Sobre o teatro e a comunicação

Acaba de sair o primeiro número de Conexión, publicação do Departamento de Comunicaciones da Pontificia Universidad Católica do Perú. Na apresentação, indicam-se os principais textos agora publicados:

“El texto de Juan Gargurevich, por ejemplo, es una conferencia que dictara en abril de este año en Arequipa, en el marco del Foro Hablemos: Más Voces para la Comunicación, organizado por la Presidencia del Consejo de Ministros y apoyado por nuestra Facultad; Rolando Pérez comparte los apuntes teóricos y lecturas sobre la relación entre los medios y la religión, cuyos insumos corresponden a su tesis de maestría y a los avances de un proyecto de investigación interdisciplinaria sobre el nuevo rol público de la religión con profesores de la Facultad de Ciencias Sociales; Jorge Acevedo pone al alcance un texto introductorio a una mesa redonda sobre la relación entre medios de comunicación y democracia en el Perú, que organizó la especialidad de Comunicación para el Desarrollo en octubre del 2011 en el marco del Foro Permanente Hacia una Comunicación Plural. En este caso hemos considerado oportuno incorporar también las intervenciones de los asistentes al evento” (descarregar aqui toda a revista).

conexión

Há um texto que me chamou a particular atenção, o de Lorena Pastor sobre El teatro: una propuesta metodológica. Trata-se do capítulo metodológico da sua tese de mestrado Break dance: “un camino diferente”. Construcción de identidades, entorno y referentes para la acción social. Experiencia en el distrito de El Agustino (2011). Escreve: “La investigación busca problematizar qué es lo que los jóvenes constituyen a través del break dance en sus diversos espacios de acción, así como descubrir motivaciones y fines (agencia). Se trata de develar de qué manera los cuerpos codifican (procesos) y comunican (acciones) un lenguaje que puede contener conflictos y objetivos que se encuentran relacionados con un contexto y situación social determinados. Se busca observar y analizar cuáles son los procesos de apropiación, práctica y difusión del break dance con el fin de descubrir el carácter de agencia de esta cultura expresiva en la sociedad contemporánea. La idea es entender al joven como  actor protagónico de su destino, como sujeto que emprende acciones a través de recursos propios que abarcan desde la misma individualidad que acciona en el cuerpo, hasta estrategias de relaciones que se materializan en redes sociales que se desarrollan en el espacio y el tiempo”.

Posted in Comunicação, Cultura, Teatro | Leave a comment

Encontros de Cinema de Viana

Os Encontros de Cinema de Viana, organizados pela Associação ao Norte (Associação de Produção e Animação Audiovisual) e pela câmara municipal de Viana do Castelo, afirmam-se como uma experiência única no meio cultural da região e do país que permite um espaço comum de partilha, formação e debate. Aí confluem estudantes de cinema e das escolas de região, cineclubistas de Portugal e da Galiza e público em geral. Este espaço de exibição, divulgação e reflexão aposta numa forte ligação aos mais jovens, à convocação de um espectro amplo e plural de públicos e ao estímulo do trabalho criativo sobre a imagem e do seu poder para representar o que nos rodeia (a partir de texto da organização).

confnews2

A organização convida-o a submeter propostas de comunicação, com um mínimo de 2000 caracteres, nas seguintes áreas: Cinema e escola, Cinema e ciência, Documentário contemporâneo, Cinema: novas narrativas e novas tecnologias (ao-norte@nortenet.pt). Programa: descarregar aqui.

Posted in Cinema | Leave a comment

Estudo sobre o sector do audiovisual em Portugal

Amanhã, Dia do Serviço Público de Rádio e de Televisão, a Faculdade de Economia e Gestão (Universidade Católica Portuguesa, Porto) apresenta as conclusões de estudo realizado em 2013 sobre o sector do audiovisual em Portugal.

Posted in Media | Leave a comment

Canais televisivos de notícias

Saiu agora o relatório Television News Channels in Europe, do Observatório Europeu do Audiovisual, sobre 38 países europeus (União Europeia, candidatos e outros países), dizendo respeito ao acesso e consumo de notícias. Os canais internacionais mais divulgados na Europa são: CNN International, BBC World News, RT (Russia Today), Al Jazeera (inglês), Euronews (inglês), France 24 (inglês) e Deutsche Welle. Na tabela abaixo figura também o Euronews (português), em 15º lugar.

news channels

O relatório traça uma perspectiva global em termos de dimensão e crescimento e indica que a actividade de notícias assenta numa indústria não baseada no lucro. Acrescenta ainda que muitos canais fecharam nos últimos anos mas revela, ao mesmo tempo, e apesar da crise económica, do lançamento de 28 novos canais desde 2010, incluindo versões linguísticas do Euronews (as últimas foram a grega e a húngara), dois canais na Roménia (2012), o canal pan-regional Al Jazeera Balkan (2012). Portugal também acompanhou o movimento de novos canais. O relatório indica ainda os novos hábitos de ver televisão, associados aos novos media e ao crescimento dos ecrãs domésticos múltiplos.

Posted in Televisão | Leave a comment

I Congresso da Sociedade Civil

Durante o dia, no I Congresso da Sociedade Civil, no ISCTE (Lisboa), oito grupos de discussão – ensino e ciência, emprego e empreendedorismo, ordens profissionais, saúde e desporto, família e solidariedade, ambiente e desenvolvimento rural, e cidadania e minorias – estabeleceram uma discussão sobre sociedade civil e serviço público de media (rádio, televisão e internet) a partir de dois pontos, o primeiro ligado à proposta do contrato de concessão em discussão pública e o segundo sobre qual a melhor forma da sociedade civil ter um papel mais interveniente no serviço público de media.

