APRESENTAÇÃO DO LIVRO DA HISTÓRIA DA ARIC

O livro de Joaquim Sousa Queirós, 20 anos ao serviço das rádios locais. ARIC 1991-2011, contributos para a história, divide-se em três partes. Se a primeira parte conta com o texto do autor, em que aborda o aparecimento das rádios locais e a criação e o desenvolvimento da ARIC (Associação das Rádios de Inspiração Cristã), as duas outras partes contam com depoimentos de dirigentes da ARIC ao longo do tempo e documentos essenciais para a sua compreensão.

[apresentação hoje ao final da tarde. Na segunda fotografia, da esquerda para a direita, vêem-se o autor do livro Joaquim Sousa Queirós, a falar da sua obra, Rogério Santos, Nuno Inácio, presidente da ARIC, Manuel Braga da Cruz, reitor da Universidade Católica, onde decorreu a cerimónia, e Alberto Arons de Carvalho, que, em funções na Assembleia da República e como governante, sempre apoiou a actividade das rádios locais e o seu associativismo]

Na investigação, o autor usou documentação das instituições, memória pessoal e fontes publicadas. Nascido no Porto em 1936, Sousa Queirós foi colaborador da Rádio Renascença do Porto entre 1975 e 1977, com um programa semanal de temática social e religiosa e na área de informação, com reportagens e cobertura de eleições para a Constituinte (1976). Depois, foi convidado a reorganizar os serviços da Renascença no Porto. Mais tarde, iniciou o arranque de estúdios regionais com programação autónoma em diversas horas do dia. Em 1991, participava na criação da ARIC. Magalhães Crespo, gerente executivo da Renascença, delegou nele o acompanhamento da ARIC. Tornou-se secretário de direcção em Março de 1996, vice-presidente em Março de 2004 e presidente em 2006 até 2009. Logo, por este percurso, vemos que conhece bem a realidade que retrata no livro.

Assim, lê-se a história desde as rádios piratas até à lei 87/88, lei que reconhece a existência das rádios locais. O autor refere que, já em 1976, pouco depois da mudança de regime político, haviam surgido alguns pedidos de licenciamento por parte de novas entidades ligadas à rádio. Cooperativas, instituições culturais, grupos paroquiais, imprensa regional e vendedores de equipamentos queriam instalar estações de rádio. O Diário de Minho falou de meio milhar de rádios piratas em todo o país; uma investigadora (ver nota 1) contabilizou entre 500 e 800 rádios. As estações começavam a divulgar as suas grelhas de programas. Por exemplo, a Rádio S. Silvestre tinha programação infantil e juvenil, desporto, música variada, história local, programas litúrgicos e bíblicos. Os objectivos de emissão das rádios locais eram distintos: estar ao serviço das populações, promoção de actividades do desporto e da cultura, da música portuguesa e da juventude e porta-vozes da Igreja Católica.

O movimento de rádios livres ou piratas, como à época eram designadas por não possuirem alvará para emitir, foi percepcionado pelo elevado número de reuniões promovidas em todo o país, a partir de 1983. Desde cedo, sublinhou-se a necessidade de regulamentação. A nomeação de comissão para renovação de alvarás (Setembro de 1988) e a colocação a concurso de 380 frequências levou à legalização das rádios livres. Muito interessante seria a emissão de quase 320 estações em conjunto em 17 de Dezembro de 1988, antes do silenciamento das emissões para dar lugar ao concurso. Em Junho de 1989, um despacho atribuía alvarás para emissão provisória, com indicação de potência e horas de emissão. Um pouco antes, em Junho de 1988, constituiu-se uma associação cívica, o IRL, Instituto das Rádios Locais, transformada em Associação Portuguesa de Radiodifusão dois anos depois.

Algumas notícias publicadas davam relevo às audiências. Um estudo da Norma indicava que as rádios locais representavam 18% da audiência global da rádio na região litoral-norte. Outra notícia mostrava que sete rádios locais tinham maior audiência que as cadeias nacionais (RDP e Renascença) nas áreas onde emitiam. Passado o período de euforia inicial, verificou-se que muitas estações não tinham condições económicas, técnicas e de programação. As ligadas à igreja católica solicitaram apoios à Rádio Renascença, germinando a ideia de uma associação que envolvesse as rádios que se reconheciam na APR mas com relação especial com a Renascença e os ideais religiosos. A partir de 1990, a Renascença autorizou a transmissão de noticiários e de alguma programação (missas de domingo e outras cerimónias religiosas, programas de formação religiosa).

A materialização da associação começou num encontro de reflexão, em Fevereiro de 1991, e continuado no começo de Maio do mesmo ano, defendendo a criação de uma estrutura que congregasse e apoiasse as rádios privadas católicas ou de inspiração cristã. Às rádios Renascença, Voz de Almada, Voz do Neiva, Rádio Cister, Rádio e Televisão do Atlântico, Boa Nova, Noventa FM, Campanário e Echo da primeira reunião, juntaram-se a Antena Miróbriga, Arremesso, Azeméis FM, Barlavento, Boa Nova, Cidade de Tomar, Cister, Corridinho, Escuro, F, Maior, RTM Rádio e Televisão Atlântico, Torres, Vida Nova, Voz de Alcanena, Voz do Alentejo, Voz do Alto Tâmega, Voz da Bairrada, Voz de Leiria, Voz de Lisboa, Voz de Mangualde, Voz de Vagos, Voz de Viseu, Voz do Minho e Voz do Porto na segunda reunião. Das 31 rádios fundadoras, 19 continuam no activo e pertencem à associação. A Renascença disponibilizou autorização para retransmissão de informação nacional e internacional, tempos de programação e estágios de pessoal técnico e informativo nos seus estúdios.

