A vida do homem da rádio Nunes Forte

Nunes Forte. Retrato de um Homem de Rádio, Espectáculo e TV, de Luciano Reis, foi hoje apresentado na livraria Bulhosa (Campo Grande).

Na rádio, Nunes Forte começou na Rádio Ribatejo, do capitão Jaime Varela Santos, que nunca usaria o microfone em proveito próprio e com um enorme respeito pelos ouvintes (p. 7), a escola como lhe chamaria (p. 39). Mas o radialista também recordaria nomes como António Manuel Couto Viana (onde integrou a companhia Gerifalto) e Odete de Saint-Maurice (programas infantis da Emissora Nacional). Nunes Forte seria um dos elementos da equipa base de Saint-Maurice (p. 121) e a quem pediu conselhos para os nomes dos seus filhos (p. 123). A rádio veio depois do teatro e da figuração em programas de televisão. Na Rádio Ribatejo, conheceu Maria Helena Varela Santos, depois locutora da RTP, António Sala, Jaime Fernandes e José Manuel Lourenço, entre outros.

Em 1968, Nunes Forte ficaria integrado no programa 1-8-0, de Rádio Peninsular, programa produzido por Paulo de Medeiros e Aurélio Carlos Moreira (pp. 70-71). Nesta estação, já com o nome de Alfabeta (resultara da fusão da Peninsular com Rádio Voz de Lisboa) chegou a coordenador geral (p. 100). Depois, esteve no Clube Radiofónico de Lisboa. Um dos seus programas foi Tudo Pode Acontecer (p. 107). O título do programa foi ainda usado para textos que publicou na revista Plateia, a partir de 1973 (p. 113). Nesse mesmo ano, avançaria com escritório e estúdio próprio para produções radiofónicas na rua Mãe d’Água (p. 121).

O resto do livro, como pediu o biografado na sessão de lançamento, não pode ser divulgado, a não ser que cada leitor o leia e descubra muitas histórias da vida do radialista, homem de televisão e do espectáculo.

Leitura: Luciano Reis (2014). Nunes Forte. Retrato de um Homem de Rádio, Espectáculo e TV. Lisboa: Fonte da Palavra, 335 páginas, 20 euros

Noite de Guerra no Museu do Prado

pradoNoite de Guerra no Museu do Prado foi uma homenagem do poeta Rafael Alberti aos milicianos da República que resistiram no cerco a Madrid e morreram na Guerra Civil de Espanha (1936-1939). O tema de Alberti seria o transporte dos quadros do museu para a cave para prevenir a sua destruição. Recordaria o próprio autor: “Num entardecer de Novembro de 1936 fui ao Museu do Prado. [...] Conservava dos quadros, das obras-primas da nossa pintura, uma lembrança como que de tanque soalheiro, de água funda à plena luz, de espelho”. Depois, coloca-se a ele e mais a sua companheira, María Teresa Léon, a dirigir a operação e a levar os quadros para fora de Madrid para um destino seguro.

Fundadores da revista El Mono Azul, os dois estiveram envolvidos nessa operação. A Legião Condor, enviada por Hitler para estar ao serviço de Franco, teve como alvos a destruir o museu e outros tesouros culturais da Espanha. Goya, El Greco, Rafael, Ticiano, Tintoretto e outros seriam assim salvaguardados. A trama de Alberti levou-o a lembrar outro momento dramático da história de Espanha, a de 1808, que Goya retratou, a da luta contra o invasor francês.

Poeta galardoado com o prémio nacional de literatura em 1925, Alberti mostrou no teatro a importância da pintura daquele museu emblemático. E diversas figuras representadas seriam retiradas de quadros desse museu, como o fuzilado, o decapitado, o toureiro, o anão, o maneta, o amolador, Adónis, Maja, Marte e Vénus. Numa estrutura de palco simples, com sacos à frente a fazer de defesa perante o agressor, os actores recuperam as histórias dos quadros e ligam-nas à resistência da cultura num momento dramático.

