expostas existe um programa em powerpoint na Sala de Destaque com 140 imagens que ilustram a evolução do calçado desde o princípio do século XX até ao presente. […] A inexistência de legendas já está colmatada, visto que a responsável pela mostra se encontrava nesse momento a terminar os respectivos acetatos”.

Hoje, voltei à exposição. Os acetatos já estavam colocados, embora pouco possa acrescentar ao que escrevi anteriormente. Uma novidade: desde a semana passada, a visita ao Museu (se apenas se cingir ao Museu do Traje) é gratuita [imagens feitas com autorização].

A EXPOSIÇÃO DE SAPATOS NÃO É UMA EXPOSIÇÃO


Li nos jornais que o Museu Nacional do Traje e da Moda tinha uma exposição temporária sobre sapatos. Estando a preparar material de estudo sobre o assunto, dirigi-me lá, com a forte expectativa de obter informações valiosas.

A exposição resume-se a cinco vitrinas numa sala acanhada e sem ventilação (a manhã de hoje estava fresca mas no interior não se podia ficar muito tempo), entre a sala da recepção e a entrada para o corpo central do museu [imagem retirada do jornal Público de ontem]. Nem uma só etiqueta inventariando os escassos pares de sapatos, alguns em mau estado de conservação. Uma empregada veio ter comigo dizendo que só hoje colocariam etiquetas.

Procurei informação suplementar no sítio do museu. Da primeira vez, ainda abriu uma janela com links, mas não consegui abrir nenhum destes e, numa segunda tentativa, não voltei a entrar no sítio, com erro no servidor.

Uma exposição daquele tipo não tem valor científico – pela dimensão, pela ausência de informação junto às peças e por falta de catálogo ou desdobrável. Não posso deixar passar em silêncio a minha indignação pela grande displicência neste processo. A meu ver, mais valia não publicitar nos jornais. O museu é nacional e vem nos roteiros turísticos.

Preço de entrada no museu: €3.

SAÍDA DE DALILA RODRIGUES DO MNAA


Notícia de ontem publicada nos media de hoje: a não recondução da comissão de serviço de Dalila Rodrigues como directora do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Da minha óptica, ela fez um bom lugar no MNAA. Como o comprova a exposição inaugurada esta semana no museu. Estou de acordo com o que o director do Público escreveu em editorial: “É certo que não Dalila Rodrigues não se calou depois da nova lei sair, como não se tinha calado o antigo director do Teatro Nacional de São Carlos, Pinamonti”.

O que sucedeu a Pinamonti sucedeu a Dalila Rodrigues. Parece que mais vale não fazer nada, aceitar silenciosamente o que o poder superior impõe.

MUSEUS E SUA GESTÃO


Filipe Serra tem licenciatura em Direito e trabalha no ministério da Cultura (IPPAR). Docente na Universidade Católica em cadeiras ligadas à gestão cultural e de museus, o presente livro é resultado de tese de mestrado defendida nesta universidade.


A faceta de licenciado em direito mostra-se no texto saído agora para as livrarias, com a chancela da editora da Universidade Católica. O autor parte da concepção de museu segundo o ICOM (que inclui os museus no sentido convencional e os monumentos musealizados) e segue as adaptações feitas pelo Observatório de Actividades Culturais e pelo Instituto Português de Museus aquando da elaboração do inquérito aos museus (2000). O núcleo do livro são os conceitos de gestão dos recursos humanos e financeiros e o marketing aplicado aos museus.

Retiro da contracapa o seguinte trecho: “Confirmando-se que o Museu se tornou numa das instituições culturais mais populares, procuradas e exigentes, torna-se necessário olhar para a gestão dos recursos como um resposta de qualidade a perguntas essenciais: que metodologias, que critérios, que modelos, que instrumentos”.

NOITE EUROPEIA DOS MUSEUS

O Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea vai comemorar a noite europeia dos museus, no dia 19.
Assim, a exposição temporária Columbano Bordalo Pinheiro. 1874-1900 terá entrada gratuita das 10:00 de sábado até à 1:00 de domingo. Ao mesmo tempo, realiza-se uma maratona de visitas guiadas entre as 18:00 e a 1:00, com visitas de 30 minutos para grupos formados na recepção do museu, com um mínimo de 6 pessoas.

No jardim, há também festa das 18:00 até à 1:00.

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

Amanhã, dia internacional dos museus, o Museu da Presidência da República vai promover o percurso temático sobre o chá, entre as 10:00 e as 18:00, integrado na exposição 50 anos da visita da rainha Isabel II a Portugal.