Um documento base do ISCTE trazia algumas das ideias da proposta do contrato de concessão: quatro novos canais da RTP (sociedade civil, música, educação, infanto-juvenil, que as estações comerciais já contestaram), a perda pela RTP da posição de produtora de conteúdos, passando a uma situação residual. Por outro lado, o documento do ISCTE estimava em 8,5 milhões de euros a concretização do canal de sociedade civil, valor sustentado por comparabilidade com o valor de dois milhões de euros do Porto Canal e cerca de um milhão do CM TV.

sociedade civil

À tarde, oito relatores dos grupos apontariam as conclusões, de que destaco algumas, como o interesse da sociedade civil (instituições públicas e privadas, ordens profissionais, organizações não governamentais, cidadãos) numa maior participação nos media públicos. Uma das questões discutidas foi o binómio canal próprio versus conjunto de programas específicos. Apontou-se o segundo como o mais viável quer financeiramente quer em termos de construção de uma grelha de programas, propondo-se a dinamização dos actuais e com programas formativos, como se fosse uma escola pública, para mostrar e partilhar valores e competências e divulgar obras e boas relações, numa linguagem simples e de proximidade, capaz de alterar mentalidades. Falou-se também de programas com conteúdos apelativos. A criação de um novo canal traria mais segmentação e perda de audiências. Foi realçada a vontade de manter a RTP, dado ser uma das marcas portuguesas mais fortes (dentro do país, na diáspora e nos países de língua portuguesa), com a consequente defesa do valor produtivo – e a contestação ao projectado contrato de concessão, em especial a sua cláusula 19, que indica a perda da capacidade produtiva da empresa em troca dos papéis de agregadora e distribuidora. A sociedade civil, foi destacado por vários relatores, apresenta ideias e estimula conteúdos mas não tem competências técnicas para produzir conteúdos. Houve quem se referisse a este caderno de encargos como utópico, mas necessário para ser um motor nacional capaz de contrariar o pessimismo e a desconfiança no tempo actual. Sugeriu-se ainda a formalização desta corrente civil de opinião, pelo que se esperam novos passos em breve.

Na sessão de inauguração do congresso, o ministro Poiares Maduro referira três elementos centrais do programa do governo relativamente ao serviço público. O primeiro é o relacionado com o novo contrato de concessão que define a missão estratégica da empresa (produção cultural, produção independente, regulação da qualidade do audiovisual). O segundo ponto identifica a estabilidade do financiamento, com uma prevista transferência consubstanciada no contributo audiovisual (taxa através da factura da electricidade) e independente de decisões anuais do governo. O terceiro e último ponto diz respeito ao modelo de governação da RTP, com a criação de um conselho geral independente, o que vai obrigar a mexer nos estatutos da empresa RTP. Esta nova entidade terá entre as suas funções a nomeação do Conselho de Administração da RTP.

Apesar do bom trabalho desenvolvido ao longo do dia por mais de cem participantes, uma crítica feita à organização do evento foi a colocação de informação sobre resultados do congresso ainda antes dele começar, como se lê numa notícia do Expresso de hoje, além de dois comunicados produzidos pela agência Lusa ao longo do dia, veiculando a ideia de viabilidade financeira de um canal próprio para a sociedade civil. Isto não coincide com a apresentação de resultados no final da tarde pelos relatores dos diversos grupos, como escrevi acima.

Posted in Política, Público, Rádio, Televisão | Leave a comment

Programa definitivo da Conferência Serviço Público de Media: um Novo Paradigma

Em baixo, o programa definitivo da conferência Serviço Público de Media: um Novo Paradigma, organizada pela RTP para o próximo dia 20 no Centro Cultural de Belém, na sala Sophia de Mello Breyner. Uma das intervenções vai caber ao consultor da BBC, Tim Suter, que trará uma visão dos media para 2020 da European Broadcasting Union.

Posted in Televisão | 1 Comment

Cultura e Estado em discussão, ontem à noite

Ontem à noite, dentro do Festival-IN Inovação e Criatividade, falou-se de indústrias culturais e criativas, jornalismo cultural e orçamentos do Estado dedicados à cultura (Com ou sem Estado? Cultura sob Respiração Assistida), num colóquio organizado por Cláudia Camacho (AntiFrame), com Dora Santos Silva, Rui Matoso e eu próprio. Antes do colóquio, passeei pelos pavilhões 1 (indústrias culturais) e 3 (indústrias criativas), como os designei. Museus, design, tecnologias, artes visuais e performativas, moda, joalharia e espaços das universidades foram algumas áreas que percorri.

ABCD0094ABCD0095ABCD0096ABCD0097ABCD0099

Posted in Cultura | Leave a comment

Morte de Rui Valentim de Carvalho

Esta semana, morreu Rui Valentim de Carvalho, editor de Amália Rodrigues – entre 1952 e 1999 – e administrador da Valentim de Carvalho durante mais de 50 anos.

