Arquivo da categoria: Música

4AD

Quantas vezes ouvi o álbum Treasures de Cocteau Twins? E o This Mortal Coil? Ambos de 1984 (o segundo já não sei dele), por vezes punha auscultadores nos ouvidos para não perturbar o silêncio da casa, por causa da menina que lá havia. Esse prazer, esse tesouro, desapareceu, a partir do momento em que troquei o velho mas funcional aparelho de gira-discos por um leitor de CDs.

Procurei e olhei e revirei o disco preto dos Cocteau Twins, hoje. E olhei e revirei a capa. Resta a memória física dos discos e dos seus envelopes de cartão forte, com capas inesquecíveis. Isto tudo a propósito do longo e festivo texto de Nuno Galopim no DN:Música, onde escreve sobre a editora 4AD. E agora pode-se fazer melhor a história: indie, punk, world music, arranque dos Bauhaus (e Peter Murphy), The The, enquanto outros experimentavam o grunge e se iniciava a técnica do sample.

treasure1.jpgtreasure2.jpg

Resta actualizar: a 4AD está de volta com todo o seu aparato. Pode ser vista aqui. Já a actualização do blogueiro é cada vez mais lenta e difícil. A escuta passa pela Radar e pela Oxigénio (estações de rádio), mas faltam-lhe ouvidos para se inteirar do hip hop na Cidade FM.

MÚSICAS AMPLIFICADAS

Philippe Teillet, em texto publicado recentemente, aborda o conceito de músicas amplificadas (ou electro-amplificadas), onde sublinha o lugar importante da electrificação e da amplificação na estética das correntes musicais no meio de autor de rock, músicas electrónicas e do rap, assim como na vida dos músicos que se inscrevem nos diferentes géneros (Teillet, 2004: 155).

A expressão músicas amplificadas possibilita a evocação do campo da produção musical considerado como o mais específico para a juventude, em vez do termo rock, que, após ter sido dominante, está a perder progressivamente o seu carácter federador. Numa altura do ano em que festivais como o do Sudoeste e o de Paredes de Coura e concertos como o dos U2 em Portugal garantem(iram) grande sucesso, vale a pena procurar encaixar esse conceito na prática musical e no seu consumo.

O mesmo Teillet trabalha com o conceito de músicas actuais, o qual designa um campo de intervenção pública englobando, para além das músicas amplificadas, a canção, o jazz e as músicas tradicionais.

Leitura: Philippe Teillet (2004). “Publics et politiques des musiques actuelles”. In Olivier Donnat e Paul Tolila (dir.) (2004). Le(s) public(s) de la culture. Paris: Presses de Sciences Po

PROMS E OUTROS ESPECTÁCULOS

Nunca assistira a um concerto dos Proms [Promenades] da BBC, em Londres. Vi/ouvi, de Hector Berlioz, o Romeu e Julieta, uma sinfonia dramática a partir da peça de Shakespeare, cantada em francês. A sala, o Royal Albert Hall, tem uma forma circular, no meio da qual existe uma arena, espaço em que o público assiste de pé (a primeira vez que me apercebi da localização de um espaço central sem cadeiras num teatro foi ao ver o filme Cyrano de Bergerac, onde a história mais importante não era a representada no palco mas entre a multidão que assistia, entrava e saía, por vezes a comer).

No sítio onde eu estava, na primeira plateia, numa razoavelmente confortável cadeira que girava e permitia centrar de modo mais adequado a minha visão, ouvia bem a peça musical e observava a assistência.

Não vou tecer comentários ao espectáculo em si, mas ao descontraído ambiente cultural. Há o hábito de beber antes do espectáculo, seja uma água, um refrigerante, cerveja ou mesmo champanhe. Ou comer uma refeição. Mas não notei o final caloroso dos espectadores portugueses. A peça (maestro, cantores, orquestra e coro) foi muito ovacionada, mas o público permaneceu sempre sentado.

O catálogo do programa – com muita publicidade a suportá-lo financeiramente – faz a transposição total do texto. Canta a mezzo-soprano: “Premiers transports que nul n’oublie!/ Premiers aveux, premiers serments/ De deux amants,/ Sous les étoilles d’Italie”.

Os outros dois espectáculos que assinalo a seguir são musicais, cantados na zona dos teatros do Soho (e Strand), quer um quer outro com uma longa carreira de representações e também passados recentemente ao cinema [aqui no blogue cheguei a comentar o Fantasma da Ópera].

Nestas salas de teatro (no teatro Adelphi, Chicago, de Fred Ebb, John Kander e Bob Fosse; no Her Majesty’s Theatre, The phantom of the Opera, de Andrew Lloyd Webber, que, há 30 anos, compunha Jesus Cristo Superstar), há também o hábito de beber e comer antes e no intervalo. Neste, os espectadores trazem gelados e bebidas para dentro da sala. Atrás de nós, havia mesmo raparigas que bebiam vinho, o que provocava um cheiro menos habitual na nossa cultura de teatro. Num e noutro espectáculos, os cantores usam microfones (muito pequenos, quase sempre junto ao cabelo), o que permite amplificar muito o som das suas vozes. Tal fica dentro daquilo a que Philippe Teillet (2004, Publics et politiques des musiques actuelles) chama de músicas amplificadas [trabalharei este conceito em mensagem posterior].

A representação de The phantom of the Opera tem também muito recurso a tecnologias, quer visuais quer sonoras, o que o torna um espectáculo muito emocionante, melhor que no cinema, pois a acção decorre num espaço delimitado e não há um corte no tempo e no espaço tão visível como no filme [na última imagem, Rachel Barrell, que desempenha o papel de Christine Daaé, a jovem cantora conduzida e aprisionada pelo fantasma].

Observação: a Antena 2 tem dado uma excelente cobertura a estes concertos. No final da temporada dos Proms (finais de Agosto, começo de Setembro), haverá mesmo uma equipa da estação a acompanhar, directamente do teatro londrino, a transmissão desses concertos, como o fez aliás da Festa da Música (quer em Nantes quer em Lisboa/CCB).

CARMEN MIRANDA CINQUENTA ANOS DEPOIS

Com apenas 46 anos, falecia Carmen Miranda, cantora que recorria à exuberância e ao colorido. Ela nascera em Portugal (Marco de Canaveses) em 1909, mas foi em bebé para o Brasil, país onde começou e teve uma brilhante carreira [imagens seguintes retiradas respectivamente dos sítios BrightLightsFilms e Carmen Miranda].

O mito de Miranda começou com a rádio, como recorda Carlos Galilea, do El Pais de 7 de Agosto último. O seu primeiro êxito foi Taí, que venderia 30 mil exemplares em 1930, um record para a época. O empresário norte-americano Lee Shubert contratou-a e em Maio de 1939 surge na Broadway (Nova Iorque), em Streets of Paris, espectáculo que permanecerá um ano em palco. Ela cantaria South e American Way e a sua fotografia apareceria em revistas como Life, Vogue e Esquire.

Para além de cantar e de actuar em palco, ela fez cinema. A primeira película, num total de catorze, foi Down Argentina way (Serenata tropical). Weekend in Havana e That night in Rio foram outros êxitos. Em 1946, era a artista mais bem paga dos Estados Unidos, sendo modelo para as drag queens, com a comunidade homossexual a adorá-la. A sua forma de vestir fez com que artistas como Mickey Rooney ou Jerry Lewis se travestissem de Miranda.

Turbantes, sapatos e fotografias de Miranda seriam levados para um pequeno museu sobre a artista no Rio de Janeiro, em 1976. O Brasil sempre se dividiu entre apoiar Miranda e criticá-la, pois ela era uma compatriota que triunfara nos Estados Unidos mas, ao mesmo tempo, representava um esterótipo do país. No próximo mês de Setembro, a Sony/BMG publicará a caixa Magia tropical de Carmen Miranda, enquanto se espera uma biografia de Ruy Castro.

RUA DE BAIXO – EDIÇÃO DE JUNHO DA NEWSLETTER ALTERNATIVA

Saíu já a edição de Junho da revista digital Rua de Baixo. Um dos temas fortes é a conversa com D-Mars, “um dos MCs com mais história no panorama nacional, que surge agora como Rocky Marsiano, onde alia o jazz com o hip-hop”, lê-se na entrada da publicação:

“Rocky Marsiano, nome que surgiu como alcunha e que acabou por pegar, é o alter-ego de D-Mars, o luso-croata vocalista dos Micro. Lançou recentemente The Pyramid Sessions, uma agradável fusão do hip hop com o jazz, que resulta em 14 faixas de um álbum que poderia ter uma só, pela facilidade com que se ouve de uma ponta à outra sem que disso se dê conta”. Entrevista conduzida por Hugo Pinheiro.

