Públicos de cultura no Brasil

“Na última quarta-feira (9/4), o Sesc e a Fundação Perseu Abramo apresentaram os números preliminares da pesquisa Públicos de Cultura – Hábitos e Demandas. O objectivo era ampliar o conhecimento sobre o público e orientar acções do sector. Para isso, foram investigados o comportamento, a disponibilidade e a frequência com que os entrevistados consomem ou produzem cultura, em 139 municípios em área urbana de 25 estados, das cinco regiões do país. Alguns resultados chamam a atenção, em especial os que dizem respeito ao que não está no leque de actividades culturais dos entrevistados: 61% nunca foram a uma peça de teatro em qualquer local (61%) e 57% nunca assistiram uma peça no teatro; 75% nunca foram a espectáculos de dança ou balé no teatro; 71% nunca estiveram em exposições de pintura, escultura e outras artes em museus ou outros locais; 89% nunca foram a um concerto de ópera ou música clássica em sala de espectáculo e 83% em qualquer outro local; e 70% nunca foram a uma exposição de fotografia. Os motivos para a não frequência a essas actividades se equilibram entre o não gostar e o não existir algumas delas na cidade. É considerável a proporção de respostas que indicam o fato de não terem costume e/ou não acharem interessantes/importantes alguns desses tipos de actividades. 26% dos entrevistados afirmam que não gostam de exposições artísticas e outros 26% que não sabem ou nunca foram a uma” (fonte de partida: Cultura e Mercado. Ler o estudo aqui, uma pesquisa realizada pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Fundação Perseu Abramo).

João Paulo Guerra

Foi hoje ao final da tarde que João Paulo Guerra recebeu o Prémio Igrejas Caeiro da Sociedade Portuguesa de Autores (rádio), pela qualidade e extensão da sua carreira como homem de rádio. 51 anos de carreira, recordou o premiado num discurso emocionado. Ele viu colegas com quem já não se cruzava há muito mas que estavam ali a vê-lo, no que foi chamado a tribo da rádio. João Paulo Guerra trabalha presentemente na Antena 1, onde todos os dias de manhã (cerca das 8:20) faz uma leitura atenta – e também bem humorada e recheada de referências culturais e gastronómicas – dos jornais da manhã.

Manifesto aqui a minha grande simpatia pelo jornalista e radialista. Há pouco mais de dois anos entrevistei-o (e a muitos mais homens da rádio) para um trabalho ainda não publicado e que me tem ocupado todo o meu tempo livre.

O rock na perspectiva de Paula Guerra

Já escrevi aqui e aqui sobre o trabalho de Paula Guerra. Agora, faço-o a propósito do seu livro A Instável Leveza do Rock. Génese, Dinâmica e Consolidação do Rock Alternativo em Portugal (1980-2010).

O livro tem seis capítulos, um primeiro mais teórico orientado para os campos sociais e a segmentação e a diversidade cultural urbana. O segundo capítulo dedica-se à análise dos agentes de rock alternativo no nosso país, ao passo que o terceiro trabalha as propriedades do subcampo do rock alternativo, o quarto os valores e representações do mesmo estilo musical e o quinto os campos sociais e artísticos. O último capítulo faz uma proposta do desenho do subcampo do rock alternativo entre 1980 e 2010.

O rock existe no campo musical desde a década de 1950, reunindo “um conjunto de práticas, um repertório de sensibilidades e um conjunto de expressões corporais e de emoções institucionalizadas” da música popular (p. 182). Paula Guerra estudou o rock, desde o seu começo às diferentes formas por que ele foi passando, tais como o rock psicadélico, o proto-punk, o punk, a new wave, o electro, o grunge e o indie. O rock alternativo aparece neste fio complexo, ramificado e instável.

