Boas pessoas

David Lindsay-Abaire nasceu num bairro operário em Boston sul em 1969. Conseguiu uma bolsa de estudos do Boy and Girls Club e iria estudar para a Milton Academy e, depois, as universidades nova-iorquinas de Sarah Lawrence e Julliard. No final da década de 1990 começou a trabalhar como autor dramático e ganhou um Pulitzer para o Teatro (2007).

A peça Boas Pessoas pode ser a obra mais autobiográfica do autor. Daniel (Pedro Laginha) sairia do bairro operário de Boston Sul e estudaria medicina. Depois voltou à cidade mas instalou-se numa zona rica. David Lindsay-Abaire também parece viver uma espécie de emigrante ou estrangeiro – não sendo de Boston ou de Nova Iorque ou de outra cidade onde viva.

Voltar a Boston para ver o bairro e as transformações entretanto ocorridas reflete-se no modo como o autor arquiteta a sua história, em que Margarida (Maria João Abreu), amiga de infância e namorada (dois meses), procura Daniel para pedir emprego. Ela tinha uma filha já adulta, nascida prematura e ainda dependente da mãe. Isso levava Margarida a chegar consecutivamente atrasada ao emprego, até ser despedida através do encarregado Sérgio (Luís Lucas Lopes) da loja de „Tudo a um Euro“. A história junta ainda duas personagens que pertencem ao círculo próximo de Margarida: Júlia ou Ju (numa voz portentosa de Sílvia Filipe), amiga íntima, e Dulce (Irene Cruz), senhoria e também confidente da primeira. Só pelas cenas passadas no bingo entre as três mulheres, a que se junta Sérgio, a peça merece ser vista. Há ainda uma longa cena em casa de Daniel, com a mulher deste, Catarina (Leonor Seixas), com a presença de Margarida, convidada para um festa entretanto anulada. Destaco ainda a encenação (Marta Dias), o cenário (Catarina Barros) e os figurinos (Dino Alves), além dos sete coelhos, pela coreografia e pelo desempenho na mudança de cenários.

David Lindsay-Abaire julgava que a sua peça teria um curto período de tempo e que se apagaria rapidamente. Mas a crise financeira relevou as desigualdades sociais e económicas e criou grandes níveis de desemprego nos Estados Unidos, como se verifica também em Portugal, o que mantém uma grande atualidade. Na peça, Daniel não valoriza o fator sorte mas considera que o que lhe aconteceu foi resultado do seu esforço, o que não aconteceu com Margarida. Aqui, faço um novo paralelo entre autor e personagem: só há pouco tempo é que David Lindsay-Abaire descobriu que a bolsa se destinava a premiar um atleta, coisa que ele não era – o que ilustra o fator sorte. Claro que a isto devemos juntar a perseverança dele.

A peça tem momentos sérios, pois trata de problemas sérios, mas a forma como se apresentam os diálogos, o tom irónico colocado em muitas das situações, levam a que a mensagem seja recebida pelo espectador de modo agradável. Afinal, Boas Pessoas leva-nos para o que as pessoas são mas também para os seus discursos. Uma coisa é o que o indivíduo é, outra é o que ele julga ser e o como os outros o veem.

Adenda (em 18 de janeiro de 2016): Sobre a atriz principal e a encenadora, ler aqui artigo do Diário de Notícias.

“A rádio não tem emissão educativa. É essencialmente distração”. Da tradição à modernidade radiofónica (1961-1969)

„O texto faz a análise de diversos elementos que contribuíram para as grandes alterações do panorama radiofónico português ao longo da década de 1960. Entendo que as mudanças nesse período agitaram a rádio mas confirmaram-na como um meio muito robusto, apto a inovações e criação de novos públicos. No trabalho, são estudados alguns intervenientes na cena radiofónica (realizadores, escritores, locutores), programas, produtores independentes e relação da atividade de rádio com a produção de fonogramas.Não é objeto do texto o arranque do jornalismo radiofónico em 1961 nem a novidade provocada pela programação de FM“. Para ler o texto completo, carregar aqui. Texto apresentado em 28 de fevereiro de 2012.