Na revista, e no meio de muita informação interessante, a notícia da vinda da banda Shivaree a Portugal, no Santiago Alquimista, no próximo dia 22, para apresentar o disco Who got trouble. O espectáculo integra-se em ciclo de concertos da rádio Radar.

SIMONE/MARLENE

Vi Simone de Oliveira a representar Marlene (Dietrich), no cinema Mundial (Lisboa), ao lado de Mafalda Drummond e Amélia Videira, com encenação e adaptação de Carlos Quintas.

É uma Marlene já cansada que a peça nos mostra, a recordar grandes êxitos do passado. Em que se entra pelo lado normalmente invisível: o da actriz/cantora no camarim, onde o carácter verdadeiro vem ao de cima. Por um lado, ela aparece volúvel ao jornalista que a entrevista; por outro, revela o autoritarismo para quem está abaixo, como a velha empregada.

Na história, julgo ver algum paralelo entre a representada e a representante, não a personagem violenta mas a mulher que olha para trás e revê o passado, de grandes glórias. Pode dizer-se que a peça se reparte em duas: uma primeira parte em que Simone de Oliveira faz bem o papel de Marlene; uma segunda parte em que a sua voz, agora mais grave, lembra quer as canções do mito do cinema americano (mais que alemão) e também o percurso da própria Simone.

Ainda me recordo de ver Simone de Oliveira a cantar Desfolhada, com música de Nuno Nazareth Fernandes e letra: Ary dos Santos. O poema era denso e polémico: “Corpo de linho/lábios de mosto/meu corpo lindo/meu fogo posto.//Eira de milho/luar de Agosto/quem faz um filho/fá-lo por gosto.//É milho-rei/milho vermelho/cravo de carne/bago de amor/filho de um rei/que sendo velho/volta a nascer/quando há calor.//Minha palavra dita à luz do sol nascente/meu madrigal de madrugada/amor amor amor amor amor presente/em cada espiga desfolhada.//Minha raiz de pinho verde/meu céu azul tocando a serra/oh minha água e minha sede/oh mar ao sul da minha terra.//É trigo loiro/é além tejo/o meu país/neste momento/o sol o queima/o vento o beija/seara louca em movimento.//Minha palavra dita à luz do sol nascente/meu madrigal de madrugada/amor amor amor amor amor presente/em cada espiga desfolhada.//Olhos de amêndoa/cisterna escura/onde se alpendra/a desventura.//Moira escondida/moira encantada/lenda perdida/lenda encontrada.//Oh minha terra/minha aventura/casca de noz/desamparada.//Oh minha terra/minha lonjura/por mim perdida/por mim achada.

Nessa altura, havia um só canal de televisão, a RTP. O Festival da Canção provocaria um grande impacto a nível nacional. Simone era uma estrela da nossa música, então chamada ligeira. Não lhe faltava uma adversária nem romances com homens da rádio e da televisão; só ainda não havia as revistas cor-de-rosa. Mas o tempo passou e Simone manteve-se. Recordo-me de um ainda muito recente programa na Antena 1 ao fim-de-semana, onde se passava música portuguesa. E lembro-me também da sua luta contra uma doença, e pela coragem em assumi-la.

AS BANDAS DE GARAGEM DE OEIRAS

No número deste mês da publicação cultural 30 dias em Oeiras, um dos temas é o das bandas que correm de bar em bar tocando ritmos distintos. As escolhas do mês recairam sobre os N’Gula e os Flushot, ambas com uma mulher no grupo. Se o concurso Sonda Música, no auditório Ruy de Carvalho, marcou a primeira banda de modo profundo, o primeiro concerto que os Flushot deram na escola da Quinta do Marquês foi um desastre.

Outros assuntos que me chamaram a atenção são: festa da poesia (13 a 22 de Maio) e entrevista à jornalista Ana Sousa Dias. Secções de exposições, cinema, teatro, livros, circo, cursos, desporto, feiras e museus preenchem quase toda a segunda metade da publicação cultural da câmara de Oeiras.

PÓS-PUNK

No Observer de hoje, escreve Kitty Empire sobre o novo livro de Simon Reynolds, Rip it again and start again: post-punk, 1978-1984 que, se o punk se tornou uma marca na cena inglesa, por boas ou por más razões, o certo é que os anos seguintes foram de ressaca.

Talvez ainda esteja na memória a música dos Joy Division, em torno da mitologia de Ian Curtis, que acabaria por se suicidar, ou mesmo dos Public Image Limited, cujo cantor, John Lydon, nunca ultrapassou a infâmia dos Sex Pistols. Reynolds faz a ponte para bandas mais recentes como Franz Ferdinand e Bloc Party, Interpol e Rapture.

Os intervenientes do pós-punk vinham de escolas de arte, influenciados por teorias literárias, pela arte e pela teoria crítica. Os poemas desvendam uma decadência da época industrial e os mecanismos de poder, lê-se no Observer.

Simon Reynolds, no seu livro, revisita as bandas que ouvia na juventude, e coloca o pós-punk num mundo de mercado mais amplo. Ele ocupa muitas páginas a fornecer dados sobre bandas agora quase esquecidas. Alguns materiais podem ser encontrados no seu blogue Blissblog, como uma discussão sobre o pós-punk no próximo dia 27, em Londres. Esta conta com a presença do próprio Simon Reynolds, bem como de Howard Devoto, Paul Morley, Gina Birch e Richard Boon, a que se segue um vídeo de 60 minutos sobre várias bandas: New Order, Fall, Cabaret Voltaire, Pop Group, Magazine, PIL e Orange Juice.

DEEYAH, A ESTRELA POP DE QUE SE FALA

Chamam-lhe a Madonna muçulmana. Tem 26 anos e apresenta-se como artista internacional ou global. Nasceu na Noruega, mas é meia paquistanesa e meia afegã, repartindo a sua vida entre o Reino Unido e os Estados Unidos [em bollywood.tv pode ouvir canções de Deeyah].

O ambiente familiar era musical. Quando ela tinha sete anos, o pai ouviu-a cantar uma música de um festival da canção da Eurovisão e comprou-lhe um instrumento musical para aprender a cantar. A partir daí a sua vida repartiu-se entre a escola e a música. A primeira gravação de Deeyah – ou melhor, Deepika Thathaal, o seu nome original – ocorreu quando tinha 13 anos; aos 17 estava a gravar o segundo álbum.

Ela deparou-se com um problema: a religião muçulmana contraria a sua actividade. Apesar de viver na Noruega, acusaram-na de se prostituir. A família sentiu-se obrigada a mudar cinco vezes o número de telefone. Por isso, a cantora resolveu ir viver para a Inglaterra. Aí, continua a respeitar a sua origem religiosa, combinando com a profissão musical. Muito embora mantenha uma segurança pessoal de dois homens para evitar qualquer tipo de aborrecimentos.

Fonte da informação: Sunday Times, de 6 de Fevereiro, em texto assinado por Amanda Craig

LEITURAS DE JORNAIS

1) Jogo

game.JPGPara os fãs do futebol, agora em versão jogo de computador, nada melhor que o desafio Inglaterra-Portugal, a repetir o grande encontro ocorrido no Euro 2004, arbitrado pelo italiano Pierluigi Collina. Nele, vê-se David Beckham dirigir-se confiante para a marca de grande penalidade. O preço indicado no Sunday Times de hoje é de £39,99 (aproximadamente €58,2). O jogo Pro Evolution Soccer 4, destinado a todas as idades, está classificado com quatro estrelas, num máximo de cinco.

2) Capas musicais

capa1.JPGcapa2.JPG

A da esquerda pertence ao suplemento “Culture” do Sunday Times de hoje e retrata a bailarina Darcey Bussel; a da direita é a capa do suplemento “Actual” do Expresso de ontem, com fotografia da cantora lírica americana Renée Fleming. Duas belíssimas e musicais capas!

3) Televisão e conteúdos

conteudos.JPGNo dia em que Zapatero atinge o meio ano de governação, o El Pais entrevista-o, ocupando cinco páginas.

