DOUTORAMENTO DE ADELINO GOMES

Com o título O telejornal e o zapping na era da internet, Adelino Gomes defendeu hoje tese de doutoramento no ISCTE, de onde saiu com a nota máxima.

O seu trabalho incluiu observação participante nas redacções dos três canais de televisão em 2007 e 2008, onde viu o processo de produção das notícias desde a conferência de redacção até à transmissão em directo na régie, junto ao coordenador do noticiário. Nas redacções, observou três tendências já verificadas em estudos anteriores: aumento do número de jornalistas, feminização das redacções e crescimento de habilitações, através de análise dos recursos humanos na televisão. Por exemplo, em 17 anos de existência dos canais privados (arranque em 1992), o número de jornalistas subiu de 1200 para 7349, o rácio de homens e mulheres inverteu-se, passando a existir mais mulheres na redacção, em 1967 (42 anos atrás) havia 16 em 30 jornalistas com ensino básico como habilitações literárias, valor que alterou em 1977, quando o ensino secundário passou a prevalecente, e em 2007, altura em que o número de bacharéis e licenciados ultrapassou os outros graus académicos inferiores.

Adelino Gomes, na sua tese, deu muita importância ao que chamou de “guerra das audiências”, que marca cada notícia e cada noticiário televisivo. Tendo como ponto charneira este assunto, ele entende haver necessidade de melhorar o conceito de noticiabilidade atendendo à “mentalidade dos níveis de audiência”. O alinhamento dos noticiários permitiu-lhe analisar o que designou por frisson do intervalo. O que está previsto às 19:58 no alinhamento, mesmo antes do arranque do noticiário, altera-se consideravelmente durante a emissão, o que significa haver uma construção do alinhamento ao longo dessa hora ou hora e meia de emissão devido às audiências e ao que a concorrência emite, e não apenas a critérios jornalísticos. Há, na sequência de um estudo de Joel Frederico da Silveira e Pamela Shoemaker (ver aqui), um alinhamento e um posterior desalinhamento do noticiário.

Além da produção, Adelino Gomes estudou a recepção, em especial o telecomando, aparelho humilde sempre em serviço para mudar de canal, o zapping. O telecomando representa um dos poderes que põem em causa o jornalismo. Em dois inquéritos que trabalhou para o Obercom, e que constituem uma segunda parte do trabalho empírico hoje avaliado, pode haver até 70% dos espectadores que mudam de canal quando acompanham determinados programas. Um exemplo citado é o dos períodos de publicidade. Nos noticiários não há esta perda tão evidente, de modo a Adelino Gomes falar de um grande grau de fidelidade dos espectadores. Por isso, os programadores entendem os noticiários televisivos como peças chave nas estratégias de emissão.

Para o novo doutor, distinguem-se duas visões, a do marketing e a do jornalismo. Usando uma metáfora que foi buscar a Herbert Gans, ele indicaria que o Estado (marketing) nacionalizou a Igreja (redacção). O jornalismo de conferência ou de fronteira – como designou – deu lugar ao jornalismo de conversa, deixou de ser definidor, o que dá a última palavra ou medeia. Razões: 1) o peso do lado comercial dos media sobre a redacção, 2) a internet e as redes sociais, com a sua cultura participativa – as novas audiências [um dos membros do júri, o professor Manuel Pinto, chamou a atenção para a necessidade de desconstruir a mitologia da cultura participativa, sem esquecer o lado comercial dos detentores de plataformas e dos serviços, como se se estivesse no domínio total da liberdade e da participação]. Se, nas décadas de 1960 a 1980, poucos programadores se interessavam pela audiência, ela constituia uma abstracção como os eleitores para a política, hoje a audiência é central nas análises. Adelino Gomes usou os dados da indústria, a audimetria, mas defende igualmente a necessidade de estudos do que chamou qualimetria. E prestou homenagem sentida ao investigador inglês já desaparecido, Roger Silverstone, cuja mediapólis se compreende através de contextos e significados nos ambientes sociais, com literacia mediática.

Adelino Gomes tem 42 anos de actividade jornalística, tendo passado pelo Rádio Clube Português, Rádio Renascença, RDP, TSF, RTP e Público. Especializou-se nomeadamente na reportagem. Mais perto no tempo, foi provedor do ouvinte na RTP (Rádio e Televisão de Portugal).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.