Depois de ver a peça, Brecht quis representá-la no Berliner Ensemble em 1956. Aconselhou uma introdução para contextualizar a acção da peça. Mas morreu antes de atingir esse objectivo, embora Noite de Guerra no Museu do Prado passasse doravante a incorporar esse prólogo. Mais tarde, Mário Barradas, enquanto frequentava a École Supérieure du Théâtre National de Strasbourg (1969-1972), participou num programa que incluía a peça de Alberti. Numa oficina em Portugal trabalhou a mesma peça. Um dos alunos era José Peixoto. Após a mudança de regime político em Portugal, Mário Barradas apresentou a peça nos Bonecreiros (1974). José Peixoto foi um dos actores. Agora, o mesmo José Peixoto faz dois papéis na peça e recorda o seu mestre Barradas.

O canto, a dança, a poesia, as máscaras, a luz e o vestuário tornam a peça num grande momento estético para recordar.

As fontes de informação em tese de doutoramento

Ontem, na Universidade do Minho, Vasco Ribeiro (à esquerda, de pé, na primeira fotografia; o quarto a contar da esquerda na segunda fotografia) defendeu tese de doutoramento com o título O Spin Doctoring em Portugal: Estudo Sobre as Fontes Profissionais de Informação que Operam na Assembleia da República (fotografias de Luís António Santos).

Do que então disse, deixo aqui um resumo. O trabalho apresentado tem muita qualidade, está bem escrito e traz novidades para a investigação – que é o que se pretende num trabalho académico. Tem cinco capítulos, com informação muito útil e alargada no tempo, cobrindo as realidades americana e inglesa e, sempre que possível, portuguesa. Aprendi muito com os capítulos 2, 3 e 4. Constatei a quase inexistência de bibliografia sobre a realidade nacional em termos de assessoria de imprensa. Por outro lado, a leitura da tese levou a rever a minha posição que tinha quanto a um livro português, o de Joaquim Martins Lampreia. Alguns conceitos como interacção e negociação fazem já parte do património intelectual da área da sociologia do jornalismo.

Encontrei a tese da tese entre as páginas 268 e 294, quando traça a matriz de comportamento do spin doctor. Tem quatro pontos principais (grandes objectivos, pré-condições, principais tarefas do processo de spinning, principais técnicas e instrumentos). Às vezes, dá exemplos concretos, práticos, da aplicação dos conceitos, como faz no resto da obra, embora isso diminua a escrita conceptual. A meu ver, alguns tópicos, caso das fugas-plantadas, merecem mais análises.

Sobre a metodologia, quando discute a dimensão da amostra (20 entrevistas), ela parece-me de boa dimensão. Pode dizer que há uma dúvida inicial, mas se entrevistou o universo não pode entrevistar mais ninguém. Melhor: obteve as respostas pretendidas. E, logo no começo da tese, refere as limitações da história oral. Sim, há limitações mas ela resolve alguns problemas, em especial quando não há outro tipo de documentos.

José Saramago (1)

Noite 1Vítor Norte faz o papel de chefe de redacção e Sofia Sá da Bandeira de secretária da redacção, em A Noite, peça escrita por José Saramago. A acção passa-se na noite de 24 de Abril de 1974, horas antes da mudança de regime político em Portugal.O palco reproduz uma sala de redacção. Ao centro, atrás da secretária de redacção, o responsável executivo do jornal corrige provas, fala com o censor, repreende o jornalista da oposição (Paulo Pires), controla os ímpetos do jornalista da direita política (Samuel Alves), com vontade explícita de ocupar o seu lugar. O director (António Durães), no canto direito do palco, é favorável ao regime mas quer mudar alguma coisa, não se sabe bem o quê. É um director à antiga, que escreve de forma elíptica, como se o leitor entendesse aquela prosa gongórica. A secção de desporto é a mais activa – Benfica para aqui, Benfica para ali. O contínuo (Filipe Crawford), de canadianas, espera uma revolução. Não política, mas clubística, pois quer que regressem as vitórias ao seu clube. O jornalista da secção (Fábio Alves) está entre o poder e a contestação e protege a estagiária. Além do jornalista contestatário, há ainda uma estagiária (Joana Santos) e um chefe da tipografia (Pedro Lima) radicais e que estão a desequilibrar a imagem de jornal conservador.

O jornal estava pronto a sair mas o boato da existência de tropas na rua abanou convicções, fez regressar à redacção o director, mostrou o chefe de redacção prisioneiro entre o que pensava a secretária e o seu colega mais à direita política e o resto da redacção e tipografia. Saía a edição com uma notícia sobre a marcha militar ou não se editava, à espera de uma maior clarificação do que estava a acontecer?