Sobre televisão, conteúdos e programação das televisões privadas, responde Zapatero: “O Governo tem a firme determinação de que os horários de programação infantil têm que ser respeitados de modo escrupuloso nos seus conteúdos. Certamente é esta a principal queixa que o Governo recebe dos cidadãos. Dentro de 10 dias, a vice-presidente do Governo vai reunir-se com todas as televisões privadas para lhes pedir uma auto-regulação eficaz mas urgente. E se não [houver], desde logo, o Governo tomará medidas”.

Zapatero entende haver prioridade na batalha dos conteúdos televisivos nos horários destinados às crianças: “creio que os efeitos das coisas que se estão a passar são muito preocupantes para a formação das crianças e dos adolescentes. A nossa primeira petição é que as televisões sejam inflexíveis, porque senão será o Governo”.

4) Sem comentários

anuncio1.JPG

Anúncio publicado hoje no jornal Público.

5) Tecnológicas

No dia 16 de Novembro, a Vodafone espera anunciar um apetitoso aumento nos dividendos a dar aos seus accionistas. Diz Paul Durman, do Sunday Times, que tal mostra que se está perante uma companhia mais madura. As acções da Vodafone cresceram (mais ou menos) das 120 libras para as 135 libras, entre Julho e Outubro. Outro desafio espera Arun Sarin, o presidente executivo vindo da Índia: o lançamento da 3G ou “terceira geração” de celulares, fornecendo imagens, entretenimento e notícias numa rede de alta velocidade. O investimento rondou os milhões de libras. [a festa portuguesa da Vodafone é já a 18 de Outubro]

vodafone3.JPGvodafone4.JPG

O mesmo Paul Durman escreve sobre o iPod [aliás, também o Público de hoje dedica muito espaço à música download e ao iPod]. Diz o jornalista: “Os resultados do último trimestre mostraram que o iPod está a atingir um «ponto de charneira» que fará dele um produto genuíno do mercado de massas. E o Natal está mesmo à esquina”. O sucesso do iPod deu confiança à Apple para prever um volume de vendas, neste trimestre, da ordem dos 2,9 mil milões de dólares. Dito de outro jeito: em 18 meses, a Apple deixou de ser uma empresa de 6 mil milhões de dólares anuais para chegar aos 12 mil milhões de dólares. A juntar à caixinha de música digital, a Apple tem outra flor no seu bouquet: o elegante computador portátil Powerbook. O maior problema da Apple é – ou será – a procura.

DAS MINHAS LEITURAS DE HOJE

Provavelmente não assinado por esquecimento, o Sunday Times de hoje traz um perfil sobre o músico Bob Dylan, agora que saiu uma sua muito aguardada autobiografia exactamente esta semana.

Robert Allen Zimmerman nasceu em 24 de Maio de 1941, em Duluth, no estado do Minnesota, filho de um judeu, dono de um armazém de mobílias. Mais tarde, adoptou o seu nome artístico a partir do poeta Dylan Thomas. A origem das letras das canções de Dylan mantêm ainda uma certa aura de estranheza. Diz-se que A hard rain’s a-gonna fall se inspirou na crise dos mísseis de Cuba, enquanto Blowin’ in the wind se pode aplicar a qualquer tema sobre a liberdade.

Histórica é a sua aproximação a Joan Baez, em 1963. Baez, activista contra a guerra do Vietname, e Dylan eram vistos, pelos fãs, como namorados, mas rapidamente viram que eram pessoas totalmente diferentes. O afastamento foi natural. Também histórico é o seu gosto por automóveis e motas, com alguns acidentes enquanto jovem. Um deles, em 1966, levou-o ao afastamento do palco. Quando reapareceu, cantava com uma voz mais grave Lay Lady lay. Nessa altura, sentia-se satisfeito com a família (e cinco filhos).

No livro agora editado [lançamento previsto para 12 de Outubro], Dylan recusa a etiqueta de ter sido a “voz de uma geração”. Mas um escritor, Andy Gill, autor de Classic Bob Dylan, 1962-9, anotara que, “desde Hendrix aos Beatles, de Clapton e Cohen… virtualmente toda a música de rock foi inspirada ou influenciada, em certa medida, pela ambição criativa de Dylan”. Durante 40 anos, Dylan refugiou-se no mistério, conservando uma atitude de personagem messiânica constantemente em reinvenção e que enfurecia os seus fãs pois não tocava em palco as músicas gravadas. Reconhecido pelos movimentos dos direitos civis nos idos anos de 1960, visto como salvador pelos adolescentes de então, de Dylan também se escreveria ser órfão e ter viajado até Nova Iorque num comboio de mercadorias quando, na realidade, ele viera de carro com a família. A pergunta que se coloca é: até quando Dylan pode descontruir-se?

Em direcção ao lazer digital

É o título de uma entrevista dada por Kevin Frost, director-geral da Hewlett-Packard (HP) a Joseph M. Sarriegui, editada hoje no caderno de “Negócios” do El Pais. E o que diz o entrevistado? Aponta para a expansão, para além do negócio clássico da HP – computadores, impressoras e hardware –, do mercado do entretenimento digital. Assim, acompanhando a eclosão da fotografia digital, a HP desenvolve acções junto da cultura juvenil de massa, um segmento importante de consumidores. Mantém-se a associação com a MTV, com o patrocínio em Novembro da sua gala europeia em Roma, bem como a participação tecnológica na segunda parte do filme Shrek e da nova película de animação digital da Dreamworks, o Shark Tale. Agora, a multinacional apresenta o novo HP Media Center, onde confluem todas as tecnologias do entretenimento: cinema em casa, internet, fotografia digital e descarregamento de música.

Entretanto, não é por acaso que o mesmo caderno do jornal madrileno dedica mais duas páginas inteiras ao negócio das máquinas fotográficas digitais. Numa das páginas, apresenta-se o sector, nomeadamente em Espanha, onde já este ano se venderam mais de 2,1 milhões de máquinas digitais, mais 80% que em 2003. Nikon (14,7% do mercado), Canon (13,8%), Sony (13,2%), HP (9,2%), Olympus (7,9%), Kodak (5,8%) e Fujifilm (4,2%) são os grandes fabricantes envolvidos no negócio. Mas as máquinas digitais enfrentam um concorrente: os telemóveis com câmara fotográfica. Uma pergunta: com este boom do digital, o que fica para as máquinas analógicas? Não há uma resposta única, mas sabe-se que a empresa belga Agfa-Gevaert vendeu, há poucas semanas, a sua fábrica de película tradicional e o mercado da prata, empregue historicamente na emulsão das películas, está a ressentir-se, chegando a preços praticados até 1987.

Na outra página do El Pais, vem uma entrevista com Antonio Pérez, um espanhol que é o director de operações da Kodak encarregado de fazer a transição da empresa para a era digital. Curioso é saber o percurso de Pérez: ele trabalhou 25 anos na HP antes de entrar na Kodak o ano passado, ou seja, empregou-se para transformar a centenária empresa. Dividida em três sectores (consumo, impressão comercial e sanitário), é importante reter aqui algumas das linhas de actuação da Kodak, pela voz desse director: com as máquinas digitais, a Kodak é agora número dois nos Estados Unidos e número quatro a nível mundial. Diz ele: “Naturalmente, as margens das máquinas digitais não são altas, mas demonstramos que sabemos fazer desenhos digitais”. Conseguindo superar a ideia que a Kodak era apenas mundo analógico, os desafios são “a comercialização de produtos digitais e a cultura que necessitamos implantar dentro da empresa”. E Pérez conclui: “Aprendemos a trabalhar com outras empresas, como a IBM, Adobe, Microsoft, mas apenas nos dedicamos à parte da cadeia de valor em que somos os melhores”.