Companhia Mascarenhas-Martins (Montijo)

No sábado dia 16 de janeiro, a Companhia Mascarenhas-Martins apresenta-se ao público como nova estrutura de produção artística sediada no Montijo e com o objetivo de desenvolver trabalho profissional nas áreas do teatro, cinema, música, literatura e artes plásticas. Em 2016, seu primeiro ano de actividade, a nova companhia tem nos seus planos apresentar dois espectáculos de teatro baseados em textos originais, produzir um documentário e organizar conversas sobre a importância de fundar e manter estruturas artísticas. Na primeira apresentação pública, partilhar-se-á com os espectadores alguns dos motivos que levaram à fundação da nova estrutura, numa reflexão para a qual foram convidados os responsáveis por algumas das mais antigas companhias de teatro em atividade. A conversa, na Casa Mora (Montijo), com início marcado para as 16:00, será uma reflexão sobre a importância de fundar e manter estruturas artísticas profissionais, com a participação de João Brites (O Bando), Luís Miguel Cintra (Teatro da Cornucópia), João Lourenço e Vera San Payo de Lemos (Teatro Aberto). À noite, pelas 21:30, o concerto de Maria Mascarenhas e Levi Martins, que interpretarão canções de várias épocas e origens, num concerto intimista e descontraído (texto e imagem fornecidos pela organização).

OPPIA

OPPIA significa Oporto Picture Academy, fica na rua Barão de S. Cosme, 228, no Porto, e abriu ontem com uma exposição de fotografias pinhole, Sol à Sombra, o sonho de Cristiano Pereira, e Os Retratos dos Poetas das Quintas de Leitura, de Patrícia Vieira Campos. Eu fora alertado por texto publicado no jornal Público do dia 28 deste mês, e fiquei a conhecer o projeto que associa fotografias pinhole [ou estenopeica], fotografias à la minute e películas super8, tudo formatos analógicos. Na cave, há espaço para formação, revelação de filmes e uma pequena biblioteca temática. Cristiano Pereira já fez um festival internacional de cinema de super8, no Porto, e passou em diversas universidades europeias com mostras dessas películas.

Évora

Big bands, jazz bands, pequena orquestra onde os sopros tinham importância mas o piano estava lá atrás, como grande instrumento. Como seria o café Arcada, na praça do Giraldo, desde 14 de fevereiro de 1942, quando abriu? Socorro-me do sítio Viver Évora (texto de José Frota): „«considerado um dos melhores do País, com mais de 100 mesas, possuindo frigorífico e outras inovações modernas», foi tida como um acontecimento social de grande impacto no quotidiano citadino. Iniciativa conjunta de António Justino Mexia da Costa Praça, Basílio da Costa Oliveira, Celestino Costa e António Borges Barreto, quatro dos maiores comerciantes eborenses, o estabelecimento foi inaugurado com um «jantar à americana (para famílias)», sendo obrigatório o uso de «trajo de passeio». As inscrições para o repasto efectuaram-se no próprio café ou através do telefone 357, permitindo a selecção dos clientes, que no final brindaram com champanhe e ouviram actuar a Orquestra de Jazz Luz e Vida em «alguns números do seu seleccionado reportório», como salientava o relato do Notícias d’Évora„.

Continuo a ler no sítio: „Nos primeiros tempos o Arcada foi frequentado pela burguesia local, pequenos grupos de intelectuais, gente do reviralho, profissionais liberais e estudantes liceais. Os latifundiários e os agricultores frequentavam o Café Camões, à Porta Nova. Mas com a perda de centralidade desta zona e o acrescido ganho de importância da Praça do Giraldo, estes passaram a tomar de assalto o Arcada às terças-feiras, dia do mercado semanal. Em plena Praça e no interior do Café se discutiam e apalavravam negócios, tendo ali chegado a funcionar uma informal bolsa de gado. No seu romance Aparição, o escritor Vergílio Ferreira relata bem o ambiente do Café Arcada quando nele entrou pela primeira vez em 1946, colocando a sua visão na boca do protagonista Alberto Soares. «… acabámos por marcar o encontro para o dia seguinte no Arcada sem que o Moura se lembrasse de que era uma terça-feira, ou seja dia de mercado»“.