A escritura decorreu em 23 de Setembro de 1991 na biblioteca da Universidade Católica Portuguesa. Da muita actividade realizada nos anos iniciais, destaco o segundo encontro nacional das rádios da ARIC, com o tema A ética na comunicação pelo bispo de Badajoz D. António Moreno, e o quarto encontro, com o tema A ética na comunicação social e a formação humana dos comunicadores, em Outubro de 1993, orientado por Roberto Carneiro, e Cursos universitários, por Fernando Cristóvão. Magalhães Crespo propôs a constituição de um grupo multimedia da comunicação social de inspiração cristã. A Nova (Federação dos Meios de Comunicação Social de Inspiração Cristã) seria fundada em Maio de 1994, englobando a ARIC, a Renascença, a Universidade Católica e a AIC (Associação de Imprensa de Inspiração Cristã).

Os anos seguintes da ARIC foram de consolidação. Em meados de 1996, havia 66 rádios associadas. Na altura, debateu-se a compra de sede própria em Lisboa e de um centro de formação. Das sedes provisórias (rua Almirante Pessanha, em anexo à igreja do Sacramento; rua Ivens, na sede da Renascença) passou-se para sede própria, em Outubro de 1997 (rua da Prata, em co-propriedade com a VOX).

Das actividades mais importantes da associação, o autor relevou a formação, em instalações da Renascença e em Fátima, o prémio ARIC para trabalhos nas áreas de reportagem e jornalismo, com diploma e placa para a estação e diploma e prémio pecuniário para o autor do trabalho, e a organização de congressos dos meios de comunicação social de inspiração cristã de língua portuguesa, o primeiro em Dezembro de 1998, na Universidade Católica, e o segundo em Outubro de 2000, na Universidade Católica (Porto). Outro momento importante da associação foi o programa Lusitânia, sons, memórias e mitos dum andarilho, realizado e apresentado por Carlos Campos, presidente da ARIC em representação da Noventa FM. O programa visitou todas as rádios locais da associação, hora semanal feita de apontamentos acompanhados de música portuguesa e transmitida no final da década de 1990 pela Renascença e, em simultâneo, pelas rádios da ARIC.

Com uma boa organização e uma excelente informação, o livro – embora de forma não directa –, abre-se para áreas como programação, economia das estações, pioneiros, tecnologias e publicidade. A solidariedade, a cidadania e o desenvolvimento da democracia e uma nova forma de fazer rádio são elementos a evidenciar na acção das rádios de proximidade (e de inspiração cristã). Registo uma ideia que se me formou na mente após a leitura do livro: a de uma estação de rádio mais antiga, forte e de grande notoriedade, a Renascença, referente de orientação certa para as rádios dentro da ARIC, e a da associação em múltiplos sentidos (ARIC, VOX, Nova), todas com objectivos específicos e bem delineados, esperando-se que funcionem nas valências a que se propuseram.

Uma associação que tem passado e está viva significa que possui presente e almeja o futuro. Daí, eu incluir duas notas, a primeira para falar do presente. Estudos publicados dão conta das estruturas de pequenas e médias empresas que estas rádios constituem, em que se factura anualmente à volta de 150 mil euros (Obercom, 2007) . A publicidade na rádio, e em particular nas rádios locais, tem baixado dramaticamente. Embora não possua dados actuais e fiáveis, a quebra de investimentos publicitários ao longo da última década atingiu os dois dígitos, o que conduz a situações financeiras indesejadas. A questão laboral também é deprimente: salários baixos, trabalho precário e/ou indiferenciado, estagnação de carreiras e subordinação da informação à publicidade são situações a erradicar (Santos, 2010: 132-133) . A outra nota concerne ao futuro, em que relevo a tecnologia. Com a digitalização e a expansão da internet, tornou-se notória a necessidade de diversificação. A multiplicação de plataformas obriga a novas especializações e dinamismo constante, em busca da actualização e da produção de conteúdos nos novos meios.

Se quisermos ver o livro de Joaquim de Sousa Queirós de outro modo, ele, ao mostrar as vicissitudes e os sucessos da ARIC do passado, aponta iguais desafios para os tempos que vêm a seguir. A história é do domínio dos valores e da soliedariedade entre elementos e que iluminam o presente e projectam o futuro. É de louvar, pois, a decisão da ARIC em editar o livro. E felicitar o autor pela sua competência na escrita do texto.

(1) Maria José Teixeira Santana (2009). As rádios locais no Norte de Portugal e na Galiza. Dificuldades e desafios em ambos os lados da fronteira. Tese de mestrado defendida na Universidade de Coimbra (https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/bitstream/10316/13489/1/Tese_mestrado_M%C2%AA%20Jos%C3%A9%20Santana.pdf), ficheiro acedido em 14 de Maio de 2011


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.