D. MARIA, A LOUCA

A peça de Antônio Cunha, D. Maria, a Louca, em cena no Teatro A Barraca, com Maria do Céu Guerra a interpretar o papel da velha rainha chegada ao Brasil em 1808 e que o príncipe regente não autorizara durante dois dias a desembarcar, descreve esse curto período onde a rainha revê as suas memórias, os seus medos e os seus sofrimentos.

A história portuguesa, na época, correu depressa. Nos cinquenta anos antes, Lisboa assistira a um terrível terramoto (1755), cuja reconstrução teve o marquês de Pombal como grande responsável. O rei D. José sofreria uma tentativa de assassínio (1758), tendo as famílias Távora e o Duque de Aveiro sido implicadas e executadas. No ano seguinte, caberia a vez aos jesuítas serem expulsos do país, por ordem do mesmo marquês, devido a serem considerados um poder dentro do poder. Maria I (1734-1816) sucederia a D. José e travou o poder do marquês. Depois, em 1807, acabaria por fugir para o Brasil devido às invasões francesas.

 De grande religiosidade, a quem se deve a construção da Basílica da Estrela (Lisboa), D. Maria I recusara a vacina contra a varíola ao seu filho primogénito, tendo-o visto morrer. Ela passou os últimos 24 anos na loucura. Ela fora ainda responsável pelo nascimento da Casa Pia, da Academia das Ciências, da Fábrica das Sedas e da valorização pelo ensino das raparigas

A peça narra uma mulher decadente e deprimida, que recorda os momentos de glória e os de luta – contra o marquês, contra as novas tendências políticas (iluminismo, liberalismo) -, as suas paixões e desgraças, o exílio (a fuga para o Brasil tornou-se o seu exílio). Assim, essa espera pela autorização para chegar a terra no Brasil é passada a recordar o seu casamento, a morte do filho, a relação com a Igreja e o marquês, a acção pública e a relação privada do reino.

Num palco minimalista (iluminação igualmente reduzida), com elementos a lembrar o barco onde a rainha esteve antes de aportar à baía de Guanabara, Maria do Céu Guerra tem um papel exigente de cerca de hora e meia onde não descansa pois ocupa sempre o palco. Ora mais esperançada, ora mais destroçada, monólogo que se traduz às vezes como um longo lamento, é um retrato exigente e doloroso que a actriz nos revela. Quase sempre na ponta do palco, muito próxima dos espectadores, ela revela a sua personagem junto a uma escada, que pode ser escada e prisão, a uma mala, de onde pode tirar uma peça de vestuário ou servir de secretária onde assina as condenações dos revoltosos, de uma capelina que também pode representar o corpo do rei seu pai ferido numa emboscada, tendo quase junto a si a fiel aia negra Joaninha (que não aparece na ficha técnica da peça).


One thought on “D. MARIA, A LOUCA”

  1. Gostaria de destacar o excelente trabalho de composição do ator Adérito Lopes (cujo nome aparece, sim, na ficha ténica da peça) no papel da aia Joaninha e que, ao final da peça, transforma-se no religioso que conduz D. Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.