Para além da porta giratória de acesso pela praça do Giraldo, fascina-me a enorme fotografia da orquestra. Que conhecimentos tinham aqueles músicos? Que temas principais tocavam? Dançava-se com a sua música? Formou-se um público fã? Quanto tempo durou aquela alegria?

Os jornalistas vão desaparecer?

Leio agora no Diário de Notícias: „O número de profissionais com carteira desceu de 6839 para 5621 entre 2007 e 2014. Portugal perdeu 1218 jornalistas em sete anos, segundo dados da Comissão da Carteira Profissional de Jornalista (CCPJ). O número profissionais ativos desceu de 6839 para 5621, entre 2007 e 2014, o equivalente a um declínio de 17,8%. Estes resultados devem-se ao „crescimento assustador do desemprego“, de acordo com Rosária Rato, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas e representante da CCPJ“. O estudo pode ser consultado, na íntegra, na página do Observatório Europeu do Jornalismo.

Que poderei dizer aos meus alunos em abril do próximo ano quando começar a lecionar Estudos de Jornalismo?

Quando a rádio mandava na RTP

O Diário Popular, de 31 de março de 1968, publicava uma notícia sobre a assembleia-geral da RTP. Os corpos gerentes eram: a presidente da assembleia-geral o Posto Emissor de Radiodifusão do Funchal, o Conselho de Administração tinha elementos de Rádio Clube Português e Rádio Renascença e Manuel Bivar (diretor técnico da Emissora Nacional) e o Conselho Fiscal tinha elementos de Rádio Clube de Moçambique e dos Emissores do Norte Reunidos. Por Rádio Clube Português, estava Alberto Lima Basto, falecido pouco depois e substituído por Júlio Botelho Moniz.

Sonia Delaunay na Gulbenkian

O painel mural que Sonia Delaunay fez para o pavilhão dos caminhos de ferro na Exposição Internacional de Paris em 1937 Étude pour Portugal tinha cerca de 18 metros de comprimento. Após a exposição três dos quatro painéis desapareceram. Por isso, causa espanto a sua reconstituição na presente exposição na Gulbenkian, O Círculo Delaunay (Sonia e Robert Delaunay), onde aparecem também obras de Amadeu Sousa-Cardoso, Eduardo Viana e José Almada Negreiros. Sonia e Robert Delaunay viveram em Portugal entre agosto de 1915 e dezembro de 1916.

Cores vivas, círculos rodeando as figuras – mulheres do Minho, cenas de trabalho no mercado, um carro de bois, elementos de azulejaria, parece-me que também uma pequena capela. A exposição tem ainda quadros representando mulheres que vendem laranjas, cantoras de flamenco. E L’Hommage au Donateur (1916), da coleção Centre Pompidou, Paris.

A Quinta Avenida de Lisboa

Segundo o jornal Público, em texto editado hoje, „Dois quadros descobertos em 2009 originaram um livro sobre Lisboa quinhentista e a Rua Nova dos Mercadores. Naquela artéria confluíam produtos do império e gentes de todo o mundo, transformando a capital portuguesa numa cidade global“. O sugestivo título do texto é A Quinta Avenida do Século XVI. Continuo a seguir o texto de Nicolau Ferreira: „No século XVI, a Rua Nova dos Mercadores era uma pequena babel. Nos seus edifícios, moravam italianos, flamengos, andaluzes, portugueses. Enquanto isso, naquela rua da Baixa de Lisboa, cristãos-novos, judeus estrangeiros, escravos vindos de 20 nações africanas, escravos árabes passeavam-se, muitos faziam trocas comerciais. É esta a realidade trazida à superfície no livro recentemente editado no Reino Unido The global city. On the streets of the renaissance Lisbon (A Cidade Global – Nas Ruas da Lisboa Renascentista), editado pelas historiadoras Annemarie Jordan Gschwend, do Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar, a trabalhar na Suíça, e Kate Lowe, da Universidade Queen Mary de Londres“. A obra, continua a ler-se, teve como ponto de partida dois quadros descobertos numa mansão inglesa, em Oxfordshire, e que as autoras do livro dataram entre as décadas de 1570 e 1620.

