VIOLÊNCIA POLÍTICA NO MURAL DO ESTÁDIO

Na parede do Estádio Universitário, quase em frente do Hospital de Santa Maria (Lisboa), deparei-me com um longo mural retratando a actual violência política na Grécia. Como se fosse uma história aos quadradinhos e com imagens sucessivas lidas da esquerda para a direita, vemos o sistema à esquerda, representado pela polícia de choque (com viseiras e matracas), o Parthenon no meio – com a indicação Esperança para a Grécia, esperança para nós – e um grupo de jovens, à direita, usando uma fisga, um cocktail Molotov, matracas de madeira, lenços a tapar o rosto, com óculos de sol, símbolos representando greve, anarquia, jogos olímpicos desde 776 a.C. O cão rafeiro que acompanha os jovens também usa um lenço a tapar o focinho. Uma outra leitura semiótica permite ver a situação geográfica da polícia e dos jovens que protestam: aqueles estão à direita, em posição defensiva, estes caminham da esquerda para a direita, em tom ameaçador e com as suas armas prontas a usar. O largo graffiti faz um forte apelo à desobediência civil, ensaiando o modelo de guerrilheiros urbanos possivelmente captados no mundo universitário – daí o local de exposição -, o que me preocupa muito. Os cartazes de homens musculados e mulheres esguias de 1974, a vermelho e amarelo, a defender a revolução (ver aqui), são perfeitamente ingénuos quando comparados com esta nova representação.

No final do mês passado, as notícias indicavam que o Estádio Universitário, inaugurado em 1956, poderia fechar pois não tem dinheiro para continuar a funcionar, como a piscina, o ginásio, os campos de ténis e as pistas de atletismo. Um piquenique em que se esperavam quatro mil pessoas para alertar o poder político para a situação acabou por se realizar com apenas algumas dezenas de participantes.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.