Conselho Geral da RTP

Retiro do Expresso online a informação que os nomes das primeiras quatro personalidades a integrar o novo Conselho Geral Independente (CGI) da RTP ficaram definidos hoje. O jornalista e crítico de cinema João Lopes e a investigadora e professora universitária Ana Lourenço foram as escolhas do Governo, enquanto o professor universitário Manuel Pinto e a antiga presidente do Instituto Camões, Simonetta Luz Afonso, foram os nomeados pelo Conselho de Opinião da RTP. Estes quatro elementos cooptarão mais dois, que preencherão a equipa.

O olhar inabitado das manhãs

AA1Num pavilhão do Jardim Botânico ouviam-se, ao longe, os sons urbanos. Por vezes, um avião sobrevoava à procura de aterrar no aeroporto não distante do centro da cidade. A noite prometia ser de tempestade em dia de verão, mas apenas caíram uns pingos, que se ouviam sobre as folhas do jardim. Insectos rodeavam os holofotes que iluminavam a cena do interior do pavilhão.

Aqui, com texto de Cátia Terrinca a partir do universo poético de Sophia de Mello Breyner Andresen, e com direcção artística de Daniel Gorjão, execução de figurino de Teresa Capitão e cartaz de Ricardo Aço, para o Teatro do Vão, a actriz Sara Carinhas interpretou o papel único da peça. Às vezes, não ouvi bem o que ela disse, porque a poesia é uma arte difícil. De ler, de ouvir. Mas bastava a magia das palavras – os sons das palavras que se juntavam a outros sons vindos de fora, como escrevi acima.

No verdadeiro começo, Sara Carinhas indicara o caminho do pavilhão. Depois, elegante nos seus passos de dançarina, entrou no pavilhão. Ali não havia a divisão clássica de palco e plateia mas uma espécie de separador de fios, de onde se via a actriz. Uma vez, ela passou essa barreira de fios e ficou junto aos espectadores, evocando as palavras da poetisa que descansa agora no Panteão. Sara Carinhas elogiou, quase chorou, falou das coisas da vida, do amor e da maternidade, e também da separação.

Quanto tempo durou a representação? 30 minutos? 40 minutos? A poesia correu depressa, os gestos delicados concluíram-se. A noite de verão ficava serena. E acabava a contradição com o título O olhar inabitado das manhãs. Afinal, a noite e a manhã fazem parte do dia e da arte e da poesia.

Sessenta anos de música de Elvis Presley

No Guardian de hoje, Michael Hann escreveu sobre Elvis Presley. Amanhã, dia 18, faz sessenta anos que o Rei lançou o seu primeiro disco. Não mudou tudo na música mas quase tudo. Antes, havia música adolescente, mas Elvis foi o primeiro a fazer música feita por adolescentes em vez de para adolescentes, disse o historiador pop Jon Savage. Elvis Presley era ainda adolescente quando fez esse registo. Depois, a indústria percebeu que tinha de fazer isso para os adolescentes gostarem de música, o que continua hoje a ser a regra.

No final de uma sessão fracassada nos Sun Studios, durante um intervalo de gravação, Presley começou a cantar uma música, acompanhado por Bill Black no contrabaixo e Scotty Moore na guitarra (na imagem ao lado). Impressionado com o contraste com o registado antes, o produtor Sam Phillips pediu ao trio para tocar de novo a música para a sua gravação em fita. Como contaria o historiador Jon Savage, demorou algum tempo para se compreender a música de Elvis. Ele era um músico local a gravar numa etiqueta local. Mas acabou por ser uma grande notícia em Memphis. Em 1956, Elvis tornou-se conhecido como cantor nacional e internacional, com o lançamento de Heartbreak Hotel,Don’t Be Cruel and Hound Dog.

Ver aqui vídeo That’s Alright Mama.

Curado Ribeiro e Milú

FCR e Milú“Aconteceu nesta casa [Emissora Nacional, actual RDP, então em instalações da Rua do Quelhas, Lisboa]. Estávamos no hall e terão dito ao senhor Burnay, que era o padrasto da Milú: «precisamos de um rapaz que cante para fazer uma fita com a Milú». A Milú falou-me nisso. Depois o senhor Burnay falou-me também e disse-me se eu [Fernando Curado Ribeiro] queria. Eu queria tudo. «Quer fazer cinema»? «Quero sim senhor», disse logo. «Vai a provas». «Sim, senhor». E, pronto, fui fazer provas, que era para o Costa do Castelo, perdão, que eram para A Menina da Rádio e não para o Costa do Castelo. Mas as provas feitas com a Milú agradaram e anteciparam a feitura do Costa do Castelo e ficámos ambos, tanto a Milú como eu. E, depois, quando se fez A Menina da Rádio, eu continuei a ser a pessoa que estava indicada. Só a Milú por razões particulares é que não fez A Menina da Rádio. Foi feito o papel dela pela Maria Eugénia” (entrevista de Luís Garlito a Fernando Curado Ribeiro, programa A Minha Amiga Rádio, RDP, 3 de Junho de 1991, Arquivo Sonoro da RTP, AHD 11861-1).

Num dado momento, a actriz Milú decidiu ir para Espanha, para continuar a sua vida no cinema. Fernando Curado Ribeiro entrevistou-a e a fotografia ao lado foi reproduzida no semanário Rádio Nacional, de 18 de Julho de 1943.

Artistas da Emissora Nacional

A revista O Mundo Gráfico foi agora digitalizada na Hemeroteca Municipal de Lisboa. Ela foi editada entre entre 1940 e 1948, com o jornalista Artur Portela como primeiro director. O último número, 135, de Fevereiro de 1938, traz duas fotografias curiosas, a primeira respeitante ao coro feminino da Emissora Nacional e a segunda à orquestra típica portuguesa da mesma estação de rádio. Estes grupos actuavam nomeadamente nos Serões para Trabalhadores. Uma das cantoras que mais se destacou no coro feminino foi Maria de Lourdes Rezende, que rapidamente fez uma carreira a solo (pela má qualidade da imagem não consigo saber se ela ainda faz parte do agrupamento). O coro participava nos espectáculos com um vestuário uniformizado. A orquestra tinha 24 elementos e o maestro, podendo ver-se na fotografia uma cantora que a orquestra acompanhava.