Admirador da sua música, ele foi o editor de Amália Rodrigues de 1952 até ao ano de falecimento da fadista. Quando se torna seu editor, ele tinha 21 anos e ela 32 anos. Da notícia de onde extraio a informação (http://www.ionline.pt/artigos/mais/rui-valentim-carvalho-editor-exemplar/pag/-1), David Ferreira, sobrinho de Rui Valentim de Carvalho, contaria: “Tinham uma relação próxima, ele ia para o estúdio, não ficava fechado no gabinete. Naquelas famosas sessões em que ela levava arroz de pimentos e pastéis de bacalhau, ele estava lá. Também assiste a espectáculos pelo mundo fora e defende-a quando o fado de Amália choca muitos. Estava sempre do lado dela”. Depois de 1974, quando as estéticas musicais eram outras, um momento difícil para Amália, conotada com o antigo regime, ele foi muito amigo dela, acontecendo o mesmo quando esteve doente.

Ele criaria os estúdios Valentim de Carvalho, na década de 1960. Após a primeira gravação de Amália para a Editora Valentim de Carvalho, nos estúdios de Abbey Road (Londres), ele teve a vontade de fazer um estúdio semelhante no nosso país. Nos estúdios de Paço d’Arcos gravaram nomes como Júlio Iglésias, Cliff Richard, Shadows, Vinícius de Moraes e Rolling Stones. Além de Amália Rodrigues, ele trabalhou com outros grandes nomes do fado e da música como Carlos Paredes, Alfredo Marceneiro, Hermínia Silva, Carlos Ramos, Lucília do Carmo, Max, Maria Teresa de Noronha e Fernando Farinha, mas também com Quarteto 1111, Sheiks e Duo Ouro Negro, Rui Veloso, GNR e António Variações.

Da mesma notícia que li (http://www.ionline.pt/artigos/mais/rui-valentim-carvalho-editor-exemplar/pag/-1), o musicólogo e especialista em fado Rui Vieira Nery apontaria que ele era um “editor exemplar [e] pessoa muito afectuosa, muito requintada e culta”. E acrescentaria: “No universo da indústria discográfica, há normalmente uma obsessão com o lucro. No Tim, como era conhecido, sempre vi o fascínio pela música, a paixão pela arte, a vontade de fazer coisas que ficassem como legados artísticos importantes”.

Aos treze anos, ele vai trabalhar para a empresa fundada pelo tio em 1914. Nesse momento, ainda estudava no ensino técnico. A Valentim de Carvalho começou por vender gramofones e instrumentos musicais. Depois, tornou-se a primeira editora discográfica portuguesa.

Posted in Música | Leave a comment

Rádio Clube Lusitânia

O Congresso Internacional Censura ao Cinema e ao Teatro começou ontem e decorre até amanhã na Universidade Nova de Lisboa. É o “culminar [de] dois anos de trabalho onde o foco da investigação incidiu sobre a censura e mecanismos de controlo da informação ao cinema e ao teatro antes, durante e após o Estado Novo português”, realizado por uma equipa do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo) e financiado pela FCT. O congresso, na perspectiva dos organizadores, “pretende ser um espaço aberto de debate e abranger o estudo da censura sobre diversos e amplos aspectos, privilegiando abordagens interdisciplinares e actuais que se integrem nas principais questões científicas internacionais, na discussão teórica e em metodologias de trabalho inovadoras com resultados relevantes”.

Numa das mesas da manhã de hoje, discutiram-se os arquivos (da censura) na óptica do arquivista (Paulo Tremoceiro, da Torre do Tombo) e Tiago Rodrigues (que montou uma peça a partir de registos de censura a peças de teatro) [imagem abaixo, estando ao centro Joaquim Paulo Nogueira].

censura

À tarde, eu falei sobre uma estação de rádio do Porto, Rádio Clube Lusitânia (1938-1945), encerrada pelo regime do Estado Novo, e do seu proprietário Júlio Augusto Nogueira (1905-1968). Abaixo um texto da Vida Mundial Ilustrada (9 de Novembro de 1944, em texto assinado por Fernando Curado Ribeiro), que seria usado como uma das provas para encerrar a estação, dada a orientação do proprietário da rádio a favor do estabelecimento da democracia em Portugal, já no final da II Guerra Mundial.

RCL

Posted in Rádio | Leave a comment

Televisão, serviço público de media e sociedade civil

De repente, o tema do serviço público de media (televisão, rádio e internet) saltou para a ordem do dia. No próximo sábado, dia 16 de Novembro (ver abaixo), o ISCTE promove o I Congresso Nacional da Sociedade Civil – A vez dos cidadãos, reunindo organizações que vão discutir o Projeto de Contrato de Concessão da RTP, que se encontra em fase de discussão pública até final de Dezembro e será o foco do debate do encontro. Depois, durante a tarde do dia 20 de Novembro, no Centro Cultural de Belém, realizar-se-á a conferência Um Novo Paradigma para o Serviço Público de Media em Portugal, onde estarão presentes, para além de governantes e dirigentes da RTP, entidade que organiza o evento, Tim Suter, consultor da BBC para o Projecto Vision 2020, e Ingrid Deltenre, directora-geral da European Broadcasting Union (EBU).

Posted in Media, Política, Público, Rádio, Televisão | Leave a comment

António Ferro

acciaiuoliAntónio Ferro, a Vertigem da Palavra. Retórica, Política e Propaganda no Estado Novo (2013) é o novo livro de Margarida Acciaiuoli, que se segue ao portentoso Os Cinemas de Lisboa. Um Fenómeno Urbano do Século XX (2012), agora em segunda edição, e do qual, infelizmente, ainda não fiz aqui qualquer comentário.

