NOVO LIVRO DE JOSÉ MIGUEL SARDICA

A Europa napoleónica e Portugal. Messianismo revolucionário, política, guerra e opinião pública é o novo livro de José Miguel Sardica, hoje lançado no Palácio da Ajuda, Lisboa, e apresentado pelo professor Luís Oliveira Ramos (que foi meu professor de História Contemporânea na licenciatura há 35 anos), numa edição da Tribuna da História.

O livro tem seis capítulos, fruto de trabalhos elaborados pelo autor entre 2006 e 2011, apresentados em lições de cursos livres, colóquios e comunicações, alguns publicados em sítios dispersos. O último capítulo foi escrito este ano, bicentenário do final das invasões francesas (1811). O “sem rei nem roque”, expressão da época das invasões, parece quase aplicar-se aos tempos de hoje na Europa do euro. O autor, um rigoroso historiador dos séculos XIX e XX, acabaria a sua própria apresentação com as seguintes ideias: numa Europa em plena e dolorosa redefinição, o ontem assemelha-se a hoje, salvaguardadas as devidas distâncias. Para José Miguel Sardica, podemos aprender o que aconteceu ontem para o aplicar hoje, servindo para nos orientar no quadro europeu. E concluiria que o sarilho em que estamos agora metidos (a comunicação ao país do primeiro-ministro às 20 horas de hoje não deixa terreno para efabulação) é mais suave que a conjuntura apocalíptica inaugurada em 1807. Então, o país sobreviveu e foi aqui, na Península Ibérica e em Portugal, que Napoleão começou a perder o sonho de império centrado em França. O historiador recorda que Portugal desempenhou, então, um papel primordial nessa redefinição do continente, o que não voltou a acontecer.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.