Arquivo da categoria: Tecnologias da informação

Livro sobre ciberjornalismo de Helder Bastos em segunda edição

Já tinha escrito aqui, a 18 de janeiro de 2011, sobre a primeira edição do livro de Helder Bastos, Origens e Evolução do Ciberjornalismo em Portugal. Agora, saiu a segunda edição, a que juntou ao título Os primeiros Vinte Anos (1995-2015) e com alargamento de textos, de 106 para 143 páginas.

Então escrevi: “Com quatro capítulos (contexto global do ciberjornalismo, antecedentes do ciberjornalismo em Portugal, periodização em três fases, e evolução do modelo de negócios), constitui um útil instrumento de trabalho para quem quer estudar e conhecer o jornalismo electrónico em Portugal”. A edição saída agora (final de 2015) mantém a estrutura de quatro capítulos mas adequa o segundo, designado por contexto nacional do ciberjornalismo.

O autor destaca três etapas na evolução do jornalismo digital: implementação, expansão e depressão/estagnação. Sobre os modelos de negócios, Helder Bastos distingue o iniciado em 2001, reparte a atenção por pagamento de conteúdos, assinatura, acesso gratuito como forma de publicitação dos meios pagos (jornal), lenta inclusão de anúncios em banners, organização de conferências pagas mas publicitadas gratuitamente na internet, design e construção de sites, a que se seguem modelos sem negócio. Neste caso, inclui criação de fundações, mecenato, crowdfunding de conteúdos, sinergias dentro de um grupo de media e micro-pagamento. O autor identifica modelos emergentes, onde se desenvolvem tipos de modelos já ensaiados, como conteúdos patrocinados, conferências e conteúdos patrocinados, e venda de conteúdos para plataformas móveis, a que junta a circulação digital residual. Já em 2009, Helder Bastos realça o regresso da cobrança de conteúdos.

Detenho-me brevemente nas páginas 42-43, em que se recorda o ano de 1995, quando as redações dos jornais começaram a adotar o online, caso do Jornal de Notícias (Porto), quando dois jornalistas, um da secção de política (Helder Bastos) e outro da secção de nacional (Nuno Marques) foram destacados para trabalhar em exclusivo na edição digital do jornal. Então, havia quatro vertentes principais no trabalho dos jornalistas: interatividade com os leitores, edição de notícias, gestão de participação dos leitores em fóruns de discussão e passagem dos conteúdos do jornal em papel para o digital. Isso inibiu os jornalistas de saírem da redação, por exemplo para fazerem reportagens. Helder Bastos, deste modo um pioneiro e observador atento do fenómeno da digitalização e do online até hoje, escreveu que o ciberjornalismo inicial foi marcado pela predominância técnica e pelo esvaziamento da produção jornalística própria.

Por interesse de investigação, gosto particularmente do capítulo 2, onde o autor e docente universitário escreve sobre o contexto nacional do ciberjornalismo, com recurso a muitos números e etapas do desenvolvimento tecnológico, associando o telemóvel, a internet, a rádio e a imprensa em papel, o meio mais afetado pela economia e pela migração para o digital. Fixo as páginas 35 a 40, onde há uma análise diacrónica a partir da década de 1980, quando o país assistiu à revolução informática, responsável por alterações profundas nos mecanismos de produção gráfica e do funcionamento e competências das redações dos jornais.

Realce ainda para a útil cronologia colocada no final do livro, onde o leitor pode verificar a rápida evolução dos domínios em internet, edições eletrónicas digitais, portais, emprego e despedimentos, jornais e portais universitários, parcerias, sinergias dentro de grupos (televisão, rádio, imprensa), acesso gratuito e a pagamento, evolução de sistemas operativos e mais tópicos.

Leitura: Helder Bastos (2015). Origens e evolução do ciberjornalismo em Portugal. Os primeiros Vinte Anos (1995-2015). Porto: Afrontamento, 143 páginas

Fazer notícias segundo Nikki Usher

usherQuando na aula discutimos o texto de Nikki Usher Goodbye to the News: How Out-of-work Journalists Assess Enduring News Values and the New Media Landscape (texto publicado na New Media & Society, 2010: 911-928), vim embora intranquilo. O texto era claro mas expressava um ponto de vista pessimista: jornalistas despedidos por encerramento de jornais ou redução de pessoal nas redacções escreviam cartas onde se chamava a atenção para a perda de qualidade dos media e para o cinismo patronal que não via os jornalistas como pessoas com família mas como números. No texto, Usher surgia com uma base teórica simples mas poderosa: os conceitos de nostalgia, de Jameson, e de comunidade interpretativa, de Zelizer. Depois, partia para o método: uma análise de conteúdo de 31 cartas escritas por jornalistas despedidos.

A palavra (ou conceito) mudança era a mais evidenciada no texto. Agora, com a edição de Making News at the New York Times (2014, Ann Arbor: The University of Michigan Press), o pensamento da jovem investigadora torna-se mais transparente. Deixo ficar algumas ideias do último capítulo, Prelúdio a Quê? Ela avança com três palavras-chave do novo jornalismo: urgência (no sentido de imediato), interactividade e participação. Refere que estamos num ponto de viragem de paradigma, seguindo Thomas Khun, onde ainda não há todas as certezas mas em que mudaram: as tecnologias (as redes sociais estão na ordem do dia; a actualização 24 horas por dia; a agregação de conteúdos e não a simples produção), as audiências (conteúdos gerados por utilizadores), os métodos de distribuição. Mantêm-se, seguindo Herbert Gans, o inspirador de Usher, as rotinas e as práticas de produção de notícias e a influência das fontes poderosas, apesar de existirem fontes de informação novas e não tradicionais, caso da informação veiculada pelo Twitter.

Dito

O texto de Henrique Monteiro no Expresso sobre Isabel Jonet (e as declarações polémicas dela pouco antes da recolha de alimentos este fim de semana, que levaram a uma grande discussão pública) permitiu-lhe escrever uma frase curiosa: “As redes sociais estão a tornar-se num viveiro de declarações grandiloquentes, mas despidas de qualquer sentido. Numa espécie de amplificador de ferrabrases e de vociferadores”. A refletir, favoravelmente ou não.