O livro António Ferro está dividido em quatro capítulos: A arte de falar entre linhas, a política do espírito, a campanha do bom gosto, edições e revisões. Por razões pessoais, li primeiro os capítulos do meio e depois os outros e gostei mais daqueles do que destes. A escrita de Margarida Acciaiuoli é agradável, o livro está muito bem documentado (e acompanhado de muitas imagens) e existe uma reflexão de fundo sobre uma das mais marcantes personagens do século XX português.

Numa das teses do livro, António Ferro preparara-se para ser o homem da cultura e da propaganda de Salazar, quando, após as entrevistas aos ditadores europeus, incluindo Mussolini e Hitler, ele fez o mesmo com Salazar: “selecciona assuntos, projecta cenários, e acelera a necessidade de tornar conhecido o pensamento de Salazar” (p. 78). Durante cinco dias ao longo de duas a três horas por dia, os dois falaram. O Diário de Notícias, onde Ferro era jornalista, publicou. Era a força da palavra que triunfava.

A entrevista foi em Novembro de 1932, em Setembro de 1933 era criado o Secretariado de Propaganda Nacional (SPN), liderado por António Ferro. Mil contos foi a verba do primeiro ano para a actividade da propaganda, coisa pouca se se relacionar com os 3% do orçamento do Estado italiano ou os 14 milhões de marcos do ministério da Propaganda alemão (p. 103). Mas Ferro começou a aplicar a sua política do espírito. Exposições de arte moderna (pintura e escultura), fotografia e cinema, prémios artísticos e literários, o bailado Verde Gaio, arte popular e passagem do SPN para o SNI (Secretariado Nacional de Informação) em 1944, são os principais tópicos trabalhados no segundo capítulo do livro de Margarida Acciaiuoli.

A campanha do bom gosto é a aplicação das ideias de António Ferro ao turismo, à revista Panorama, ao modelo das pousadas. O capítulo é também espaço para o balanço de catorze anos de actividades do SPN/SNI. No final de 1949, as homenagens a Ferro traçariam esse balanço. Ele divulgara o nome e a obra de Salazar, mas também a arte, a literatura, as qualidades do povo, disse António Eça de Queirós, subdirector do Secretariado e seu sucessor na Emissora Nacional  (p. 342), num longo panegírico. A rádio também lhe estava grata: com Ferro, fora lançado o Gabinete de Estudos Musicais (GEM), inaugurado o Emissor Regional do Norte (1943) e o emissor de Castanheira do Ribatejo (1945).

Na circunstância, Ferro falaria da gente mais sensível da vida portuguesa: escritores, artistas, jornalistas (p. 344). Numa das cerimónias de homenagem, os homens do regime estavam juntos com o pai da propaganda nacional, como Augusto de Castro, director do Diário de Notícias, António Lopes Ribeiro, Diogo de Macedo, Leitão de Barros, João Ameal e outros (p. 345). António Ferro saía contente pela actividade desempenhada, mas sabemos, através da biografia da sua mulher, Fernanda de Castro, que ele queria continuar. A questão, explica Margarida Acciaiuoli, é que o final da II Guerra Mundial trouxera alterações profundas e o esforço da propaganda, entretanto mudado para informação, precisava de novos protagonistas. Salazar perpetuou-se no poder mas não os seus colaboradores.

O livro agora editado dá uma visão muito completa do período e traça a história do homem e da sua obra, o SPN/SNI. Ferro fez de Portugal o seu teatro e foi o seu encenador, defende a autora do livro. A meu ver falta uma coisa no livro: o trabalho da censura exercido por aquele organismo do Estado Novo e que foi marcante na definição da ausência de novas políticas estéticas, sem esquecer as perseguições políticas individuais. Apesar de elementos de modernidade, que se foram atenuando à medida que os anos passavam, e do sucesso das actividades fora, nomeadamente as exposições universais, o país fechou-se mais sobre si. A década de 1960 ilustraria isso, já com novos responsáveis.

Leitura: Margarida Acciaiuoli (2013). António Ferro, a Vertigem da Palavra. Retórica, Política e Propaganda no Estado Novo. Lisboa: Bizâncio, 432 p., 18 €

Posted in Cultura | Leave a comment

Dilma Rousseff assina decreto que permite mudança de rádios AM para FM

No Brasil, a presidente Dilma Rousseff assinou o decreto que possibilita a migração das rádios de AM para FM. A razão apontada é para a queda acentuada das audiências em ondas médias. No presente, há 1772 estações de AM. Segundo a informação, o processo de migração não é obrigatório. Possivelmente em algumas partes do país, como São Paulo e Campinas, não haverá espaço electromagnético para todas as que queiram instalar-se em frequência modulada, tendo de esperar o processo de digitalização da televisão (canais 5 e 6), com cada canal apto a abrigar vinte estações de rádio. O problema que surge é que os receptores existentes no mercado não conseguem sintonizar as estações a ocupar as frequências da televisão, porque essas faixas não estavam previstas. O governo brasileiro já terá começado o diálogo com a indústria para que os receptores se adaptem também a essas frequências.

Posted in Rádio | Leave a comment

Amadeu ao fundo

fcg

A exposição no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian chama-se Sob o Signo de Amadeo – um Século de Arte. Mas a obra de Amadeu Sousa Cardoso está no fundo, numa cave. Devia estar à entrada. Parece que a sua organização funcionou na lógica do supermercado: quando quero comprar água ou leite tenho de percorrer toda a superfície até chegar lá, obrigando-me a ver tudo e talvez a comprar algo que não tinha pensado antes.