Imprensa empresarial em discussão

João Moreira dos Santos foi o curador da exposição patente na Biblioteca Nacional. Hoje, no seminário organizado pela SOPCOM e pela APCE, ele foi um dos oradores, traçando a história da imprensa empresarial em Portugal em dois tópicos centrais: censura e politização. Deu exemplos de jornais de empresa do tempo do Estado Novo, que exibiam a indicação „visado pela censura“, como outro meio de informação qualquer. O orador destacou três tipos de censura: de conteúdo (prévia), do editor (autorização estatal do lugar de editor) e diretor (autorização estatal do lugar de diretor). A censura seria centralizada no SNI em 1944. O segundo elemento apresentado por João Moreira dos Santos foi o da politização, no Estado Novo com o elogio público das figuras gradas do regime, com fotografias publicadas em jornais de empresa, e já nos primeiros anos da democracia com o apoio à revolução e tendo como editores comissões de trabalhadores ou outras estruturas de participação dos trabalhadores.

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (4)

Neste texto de Álvaro Andrade, editado no Diário Popular de 25 de agosto de 1970, o tema foi a locução radiofónica. Olavo d’Eça Leal era uma personalidade multifacetada: crítico de cinema, desenhador, pintor. E entrou para a Emissora Nacional como locutor mas também autor de múltiplos diálogos, que alimentou ao longo de décadas de profissão. Um dos textos iniciais dele foi A Voz da Rádio (depois título de livro e que eu aproveitei, numa espécie de homenagem, no título de livro que publiquei em 2005, mas com a frase no plural). Olavo diria que nem sempre o locutor era compreendido pelos ouvintes, às vezes engana-se (por exemplo, pronuncia mal as palavras), precisa de longo tempo para se formar numa escola de locutores, dada a profusão de conhecimentos a aprender, e tem um ordenado que apenas chegava para viver decentemente.

Álvaro Andrade, também funcionário da Emissora Nacional e chefe de redação em Rádio Semanal à época, desempenhou o papel de crítico do cronista. Não seria melhor ele pedir aumento de salário diretamente ao presidente da Emissora Nacional?

Nacionalização da rádio foi há 40 anos

Foi a 2 de dezembro de 1975 que o decreto-lei 674-C/75 determinou a nacionalização da rádio em Portugal, acabando com marcas como Rádio Clube Português e Emissores Associados de Lisboa.

O preâmbulo do decreto é muito estranho. Começava por referir as telecomunicações para chegar à rádio, indicando o uso, em condições de precária eficácia, de 34 das 121 frequências de onda média internacionalmente disponíveis. Mais à frente formulava que a quase totalidade dos países europeus concedia exploração da radiodifusão a uma única empresa, destacando países como a Alemanha Democrática, a Checoslováquia, a Hungria e a Rússia, países então com regimes de partido único, e esquecendo a Inglaterra e a Alemanha Federal. A somar à explicação preambular, o articulado apresentava razões de ordem técnica, económica e política.

Ora, a única razão plausível para o decreto-lei fora a última – a política. Isso lia-se mais à frente, de modo cristalino: „é manifesto que tem estado longe de exemplar o comportamento da generalidade das nossas estações emissoras. Apaixonadas e parciais, onde lhes cumpria que fossem serenas, objetivas e isentas, não raro panfletárias, têm chegado por vezes ao extremo limite dos convites à sedição. […] O Conselho de Revolução e o Governo não poderiam continuar a assistir, sem uma adequada intervenção, à natureza verdadeiramente contrarrevolucionária de algumas das nossas estações emissoras, pese isso à bem intencionada generosidade de alguns dos seus agentes“.

Pelo decreto-lei, eram nacionalizadas, à exceção de Rádio Renascença – por causa da Concordata com a Santa Sé – as estações Rádio Clube Português, Emissores Associados de Lisboa, Sociedade Portuguesa de Radiodifusão e Alfabeta. Nascia a Empresa Pública de Radiodifusão, que incluía a Emissora Nacional.