O estudo de Paula Guerra aborda especialmente o período da década de 1980 em diante, em que em Portugal se assiste a uma movida nas cidades de Lisboa e Porto e ao aparecimento de bandas, editoras, fanzines, programas de rádio, agentes e estruturas em oposição e confronto face aos valores dominantes. A autora estuda também propostas não comerciais, em que a música é mais um gosto pessoal e menos um trabalho ou profissão, de onde realça o afastamento de lógicas e imperativos comerciais (p. 183). Algumas bandas que ela ilustra para explicar o movimento alternativo são: Mão Morta, Pop Dell’Arte, Mler Ife Dada, Bunnyranch, Wraygunn, d3ö, The Vicious Five, Linda Martini, Dead Combo, The Gift e Ornato Violeta (p. 185). Igualmente os media: Antena 3, Blitz, d’A Trompa, XFM, Som da Frente e Juramento Sem Bandeira. E ainda os radialistas António Sérgio e Henrique Amaro, o promotor Luís Montez, o músico Adolfo Luxúria Canibal e o jornalista Nuno Galopim.

Em termos de metodologias, a autora promoveu encontros com informadores privilegiados no Porto (a sua base de residência) e Lisboa – músicos, dj, promotores, editores, gestores de espaços de divulgação musical, jornalistas e investigadores (p. 47), atingindo 191 entrevistas (p. 48), com a maioria no grupo etário dos 36 aos 40 anos, dentro de uma configuração científica sociológica.

[texto concluído em 26 de Abril de 2014]

Eugénia Lima

A acordeonista Eugénia Lima, de 88 anos, morreu ontem ao final da tarde, na sua residência, em Rio Maior.

Retiro uma informação da página do Diário de Notícias:

EL“Eugénia Lima, filha de um afinador de acordeões, estreou-se aos quatro anos no Cinema-Teatro Vaz Preto, em Castelo Branco. Profissionalmente, a sua estreia data de 1935, no Teatro Variedades, em Lisboa, no elenco da revista Peixe-Espada. A acordeonista tornou-se um caso de sucesso e, em 1943, começou a gravar a solo, tendo registado ao longo da carreira, mais de uma dezena de discos em que gravou temas populares, de diversos compositores, versões para acordeão e várias composições de sua autoria. Em 1947 venceu o concurso de acordeonistas da Emissora Nacional e, em 1956, fundou a Orquestra Típica Albicastrense. Com a orquestra e a solo, a acordeonista que se tornou popular com temas como Picadinho da Beira, Minha vida e Fadinho de Silvares, percorreu o país e os palcos internacionais. Tendo-lhe sido recusada a entrada no Conservatório Nacional de Lisboa, aos 13 anos, aos 55 recebeu o diploma do Curso Superior de Acordeão, na categoria de Professora, pelo Conservatório de Acordeão de Paris”.

Eugénia Lima seria famosa entre as décadas de 1940 e 1960. Abaixo, publico dois programas de Serões de Trabalhadores onde ela actuou, enquadrada no conjunto dos mais importantes artistas da época.

“2 de Janeiro de 1960 (sábado) – Serão para Trabalhadores organizado pela Emissora Nacional e pela FNAT dedicado ao CAT da Casa Olaio e transmitido do ginásio do Liceu de Camões. Das 21:45 às 22:30 (conjunto Shegundo Galarza, clarinetista espanhol Jaime Peres, José Manuel, Maria Marice, Alberto Ramos e a acordeonista Eugénia Lima) e das 22:45 às 23:30 (orquestra ligeira dirigida por Tavares Bello, Elsa Vilar, Manuel Serrano, Paula Ribas, Rui de Mascarenhas, Cristina Maria, Madalena Iglésias e Coro Feminino”.

“16 de Janeiro de 1960 (sábado) – Serão para Soldados dedicado ao Regimento de Infantaria 14, e transmitido do Teatro de Viseu (gravação: dia 13, 4ª feira). 1ª parte (21:45 às 22:30) – orquestra ligeira dirigida por Tavares Bello, Alice Amaro, António Calvário, Maria Fernanda Soares, Trio Lifer (acordeões) constituído por Eugénia Lima, Fernando Ribeiro e Fernanda Guerra e Maria Clara, 2ª parte (22:45 às 23:30) – orquestra ligeira dirigida por Tavares Bello, Maria do Espírito Santo, Margarida Amaral, Maria de Fátima Bravo, Guilherme Kjolner e Maria de Lurdes Resende”. Observação: cada cantor(a) cantava uma a duas canções.

No VIII Festival Hispano-Português da Canção do Douro, de 13 a 15 de Agosto de 1967, organização do Palácio de Cristal, Porto, actuaria Eugénia Lima, com o valor de 1000$00 (valor médio ultrapassado apenas pelas estrelas da época Simone de Oliveira, José Viana e Teresa Tarouca, pagos com 1500$00).