TEATRO E MÚSICA DO BRASIL EM PORTUGAL

Enquanto a praça de touros do Campo Pequeno, aqui ao pé de minha casa, não fica pronta, os taipais que cobrem a área enchem-se de informação de espectáculos de teatro e música. Curiosamente, há uma série de peças de teatro brasileiro que estão a decorrer ou se anunciam para breve. Assim, Thiago Lacerda e Maria Fernanda Cândido actuam no polémico Evangelho segundo Jesus Cristo, de José Saramago, no teatro S. Luiz, entre 14 de Setembro e 10 de Outubro, Cláudia Raia e Miguel Falabella em Batalha de arroz, no Tivoli, de 8 de Setembro a 2 de Outubro, e Regina Duarte em Coração de bazar, no Tivoli, de 13 a 24 de Outubro. São actrizes e actores são bem conhecidos do público lisboeta através das telenovelas vindas do outro lado do Atlântico.

fernanda.JPGclaudia.JPGregina.JPGney.JPG

Também os músicos que tocam em Lisboa (e também no Porto) têm um longo contacto com o público português, pelo que é natural a sua presença no nosso país. Em Lisboa, Ney Matogrosso actuará a 25 de Setembro no Coliseu e Egberto Gismonti e Olívia Byinton tocarão na Aula Magna a 28 de Setembro. Enquanto o Coliseu é uma sala grande, a Aula Magna (Reitoria da Universidade Clássica) é um espaço mais íntimo e acolhedor.

egberto.JPGNão sei aquilatar da qualidade dos espectáculos (nem sou crítico de teatro ou música), apenas posso constatar a quantidade. Por um lado, há um fluxo interessante daquele país do Atlântico ocidental para este cantinho da Europa. Por outro lado – e isto tem a ver com a ecologia dos sinais (designação inventada agora por mim, aparentada à semiótica) -, sinto que o espaço público é bombardeado por imensa informação rapidamente perecível, como são os outodoors e os mupies. Nós não temos capacidade de absorver a oferta que nos é dada em toda essa comunicação. Em terceiro lugar, é curioso constatar que alguns dos cartazes estão colocados em espaços pagos de publicidade, como os outdoors, de que é exemplo a peça em que entram Cláudia Raia e Miguel Falabella – para além de aparecerem em jornais e revistas -, mas outros estão situados em espaços ilegais de publicidade, caso desses taipais aqui perto de minha casa.

Noutra altura, inundavam a praça informações sobre touradas, com cavaleiros, forcados e touros da ganadaria de A ou de B… O mês de Setembro era um período de fortes emoções nesse sentido.

TCHAIKOWSKY – A PATÉTICA

Pergunta-se: porque haverá mais de 50 gravações da 6ª sinfonia de Pieter Tchaikowsky? Qual o encanto da Patética?

patetica.JPG

Após escrever, no Outono de 1892, uma sinfonia em mi bemol, que não concluiria mas parcialmente adaptada ao terceiro concerto para piano, Tchaikowsky, em carta ao seu sobrinho Vladimir Davydov, falava de uma nova sinfonia em projecto, a 6ª ou, como é mais conhecida, a Patética (nome sugerido mais tarde pelo irmão), a sua obra nº 74 em Si menor. Esta peça seria concluída e apresentada ao público em 1893, dirigida pelo próprio compositor em São Petersburgo a 16 de Outubro. A estreia não foi auspiciosa. Mas, três semanas depois, a segunda apresentação, sob a condução de Napravnik, foi um delírio.

Só que, entre as duas datas, Tchaikowsky morria. Uns dizem que foi suicídio, outros que foi a febre da cólera que o vitimou. Pensa-se, porém, que tudo foi despoletado por um grande escândalo, associado à sua homossexualidade. A Patética surge como um requiem, que começa e acaba em adágio, numa elegia à beleza e à paz profunda da morte corporal. A sinfonia acaba de um modo tão sereno que nem damos pela sua conclusão.

[imagem retirada da capa do disco editado pela Deutsche Gramophon, com a Wiener Philharmoniker regida por Herbert von Karajan. O texto, que seguiu a informação contida no desdobrável do disco, foi escrito ouvindo a peça do compositor russo]

Germina Reis de Almeida (1922-1999)

1930.jpgA minha homenagem e saudade, no dia do quinto aniversário do seu desaparecimento. Ela não conhecia Tchaikowsky, mas ficam apresentados, neste momento, um ao outro.

Na imagem aqui ao lado, está acompanhada pelo irmão (cerca de 1930). A fotografia terá sido tirada à la minute, embora com alguma preparação (há um pano atrás dos fotografados), presumivelmente em amador na rua de Camões, no Porto, onde a família morava. Saliento o chapéu dela e o boné dele, os sapatos de solas altas e as meias aprumadas de ambos, o vestido e o casaco à altura do vestido nela e o conjunto de calção, casaco e colete nele, sem esquecer a gravata e o lenço no bolso do casaco dele e o pequeno fio, talvez de ouro, com objecto pendente sobre a roupa dela. Os olhares fixos para a câmara são vagamente tristes, denotando um amadurecimento precoce nos dois irmãos: ele com 10 anos, ela com 8 anos.

Mas a fotografia pode também ter sido feita na rua do Paraíso, rua que faz esquina com a de Camões. Conforme diz Zilda Cardoso, em livro que escreveu, na rubrica chamada serviços ambulantes privados culturais: “Os fotógrafos eram frequentadores regulares da rua do Paraíso. Conservo algumas fotografias tiradas por esses homens talentosos e de certo modo mágicos. […] tanto quanto posso explicar o inexplicável: o mágico enfiava a cabeça num saco preto que prolongava uma caixa de madeira sobre um tripé. Sentávamo-nos numa cadeira em frente a uma certa distância, e ele mandava-nos olhar o passarinho depois de nos compor a cabeça, as mãos, o tronco. Quando estávamos na posição correcta que ele verificava através da lente da caixa negra, premia um botão na ponta de um fio grosso, um tubo, ligado à caixa de madeira e pronto, já estava: tal como nos antigos perfumadores de cristal! Então podíamo-nos levantar e observar as suas manobras”.

As “manobras” eram converter o negativo em positivo, o mergulhar e secar da película, e cortar as fotografias com uma tesoura, prontas para uso. O livro de Zilda Cardoso é uma pequena pérola na evocação de costumes e gostos antigos, ela que morava na rua do Paraíso e percepcionou o mundo a partir da sua janela, porta ou passeio da rua. Do mesmo modo que me deu imenso prazer ler este Verão o livro São Paulo de meus amores, de Afonso Schmidt, no Verão de há dois anos coube a vez a este pequeno livro. Afinal, uma cidade ou uma rua são mundos tão diversificados e comoventes, embora a escalas diferentes.

Leitura: Zilda Cardoso. A rua do Paraíso. Recordações de um lugar portuense (1935-1950). Porto: Campo das Letras

DUAS MULHERES, DOIS DESTINOS – OU COMO O PESO DOS MEDIA É FORTE

Um destes dias, estando a preparar um texto sobre audiências, reparei no percurso de duas artistas da música e da rádio (uma delas ainda mais conhecida no cinema). O motivo de as trazer aqui foram duas fotografias com elas junto a um microfone (uma delas é-me impossível reproduzir), significando ou a gravação de um disco ou a presença num espectáculo. Ambas tiveram uma enorme reputação nos Estados Unidos: Judy Garland e Kate Smith – provando a grande influência dos media no seu conhecimento. O que foram e o que representam hoje, eis a razão desta mensagem, que é uma modesta homenagem às duas.

Judy Garland

O feiticeiro de Oz será um dos filmes que mais vezes vi na televisão. Houve anos em que não havia Natal que a televisão pública não o passasse: primeiro vi-o a preto e branco, depois apareceu colorido. E a canção com a letra “Somewhere over the rainbow/way up high,/there’s a land that I heard of/once in a lullaby./Somewhere over the rainbow/skies are blue,/and the dreams that you dare to dream/really do come true” fica gravada na nossa memória, mesmo que gasta ou usada para outros objectivos. Actriz: Judy Garland [imagens retiradas do sítio Judy Garland Data Base, de Jim Johnson].

Nascida Frances Ethek Gumm, em 1922, no Minnesota, cedo conheceu as artes musicais e da representação, associada aos pais e às duas irmãs mais velhas, mais tarde as Gumm Sisters. De Los Angeles, para onde a família fora viver, a mais nova das irmãs Gumm era aquela a quem as audiências mais prezavam. Numa visita a Chicago, elas mudariam o nome para Garland Sisters. Em 1934, teriam um grande sucesso em Los Angeles. Após uma audição com o patrão da MGM, Louis B. Mayer, a mais nova das irmãs torna-se Judy Garland. Entrava para o difícil mundo do cinema. O seu primeiro êxito deu-se com o terceiro filme Broadway Melody (1938), em que cantou Dear Mr Gable. Depois, em 1939, foi o enorme sucesso O Feiticeiro de Oz, em que cantou Over the rainbow, a canção a que sempre apareceria ligada em toda a sua vida.

Judy Garland ainda estava em idade de crescimento físico. Como muitas adolescentes, ela tinha uma tendência para ganhar peso, problema que se arrastou pela vida, tomando remédios para manter uma certa linha adequada aos estereótipos do cinema. A ingestão de anfetaminas para perder o peso afectá-la-ia física e psiquicamente e influenciá-la-ia mesmo na sua vida sentimental, muito desequilibrada. Ela casou cinco vezes, tendo três filhos.