A nacionalização estava prevista desde meados de 1974. Depois, desde setembro de 1975 tornava-se evidente a falta de controlo político da informação, em especial após a tomada de assalto da embaixada de Espanha. Nos dias antes do golpe militar, era visível a perturbação e o aumento de tensão entre os que triunfaram e os que perderam nesse dia. A possibilidade de guerra civil aumentava, com sedes de partidos políticos assaltadas e grupos de revolucionários a guardarem as rádios. O emissor da Rádio Renascença explodira. A Emissora Nacional passou a emissão para o Porto, mas alguns trabalhadores ficaram na rua do Quelhas, a guardar não se sabe muito bem o quê. O móbil direto da nacionalização foi, assim, o golpe militar de 25 de novembro de 1975. Como resultado, só na Emissora Nacional, a purga atingiu cinquenta profissionais, alguns despedidos e outros suspensos.

Duas notas suplementares, a primeira das quais referida no Diário de Notícias, de 31 de outubro de 1975, em que trabalhadores do Ministério da Comunicação Social expressaram voto de desconfiança em Ferreira da Cunha, secretário de Estado da Informação. Um comunicado ligava-o à ditadura derrubada em 25 de abril de 1974, tendo colaborado diretamente com o CDI (Centro de Documentação Internacional), criado em 1966 pelo ministro da Educação e elaborado relatórios com informações fornecidas pela PIDE e pela Legião Portuguesa. O CDI tinha um ficheiro de estudantes universitários. Ferreira da Cunha era colaborador antigo de Costa Gomes, então presidente da República, desde o tempo em que este fora chefe de estado maior das Forças Armadas antes de 1974, o que pode limitar a pressuposição lançada em outubro de 1975.

Outra nota vinha igualmente no Diário de Notícias, de 9 de setembro de 1975, referindo um dissídio na Emissora Nacional no setor desportivo. Em comunicado, “consideram os trabalhadores dos Serviços Informativos e dos Estúdios da Emissora Nacional que o fenómeno desportivo implica um tratamento radiofónico (relatos, elaboração de programas, etc.) que só poderá resultar capaz, se feito por especialistas. A especialização que os signatários reivindicam é facilmente comprovada pela incapacidade dos «repórteres desportivos (?)» que no passado domingo asseguraram a Tarde Desportiva. Consideram, portanto, os subscritores que a função do repórter desportivo (relator) nada tem a ver com a função de locutor, pelo que os serviços desportivos que realizarem deverão ser justamente remunerados, já porque não fazem parte das suas obrigações como locutores, já porque o contrário seria exploração do seu trabalho”. Mais à frente: “Diz o Departamento de Informação (?) que não foi possível resolver doutro modo o conflito de trabalho e que optou pelo recurso a novos elementos, na sua grande parte pouco experimentados, pedindo depois compreensão dos ouvintes para as suas deficiências e acreditando na melhoria da qualidade”. O país estava muito estranho – e perigoso.

O preâmbulo do decreto-lei 674-C/75 estava errado, o que significa: assente em bases falsas. Ao indicar o uso de 34 das 121 frequências de onda média internacionalmente disponíveis. em condições precárias, ignorava a existência e aceitação, desde décadas, desse conjunto de estações. A União Europeia de Radiodifusão zelava bem pela distribuição das frequências em ondas médias, além de que o decreto ignorou totalmente a existência da frequência modulada, que estava a popularizar-se. Mau grado a menor qualidade de emissões das estações minhocas (caso dos Associados de Lisboa), a rádio foi marcada por forte censura durante o Estado Novo. Mas a rádio no geral soube inovar. Rádio Clube Português, por exemplo, foi a primeira estação portuguesa a emitir 24 horas diárias sem interrupção em 1963, pioneira face a vários países europeus como a Inglaterra. Goste-se ou não, a Emissora Nacional criou um estilo musical com o seu Centro de Preparação de Artistas da Rádio – o designado nacional-cançonetismo. A Rádio Renascença criou uma boa rede de emissores em FM que chegava a todo o país. A geração de programas como Em Órbita ou Página 1 e seus locutores e colaboradores não pode ser ignorada neste balanço.