EN1EN2

Scannell e a televisão

scannellO livro de Paddy Scannell, Television and the meaning of live, editado pela Polity (2014), chegou-me agora pelo correio. Fenomenologia da televisão, com grande destaque ao pensamento de Martin Heidegger, tecnologias, a voz na rádio e na televisão, a televisão e a história – eis alguns dos tópicos do novo livro do professor de Estudos de Comunicação da Universidade de Michigan. Dos textos mais recentes dele, retenho o livro Media and Communication (2007) e os capítulos de livro “The Question of Technology” (Michael Bailey (ed.), 2009 Narrating Media History) e “The Dialectic of Time and Television” (The Annals of the American Academy of Political and Social Sciences, 2009, vol 625). O prazer que me vai dar a sua leitura.

Pirandello no Porto

Com encenação de Nuno Carinhas, no Teatro Helena Sá e Costa, num exercício de alunos finalistas de teatro da ESMAE (Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo), representou-se Luigi Pirandello, Esta Noite Improvisa-se.

Os actores e actrizes, num total de quase quarenta alunos finalistas, foram generosos, alguns quase profissionais (por exemplo Maria Quintelas, Alexandre Calçada e Alejandro Rodríguez). A personagem encenador (Fábio A. Costa, que se intitula “moço de recados e actor em part-time” na sua página do Facebook) improvisa e procura apresentar as outras personagens artistas. Alguns protestam por causa da improvisação.Havia personagens-público, que barafustavam igualmente, com alguns a saírem da plateia. Alguns quadros gostei muito, caso da dança-aviadora e da procissão. A parte final, mais dramática, foi bem executada. Tudo a conferir alegria e intriga que interessa num espectáculo como este, arrancando gargalhadas sonoras no público aqui e ali (ver vídeo de apresentação).

Colóquio sobre história da rádio

Foi ontem no Porto que se discutiu sobre a história da rádio, com organização de Jorge Guimarães Silva.

Deixo momentos visuais desse encontro, realizado na loja MUUDA, onde se falou da rádio desde o começo até às rádios livres da década de 1980, casos da Rádio Delírio e da Rádio Caos (o segundo vídeo tem algumas irregularidades de boa captação de imagem).

Porto1Porto2

Paisagens sonoras

carlos alberto augustoA paisagem sonora incorpora duas dimensões (som e silêncio) (p. 48), quer dizer som e vibração acústica (p. 13), actua na relação entre escutar e produzir som (p. 17), na harmonização de soar e ouvir (p. 18). Resumo para Carlos Alberto Augusto: paisagem sonora inclui ruído, silêncio e música. O seu livro Sons e Silêncios da Paisagem Sonora Portuguesa (2014) contém quatro capítulos (Rebates, Silêncios, Trovas, Harmonias), uma introdução e uma conclusão (Coda).

Seguindo um investigador (Bernie Krause), distingue três tipos de paisagem sonora: geofonia (sons da natureza, mar e vento), biofonia (sons dos animais e das plantas) e antropofonia (sons dos objectos feitos pelo homem, como as máquinas) (p. 24). O ruído é o caso do som intimidatório que invade a privacidade individual (p. 27), como o escape de uma motoreta ou o concerto na praça pública. Aparentemente, o ruído opõe-se ao silêncio. Mas John Cage concluiu que o silêncio não existe: fechado numa câmara anecóica (compartimento usado pelos especialistas de acústica, que elimina todos os ruídos do ambiente), Cage começou a ouvir ruídos – sons do fluxo sanguíneo e da corrente eléctrica que percorre o corpo humano (p. 47). Isso levou Carlos Alberto Augusto a preparar uma teoria do silêncio em seis constatações, uma delas em que indica que cada sociedade produz o seu silêncio (p. 52). Pode prevalecer o silêncio da suspeita e da desconfiança (p. 53), por exemplo nos países sem liberdade de expressão.

O primeiro símbolo que o autor estuda é o sino, instrumento poderoso cujo domínio sempre foi praticado pela Igreja e, em cada paróquia, dá conta da passagem do tempo mas também de acontecimentos sociais e de alerta (toque de rebate) (p. 20). O sino ainda repercute uma relação do espaço sonoro que define a área da paróquia: o sino da minha aldeia. Mas o autor estudo outros meios sonoros, caso da rádio. O som que se ouve através da rádio é transportado de um espaço para um outro espaço e tempo, a esquizofonia, que significa a não coincidência entre o espaço/tempo de produção e a sua recepção (pp. 40-41).

Leitura (muito aprazível): Carlos Alberto Augusto (2014). Sons e Silêncios da Paisagem Sonora Portuguesa. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos, 94 p., 3,50 € (capa mole)

A acompanhante

acompanhanteUm dia, Cecília Ferreira ouviu na TSF uma reportagem sobre uma enfermeira que acompanhava o funeral de mortos que não tinham mais ninguém a despedir-se deles, tendo totalizado cerca de mil funerais. Muito sensibilizada com o tema, ela começou a escrever uma peça, em que Luzia, agora já reformada e isolada em casa após a morte do seu gato, recordava os funerais e as histórias desses homens que tinham morrido.

Na peça, alguns deles tinham sido íntimos dela, marido ou amantes, tinham nome, profissão, idiossincrasias, pronúncias. Um deles, achava que ia morrer quando perdesse o último dente, simultâneo do Apocalipse. Quando o dente desapareceu, ele verificou que não morrera, decidindo ir ao dentista pôr uma placa brilhante e abrindo um consultório de cartomância. Outro era um excelente vendedor pelo telefone. Outro ainda conhecera numa viagem para Paris: ele tinha em mente suicidar-se na torre Eifell, que ela não permitiu, com a amizade entre ambos a acabar naquele momento. No final da peça, a personagem reflecte ser não uma acompanhante de luxo, empregada sexual, mas acompanhante de mortos: uma prostituta de mortos, conclui. A caixa onde estão as fotografias dos mortos e as suas biografias é empurrada para debaixo da cama, como Luzia querendo libertar-se dessas recordações.