Cultura da informação digital em José Afonso Furtado

O livro Uma Cultura da Informação para o Universo Digital, de José Afonso Furtado, foi lançado hoje ao final da tarde na livraria Almedina, ao Saldanha, com apresentação de Gustavo Cardoso, docente do ISCTE.

Na contracapa do livro lê-se que a “informação é agora criada, registada e armazenada em suportes digitais e circula em infra-estruturas e redes globais. Se é certo que tal pode representar enormes oportunidades para o desenvolvimento individual e coletivo, tem contudo gerado novas desigualdades, que se sobrepõem e reconfiguram as anteriores. A noção de «fratura digital» designa então as dificuldades na interação com as tecnologias e no acesso a recursos de informação, cuja produção é exponencial e de dimensão difícil de abranger e gerir”.

O livro tem seis capítulos, de que destaco o quarto, que trata da questão da fratura digital, eufemismo que designa o largo repertório das desigualdades sociais face à utilização dos novos media (p. 152). O autor esclarece o assunto, chamando a atenção para o simplismo da divisão entre ricos e pobres de informação (p. 158), pelo que considera melhor uma gradação de diferentes níveis de acesso. A reconceptualização da fratura digital está a ser objeto de estudo por parte de investigadores da universidade de Twente – fiz ontem uma alusão a documentos desta universidade – que encontram quatro pontos: 1) categorias pessoais e posicionais, 2) distribuição de recursos, 3) diferentes tipos de acesso às tecnologias, de ordem motivacional, material, competências, sucessivos, cumulativos, recursivos, 4) campos de participação (pp. 164-165).

Partindo da distinção entre nativos digitais (os que nasceram com as tecnologias digitais) e imigrantes digitais (os mais velhos), José Afonso Furtado levanta algumas dúvidas (p. 182). Aliás, ele, nascido em 1953, mantém uma atualização invejável no uso das tecnologias de informação: o seu twitter tem doze mil seguidores, de nacionalidade portuguesa mas também de leitores de língua inglesa. Ele entende haver aqui uma necessária condimentação e equilíbrio, quer na divisão etária quer no uso produtivo das tecnologias. Critica ainda a ideia de novidade do multitasking, além da nem sempre útil e eficaz atividade múltipla, que pode levar a falhas de concentração e sobrecarga cognitiva (p. 185).

Do mesmo modo que em livros anteriores, José Afonso Furtado traz cuidadosas e atualizadas leituras, visíveis na construção do capítulo 2, onde trabalha a noção de literacia. Mostra prudência na manipulação do conceito, pois literacia pode cobrir apenas a ideologia de melhoria das condições sociais (p. 61) ao invés de uma provável equiparação ao valor positivo do termo, mas de modo acrítico e pouco refletido. Desde a década de 1920, continua, a palavra literacia vem sendo empregue, em especial na língua inglesa, como substantivação da palavra literário.

Mais à frente, o autor propõe a organização de uma ética da informação para a ionosfera, o ambiente dos dados, da informação e do conhecimento (p. 229). Nas conclusões, apresenta a necessidade de uma sociedade isenta de destruição, de redução ou fechamento da ionosfera. Na apresentação do livro, lembrou ainda a brutal obsolescência dos equipamentos e software. Isto traduz-se em perda de suportes e errância diretiva quanto a ordens de identificação e preservação da informação. Por isso, defende uma espécie de movimento lento na absorção e aceitação das tecnologias.

Fusão no mercado livreiro

Foi hoje anunciada a fusão das duas maiores editoras de livros do mundo, a partir dos grupos britânico Pearson e alemão Bertelsmann. A Penguin e a Random House dão origem à Penguin Random House. Trata-se, de acordo com os especialistas do setor do livro, uma revolução capaz de enfrentar os desafios colocados pelos ebooks ou livros digitais e os gigantes Google, Amazon e Apple. Em 2011, as duas editoras atingiram três mil milhões de euros de volume de negócios.

Canal 180 – o olhar da estagiária

Mariana Chambel Cardoso defendeu hoje o seu relatório de estágio para obtenção do grau de mestre na Universidade Nova de Lisboa sobre o canal 180, a funcionar na televisão por cabo.

Canal lançado pela OSTV (Open Source Television) em abril de 2011 na posição 180 da ZON, mais tarde alargado à Vodafone TV e à Optimus TV, o canal 180 é uma alternativa televisiva, operando na área da cultura e da agenda de oferta cultural no país, a partir do escritório do Porto. Enquanto estagiou no canal 180, Mariana Cardoso viu aumentar o número de horas de emissão do canal. Objeto de um apoio de entidades do Porto no âmbito das indústrias criativas, o canal 180 tem três dirigentes (João Vasconcelos, Rita Moreira, Nuno Alves) e outros colaboradores, perfazendo uma equipa variável entre 10 e 15 elementos. Segundo o canal, a sua estrutura permite obter ganhos até 90% do custo do mercado tradicional. Além das plataformas acima indicadas, o canal 180 está no Facebook.

Quando as velhas tecnologias eram novas

O meu pensamento aproxima-se do de Carolyn Marvin, em When old technologies were new (1988). Convoco aqui o capítulo 2, onde a autora escreve sobre comunidade e a ordem das classes sociais a partir do progresso no lar. Retenho três novas tecnologias à época: eletricidade, telégrafo, telefone. A segunda tecnologia desapareceu, com o impacto que provocou então na rapidez das notícias (lembro o telegrama) e na monitorização do movimento dos comboios, obrigando a uma pontualidade que não existia até aí. Mas a terceira tecnologia ainda permanece atual (sob a forma de telefone fixo ou telefone móvel, pouco interessa).