Em 1941, e contra a vontade da mãe e dos estúdios da MGM, casou com David Rose, de quem se separou quatro anos depois. A carreira no cinema continuava cheia de sucessos: For Me And My Gal (1942), Presenting Lily Mars, Thousands Cheer e Girl Crazy (todos em 1943), Meet Me In St. Louis (1944), The Harvey Girls, Ziegfeld Follies and Till The Clouds Roll By (todos em 1946). Em 1945, casaria com Vincente Minnelli, que a dirigiu em Meet Me In St Louis. No ano seguinte, nascia a filha Liza Minnelli. O final dos anos 1940 trouxeram novos êxitos como The Pirate, Easter Parade e Words And Music (todos em 1948) e In The Good Old Summertime (1949).

Começava um período pessoal difícil: medicamentos, álcool e distúrbios emocionais levaram-na a trabalhar menos e a acabar com o contrato com a MGM. Em 1951, separa-se de Minnelli, enquanto tenta suicidar-se. O casamento com Sid Luft trouxe alguma calma e brilho profissional. Fez uma viagem à Europa, aparecendo no Palladium de Londres. Depois, em Nova Iorque representaria no Palace Theater. A sua carreira resumir-se-ia nesse período a um papel em A Star Is Born (1954), para o qual fora nomeada para um óscar. Os problemas pessoais regressariam, tentando outra vez o suicídio. Um novo papel em Judgement At Nuremberg (1961), para o qual fora nomeada de novo para um óscar, melhorou a sua reputação. Mas o casamento estava em perigo. apesar de ela e Luft falarem em reconciliação, até porque tinham duas crianças, Lorna and Joey.

Em 1961, o sucesso voltaria a sorrir a Judy Garland, quando apareceu em Abril de 1961, no Carnegie Hall, de Nova Iorque. O concerto gravado render-lhe-ia cinco prémios Grammy. A partir daí a sua carreira resvalou. Em 22 de Junho de 1969, ingeriu um quantidade fatal de calmantes [informação trabalhada com base em Oldies.com]. A América e o mundo choraria esse desaparecimento precoce, ficando os seus filmes e discos.

Judy Garland trabalhou 45 dos seus 47 anos de vida. Fez 32 filmes, deu a voz a mais dois, foi estrela em 30 programas de televisão. Gravou cerca de uma centena de singles e 12 álbuns.

Kate Smith

Kathryn Elizabeth Smith nasceu em 1907, em Nova Iorque. Desde muito cedo despertou para a música e a dança. Seria descoberta por um produtor novaiorquino em 1926. Depois, em 1930, passou para a Columbia Records, sendo o vice-presidente Ted Collins seu companheiro e gestor, levando-a também para a rádio (1931), fazendo imediato sucesso.

1943 foi o ano de marca de Kate Smith, ao cantar God Bless America, de Irving Berlin. Ela começara a gravar discos logo em 1926. Dos seus principais sucessos, contam-se River, Stay ‘Way From My Door (1931), The Woodpecker Song (1940), The White Cliffs of Dover (1941), I Don’t Want to Walk Without You (1942), There Goes That Song Again (1944), Seems Like Old Times (1946), and Now Is the Hour (1947). Nos anos de 1950, ela gravou álbums.

Kate Smith teve o programa mais popular de entetenimento em rádio com o seu próprio nome, The Kate Smith Hour, que esteve no ar entre 1937 e 1945. Em 1950, Kate saltava para a televisão com um programa de entretenimento de segunda a sexta-feira, o Kate Smith Hour (1950-1954). A sua última série foi The Kate Smith Show, com a duração semanal de meia-hora nos anos 1960 na CBS. Morreria em Raleigh, NC, em Junho de 1986 [informação recolhida em katesmith.org].

De Kate Smith conta-se a seguinte façanha, após a entrada dos Estados Unidos na II Grande Guerra. Para obter financiamento para o esforço da guerra, os americanos – como tinham feito no conflito de 1914-1918 – criaram bónus de guerra, uma espécie de investimento. A 21 de Setembro de 1943, Kate Smith estaria 18 horas seguidas num programa de rádio da sua Columbia Broadcasting System, para persuadir o público a comprar os bónus de guerra. Conseguiu vender 39 milhões de dólares de bónus! A popular artista provava assim o grande efeito do meio rádio.

Conclusão

Para a posteridade, Over the rainbow e God bless America são as marcas principais de Judy Garland e Kate Smith, respectivamente, uma representando o sonho e a magia na infância, outra o estado adulto de uma Nação forte, que sabe fazer a sua redenção num momento de grande dificuldade [o God bless America voltou a ser cantado no 11 de Setembro de 2001]. Tendo os media como transmissores.

Por outro lado, quer Over the rainbow quer God bless America surgem no período antes e durante a II Guerra Mundial, num momento de grande expansão económica e cultural americana, em que cinema, rádio, discos e, depois, televisão eram as cartas da cultura mundial. Quando as teorias da comunicação falavam em efeitos moderados dos media (two step flow of information e líderes de opinião, ou a teoria dos efeitos limitados, de Paul Lazarsfeld e colegas). Mas Robert Merton, exactamente quando analisou a maratona de Kate Smith na rádio, começava a delinear aquilo que seria chamada a teoria dos usos e gratificações. A uma crescente hegemonia cultural (e política e económica) correspondia uma teoria interpessoal na comunicação, fraca porquanto desvalorizava o impacto dessa cultura de massa.

À nossa escala, talvez pudéssemos encontrar semelhanças com Beatriz Costa (música e cinema) e Maria Alice (rádio e música), mulher do produtor discográfico e comerciante Valentim de Carvalho. Mas estas estórias ficam para outra ocasião.

O-ZONE: O FENÓMENO MUSICAL DESTE VERÃO

No blogue Renas e veados, podemos encontrar informação sobre os O-zone e diversos comentários. Mas quem são os O-zone? E que fenómeno moderno tipificam?

Os O-zone, esclarece o blogue, são uma banda musical, vinda da Moldávia. Nele se escreve: “Há poucos minutos atrás, estava eu a teclar com o meu amigo Barba-Ruiva, que me contava entusiasmado que não ouvia outra coisa há dias, que só Dragostea din tei ecoava na sua cabeça, e era já o toque do seu telemóvel, pedi-lhe que me enviasse o mp3 da canção e todas as minhas certezas se confirmaram e amplificaram. Ouvir O-zone pela primeira vez é sentir que algo de absolutamente novo nos está a ser revelado, todas as nossas certezas, noções e gostos musicais sofrem um abalo. Esqueçam as t.A.T.u., esqueçam os Scissor Sisters, esta é uma nova dimensão musical. É o euro-gay-pimba elevado a patamares de perfeição nunca antes alcançados por género musical algum”. Para o mesmo bloguista, “Os rapazes vivem na Roménia, são moldavos e cantam em moldavo (que por acaso é o mesmo que o romeno)”.

Segundo um dos sítios da internet dedicados aos fãs, a história do grupo terá começado no ano de 1998, quando Dan Balan abandonou a sua banda de new metal e decidiu fazer uma coisa mais comercial, criando o primeiro grupo dance moldavo, exactamente o O-Zone. O seu primeiro grande êxito foi Numai tu, um dos dez temas editados no álbum Number 1 (2002), que chegou a duplo disco de ouro.

As necessidades da indústria discográfica…

Os O-zone, acrescento eu, fazem o hit do Verão mais tocado nas rádios, com passagem obrigatória nos canais musicais de televisão e de som dançável para as discotecas. Em cada Verão há um fenómeno assim. Quem não se lembra do “Asereje”, das Ketchup, num outro Verão recente? Toda a gente as cantava, elas vieram a Portugal dar um concerto que não terá corrido muito bem, até os telemóveis incluiram um toque com a musiquinha. Mas, como uma borboleta nocturna em torno de uma lâmpada, ela tanto dança que se cansa e morre. Nunca mais ninguém ouviu falar das Ketchup!

Nestes últimos anos, e não fiz um estudo aprofundado para confirmar ou não, tais fenómenos de sucesso episódico têm de possuir ritmo contagiante e origem em países mais ou menos exóticos à cena musical dominante da indústria discográfica. A renovação de estilos musicais – para tudo se manter igual – é uma linha preciosa para que a indústria tenha lucros (não pretendo aqui seguir a linha de Theodor Adorno, mas que dá vontade, dá). Nos O-zone, há uma nostalgia mal requintada pelos anos 1970. Não sei, até por não ser especialista musical, se isso tem a ver com mudanças de regime político e necessidade de queimar etapas (aqui, ao invés, seria reviver um dado tempo mas com outra postura cultural).

