Future of journalism – Call for Papers

October 17-18, 2014

10th Dubrovnik Media Days: Call for Papers

The world media are in crisis as a result of the collapse of monopolistic business model based on advertisers. New technologies have helped in this process, but also led to the emergence of a large number of media that have yet to find a profitable business model and impose as a substitute for the watchdog function of the newspapers. New technologies helped media content to be consumed quickly and on a variety of platforms. Also, media audiences no longer want to be passive. Audience wants to be found by information and to be directly involved in the production of content. At the same time, journalistic sources no longer need journalists to tell stories, and whistleblowers directly communicate with the audience. New technologies are increasing the transparency of journalism which leads to decrease in the credibility of the media and journalism in general. Due to cost cutting, journalism newsrooms are shrinking and less investigative journalism is conducted.

Possible topics include, but are not limited to, issues surrounding the following questions:

• What are the business models of media with special focus on online and mobile media?
• What are the new platforms for content distribution and their future?
• How the fragmentation of media audiences affects the media industry?
• How is the relationship between journalists and media audience changing?
• What is the future of investigative journalism?
• How to increase transparency and quality of journalistic content?
• What is the role of citizen journalism?
• What is the role of quality journalism and content specialization?

Different theoretical and empirical scientific approaches are welcome. Papers presented at the conference (after peer review) will be published in science journal Medianali. Official conference language is English. Timeline: Deadline for submission of abstracts and registration: September 1, 2014; Notification of acceptance: September 5, 2014 Registration fee for participants whose papers are accepted – 80 Euros, all others pay 150 Euros. Registration fee includes conference materials, dinner and lunch, coffee breaks. Full Papers due by November 1, 2014 (4,000-6,000 words, including 200 word abstracts and six keywords; referencing – Harvard system) Please forward as appropriate to interested parties.

The University of Dubrovnik is the “youngest” university in Croatia. It was established in 2003 [University of Dubrovnik].

750 milhões de páginas de jornais e 4,8 milhões de sítios da internet em nova sala da British Library

A nova sala de leitura da British Library para jornais e noticiários de rádio e televisão foi oficialmente inaugurada pelo Secretário de Estado do governo britânico, Sajid Javid.

BLAgora, os investigadores podem aceder à colecção nacional de notícias – 750 milhões de páginas de jornais e publicações, 4,8 milhões de sítios da internet arquivados e milhares de horas de noticiários de rádio e televisão. Trata-se do culminar de um programa de 33 milhões de libras, que incluiu a transferência de uma grande colecção de jornais impressos para um edifício construído em Yorkshire e com armazenamento robótico. A colecção nacional de jornais atinge períodos tão antigos como a Guerra Civil Inglesa e constitui um número incomparável de registos (impressos e de audiovisual) sobre a sociedade, os indivíduos, a política e os acontecimentos do dia a dia. Ao cuidado da British Library, o arquivo totaliza mais de 750 milhões de páginas de jornais e media em geral e estende-se por mais de 20 quilómetros de espaço de prateleira. Embora muitas vezes rejeitado por críticos e leitores de se tornarem o “papel de chip de amanhã”, os jornais são uma fonte inestimável para investigadores que estudam os aspectos da vida local, regional e nacional ao longo de mais de três séculos.

Entre outras facilidades, a nova sala de leitura inclui 100 secretárias e 40 aparelhos de visualização de microfilmes (texto e imagem a partir de British Library).

Os filhos do Zip Zip

Helena Matos 001Helena Matos (1961-), para este livro, serviu-se de jornais e revistas da época, com destaque para o Diário Popular, jornal que dava muita atenção ao quotidiano, Diário de Lisboa, O Século, Diário de Notícias e O Século Ilustrado, ao longo da década de 1960 e até 1974. Ela usou outras fontes, como indica no final do livro. O livro, no seu todo, resultou de trabalhos que lhe foram encomendados, em especial a consultoria histórica feita, a pedido da RTP, para a série Conta-me Como Foi. Mais recentemente, ouvi Helena Matos em trabalhos feitos para a Antena 1, onde ela comentava o quotidiano dos portugueses nos anos em volta de 1974, a propósito dos 40 anos de implantação do regime democrático no nosso país.