Até chegar a Amadeu, a exposição fez-me algum tédio.

Posted in Arte, Museus | Leave a comment

Absolutribut

lojaNum 2 de Setembro, publicava-se: “A Absolutribut é essencialmente uma loja de roupa em segunda mão. Como o próprio nome indica, a loja é um tributo ao «Absoluto», a todas as marcas e todos os géneros de vestuários até hoje inventados : hippie, anos 70, anos 80, gótico, punk, grunge, entre muitos outros. Convidámo-lo a criar o seu próprio estilo na fusão de diversas relíquias que possa encontrar! Envolva-se num ambiente acolhedor e encontre peças únicas em óptimo estado” (Absolutribut, twice upon a time).

Gostei de conhecer a jovem e empreendedora proprietária da loja [na foto aqui] (ver imagem da montra aqui, em que falei sobre lojas de roupa em segunda mão, o que provocou a escrita de cem comentários na mensagem). Ela andava a arranjar tempo para visitar o MUDE (Museu do Design e da Moda), pois queria diversificar, aprender e inovar. Agora, que passei pelo local, a loja tinha desaparecido. Esta havia sido inaugurada a 15 de Novembro de 2010, com a informação: “com horário alargado das 9 às 21 horas. Venha visitar-nos, e quem sabe, encontre as peças ideias para renovar o seu guarda roupa”.

Eu suspeitava de qualquer coisa, pois no último S. João não houve montra enfeitada para o concurso como nos anos de 2011 e 2012. Lembro-me de ter comentado com ela a montra de 2011, que estava muito bonita. O pequeno sapo em cerâmica no chão à entrada não foi suficiente para evitar o encerramento. Agora, a minha rua Chelsea ficou mais triste, tornou-se quase só uma passagem de autocarros em direcção à parte oriental da cidade.

Actualização (9:08, 11 de Novembro de 2013): afinal, e apenas por meu desconhecimento, a vintage store, como se intitula, mudou de sítio, mantendo-se na mesma zona (rua Formosa, 194, Porto).

Posted in Cidades criativas, Moda | Leave a comment

O vosso pior pesadelo, pelo Teatro Art’Imagem

art'imagemO Vosso Pior Pesadelo, original de Manuel Jorge Marmelo e encenado por José Leitão, do Teatro Art’Imagem, é uma peça muito violenta. As personagens são três: o prisioneiro (Pedro Carvalho), o cabo (Miguel Rosas) e o coronel (Flávio Hamilton). O prisioneiro é um comediante que, por fazer humor com a política e a corrupção, foi considerado terrorista e preso e condenado a grandes sevícias. O comediante-prisioneiro, a cada tortura física e mental, respondia com um sorriso ou uma graça, o que desconcertava os algozes.

A acção decorre à volta de uma jaula onde o preso Alfa Um permanece isolado, sem direitos. Mesmo ler é algo que lhe é dificilmente concedido, um prazer de apenas quinze minutos diários. O cabo não compreende a ironia e a cultura do prisioneiro, nem isso é importante para a sua ocupação: a de cuidar de Alfa Um e inibir nele qualquer gesto, acto ou pensamento subversivo. Afinal, o cabo é um elo de uma cadeia que nem sequer se esgota no coronel, indivíduo pérfido ou com taras de ordem psicológica. Há um espírito de obediência a um chefe ausente mas que manda. O comediante é o único que não pertence ao universo dos dois militares, mas acaba por detectar humor e alguma subversão no coronel, num jogo de alto risco físico para si. A postura realista dos actores acentua, para quem a vê a peça, a componente dolorosa do texto.

Assim, o texto aborda temas atuais como a situação europeia e Portugal, o modo como as políticas dos países se deterioram e levam a questionar os direitos dos cidadãos, a democracia, a violência e perda de liberdade. Pergunta-se: de que têm medo os cidadãos. No começo da peça, cada actor apresentou-se: estado civil, filhos e situação profissional. A última caracterizo-a como alarmante – o trabalho de ator é cada vez mais precário, o que se tornou uma boa ligação à peça.

Do Teatro Art’Imagem, vira em 2012 Madrugada, como escrevi aqui.

Posted in Teatro | Leave a comment

A Guerra dos Mundos 75 anos depois

Na noite de domingo 30 de outubro de 1938, na véspera do dia das bruxas nos Estados Unidos (halloween) a rede de rádio CBS transmitia o programa Mercury Theater. Um jovem e talentoso ator, Orson Welles, escolhera para aquela semana o romance de ficção científica “A Guerra dos Mundos”, escrita no final do século XIX pelo inglês H. G. Wells. A época era excecional: na Europa estava quase a iniciar-se um gravíssimo conflito: a Segunda Guerra Mundial. Os ânimos estavam exaltados. Na audição da peça um em cada cinco ouvintes não notara que era uma obra de ficção. Parte considerável dos ouvintes acreditaram que a Terra estava mesmo a ser invadida por marcianos. O pânico provocou acidentes em série. Além de tudo, o programa aparentava ser normal – com música transmitida de um concerto de dança interrompido bruscamente por uma notícia de última hora (adaptado da introdução de Eduardo Meditsch ao livro Rádio e Pânico 2).