A lei acabou com os excessos, como passar, numa mesma emissão do Programa da Manhã, oito vezes A Internacional [Fernando Serejo (2001). “Rádio – do marcelismo aos nossos dias (1968-1990)”. Observatório, 4: 65-95]. Mas criou uma empresa de radiodifusão excessiva: 2600 trabalhadores e património que incluía um cinema (Nimas), uma editora discográfica (Imavox) e uma exploração agrícola. Se juntar foi complicado, mais difícil foi desfazer, quando a Rádio Comercial se tornou privada pela reforma política de desnacionalização em 1993.

Música ao vivo e música gravada na rádio

No seu livro, Crisell (2012) interroga-se: a rádio nasceu para transmitir música ao vivo ou música gravada? Ora, estão aqui dois eixos estruturantes da rádio musical. E o autor distingue os programas em direto e os registos feitos pelas próprias estações, que incluíam gravações comerciais, como os discos de gramofone.

Os primeiros discos de alumínio captavam até 15 minutos de som. Na década de 1930, em especial em 1934, máquinas portáteis de gravar som foram ligadas aos noticiários e documentários na BBC. A prática de programas pré-gravados aumentou durante a II Guerra Mundial, por necessidade de não ter emissões ao vivo e em direto, temendo bombardeamentos. Tal obrigava a BBC a submeter previamente os seus textos ao ministério da Informação. A BBC fornecia também programas gravados para o ultramar, e recebia programas de auditório dos Estados Unidos, casos de Bob Hope, Bing Crosby e Glen Miller.

No pós-guerra, a tecnologia tornou-se melhor, mais barata e flexível. Se, na década de 1960, metade dos programas da BBC eram em direto, em meados da década de 1970 raramente havia já programas em direto.

Leitura: Andrew Crisell (2012). Liveness & Recording in the Media. Hampshire e Nova Iorque: Palgrave

Universidade da Califórnia oferece-nos a música e o quotidiano de há um século

Com este título, Mário Lopes (Público) oferece-nos um texto sobre o trabalho começado há dez anos na Universidade da Califórnia, Santa Bárbara: a digitalização do seu arquivo de cilindros. Há „música e gravações amadoras de todo o mundo, da passagem do século XIX para o XX, agora disponíveis para todos ouvirem“. Escreve ainda o jornalista: Desde outubro, uma coleção de dez mil cilindros, o formato pioneiro do registo sonoro, reproduzível no fonógrafo que Thomas Edison patenteou em 1877, está disponível para audição e download: UCSB Library. Há algumas músicas portuguesas (canções e outras) no catálogo daquela biblioteca, como O Manjerico, de Medina de Sousa e Pinto Ramos, Maria, Maria, de Eduardo Barreiros, e Agulhas e Alfinetes, de Medina de Sousa [imagem retirada da Wikipedia].

O Cabo Submarino num Mar de Competitividades

O Cabo Submarino num Mar de Competitividades é uma exposição temporária a visitar na Fundação Portuguesa das Comunicações, em Lisboa, perto do Cais do Sodré. Telégrafo, comunicação telefónica, cabo coaxial e de fibra ótica e tecnologias da comunicação são elementos importantes presentes na exposição. Criada em Outubro de 1997, a Fundação Portuguesa das Comunicações tem como membros fundadores o ICP – Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), os CTT – Correios de Portugal (CTT) e a Portugal Telecom (PT). A visita guiada foi conduzida por Teresa Salema, membro do Conselho Executivo da Fundação Portuguesa das Comunicações, licenciada em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores e mestre em Gestão e Administração de Empresas.

A fotografia estenopeica em António Campos Leal e a biblioteca de Pacheco Pereira

Hoje, ao final da tarde, António Campos Leal, em A Pequena Galeria, à avenida 24 de julho, 4C, aqui em Lisboa, apresentou o seu livro Luz nos Livros, editado pela Tinta da China. Luz nos Livros foi um projeto de fotografar a biblioteca/arquivo de José Pacheco Pereira usando a técnica fotográfica conhecida por estenopeica (pinhole, em inglês), processo elementar da formação da imagem. Para o fotógrafo, „o desafio foi encontrar essa relação entre a luz do pensamento e a luz que incidia nas suas superfícies, percorrendo livros, estantes, papéis, objetos e mesas“.

antónio leal

O livro, um belo objeto estético, inclui um texto de José Pacheco Pereira. Nas paredes da galeria, está uma exposição de Luís Pereira [em baixo, vídeo com parte da intervenção do autor. A captação de imagem e som foi feita através de telemóvel, de onde algumas deficiências no som].