… ou a alegria do alargamento da União Europeia

Mas vale a pena seguir o que o Nouvel Obs.com (Nouvel Observateur) escreveu a 13 de Julho: “Enfim, uma notícia que alegra os partidários do alargamento da União Europeia! A música que fará dançar este Verão italianos, eslovenos, alemães e ingleses numa espécie de fervor comunitário partilhado e que não vem do império americano. Mas da… Moldávia, pequeno país situado entre a Roménia e a Ucrânia. […] A ofensiva vinda do Leste conquistou toda a Europa: «Dragostea din tei» (O amor sob as tílias) chegou rapidamente ao primeiro lugar em quase todos os países”. A banda espera chegar aos três milhões de cópias até final do Verão (para além de várias versões). Escreve o Nouvel Observateur que tal fenómeno de vendas jamais se viu desde Lambada, lá para os finais dos anos 1980. E ameaça tornar-se um hino transeuropeu, logo agora que tínhamos embadeirado em arco com a “nossa” Nelly Furtado e a música do Euro 2004.

À atenção das fãs: Dan Balan, líder incontestado da banda tem 25 anos e é solteiro e sem namorada!

Preços: 1) disco, aproximadamente: €12; 2) transferência do toque da música «Dragostea din tei» para o telemóvel: entre €1 e 1,5.

[agradeço a P. C. a colaboração na pesquisa de informação e crítica da mensagem]

PIXINGUINHA

Na telenovela Celebridade, que a SIC está a passar, falou-se de Pixinguinha. Mas quem é ele e porque surge?

1) A novela

Da novela Celebridade, de 2003, cuja autoria pertence a Gilberto (Tumscitz) Braga, retenho duas personagens. Uma, Maria Clara Diniz (Malu Mader), fica conhecida por uma música Musa de Verão, a que se segue o lançamento de uma marca de perfumes, de que ela é modelo exclusivo. Por isso, torna-se muito conhecida, graças a anúncios em outdoors, televisão e revistas. Na sequência, ela abraça a carreira de empresária, conhecendo o sucesso na área musical, nomeadamente na promoção de eventos. Outra é Laura Prudente da Costa (Cláudia Abreu), que vê em Clara o modelo a seguir. Laura passa a trabalhar com ela, mas vê-a já como rival. As duas são responsáveis pelo lançamento de uma colectânea musical de Pixinguinha. Há um troféu, Celebridade, que será atribuido a Laura, exactamente por esse trabalho. Mas a ideia pertencera a Clara.

[O trabalho de uma telenovela com mais de cento e cinquenta capítulos é um esforço colectivo. Assim, para além da autoria de Gilberto Braga, o argumento também foi escrito por Denise Bandeira, Leonor Bassères, Ricardo Linhares, Sérgio Marques, Maria Helena Nascimento e Márcia Prates, e as filmagens dirigidas por Denis Carvalho, Vinicius Coimbra, Amora Mautner e Marcos Schechtman. Alanis Morissete, Simply Red e Rita Lee contam-se entre as estrelas convidadas nesta novela].

2) O compositor

Alfredo da Rocha Vianna Jr. (1897-1973), mais conhecido por Pixinguinha, foi um grande compositor e flautista, bem como maestro e arranjador. O apelido Pizindim vinha da infância, dado pela avó africana, significando “menino bom”. Também se atribui o apelido bixiguinha por ter tido a doença. Rosa e Sofres porque queres são duas das mais famosas peças por ele compostas. Segue-se a letra de Rosa (de Otávio de Souza):

“Tu és, divina e graciosa/Estátua majestosa do amor/Por Deus esculturada/E formada com ardor/Da alma da mais linda flor/De mais ativo olor/Que na vida é preferida pelo beija-flor/Se Deus me fora tão clemente/Aqui nesse ambiente de luz/Formada numa tela deslumbrante e bela/Teu coração junto ao meu lanceado/Pregado e crucificado sobre a rósea cruz/Do arfante peito seu/Tu és a forma ideal/Estátua magistral oh alma perenal/Do meu primeiro amor, sublime amor/Tu és de Deus a soberana flor/Tu és de Deus a criação/Que em todo coração sepultas um amor/O riso, a fé, a dor/Em sândalos olentes cheios de sabor/Em vozes tão dolentes como um sonho em flor/És láctea estrela/És mãe da realeza/És tudo enfim que tem de belo/Em todo resplendor da santa natureza/Perdão, se ouso confessar-te/Eu hei de sempre amar-te/Oh flor meu peito não resiste/Oh meu Deus o quanto é triste/A incerteza de um amor/Que mais me faz penar em esperar/Em conduzir-te um dia/Ao pé do altar/Jurar, aos pés do onipotente/Em preces comoventes de dor/E receber a unção da tua gratidão/Depois de remir meus desejos/Em nuvens de beijos/Hei de envolver-te até meu padecer/De todo fenecer”.

Em 1922, Pixinguinha vai, com o seu grupo Os 8 batutas, efectuar uma tournée pela Europa. Ele toma conhecimento da moderna música europeia e do jazz americano, então na moda em Paris. Nesta cidade, a temporada, que deveria ser de um mês, dura seis meses! Em 1928, a Orquestra Típica Pixinguinha-Donga, que ele organizou com o compositor e sambista Donga, participou em várias gravações para a Parlophon. Liderou ainda os Diabos do Céu, a Guarda Velha e a Orquestra Columbia de Pixinguinha. Nos anos 30 e 40 gravou como flautista e saxofonista (em dueto com o flautista Benedito Lacerda) diversas peças que se tornaram a base do repertório de choro, para solista e acompanhamento (informação retirada do sítio CliqueMusic)  (na imagem, capa do disco Gente da antiga, com Pixinguinha, Clementina de Jesus e João da Bahiana, datado de 1970 e da editora Odeon).

DOWNLOADS LEGAIS NA MÚSICA

O texto publicado anteontem, dia 28, no Diário de Notícias, e assinado por Nuno Galopim, sobre downloads legais na música é uma peça importante para a compreensão do fenómeno musical dos nossos dias (peça que eu sigo nesta mensagem).

Escreve Nuno Galopim que a venda de downloads de música em 2003 fez com que aumentasse, nos Estados Unidos, o volume de negócios numa área que denunciava fraqueza nos anos recentes. O cenário do futuro do comércio da música passa essencialmente pelo acesso directo a plataformas e servidores on-line. Trata-se, claro, de uma estratégia destinada a estancar a pirataria digital, através da oferta de downloads legais a um preço acessível.

As multinacionais abriram até departamentos de new media, preparando e acompanhando os negócios de venda de música pela internet, para suportes como os ipods, telemóveis ou burning (gravação de ficheiros áudio em CD). E na Europa? O site iTunes espera a aprovação da convenção da “Directiva do direito de autor” e direitos relacionados com a sociedade da informação.

Das multinacionais, a Universal tem 70% do seu catálogo digitalizado e pronto a ceder conteúdos a parceiros (e-partners) ou revendedores (e-tailors). A editora prevê a venda de cada tema a 1,4 euros, baixando para 0,8 euros quando o tema tem seis meses (mid-price) e 0,6 euros quando o tema atinge um ano (budget). No caso do catálogo nacional, estão a ser digitalizadas as gravações no sentido das mais recentes para as mais antigas. Os Madredeus e Mariza estão neste lote. Mas só haverá novidades no final deste ano. A Sony Music e a Warner já têm os seus catálogos totalmente digitalizados, enquanto a BMG ainda não tem uma proposta concreta. A Zona Música vende discos on-line e está a preparar o catálogo para downloads, enquanto a Som Livre prepara a sua proposta e a Loop Recordings reconhece o atraso.

Mas isto não implica o fim do retalho tradicional. É o caso das lojas Valentim de Carvalho, que já mostrou o seu interesse em ter estações de burning (gravação de ficheiros áudio em CD) nos seus espaços de venda.