Depois, a 25 de junho de 1958, um jovem locutor e realizador da Rádio Renascença, José Matos Maia, em Lisboa, levava a cabo uma emissão intitulada “A Invasão dos Marcianos”. Agora, os extra-terrestres não aterravam em New Jersey, perto de Nova Iorque, mas aqui ao lado, em Carcavelos. O mesmo pânico (mas também a mesma curiosidade) que vinte anos antes nos Estados Unidos. Os telefones das esquadras da polícia ficaram entupidos com solicitações dos ouvintes. A polícia foi à Rádio Renascença e o programa não chegou ao fim. Depois, Matos Maia era interrogado na polícia política (PIDE). O polícia que falou com ele estava bem informado sobre o pânico gerado pela peça de Orson Welles e perguntou se Matos Maia não sabia que ia provocar semelhante situação. À despedida, disse-lhe: “desta vez, sai pela porta fora. Da próxima, já não sai daqui”.

Em homenagem aos 75 anos da emissão certamente mais famosa da rádio enquanto meio de comunicação, os grupos dos meus alunos de Edição Multimédia fizeram podcasts das duas peças, em excertos, em página do Facebook. Eles não se ouvem sequencialmente, mas a ideia era experimentar, encontrar sons e homenagear esses homens e as suas ideias. É também uma homenagem aos alunos.

wellesMaia

Posted in Rádio | Leave a comment

Os dez anos do LabCom

digitalComunicação Digital. 10 Anos de Investigação, livro organizado por António Fidalgo e João Canavilhas, é o volume mais recente da colecção Comunicação da editora MinervaCoimbra.

O livro apresenta o trabalho do LabCom, Laboratório de Comunicação Online, centro de pesquisa de Ciências da Comunicação da Universidade da Beira Interior, na Covilhã, criado em 2002. Antes do LabCom, a equipa fundadora já tinha a experiência de uma biblioteca, a BOCC (Biblioteca Online de Ciências da Comunicação), lançada em 1999, o jornal Urbi et Orbi (2000), a revista Recensio (2001) e a investigação no projeto Akademia, financiado pela FCT.

O objectivo geral do LabCom é “a pesquisa sobre o estado das novas tecnologias de comunicação, especialmente aquelas envolvidas nos processos de comunicação online, para avaliar [o] seu impacto na vida quotidiana e os diferentes tipos de fenómenos resultantes da comunicação” (p. 11). Os textos incluídos no livro resultam de trabalhos feitos no LabCom, com a grande maioria dos seus autores oriundos da própria universidade da Covilhã como docentes ou investigadores. Design, jornalismo nos tablets, ecrãs e dispositivos móveis, Facebook, comunicação estratégica e webdocumentário são algumas das ideias traduzidas em capítulos de 15 a 20 páginas cada.

Por razões de interesse pessoal, mas sem qualquer valorização face aos outros, destaco os capítulos escritos por João Canavilhas e Ivan Satuf (Jornalismo em Transição: do Papel para o Tablet) e António Fidalgo e Catarina Moura (O Design e a Fabricação da Experiência). Neste último, acrescento a elegância da escrita e das referências bibliográficas (Vilém Flusser, Jean Baudrillard, Umberto Eco, Walter Benjamin, José Bragança de Miranda, Roland Barthes, Lev Manovich, Marshall McLuhan). Seguindo Manovich, pensamento aplicado à arquitectura e ao urbanismo, os autores consideram que o espaço navegável (multimédia) se torna uma espécie de medium que pode ser guardado, formatado, comprimido, recuperado e programado como o texto, o áudio e a imagem (p. 29).

Leitura: António Fidalgo e João Canavilhas (org.) (2013). Comunicação Digital. 10 Anos de Investigação, Coimbra: MinervaCoimbra, 209 p., 17€.

Posted in Comunicação | Leave a comment

Media e império português em congresso

media e império

Posted in Media | Leave a comment

Congresso sobre censura ao cinema e ao teatro

O Congresso Internacional Censura ao Cinema e ao Teatro, a decorrer nos dias 13 a 15 de Novembro no Edifício I&D, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, tem já o programa fechado, conforme informação abaixo.

Posted in Cultura, Política | Leave a comment

First Person Scholar

First Person Scholar (http://www.firstpersonscholar.com/) is seeking submissions for our weekly games studies periodical. As a publication, it is our aim to occupy the niche between academic blogs and scholarly journals in establishing an informed, sustained conversation. Our articles, read by thousands a month, are relatively short, thought-provoking pieces that are intended to stimulate debate on games and games scholarship. In that respect, our contributors are encouraged to take calculated risks with their submissions; we want to hear scholars think out loud about gaming in a way that challenges accepted definitions and practices. If journals document where games studies has gone, we are interested in where games studies is going.

First Person Scholar publishes in three broad categories:

COMMENTARIES
Editor: Kent Aardse (kent.aardse@firstpersonscholar.com)

The commentary section exists as a venue for writers to tackle ideas still being worked through in their minds. Commentaries begin with the discussion of a game, and from there work outwards to include theory and criticism that may be particularly relevant in such discussion. We encourage authors to be daring and experimental in their discussion. Commentaries should attempt to tackle issues in game scholarship which are not all too common.

ESSAYS
Editor: Jason Hawreliak (jason.hawreliak@firstpersonscholar.com)

Essay submissions for FPS are meant to address critical, theoretical, and methodological considerations as they pertain to game studies. Although essays should be theoretically grounded, theory should be discussed in the context of particular games or play experiences. If “Commentaries” are inductive, moving from the particular to the general, then “Essays” are deductive, moving from the general to the particular.