Recorde-se que o salário médio na indústria e nos transportes em 1965 estava fixado em torno de 49$30 diários em Lisboa e 31$70 no Porto.

O dia em que Paulo Pires e Rui Zink cozinharam cavala

Hoje de manhã, realizou-se um workshop no mercado 31 de Janeiro, cujo objectivo foi cozinhar cavala. O ator Paulo Pires, o escritor e professor universitário Rui Zink e outros cozinheiros estiveram a fritar aquele peixe e a preparar arroz para o acompanhar. A actividade inseriu-se na campanha em curso de dinamização dos mercados da cidade de Lisboa.

A chef Patrícia Borges, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (Peniche), do Politécnico de Leiria, conduziu o workshop e deixou a receita de filetes de cavala, como se mostra abaixo.

Portugal e a Eurovisão. 50 anos de canções (1964-2014)

Portugal e a Eurovisão. 50 Anos de Canções (1964-2014) foi um pequeno livro de Jorge Mangorrinha lançado e apresentado na Sociedade Portuguesa de Autores, num projeto alargado à Hemeroteca Municipal, RTP e Universidade Lusófona. O livro foi o pretexto para juntar artistas que concorreram a festivais em representação de Portugal, como António Calvário, que esteve no primeiro festival em 1964.
Para Mangorrinha, o trabalho foi feito sem preconceitos, onde se aborda um tema até agora arredado dos estudos universitários: a música ligeira e os seus cantores. Para ele, o festival é um grande acontecimento na música portuguesa, pelo número de pessoas reunidas na sua efectivação, pela promoção do país neste evento anual na Europa e pelas características das canções, pelo papel da televisão pública e pela necessidade de partenariado em edições próximas.
No livro, escreve o autor: “Naquele domingo, pouco depois das 22:30, o realizador Raul Ferrão mandou avançar uma câmara para Maria Helena Fialho Gouveia e Henrique Mendes, e estes iniciaram a apresentação do primeiro festival, que contou com 12 canções na final (das 127 submetidas) defendidas por António Calvário, Artur Garcia, Madalena Iglésias, Simone de Oliveira, Gina Maria e Guilherme Kjolner”.
A música, foi dito neste encontro, representa 3% do PIB nacional, sendo comparada com a actividade do futebol, que representa 1,5%. Em nome dos artistas, António Calvário recordou a importância da orquestra ao vivo a acompanhar o cantor no festival da Eurovisão onde esteve e as perguntas dos jornalistas que lhes foram dirigidas sobre o regime de Salazar. Tozé Brito, que presidia à sessão, falou da dicotomia entre o envolvimento de compositores e artistas e o seu afastamento versus canais de televisão público e privados. Na época em que António Calvário ou Madalena Iglésias cantavam, havia um só canal e a preto e branco, hoje há múltiplas opções. A uma pergunta sobre a visibilidade dada pela RTP, um responsável desta empresa, José Poiares, lembrava exactamente a concorrência audiovisual como elemento de diluição do impacto do género televisivo.

A Hemeroteca Municipal colocou a partir de hoje muita informação sobre a matéria, e que pode ser consultada a partir desta ligação: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/EFEMERIDES/festival/festivaldacancao.htm, de onde retiramos as páginas da publicação Rádio & Televisão, nº 395, de 28 de Março de 1964, pp. 6-7.

International Conference Freedom of Information Under Pressure. Control – Crisis – Culture