O telefone, quando introduzido no lar, trouxe uma profunda alteração na relação entre privado e público. Ouviam-se conversas confidenciais, criavam-se novas oportunidades (namorar, cometer infidelidade). O telefone tornou-se uma espécie de romance elétrico, pondo em contacto pessoas de classes ou raças diferentes. Trazia receios: a segurança dos indivíduos, em especial as mulheres, podia ressentir-se, dado o rompimento de algumas barreiras sociais – telefonar é o lado virtual, não físico, da comunicação. Marvin anota também o impacto do cinema. E lembrou a rapariga da matinée, a adolescente que ia ver o filme e se podia deixar envolver artificialmente por um mundo de mensagens sedutoras, num momento de liberdade face à família e aos diversos educadores. A autora considerou isto um fenómeno fin de siècle, assim mesmo, em francês. Um terceiro meio por ela representado seria o fonógrafo (giradiscos), outro invento favorável à imaginação e fantasia. A voz que saía dos sulcos criava sonhos: como seria bela a magnífica voz que se escutava?

Carolyn Marvin escreve abundantemente sobre outra nova tecnologia. Nós nem nos lembramos dela, tão presente que está no nosso quotidiano: a eletricidade. Sem ela, como seria a nossa vida? A autora cava na história e conduz-no até ao final do século XIX, um dos mais fantásticos períodos na produção humana de conhecimento. A eletricidade foi lentamente experimentada, nos campos da química, da física, da engenharia, mesmo da filosofia. A eletricidade foi e é uma das mais espantosas afirmações científicas, da teoria à prática e à sua universalidade, pois revolucionou o mundo mais do que o computador, pois é a energia que alimenta todas as máquinas inventadas ao longo do século XX e agora mesmo (esta frase resulta do meu entusiasmo e não do capítulo citado).

A literatura sobre eletricidade, retomando Marvin, transportou uma onda otimista e de sucesso. Os profissonais da eletricidade, como os engenheiros, são o motor dessa vontade de progresso e harmonia. O mundo ficou muito mais confortável com a eletricidade. A eletricidade, que tem a vitalidade das forças da natureza, ficou como a criadora de milagres sociais. Com a eletricidade surgiram lâmpadas elétricas, interrutores, múltiplas aplicações dessa nova tecnologia. Lembro apenas algumas delas: frigorífico, máquina de lavar roupa, aspirador, a rede em que escrevo e publico. Sem eletricidade, deixam de funcionar os semáforos, os elevadores, a internet, os alarmes e os circuitos de vigilância por televisão.

A eletricidade é a mais potente nova tecnologia. Mas é velha, quase arqueológica. Ela está presente mas quase nos esquecemos de que existe.

Leitura: Carolyn Marvin (1988). When old technologies were new. Thinking about electric communication in the late nineteenth century. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 269 p.

Conferência: que desafios colocam os novos media ao jornalismo?

Ontem, foi o dia da segunda conferência organizada pelo Fórum de Jornalistas, sob o título Jornalismo em tempo de crise, em duas sessões, a primeira das quais um wokshop sobre direito laboral. A segunda sessão, os novos media: que desafios colocam ao jornalismo e aos jornalistas?, teve a participação de António Granado, Paulo Querido e Joaquim Vieira.

António Granado, no seu estilo direto e objetivo, começou a sua intervenção por dizer que o jornalismo como profissão está em desagregação. Para ele, a causa não reside na internet e no Google e outros agregadores roubarem as notícias dos jornais, mas na tensão entre o jornalismo e o negócio. A atual desregulação do mercado laboral afeta a profissão, com novas formas de emprego (flexibilização, freelacer), o que impede o exercício do que se chamava jornalismo. A profissão depende cada vez mais do empregador, que efetua vários modos de controlo empresarial (controlo de horários, avaliação de desempenho). Depende também do que os consultores dizem aos empregadores nas sucessivas ondas de reformulação dos media, com o objetivo mais evidente de reduzir custos. O conferencista ainda se referiu à nova característica de multitarefa, com controlo verticalizado onde a discussão interna é cada vez menor. A necessidade de executar multitarefas reduz tempo para confirmar as notícias, a função nobre do jornalista. A organização e a produtividade tornam-se mais importantes que as reuniões de editores onde se recebem ordens e desapareceu a discussão.

O que pode mudar para que se continue a falar de jornalismo? António Granado enunciou cinco características essenciais do jornalismo/jornalista: 1) contador de histórias, 2) importância da confirmação das informações que se recebem na redação, 3) menor espaço para jornalistas generalistas, 4) reforço da deontologia, 5) convívio dos jornalistas com as fontes exteriores (jornalismo cidadão, blogues).

Paulo Querido enunciou igualmente cinco princípios para o jornalismo que têm em conta as mudanças efetuadas com os novos media: 1) direto (notícia como fluxo contínuo, permanentemente atualizada), 2) social (a audiência intervém no jornalismo: jornalismo cidadão), 3) inovação (a sociedade reticular exige novas competências e constante atualização do jornalista), 4) trabalho computadorizado (com aprendizagem da programação, que pode ir do HTLM ao Javascript), 5) desconcentração (ou desagregação, com pulverização dos media de massa e criação de pequenas empresas com aproveitamento de nichos de mercado e de ideias). Joaquim Vieira apontou também linhas de modernização, alertando os jornalistas, que tendem a ser conservadores (pelo menos nas tecnologias), para o impacto da infografia e do uso do Facebook, respetivamente como forma de expressão e como coletor de informação.

Os vídeos do meu quarto

A vida em direto na internet, reportagem de Flávio Gonçalves na Notícias Magazine de hoje, analisa quatro jovens que falam do seu dia a dia e têm milhares de fãs que os seguem através dos vídeos que eles fazem nos seus quartos. Ana Correia “Peperan”, estudante de 21 anos do curso de Design e Tecnologias das Artes Gráficas e guitarrista da banda 90 Degrees (na imagem em baixo), diz que é “uma coisa com uma câmara”. Outro exemplo é Francisco Soares “Kiko is Hot”, estudante do 11º ano, que fala de problemas de acne e encoraja as pessoas a ganharem autoestima. Alguns dos seus vídeos já tiveram mais de 60 mil visualizações. Ou ainda Bruno Leça “Nurd”, de 17 anos, acima das cem mil visualizações por vídeo.

Os vídeos são monólogos dos jovens autores, a partir do quarto de dormir de cada um deles, sobre o mundo e o modo como eles os veem, caso da escola e do saber dos professores, dos programas de televisão, das compras e dos desejos pessoais, das raparigas e dos rapazes da sua escola. Esta rede no YouTube prolonga-se depois no Facebook, com seguidores e “likes”.