O título do livro, Os Filhos do Zip Zip, constitui uma referência a um programa de televisão famoso na época e que marcou uma espécie de transição ou, pelo menos, de anseio de mudança política. Esta, como sabemos, veio a fazer-se por via militar e não civil, embora abrisse caminho a uma vasta alteração na sociedade civil.

A obra Os Filhos do Zip Zip divide-se em seis partes, cada uma delas com título apelativo e que reflecte valores partilhados na época: adeus aldeia, nós por cá vamos andando, estranha forma de vida, os desejados, mundo de aventuras, conversas em família. E tem 23 capítulos, onde identifica problemas muito sentidos então: subúrbios, delitos, guerra colonial, Tempo Zip (o programa de televisão e de rádio), questões femininas, amor, rock’n'roll, juventude, notícias sobre mistérios, sangue na estrada, conversas em família de Caetano, “por motivos alheios à nossa vontade” (diapositivo mostrado quando o programa da RTP sofria alguma avaria), primavera marcelista.

Na sua biografia, Helena Matos é apresentada como antiga professora do ensino secundário e jornalista. Dessa dupla vertente de pedagoga e de construtora de notícias surge uma capacidade de expor os temas com vivacidade e mantendo uma narrativa atraente. De produtora de notícias, ela passou a analista de notícias; daí, o recurso sistemático à análise das notícias e ao seu enquadramento histórico, social e linguístico. Isso verifica-se logo na entrada do livro – “Maio de 1973: os eléctricos deixam de circular na Estrada da Luz e também em Benfica. A Casa das Gravatas vai dar lugar a um banco e no Rossio fecha o Hotel Francfort” (p. 16). Logo depois, salta (e explica) para um fenómeno então a ter uma grande expansão: o crescimento urbano para a periferia de Lisboa. Sem o explicitar no texto, ela ilustra essa expansão com um anúncio de J. Pimenta, então um construtor afamado e que ficou conhecido através do slogan “Pois, pois, Jota Pimenta”, enunciado a significar que o problema da habitação estava resolvido com os seus empreendimentos.

O texto de Helena Matos tem de ser lido todo, para nos apercebermos das ironias, dos trocadilhos, das “coisas da vida” num país pequeno, pobre e silenciado. Basta atentar num dos cartunes publicados no livro (p. 48), retirado do Diário Popular, conversa entre o merceeiro e a cliente, com aquele a dizer: “É o que eu lhe digo, D. Rita: quando havia batatas, não havia bacalhau. Agora, que há bacalhau, não há batatas”. Era o custo de vida. No Natal de 1973, foi difícil arranjar bacalhau. Suspeitava-se que havia insuficiências de distribuição ou especulação (p. 47). Numa altura assim, dizia-se que os preços estavam “pela hora da morte”, exactamente o título do capítulo 3 da obra.

Da sua bibliografia, Helena Matos escreveu o livro Salazar, em dois volumes (A Construção do Mito; A Propaganda).

Leitura: Helena Matos (2013). Os Filhos do Zip Zip. Lisboa: A Esfera dos Livros, 359 páginas

A imagem que falta, de Rithy Panh

Entre 1975 e 1979, o Cambodja viveu um regime de terror. Pol Pot e os seus Khmers vermelhos quiseram aplicar um sistema social assente na actividade rural, procurando “reeducar” toda a população da capital Phnom Penh. Panh, então com 13 anos, foi levado para um campo de trabalho com a sua família. Ele assistiria à morte dos pais e dos irmãos, vitimados pela fome e pela doença. Fugido para a Tailândia, acabou por chegar a França e, em Paris, fez formação universitária em cinema. Na década de 1990, Rithy Panh voltou ao seu país e fundou o Centro de Recursos Audiovisuais Bophana, com o objectivo de preservar o património audiovisual do Cambodja.

A imagem que falta (2013) é a reconstituição da sua vida enquanto jovem adolescente. Ele junta imagens de arquivo do próprio regime torcionário de Pot com figuras de barro (criadas por Sarith Mang), que representam os cambojanos na sua vida comum nos campos de trabalho, e narração em francês (por Randal Douc). Então, não era possível pensar ou falar, apenas agir de acordo com o imposto. Quem fugisse ao estabelecido era condenado e desaparecia, caso de uma mãe que retirou umas mangas para dar de comer à família e foi denunciada pelo filho pequeno.

