Memórias de um caixeiro

O que se ouvia e via ao balcão do Portela é um livro de Paulo Barreto e editado o ano passado em Vila Praia de Âncora, de onde o autor é oriundo. Memórias de um jovem caixeiro e filho de alfaiates que não quiseram que ele seguisse a profissão, conta a história de alguém que entrou na loja do Portela, junto à Praça da República, naquela vila, para trabalhar quando tinha treze anos (o autor nasceu em 1935).

O balcão e a porta da loja representavam um bom e privilegiado ponto de observação. A loja, a praça e a vila funcionam como um todo, interrelacionam-se. O autor descreve tipos de pessoas, profissões, veraneantes, festas e procissões, os acontecimentos sociais, o papel do comboio, a relação entre comerciantes, a cultura (a Sociedade, o Órfeão), os dias da semana e os domingos, a religião. Mas também a política (e a falta de liberdade até 1974), a música, os livros e a sua leitura. Do livro, fica-se a saber que o autor aprendeu piano e tocou saxfone, esforçou-se por recuperar a vida ao órfeão da vila, é pintor autodidacta. O livro faz-se acompanhar por muitas fotografias, muitas delas feitas pelo autor, com grupos de amigos, de famílias e de acontecimentos. É, assim, um mundo inteiro observado.

As actividades de pescadores e comerciantes, as profissões mecânicas e os recoveiros (transportadores) de mercadorias, as mulheres vindas da montanha no Outono (de Castro Laboreiro), vestidas de preto, ganham uma grande ressonância nestas páginas. É um livro etnográfico sem a estrutura do especialista, é um romance (até autobiográfico) sem a narrativa do escritor, é um livro de memórias, onde solta por vezes o lamento do perdido (amigos, profissões, a beleza da paisagem). Fundamental a relação com a natureza, pelas festas, pela importância das actividades agrícolas (embora de subsistência) e outras a juzante (matança do porco, vinho, pão).

Nota-se uma forte ligação à terra, mesmo para quem há mais de 50 anos vive em Lisboa. Cenas rurais, a chegada dos jornais, a discussão (clandestina, por vezes), a solidariedade, a simplicidade dos gestos, pouco polidos com frequência, os sítios e as pessoas (a moldura humana) como a loja do Portela, as escadas da Igreja onde tantas conversas decorreram, em especial à noite, as casas dos amigos e as confraternizações – tudo ocupa lugar num livro sem orientação cronológica, nem da ordem dos temas, mas que aborda estes ao sabor da escrita, avançando e recuando como fazemos numa conversa.

O livro resgata uma micro-cultura feita de saberes e falares, artes da conversação. Noto um centrar na cultura popular, em que esse núcleo parte do balcão da loja. O etnógrafo desloca-se por locais, o autor do livro tem uma mira de observação fixa, o balcão como se estivesse a ver um filme. Não procura, as imagens e as histórias vêm ter com ele. Amizades, simples conhecidos ou desconhecidos (que ele interroga: quem é este?) passam pela loja. Compram, conversam, pedem conselhos, opinam. A praça pública está na loja – tudo se sabe de tudo. A vida privada é mostrada, ou demonstrada, ou entendida. O balcão da loja de tecidos é igual ao balcão da farmácia, ao barbeiro e cabeleireiro.

Âncora transformou-se de um local de actividades – agricultura, pescas, artesanato, comércio, outras actividades industriais, veraneio – em apenas veraneio e comércio. A modernidade da vila é, afinal, uma monocultura. A vila funcionava como ecossistema e agora depende do que vem de fora. O que torna esse microcosmos simultaneamente físico, social, de relação de actividades, mas de cultura própria. A vila reproduz a cultura vigente num dado momento. Apesar de parecer isolada, essa cultura reparte valores com outras vilas.

A rádio é um meio de massas que marca o autor e a sociedade da época. Creio que a homogeneidade cultural é dada pelos meios de massas, além da língua (e do serviço militar – aliás este será influente ao autor). Até aí, os seus horizontes geográficos estendiam entre Viana do Castelo e Caminha, entre Afife e Barroselas. Não há referências a outros locais mais distantes.