NOTAS SOBRE A MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS – PARTE II

O primeiro estudo de audiências em Portugal realizou-se em 1970-1971, por uma empresa chamada IPOP. Até então, não havia simplesmente qualquer informação sobre o comportamento das audiências face aos meios de comunicação. Depois, surgiria uma nova empresa, a Norma, responsável por outros estudos, no período de 1974 a 1980. Nesta altura, surge a Marktest (ver post de 24 de Abril), avançando com o estudo de meios BAREME (Base Regular de Meios), já com o dr. Luís Queirós à frente desta empresa.

Em 1990, funda-se a primeira central de meios, e que se distingue das até então designadas agências de publicidade de serviço completo. Estas tinham duas componentes: 1) criatividade (filmes, spots), 2) planificação dos meios (estratégias: onde colocar, quando, por que custo). A central de meios assume esta segunda componente. Com o aparecimento das televisões privadas (SIC, 1992; TVI, 1993), complexifica-se a necessidade de saber quem vê que programas, para melhor colocação dos anúncios. Até aí, havia apenas dois preços tabelados para a publicidade televisiva: antes e depois das 20 horas. Hoje, a segmentação pode chegar aos 50 preços, atendendo ao horário. Se considerarmos a existência de 200 programas de televisão, cada um com o seu preço, atendendo ao volume da audiência e a sua segmentação por públicos-alvo, depressa se compreende a complexidade e a necessidade de montar um sistema eficaz, para responder aos interesses diferentes dos anunciantes e dos canais de televisão. Ganha corpo o estudo da Audimetria, diferente do BAREME, pois este assenta em entrevistas a pessoas e aquela tem por base uma amostra de lares e um equipamento electrónico (o audímetro).

Dada a sua importância e o controlo, para garantir rigor nas medições, fundou-se em 1993 a CAEM (Comissão de Análise de Estudos de Meios), uma associação que avançou com dois sócios fortes, a APAN (Associação Portuguesa de Anunciantes) e a APAP (Associação Portuguesa de Agências de Publicidade e Comunicação). Esta última envolve centrais de meios e agências criativas. Para a CAEM entrou um terceiro grupo de sócios, os canais de televisão, interessados na audimetria (RTP, SIC, TVI e TV Cabo), a imprensa (representada pela AIND, actualmente Associação Portuguesa de Imprensa) e a rádio, através da APR (Associação Portuguesa de Rádio). A nível individual, e mais recentemente, entraram a Rádio Renascença, a RDP (agora associada à televisão pública, pois estão integradas numa só empresa) e os operadores de outdoors (J C Decaux, Cemusa).

A actividade propriamente dita da CAEM começaria em 1998, como entidade reguladora dos estudos de audiência, ou seja, o trabalho desenvolvido pela Marktest passou a ser acompanhado. Em 2000, foi iniciada uma auditoria pelo consultor Ernst & Young, que apresentou o relatório, em 2001, confirmando o bom funcionamento da audimetria desenvolvido pela Marktest. Comprovou-se a existência dos audímetros e da sua fiabilidade, e elaborou-se um manual de procedimentos (amostra, universo), a cumprir escrupulosamente pela empresa Marktest. Esta empresa, ou grupo de empresas, detém a análise de audiências em regime de exclusividade no país, embora entre 1998 e 1999 houvesse outra empresa também a medir audiências (a resolução, após alguma conflitualidade, foi abrir concurso e atribuir o trabalho à empresa que o está a fazer neste momento).

Refira-se que a atenção concedida à audimetria é feita dado que 66% do investimento publicitário passa pela televisão, valor que baixa para a casa dos 20% na imprensa e 10% na rádio. Frise-se que está em discussão o estudo de audiência nos outdoors. O ano passado, com as audiências televisivas a baixarem, houve pressão pelos canais para alterações no manual de procedimentos que classifica a medição de audiências, mas prevaleceu o bom senso pois mudar implica ajustes muito pequenos mas que podem alterar o equilíbrio existente previamente. Finalmente, está em fase de teste um novo tipo de análise da audiência que, a ser aprovado, será implementado apenas depois de 2006, o PPM (Personal People Meter), espécie de pager, e que alterará a filosofia de medição. Deixará de ser um painel de lares para passar a uma amostra aleatória de, possivelmente, mil a duas mil pessoas (como ocorre com o BAREME).

[A partir de uma aula do dr. José de Freitas, director executivo da CAEM]

José de Freitas por ele próprio

“A CAEM preocupa-se e analisa todos os estudos de meios disponíveis no mercado. Referimo-nos à audimetria e aos estudos de imprensa, rádio e Internet e, num futuro próximo, muito provavelmente, à publicidade exterior. Esta análise incide sobre a concepção dos estudos, construção das amostras representativas dos universos, procedimentos a ter em conta e métodos utilizados na recolha da informação, de modo que os resultados finais disponibilizados sejam a melhor informação possível das audiências dos vários meios.

“Estas discussões e decisões sobre processos técnicos, estatísticos e metodológicos assentam em opiniões, normalmente consensuais, para que a informação final seja fiável, fidedigna e aceite por todos os utilizadores dos estudos.

“[…] Deste modo, julgo que é indispensável que exista a CAEM, órgão regulador – esta expressão neste contexto pode ter uma interpretação desadequada, mas vou mantê-la – das exigências a colocar às empresas fornecedoras desta informação, garantindo que temos audiências «bem medidas»” [José de Freitas, 2003, “Expectativas da CAEM em sede da futura regulação sectorial dos media em Portugal”, Observatório, nº 8, Dezembro) [comunicação à conferência internacional “Reflexões sobre a regulação do sector da comunicação em Portugal”, em 10 de Dezembro de 2003, realizado pelo Obercom e pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, em Lisboa, nesta escola].

[mensagem acrescentada às 14:02]

STING E BROKEN MUSIC

O cantor Sting editou agora um livro de memórias, intitulado Broken music, da Simon & Schuster, com 342 páginas [sigo a notícia publicada no El Pais de anteontem, e assinada por Amelia Castilla].

O livro começaria a ser escrito numa noite de inverno de 1987, no Rio de Janeiro. Sting, activista dos direitos das minorias, encontrava-se no Brasil, onde foi assistir a uma cerimónia religiosa em plena selva e provar uma medicina tradicionais que provoca visões alucinantes. No livro, Godon Matthew Summer, ou melhor Sting, conta a sua infância, desde o ajudar o pai a distribuir leite ao domícilio, às desavenças entre o pai e a mãe e ao seu refúgio na música. Aprendeu a tocar piano em casa dos avós mas decidiu-se tocar baixo. Para além da infância, o livro narra a adolescência e o seu êxito com os Police.

Sting começou a gostar de música ouvindo Jimi Hendrix (ao vivo, em Newcastle) e Bob Dylan, de quem memorizou as letras. Também aprendeu a ouvir e tocar jazz. Foi aliás compositor e cantor nessa área, enquanto conciliava aulas de música que dava num colégio de freiras. Depois, deslocou-se para Londres, onde debutava o punk. Num concerto, conheceu Steward Copland, com quem concretizou a banda Police.

O livro Broken Music conclui-se com a narrativa do desaparecimento da banda. Problemas de direitos de autor e os elevados egos dos dois músicos ditaram o fim dos Police. Aliás, este final coincidiu com o divórcio de Sting e da mãe do seu primeiro filho. Hoje, Sting tem 52 anos e quatro filhos.

SOBRE OS FÃS

Já escrevi há alguns dias sobre os fãs, a propósito dos concertos Rock in Rio (mas também o poderia ter feito acerca do Super Rock, Super Bock). E retomo – embora não de modo directo – devido à notícia saída no Público de sábado sobre o primeiro espectáculo programado por Madonna para um domingo na Irlanda, o que provocou críticas por parte dos católicos daquele país. Estes, através do pároco de Slane, onde irá decorrer o concerto, para além de considerarem o domingo como dia de descanso para os católicos e inadequado para espectáculos, centraram-se no conteúdo provocador “do ponto de vista sexual” das propostas musicais da cantora. A notícia recorda ainda que, da última vez que o castelo de Slane foi palco de um concerto ao domingo, em 1984, com Bob Dylan, a actividade acabou com fortes tumultos [acrescenta o Diário de Notícias de hoje que devido a excessos de consumo de álcool].

Fico-me com as palavras-chave fãs e tumultos e associo um texto que ando a ler, de Barbara Ehrenreich, Elizabeth Hess e Gloria Jacobs, intitulado Beatlemania: girls just want to have fun, publicado num livro colectivo em 1992 e recuperado, em 2003, na antologia editada por Will Brooker e Deborah Jermyn, The audiences studies reader. Como aparece agora em versão resumida, torna-se mais fácil trabalhá-lo. Eis o que me proponho fazer.