Saramago, depois de ter feito jornais, escreveu sobre eles. A Noite foi a sua primeira obra dramática, inicialmente encenada em Maio de 1979 pelo Grupo de Teatro de Campolide com encenação de Joaquim Benite e direcção musical de Carlos Paredes.

Lembrar um magazine de comunicação empresarial

De vez em quando, há memórias que se recuperam. É o caso de um magazine de comunicação empresarial, aqui na sua edição de Setembro de 1992, onde colaborei intensamente. A empresa TLP (Telefones de Lisboa e Porto) desapareceria em Junho de 1994, há 20 anos, para, com outras duas empresas, dar origem à actual PT. Na página 4 do magazine vinha a minha biografia e, na página 11, um texto sobre o telefone Bramão. Então, eu editara um livro sobre as telecomunicações portuguesas (que se pode ler a meio da coluna da direita do blogue).

(ver http://issuu.com/rogeriosantos7/docs/tlp.pptx?e=4056411/7779997).

O imitador

Hoje, li a imprensa do começo da década de 1970. De repente, fiquei surpreendido. Já esquecera. Não se diziam as coisas mas percebia-se que o regime político estava com muitas dificuldades. A artista Io Apolloni a fazer streap-tease numa peça de teatro (a actriz diria que apenas tirara o casaco que cobria o seu corpo e as fotografias comprovam isso, apesar da crítica criticar essa postura), a cantora Suzy Paula a falar das suas mini-saias e dos seus maxi-casacos, o programa de televisão de João Martins Ensaio suspenso antes de começar, o intérprete Tony de Matos a criticar os baladeiros que “chegam aos palcos ou às câmaras e dizem que a música é deles, que a letra é deles, que a guitarra é deles [...] só as canções é que continuam a não prestar” (Rádio & Televisão, 7 de Março de 1970). Mas havia um imitador fantástico chamado Mena Matos: ele era um “dos que a falar se arrisca muito” (Rádio & Televisão, 14 de Fevereiro de 1970). Na Gulbenkian, em 1972, discutia-se a música ligeira e escrevia-se um abaixo-assinado. Diversos músicos e cantores que brilhariam na segunda metade da década estavam presentes, bem como locutores e outros profissionais dos media. Sentia-se no ar que alguma coisa se ia dissolver. Curiosamente, a melhor imitação de Mena Matos era a voz de Salazar. Dizia ele: “Ouço as vozes, procuro fixar os seus pontos característicos e ensaio meia dúzia de vezes. [...] existe certa dificuldade quando, num espectáculo, tenho de fazer sete ou oito imitações consecutivas, praticamente sem intervalo”.

Precisam-se novos imitadores. Há muitas dificuldades, outra vez.

001002

Future of journalism – Call for Papers

October 17-18, 2014

10th Dubrovnik Media Days: Call for Papers

The world media are in crisis as a result of the collapse of monopolistic business model based on advertisers. New technologies have helped in this process, but also led to the emergence of a large number of media that have yet to find a profitable business model and impose as a substitute for the watchdog function of the newspapers. New technologies helped media content to be consumed quickly and on a variety of platforms. Also, media audiences no longer want to be passive. Audience wants to be found by information and to be directly involved in the production of content. At the same time, journalistic sources no longer need journalists to tell stories, and whistleblowers directly communicate with the audience. New technologies are increasing the transparency of journalism which leads to decrease in the credibility of the media and journalism in general. Due to cost cutting, journalism newsrooms are shrinking and less investigative journalism is conducted.

Possible topics include, but are not limited to, issues surrounding the following questions:

• What are the business models of media with special focus on online and mobile media?
• What are the new platforms for content distribution and their future?
• How the fragmentation of media audiences affects the media industry?
• How is the relationship between journalists and media audience changing?
• What is the future of investigative journalism?
• How to increase transparency and quality of journalistic content?
• What is the role of citizen journalism?
• What is the role of quality journalism and content specialization?

Different theoretical and empirical scientific approaches are welcome. Papers presented at the conference (after peer review) will be published in science journal Medianali. Official conference language is English. Timeline: Deadline for submission of abstracts and registration: September 1, 2014; Notification of acceptance: September 5, 2014 Registration fee for participants whose papers are accepted – 80 Euros, all others pay 150 Euros. Registration fee includes conference materials, dinner and lunch, coffee breaks. Full Papers due by November 1, 2014 (4,000-6,000 words, including 200 word abstracts and six keywords; referencing – Harvard system) Please forward as appropriate to interested parties.