O filme-documentário apresenta uma realidade violenta. A doçura e poesia das figuras de barro e dos seus movimentos e a musicalidade que acompanha algumas histórias, sem fazer esquecer a miséria e o terror, salientam mais a diferença entre liberdade e repressão.

Três dedos abaixo do joelho, de Tiago Rodrigues

O texto, representado por Isabel Abreu e Gonçalo Waddington no Teatro Maria Matos, é sobre a censura do teatro em Portugal durante a ditadura. Tiago Rodrigues (companhia Mundo Perfeito) juntou excertos de relatórios da Comissão de Censura e elementos de peças proibidas, colagem que se tornou uma obra sobre o ridículo da censura. Censurava-se porque a palavra podia surtir efeitos nefastos no público, ou porque este não estava preparado e não compreendia ou porque a actriz tinha um vestido curto e o ideal era chegar até três dedos abaixo do joelho. Os recursos dos artistas – falar baixinho, chorar, gritar, fazer de velhos caquéticos, cantar as palavras censuradas e substituídas – ampliariam esse ridículo.

Um elemento curioso: no final do espectáculo, os filhos do actor – sentados na primeira fila e rindo-se de algumas cenas – subiram ao palco e agradeceram os aplausos da assistência, como se fizessem também parte da companhia.

Sobre o Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto

Numa conferência recente no Porto, na Universidade Lusófona, a propósito de indústrias culturais e criativas, eu teci um comentário sobre o teatro na cidade. Nas semanas anteriores, eu assistira naquela cidade a algumas peças de teatro produzidas por companhias de Lisboa e do alto Minho. Para mim, uma cidade criativa tem de possuir teatro produzido nela mesma.Estava muito equivocado. Mão amiga fez-me chegar catálogos das produções do Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto, de 2010 até hoje. Em baixo, estão quinze capas de catálogos, dos quais analiso catorze (a outra foi uma representação para público infantil). Há nove encenações de Gonçalo Amorim e uma cada de Nuno Cardoso, Cláudio Silva, Bruno Bravo, António Júlio e Luís Varela. Dos autores representados, Arthur Miller teve duas peças no palco, e os outros autores uma – Eugene O’Neill, Luís Sttau Monteiro (duas encenações diferentes de Felizmente Há Luar), Ernest Hemingway, Rui Pina Coelho, John Whiting, Pau Miró, Eça de Queirós (a partir de um romance dele), Pierre Notte, Bertolt Brecht, Dea Loher e Ricardo Alves.

No último espectáculo aqui identificado (Ping Pong Pau, de Ricardo Alves, uma co-produção com o Teatro do Montemuro), representado em Fevereiro de 2014, o presidente do Círculo de Cultura Teatral, Júlio Gago, lembrava os 60 anos de actividade da colectividade, simultaneamente 15 anos de transferência do Porto para Vila Nova de Gaia e cinco anos de contratação de Gonçalo Amorim, director artístico desde 2012. Nessa mesma ocasião, o protocolo com a câmara municipal estaria em renegociação. Já no catálogo de anterior representação (As Relações de Clara, de Dea Loher), havia a indicação de edição de Actas, prevista para 2014, respeitantes a um colóquio sobre a actividade da companhia, com antigos e actuais encenadores, cenógrafos e figurinistas, além da publicação do primeiro volume de uma nova colecção de peças de teatro.

O Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto foi fundado em 1951.

Lisboa, a partir de Melody Gardot

Se Melody Gardot estivesse hoje à tarde em Lisboa, reescreveria a sua canção. A cidade estava magnífica no dia em que passam 40 anos de liberdade de expressão em Portugal.

“Lisboa, Lisboa / The sorrow of your days gone by / Now the hinterland of lovers should lay / Beneath all your vacant skies / Lisboa, Lisboa / From Alfama’s arms to Liberdade / Paper lanterns, falling embers / Quiet cantors sing of saudade / The ever twilight amber of your alleyways / Paint the air of evening oh so well / And strolls about the river bank / Suggests there’s history left to tell / Ai Lisboa / A paradise beside the sea / There’s a beauty / To the absence of tainting all your scenery / Lisboa / Lisboa e luz boa / Lisboa é Pessoa / Lisboa tem Chiado / Tem Alfama e tem Fado / Da era severa / De um tempo que já era / Nas ruas de Lisboa / Eu vou / Das tuas Colinas / Milagres e sinas / Nas praças, rainhas / Flores e Rimas /Eu vou / Lisboa /Ele, I, Esse, Be, O, A”.

