METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO: O USO DO TELEMÓVEL COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO

Hoje, os professores Mágda Rocha e Eduardo Pellanda, docentes da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, Brasil), deram uma conferência onde falaram das metodologias de investigação científica aplicadas às ciências da comunicação. No Brasil, sente-se o cruzamento das técnicas quantitativas oriundas da tradição dos Estados Unidos e a maior reflexão teórica ida da Europa. No caso da cibercultura, um território ainda a crescer, aplica-se a pesquisa etnográfica não mais às tribos indígenas mas às comunidades virtuais, o que leva a repensar as metodologias e as práticas. Por outro lado, no Brasil, dada a evolução rápida no mundo empresarial, este procura as universidades para encontrar soluções para os seus problemas. Assim, no campo das pós-graduações, à análise de conteúdo e do discurso, metodologias mais clássicas, os investigadores acrescentam estudos de recepção e de receptores-produtores de conteúdos.

Na conferência, os dois docentes deram relevo a um projecto que têm desenvolvido com o MIT, e que pode ser encontrado no sítio locast, uma plataforma de colaboração onde é feita a ligação do telemóvel com a cidade. Sem uma agenda (pauta) prévia, alunos e docentes criaram cinco níveis de actuação: reportagens, narrativas hiper-locais, etnografias, explorações práticas e envolvimentos sociais [e que eu neste blogue sigo de certa maneira, sem conhecer previamente aquela experiência]. Como conclusões do trabalho que está a ser feito nestes três últimos anos lectivos, os conferencistas salientaram as seguintes: múltiplas narrativas, estéticas de vídeo móvel, relevância do hiper-local.

O vídeo seguinte recolhe impressões dos dois docentes brasileiros:


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.