The University of Dubrovnik is the “youngest” university in Croatia. It was established in 2003 [University of Dubrovnik].

750 milhões de páginas de jornais e 4,8 milhões de sítios da internet em nova sala da British Library

A nova sala de leitura da British Library para jornais e noticiários de rádio e televisão foi oficialmente inaugurada pelo Secretário de Estado do governo britânico, Sajid Javid.

BLAgora, os investigadores podem aceder à colecção nacional de notícias – 750 milhões de páginas de jornais e publicações, 4,8 milhões de sítios da internet arquivados e milhares de horas de noticiários de rádio e televisão. Trata-se do culminar de um programa de 33 milhões de libras, que incluiu a transferência de uma grande colecção de jornais impressos para um edifício construído em Yorkshire e com armazenamento robótico. A colecção nacional de jornais atinge períodos tão antigos como a Guerra Civil Inglesa e constitui um número incomparável de registos (impressos e de audiovisual) sobre a sociedade, os indivíduos, a política e os acontecimentos do dia a dia. Ao cuidado da British Library, o arquivo totaliza mais de 750 milhões de páginas de jornais e media em geral e estende-se por mais de 20 quilómetros de espaço de prateleira. Embora muitas vezes rejeitado por críticos e leitores de se tornarem o “papel de chip de amanhã”, os jornais são uma fonte inestimável para investigadores que estudam os aspectos da vida local, regional e nacional ao longo de mais de três séculos.

Entre outras facilidades, a nova sala de leitura inclui 100 secretárias e 40 aparelhos de visualização de microfilmes (texto e imagem a partir de British Library).

Os filhos do Zip Zip

Helena Matos 001Helena Matos (1961-), para este livro, serviu-se de jornais e revistas da época, com destaque para o Diário Popular, jornal que dava muita atenção ao quotidiano, Diário de Lisboa, O Século, Diário de Notícias e O Século Ilustrado, ao longo da década de 1960 e até 1974. Ela usou outras fontes, como indica no final do livro. O livro, no seu todo, resultou de trabalhos que lhe foram encomendados, em especial a consultoria histórica feita, a pedido da RTP, para a série Conta-me Como Foi. Mais recentemente, ouvi Helena Matos em trabalhos feitos para a Antena 1, onde ela comentava o quotidiano dos portugueses nos anos em volta de 1974, a propósito dos 40 anos de implantação do regime democrático no nosso país.

O título do livro, Os Filhos do Zip Zip, constitui uma referência a um programa de televisão famoso na época e que marcou uma espécie de transição ou, pelo menos, de anseio de mudança política. Esta, como sabemos, veio a fazer-se por via militar e não civil, embora abrisse caminho a uma vasta alteração na sociedade civil.

A obra Os Filhos do Zip Zip divide-se em seis partes, cada uma delas com título apelativo e que reflecte valores partilhados na época: adeus aldeia, nós por cá vamos andando, estranha forma de vida, os desejados, mundo de aventuras, conversas em família. E tem 23 capítulos, onde identifica problemas muito sentidos então: subúrbios, delitos, guerra colonial, Tempo Zip (o programa de televisão e de rádio), questões femininas, amor, rock’n'roll, juventude, notícias sobre mistérios, sangue na estrada, conversas em família de Caetano, “por motivos alheios à nossa vontade” (diapositivo mostrado quando o programa da RTP sofria alguma avaria), primavera marcelista.

Na sua biografia, Helena Matos é apresentada como antiga professora do ensino secundário e jornalista. Dessa dupla vertente de pedagoga e de construtora de notícias surge uma capacidade de expor os temas com vivacidade e mantendo uma narrativa atraente. De produtora de notícias, ela passou a analista de notícias; daí, o recurso sistemático à análise das notícias e ao seu enquadramento histórico, social e linguístico. Isso verifica-se logo na entrada do livro – “Maio de 1973: os eléctricos deixam de circular na Estrada da Luz e também em Benfica. A Casa das Gravatas vai dar lugar a um banco e no Rossio fecha o Hotel Francfort” (p. 16). Logo depois, salta (e explica) para um fenómeno então a ter uma grande expansão: o crescimento urbano para a periferia de Lisboa. Sem o explicitar no texto, ela ilustra essa expansão com um anúncio de J. Pimenta, então um construtor afamado e que ficou conhecido através do slogan “Pois, pois, Jota Pimenta”, enunciado a significar que o problema da habitação estava resolvido com os seus empreendimentos.