28th of February and 1st of March 2014, Vienna, Austria. “The University of Vienna, the transform!at Association and the Critical Librarians Association (KRIBIBI) are pleased to invite you to the International Conference on «Freedom of Information under Pressure. Control – Crisis – Culture», which will take place in Vienna on the 28th of February and 1st of March 2014 at the Kuppelsaal of the Vienna Univesity of Technology, which is situated at the centre of Vienna at Karlsplatz 13, 1040. This conference will gather more than 30 international speakers (academics, media practitioners, librarians, experts of open culture and public space, activists and policy makers) from Austria, Bulgaria, Germany, Greece, Spain, Sweden and United Kingdom and will call for an open discussion on the challenges of freedom of information in the light of the recent surveillance revelations and the increase in censorship and prosecutions of media, journalists and whistle-blowers in Europe and beyond. The event has been endorsed and supported by the Mayor and Governor of the city of Vienna, as well as by a number of organisations and institutions, such as the Association of European Journalists, the Centre for Freedom of the Media of the University of Sheffield, the International Press Institute and the University of Westminster. Keynote and plenary speakers include: Gill Phillips (Director of Editorial Legal Service, The Guardian, United Kingdom), Augoustine Zenakos (Investigative Journalist, UNFOLLOW magazine, Greece), Mariniki Alevizopoulou (Investigative Journalist, UNFOLLOW magazine, Greece), Christian Fuchs (Professor of Social Media, University of Westminster, United Kingdom), Joachim Losehand (Scholar, VIBE!at, Austria), George Katrougalos (Professor, Democritus University of Thrace, Greece), Wolfgang Hofkirchner (Professor, Vienna University of Technology, Austria), Erich Möchel (Journalist, ORF, Austria. The event is public, open to everyone and free, but registration is essential”. If you would like to attend, you can register at: http://freedom-of-information.info/en/28-registration/18-registration-form.

Inauguration lecture Christian Fuchs: Social Media and the Public Sphere

“Social media has become a key term in Media and Communication Studies and public discourse for characterising platforms such as Facebook, Twitter, YouTube, Wikipedia, LinkedIn, WordPress, Blogspot, Weibo, Pinterest, Foursquare and Tumblr. This lecture will discuss the implications of social media for power structures in society, the economy and politics. The lecture will first discuss the question “What is social about social media?”. Providing answers requires a social theory understanding of what it means to be social. The lecture will explore different concepts of the social and relate them to the realm of the media. Social media are an expression of the tendency that in contemporary society boundaries become liquid. The distinctions between the private and the public, play and labour (playbour, digital labour), work and leisure, production and consumption (prosumption), individual and collective action, online and offline, networking and autonomy, spatial distance and co-presence, anonymity and knowledge, presence and absence, appearance and disappearance, and visibility and invisibility, are blurring. This lecture will discuss what risks and opportunities these changes imply for society. Many political and academic discussions about the implications of social media for society are concentrated on the question of whether social media enhance or endanger various dimensions of the public sphere. Whereas some say that social media make the economy more democratic and have been used as tools of revolutions and democratisation (‘revolution 2.0’, ‘Twitter/Facebook revolution’), others hold that social media are first and foremost instruments of control and commerce. The lecture will engage with Habermas’ concept of the public sphere and discuss social media’s variety of implications for the structural transformation of the public sphere. Whereas we are accustomed to the idea of public service broadcasting, an understanding of how a public service internet could look and be advanced is largely missing. This lecture wants to contribute to the public discussion of how the social dimension of the internet and the media can serve the public interest, the concept of a public service internet and how ideas for specific organisation, policy and funding models could look like”. Wed. Feb 19, 2013, 18:00. Univ. of Westminster, Regent Street Campus. More information is available here: http://www.westminster.ac.uk/news-and-events/events/inaugural-lectures/2014/social-media-and-the-public-sphere.

Marques Vidal em Photoshop

Rolo Duarte, pai do jornalista Pedro Rolo Duarte, ficou encantado com a casa de José Marques Vidal – os quadros originais e a coleção de libras de ouro – e o Cadillac de luxo que o trouxe de volta do repasto, conduzido por um dos motoristas do homem da rádio (Flama, 27 de Março de 1953). Marques Vidal era conhecido pelos seus carros desportivos, pelas louras espampantes que lhe faziam companhia habitual, pelo seu bigode que parece ter sido retocado pelo Photoshop – como me observava um colega – e pela sua programação radiofónica. E ainda por ter sido agente artístico de Simone de Oliveira, que muita celeuma provocou e que a biografia da cantora de 2013 refere sem identificar o nome – e que hei-de escrever aqui.

Funcionário num escritório da baixa de Lisboa (antes de se dedicar em exclusivo à rádio), Marques Vidal era em 1953 locutor do programa radiopublicitário O Comboio das Seis e Meia e tinha um programa semanal de uma hora, repartido por rubricas de 15 minutos: Do Céu Caiu uma Estrela, Figurino Musical, Entrevista da Semana e O Artista da Semana. Imagino que com muita publicidade à mistura, o que tornaria quase insuportável sintonizar a estação.