Melody Gardot (New Jersey, 1985) é uma cantora e compositora de jazz americana. Influenciada pelos blues e jazz de Janis Joplin, Miles Davis, Duke Ellington e George Gershwin, e pela música latina, de Stan Getz e Caetano Veloso, ela é conhecida como a “artista acidental”, por se ter dedicado à música como forma de terapia, depois de um grave acidente, que lhe deixou diversas sequelas. Em 2011, Melody Gardot esteve seis meses em Lisboa, um lugar em que gosta de escrever e que descreve como um lugar de paz. A influência de Lisboa está bem visível no seu terceiro álbum, The Absence (2012), que inclui a canção “Lisboa” (a partir da Wikipedia). Perdoo à cantora o ritmo brasileiro, pois aprecio a melodia. Dela gosto muito de Our Love is Easy.

Mural na avenida de Berna (Lisboa)

Retiro algumas informações do texto de Marisa Soares no Público de 13 de Abril último: a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, na avenida de Berna, lançou o repto a grafitters da galeria Underdogs (Frederico Draw, Gonçalo Ribeiro Mar, Diogo Machado Add Fuel e Miguel Januário) para pintarem uma parede daquele espaço de ensino.

No meio do espaço, a figura de Salgueiro Maia, um dos heróis de 25 de Abril de 1974, a partir de uma fotografia de Alfredo Cunha. O blogueiro passou no local quando os grafitters estavam a começar o seu trabalho.

Richard Hoggart

Não fora o magnífico texto de Miguel Bandeira Jerónimo no jornal em papel Público de hoje e eu não sabia da morte de Richard Hoggart, no passado dia 10 de Abril. Hoggart seria um dos fundadores do Center for Comporary Cultural Studies, junto à universidade de Birmingham, com Raymond Williams e E. P. Thompson. O nome mais famoso do CCCS seria Stuart Hall, falecido há dois meses.

O livro marca de Hoggart, As Utilizações da Cultura, em dois volumes editados pela Presença em 1973, daria conta das transformações ocorridas na cultura da classe trabalhadora (proletária, como se lia na contracapa) após o final da II Guerra Mundial e o modo especial que se podia atribuir à influência das publicações de massa. No fundo, os volumes reflectiam o percurso dos jovens como Hoggart, vindos de classes populares para a universidade e a vida académica.

Retiro um pouco do texto de Miguel Bandeira Jerónimo: os fundadores do CCCS “deram corpo a uma renovação crítica das ciências sociais e humanas, que em muito extravasou o seu contexto nacional de produção e institucionalização, o Reino Unido. O estudo das interrelações entre o poder, a cultura e a política”. E menciono os temas dos três primeiros capítulos do primeiro volume do livro de Hoggart: definição de classe trabalhadora; tradição oral, lar e família; “nós” e “eles”.

Afectos

Começaram a 9 de Setembro de 2013. Agora, a Oficina das Almas no Teatro da ARTA (Associação Recreativa Taberna das Almas), representa Pão, no Regueirão dos Anjos, 68/70, em Lisboa. O texto é do colectivo: um grupo de detidos conta as suas histórias: memórias, relações e desejos. O amor, a inocência, a experiência de seres humanos a caminho de Marte, a vida e o desespero, a alegria e o silêncio, os poemas e a escuridão. Nem todas as histórias possuem a mesma densidade, pois umas são mais saborosas do que outras, mas ficou a generosidade daquele conjunto de artistas. E os gestos (achei deliciosa a viagem de autocarro), os abraços, a partilha de sonhos, o deixar cada um falar por sua vez para chegar a uma conclusão aceite, à volta de uma mesa, a vontade de manter a liberdade, as referências irónicas à tecnologia (que parece preparar os jovens com futuro assegurado e asséptico). Na representação, leram-se os poemas Ode ao Pão, de Pablo Neruda, e A Casa, de Vinicius de Moraes.