O texto de Helena Matos tem de ser lido todo, para nos apercebermos das ironias, dos trocadilhos, das “coisas da vida” num país pequeno, pobre e silenciado. Basta atentar num dos cartunes publicados no livro (p. 48), retirado do Diário Popular, conversa entre o merceeiro e a cliente, com aquele a dizer: “É o que eu lhe digo, D. Rita: quando havia batatas, não havia bacalhau. Agora, que há bacalhau, não há batatas”. Era o custo de vida. No Natal de 1973, foi difícil arranjar bacalhau. Suspeitava-se que havia insuficiências de distribuição ou especulação (p. 47). Numa altura assim, dizia-se que os preços estavam “pela hora da morte”, exactamente o título do capítulo 3 da obra.

Da sua bibliografia, Helena Matos escreveu o livro Salazar, em dois volumes (A Construção do Mito; A Propaganda).

Leitura: Helena Matos (2013). Os Filhos do Zip Zip. Lisboa: A Esfera dos Livros, 359 páginas

A imagem que falta, de Rithy Panh

Entre 1975 e 1979, o Cambodja viveu um regime de terror. Pol Pot e os seus Khmers vermelhos quiseram aplicar um sistema social assente na actividade rural, procurando “reeducar” toda a população da capital Phnom Penh. Panh, então com 13 anos, foi levado para um campo de trabalho com a sua família. Ele assistiria à morte dos pais e dos irmãos, vitimados pela fome e pela doença. Fugido para a Tailândia, acabou por chegar a França e, em Paris, fez formação universitária em cinema. Na década de 1990, Rithy Panh voltou ao seu país e fundou o Centro de Recursos Audiovisuais Bophana, com o objectivo de preservar o património audiovisual do Cambodja.

A imagem que falta (2013) é a reconstituição da sua vida enquanto jovem adolescente. Ele junta imagens de arquivo do próprio regime torcionário de Pot com figuras de barro (criadas por Sarith Mang), que representam os cambojanos na sua vida comum nos campos de trabalho, e narração em francês (por Randal Douc). Então, não era possível pensar ou falar, apenas agir de acordo com o imposto. Quem fugisse ao estabelecido era condenado e desaparecia, caso de uma mãe que retirou umas mangas para dar de comer à família e foi denunciada pelo filho pequeno.

O filme-documentário apresenta uma realidade violenta. A doçura e poesia das figuras de barro e dos seus movimentos e a musicalidade que acompanha algumas histórias, sem fazer esquecer a miséria e o terror, salientam mais a diferença entre liberdade e repressão.

Três dedos abaixo do joelho, de Tiago Rodrigues

O texto, representado por Isabel Abreu e Gonçalo Waddington no Teatro Maria Matos, é sobre a censura do teatro em Portugal durante a ditadura. Tiago Rodrigues (companhia Mundo Perfeito) juntou excertos de relatórios da Comissão de Censura e elementos de peças proibidas, colagem que se tornou uma obra sobre o ridículo da censura. Censurava-se porque a palavra podia surtir efeitos nefastos no público, ou porque este não estava preparado e não compreendia ou porque a actriz tinha um vestido curto e o ideal era chegar até três dedos abaixo do joelho. Os recursos dos artistas – falar baixinho, chorar, gritar, fazer de velhos caquéticos, cantar as palavras censuradas e substituídas – ampliariam esse ridículo.

Um elemento curioso: no final do espectáculo, os filhos do actor – sentados na primeira fila e rindo-se de algumas cenas – subiram ao palco e agradeceram os aplausos da assistência, como se fizessem também parte da companhia.

