ARMANDA PASSOS

No centenário da Universidade do Porto, um dos eventos comemorativos é a exposição Reservas de Armanda Passos no Jardim Botânico/Casa Andresen. Um modelo de figuração muito próprio, com o feminino de largas dimensões e vestes coloridas acompanhado por peixes e outras figuras animais próximas do antropomorfismo, como a serpente, a flor abelha, o sapo lira, o besouro e a cigarra, por vezes seres fabulosos e monstruosos que afugentam mas acabam por atrair pelas formas e pelas cores, compõe uma exposição num sítio muito luminoso. José-Augusto França, no pequeno catálogo que acompanha a exposição, sugere que estas mulheres gordas conversam uma só conversa no mercado ou na praça pública ou no chafariz. Os diversos admiradores da obra de Armanda Passos que escrevem no catálogo comparam-na por aproximação ou por distanciamento a Paula Rego, a Bosch, a Brotero e a Rothko, mas também à literatura de Jorge Luís Borges. Há quem escreva igualmente sobre um bestiário figurativo a par de um imaginário rico e poderoso, ligado ainda ao folclore e ao mito das origens mas distinto da zoologia medieval, nascido há 40 anos contra o formalismo da escola de Paris e o expressionismo abstracto americano, colocando de novo a pintura em diálogo com a natureza.

Universo paralelo ao nosso, leio ainda no catálogo.

A casa Andresen, no Porto, foi habitada por Ruben Andresen Leitão e por Sophia de Mello Breyner Andresen,  duas figuras literárias de vulto na cidade. Recentemente, alvo de obras profundas de restauro, a casa alojou já a exposição sobre Darwin e prepara-se para acolher o museu da Biodiversidade.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *