MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS

José Manuel Oliveira, administrador da Marktest Audimetria, deu uma entrevista ao sítio da própria Marktest sobre a medição de audiências de televisão. Pela importância do tema, a entrevista merece ser lida aqui. José Manuel Oliveira diz que “a assinatura deste contrato [da CAEM, a entidade que congrega operadores de televisão, agências de meios e anunciantes, com a GfK] constitui um prejuízo para a indústria e para o País. Desde logo, porque não foi seleccionada a melhor proposta técnica, nem aquela que está assente numa tecnologia testada em dezenas de mercados, com provas dadas e capaz de responder aos desafios do futuro. Em nosso entender, também não foi seleccionada a empresa melhor preparada para desenvolver este serviço, nem aquela que, com maior know how e capacidade técnica, tem condições de responder com grande flexibilidade e qualidade a qualquer solicitação do mercado”.

Dado que a Marktest decidiu continuar a medir as audiências de televisão, a par da GfK, José Manuel Oliveira indica que “A existência de duas empresas não seria uma situação única, pois já aconteceu no passado, no entanto, o que nos parece que está em vias de acontecer é uma limitação à livre concorrência, o que, aliás, motivou da nossa parte a apresentação de uma queixa na Autoridade da Concorrência”.

Entretanto, o número mais recente do Briefing, que ainda não comprei nem li, dá destaque a António Salvador, CEO e sócio da GfK Portugal, e que defende que o novo sistema de audimetria trará as audiências para mais perto “da verdade”. Diz ainda (na informação que promove a revista) que “Os resultados das audiências não vão poder ser iguais aos actuais. Há duas diferenças muito grandes: a forma como é feito o estudo base e o que a tecnologia de audio matching permite auditar. Seria estranhíssimo se não houvesse diferenças. Não vamos ter um novo retrato. Vamos ter a continuidade do actual, só que um bocado menos desfocado”.

A GfK ganhou o concurso aberto pela CAEM para medir a partir de Janeiro de 2012 as audiências televisivas, ao que a Marktest contesta, tendo apresentado uma queixa à Autoridade da Concorrência, como acima escrevo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.