O Álbum de Família

A peça é de Rui Herbon e está em cena no Teatro Aberto em Lisboa. A sinopse diz que um “eu” empreende uma viagem à procura de si mesmo, uma viagem pela memória, pelo espaço e pelo tempo. Indica ainda poder ter ocorrido antes ou depois de 1974.

Uma sinopse assim vaga deixa terreno para especulações, conjecturas, reinterpretações. Para mim, a peça indica um tempo anterior ao corte de regime. A partida é afinal uma falsa partida: as personagens nunca saem do sítio, não têm vontade suficiente de sair. A mãe porque a sua mãe morreu naquela casa, o pai porque não tem bilhete para embarcar no comboio e noutro comboio, o rapaz porque parece dividido entre sinais de ter prestado serviço militar no tempo da guerra colonial e incapacidade pessoal e mental de enfrentar o mundo, a rapariga porque não quer sair, a avó porque já morreu mas reaparece no álbum de família. Beckett está sempre presente como referência matriz. Os olhares das personagens são vagos, como se houvesse nevoeiro, vontade de romper com o passado e sua ausência. O pai fez tudo para melhorar a sua condição, trabalhou muito para magra recompensa. A mãe é submissa, embora a artista interprete igualmente o papel duro do revisor do comboio que não aceita desculpas para a falta de bilhete – como a dar indicação dos opostos com igual força. Kafka surge aqui a iluminar a condição humana das personagens. O sistema, ou a burocracia, ou a simples vida do indivíduo face ao grupo, condiciona, arrasta para situações que não se compreendem, que são inaceitáveis. A violência está mais nas palavras e nos gestos que nas acções sobre os corpos – mas não deixa de ser violenta. A falsa partida indica um possível despejamento da casa por falta de pagamento ao senhorio, uma hipotética saída para França ou Alemanha como emigrantes em busca de melhores condições de vida.

O álbum está sempre presente: nas conversas, no álbum propriamente dito, na cenografia (de portas altas e estreitas, onde a iluminação por detrás dá a ideia de fotografia e moldura, enquistado no tempo, fixado na matéria fotográfica, onde a única permissão foi a saída da avó da rigidez do tempo para o tempo actual, para ajudar a família com os seus conselhos e as suas posições. A avó representa o tempo antigo, o do elogio ao hino da Mocidade Portuguesa, ao passo que o genro representa a geração de finais da década de 1950, perdida entre a situação social e económica do país e o ressurgimento económico da Europa central. Os netos ainda não são os da actual geração à rasca mas apresentam alguns traços modernos. O desalento (e a impotência de reagir) das personagens lembra a situação que o país atravessa – e isso desfaz a minha convicção da peça se situar num tempo antes da ruptura de regime político.

Melhor dizendo: a peça é sobre a depressão (seja individual ou colectiva). Sai-se cabisbaixo, reflexivo. A música de Pedro Jóia torna mais complexa a compreensão da história, passando de uma peça sobre a condição humana para um quase musical, coisa que a peça não é.

O Álbum de Família é uma peça que foi distinguida em 2010 com o Grande Prémio de Teatro Português, promovido pelo Teatro Aberto em conjunto com a SPAutores. Tem encenação de Tiago Torres da Silva e Rui Herbon e a interpretação está a cargo de Catarina Avelar, Catarina Wallenstein, Fernanda Neves, Jorge Corrula e José Eduardo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.