Arquivo da categoria: Rádio

JOSÉ NUNO MARTINS

Como ando com as leituras dos jornais em atraso, só agora li o texto de Adelino Gomes, editado na Pública de ontem, sobre José Nuno Martins. Eu, que fui um ouvinte atento de programas dele, em especial Os cantores do rádio, não posso deixar de anotar e saudar aqui no blogue o texto do jornalista sobre o realizador de programas de rádio.

Recordo com muita alegria a música que servia de introdução a Os cantores do rádio, de Chico Buarque da Holanda. Em português de Portugal, os cantores cantam na rádio, o meio de comunicação, servindo o artigo masculino para designar o aparelho de recepção [ou telefonia, como é vulgar dizer-se em Lisboa], ao passo que, no português do Brasil, o masculino designa também o meio. Já não tenho a certeza, mas o programa era emitido à hora de almoço de um dos dias do fim-de-semana. Chico Buarque, Toquinho, Maria Betânia, Gilberto Gil e Gal Costa emparelhavam com outros músicos mais populares e regionais. Havia sempre uma grande animação naquele programa, além de música constantemente renovada, bem apresentada e enquadrada.

José Nuno Martins também passou por outro programa de culto (pelo menos para mim), o Em Órbita, entre os anos 1960 e 1970. Mas não me lembro tão bem dele como o Cândido Mota ou o Júlio Isidro. E ainda João David Nunes, por exemplo, de quem José Nuno Martins era amigo desde o liceu, leio agora no texto da Pública. Ora, o radialista regressou este Verão à rádio, à Antena 1. Chorou, escreve Adelino Gomes, depois de década e meio a fazer outros trabalhos, nomeadamente no vídeo. E vai começar um programa de música brasileira na nova grelha da estação pública. É o regresso da magia radiofónica.

EPISÓDIOS CONTADOS POR EDUARDO STREET

Enquanto iniciava a preparação das aulas desta semana, prestei toda a atenção ao pequeno programa (Episódios contados, pequeno em dimensão, claro) dentro do grande programa Jardim da música, de Judite de Lima, na Antena 2, que escuto sempre que posso.

Foi há minutos atrás que ouvi Eduardo Street e tomei umas pequenas notas. Fiquei a saber que Eduardo Street prepara para Outubro um programa nas manhãs de domingo, uma memória semanal da Antena 2. O segundo canal da RDP começou a emitir em 1944; comemorar-se-ão pois 60 anos em breve. Ao longo dos anos, o canal teve vários nomes: Programa 2, Lisboa 2, RDP 2, Antena 2. Por volta de 1954-1955, emitia cinco horas diárias, depois do horário da Rádio Universidade.

Eduardo Street recordou alguns dos nomes dos locutores, que não tive tempo para apontar todos. Por isso, prefiro não escrever os poucos que consegui fixar. Mas registei o quanto importante era a escolha dos locutores, selecta, podemos dizer. Apesar de haver estórias curiosas que ilustram pela negativa essa escolha. Um dia, faltando o locutor, foi arranjado um à pressa. Então, durante a transmissão de uma peça, o locutor aumentaria e baixaria o som, enunciando o nome do compositor, do maestro, dos músicos!

Boa sorte ao programa de Eduardo Street, por um fã da rádio.

ANUÁRIO DO OBERCOM

Na sua newsletter de 27 de Agosto, o Obercom fez editar breves análises dos sectores dos media, telecomunicações e sociedade da informação, e chama a atenção para dados de 2003 e de outros sectores da comunicação, pelo que se recomenda a sua visita.

Retiro apenas alguns dados pertencentes à rádio. Assim, o Obercom destaca, para 2003, o protocolo de prestação de serviços assinado entre a Associação Portuguesa de Radiodifusão (APR) e a LUSA, que resulta um novo serviço, LUSA Rádio, disponibilizando um serviço diário com som e texto para rádio. O Obercom salienta também a reestruturação do sector empresarial do Estado na área do audiovisual, com a incorporação das estações de rádio e televisão públicas na nova RTP – Rádio e Televisão de Portugal, SGPS, S A. Já em 2004, foi apresentada uma proposta de revisão da Lei da rádio (a retomar em Setembro no parlamento).