Em entrevista, a autora comentou sobre o tema: “Havia uma estranheza, inerente à própria condição de se fazer o acompanhamento de mortos, que eu queria que perpassasse todo o texto”. Para prestar homenagem à enfermeira da reportagem da TSF, Cecília Ferreira inventou tudo de novo e transfigurou a personagem em absoluto. Com a peça, ela ganhou o Grande Prémio de Teatro Português SPA/Teatro Aberto 2013 e agora no palco deste teatro. A autora, licenciada em Teatro/Interpretação pela ESMAE (Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo) e licenciada e mestre em Línguas e Literaturas Modernas pela Universidade do Porto, é membro fundador da companhia Teatro a Quatro em 2010, no Porto, uma das companhias residentes na Fábrica da Rua da Alegria, naquela cidade.

Em toda a peça, a actriz Mónica Garnel é enérgica: dança, salta, é ginasta, enche o palco, imita sotaques, faz trejeitos, é séria e brinca, independente e receosa. Gostei ainda da música (Joana Sá e Luís Martins) e da cenografia (Gonçalo Amorim). O tema leva o espectador a pensar – a morte. Mas o modo como a narrativa decorre prende o mesmo espectador, que aprecia as múltiplas e, às vezes, divertidas histórias.

Os media portugueses em 1974-1975

rezolaA Revolução nos Média é um conjunto de seis textos de estudos de caso sobre a situação dos media (imprensa, rádio e televisão) durante 1974 e 1975.

Na introdução, assinada pelos coordenadores Maria Inácia Rezola e Pedro Marques Gomes, reflecte-se sobra a possibilidade de os media terem constituído uma peça importante nas lutas políticas e nas transformações operadas então. Os coordenadores consideram faltar ainda fundamentação e aprofundamento.

Os textos do livro procuram encontrar essa fundamentação. Assim, Inácia Rezola escreve sobre a RTP no PREC [período revolucionário em curso, referência dada ao período de 1974 e 1975], João Figueira sobre o jornal República, Pedro Marques Gomes sobre o semanário O Jornal, Paula Borges sobre a Rádio Renascença, Francisco Pinheiro sobre a imprensa desportiva e Marco Gomes sobre a imprensa no geral nesse período pós-revolucionário (que o autor prefere designar por intentona ou golpe dos capitães). Há uma estrutura próxima a todos os textos: uma introdução de contextualização, a apresentação e análise do caso e um apoio rigoroso em fontes documentais.

Alguns dos temas já conhecia, por produção anterior dos seus autores. Destaco, pela inovação, os trabalhos de Pedro Marques Gomes (de que saiu recentemente um trabalho sobre o Diário de Notícias e os saneamentos no PREC, e que está à espera aqui ao lado na minha linha de leitura) e Marco Gomes, com uma linguagem diferente dos outros. Apesar de ser igualmente historiador, a sua escrita aproxima-o do terreno do sociólogo. E trata, embora não tão profundamente como o leitor gostaria, de imagens como os cartoons desses anos, de que sobressaiam os trabalhos de João Abel Manta.

De repente, apercebo-me de como esse universo de há 40 anos está longínquo, o que permite agora análises sérias e objectivas. Por isso, relevo igualmente o trabalho da investigadora sénior nas matérias de história dos últimos 40 anos: Maria Inácia Rezola. Depois de nos conduzir às sucessivas administrações da RTP, nota-se o imenso pudor nela em dar nomes aos saneados, excepto os mais famosos como Alves Caetano e Henrique Mendes, logo identificados na época. Escreve a historiadora: “Apesar da vertigem dos acontecimentos, e das profundas mudanças que percorrem a RTP nestes anos de 1974-1975, é possível estabelecer as tendências e evoluções no que diz respeito às purgas políticas efectuadas na empresa” (p. 27). Em especial após o 11 de Março de 1975, quando se pedia internamente uma “purga política mais profunda”. Mais à frente, a autora indica suspensões na administração de Duarte Belo, num total de 25 (p. 31) e abaixo-assinados opostos subscrito por 110 trabalhadores e 400 trabalhadores (pp. 32-33). E uma nova lista de pessoal a sanear, num total de 60 nomes, naquilo que ficou conhecido como o caso Veloso (Manuel Jorge Veloso, com uma carreira dedicada ao jazz e a programas de jazz quer na televisão quer na rádio).

Um pormenor final: a qualidade estética do livro. A editora Tinta da China constitui obras de arte em cada edição. É um gosto ler e tactear obras daquela editora.

Leitura (frenética ao longo do final da tarde e da noite): Maria Inácia Rezola e Pedro Marques Gomes (coord.) (2014). A Revolução nos Média. Lisboa: Tinta da China. 199 páginas, 11,90 €

Fazer notícias segundo Nikki Usher

usherQuando na aula discutimos o texto de Nikki Usher Goodbye to the News: How Out-of-work Journalists Assess Enduring News Values and the New Media Landscape (texto publicado na New Media & Society, 2010: 911-928), vim embora intranquilo. O texto era claro mas expressava um ponto de vista pessimista: jornalistas despedidos por encerramento de jornais ou redução de pessoal nas redacções escreviam cartas onde se chamava a atenção para a perda de qualidade dos media e para o cinismo patronal que não via os jornalistas como pessoas com família mas como números. No texto, Usher surgia com uma base teórica simples mas poderosa: os conceitos de nostalgia, de Jameson, e de comunidade interpretativa, de Zelizer. Depois, partia para o método: uma análise de conteúdo de 31 cartas escritas por jornalistas despedidos.

A palavra (ou conceito) mudança era a mais evidenciada no texto. Agora, com a edição de Making News at the New York Times (2014, Ann Arbor: The University of Michigan Press), o pensamento da jovem investigadora torna-se mais transparente. Deixo ficar algumas ideias do último capítulo, Prelúdio a Quê? Ela avança com três palavras-chave do novo jornalismo: urgência (no sentido de imediato), interactividade e participação. Refere que estamos num ponto de viragem de paradigma, seguindo Thomas Khun, onde ainda não há todas as certezas mas em que mudaram: as tecnologias (as redes sociais estão na ordem do dia; a actualização 24 horas por dia; a agregação de conteúdos e não a simples produção), as audiências (conteúdos gerados por utilizadores), os métodos de distribuição. Mantêm-se, seguindo Herbert Gans, o inspirador de Usher, as rotinas e as práticas de produção de notícias e a influência das fontes poderosas, apesar de existirem fontes de informação novas e não tradicionais, caso da informação veiculada pelo Twitter.