Barbara Ehrenreich e colegas escreveram sobre o fenómeno dos Beatles, os Fab Four, nos idos anos de 1963 e 1964. A música pop e rock fazia furor, nomeadamente junto das adolescentes, como hoje também se pode constatar nos concertos das actuais bandas (e algumas das mais famosas estarão nesses concertos do Rock in Rio e Super Bock Super Rock). Então, há quarenta anos, as rapariguinhas gritavam pelos seus ídolos musicais, provocando desacatos como se fossem greves, manifestações antigovernamentais ou um movimento social organizado e com objectivos claros. Mas faziam-no tão somente para se aproximarem dos músicos.

Tudo começou com uma reportagem sobre um concerto que os Beatles deram no Palladium londrino em 13 de Outubro de 1963 (p. 181). O movimento não teria envolvido mais de oito raparigas, mas a notícia actuou como uma chamada para a violência. Onze dias depois, um grupo de raparigas muito excitadas acorreram a saudar os Beatles à chegada do aeroporto de Heathrow. No começo de Novembro desse ano, houve uma luta entre a polícia e as fãs que procuravam comprar bilhetes para um espectáculo com a mesma banda. Foram hospitalizadas nove pessoas após a multidão ter entrado pelas janelas do escritório onde se vendiam os preciosos papéis. Mais tarde, quando os Beatles chegaram aos Estados Unidos para uma tournée, rebentaram as críticas: aproximarem-se dos Beatles era como obter uma licença para um grande tumulto. Os Estados Unidos estavam ainda sob o efeito do assassinato do presidente Kennedy. No aeroporto de Nova Iorque, havia uma multidão de quatro mil raparigas (houve quem estimasse serem 10 mil). E centenas de adolescentes esperavam os quatro músicos junto ao hotel Plaza, onde ficariam hospedados. Em 4 de Fevereiro de 1964, os Beatles foram ao programa televisivo “Ed Sullivan Show”: nessa noite, 73 milhões de americanos acompanharam a emissão, num recorde de audiência, enquanto que os registos de roubos ficaram em branco. Curiosamente, as almofadas pretensamente usadas no sono dos músicos foram cortadas em 160 mil bocados e vendidas a um dólar cada!

Estávamos no domínio da histeria centrada nas estrelas da música. Ver os ídolos na televisão era uma coisa, mas vê-los de perto – e, de preferência, tocá-los – era outra coisa. Para os adultos, isso tratava-se de uma epidemia. Os Beatles transportavam germes de contaminação, e todas as rapariguinhas estavam dentro do grupo de risco ao contágio. Nessa experimentação de contacto, uma adolescente, mesmo a mais pacífica, transfigurava-se, assaltando e destruindo propriedades, escrevia-se. Mas alguns “sábios” da televisão – que também aparecem nestes momentos – descansavam as populações, dizendo que as rapariguinhas haveriam de crescer e tornar-se mulheres responsáveis. É que, dizia-se numa argumentação válida, os Beatles eram rapazes muito “sexy” e as adolescentes não podiam ficar indiferentes ao momento (p. 184).

Se, anteriormente, Frank Sinatra e Elvis Presley arrastaram multidões de fãs, o êxito dos Beatles acentuava a tendência e conduzia a mudanças culturais expressivas. Passavam a idolatrar-se músicos e estrelas, mesmo quando desapareciam inesperadamente como o caso de Jim Morrison, da banda Doors. Ou mais tarde, com Kurt Cobain, dos Nirvana, desaparecido há dez anos, mas ainda mais famoso e mítico do que quando vivo.

AINDA A VALENTIM DE CARVALHO – REFAZER OS FIOS À MEADA

Dois dos posts que coloquei neste weblog diziam respeito à Valentim de Carvalho e à Editorial Notícias. Hoje, uma notícia do Expresso, assinada por Pedro Lima, no renovado caderno de Economia & Internacional, junta as duas marcas.

A Valentim de Carvalho encontra-se numa fase de diversificação e de recentramento do seu negócio. É um conjunto de lojas que vende discos, mas também filmes de DVD, jogos de consola e livros, além de espaços de restauração associados às lojas. Responsável por esta alteração foi a JRP, empresa que comprou 60% da Valentim de Carvalho Lojas.

O último parágrafo da notícia é esclarecedor quanto ao âmbito de trabalho da JRP. Trata-se de um grupo com interesses na área do cinema, distribuição de filmes e vídeo, centros de diversão, áreas industrial e imobiliário e edição e distribuição de livros. É que a JRP, ainda segundo a notícia, comprou a Editorial Notícias e a Oficina do Livro, que pertenciam à Lusomundo. A JRP adquiriu também as sete lojas da Editorial Notícias.

Perguntas: será que a linha editorial se vai manter? A marca desaparece? Há o assumir nítido no cruzamento de interesses estéticos e financeiros das distintas actividades do audiovisual e do livro? Será uma alternativa à FNAC ou é uma proposta concorrente, admitindo o sucesso da fórmula [a qual esvaziou o conceito de negócio da Valentim de Carvalho no Chiado]?

Suplementar a esta notícia é o facto da revitalização da área do Saldanha, em Lisboa, como área de lazer, entretenimento e cultura. Após o desaparecimento do mítico teatro Monumental, toda a zona, num dos lados das avenidas novas, passou por uma crise de identidade. Agora, e após o lançamento e consolidação das salas de cinema existentes em dois dos centros comerciais da Praça do Saldanha, surgiu uma livraria Almedina – um espaço que considero muito elegante, esperando que possa surgir alguma animação cultural, embora sem uma área própria para tal. Perto, num centro comercial menos moderno, uma companhia de teatro tem feito um trabalho notável, com uma tendência para aquilo a que poderíamos chamar teatro de revista. A nova loja da Valentim de Carvalho, também na zona, vai certamente “puxar” para cima as indústrias culturais.

VALENTIM DE CARVALHO – UM HOMEM DA INDÚSTRIA DISCOGRÁFICA A RECORDAR

Valentim de Carvalho nasceu na freguesia de Santa Isabel, em Lisboa, a 14 de Fevereiro de 1888, dia de São Valentim [daí o seu primeiro nome]. Os pais eram de Maxial, junto a Torres Vedras. A primeira casa de Valentim de Carvalho foi em Campo de Ourique, onde o pai tinha uma casa de pasto (restaurante), na esquina da rua Ferreira Borges com a rua Correia Teles. A família vivia no primeiro andar, sobre o armazém. A mãe queria que o jovem estudasse, mas, muito doente, não conseguiu impor a sua visão. Desde cedo, Valentim de Carvalho dedicar-se-ia à actividade comercial, primeiro como colaborador e, mais tarde, como empresário.

Assim, desde 1914, ocupava a rua da Assunção, 39, onde vendia nomeadamente capas e letras de músicas (de revistas). Depois, em 1923, ocupa também o até então chamado salão Neuparth [cujo nome mantém], à rua Nova do Almada, 95 a 99, no Chiado. O estabelecimento fora fundado por Eduardo Neuparth em 1824, ligado à música. Valentim vendia gramofones, discos, pianos e músicas. Ainda em 1923 edita o conjunto da obra de António Fragoso, considerado então a principal figura da música portuguesa. Desenvolvia-se o salão Neuparth, com publicidade feita com desenho de Stuart Carvalhais, em estilo jazzband, e na altura em que o cancan e o charleston se ouviam nos discos.

Valentim de Carvalho casaria com Maria Alice Marques, colega do conservatório da sua irmã Etelvina. Maria Alice foi fadista e uma das primeiras meninas da rádio e do disco. Para além das músicas da mulher, o catálogo discográfico da casa Valentim de Carvalho confunde-se com a edição de discos no nosso país. No fado como noutros tipos de música. Ainda hoje – embora já não ocupe a mítica loja do Chiado, que ardeu com o incêndio de 1988, e de a marca pertencer a outros proprietários – o nome Valentim de Carvalho é respeitado.

Existe já um livro sobre Valentim de Carvalho – e que me serviu para editar esta nota -, escrito por José Sarmento de Matos (Sons de Lisboa. Uma biografia de Valentim de Carvalho, 1989. Lisboa: Pub. D. Quixote/Valentim de Carvalho), muito desigual no conteúdo mas deveras interessante quanto a reproduções de capas de discos. Por isso, considero que ainda há muito a fazer para o verdadeiro balanço – estético, cultural, industrial e económico – da obra do empresário.