Deuze em Coimbra

Como comunicador, Mark Deuze é brilhante. Na sessão de encerramento do congresso da SOPCOM, a sua comunicação foi adaptada a partir dos acontecimentos sangrentos de ontem em Paris. Deuze falou do desaparecimento dos media (o videogravador, o telecomando, o lado físico de muitos equipamentos, hoje dentro do telemóvel) e da imersão nos media (o televisor de ecrã curvo para dar a sensação de estar dentro da imagem). Antigo jornalista, ele falou do novo profissional como um dj.

Desta leitura, parece-me que o jornalista já não é o repórter ou o produtor de conteúdos mas uma espécie de misturador de géneros e sem preocupações com a realidade. Contudo, não é essa a atitude das capas dos jornais parisienses e franceses de hoje, num repúdio pela tragédia de ontem. O trabalho do jornalista ainda é sobre a realidade. A visão de profeta de Deuze está a desvanecer-se?

Teatro radiofónico em 1974

Em 1974, ainda havia teatro radiofónico em Rádio Clube Português, como este recorte do Diário Popular, de 21 de setembro de 1974, mostra. Era uma tempo de experimentação, e o romance de Soeiro Pereira Gomes, Esteiros, era adaptado à rádio, em 23 episódios com quinze minutos cada. Dos atores, destaco Carmen Dolores, Maria do Céu Guerra, Rogério Paulo e Mário Sargedas. A direção de produção pertencia a Fernando Curado Ribeiro.

Museu do caminho de ferro (Madrid)

O Museo del Ferrocarril de Madrid tem como objetivos conservar, estudar e difundir o património histórico e cultural ferroviário. Atualmente, tem mais de 4800 peças que explicam a história do caminho de ferro em Espanha. Tem coleções de comboios a vapor, tração elétrica e diesel, além de salas específicas de relógios, modelismo e infraestutura. Ao domingo, uma feira de venda de comboios em miniatura e acessórios anima o espaço no Passeo de las Delicias.

5ª Divisão MFA

A sessão de apresentação do livro 5ª Divisão MFA. Revolução e Cultura, de Manuel Begonha, foi feita no dia 22 de outubro passado, na Casa da Imprensa. Begonha (1943), licenciado em Ciências Militares Navais, curso de Engenheiro Maquinista Naval, participou em todo o processo de 25 de abril de 1974 e foi membro da 5ª Divisão do Estado Maior General das Forças Armadas, onde coordenou as campanhas de dinamização cultural.

Por isso, é importante ler a sua perspetiva da história de Portugal de há 40 anos. A minha pesquisa sobre a história da rádio em particular e dos media em geral conduziu-me ao livro. O primeiro registo da 5ª Divisão data de 28 de junho de 1974; a suspensão da 5ª Divisão seria a 25 de agosto de 1975. Dos nomes com mais impacto que ficaram dessa divisão seriam Varela Gomes, Ramiro Correia, Faria Paulino, Duran Clemente e Bouza Serrano. Este último seria presidente da Emissora Nacional.

Se o primeiro capítulo traça a história da 5ª Divisão e a perspetiva do autor quanto à história de Portugal no período de 1974-1975, os capítulos seguintes seguem aquilo a que Manuel Begonha identifica como as quatro atividades fundamentais: Comissão Dinamizadora Central (que ocupa o maior número de páginas), Centro de Esclarecimento e Informação Pública, Centro de Sociologia Militar e Centro de Relações Públicas. Do trabalho da Comissão Dinamizadora Central, o autor destaca a dinamização cultural nas áreas de artes plásticas e gráficas, teatro e fantoches, música, dança e canto, cinema, circo e apoio literário (p. 41). Begonha destaca a representação gráfica da revolução, que inclui obras de João Abel Manta, Marcelino Vespeira e Armando Alves (p. 48), e as brigadas móveis de cinema popular, coordenados, entre outros, por Vieira Marques e Vasco Granja (p. 56). As três fases das campanhas de dinamização cultural encontram-se apresentadas entre as páginas 60 e 76. Fico-me na descrição do que o autor chama de terceira fase (julho e agosto de 1975), que pretendia a descentralização dos meios de apoio técnico, a criação de órgãos regionais, a alfabetização em dez mil salas de aula e o apoio à reforma agrária (p. 73). Nessa página, Begonha dá conta da contestação militar à ação da 5ª Divisão e do episódio de jovens ligados às campanhas de alfabetização em Bragança, com rejeição popular e grande confusão.