Os media em António Rego

rego1O livro é um diálogo de António Rego com Paulo Rocha, com aquele a fazer uma revisão de cinquenta anos de sacerdócio (ordenado padre em 1964). Nascido nos Açores, cedo veio para Lisboa, onde entrou na Rádio Renascença, em 1968, e esteve sete anos.

Nessa altura, a estação era frágil do ponto de vista de emissores. A onda média tinha potência limitada mas a rede de FM era nova. As emissões religiosas consistiam numa oração da manhã e um meditação, além da transmissão da Eucaristia dominical e do terço do Rosário. Depois, António Rego organizou o programa Verdade e Vida. No final de 1969, o programa foi proibido pela censura do Estado Novo: tinha sido dito alguma coisa sobre a educação e o poder político não gostou. Diz António Rego: “Com a censura fazíamos uma espécie de jogo, sem grande dramatismo e tendo sempre um grande apreço pela liberdade de expressão. Sentíamos-nos cercados de muitas formas. Mesmo com alguma revolta por não nos podermos expressar totalmente, como era o caso dos temas de justiça social, as encíclicas sociais e outros” (p. 80). Seguiram-se os programas Esquema XIII, que de semanal passou a diário, Diálogo com os que Sofrem, Palavra do Dia e celebrações.

Entretanto, assumiu o cargo de regente de estúdios, o equivalente ao actual director de conteúdos. Foi gestor de tensões e debates no final do regime autoritário. Ele recorda o programa Página 1, onde passavam canções de agrupamentos de jovens por natureza contestatários (p. 87). Com o 25 de Abril de 1974, o conselho de gerência demite-se e António Rego vai a administrador, onde começa a dialogar com a comissão de trabalhadores.

Quanto à televisão, há uma colaboração desde 1968 com a RTP para a missa transmitida. Nas suas palavras, é a missa na comunidade das ondas (p. 102). O entrevistador pede-lhe para exemplificar melhor as suas ideias: “A televisão destina-se em princípio a um espectador imaginário [...]. Acontece o mesmo numa comunidade em que o presidente, de olhos no ar, fala para uma assembleia anónima” (p. 104). António Rego também iniciou uma colaboração com a RDP. Foi, então, estudar comunicação social para Lyon com Pierre Babin. Na RTP, voltou para fazer Andar Faz Caminho, ao passo que na RDP faz Toda a Gente é Pessoa e colabora também na Antena 2.

Os passos seguintes seriam trabalhar na cooperativa Logomédia, centro de produção audiovisual, e escrever uma crónica no Diário de Notícias. Mas o passo mais importante é o programa 70×7, surgido em 1979, onde os programas se gravavam em filme de 16 milímetros que seguia para uma mesa de montagem morosa (p. 125), com um extremo cuidado na escolha de textos e músicas. 70×7 foi sempre feito de histórias pequenas de homens e mulheres jovens envolvidos em projectos sociais e da Igreja Católica, muitas vezes em sítios recônditos e inóspitos. Para António Rego foi sempre um trabalho gratificante. De quinzenal, o programa passou a semanal.

A TVI viria então. Em 1993, o quarto canal arrancava, com António Rego a director de informação. Houve necessidade de criar uma equipa de raiz com jornalistas seniores, pensar nas editorias (religião, política, internacional, economia, desporto). Uma carta de princípios servia de marcador de valores à maior “paróquia” de Portugal, a televisão. A missa dominical foi e continua a ser transmitida pelo canal, apesar de a sua filosofia empresarial ser hoje totalmente distinta da original.

Outros programas e trabalhos (Secretariado Nacional das Comunicações Sociais, agência Ecclesia) têm acompanhado a actividade de António Rego, padre e jornalista, em livro que se lê com avidez e interesse. O livro tem duas partes, a primeira onde se delineia o seu percurso pessoal e ligado aos media, a segunda centrada em grandes temas. Em diversas partes do texto, entrevistado e entrevistador encontram espaço para se debruçarem sobre tópicos mais profundos, religiosos, filosóficos, sociais e culturais, que assumem muito relevo na compreensão do percurso do entrevistado.

Leitura: António Rego, em entrevista a Paulo Rocha (2014). A Ilha e o Verbo. Lisboa: Paulinas, 286 páginas, 15,90 euros