JMV1JMV2

Tendências de consumo

No jornal em papel de hoje do Público, há um texto sobre novas tendências de lojas de centros comerciais que, em vez de contratos de fidelização de seis anos, alugam espaços por seis meses. Isso significa que há lojistas e marcas que chegam aos centros comerciais que antes não tinham possibilidades financeiras de aceder às grandes superfícies. A tendência de aluguer temporário, lê-se no artigo, não é nova e está associada às lojas pop up, usadas por marcas reconhecidas para surpreender o cliente e testar novos produtos. A tendência começou nos Estados Unidos há cerca de dez anos. Para um especialista citado, aproveitam-se instalações sem um grande investimento para actividades promocionais específicas. Uma loja num centro comercial tem um tráfego que pode chegar a 700 milhões de visitas por ano e o preço por metro quadrado das lojas de novas tendências a metade do valor das lojas convencionais.

As bibliotecas

“Sobre Borges escreveu-se que a «erudição é uma forma moderna do fantástico» ou  seja é uma forma de criação mesmo que não use, nem mereça esse nome. Por isso as  bibliotecas, mesmo mortas, como são na maior parte todas as grandes bibliotecas,  são uma construção humana ímpar (José Pacheco Pereira, “Um Mar de Papel”, Público de hoje).

III Conference on Communication and Sports

http://comunicacaoedesporto.blogspot.pt/

Call for Papers

24  February 2014
Faculdade  de Letras – University of Coimbra, Portugal
Sports and media is a very important research field in the Portuguese  Group for Communication, Journalism and Public Space, working at the research  institute of CEIS20 from University of Coimbra, in Portugal. In 24 February 2014 it’ll be organize the III Conference on  Communication and Sports at the Faculdade de Letras of the University of  Coimbra, in Portugal. The main subject will be «Football and Media».
Football becomes one of the most important subjects during the  contemporary period. The goal of this conference is promote research about the  relation(s) between football and media, in its different perspectives and  dimensions, precisely in the year (2014) when Portugal commemorates the  10th year of Euro 2004 and when Brazil organized the Football World  Cup.
General themes
Main subjects for abstracts:
. Construction of the popular and media football personage  (players/coaches/managers);
. The concept of football player in the media;
. Women’s visions in the media;
. Social myths as structural football narratives;
. Economic logistics as promoters of new heroes in  football;
. Football and the social (anti)model;
. The footballer as esthetical and photographic model;
. Media narratives for football players, coaches, referees,  managers;
. Press, radio and television focus;
. New media and football;
. Media and football mega-events.
Rules for abstracts
No more  than 500 words. Please include three key words related to the paper, a brief  curriculum vitae, academic affiliation and contact information (including email  and telephone). Papers can be presented in Portuguese, Spanish and  English.
Proposals  should be submitted to: comunicacao.desporto@gmail.com.
Agenda
27  January 2014: Closing  deadline for proposals

Profissões escondidas da televisão

Hidden Professions of TelevisionO volume mais recente VIEW, Journal of European Television History and Culture, é dedicado às profissões escondidas da televisão. No editorial, Andy O’Dwyer destaca a necessidade de arquivar as profissões escondidas mesmo aquelas que já desapareceram. Há sempre traços que ficam ou, olhando as profissões de hoje, tenta-se reconstituir como seria a actividade televisiva décadas atrás. Este trabalho envolve questões organizacionais, administrativas e técnicas, muitas das vezes uma parte invisível na formação histórica e no desenvolvimento da televisão.
Além do editorial, o volume divide-se em duas partes (descobertas e explorações) [a imagem da capa digital é de Alexandra Palace, em 1950, na BBC, e mostra Eunice Gayson e Jeanette Tregarthan na maquilhagem]. As ligações para os textos estão nas linhas a seguir:

Censura discográfica (1)

Este ano, comemoram-se quarenta anos de democracia em Portugal. Entre 1926 e 1974, o país viveu sob uma ditadura, em que não havia liberdade de expressão. Um dos pontos mais negros do regime político do Estado Novo era a censura às obras de arte, incluindo a música.