No fim da representação, actores e actrizes estavam satisfeitos, a explicar ao público como tudo começara e se fizeram as ligações dos textos. E uma das jovens actrizes, com um chapéu, como se pertencesse a um grupo de saltimbancos, pediu pão ao público generoso; afinal, o espectáculo era gratuito e um apoio monetário ajuda sempre.

Direcção e encenação: Cândido Ferreira, João Jorge Meirim e Nicolas Brites. Com: António Figueiredo Marques, Catarina Carvalho, Eduarda Manso, Ethel Feldman, Geny Neto, João Raimundo, João Jorge Meirim, Mónica Paulo, Sara Teles e Vanda Guerreiro.

Uma nota suplementar e que não tem a ver com a representação: já não ia aquele espaço desde que a associação Abril em Maio saiu. Veio a recordação de estantes cheias de livros, folhas policopiadas, sessões de teatro, muitos voluntários de uma cultura alternativa. Porque estamos a passar de Abril a Maio, e devido à memória histórica, fica aqui a minha impressão.

Públicos de cultura no Brasil

“Na última quarta-feira (9/4), o Sesc e a Fundação Perseu Abramo apresentaram os números preliminares da pesquisa Públicos de Cultura – Hábitos e Demandas. O objectivo era ampliar o conhecimento sobre o público e orientar acções do sector. Para isso, foram investigados o comportamento, a disponibilidade e a frequência com que os entrevistados consomem ou produzem cultura, em 139 municípios em área urbana de 25 estados, das cinco regiões do país. Alguns resultados chamam a atenção, em especial os que dizem respeito ao que não está no leque de actividades culturais dos entrevistados: 61% nunca foram a uma peça de teatro em qualquer local (61%) e 57% nunca assistiram uma peça no teatro; 75% nunca foram a espectáculos de dança ou balé no teatro; 71% nunca estiveram em exposições de pintura, escultura e outras artes em museus ou outros locais; 89% nunca foram a um concerto de ópera ou música clássica em sala de espectáculo e 83% em qualquer outro local; e 70% nunca foram a uma exposição de fotografia. Os motivos para a não frequência a essas actividades se equilibram entre o não gostar e o não existir algumas delas na cidade. É considerável a proporção de respostas que indicam o fato de não terem costume e/ou não acharem interessantes/importantes alguns desses tipos de actividades. 26% dos entrevistados afirmam que não gostam de exposições artísticas e outros 26% que não sabem ou nunca foram a uma” (fonte de partida: Cultura e Mercado. Ler o estudo aqui, uma pesquisa realizada pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Fundação Perseu Abramo).

João Paulo Guerra

Foi hoje ao final da tarde que João Paulo Guerra recebeu o Prémio Igrejas Caeiro da Sociedade Portuguesa de Autores (rádio), pela qualidade e extensão da sua carreira como homem de rádio. 51 anos de carreira, recordou o premiado num discurso emocionado. Ele viu colegas com quem já não se cruzava há muito mas que estavam ali a vê-lo, no que foi chamado a tribo da rádio. João Paulo Guerra trabalha presentemente na Antena 1, onde todos os dias de manhã (cerca das 8:20) faz uma leitura atenta – e também bem humorada e recheada de referências culturais e gastronómicas – dos jornais da manhã.

Manifesto aqui a minha grande simpatia pelo jornalista e radialista. Há pouco mais de dois anos entrevistei-o (e a muitos mais homens da rádio) para um trabalho ainda não publicado e que me tem ocupado todo o meu tempo livre.

O rock na perspectiva de Paula Guerra

Já escrevi aqui e aqui sobre o trabalho de Paula Guerra. Agora, faço-o a propósito do seu livro A Instável Leveza do Rock. Génese, Dinâmica e Consolidação do Rock Alternativo em Portugal (1980-2010).

O livro tem seis capítulos, um primeiro mais teórico orientado para os campos sociais e a segmentação e a diversidade cultural urbana. O segundo capítulo dedica-se à análise dos agentes de rock alternativo no nosso país, ao passo que o terceiro trabalha as propriedades do subcampo do rock alternativo, o quarto os valores e representações do mesmo estilo musical e o quinto os campos sociais e artísticos. O último capítulo faz uma proposta do desenho do subcampo do rock alternativo entre 1980 e 2010.