O texto de Flávio Gonçalves levanta o problema dos efeitos colaterais resultantes da visibilidade crescente. Isto é, da pegada que os vídeos desta comunidade virtual deixam e marcam cada autor para toda a vida. Talvez esta forma de comunicar a partir dos quartos dos jovens que aparecem na internet seja um sintoma do consumo da comunicação que envolve imagem e som. O professor contactado para dar um lado inteletual ao tema, após descobrir este nicho de atividade e se maravilhar com os conteúdos (narcisistas, é certo) e as formas de expressão estética e tecnológica, respondeu:

1. Como entende a proliferação, cada vez maior e veloz, dos “vídeo-blogues”?
O crescimento dos videoblogues deve-se à facilidade de produzir, arquivar e esperar comentários de leitores e/ou espectadores, que estimulam ou corrigem as perspetivas de quem escreve. Dito de outro modo: a acessibilidade tecnológica e a gratuitidade de alojamento levam a que os produtores de videoblogues consigam realizar trabalhos de curta duração sem uso de outros recursos que a máquina vídeo e o arquivo, criando uma narrativa, uma história, uma ideia do mundo. A internet é um espaço onde se colocam textos (mensagens, fotografias, vídeos) à espera de, em qualquer altura (tempo e espaço), um comentário, um convite ou uma crítica. É o novo espaço público, de apresentação de objetos e discussão de ideias.

2. O vídeo confere mais proximidade entre comunicador-espectador do que a escrita?
Em meu entender, há três elementos de um triângulo que se articulam: escrita, oralidade, imagem. Num dos lados, a oralidade sempre foi mais fácil que a escrita. Cada um de nós aprende a falar na tenra infância ao passo que ler e escrever significam muito esforço. Na Grécia antiga, a transição da sociedade da oralidade (Homero, Sócrates) para a sociedade da escrita (Platão, Aristóteles) demorou muitas dezenas de anos. Foi um processo lento. O pensamento na escrita obriga a uma reflexão, a um trabalhar as palavras e as ideias, enquanto a oralidade pode ser cuidada (como na argumentação num exame) ou descuidada (como na conversa). Noutro ângulo, há um predomínio da imagem em qualquer cultura (exceção dada à cultura muçulmana): o desenho, a gravura, a pintura, a fotografia e o filme procuram mostrar a realidade ou demonstrar a sua aproximação à realidade. A escultura na catedral gótica, a pintura no renascimento e a fotografia desde finais do século XIX expressaram esse domínio da imagem. A imagem é mais redundante e explicativa que a escrita; esta precisa de mais texto e tempo para ilustrar uma realidade. O romance do século XIX foi um exercício de imaginação, em que cada leitor(a) concluía de modo distinto, o que significa uma pluralidade de significados a partir de um único texto. O romance é o triunfo do ensino da escrita, isto é, da organização da escola saída da revolução francesa. A imagem, aparentemente, tem menos redundância, e aproxima-se mais daquilo que se vê, é mais real – denotada, como diz a semiótica. A tecnologia de registo da imagem ajuda e facilita a oralidade. A imagem (no vídeo) aparece como mais real do que a escrita, em que o indivíduo que fala para a câmara nos dá um sentimento de mais proximidade e cumplicidade, caso do acne num dos vídeos do Francisco Soares, uma pessoa igual a nós e não um inteletual sem rosto num texto escrito. Um século de imagem em movimento (cinema, televisão) representa o amadurecimento da cultura da imagem; a vulgarização e massificação do uso do vídeo caseiro (da cassete ao formato digital) ainda estreitou mais essa cultura da imagem, o que representa uma maior proximidade e compreensão. Poderemos estar a caminhar para uma cultura da imagem (em vídeo) em que a escrita assume um papel corretor, do argumento que se filma.

3. A relação dos jovens com o audiovisual e as tecnologias está a mudar?
Ela sempre foi muito próxima. Além disso, a experimentação foi sempre uma marca dos jovens, que se rebelam contra os paradigmas das gerações anteriores. O cinema de super 8 foi usado por jovens, as técnicas de pintura, como o dripping de Jackson Pollock, por exemplo, partiu da experimentação e contestação a modelos anteriores. Agora, junta-se a vantagem de qualquer pessoa poder fazer um vídeo, pela facilidade de aquisição das máquinas (hardware) e simplicidade da sua manipulação (software). Vejo, para além disso, uma maior rapidez nos estilos estéticos, ou sua hibridação, o que permite a existência de mais modos de fazer e editar.

4. De que modo o fácil acesso a esta forma de comunicação pode beneficiar ou prejudicar a relação dos jovens com a realidade? O facto de se filmarem pode torná-los vulneráveis?
Não sei, não tenho a certeza. A única certeza é a da comparação na recente história dos media, caso da rádio. Os pioneiros da rádio, na década de 1920, eram jovens que experimentavam equipamentos que eles próprios faziam e comunicavam no sentido de criar comunidades. A comunidade era feita quando alguém escrevia a dizer que tinha captado uma estação distante, através de carta para a morada desta estação. Cada radialista tinha cartões e trocava-os com outros que ouvia. O YouTube é uma forma moderna dessa criação de comunidade, com múltiplas vantagens, sendo a mais importante a possibilidade de criação de narrativas como se fossem sketches de cinema ou televisão, caso da Ana Correia. Vejo talento nesses jovens que partem do seu quarto para o mundo. Eles manifestam gosto artístico, compõem personagens com modos histriónicos iguais a toda a criação cultural humana, sem esquecer o gozo que lhes dá e a ideia de encontrarem elementos que partilham gostos – no sentido da tal comunidade que escrevi acima. Eles funcionam como os jovens até há duas gerações que queriam escrever um romance ou se julgavam poetas. A ferramenta hoje é a imagem de vídeo. A vulnerabilidade é um risco, mas estes jovens fazem o que as outras gerações procuraram fazer: chamar a atenção do mundo para outras formas de fazer arte. Estou a lembrar-me do escândalo dos pintores do impressionismo quando expuseram no salão do fotógrafo Nadar. A vulnerabilidade pode ser compensada por este lado do exibicionismo juvenil. O privado (o quarto) passa a ser quase público, do mesmo modo que ninguém se escandaliza quando alguém ao telemóvel discute (ri e chora) com o seu interlocutor invisível a vitória do seu clube de futebol, o aniversário do amigo ou o fim de um namoro.