O one-step

af“O Jazz-Band é o triunfo da dissonância, é a loucura instituída em juízo universal, essa caluniada loucura que é a única renovação possível do velho mundo. Ser louco é ser livre, é ser como a inteligência não sabe mas como a alma quer. Os loucos são os grandes triunfadores da Criação. […] O Jazz-Band é a proclamação dessa loucura. O Jazz-Band, a encarnado e negro, a todas as cores, é o relógio que melhor dá as horas de hoje, as horas que passam a dançar, horas fox-trotadas, nervosas. No Jazz-Band, como num écran, cabem todas as imagens da vida moderna. Cabem as ruas barbáricas das grandes cidades, ruas doidas com olhos inconstantes nos placards luminosos e fugidios, ruas elétricas, ruas possessas de automóveis e de carros, ruas onde os cinemas maquilhados de cartazes têm atitudes felinas de mundanas, convidando-nos a entrar, ruas ferozes, ruas-panteras, ruas listradas nas tabuletas, nos vestidos e nos gritos. As mulheres gostam de dançar, sobretudo porque não gostam de estar paradas. E, entretanto, a dança é a parada das mulheres, uma parada onde elas exibem, como uniformes, as suas toilettes multiformes, a parada onde elas jamais estão em sentido porque estão sempre em sentidos. As mulheres dançam, afinal, porque são mulheres, dançam como as cigarras cantam. […] O fox-trot é a dança boémia, estouvada, a dança-baloiço a dança que não se importa, a dança que não pensa no dia de amor. Amor nascido numa valsa é amor que casa, amor para sempre. Amor nascido no fox-trot é amor que morre no fox-trot, amor que dura um beijo. O one-step é, porém, a mais perigosa das danças porque é o rapto. Há mulheres que fogem num one-step, como num automóvel. Uma mulher num one-step é uma mulher em viagem. O Tango é uma dança de forças combinadas, uma dança tira-linhas. O maxixe é uma aliança de corpos. E, finalmente, o schimmy é a dança livre, a dança em que os braços e as pernas se encontram como camaradas e se embriagam juntamente no Champagne dos gestos, no ópio dos olhos furiosos, na eletricidade metálica dos corpos. […] é curioso: a América, que vibra toda no ritmo do jazz-band, quase não dá pelo jazz-band. A Europa envelheceu, teve um abaixamento de voz com as emoções da guerra. A Europa lembrava um soprano lírico em decadência. [...] Simplesmente o que na América é vulgar, natural, quotidiano, na Europa é artificial, escandaloso, apoteótico. Na América, o jazz-band tem um ritmo de marcha. Na Europa é um hino. […] O jazz-band é a África do ritmo. Só as almas violentas se podem entender dentro dele. Um fox-trot, no jazz-band, é uma sanzala em delírio. O Jazz-band é a orquestra dos gritos inesperados, dos silvos, dos assobios. O Jazz-band é a orquestra que melhor dá o contrato do Homem e da Mulher. O Jazz-band é brutal como um amante severo, meigo e triste como companheira submissa. É autoritário como um marido déspota, lânguido e amoroso como uma mulher obediente. O Jazz-band é homem no cláxon, nos assobios e no bombo, e mulher nas cordas gemedoras de banjos. O Jazz-band é, portanto, toda a natureza humana”.

Marinetti, o futurismo, uma liberdade (ou descompressão) saída da Primeira Guerra Mundial, mas que desembocaria nas tragédias das ditaduras das décadas seguintes e a poesia de um jovem artista explicam as metáforas (loucura, violência, hino, escândalo), as aliterações e todas as imagens (mesmo algum machismo) do texto. A música (o jazz e a dança), a beleza feminina, a alegria de viver e as máquinas (o automóvel, a electricidade) eram o pano de fundo do texto. Este foi apresentado em diversas conferências que Ferro proferiu no Brasil (Rio de Janeiro, S. Paulo, Belo Horizonte) em 1922 e 1923.

Leitura: António Ferro (1924). A Idade do Jazz-Band. Lisboa: Portugália, pp. 60-61-64-65-66-68-74

Wedekind

TUPO Despertar da Primavera, do dramaturgo alemão Frank Wedekind, escrito em 1890-1891, subiu ao palco do Teatro Universitário do Porto.

A peça trata do tema de adolescentes que andam à volta da sexualidade entretanto descoberta. Wendla Bergmann faz 14 anos no começo da peça. A mãe pretende aumentar a saia, por ter chegado a adolescente; ela quer saber como nascem os bebés. A mãe recusa, temendo um castigo superior. Melchior Gabor tem também 14 anos, e faz perguntas sobre religião, ética e sexualidade. Num dos seus encontros com Weldla, viola-a e engravida-a. O aborto comandado pela mãe da rapariga não corre bem e ela morre. Moritz Stiefel, o melhor amigo de Melchior, tem dúvidas constantes e suicida-se. Os pais de Melchior mandam-no para um reformatório. Após uma reunião do conselho de professores do colégio onde anda, sobre ele pende a acusação de responsável pelas mortes de Wendla e Moritz. Ilse, amiga de infância dos três, amante de vários pintores, é a última pessoa que fala com Moritz.

Nuno Matos, que agora encena a peça, escreve: “Os assuntos de que trata permanecem hoje bem presentes numa sociedade que continua a olhar com hipocrisia e medo para a educação sexual dos seus filhos”. Mas a peça fala também do despertar do amor e da amizade. No texto que acompanha a peça, os alunos do TUP agradecem ter frequentado o curso. Por mim, foi um prazer ver a peça, embora nem sempre a interpretação fosse a melhor. Críticas maiores: o sotaque demasiado regional; o grande entusiasmo que faz esquecer a necessidade de atores em personagens mais compenetradas. Boa cenografia de Marta Pereira, Orlando Gilberto-Castro e Tiago Ascensão.

A morte dos jornais

“Eu acabei o curso de Ciências de Comunicação em 1998 e nesse ano comecei a trabalhar na secção de cultura do Diário de Notícias. O meu editor chamava-se Eurico de Barros e o editor adjunto chamava-se Nuno Galopim. São pessoas que dispensam apresentações no meio jornalístico português. Os dois foram despedidos do DN no final da semana passada, no decorrer de um processo de despedimento colectivo que afastará dos quadros da Controlinveste mais 158 pessoas. Decidi trazer os seus nomes para aqui porque é importante dar cara aos números e para que se perceba que ir para a rua deixou há muito de ser sintoma de incompetência ou de falta de empenho. Já não há forma, para utilizar a linguagem política, de «cortar na gordura». Tudo é carne. Quando eu saí do DN em 2007, o Eurico teria perto de duas centenas de folgas em atraso. Não sei quantas terá hoje. Nós gozávamos com ele por causa disso. A sua vida era aquele jornal, folgava em média um dia por semana. E não era só suor – muito pouca gente nesta terra escreve tão bem, com tanta elegância, tanta ironia e tanto sentido de humor quanto ele. Quando trabalhar muito e bem já não chega para mantermos o emprego, pela simples razão de que, ao fim de 30 anos de carreira, ter um salário de dois mil euros é considerado uma extravagância, então o nosso trabalho serve para quê?” (início do texto de João Miguel Tavares, hoje no Público, http://www.publico.pt/sociedade/noticia/a-morte-dos-jornais-1650568).

Não tenho comentários a fazer. Só me fica um imenso desapontamento e uma grande tristeza.