O rock existe no campo musical desde a década de 1950, reunindo “um conjunto de práticas, um repertório de sensibilidades e um conjunto de expressões corporais e de emoções institucionalizadas” da música popular (p. 182). Paula Guerra estudou o rock, desde o seu começo às diferentes formas por que ele foi passando, tais como o rock psicadélico, o proto-punk, o punk, a new wave, o electro, o grunge e o indie. O rock alternativo aparece neste fio complexo, ramificado e instável.

O estudo de Paula Guerra aborda especialmente o período da década de 1980 em diante, em que em Portugal se assiste a uma movida nas cidades de Lisboa e Porto e ao aparecimento de bandas, editoras, fanzines, programas de rádio, agentes e estruturas em oposição e confronto face aos valores dominantes. A autora estuda também propostas não comerciais, em que a música é mais um gosto pessoal e menos um trabalho ou profissão, de onde realça o afastamento de lógicas e imperativos comerciais (p. 183). Algumas bandas que ela ilustra para explicar o movimento alternativo são: Mão Morta, Pop Dell’Arte, Mler Ife Dada, Bunnyranch, Wraygunn, d3ö, The Vicious Five, Linda Martini, Dead Combo, The Gift e Ornato Violeta (p. 185). Igualmente os media: Antena 3, Blitz, d’A Trompa, XFM, Som da Frente e Juramento Sem Bandeira. E ainda os radialistas António Sérgio e Henrique Amaro, o promotor Luís Montez, o músico Adolfo Luxúria Canibal e o jornalista Nuno Galopim.

Em termos de metodologias, a autora promoveu encontros com informadores privilegiados no Porto (a sua base de residência) e Lisboa – músicos, dj, promotores, editores, gestores de espaços de divulgação musical, jornalistas e investigadores (p. 47), atingindo 191 entrevistas (p. 48), com a maioria no grupo etário dos 36 aos 40 anos, dentro de uma configuração científica sociológica.

[texto concluído em 26 de Abril de 2014]

Eugénia Lima

A acordeonista Eugénia Lima, de 88 anos, morreu ontem ao final da tarde, na sua residência, em Rio Maior.

Retiro uma informação da página do Diário de Notícias:

EL“Eugénia Lima, filha de um afinador de acordeões, estreou-se aos quatro anos no Cinema-Teatro Vaz Preto, em Castelo Branco. Profissionalmente, a sua estreia data de 1935, no Teatro Variedades, em Lisboa, no elenco da revista Peixe-Espada. A acordeonista tornou-se um caso de sucesso e, em 1943, começou a gravar a solo, tendo registado ao longo da carreira, mais de uma dezena de discos em que gravou temas populares, de diversos compositores, versões para acordeão e várias composições de sua autoria. Em 1947 venceu o concurso de acordeonistas da Emissora Nacional e, em 1956, fundou a Orquestra Típica Albicastrense. Com a orquestra e a solo, a acordeonista que se tornou popular com temas como Picadinho da Beira, Minha vida e Fadinho de Silvares, percorreu o país e os palcos internacionais. Tendo-lhe sido recusada a entrada no Conservatório Nacional de Lisboa, aos 13 anos, aos 55 recebeu o diploma do Curso Superior de Acordeão, na categoria de Professora, pelo Conservatório de Acordeão de Paris”.

Eugénia Lima seria famosa entre as décadas de 1940 e 1960. Abaixo, publico dois programas de Serões de Trabalhadores onde ela actuou, enquadrada no conjunto dos mais importantes artistas da época.

“2 de Janeiro de 1960 (sábado) – Serão para Trabalhadores organizado pela Emissora Nacional e pela FNAT dedicado ao CAT da Casa Olaio e transmitido do ginásio do Liceu de Camões. Das 21:45 às 22:30 (conjunto Shegundo Galarza, clarinetista espanhol Jaime Peres, José Manuel, Maria Marice, Alberto Ramos e a acordeonista Eugénia Lima) e das 22:45 às 23:30 (orquestra ligeira dirigida por Tavares Bello, Elsa Vilar, Manuel Serrano, Paula Ribas, Rui de Mascarenhas, Cristina Maria, Madalena Iglésias e Coro Feminino”.