5. O crescente interesse pela comunicação online pode trazer consigo o desinteresse pela televisão?
Possivelmente. Contudo, os media remedeiam-se, como escreveram Bolter e Grusin (conceito de remediação). Isto é, um novo meio (medium) herda algumas características dos media anteriores e rejeita outras mas não os anula, enquanto os velhos media se veem obrigados a repensar a estética e a relação com os consumidores. Os jovens abandonam a televisão generalista e consomem programas dos canais de cabo (séries, por exemplo). A televisão generalista procura reinventar-se ao criar canais de cabo onde passa os programas mais experimentais, como aconteceu com os Gato Fedorento. O vídeo é uma componente fundamental da televisão. O exibicionismo dos jovens dos videoblogues faz-se acompanhar de um sentimento de obtenção de fama. Se isso acontecer, eles abandonam o formato amador e procuram o profissional, que lhes dá dinheiro, contactos e carreira. Isso consegue-se na televisão. Além de que a comunicação online vai obter, ela própria, autonomia, constituindo um canal ou plataforma de colocação de produtos profissionais e lucrativos. Da brincadeira amadora pode-se passar para o sucesso. Creio poder haver uma mistura de interesse mútuo entre os media envolvidos.

Cassetes

O texto de Amanda Ribeiro, no Público de anteontem, chamou-me a atenção. Ela centrou a sua atenção na Edisco, a última fábrica da Península Ibérica que faz cassetes. Nas décadas de 1980 e 1990, saíam dali 15 mil por dia, agora, agora apenas umas 200 a 300 cassetes por mês. Foi este suporte que fez aparecer a Edisco, que ainda vende para clientes de Lisboa, Algarve e Espanha, escreve a jornalista, que também levanta a genealogia da fábrica, herdeira da Discos Rapsódia e da Casa Figueiredo. As primeiras máquinas faziam nove cassetes. Dois estilos musicais fizeram o sucesso da fábrica: música pimba e música popular. Nas décadas produtivas, o estúdio estava ocupado de março a julho com ranchos folclóricos e tunas. Manuel Monteiro, mais conhecido como Nel Monteiro, vendeu entre 60 e 80 mil cassetes, com êxitos como Azar na praia e Retrato sagrado. A partir de 2005, a Edisco começou a vender menos. Os últimos êxitos foram as edições de anedotas do humorista Fernando Rocha.

Mas os fãs das cassetes continuam vivos. A jornalista lembra o mercado indie e experimental, como Deerhunter, Dirty Projectors, Animal Collective, Of Montreal, The Mountain Goats, e o estilo chillwave, como Washed Out, Toro y Moi, Julian Lynch, Real Estate e Ducktails, em lo-fi (por oposição a hi-fi). Afinal, a cassete, se tiver uma embalagem artística, traduz identidade e personalidade, uma relação emocional com o objeto físico, coisa que o desmaterializado mp3 não possui.

Marin Dacos em Lisboa

Decorreu hoje em Lisboa a sessão de apresentação do LusOpenEdition, onde esteve presente Marin Dacos (director do Cléo), ao centro na fotografia e cujos primeiros dezanove minutos de comunicação estão gravados no vídeo abaixo. O projeto LusOpenEdition desenvolve-se no âmbito do portal OpenEdition, disponibilizando à comunidade científica três plataformas de publicação e de informação em ciências sociais e humanas, de âmbito internacional: Revues.org – Revistas e Livros, Calenda – Agenda das ciências sociais e humanas, Hypotheses.org – Blogues científicos.

Na mesa e com comunicações, estiveram igualmente Maria Antónia de Lima (ISCTE e presidente do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, CRIA), Jorge Lucas (Gulbenkian), Eloy Rodrigues (Universidade do Minho) e Gustavo Cardoso (ISCTE).

O LusOpenEdition é desenvolvido e financiado pelo Centre pour l’édition électronique ouverte (Cléo – UMS 3287), pelo Centro em Rede de Investigação em Antropologia – CRIA, e pela Fundação Calouste Gulbenkian. A Revues.org é uma plataforma com mais de 300 revistas e colecções de livros científicos, a Calenda é um calendário das ciências sociais e humanas e divulga(ou) mais de 16 mil eventos e a Hypotheses.org é uma plataforma de cadernos de investigação em ciências sociais e humanas, com 251 blogues neste momento, incluindo o Indústrias Culturais.

A presença de Marin Dacos em Lisboa marcou o começo da internacionalização das três plataformas de publicação e informação com sede em Marselha ao serviço do acesso livre. O Open Access (acesso aberto ou acesso livre) significa a disponibilização livre na internet de cópias gratuitas, online, de artigos de revistas científicas revistos pelos pares (peer-reviewed), comunicações em conferências, relatórios técnicos, teses e documentos de trabalho. As duas vias para o acesso aberto são: publicação em revistas de acesso livre, auto-arquivo em repositórios institucionais de acesso livre.

A APPLE DE STEVE JOBS

Steve Jobs faleceu a 5 de Outubro último. O Público (7 de Outubro) e o Expresso (8 de Outubro), de entre outros jornais, dedicaram uma grande atenção (cinco páginas cada um). A mim, os diagramas chamaram-me muito a atenção, onde se vêem as fantásticas tecnologias da Apple e as passagens de Jobs pela Next e pela Pixar. O que mudou nas nossas vidas com as invenções e melhoramentos introduzidos pelo fundador da Apple? Mesmo que não tenhamos um aparelho da marca, todos fomos tocados pela magia dos seus produtos e dos filmes produzidos associados a Jobs. Os diagramas mostram outra coisa: parece que o iPod (mp3) existe desde sempre, quando a sua comercialização data de 2001, o mesmo acontecendo com o iPhone (2007) e o iPad (desde o ano passado). Como se lia no Público, o “mundo não é o mesmo depois de Steve Jobs ter transformado a forma como usamos os computadores, os telemóveis, ouvimos música e estamos a consumir notícias”.