BOOK REVIEWS
Editor: Michael Hancock (michael.hancock@firstpersonscholar.com)

The purpose of the book reviews is two-fold: to act as a resource for game scholars and to critique and comment on the book’s arguments. As such, the book reviews are divisible into summary and commentary sections. We are also interested in publishing Second Takes, wherein a writer presents an alternate take on an existing review, and Comparative Studies, wherein a writer compares two or more game-related books.

GENERAL ARTICLE GUIDELINES

We invite submissions from graduate students, as well as established and emerging scholars, on games and new media. All documents are reviewed by the editorial staff prior to publication. We may request revisions prior to accepting your article. All submissions must meet the following criteria:
• 500-2000 words. Include your name, as well as a fifty-word bio.
• Scholarly but informal in tone.
• Articles must be submitted by Sunday in advance of a Wednesday publication.
• Essays and Commentaries require at least three (3) academic sources (including texts, journal articles, researched blog posts, etc.)

Please direct general inquiries to Editor-in-Chief, Steve Wilcox (steve.wilcox@firstpersonscholar.com).

Posted in Videojogos | Leave a comment

Adeus, Lou Reed

Lou Reed tinha 71 anos. Fizera um transplante de fígado este ano e morreu hoje, segundo os media digitais estão a anunciar. Oh, quantas alegrias a música dele e dos seus Velvet Underground (1965–1970) me deram!

Reconheço que envelheço. As minhas glórias musicais estão a morrer.

Posted in Música | Leave a comment

Novo provedor do leitor do Público

José Manuel Paquete de Oliveira vai assumir o cargo de Provedor do Leitor do jornal Público a partir do próximo mês de Dezembro. Paquete de Oliveira, doutorado em Sociologia da Comunicação e da Cultura, foi professor e vice-Presidente do ISCTE, Provedor do Telespectador da RTP (2006-2011), presidente da direcção da SOPCOM e dirigente do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo), e colaborador de vários jornais.

Posted in Jornalismo, Media | Leave a comment

Cultura do ouvir

cultura do ouvirO título do livro organizado por José Eugenio de O. Menezes e Marcelo Cardoso, Comunicação e Cultura do Ouvir, é fabuloso. Cultura do ouvir, explica Eugenio Menezes, foi o título de uma conferência dada em 1997 por Norval Baitello sobre as relações entre o ouvir e o ver: “o ouvir e o ver, operações perceptivas associadas a cada um destes dois universos, requerem ambos o cuidado e o cultivo dos próprios limites. O ouvir, mais vinculado ao universo do sentir, da paixão, do passivo, do receber e do aceitar. O ver, mais associado ao universo da acção, do fazer, da actividade, do actuar, do agir e do poder”.

Para Eugenio Menezes, a cultura do ouvir remete-nos para o tempo das grandes narrativas mitológicas mas também para a valorização das histórias que, antes de dormir, os pais contam aos filhos pequenos (p. 22). O mesmo organizador do volume leva-nos a autores como Vilém Flusser (que mapeia o crescimento da abstracção, ele que viveu na passagem da escrita para a imagem e a comunicação codificada em computador), Bertold Brecht (que na sua teoria sobre a rádio lembra que um homem se tem algo a dizer está em má situação se não encontra ouvintes mas entende haver pior situação se os ouvintes não escutarem nada de interessante) e Rudolf Arnheim (para quem o ouvinte se sente seduzido a completar a sua fantasia que falta na emissão radiofónica) (p. 31). Conclui Eugenio Menezes que, na “cultura do ouvir, somos desafiados a repotencializar a capacidade de vibração do corpo diante dos corpos dos outros” (p. 33).

O livro divide-se em três partes: vínculos, ambientes e tendências e perspectivas de rádio. Os capítulos resultam do trabalho do Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura do Ouvir, integrado no programa de mestrado da Faculdade Cásper Líbero. À primeira parte do livro pertence o texto que identifiquei acima, mas também o de Júlia Lúcia de Oliveira Albano da Silva, A oralidade mediatizada revisitada sob o tear de Michel Serres. A autora parte de um trabalho seu anterior, sobre a estética radiofónica, a sua estrutura e organização. Ela começa com uma oposição: se no Brasil a rádio tem uma função de expressão semelhante à commedia dell’arte, em que o radialista inventa a linguagem do veículo, na Europa a rádio é teatro, literatura, artigo, concerto sinfónico, conferência e debate, um veículo dentro de outro veículo (p. 83). Por isso, Júlia Albano da Silva procura o paralelo entre o texto oral das comunidades da oralidade primária e o texto verbal escrito para ser traduzido (lido) por uma voz determinada na rádio. A voz torna sensível o sentido da palavra, personalizada pela cor, ritmo, fraseado, emoção e atmosfera vocal, acrescenta, seguindo Werner Klippert (p. 85).

