JOSÉ GIL SOBRE O MEDO DE EXISTIR

Um dos conceitos centrais do livro de José Gil, Portugal hoje. O medo de existir, é, precisamente, o medo, que ele articula com o conceito de não inscrição. Com a não inscrição, os acontecimentos não aconteceram ou parece não terem acontecido. Se não aconteceram, não há responsáveis, eles não influenciam a nossa vida. Pode-se continuar como nada tivesse acontecido. Uma não subscrição é um desfasamento entre o que pensamos e sentimos e a própria realidade.

José Gil fala de medo vertical e medo horizontal. O medo vertical nasce da autoridade hierárquica, do dispositivo que implica uma graduação de poder. O medo herda-se, é interiorizado, estende-se a toda a superfície social. O medo vem de longe, do salazarismo, até de muito antes, a que sucedeu o medo horizontal do desvio à norma. O medo vem do presente que se perpetua por falta de ideia do futuro.O medo horizontal é o que vemos nas caras das pessoas na televisão, quando perdem um emprego. É um medo que se tem quando se avança com uma estratégia de competitividade num mercado para ver se a iniciativa vence ou não.

Durante décadas, o salazarismo fez uma cultura do medo; a democracia apareceu, as causas institucionais do medo desapareceram, a proibição da associação livre, da liberdade de expressão desapareceram. José Gil fala de espaço público, espaço de trocas numa acção. Se o salazarismo o extinguiu, em 1974 passou-se do zero para o máximo de expressão, mas não havia instrumentos para essa expressão. No espaço público, instalou-se um dispositivo que ocupou o lugar todo: a televisão e os media em geral. Os media não são espaço público, funcionam em circuito fechado, têm uma acção de absorção. A saturação da politização contribuiu para o grande sucesso das telenovelas brasileiras, ao encontro do desejo de voltar às coisas da vida, afectos, sentimentos e relações humanas.

No livro, outros conceitos constróem-se a partir de relações entre o corpo e a psique, efeitos na consciência, o nevoeiro, desfasagem da percepção e do comportamento em relação à realidade e ao que nela se passa. Para o autor, o português encontra no “pequeno” o tamanho adequado ao seu investimento afectivo. Este livro dá uma perspectiva do que se poderia dizer de Portugal. E é sobre uma sociedade aberta à superfície e fechada no interior, que ainda se supõe de brandos costumes mas é violenta. Há ainda a inveja: o capítulo do livro sobre a inveja deprime quem o lê. Nos países pequenos e fechados, a inveja não induz só comportamentos individuais, tem função social, colectiva.

Publicado em 2004, na ressaca da quebra do crescimento económico do final da década anterior mas já após a quebra financeira de 2001, o pensamento de Gil está muito actual. Ele diz que o país se arrisca a desaparecer, pois está num ponto de inacção, de impotência em criar o futuro, de impotência face às nossas possibilidades. Cada vez é maior o peso da União Europeia nas nossas decisões. Basta olhar para a destruição da agricultura e das pescas. Continua: a nossa soberania política dentro da União Europeia reduz-se a um simulacro simbólico, as forças reais que mandam e decidem estão fora do nosso controlo. Há quem diga que, se não somos capazes de resolver os nossos problemas, talvez possam viver melhor se elas forem resolvidos por outros. Se alberga duas ideias – a primeira, a de deixarmos de falar português, perdendo as condições de produção da cultura de elite (não de massas), a segunda, a de Portugal se arriscar a desaparecer demograficamente, se houver uma diminuição da população -, pergunta: porque não há mudança? José Gil acha que será a Europa a ter um papel decisivo na mudança.

José Gil nasceu em Moçambique em 1939. Depois passou dois anos em Portugal e foi para França. Aí obteve o grau de doutor em filosofia com o estudo O corpo como campo de poder (1982). Foi director do programa de doutoramento do Collège International de Paris. A seguir veio a Portugal, onde, durante seis a sete anos se deslocou constantemente para ensinar. Acabou por se estabelecer no nosso país, pelo que mantém um olhar de fora, de antropólogo, se quisermos. Escreveu 15 livros em francês, a que se seguiu Portugal, hoje: o medo de existir. Em 2004 fora considerado um dos 25 grandes pensadores contemporâneos.

Alguma bibliografia:
1983: La Crucifiée, Éditions de la Différence
1983: Un’Antropologia delle Forze, Einaudi
1985: Métamorphoses du corps, Éditions de la Différence [As Metamorfoses do corpo, 1980]
1987: Fernando Pessoa ou a Metafisica das Sensações, Relógio d’Água
1988: Corpo, Espaço e Poder, Litoral Edições
1990: Cimetière des Plaisirs, Éditions de la Différence
1995: Salazar: a Retórica da Invisibilidade, Relógio d’Água
2001: Movimento Total – O Corpo e a Dança, Relógio d’Água
2003: A Profundidade e a Superfície – Ensaio sobre o Principezinho de Saint-Exupéry,
Relógio d’Água
2004: Portugal, Hoje: O Medo de Existir, Relógio d’Água

Leitura: José Gil (2008) (12ª edição). Portugal hoje. O medo de existir. Lisboa: Relógio d’Água


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.