Os visitantes, em especial os mais novos, farão o percurso temático no espaço do museu, “descobrindo as diversas peças relacionadas com o consumo do chá que fazem parte do seu acervo (como as chávenas comemorativas do bicentenário da Revolução Francesa, oferecidas em 1989 pelo Presidente Miterrand ao Presidente Mário Soares). Será também relembrada D. Catarina de Bragança, a monarca inglesa que divulgou o seu gosto pelo chá junto da aristocracia britânica, e que depois de enviuvar viria a residir no Palácio de Belém” (retirado do texto da entidade promotora, a quem pertence igualmente a imagem).

TINTORETTO


EXPOSIÇÃO DE TINTORETTO NO MUSEU DO PRADO (MADRID)

Trata-se, a meu ver, de um dos grandes acontecimentos culturais actuais na capital espanhola. Jacopo Tintoretto (1518 ou 1519/1594) disputou a liderança no panorama visual da Veneza do século XVI com Ticiano e Veronese. A exposição patente no consagrado Museu do Prado é a primeira mostra monográfica desde 1937 – há setenta anos já! – quando Tintoretto foi apresentado na sua Veneza (Palazzo Pesaro). Claro que há dificuldades em apresentar Tintoretto, pois muitos dos seus trabalhos residem em igrejas e palácios, onde foram produzidos para esse efeito (logo, inamovíveis). Algumas das suas mais belas obras são largas composições com temas religiosos e da mitologia grega, como se observa na exposição e no magnífico catálogo que acompanha a mostra.

No museu madrileno há 49 pinturas, divididas em quatro secções: 1) começos, até 1546; 2) anos decisivos, 1547-1555; 3) principal ciclo pictórico, 1556-1575; 4) anos finais, 1576-1594.

Tintoretto não foi um artista precoce. Além disso, as suas primeiras obras foram simultaneamente ambiciosas e imperfeitas. Outra crítica ao pintor veneziano foi a rapidez com que efectuava as obras, resultando que alguns dos que lhe encomendavam trabalhos recomendassem para ser mais lento. Uma crítica final seria que Tintoretto criou uma escola, com diversos trabalhos realizados pelos seus colaboradores, embora a ele atribuídos.

O salto qualitativo processa-se em 1545. E, mau grado, os comentários e as hostilidades – a principal residente em Ticiano, outro dos principais pintores da época -, o certo é que a obra vista no Prado é de um fascínio total. Não vista, por estar na Scuola Grande di San Rocco, em Veneza, a decoração feita por si (1564-1588) surge-nos como um esquema pictórico unificado num espaço público de grande dimensão, com cenas da vida de Cristo. Tintoretto é o pintor religioso mais prolífico na Veneza do século XVI, assinala Frederick Ilchman no catálogo da exposição de Madrid (p. 63). Em mais de 50 anos de trabalho, pintou para dezenas de igrejas e confrarias venezianas. Já visto na actual exposição, há cenas de batalhas e temas não religiosos (retratos, cenas da mitologia grega, alegorias).

Jacopo Comins, aliás Robusti, aliás Tintoretto, remete-nos para a palavra tintoretto. Explica Miguel Falomir no catálogo da exposição: tintoretto salienta a importância do desenho (disegno), entendido como instrumento de aprendizagem, experimentação e composição (p. 21). E escreve Robert Echols, no mesmo catálogo, que o ponto de focagem de Tintoretto é o funcionamento do corpo – em movimento, como energia. As figuras do pintor veneziano agem, alcançam, dobram-se, giram, raramente repousam (p. 28). A concepção da forma humana do pintor está determinada pela escultura, acrescenta o mesmo crítico. A cor adequa-se ao claro-escuro.

Exposição patente até 13 de Maio, aconselho a quem for visitá-la a comprar bilhetes online. Pode apanhar-se uma fila de duas horas de espera, como aconteceu ao blogueiro!

PINTURA E ESCULTURA MEDIEVAL DE VARSÓVIA

NO MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA (JANELAS VERDES)

O Brilho das Imagens. Pintura e Escultura do Museu Nacional de Varsóvia (séculos XII-XVI), patente no MNAA (Museu Nacional de Arte Antiga), de 1 de Março a 17 de Junho, será certamente mais uma exposição de grande interesse, procura e sucesso.


Da informação que acompanha a divulgação da exposição, destaco o seguinte:

  • Os retábulos de altar e as imagens devocionais (pinturas, esculturas e relevos) que esta exposição apresenta foram seleccionados da colecção de arte medieval do Museu Nacional de Varsóvia.

    A selecção de peças é bem demonstrativa da evolução das principais expressões criativas e das declinações formais da arte gótica num vasto espaço territorial centro-europeu, surpreendendo não só pela escala e magnificência visual de muitas das imagens, como também pela complexidade dos seus referentes plásticos face a modelos e centros polarizadores (Itália e Flandres) da arte ocidental europeia durante a Baixa Idade Média.