A audição e a escuta são o campo de investigação do texto, apoiado por conceitos elaborados por alguns dos nomes grandes da teoria da rádio, como Arnheim, Flusser, Baitello, Serres e Schafer. À identidade sonora dos diferentes ambientes, ela entende que saber escutar contribui para a preservação da integridade psicológica e física do indivíduo (p. 95). Júlia Albano da Silva leva-nos a Arnheim, ao encontrar a passagem do estado de ouvir para o de escutar (atendendo a que este é mais profundo ou reflexivo), um estado de maturação da materialidade do som (p. 87). Mas conduz-nos igualmente a Serres, onde o som no espaço público é factor de aproximação: o badalar do sino, o soar dos tambores ou gongos, o passar da banda, o altifalante das praças. De Serres retira ainda a ideia da produção dos ruídos em consonância com a sociedade que a produz e a anulação do silêncio no corpo e no mundo (p. 90). Há algo de estranho no corte livre do som da sua origem natural, o que leva a autora a convocar Murray Schafer, que constrói o termo esquizofonia: schizo (do grego), separado, e phone (do grego), voz (p. 91).

No texto, Júlia Albano da Silva quase conclui com as perguntas: quais as consequências para o cidadão contemporâneo em constante exposição ao som? Ele escuta ou apenas ouve? Há um empobrecimento da escuta?

Observação: de Júlia Lúcia de Oliveira Albano da Silva escrevi já aqui sobre uma comunicação dela acerca da formação de grupos de fãs e concursos para eleição da Rainha da Rádio no Brasil (em http://industrias-culturais.hypotheses.org/24455).

Leitura: José Eugenio de O. Menezes e Marcelo Cardoso (org.) (2012). Comunicação e Cultura do Ouvir. São Paulo: Plêiade, 494 páginas

Posted in Comunicação, Cultura, Rádio | 1 Comment

Igrejas Caeiro e a rádio em 1959

“A rádio comercial, mais livre de burocracia, vivendo de certa genica de alguns profissionais, obtém sem dúvida maior favor do público. Parece-me, contudo, que o actual volume da indústria de publicidade radiofónica justifica desde já a criação de autênticos e verdadeiramente responsáveis directores de produção. Esta tarefa, de tão grande importância, não pode ser exercida como um «gancho» de algumas horas por dia para ganhar mais algumas «massas». O trabalho sério de produção num emissor chega bem para absorver exaustivamente qualquer indivíduo, por maior que seja a sua capacidade realizadora. Logo, o que há a fazer é escolher as mais qualificadas personalidades e pagar-lhes de forma a poderem dedicar-se inteira e exclusivamente à tarefa de chefiar a produção de um emissor. Para aumentar o nível dos emissores particulares é indispensável a íntima colaboração dos sectores de produção e das vendas, sem que o último se sobreponha ao primeiro. [...] Julgo, apenas, que o êxito é impossível se o profissional da rádio não amar seriamente o seu trabalho, se não respeitar o ouvinte a quem se dirige, se não procurar ser simples e humano, se não puser um pouco da sua alma na missão que realiza”. (Francisco Igrejas Caeiro, entrevista a Elisa de Carvalho, directora do Jornal Feminino, 15 de Julho de 1959).


JF1JF2

Posted in Rádio | Leave a comment

Memória Visual

Com coordenação de Isabel Capeloa Gil está-se a preparar o número 17 da Revista Comunicação e Cultura, aceitando-se originais até 30 de Novembro de 2013. “A relação entre recordação e visualidade constitui um tópico recorrente da reflexão filosófico-cultural desde o pensamento grego à modernidade. No início do século XX, a psicanálise freudiana salientava a predominância do sentido visual na incisão psíquica das memórias, que se manifestavam sobretudo sob a forma de imagens. O advento das tecnologias visuais reprodutíveis, a fotografia e o cinema, veio transformar o aparelho num armazém prostético de memórias, e simultaneamente dar-lhe o estatuto de mediador de acesso ao inconsciente óptico da modernidade. A questão da memória visual adquire, por isso, centralidade no contexto de um modelo de relação com o real e o passado efetuado, predominantemente, por via visual, de uma modernidade que se debate com o crescente potencial de armazenamento tecnológico da memória e o concomitante desaparecimento da memória experiencial, mas também com a forma como a organização do sensível realizada pelos media visuais (da pintura ao cinema) se relaciona com estruturas de poder. Que mecanismos culturais e políticos determinam a emergência de determinadas memórias individuais e coletivas? Como é que a tecnologia de reprodução visual condiciona a construção da memória coletiva? De que forma as novas tecnologias se articulam com as mnemotécnicas do passado e que implicação têm estas formas de remediação, são algumas das questões que este volume da Revista Comunicação & Cultura deseja abordar. Aceitam-se propostas que se debrucem sobre o tema da memória visual, abordando, entre outros, os temas abaixo elencados: Culturas da memória visual, As imagens e a transmissão do passado, As imagens e a organização do sensível, Memória tecnológica e memória visual, Diversidade cultural, género e memória visual, O cinema, a fotografia e a construção da memória coletiva, Os media sociais e a dinâmica de esquecer e recordar, Memória visual e o «direito ao olhar». Apresentação dos artigos: Todos os artigos correspondendo às exigências e padrões da revista Comunicação & Cultura são submetidos a double blind peer review. Os artigos devem ter espaçamento de 1,5 em todo o texto e não exceder o limite de 40 mil caracteres, incluindo notas e bibliografia, um resumo de 100-150 palavras (em português e inglês) e um máximo de seis palavras-chave. Por favor, envie o artigo como anexo a uma mensagem eletrónica para comunicultura@fch.lisboa.ucp.pt, juntando uma folha separada do texto com identificação do autor, endereços postal e eletrónico, e um número de telefone de contacto. É favor consultar documento anexo com as normas completas relativas à submissão de artigos”.

Posted in Comunicação, Cultura | Leave a comment