[som de apresentação do livro 5ª Divisão MFA. Revolução e Cultura pelo autor, Manuel Begonha. Gravado com o telemóvel, o som não tem muita qualidade e audibilidade]

A História segundo José Miguel Sardica

jmsConforme o título, Verdade e Erro em História, de José Miguel Sardica, trata de História e do seu olhar e interpretação dos acontecimentos. Melhor, sobre a relação entre História e documentos, pelo que o livro abre com uma referência a Paul Veyne. O texto, de oito partes, incluindo a introdução e as conclusões, tem dois capítulos centrais em que identifica verdade, erro doloroso e mentira factual.

Mas o que eu mais gostei de ler foram os capítulos 2, 5 e 7, onde o autor estuda e opõe positivismo – em que história e passado se identificavam como uma só coisa – a história modernista ou tradicional – com forte tónica na pesquisa arquivística e de fontes primárias (p. 25) – e pós-modernismo – com libertação de toda a verdade e obrigação de manter algum grau de objetividade (p. 43).

No livro, há a defesa do segundo modelo, a história modernista, em que a disciplina ou ofício produz e ensina verdades relativas mas não ficcionais ou arbitrárias, fundadas no apuramento de factos objetivos e na sua articulação causal e lógica (p. 16). A partir de factos e das suas fontes, o historiador aproxima-se da realidade do passado (p. 17). O autor dá conta do conhecimento histórico enquanto matéria relativa e revisitável (p. 76). A crítica ao pós-modernismo é mais visível nas páginas 45-52, embora haja espaço para uma zona de convivência benéfica entre aquele e a história modernista (p. 79).

Além de reconstruir o mais fielmente o passado, ao historiador exige-se que a sua escrita seja elegante e atraente (p. 53).

Leitura: José Miguel Sardica (2015). Verdade e Erro em História. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, 85 páginas

Arquivos sonoros

Entre Arquivos aborda, na próxima sessão, o tema dos arquivos sonoros, na Biblioteca António Rosa Mendes, na Universidade do Algarve, em Faro, no dia 28 de novembro, pelas 14:30, com a presença de Pedro Félix. A sessão conta com a parceria do Centro de Estudos Ataíde Oliveira.

Segundo a entidade organizadora do evento: „A frase, já tantas vezes repetida, ainda não produziu o efeito desejado: Portugal é um dos poucos países do mundo sem um arquivo nacional de som. Ao mesmo tempo, nunca estivemos tão próximo de concretizar essa realidade. Nesta comunicação procurarei traçar a história do tratamento do património sonoro em Portugal, com especial enfoque no processo conduzido pelo Museu do Fado visando a constituição do seu arquivo digital. Procurarei apresentar algumas das razões para a sua necessidade, colocar hipóteses para este sistemático esquecimento e sintetizar os projetos a curto e médio prazo — em fase de implementação ou a implementar — com vista à sua concretização“.

Pedro Félix é investigador do Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança (FCSH-UNL) e colabora com o Museu do Fado, tendo realizado trabalhos sobre músicos e tecnologia, indústria da publicação e património sonoro. Co-coordenou a Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX onde publicou mais de 50 verbetes. Integrou a equipa responsável pela elaboração da candidatura do Fado a Património Cultural Imaterial da UNESCO, coordenando e desenvolvendo o trabalho de terreno e o projeto fonográfico.

Para mais informações: https://www.facebook.com/Entre-Arquivos-675331035821806/?fref=ts.

Do blogue: reflexões e actualidade sobre indústrias culturais (imprensa, rádio, televisão, internet, cinema, videojogos, música, livros, centros comerciais) e criativas (museus, exposições, teatro, espectáculos).