Regresso a casa

Regresso a Casa, peça de Harold Pinter e encenação de Jorge Silva Melo é a história de uma família de um pai e três filhos, mais um tio, em que o primogénito regressa a casa depois de uma ausência de seis anos, nos arredores de Londres. Família da classe trabalhadora (um taxista, um talhante de carne, um empregado que treina boxe para ser profissional, um profissional ligado à prostituição). O filho regressado (Teddy, Ruben Gomes), professor universitário nos Estados Unidos, traz a mulher.

O pai Max (João Perry) ocupa o centro da cena. O seu sofá é o trono sob o qual tudo gira. No final, a mulher, que deixa partir o marido sozinho, senta-se no sofá, evidência que aquele lar passa a girar em torno dela. Em diálogos duros, repetitivos e sincopados, como se monólogos se tratassem, vamos começando lentamente a saber da história da mulher, mãe de três filhos. Antes do casamento, Ruth (Maria João Pinho) fora modelo e os filhos tinham nascido. Ela crescera perto do sítio onde Max e a família morava, e voltava: nos Estados Unidos havia muita areia e muito pó. A economia doméstica do lar alterava-se: embora com um pequeno investimento de cada membro da família, a mulher regressada trataria do lar e o dinheiro obtido na prostituição daria prosperidade ao lar. A mulher, afinal, ocupava o lugar vago de Jessie, a mãe prostituta e que Lenny (Elmano Sancho) vinga com Ruth. Diria Max: “Se calhar não é má ideia ter uma mulher em casa. Se calhar até é uma coisa boa. Quem sabe? Se calhar devíamos ficar com ela”.

Boa representação, sala quase cheia no dia da estreia da peça no Teatro S. João (foto da companhia Artistas Unidos).

António Luís Campos expõe fotografias

António Luís CamposApós a conclusão da licenciatura de engenharia electrotécnica e voluntário em organizações não governamentais, António Luís Campos dedicou-se à fotografia (além de líder de viagens). Há dez anos assina colaborações para a National Geographic Magazine. O autor, que gosta de fotografar deltas e a vida fluvial, expõe agora algumas dessas fotografias e outras não publicadas na revista. Muitas dessas fotografias, ele precisa de entrar na intimidade dos fotografados, para o que prepara a situação e procura transmitir o que vê.

Tudo começou quando um dia abordou um fotógrafo americano e lhe perguntou quais os critérios para produzir uma reportagem (fotografias e texto). O primeiro trabalho de António Luís Campos publicado foi o de uma borboleta bombardeira. Natureza, vida quotidiana e tecnologia e seus bastidores são áreas que tem explorado visualmente.

Na conferência que ele deu, falou da experiência de acompanhar uma patrulha da neve da serra da Estrela, em condições de muito frio. Aí, o restaurante e a tasca são portos de abrigo e onde explorou com mais proximidade os estados de alma dos elementos da equipa. Os trabalhos de fotografia demoram tempos variados, de um dia a semanas ou meses. Um dos temas que explorou na conferência foi o acompanhamento de uma actividade forense, que durou cerca de dois anos. Um outro trabalho referido foi o de azulejos dos séculos XVI e XVII com sinais de geometria e matemática, recursos didácticos usados nesse tempo. Outros destaques na revista foram dados a trabalhos sobre a cortiça, onde o espaço de escrita e fotografia foi além de 20 páginas, e energia eólica.

Pode ser visitado em http://www.antonioluiscampos.com/.

Feira do Livro

Foi hoje ao final da tarde lançado o livro A História na Ficção Televisiva Portuguesa, livro coordenado por Catarina Duff Burnay (ver curto vídeo abaixo) e com capítulos assinados pela responsável da obra e por José Miguel Sardica (idem), Eduardo Cintra Torres (idem), Rogério Santos, Carlos Capucho e Pedro Lopes.

ficção televisivaComo aborda a introdução, assinada por Catarina Duff Burnay e José Miguel Sardica, “a ficção televisiva sempre se constituiu como um produto âncora na definição das grelhas de programação. Histórias inspiradas na realidade e na memória são produzidas pelos canais públicos e privados de maneira continuada, arrastando audiências de forma transversal” (p. 13).

Os autores dos capítulos debruçaram-se cada um sobre uma série ou telefilme de ficção histórica. Assim, Eduardo Cintra Torres escreve sobreA Raia dos Medos (RTP1, 2000), Rogério Santos sobre A Vida Privada de Salazar (SIC, 2009), Carlos Capucho sobre Até Amanhã Camaradas (SIC, 2005) e Pedro Lopes sobre Conta-me Como Foi (RTP, 2007-2011). Um dos capítulos fundamentais deste novo livro é intitulado Os Temas da Ficção Histórica Audiovisual em Portugal (1909-2013), assinado por Catarina Duff Burnay e Eduardo Cintra Torres. Aqui, os dois autores escrevem: “pretendemos comparar a produção da memória histórica ficcional no audiovisual desde 1909, procurando continuidades e contrastes nos temas trabalhados pelo meio de massas audiovisual dominante em cada período” (p. 29), incluindo cinema, teleteatro e ficção dramática televisiva nos canais generalistas.

Catarina Duff Burnay é responsável da licenciatura de Comunicação Social e Cultural da Universidade Católica Portuguesa, dirigente da Faculdade de Ciências Humanas daquela universidade e coordenadora da equipa portuguesa do Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva (OBITEL). O outro membro que assina a introdução, José Miguel Sardica, é o director da mesma Faculdade de Ciências Humanas.

Cinquenta anos da Radio Caroline

Esqueci-me de escrever sobre os cinquenta anos da Radio Caroline, que entrou a funcionar em 28 de Março de 1964, no sábado de Páscoa. Caroline era o nome de um barco registado no Panamá e propriedade de uma empresa baseada no Liechtenstein e comprada pela Planet Productions, uma empresa registada na Irlanda e que pertencia à Planet Sales, entidade que vendia publicidade na primeira estação comercial de rádio na Grã-Bretanha. Logo à partida, um imbróglio de registos e empresas.

Um anúncio da estação seria: “Esta é a Radio Caroline em 199 [metros], uma estação que emite música todo o dia. Estamos no ar todos os dias das seis da manhã até às seis da tarde. A hora certa é meio-dia e um minuto e este é o programa de Christopher Moore” (Clark, 2014: 13). Além de Moore, o outro locutor era Simon Dee. O barco, com o capitão Baeker e da sua tripulação, tinha dois engenheiros suecos especializados em produção e transmissão de rádio.