Foram anos alucinantes, de muitas novidades, de grandes entusiasmos e fortes vendas a partir de um posicionamento de produtos muito voltado para os consumidores. Melhor dizendo: fãs. Fãs e vendas andaram sempre associados, o que a valorização e a desvalorização das acções da marca indicam com precisão, como se vê no primeiro diagrama (Público).

CORPO DÓCIL, MODA E INDÚSTRIAS CULTURAIS (4)

Escrevi aqui em 8 de Novembro de 2010, a propósito de Lady Gaga (ou melhor Stefani Joanne Angelina Germanotta):

        • “Ao ver os seus fãs agradecerem-lhe por tudo o que fez por eles, interroguei-me? Na realidade, trata-se de uma questão de gosto – e ela elaborou um novo código de gosto. Ou melhor: um código de antigosto. Num dado momento, lembrei-me de Madonna, ou a mais recente Amy Winehouse. A cenarização, a provocação, o escândalo e a vida íntima correm em simultâneo com a qualidade da voz ou a estética musical. Se a carreira de Madonna vai longa, a sua capacidade de atrair multidões transportou-se para Lady Gaga, um fenómeno pós-pós-moderno, neo-barroco, com todo o kitsch e o peso dos media nela focados. Tatuagens, sapatos, roupa interior, óculos, penteados, gestos sexuais, relação humano-animal-máquina – há todo um catálogo ou enciclopédia nos seus vídeos. O mais atraente e repelente são os seus sapatos dourados de salto elevado”.

Um texto de Isabel Capeloa Gil e Carla Ganito, “Paródia, pastiche, perversão e política: a teoria no reino do pós-genero”, no volume mais recentemente editado da revista Comunicação & Cultura, nº 9, dedicada ao tema “Pós-Género”, retoma Lady Gaga. Uma das pessoas mais influentes no mundo considerada assim pela Time em 2009 e uma das mais bem pagas segunda a lista da Forbes de 2010, Gaga pode ser um andróide plastificado, com uso do kitsch mercantilizado, uma figura calculista e artificial mas tornada ídolo pela geração Y ou Twitter, como se queira, presa pelo admirável mundo das novas tecnologias, subversiva da fronteira entre público e privado (p. 12), entre identidade privada e performance pública (p. 14). Gil e Ganito elegeram Lady Gaga como elemento fulcral para pensar o pós-género e para repensar o feminismo actual, na encruzilhada de múltiplos feminismos (que incluem o pós-genero, o pós-sexo, no sentido da ambiguidade sexual ou abordagem queer, o pós-feminismo, o ciberfeminismo e o contrafeminismo). As duas autoras assumem uma postura direi que radical apesar das palavras e conceitos bem organizados e argumentados: reconhecida a igualdade jurídica nas sociedades ocidentais, garantido o acesso ao trabalho e à protecção social, tolerada a visibilidade cultural e artística, o feminismo parece terminado, pelo que se entra num período de pós-feminismo, “comprimido entre a livre escolha de um destino e de uma identidade próprios e os constrangimentos institucionais que os regulam” (p. 13).

Ora, Lady Gaga, provocadora e com uma estética kitsch, é um produto e um sintoma da crise de identidade do feminismo observado por Isabel Capeloa Gil e por Carla Ganito. Aponta-se a origem de classe média novaiorquina e a educação em escolas de elite de Lady Gaga e que funcionam sob a forma de modelo social de apropriação inversa: a celebridade, o marketing, as tecnologias visuais. O pastiche é completado, concluem as duas autoras, pelo uso exagerado de grandes estilistas, com apropriação de criadores como Madonna, David Bowie e, mais para trás, Marlene Dietrich. Há uma outra ideia que Gil e Ganito vão recorrer, a do ciborgue, a do híbrido entre máquina e organismo (p. 16), isto é, manipulação tecnológica dos corpos e descorporização dada pelas tecnologias. No mesmo volume, um artigo de Sónia Sebastião coloca a problematização moral do ciborgue: humano e animal, organismo e máquina, orgânico e inorgânico (p. 66).

O corpo dócil referido nos outros textos desta minha série (aqui, aqui e aqui) transforma-se em corpo biológico ou acrescentado com tecnologias, aproximando-se do Frankestein de Mary Shelley, onde com pedaços de seres mortos se constrói um humano, mais tarde continuado no cinema como Blade Runner (1982) ou Matrix (1999, 2003), com chips e extensões. Voltamos a La Mettrie, em O Homem-Máquina (1747), como escrevi no primeiro texto, aqui.

A GERAÇÃO EXTREME SEGUNDO INÊS TEIXEIRA-BOTELHO

Inês Teixeira-Botelho escreve que “os actuais jovens não tiveram que se adaptar às novas tecnologias porque nasceram no meio delas: são nativos digitais”. Os outros, os mais velhos, migraram, e por isso, têm de trabalhar mais, de fazer um esforço mais árduo para as compreender e manipular. O livro, continua a autora, foi escrito por uma nativa digital que desenvolveu uma investigação científica (sociológica) sobre o uso do telemóvel.

Geração Extreme é sobre os jovens que usam telemóveis pré-pagos e com tarifários sem mensalidade para quem esteja numa rede de telemóvel, caso do Extreme para a Vodafone, do Moche para a TMN e do Tag para a Optimus, os três operadores de telecomunicações móveis em Portugal. Além da economia, há um segundo e igualmente pertinente factor: o grupo de amigos ao aderir a uma dessas redes integra ou expulsa os elementos que não pertençam ao mesmo grupo da rede de telecomunicações (pp. 39-40).

Retiro alguns subtítulos do livro desta jovem escritora e investigadora social: fim dos gastos em telemóvel, uso de novas funcionalidades, utilização urgente, reciprocidade, fim dos velhos costumes como o toque (que constituiu uma receita considerável nas comunicações móveis dos anos mais recentes), comunicação impulsiva, troca de opiniões, novas exigências na coordenação, armazém de memórias e número de telefone como extensão do eu. Escrita optimista, disse um dos apresentadores da obra, retrato da vida tecnológica de hoje e os seus usos pelos jovens, observou outro, o mais bem escrito livro sobre telemóveis em Portugal, foi acrescentado.

