O BAIRRO ALTO VISTO PELA ANTROPOLOGIA

Heitor Frúgoli Jr. (Universidade de S. Paulo) deu hoje uma conferência na Livraria Círculo das Letras, em Lisboa, com o tema Bairro Alto de Lisboa. Um olhar antropológico. Frúgoli Jr. tem vindo a pesquisar desde 2007 este bairro: pessoas, moradores, frequentadores, lojas, bares, culturas e perspectivas. A assistência, bastante curiosa, pôs questões e animou muito o debate.

O conferencista é autor de São Paulo: espaços públicos e interação social (1995), Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole (2000) e Sociabilidade urbana (2007), e foi co-organizador da colectânea Shopping centers: espaço, cultura e modernidade nas cidades brasileiras, com Silvana M. Pintaudi (1992), e organizador do livro As cidades e seus agentes: práticas e representações, em conjunto com Luciana Teixeira de Andrade e Fernanda Arêas Peixoto (2006). Eu conhecia-o através de um capítulo que escreveu no livro organizado por Carlos Fortuna e Rogerio Proença Leite, Plural de cidade: novos léxicos urbanos (2009).

É exactamente do capítulo do livro citado em último lugar (“A cidade no diálogo entre disciplinas”, p. 57) que retiro algumas das ideias centrais do seu discurso de hoje: modos de vida, estratégias de sobrevivência, formas de sociabilidade, práticas religiosas, representações políticas, tráfico de drogas e redes de parentesco e vizinhança, dimensões do quotidiano e representações simbólicas, actores sociais, divisão social do trabalho e focos de produção simbólica.


One thought on “O BAIRRO ALTO VISTO PELA ANTROPOLOGIA”

  1. Boa noite, estou a pesquisar a matéria referente o Bairro Alto, para fins de Mestrado, como estamos de ferias e as bibliotecas fechadas encontrei a tua matéria fantástica, caso se poder me auxiliar a esse respeito enviar textos ferente ao mesmo para historia_51@live.com. Aos meus agradecimentos pela tua atenção disponibilizada. Maria Lacerda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.