O que se destaca fisicamente do barco como mostra a fotografia é a sua antena, de 51 metros de altura, o que o parece desequilibrar. O barco, ancorado fora das águas territoriais da Grã-Bretanha a nordeste de Felixtowe, atingindo Londres e todo o país mas também chegando à Holanda, Bélgica e França através dos dois emissores de 10 kW. Parecendo emissores de pequena potência, eles estavam sobre o mar, o que facilitava a propagação. O custo da transmissão era avaliado em 260 libras por semana, uma verba muito avultada para a época.

Em 1964, o monopólio de rádio na Grã-Bretanha, a BBC, era posto em causa. Como o barco estava em área internacional, a legislação e o poder militar a ela associado não podiam actuar. Mas também as associações discográficas procuraram impedir a transmissão de música, reclamando a cobrança de direitos de autor dos músicos. E os ouvintes da estação eram avisados pelos Correios de que não podiam ouvir estações ilegais sob pena de pagarem multas, o que se revelou paradoxal dado o número de cartas enviadas à estação em seu apoio. Os programas da BBC eram vistos como aborrecidos. E os anunciantes aproveitaram-se da novidade oferecida pela rádio pirata para colocarem aí muita publicidade, a necessária sobrevivência da estação. A locução era calma e informal, o que atraia quem a ouvia.

No dia do primeiro aniversário da Radio Caroline, quatro prémios especiais eram atribuídos pela estação: The Animals (House of Rising Sun), Petula Clark (Downtown), Tom Jones (It’s not Unusual) e Beatles. Em 1966, Emperor Rosko entrava como dj na estação a ganhar 70 libras semanais e com um estilo próprio, tipo “Grande Cassaboo, eu tenho alguma coisa especial para o teu papá e a tua mamã, feliz por te ter no programa”. Quando os Beatles foram aos Estados Unidos em Agosto de 1966, havia três dj de estações operando no mar da Grã-Bretanha. A música pop singrava muito devido às estações piratas de que a Caroline se tornou um ícone.

Leitura (apressada): Ray Clark (2014). Radio Caroline and the True Story of the Boat that Rocked. Stroud, Gloucestershire: The History Press, 256 páginas

A rádio em Fernando Curado Ribeiro

FCRFernando Curado Ribeiro (1919-1995) publicou em 1964 o livro Rádio. Produção, Realização, Estética, já com o programa Sintonia 63 no ar. Sintonia 63 fechava o ciclo de 24 horas de emissão contínua do Rádio Clube Português.

O livro Rádio. Produção, Realização, Estética, agora com cinquenta anos de edição, divide-se em três partes e treze capítulos. A primeira parte, Produção Radiofónica, tem três capítulos: Exploração Radiofónica, Rádio e Cultura, O Ouvinte. A segunda parte, Realização Radiofónica, tem cinco capítulos: Rádio Teatro (texto, montagem, realização, ensaios, ambientes, relevo sonoro, ruídos e trucagem, música, interpretação, montagem final; Início da Arte Radiofónica. Nova Estética), Rádio Informação (noticiários, rádio repórter e rádio reportagem, terminologia e sinais usados na realização radiofónica), Voz. Palavra Falada, Textos. Palavra Escrita, Formação Profissional do Pessoal da Rádio (realização; considerações, cursos e aplicação prática). A terceira e última parte, Estética, tem quatro capítulos: Cânones da Estética Radiofónica, Possibilidades de uma Estética Aplicável à Rádio Publicidade, Integração da Rádio numa Estética Geral, Caminho e Resistências da Obra de Arte Radiofónica.

A sua leitura está a ser inspiradora.

A rádio em Arnheim

RARudolf Arnheim publicou o livro Radio no mesmo ano em que Walter Benjamin divulgou o texto A Obra de Arte na Era da Reprodutibilidade Técnica – 1936. Ambos judeus, ambos malditos. Arnheim preparara o livro desde finais da década de 1920, interessado na emergência dos novos media (rádio, primeiro, televisão, depois). O gramofone, o telefone, o cinema sonoro e a expansão da imprensa corriam a par da reprodução (fotografia e cinema, tecnologias e meios de expressão trabalhados por Benjamin, que escrevia sobre a perda da aura ou do sentido único da obra pela reprodução que alargava o conhecimento e tornava democrático o acesso às obras). O magnetofone (o gravador de som) estava também a aparecer. Foi igualmente um tempo muito duro, com as ditaduras e o fascismo e o nazismo, que conduziram a um grande desastre na Europa.

Arnheim (1904-2007) começara a sua actividade profissional como jornalista e cronista em jornais e revistas, caso do jornal satírico Stachelschwein e de Weltbühne, este um meio ligado à esquerda política e interdito logo em 1933. Arnheim estudara história da arte e escreveu uma tese sobre psicologia da arte dentro da perspectiva da Gestalt. Aliás, a área mais conhecida dele foi essa. Lembro o livro Arte e Percepção Visual, texto que me deu muito trabalho a ler e trabalhar há mais de vinte anos. Em 1932, Arnheim escrevia O Filme Enquanto Arte, onde abordou a imagem fílmica. Os seus trabalhos sobre a rádio seguiram muito o raciocínio teórico aplicado ao cinema. No ano seguinte, devido à ascensão de Hitler ao poder, ele abandonou a Alemanha e instalou-se em Roma, onde o editor Ulrico Hoepli lhe encomendou uma enciclopédia do cinema, tarefa não completada devido às leis raciais de Mussolini. Mas foi em Itália que Arnheim escreveu em inglês Radio (1936), com a tradução italiana em 1937 (La Radio Cerca la sua Forma) e alemã apenas em 1979. Arnheim, após uma passagem pela Inglaterra, foi viver e trabalhar para os Estados Unidos, onde ensinou na Universidade no Exílio na New York School for Social Research e em universidades como Harvard e Michigan.