“16 de Janeiro de 1960 (sábado) – Serão para Soldados dedicado ao Regimento de Infantaria 14, e transmitido do Teatro de Viseu (gravação: dia 13, 4ª feira). 1ª parte (21:45 às 22:30) – orquestra ligeira dirigida por Tavares Bello, Alice Amaro, António Calvário, Maria Fernanda Soares, Trio Lifer (acordeões) constituído por Eugénia Lima, Fernando Ribeiro e Fernanda Guerra e Maria Clara, 2ª parte (22:45 às 23:30) – orquestra ligeira dirigida por Tavares Bello, Maria do Espírito Santo, Margarida Amaral, Maria de Fátima Bravo, Guilherme Kjolner e Maria de Lurdes Resende”. Observação: cada cantor(a) cantava uma a duas canções.

No VIII Festival Hispano-Português da Canção do Douro, de 13 a 15 de Agosto de 1967, organização do Palácio de Cristal, Porto, actuaria Eugénia Lima, com o valor de 1000$00 (valor médio ultrapassado apenas pelas estrelas da época Simone de Oliveira, José Viana e Teresa Tarouca, pagos com 1500$00).

Recorde-se que o salário médio na indústria e nos transportes em 1965 estava fixado em torno de 49$30 diários em Lisboa e 31$70 no Porto.

O dia em que Paulo Pires e Rui Zink cozinharam cavala

Hoje de manhã, realizou-se um workshop no mercado 31 de Janeiro, cujo objectivo foi cozinhar cavala. O ator Paulo Pires, o escritor e professor universitário Rui Zink e outros cozinheiros estiveram a fritar aquele peixe e a preparar arroz para o acompanhar. A actividade inseriu-se na campanha em curso de dinamização dos mercados da cidade de Lisboa.

A chef Patrícia Borges, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (Peniche), do Politécnico de Leiria, conduziu o workshop e deixou a receita de filetes de cavala, como se mostra abaixo.

Portugal e a Eurovisão. 50 anos de canções (1964-2014)

Portugal e a Eurovisão. 50 Anos de Canções (1964-2014) foi um pequeno livro de Jorge Mangorrinha lançado e apresentado na Sociedade Portuguesa de Autores, num projeto alargado à Hemeroteca Municipal, RTP e Universidade Lusófona. O livro foi o pretexto para juntar artistas que concorreram a festivais em representação de Portugal, como António Calvário, que esteve no primeiro festival em 1964.
Para Mangorrinha, o trabalho foi feito sem preconceitos, onde se aborda um tema até agora arredado dos estudos universitários: a música ligeira e os seus cantores. Para ele, o festival é um grande acontecimento na música portuguesa, pelo número de pessoas reunidas na sua efectivação, pela promoção do país neste evento anual na Europa e pelas características das canções, pelo papel da televisão pública e pela necessidade de partenariado em edições próximas.
No livro, escreve o autor: “Naquele domingo, pouco depois das 22:30, o realizador Raul Ferrão mandou avançar uma câmara para Maria Helena Fialho Gouveia e Henrique Mendes, e estes iniciaram a apresentação do primeiro festival, que contou com 12 canções na final (das 127 submetidas) defendidas por António Calvário, Artur Garcia, Madalena Iglésias, Simone de Oliveira, Gina Maria e Guilherme Kjolner”.
A música, foi dito neste encontro, representa 3% do PIB nacional, sendo comparada com a actividade do futebol, que representa 1,5%. Em nome dos artistas, António Calvário recordou a importância da orquestra ao vivo a acompanhar o cantor no festival da Eurovisão onde esteve e as perguntas dos jornalistas que lhes foram dirigidas sobre o regime de Salazar. Tozé Brito, que presidia à sessão, falou da dicotomia entre o envolvimento de compositores e artistas e o seu afastamento versus canais de televisão público e privados. Na época em que António Calvário ou Madalena Iglésias cantavam, havia um só canal e a preto e branco, hoje há múltiplas opções. A uma pergunta sobre a visibilidade dada pela RTP, um responsável desta empresa, José Poiares, lembrava exactamente a concorrência audiovisual como elemento de diluição do impacto do género televisivo.

A Hemeroteca Municipal colocou a partir de hoje muita informação sobre a matéria, e que pode ser consultada a partir desta ligação: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/EFEMERIDES/festival/festivaldacancao.htm, de onde retiramos as páginas da publicação Rádio & Televisão, nº 395, de 28 de Março de 1964, pp. 6-7.