O autor não evidencia a relação de classes, fala dela com um olhar de compreensão. O caixeiro fala da existência de gente mais poderosa (os fidalgos que chegavam à praia para descansar; o médico, o presidente de Câmara ou freguesia e o político do regime que conversam entre si) e atende aos tipos populares (o “Saias”, as castrejas, os pescadores). O livro mostra um homem à procura do reconhecimento do mundo mais cultural e intelectual – daí referir a loja do Portela como a sua universidade, onde amadureceu, foi ensinado a tratar os outros e a ver as forças e fragilidades dos outros, mas não faz alarde desse crescimento.

No texto, nada parece frívolo, tudo parece importante, adequado, associado. Nele, há uma marca, a escrita de um homem biologicamente velho mas um grande entusiasta das coisas, da vida e da recordação de um tempo. Claro que o tempo de juventude é sempre um tempo de alegrias, paixões, experiências, conhecimentos e contactos que ficam para a vida.

Leitura: Paulo Barreto (2010). O que se via e ouvia ao balcão do Portela. Vila Praia de Âncora: Ancorensis, 295 páginas


3 thoughts on “Memórias de um caixeiro”

  1. Ola Paulo:
    Comovi-me imenso ouvir-te falar das recordacoes e a vida simples de Vila Praia de Ancora. Era muito amiga dos teus pais e muito amiga da falecida Ines e da Rosa Maria, vejo a Rosa quando vou de ferias de Verao a Ancora. Tu conheces-me muito bem vi uma exposisaco dos teus lindissimos quadros de pintura e falei contigo acerca dos mesmos O teu livro que publicaste foi-me oferecido pela Otelinda do “Alemao” que vi vive em Versailles. Conheces-me por Teresa e vivo nos Estados Unidos e encontro-me ha 49 anos a viver em Boston. O meu irmao Ivo Cerqueira lembra-se de ti, quando era miudo vivendo em Luanda e vindo para Boston em 1973. Espero ver-te num futuro proximo. Se estiveres com a Rosa fala-lhe de mim e muitas saudades para vos. Obrigado Paulo, e um livro espetacular e devorei todas as paginas recordadndo lindas memorias. Eu, como tu Paulo sinto uma forte ligacao a Vila Praia de Ancora que nunca deivei de visitar durante 49 anos desde que vivo em Boston. Es extremamente humano e abordaste todos os temas do livro como so tu tao bem o fizeste. Parabens, Paulo.
    Envia-me um email para:

    terry_cerqueira@vmed.org

  2. Sou filha do “pasteleiro” da confeitaria Mimosa (Sr. Fernandes casado com a Delfina Vieira) e fiquei muito feliz e emocionada ao ler o trecho do seu livro em que fala sobre meu pai. Por ter falecido muito novo e eu era muito pequena (5 anos) nunca soube da vida dele. Parece que ele foi um grande amigo seu!!
    A foto de meus pais estão muito lindas!!!!
    Como posso conseguir um exemplar do seu livro???

  3. Vi pela primeira vez este livro em casa de amigos e me apaixonei por ele. Eu nasci em Ancora e mudei para o Canadá quando eu tinha nove anos. Eu amo Ancora e a visito frequentemente. Eu tenho muitos amigos e familiares que ainda vivem lá. Por favor, desculpem erros ortográficos e gramaticais nesta nota tem sido um tempo desde que eu tinha que escrever em Português. Agora, de volta a este belo livro, este livro foi onde eu vi uma foto de minha bisavó para a primeira vez na minha vida. Eu nunca vi nenhuma foto ou teve a chance de conhecer alguns dos meus bisavós. Fiquei espantada quando eu também encontraram fotos dos meus pais e avós. Paulo Barreto fiz um trabalho maravilhoso em capturar os eventos e as pessoas que viveram na nossa Vila pequeninha. Eu gostava de comprar algumas copias deste livro. Eu agradecia muito, muito se alguém me dar algumas informações sobre como fazer isso? Muito obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.