"CORREMOS O RISCO DE VER DESAPARECER OS RESULTADOS DO ESFORÇO, EM TERMOS DE PÚBLICO E PARCEIROS INTERNACIONAIS"


Quem o diz é Pedro Lapa, director do Museu do Chiado, que também destaca a “escandalosa ausência de autonomia destes museus”. Por seu lado, Luís Raposo, director do Museu Nacional de Arqueologia, diz que, se se gasta em exposições, não há dinheiro para fotocópias. O Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu Nacional de Soares dos Reis recebem 500 mil euros ao ano através do mecenato do banco Millennium BCP mas o Instituto Português de Museus (IPM) é que distribui verbas, podendo ou não premiar os museus activos e com mais visitantes.


Manuel Bairrão Oleiro, presidente do IPM, está de acordo com as queixas e com as soluções apresentadas pelos directores dos museus. Mas não tem poder para decidir mais rapidamente. Eu não gostaria de estar na pele dele.

Museu Lumière

O museu abriu em 2003, em Lyon (França), ocupando a casa onde os irmãos Lumière inventaram o cinematógrafo. Há mais de um século, em Março de 1895, os filhos de um fotógrafo conhecido em Lyon, eles próprios tornados fotógrafos, apresentavam um meio de comunicação diferente: o cinema.

A Chegada de um comboio a Ciotat, filmado por Louis Lumière em 1895, provocou uma grande emoção. Os espectadores, ao verem, na imagem, a locomotiva e o comboio vindos de Marselha aproximarem-se, fugiram. A ilusão da imagem estava criada. O filme dura cinquenta segundos. Já habituados a ver imagens fixas (fotografias), os espectadores admiravam-se com as folhas de árvores mexendo-se, a rapidez de movimentos, as pessoas deslocando-se. A saída das operárias de uma fábrica ou uma partida de cartas fizeram sucesso em França e em muitos países, sendo os irmãos Lumière uns verdadeiros embaixadores do cinema.


MUSEUS DE PRAGA (II)

Poderíamos dividir a análise ao Museu do comunismo em três parcelas: 1) localização do museu, a paredes meias com um casino e um restaurante McDonald’s (rua Prikope, nº 10, 1º andar, avenida larga e aberta apenas a peões, com grandes lojas de marcas ocidentais e junto à praça de S. Venceslau), 2) cartazes de apelo à resistência face ao capitalismo, naquilo a que se poderia chamar de fase de sonho, e 3) símbolos do poder, como esculturas e bustos, no que os construtores do museu apelidaram de pesadelo, após a falhada Primavera de Praga (1968), de reforma do regime a partir de dentro, e sua queda durante o movimento de abertura dos países do leste europeu às propostas políticas do Ocidente (1989).


No museu, há a reconstituição de espaços: 1) sala de interrogatórios (com telefone a tilintar, máquina de escrever, estante com ficheiros), 2) unidade fabril (produção de metalomecânica), 3) mercearia (consumo básico), 4) sala de aula (formação ideológica). Na última sala, ao lado de bustos retirados de edifícios depois da queda do poder comunista, visiona-se um vídeo dando conta dos acontecimentos que precederam esse momento de viragem, com repressão contra as manifestações de multidões numerosas na praça S. Venceslau por parte das forças armadas.

Os cartazes são o material mais importante para análise no blogue. Desses trabalhos gráficos, faz-se uma leitura denotativa directa: 1) luta contra os americanos, os inimigos principais do regime comunista, 2) ligação das forças armadas à sociedade civil, 3) temas relacionados com o bem-estar dos indivíduos numa perspectiva colectivista, como as férias e as organizações juvenis. As linhas estéticas simples dos cartazes tinham como objectivo a massificação de ideias e como públicos-alvo sectores da população menos endoutrinados. As imagens funcionavam como educadores, numa distinção maniqueista entre bons e maus.







Embora o museu possua uma organização antiga, sem marcação temática vincada e meios visuais de apresentar melhor os objectos expostos, o choque provocado pelas ideias (cartazes) e a realidade (caso dos bustos retirados de praças ou interior de edifícios) possibilita a compreensão do fechamento acrítico do regime e do seu espírito fortemente persecutório.

Na obra Power of images, images of power, resultado de exposição realizada em Praga, de Janeiro a Março de 2005, Václav Belohrasdsky entende, no texto que publicou, que o mundo dos cartazes era uma janela aberta do considerado maravilhoso mundo comunista, com os seus habitantes parecendo estátuas rígidas, logo não reais. Escreve Belohrasdsky: “as imagens e os slogans dificilmente podem ser vistos como uma forma de persuasão; são instrumentos de poder” (p. 21).