FICÇÃO TELEVISIVA

No VI Seminário International Obitel (Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva), que envolve 11 países (Península Ibérica e América latina), a decorrer na Universidade Católica, em Lisboa, Eduardo Cintra Torres apresentaria uma comunicação sobre qualidade em televisão. As perguntas que ele faz são as seguintes: como avaliar programas populares bem feitos? Como é que o meu gosto interfere na avaliação da ficção televisiva? O conferencista, para quem a ideia de gosto é um valor aferido pelas elites culturais, parte da Poética de Aristóteles, que avaliou a qualidade das obras. A preocupação com o assunto iniciou-a num artigo publicado em 1 de Maio de 2000, que intitulou “Elites e programas da qualidade das obras”. Para definir a qualidade, o autor deve afastar-se do gosto pessoal e aplicar técnicas de representação e ideológica.

O autor apresentaria, na sua comunicação, diversas notas, de que destaco: entregar a avaliação da qualidade às audiências (rating) é legitimar a avaliação pelos outros, o que quer dizer demissão do académico, do estudioso que prepara grelhas de análise. Outra nota visada pelo autor é a avaliação do conjunto de textos (concursos, notícias, ficção, publicidade, sitcoms, documentários) e não apenas de ficção.

Por seu lado, Isabel Ferin, com uma comunicação intitulada “A ficção televisiva num contexto de mudança”, evidenciou as diferenças de expectativas sociais e tecnológicas nos países ibéricos e na América latina. Por outro lado, a docente da Universidade de Coimbra referiu o domínio da ficção enquanto entretenimento barato e com uma programação de baixos custos. Ferin fala de cenários de mudança social que determinam o contexto da ficção televisiva, com o envelhecimento a par de uma contracção demográfica, maior escolarização dos jovens e consumo crescente de tecnologias digitais, além do maior consumo de televisão por cabo.

A autora, que lançou agora o livro Memórias da telenovela. Programas e renovação, fala do futuro da ficção assente na segmentação dos públicos, em que a telenovela se reorienta para públicos femininos vivendo no interior, as séries são vistas por jovens do interior do país mas com menos condições de acesso à internet, embora haja telenovelas de culto que concorrem com os seriados americanos, caso de Equador. Quanto a temas e convergência, Isabel Ferin elencou os seguintes: formatos híbridos, características universais mas agregados a questões nacionais, histórias mais ágeis e contadas rapidamente, recursos da digitalização na produção e pós-produção (menor produção no estúdio), migração da ficção para outras plataformas como dispositivos de bolso e necessidade de públicos críticos.

A conferencista traçou cenários futuros, que passam pelo prolongamento do que existe hoje (audiências de televisão aberta mais idosa, menor poder de compra), produtos de ficção televisiva com responsabilidade social e menor inovação (logo: menor interesse dos produtores e dos anunciantes), clivagens de consumos devido a disparidades económicas e a incógnita do que trará a televisão digital terrestre.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.