Sobre o Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto

Numa conferência recente no Porto, na Universidade Lusófona, a propósito de indústrias culturais e criativas, eu teci um comentário sobre o teatro na cidade. Nas semanas anteriores, eu assistira naquela cidade a algumas peças de teatro produzidas por companhias de Lisboa e do alto Minho. Para mim, uma cidade criativa tem de possuir teatro produzido nela mesma.Estava muito equivocado. Mão amiga fez-me chegar catálogos das produções do Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto, de 2010 até hoje. Em baixo, estão quinze capas de catálogos, dos quais analiso catorze (a outra foi uma representação para público infantil). Há nove encenações de Gonçalo Amorim e uma cada de Nuno Cardoso, Cláudio Silva, Bruno Bravo, António Júlio e Luís Varela. Dos autores representados, Arthur Miller teve duas peças no palco, e os outros autores uma – Eugene O’Neill, Luís Sttau Monteiro (duas encenações diferentes de Felizmente Há Luar), Ernest Hemingway, Rui Pina Coelho, John Whiting, Pau Miró, Eça de Queirós (a partir de um romance dele), Pierre Notte, Bertolt Brecht, Dea Loher e Ricardo Alves.

No último espectáculo aqui identificado (Ping Pong Pau, de Ricardo Alves, uma co-produção com o Teatro do Montemuro), representado em Fevereiro de 2014, o presidente do Círculo de Cultura Teatral, Júlio Gago, lembrava os 60 anos de actividade da colectividade, simultaneamente 15 anos de transferência do Porto para Vila Nova de Gaia e cinco anos de contratação de Gonçalo Amorim, director artístico desde 2012. Nessa mesma ocasião, o protocolo com a câmara municipal estaria em renegociação. Já no catálogo de anterior representação (As Relações de Clara, de Dea Loher), havia a indicação de edição de Actas, prevista para 2014, respeitantes a um colóquio sobre a actividade da companhia, com antigos e actuais encenadores, cenógrafos e figurinistas, além da publicação do primeiro volume de uma nova colecção de peças de teatro.

O Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto foi fundado em 1951.

Lisboa, a partir de Melody Gardot

Se Melody Gardot estivesse hoje à tarde em Lisboa, reescreveria a sua canção. A cidade estava magnífica no dia em que passam 40 anos de liberdade de expressão em Portugal.

“Lisboa, Lisboa / The sorrow of your days gone by / Now the hinterland of lovers should lay / Beneath all your vacant skies / Lisboa, Lisboa / From Alfama’s arms to Liberdade / Paper lanterns, falling embers / Quiet cantors sing of saudade / The ever twilight amber of your alleyways / Paint the air of evening oh so well / And strolls about the river bank / Suggests there’s history left to tell / Ai Lisboa / A paradise beside the sea / There’s a beauty / To the absence of tainting all your scenery / Lisboa / Lisboa e luz boa / Lisboa é Pessoa / Lisboa tem Chiado / Tem Alfama e tem Fado / Da era severa / De um tempo que já era / Nas ruas de Lisboa / Eu vou / Das tuas Colinas / Milagres e sinas / Nas praças, rainhas / Flores e Rimas /Eu vou / Lisboa /Ele, I, Esse, Be, O, A”.

Melody Gardot (New Jersey, 1985) é uma cantora e compositora de jazz americana. Influenciada pelos blues e jazz de Janis Joplin, Miles Davis, Duke Ellington e George Gershwin, e pela música latina, de Stan Getz e Caetano Veloso, ela é conhecida como a “artista acidental”, por se ter dedicado à música como forma de terapia, depois de um grave acidente, que lhe deixou diversas sequelas. Em 2011, Melody Gardot esteve seis meses em Lisboa, um lugar em que gosta de escrever e que descreve como um lugar de paz. A influência de Lisboa está bem visível no seu terceiro álbum, The Absence (2012), que inclui a canção “Lisboa” (a partir da Wikipedia). Perdoo à cantora o ritmo brasileiro, pois aprecio a melodia. Dela gosto muito de Our Love is Easy.

Mural na avenida de Berna (Lisboa)

Retiro algumas informações do texto de Marisa Soares no Público de 13 de Abril último: a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, na avenida de Berna, lançou o repto a grafitters da galeria Underdogs (Frederico Draw, Gonçalo Ribeiro Mar, Diogo Machado Add Fuel e Miguel Januário) para pintarem uma parede daquele espaço de ensino.

No meio do espaço, a figura de Salgueiro Maia, um dos heróis de 25 de Abril de 1974, a partir de uma fotografia de Alfredo Cunha. O blogueiro passou no local quando os grafitters estavam a começar o seu trabalho.

Richard Hoggart

Não fora o magnífico texto de Miguel Bandeira Jerónimo no jornal em papel Público de hoje e eu não sabia da morte de Richard Hoggart, no passado dia 10 de Abril. Hoggart seria um dos fundadores do Center for Comporary Cultural Studies, junto à universidade de Birmingham, com Raymond Williams e E. P. Thompson. O nome mais famoso do CCCS seria Stuart Hall, falecido há dois meses.

