APARELHO FOTOGRÁFICO

José Manuel Soares, docente de fotografia numa escola de Valongo, editou agora o livro Aparelho Fotográfico (2011), tema de exposição no Centro Português de Fotografia (Porto).

Ele expõe com regularidade desde 1999. Dedicado inicialmente ao fotojornalismo (fotografias publicadas no Primeiro de Janeiro, O Jogo, Tal & Qual, Diário de Notícias, entre outros), desenvolveu trabalhos publicitários para agências e marcas como Fiat Auto Portuguesa, Vadeca, Taylor’s, O & M, Baviera e publicou livros com textos de Manuel António Pina, Manoel d’Oliveira, Júlio Resende, Isabel Alçada e Mário Cláudio, figuras intelectuais e das artes ligadas ao Porto, de onde o fotógrafo é natural.

No sábado passado, no Clube Literário (Porto), fui assistir à sua apresentação, uma tertúlia que serviu para o autor e os presentes falarem sobre fotografia, o amor a essa arte, a sua relação com os escritores, a pintura, as cidades, a fotografia analógica e o preto e branco. Sobre a revelação das imagens, retiro as seguintes palavras da introdução, escritas por Ana Rita Soares: “O meu pai cumpria aquele ritual, procedia aquela série de operações com uma expressão séria, enrugando a testa, chegando mesmo a suster a respiração. […] Enquanto aquilo durava eu deixava-me estar a um canto a observar cada um dos seus mais pequenos gestos: pousava o papel cuidadosamente numa tina, para cuidadosamente o tirar uns segundos depois”.

Enquanto José Manuel Soares falava pausadamente mas com muita alegria sobre as suas fotografias, eu tirava um retrato. Embora sem usar intencionalmente o flash, a máquina libertou uma ténue luz vermelha, mostrando a minha pouca discrição.

As fotografias do autor, a preto e branco, representam momentos ocasionais, com imagens por vezes desfocadas, pessoas, pormenores dos filhos, paisagens urbanas (corredores, escadarias, garagens), pequenas cenas do quotidiano como a senhora de idade a passear um pequeno cão, o rapaz da pizaria, a cabina telefónica e pormenores de viagens (cartas). Para o fotógrafo, trabalhar os materiais (a forma) é mais importante que o conteúdo, caso da fotografia em que a cabeça do rapaz (?) perturba definitivamente a leitura do edifício do Ritz. Às vezes, são o começo de uma história, como a velha tabela de basquetebol e a paisagem grafitada em redor, sinal da grande usabilidade do espaço.

A imagem da p. 49 é a mais emblemática do livro, tendo-me feito lembrar o conceito de punctum em Barthes, que não se relaciona com o fotógrafo e a sua cultura mas com a forma e a intensidade. A maquilhagem muito acentuada das raparigas, com o seu olhar estranho, em atitude de espera com algum desespero, torna-as artificiais, quase máquinas com faces de um só modelo. As outras figuras já me parecem de gente “normal” mas estão fora de campo, logo igualmente irreais.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.