A minha forma de me associar às comemorações dos quarenta anos de liberdade é identificar aqui os discos ou músicas proíbidas de tocar na Emissora Nacional, de Janeiro a Abril de 1974. Assim, ao longos dos dias ou das semanas até ao final de Abril, assinalarei quais as obras proibídas [próxima edição a 23 de Janeiro].

9.1.1974: Retirado ou inconveniente o disco ou faixa de Estúrdia dos Camponeses de Godinhaços, “A vida é assim mesmo”.

Estúrdia

Caricaturistas em 1966

Tenho andado à procura do nome de um caricaturista que trabalhou na Flama durante a década de 1950 e começos da década seguinte. Não encontrei pistas até aparecerem estes dois textos na revista em números seguidos (12 de Agosto e 9 de Setembro de 1966), assinados por Aniceto Carmona, um dos “novíssimos” artistas. Nestes aparecem duas gerações de caricaturistas ou desenhadores humoristas, a mais antiga e a mais nova. Todos aparecem nas fotografias de caneta sobre a prancheta assente numa mesa de trabalho, muitos ainda vestindo gravata e atentos ao seu trabalho. Figuras do tempo, personagens inventadas pelos caricaturistas e cenas de acontecimentos são os três tópicos que elenco a partir dos trabalhos expostos. Fico informado de condições de trabalho, remunerações e jornais ou revistas por onde se estende a actividade destes criativos. Por vezes, este trabalho é de tempos livres pois os artistas têm profissões distintas.

Mas continuo sem conhecer o nome do colaborador da publicação, pelo que tenho de investigar mais [subsídio para um melhor conhecimento da revista Flama: http://www.clubedejornalistas.pt/uploads/jj31/jj31_54.pdf].

H1H2H3H4H5

Como se fazia um disco em 1965

“Possuir uma discoteca é desejo de muitos”, lia-se na revista Flama, de 4 de Junho de 1965. Ir a uma loja, ouvir e comprar um disco começava a ser uma rotina. Nessa altura, a revista publicitava carreiras e discos dos Beatles, de Rita Pavone e do Conjunto Académico João Paulo e escrevia sobre o ié-ié.

Daí o interesse em explicar como se fazia um disco. A revista não diz qual a empresa discográfica mas ela podia ser a Valentim de Carvalho, a Rádio Triunfo ou a Arnaldo Trindade. As multinacionais começavam também a instalar fábricas de produção de discos, como a Philips. Após a gravação das canções do artista em fita magnética, desta retiravam-se os sons para um disco de acetato. Depois, numa operação de galvanoplastia, com uma camada metálica, nascia o disco pai ou matriz. A seguir, ao disco abria-se um furo ao centro e aparava-se e polia-se a superfície. Cada matriz tinha, em média, capacidade para fornecer a cópia e prensar um milhar de provas (os discos). Água a 160 º, água fria e massa de resina com cloreto de vinil eram elementos da confecção do disco, a que se juntavam as etiquetas (nome do artista, título da canção – se fosse um disco de 45 rotações por minuto). No processo, cada disco demorava cerca de 15 segundos a ser produzido. A etapa seguinte da cadeia de valor desta indústria cultural era a colocação do disco na loja e a promoção nos programas de rádio.

O texto usa duas vezes a palavra electrónico, mas todo o processo me parece apenas mecânico e químico, ainda bem distante da produção electrónica como hoje concebemos. Na produção de um exemplar quantos empregados e competências eram usadas? E como se ouvia o disco?

d1d2

Um novo jornal digital em perspectiva

Segundo li no Expresso online, prepara-se o lançamento no final do semestre da edição de um jornal diário digital com o nome de Observador, dirigido pelo jornalista David Dinis, até agora editor de política do  semanário Sol. Por detrás do projecto, está um conjunto de investidores, casos de António Carrapatoso,  Alexandre Relvas, João Talone, António Pinto Leite, Filipe de Botton e Luís  Amaral. Na mesma notícia, adianta-se o envolvimento do antigo director do Público, José Manuel Fernandes, como publisher, do  historiador Rui Ramos como coordenador do Conselho Editorial e de Diogo Queiroz de  Andrade como director criativo.

Recordo outra publicação com o nome de Observador, revista semanal editada entre 1970 e 1974 e dirigida por Artur Anselmo. Nessa altura, a publicação estava identificada com Marcelo Caetano. E, agora, qual a identificação política?