O livro marca de Hoggart, As Utilizações da Cultura, em dois volumes editados pela Presença em 1973, daria conta das transformações ocorridas na cultura da classe trabalhadora (proletária, como se lia na contracapa) após o final da II Guerra Mundial e o modo especial que se podia atribuir à influência das publicações de massa. No fundo, os volumes reflectiam o percurso dos jovens como Hoggart, vindos de classes populares para a universidade e a vida académica.

Retiro um pouco do texto de Miguel Bandeira Jerónimo: os fundadores do CCCS “deram corpo a uma renovação crítica das ciências sociais e humanas, que em muito extravasou o seu contexto nacional de produção e institucionalização, o Reino Unido. O estudo das interrelações entre o poder, a cultura e a política”. E menciono os temas dos três primeiros capítulos do primeiro volume do livro de Hoggart: definição de classe trabalhadora; tradição oral, lar e família; “nós” e “eles”.

Afectos

Começaram a 9 de Setembro de 2013. Agora, a Oficina das Almas no Teatro da ARTA (Associação Recreativa Taberna das Almas), representa Pão, no Regueirão dos Anjos, 68/70, em Lisboa. O texto é do colectivo: um grupo de detidos conta as suas histórias: memórias, relações e desejos. O amor, a inocência, a experiência de seres humanos a caminho de Marte, a vida e o desespero, a alegria e o silêncio, os poemas e a escuridão. Nem todas as histórias possuem a mesma densidade, pois umas são mais saborosas do que outras, mas ficou a generosidade daquele conjunto de artistas. E os gestos (achei deliciosa a viagem de autocarro), os abraços, a partilha de sonhos, o deixar cada um falar por sua vez para chegar a uma conclusão aceite, à volta de uma mesa, a vontade de manter a liberdade, as referências irónicas à tecnologia (que parece preparar os jovens com futuro assegurado e asséptico). Na representação, leram-se os poemas Ode ao Pão, de Pablo Neruda, e A Casa, de Vinicius de Moraes.

No fim da representação, actores e actrizes estavam satisfeitos, a explicar ao público como tudo começara e se fizeram as ligações dos textos. E uma das jovens actrizes, com um chapéu, como se pertencesse a um grupo de saltimbancos, pediu pão ao público generoso; afinal, o espectáculo era gratuito e um apoio monetário ajuda sempre.

Direcção e encenação: Cândido Ferreira, João Jorge Meirim e Nicolas Brites. Com: António Figueiredo Marques, Catarina Carvalho, Eduarda Manso, Ethel Feldman, Geny Neto, João Raimundo, João Jorge Meirim, Mónica Paulo, Sara Teles e Vanda Guerreiro.

Uma nota suplementar e que não tem a ver com a representação: já não ia aquele espaço desde que a associação Abril em Maio saiu. Veio a recordação de estantes cheias de livros, folhas policopiadas, sessões de teatro, muitos voluntários de uma cultura alternativa. Porque estamos a passar de Abril a Maio, e devido à memória histórica, fica aqui a minha impressão.

Públicos de cultura no Brasil

“Na última quarta-feira (9/4), o Sesc e a Fundação Perseu Abramo apresentaram os números preliminares da pesquisa Públicos de Cultura – Hábitos e Demandas. O objectivo era ampliar o conhecimento sobre o público e orientar acções do sector. Para isso, foram investigados o comportamento, a disponibilidade e a frequência com que os entrevistados consomem ou produzem cultura, em 139 municípios em área urbana de 25 estados, das cinco regiões do país. Alguns resultados chamam a atenção, em especial os que dizem respeito ao que não está no leque de actividades culturais dos entrevistados: 61% nunca foram a uma peça de teatro em qualquer local (61%) e 57% nunca assistiram uma peça no teatro; 75% nunca foram a espectáculos de dança ou balé no teatro; 71% nunca estiveram em exposições de pintura, escultura e outras artes em museus ou outros locais; 89% nunca foram a um concerto de ópera ou música clássica em sala de espectáculo e 83% em qualquer outro local; e 70% nunca foram a uma exposição de fotografia. Os motivos para a não frequência a essas actividades se equilibram entre o não gostar e o não existir algumas delas na cidade. É considerável a proporção de respostas que indicam o fato de não terem costume e/ou não acharem interessantes/importantes alguns desses tipos de actividades. 26% dos entrevistados afirmam que não gostam de exposições artísticas e outros 26% que não sabem ou nunca foram a uma” (fonte de partida: Cultura e Mercado. Ler o estudo aqui, uma pesquisa realizada pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Fundação Perseu Abramo).

