SOBRE O ESPAÇO PÚBLICO EM PORTUGAL NA ÉPOCA DAS LUZES

O capítulo “Novas formas: vida privada, sociabilidades culturais e emergência do espaço público” (2011), de Maria Alexandre Lousada, no segundo volume de História da vida privada em Portugal, traça uma análise às condições de produção e difusão cultural, à afirmação da privacidade e à emergência do espaço público em Portugal, assuntos que me interessam muito.

Em Portugal, escreve Maria Alexandre Lousada, surgiram gazetas manuscritas, caso da do conde da Ericeira, que se correspondia com letrados como José Freire de Mascarenhas (redactor da Gazeta de Lisboa). Trata-se de um círculo de letrados e eruditos.

As sociabilidades e instituições nacionais frequentadas por leitores, ouvintes e espectadores no debate e na crítica, literária e política, recairam sobre academias, salões ou assembleias e cafés. O período áureo das academias é durante o barroco de 1600 e no início do século XVIII. O Mercúrio de Julho de 1667 fala de diversas academias particulares e modernas. Lisboa concentrava o maior número delas, mas também há notícia de outros locais como Évora. Uma característica das academias foi o seu fechamento, com número limitado de sócios, pertencentes à nobreza e ao clero. A ligação ao poder estava presente nas suas actividades. As academias literárias sofreram um declínio no período pombalino, exceptuando a Arcádia Lusitana (1756-1774) e o Grupo da Ribeira das Naves, com a restauração da poesia limpa de excessos gongóricos, e a Nova Arcádia (1790-1795), com propósitos reformistas.

Conhecem-se alguns salões em Lisboa, que funcionaram como saraus musicais, introduzidos por Maria Ana, rainha de origem austríaca, com regularidade semanal, ao domingo. O teatro do Bairro Alto (ópera) foi inaugurado em 1738. As notícias da época dão sinal de igual fechamento como as academias. No último quartel do século XVIII, o panorama alterou-se, com festas dadas pelos poderosos com música, canto e jogo e intervalos com chás e refrescos. Mulheres letradas como Teresa Mello Breyner e Joana Isabel Forjaz animariam os salões de Lisboa, mas com ênfase para a música.

A assembleia, versão menos literária dos salões, tornou-se uma prática mais comum nas elites sociais e nos grupos urbanos intermédios, com teatro, literatura de cordel e livros de viajantes. Além da assembleia, Maria Alexandre Lousada descreve o outeiro, reunião poética junto das grades dos conventos, o que ilustra a visibilidade editorial das religiosas, quase todas pertencentes a conventos de Lisboa.

Dos cafés, sabe-se pouco nos anos anteriores a 1780. Bocage passaria a frequentar o café Nicola em 1793. O café tornava-se uma nova forma de sociabilidade: poetas e literatos frequentavam-nos, a par de outros estabelecimentos de bebidas, como casas de pasto e tabernas. Eram lugares de encontro, convívio, debate literário e de discussão política, acompanhados de um copo de genebra, chávena de café e torrada com manteiga. Nos cafés, além da declamação de poesia e polémicas literárias, eram lidas as gazetas, cujas notícias se comentavam em voz alta. Os actos do governo começavam a ser públicos. Os cafés em Lisboa não deram origem a clubes, como em Paris e Londres. Havia uma matriz mais boémia e de intelectuais afastados das academias e dos salões. Por seu lado, os botequins eram mais frequentados por indivíduos das classes médias urbanas, negociantes, militares e funcionários públicos.

Leitura: José Mattoso (dir.) (2011) História da vida privada. Coordenação do volume II por Nuno Gonçalo Monteiro A idade moderna. Lisboa: Círculo de Leitores, 493 páginas (lidas as pp. 426-454)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.