International Conference Freedom of Information Under Pressure. Control – Crisis – Culture

28th of February and 1st of March 2014, Vienna, Austria. “The University of Vienna, the transform!at Association and the Critical Librarians Association (KRIBIBI) are pleased to invite you to the International Conference on «Freedom of Information under Pressure. Control – Crisis – Culture», which will take place in Vienna on the 28th of February and 1st of March 2014 at the Kuppelsaal of the Vienna Univesity of Technology, which is situated at the centre of Vienna at Karlsplatz 13, 1040. This conference will gather more than 30 international speakers (academics, media practitioners, librarians, experts of open culture and public space, activists and policy makers) from Austria, Bulgaria, Germany, Greece, Spain, Sweden and United Kingdom and will call for an open discussion on the challenges of freedom of information in the light of the recent surveillance revelations and the increase in censorship and prosecutions of media, journalists and whistle-blowers in Europe and beyond. The event has been endorsed and supported by the Mayor and Governor of the city of Vienna, as well as by a number of organisations and institutions, such as the Association of European Journalists, the Centre for Freedom of the Media of the University of Sheffield, the International Press Institute and the University of Westminster. Keynote and plenary speakers include: Gill Phillips (Director of Editorial Legal Service, The Guardian, United Kingdom), Augoustine Zenakos (Investigative Journalist, UNFOLLOW magazine, Greece), Mariniki Alevizopoulou (Investigative Journalist, UNFOLLOW magazine, Greece), Christian Fuchs (Professor of Social Media, University of Westminster, United Kingdom), Joachim Losehand (Scholar, VIBE!at, Austria), George Katrougalos (Professor, Democritus University of Thrace, Greece), Wolfgang Hofkirchner (Professor, Vienna University of Technology, Austria), Erich Möchel (Journalist, ORF, Austria. The event is public, open to everyone and free, but registration is essential”. If you would like to attend, you can register at: http://freedom-of-information.info/en/28-registration/18-registration-form.

Inauguration lecture Christian Fuchs: Social Media and the Public Sphere

“Social media has become a key term in Media and Communication Studies and public discourse for characterising platforms such as Facebook, Twitter, YouTube, Wikipedia, LinkedIn, WordPress, Blogspot, Weibo, Pinterest, Foursquare and Tumblr. This lecture will discuss the implications of social media for power structures in society, the economy and politics. The lecture will first discuss the question “What is social about social media?”. Providing answers requires a social theory understanding of what it means to be social. The lecture will explore different concepts of the social and relate them to the realm of the media. Social media are an expression of the tendency that in contemporary society boundaries become liquid. The distinctions between the private and the public, play and labour (playbour, digital labour), work and leisure, production and consumption (prosumption), individual and collective action, online and offline, networking and autonomy, spatial distance and co-presence, anonymity and knowledge, presence and absence, appearance and disappearance, and visibility and invisibility, are blurring. This lecture will discuss what risks and opportunities these changes imply for society. Many political and academic discussions about the implications of social media for society are concentrated on the question of whether social media enhance or endanger various dimensions of the public sphere. Whereas some say that social media make the economy more democratic and have been used as tools of revolutions and democratisation (‘revolution 2.0’, ‘Twitter/Facebook revolution’), others hold that social media are first and foremost instruments of control and commerce. The lecture will engage with Habermas’ concept of the public sphere and discuss social media’s variety of implications for the structural transformation of the public sphere. Whereas we are accustomed to the idea of public service broadcasting, an understanding of how a public service internet could look and be advanced is largely missing. This lecture wants to contribute to the public discussion of how the social dimension of the internet and the media can serve the public interest, the concept of a public service internet and how ideas for specific organisation, policy and funding models could look like”. Wed. Feb 19, 2013, 18:00. Univ. of Westminster, Regent Street Campus. More information is available here: http://www.westminster.ac.uk/news-and-events/events/inaugural-lectures/2014/social-media-and-the-public-sphere.

Do blogue: reflexões e actualidade sobre indústrias culturais (imprensa, rádio, televisão, internet, cinema, videojogos, música, livros, centros comerciais) e criativas (museus, exposições, teatro, espectáculos).


Carnets de recherche