João Paulo Guerra

Foi hoje ao final da tarde que João Paulo Guerra recebeu o Prémio Igrejas Caeiro da Sociedade Portuguesa de Autores (rádio), pela qualidade e extensão da sua carreira como homem de rádio. 51 anos de carreira, recordou o premiado num discurso emocionado. Ele viu colegas com quem já não se cruzava há muito mas que estavam ali a vê-lo, no que foi chamado a tribo da rádio. João Paulo Guerra trabalha presentemente na Antena 1, onde todos os dias de manhã (cerca das 8:20) faz uma leitura atenta – e também bem humorada e recheada de referências culturais e gastronómicas – dos jornais da manhã.

Manifesto aqui a minha grande simpatia pelo jornalista e radialista. Há pouco mais de dois anos entrevistei-o (e a muitos mais homens da rádio) para um trabalho ainda não publicado e que me tem ocupado todo o meu tempo livre.

O rock na perspectiva de Paula Guerra

Já escrevi aqui e aqui sobre o trabalho de Paula Guerra. Agora, faço-o a propósito do seu livro A Instável Leveza do Rock. Génese, Dinâmica e Consolidação do Rock Alternativo em Portugal (1980-2010).

O livro tem seis capítulos, um primeiro mais teórico orientado para os campos sociais e a segmentação e a diversidade cultural urbana. O segundo capítulo dedica-se à análise dos agentes de rock alternativo no nosso país, ao passo que o terceiro trabalha as propriedades do subcampo do rock alternativo, o quarto os valores e representações do mesmo estilo musical e o quinto os campos sociais e artísticos. O último capítulo faz uma proposta do desenho do subcampo do rock alternativo entre 1980 e 2010.

O rock existe no campo musical desde a década de 1950, reunindo “um conjunto de práticas, um repertório de sensibilidades e um conjunto de expressões corporais e de emoções institucionalizadas” da música popular (p. 182). Paula Guerra estudou o rock, desde o seu começo às diferentes formas por que ele foi passando, tais como o rock psicadélico, o proto-punk, o punk, a new wave, o electro, o grunge e o indie. O rock alternativo aparece neste fio complexo, ramificado e instável.

O estudo de Paula Guerra aborda especialmente o período da década de 1980 em diante, em que em Portugal se assiste a uma movida nas cidades de Lisboa e Porto e ao aparecimento de bandas, editoras, fanzines, programas de rádio, agentes e estruturas em oposição e confronto face aos valores dominantes. A autora estuda também propostas não comerciais, em que a música é mais um gosto pessoal e menos um trabalho ou profissão, de onde realça o afastamento de lógicas e imperativos comerciais (p. 183). Algumas bandas que ela ilustra para explicar o movimento alternativo são: Mão Morta, Pop Dell’Arte, Mler Ife Dada, Bunnyranch, Wraygunn, d3ö, The Vicious Five, Linda Martini, Dead Combo, The Gift e Ornato Violeta (p. 185). Igualmente os media: Antena 3, Blitz, d’A Trompa, XFM, Som da Frente e Juramento Sem Bandeira. E ainda os radialistas António Sérgio e Henrique Amaro, o promotor Luís Montez, o músico Adolfo Luxúria Canibal e o jornalista Nuno Galopim.

Em termos de metodologias, a autora promoveu encontros com informadores privilegiados no Porto (a sua base de residência) e Lisboa – músicos, dj, promotores, editores, gestores de espaços de divulgação musical, jornalistas e investigadores (p. 47), atingindo 191 entrevistas (p. 48), com a maioria no grupo etário dos 36 aos 40 anos, dentro de uma configuração científica sociológica.

[texto concluído em 26 de Abril de 2014]

Do blogue: reflexões e actualidade sobre indústrias culturais (imprensa, rádio, televisão, internet, cinema, videojogos, música, livros, centros comerciais) e criativas (museus, exposições, teatro, espectáculos).


Carnets de recherche