Inês Teixeira-Botelho tem o mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade Católica Portuguesa. O livro, editado pela Sílabo e patrocinado pela Vodafone, foi apresentado hoje ao fim da tarde no El Corte Inglés, em Lisboa.

CONSUMO DOMÉSTICO DE MULTIMEDIA

Na substituição do cartaz publicitário da Vodafone [as imagens em baixo mostram o anterior anúncio e a instalação do actual, junto à Avenida Lusíada, em Lisboa], detecta-se uma mudança de paradigma tecnológico. Ao power to you, que sucedera a How are you?, surge agora uma nova e surpreendente fase: A fibra da Vodafone em sua casa (embora mantenha o power to you como linha de base). Já não se trata do telemóvel mas do consumo doméstico do multimedia: televisão (e clube vídeo ou cinema em casa), internet, telefone fixo e telefone móvel.

Arrisco mais: após o amadurecimento do consumo do telemóvel (voz, SMS, imagem, internet), as empresas de telecomunicações sentem necessidade de alargar os consumos e o regresso a casa é evidente. A explosão dos telemóveis na última década e meia foi devida a jovens adultos (e adolescentes), que, entretanto, envelheceram, arranjaram emprego, casaram e tiveram filhos, passando agora mais tempo em casa. O SMS foi substituído pelo Facebook, conversa que encontra uma nova plataforma e que decorre do efeito da transferência do contacto na rua e praça pública para o espaço mediático. O que ocorre hoje lembra a massificação da televisão na segunda metade da década de 1970, durante e após a passagem da novela Gabriela, em que as saídas ao cinema se reduziram, a ponto das salas de espectáculo terem televisores para os espectadores acompanharem a programação televisiva durante o intervalo da sessão de cinema, isto é, um meio procurou sobreviver devido ao crescimento do outro, numa espécie de remediação como falam Jay David Bolter e Richard Grusin no livro Remediation. Understanding new media (2000) ou da ideia das velhas tecnologias terem sido um dia novas tecnologias (como a cassete vídeo), na linha do escrito por Carolyn Marvin (When old technologies were new, 1988).

A solidificação das audiências de televisão por cabo, a oferta de canais de cabo muito especializados (em séries, por exemplo) e o crescente consumo de media interactivos contribuem para este novo paradigma, na minha perspectiva. Dito de uma maneira ainda mais repetitiva: o centro das telecomunicações deixa de ser o telemóvel e volta a ser a televisão, mas com esta reinventada pois interligada aos outros media electrónicos. Há uma outra tendência, que procurarei explorar noutra oportunidade, a da maior importância das empresas de telecomunicações no negócio das imagens televisivas perante as operadoras de televisão (mais conhecidas por canais de televisão). O negócio é mais rentável numa plataforma com pagamentos variados como publicidade, subscrição, pagamento para ver (ppv) do que depender apenas da publicidade. O preço da subscrição na televisão é maior do que a assinatura de telemóvel e apela a camadas populacionais mais adultas (depois dos vinte anos) e com poder de compra mais elevado. A fibra óptica, que oferece mais qualidade e rapidez, é um bom álibi para conquistar adesões.

NOVO LEITOR DIGITAL

A notícia tecnológica de ontem foi a apresentação por parte da Amazon.com, a maior empresa de vendas online do mundo, do seu Kindle em forma tablet (nome: Fire), em sistema Android, mais barato e mais pequeno que o iPad da Apple. O preço base ronda os 199 dólares (contra os 499 dólares do iPad), havendo versões com luz e toque de ecrã. O novo Kindle pode ter algumas limitações, como a ausência de câmara fotográfica e de filmar, do microfone e de uma ligação à rede 3G, face ao actual equipamento mais vendido do sector, o iPad. A questão das aplicações é igualmente sensível nas decisões dos compradores. Os analistas prevêm um crescimento do sector dos tablets em 51% até 2015, embora o investimento da Amazon possa não ter os efeitos desejados dada a forte presença da Apple. Mas o resultado imediato após o anúncio do tablet foi a subida das acções da Amazon em 2,5% para 229,71 dólares, enquanto as da Apple e da Barnes & Noble (este igualmente fabricante de tablets) baixaram, embora em valores menos expressivos (dados baseados em notícia da Bloomberg).

Além da notícia tecnológica, o essencial é a enorme redução do preço do aparelho. Com tal agressividade em termos de preços e concorrência, o livro e o jornal em papel podem estar em risco de existência física e haver uma radical alteração dos hábitos de leitura e de consumo de outras indústrias culturais, como o cinema e o vídeo. Aliás, a imagem de promoção do aparelho da Amazon não poderia ser mais simbólica: parece estarmos diante de uma prateleira de livros, revistas ou filmes à escolha para fruição.

REGISTO DO SOM

O livro de David Morton (2004) traça o desenvolvimento das tecnologias de registo do som nos Estados Unidos e na Europa desde meados do século XIX (o fono-autógrafo de 1857) até hoje (MP3). O som gravado é um elemento que nem sequer discutimos hoje, tão enraizada está essa actividade. A máquina de registar (gravar) discursos ou simples notas de uma reunião, os programas de rádio e de televisão, os ficheiros que se guardam no computador ou no blogue, são algumas das formas e formatos que uma rápida evolução (e obsolescência) de máquinas e de actores (inventores, empresas, países) os torna conhecidos mundialmente e os esquece logo a seguir.

Sobre a música gravada, Morton recorda os discos de 78 rpm, os LP, a cassete, o CD, o formato electrónico, o rádio no automóvel, o rádio transístor, o leitor de cassetes e o MP3. O mesmo interesse de investigação, industrial, comercial, do uso dos consumidores, do mais caro ao mais barato, em busca da qualidade como a alta fidelidade, da transcrição acústica à impressão e da música segundo os interesses dos consumidores (música clássica, música popular, música pop).