Relativamente à publicidade institucional estatal, em 2003 a rádio acolheu 38,2% (70.728 €) do total da mesma (aproximadamente 185.000 €), cabendo às estações nacionais 11,4% e às estações locais 26,8%. Quanto ao share, e seguindo ainda a mesma newsletter, as cinco maiores estações nacionais são a RFM (24,9%), a Rádio Renascença (18,2%), a Rádio Comercial (8,2%), a TSF/Rádio Press (5,6%) e a Antena 1 (4,7%).

RADAR FM

Após ter colocado uma mensagem no último sábado, onde mencionei a Radar FM, um amigo chamou-me a atenção para algumas ambiguidades no projecto desta estação de rádio.

Apesar de diferente de outras estações, é possível estabelecermos comparações com um outro projecto, infelizmente já desaparecido, a XFM. Enquanto nesta, havia programas de autor, na Radar eles não são muito assumidos. O mais conhecido espaço é o de Sofia Morais, voz a que já nos habituáramos desde o tempo da rádio para uma imensa minoria. A Radar tem alguns apontamentos, como a revista de imprensa (manhã cedo nos dias úteis), informação sobre cinema, teatro, exposições e festas em Filofax (dias úteis, também de manhã), reggae, soul, funk e derivados em Música Enrolada, referências à revista Monde Bizarre e novidades da Radio One e da XFM londrinas. Sem esquecer as múltiplas alusões à realização de concertos da empresa Música no coração, que faz parte da Lusocanal, grupo que ainda detém ainda a Oxigénio (mais especializada em música electrónica, ao passo que a Radar se dedica a música de guitarras) e a Festival (uma emissora popular do Porto).

Há, portanto, uma constante circulação de interesses entre o passar discos e a publicitação de concertos, que não importa aqui dizer se é positivo ou não. Como se trata de uma actividade comercial, a rádio tem toda a legitimidade em seguir o caminho que quiser. Mas o defeito que se aponta a outras estações – o de serem gira-discos – também ocorre na Radar. É possível detectar uma playlist ao longo do dia de emissão. Por outro lado, durante o fim-de-semana não parece haver suficiente número de animadores, pelo que a emissão é automática. E falta o aspecto analítico do medium e das correntes estéticas musicais que a estação passa, componente pedagógica fundamental.

JOÃO OLIVEIRA (1899-1982) – UMA MEMÓRIA DA RÁDIO

joliveira.JPGJoão Oliveira Alves “Pitança” foi representante da Rádio Marconi em Portugal, conhecendo de perto o inventor e empresário italiano que deu o nome a uma das mais importantes empresas de telecomunicações no começo do séc. XX.

Pelo menos desde 1914 que João Oliveira se dedicou a experimentar a rádio. Primeiro, com galenas; depois, fez uma adaptação revolucionária – ligar o rádio à electricidade, em 1924. Até aí, os receptores funcionavam alimentados por enormes baterias. Por isso, recebeu um prémio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

Também esteve ligado ao movimento que defendeu a superioridade técnica do receptor superheterodino sobre o regenerativo (a caricatura que representa João Oliveira foi publicada no Comércio do Porto, em 10 de Outubro de 1982, cerca de três meses após a morte daquele pioneiro da rádio em Portugal).

[Dica de Jorge Guimarães Silva, do blogue A Rádio em Portugal].

BLOGS DE REFERÊNCIA NA RÁDIO

Apesar das questões da rádio serem muitas vezes descuradas (falta, por exemplo, uma adequada análise sociológica da rádio; a história da rádio em Portugal é escassa e descontinuada no tempo), há já um conjunto de blogs sobre a rádio que merece o seu elencar, ainda que incompleto. Dos meus blogs de referência, escolho: Blogouve-se, Jornal Rádio, A Rádio em Portugal, Telefonia sem Fios, JornalismoPortoRádio, A Minha Rádio e Clássicos da Rádio. São sítios que dão informação, têm estórias interessantes sobre a rádio e fóruns de discussão ou de análise.