Queda nas vendas de jornais

Entre janeiro e outubro de 2013, as vendas dos principais títulos da imprensa generalista  continuaram a baixar (Expresso, de onde retiro a informação e segundo dados da Associação Portuguesa para o  Controlo de Tiragem e Circulação). O Correio da Manhã tem uma  venda média de 115 mil de exemplares por edição, seguindo-se o Expresso, com 94 mil. Depois, vêm o  Jornal de Notícias, com uma média de vendas de 66 mil exemplares, o Público com uma média de 28 mil  jornais diários, o Diário de Notícias com uma média diária de 21 mil jornais por edição e  i com 5 mil  jornais por dia.

Obitel

For free download, the last two books OBITEL BRAZIL, Network of Researchers in Television Fiction, are available: Estratégias de  Transmidiação na Ficção Televisiva Brasileira  (Transmedia  Strategies in BrazilianTelevision Fiction) (Ed.Sulina / GU, 2013)  and  Ficção Televisiva Trasmidiática no Brasil (Transmedia Television Fiction in Brazil) (Ed. Sulina / GU, 2011).  See more at: http://obitelbrasil.blogspot.com.br/2013/12/download-de-livros.html.

História do Rádio Clube Português (compactada)

Em 2012, fiz uma recolha da história do Rádio Clube Português, até perto da II Guerra Mundial, através dos textos publicados na revista Antena (1965-1968). Quando escrevi As Vozes da Rádio, 1924-1939 (2005), não tinha conhecimento desta revista. A sua leitura facilitaria a compreensão da história dos primeiros anos daquela estação da família de Botelho Moniz.

Agora, juntei todos esses fragmentos e acrescentei mais algumas histórias da rádio portuguesa.

A importância da música

DH2013No ano que agora finda, David Hesmondhalgh editou o livro Why Music Matters. Logo no início do texto, partindo da ideia que a música é uma experiência individual e privada mas também pública e colectiva, ele informa que escreve sobre o valor social da música e explora as relações entre esta, a história, a sociedade e o eu (indivíduo), através de uma perspectiva crítica.

Ele adopta um duplo critério, vantajoso na minha leitura. Por um lado, entende haver uma ênfase exagerada da liberdade individual no uso da música e uma redução do pensamento ligado a problemas sociais como a desigualdade e o sofrimento (p. 6). Por outro lado, afasta-se da mitologização da cultura do rock enquanto contrapoder político e libertação, género o rock da década de 1950 causou um movimento de contestação tão forte que a geração da década de 1960 operou uma mudança política (p. 143). Esta leitura, prossegue, identifica o punk, o rave, o grunge e o hip hop como novos movimentos de contestação. Sim, conclui Hesmondhalgh, o rock foi socialmente importante na vida de milhões de pessoas, mas os jornalistas conservadores, os políticos mais velhos, os presidentes e os reitores das universidades também tiveram as suas bandas de rock preferidas – e o mundo continua semelhante.

O centro do livro é o período pós-1945, o que o leva a examinar géneros populares como o pop e o rock mas igualmente os estilos de música negra como o soul, o R&B e o hip hop. Diferentes géneros musicais envolvem diferentes configurações de emoção e sentimentos, visíveis quer na música quer na letra das canções.

David Hesmondhalgh é professor de Media e Indústrias Musicais na Universidade de Leeds. Ele é o autor de Cultural Industries, agora na terceira edição – um livro que funcionou como uma espécie de inspiração directa para o meu blogue, e sobre o qual já falei aqui diversas vezes – mas também escreveu Creative Labour (2011, com Sarah Baker), Popular Music Studies (2002, com Keith Negus), Western Music and its Others (2000, com Georgina Born) e a série de cinco volumes editados pela Open University Press sob a designação genérica de Understanding Media, em parceria com diversos investigadores e docentes dos media e das indústrias culturais.

Leitura: David Hesmondhalgh (2013). Why Music Matters.West Sussex: Wiley Blackwell, 198 p.

Do blogue: reflexões e actualidade sobre indústrias culturais (imprensa, rádio, televisão, internet, cinema, videojogos, música, livros, centros comerciais) e criativas (museus, exposições, teatro, espectáculos).


Carnets de recherche