Direcção e distância, o ouvido e a sua imagem do mundo, a reverberação, o elogio da cegueira [a rádio não permite ver, ou o audível por supressão do visível], a arte de falar e a sonoplastia são alguns dos tópicos tratados nos capítulos do livro. Arnheim acreditava que a televisão mataria a rádio, do mesmo modo que o cinema mudo fora extinto pelo sonoro. Para ele, a televisão resultaria do casamento do cinema com a rádio, sendo esta a rainha do ouvido, da palavra, da literatura e da música (p. 269). Interessante a perspectiva, com Arnheim a falar em tubos de raios catódicos mesmo no começo da televisão (antes da II Guerra Mundial) – a televisão acabaria com a diferença do teatro, transmitiria filmes e peças de teatro, seria púlpito de conferências e cenário de concerto (p. 262).

A voz, a montagem radiofónica, a ideia de Hörspiel (peça para ouvir, peça radiofónica) que ultrapassava o teatro radiofónico e se assumia como todo o trabalho da rádio. Ainda não havia o registo magnético e algumas das imagens gráficas do livro dão conta de um tempo em que a emissão radiofónica ainda sentia problemas, caso dos ruídos, mas em que a divulgação universal se fazia. Um exemplo: o Papa transmitia a partir de Rádio Vaticano para todas as nunciaturas do mundo através de ondas curtas (p. 225). Arnheim também dava uma importância muito grande às estações públicas e ao modo como ela podia formar os gostos da população, num sentido pedagógico e popular. Aí, não andava muito longe de Brecht.

Leitura: Rudolf Arnheim (2005). Radio. Lot: Van Dieren Éditeur

Ié-Ié – memórias musicais dos anos 60

LPADaniel Bacelar, Claves e Ekos tomaram ontem conta do palco da Associação Desportiva e Cultural da Encarnação e Olivais, apresentados por Teresa Lage. Foi um fantástico retorno à música da década de 1960. Tudo devido ao lançamento do livro de Luís Pinheiro de Almeida, Biografia do Ié-Ié, e ontem apresentado por Nuno Galopim, jornalista e realizador de programas de rádio na Radar.

Escrito por Luís Pinheiro de Almeida, saiu recentemente o livro Biografia do Ié-Ié. Trata-se de um dicionário de entradas (bandas, programas de rádio, empresários, concursos) de um período vibrante (1964-1967), revisitado por um grande especialista.

Das bandas ou grupos, como então se dizia, Luís Pinheiro de Almeida dá o destaque principal no livro. De entre eles, porque me impressionaram na época, recordo Conjunto Mistério/Quarteto 1111 (pp. 127-130), Quarteto 1111 (pp. 252-258) e censura aos seus trabalhos (pp. 254-255, 274), Sheiks (pp. 269-286), Quinteto Académico, Pop Five Music Incorporated. Foi esta última banda qu fez a música que servia de indicativo ao programa de rádio Página 1. Há também espaço para as versões (p. 129) – as canções de êxito internacional tinham tradução (adaptação) de letra para português e cantor(a) nacional.

Popologia, uma conferência sobre cultura pop (Março de 1968) é analisada pelo autor (pp. 245-246). Ele apresenta também três programas essenciais da rádio portuguesa daquele período: Em Órbita, 23.ª Hora e Página 1. Ouvir os discos na rádio era uma forma habitual (p. 240), pois na época eram elevados os preços dos discos e em especial dos gira-discos. Os discos, até aí gravados numa pista, passaram a sê-lo em quatro pistas (p. 241) e mais. Com os estúdios da Valentim de Carvalho, a possibilidade aumentava para 16 pistas (p. 260). Em 1973, surgia o primeiro disco a usar o sintetizador Moog (p. 257). O livro destaca um empresário, Arlindo Conde (p. 66), e um concurso de ié-ié no Monumental em 1965 (pp. 93-117).

Para Luís Pinheiro de Almeida, o serviço militar obrigatório em África foi a morte do movimento musical ié-ié. Por exemplo, os Sheiks, que poderiam ter uma vida artística internacional, acabaram com a ida de alguns elementos para esse serviço militar (p. 233).

Daniel Bacelar foi o primeiro músico português a gravar um disco de rock, então com 17 anos, com Fui Louco por Ti e Nunca (lado A; o lado B pertenceu aos Conchas). Na apresentação do livro, Nuno Galopim falou de memórias da alvorada da música pop rock portuguesa, vinda de finais da década de 1950. Para ele, esta corrente de música nasceu em Coimbra, de uma banda que não chegou a gravar, os Babies, de que fazia parte José Cid. O critério de entrada no livro de Luís Pinheiro de Almeida seria o das bandas que editaram discos. O livro, que começara por ser uma biografia dos Sheiks, acabou por se alargar no tempo – antes e depois.

Na apresentação do livro, Nuno Galopim chamou ainda a atenção de como a ditadura se soube aproveitar do entusiasmo da “rapaziada” em tocar guitarra. Enquanto fazia isto, “não se metia na política”, como então se dizia. E lembrou o momento mítico da organização do concurso de rock pop organizado pelo Movimento Nacional Feminino entre 1965 e 1966 no Teatro Monumental e apoiado pelos media controlados pelo Estado. Não havia uma agenda política nos músicos, consciencializados logo depois, como um disco do Quarteto 1111 iria revelar.

Leitura: Luís Pinheiro de Almeida (2014). Biografia do Ié-Ié. Lisboa: Documenta, 327

Vítor Pi

Ontem foi a inauguração do Museu de Artes de Sintra, no edifício do antigo Casino, junto ao Centro Cultural Olga Cadaval, herdando o espólio e a actividade da Galeria Municipal, constituído por colecções permanentes (Dórita Castel-Branco e Emílio de Paula Campos) e temporárias. Aqui, relevo a exposição de Vítor Pi, sob o tema Breu, patente até 18 de Junho (na primeira imagem, o pintor está junto ao seu painel na entrada nobre do edifício). Vítor Pi, além de pintor, é dinamizador na área do teatro.

Vítor Pi 1Vítor Pi 3

Do blogue: reflexões e actualidade sobre indústrias culturais (imprensa, rádio, televisão, internet, cinema, videojogos, música, livros, centros comerciais) e criativas (museus, exposições, teatro, espectáculos).


Carnets de recherche