O livro tem 17 capítulos, dá um grande relevo ao período antes da Primeira Guerra Mundial, ao período até à Segunda Guerra Mundial e ao desenvolvimento sem interrupção até hoje. O autor acentua a importância da música na indústria do registo do som e, por isso, escreve sobre a importância da rádio na transmissão da música, no modo como se passou das emissões de música ao vivo para o disco. Dá igualmente atenção a problemas actuais como pirataria e contrafacção, que houve no tempo das cassetes como hoje nos ficheiros via Napster ou MP3. Temos aqui uma sólida “paisagem” da história do registo do som, não tanto uma investigação de fontes primárias mas mais uma síntese.

David L. Morton Jr. é um especialista na história da gravação do som, electrónica, electricidade e computadores. Foi historiador no Institute of Electrical and Electronics Engineers (Rutgers University, 1995-2002), onde desenvolveu conteúdos para o museu virtual do IEEE, e é agora investigador no Center for Assistive Technology and Environmental Access (CATEA) (School of Architecture, Georgia Institute of Technology).

Leitura: David L. Morton Jr. (2004). Sound recording. The life story of a technology. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 215 páginas

SOBRE A TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO (POR CABO)

Impactos ZON na economia portuguesa é um livro-álbum daquela empresa de telecomunicações e indústrias culturais (televisão por cabo, cinemas) editado em 2011 pela própria. O organizador do volume é Nuno Cintra Torres e a obra de 125 páginas tem os seguintes capítulos: benefícios das TIC e da banda larga para a economia portuguesa, impactos no emprego, impactos no audiovisual, impactos na competitividade das telecoms, impactos na experiência de consumidor, impactos na inovação, criatividade, sustentabilidade e responsabilidade, e perspectiva histórica.

É sobre o último capítulo que vou dar relevo. A ZON nasceu em 2007, quando se separou do grupo PT (PT Multimedia) e se tornou uma empresa e um grupo independente e concorrente com a PT, apesar dos principais accionistas serem semelhantes. A ZON tem cerca de 10% do mercado das telecomunicações em Portugal e é ainda líder do mercado de televisão por subscrição. Aliás, é o cabo e a televisão que flui por ele que tornam a ZON uma empresa muito conhecida. A TV Cabo, como era então chamada, nasceu no começo da década de 1990. Em 1994, pertence à PT (Portugal Telecom), empresa que resultara da fusão de empresas públicas, passando lentamente para a esfera da actividade privada (o último episódio desta privatização ocorreu nas últimas semanas com a alienação de 500 acções douradas por parte do Estado). O licenciamento da TV Cabo pelo regulador deu-se em ainda em 1994, passando a transmitir 30 canais, incluindo os quatro canais generalistas portugueses (RTP1, RTP2, SIC e TVI). No ano seguinte e depois, surgiram outros projectos de televisão por cabo, mas operando em bases mais regionais (Cabovisão, TVTEL, Bragatel, Pluricanal). Em 1998, a TV Cabo tinha já meio milhão de clientes. Por essa altura, muda a designação para PT Multimedia.

Em 1999, era lançado o primeiro canal dedicado à informação, CNL (Canal de Notícias de Lisboa), com 24 horas diárias de informação, meteorologia, câmaras de trânsito, análise de imprensa, programas de debate sectoriais, conceito de jornalista/operador. O seu consumo começou a ser medido pela Marktest. O projecto não teve êxito e, em 2001, transformava-se na actual SIC Notícias. Em 2003, com a digitalização da rede e uma caixa digital de descodificação do sinal era também lançado o serviço em sistema de pré-pagamento, em especial para passagem de filmes. Saliente-se a importância do património da Lusomundo (salas de cinema mas principalmente o seu catálogo de filmes portugueses) e dos canais de desporto, separando a ideia de serviço básico e premium (este com canais pagos à parte do pacote inicial). E também a entrada de canais como o AXN e a Fox, com séries de televisão norte-americanas e que constituiriam de imediato canais de culto e frequentados por espectadores mais jovens. Em 2005, a oferta atinge 70 canais no total. O pay TV torna-se uma das mais importantes áreas da televisão por subscrição, onde os clientes vêem programas sem necessariamente seguirem a hora de emissão dessa programação.

ECONOMIA NO GRUPO CONTROLINVESTE

Na edição de sábado último, o Diário de Notícias destacava o novo projecto económico do grupo a que pertence, a Controlinveste, chamado “Dinheiro Vivo”. Trata-se de um sítio de economia, a estar presente em todos os meios do grupo: online, a partir de 16 deste mês, na TSF (com programa com o mesmo nome) e em suplemento nos dois diários do grupo: Jornal de Notícias e Diário de Notícias. A edição de hoje do Jornal de Negócios adianta mais alguns dados: além do director, André Macedo, o projecto conta com Miguel Pacheco e Sílvia Oliveira, todos oriundos da primeira direcção do jornal i (mais quatro jornalistas igualmente provenientes desse jornal). No total, a equipa conta com 31 jornalistas. Faço aqui duas notas: a primeira para destacar a importância do jornal i, que agora o grupo Controlinveste recupera ao admitir alguns dos responsáveis iniciais do jornal; a segunda para entender melhor a movimentação da semana passada com a demissão do director do Jornal de Notícias, dada a centralização da secção de economia dos dois jornais, até agora independentes. Uma outra nota, corolário das notícias indicadas, significa uma aposta crescente do grupo nas notícias de economia e nas plataformas digitais. O Jornal de Negócios aponta outra informação: em 2010, a marca Global Imagens juntou os fotógrafos dos dois jornais da Controlinveste (então com 26 ao todo), que terá representado poupança e racionalização. Nestes movimentos, as duas marcas – Jornal de Notícias e Diário de Notícias – perdem alguma identidade própria, embora a aposta seja, como escrevi antes, nas diversas plataformas tecnológicas e não apenas nos jornais de papel.

JOSÉ AFONSO FURTADO E O TWITTER

José Afonso Furtado, director da Biblioteca de Arte da Gulbenkian, aparece na lista das 140 melhores contas do Twitter em todo o mundo segundo a Time. A qualidade da conta de notícias sobre o mundo da indústrias editorial valeu a Furtado a classificação. Ele, que tem mais de sete mil seguidores, usa o Twitter como ferramenta de trabalho para troca de informação, indica o semanário Sol, de onde estou a retirar a informação.