Serviço público de televisão

“Estudo do Obercom revela preferência dos portugueses pelo serviço público de televisão”, lê-se numa notícia publicada hoje no jornal em papel Público e que também foi editada no online. Lê-se ainda:

“O serviço público de televisão «garante uma cobertura mais eficaz dos acontecimentos do que os restantes canais», considera mais de metade das 1258 pessoas inquiridas no âmbito de um estudo do Observatório da Comunicação (Obercom), sobre o serviço público de televisão em Portugal”. Coordenado por Gustavo Cardoso, o estudo de Miguel Paisana mede as percepções dos inquiridos acerca do papel do serviço público de televisão, concluindo que “a maior parte das pessoas que respondeu ao inquérito considera «que o serviço público de televisão é importante, deve existir e que até pode dar programas que eles não gostam»”. Para Gustavo Cardoso, continua a ler-se no mesmo texto do jornal: “O conceito de serviço público tem um peso simbólico muito importante na identificação social do que é prioritário e do que são as preferências individuais de cada pessoa”. Diz ainda a notícia, citando o coordenador do estudo: “Ao critério baseado no número de espectadores e na opinião das elites sobre o que deve ser considerado público importa acrescentar a opinião das pessoas. […] De outra forma, nota, «não sairemos de uma discussão inquinada»”. As duas categorias mais referidas são informação (notícias) e filmes, a que se seguem documentários-grandes reportagens, debates-grandes entrevistas e ficção de produção nacional (com telenovelas e séries).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.