LIVRO SOBRE JORNALISMO

Na semana passada, em congresso do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo) sobre história dos media, foi lançado o livro Jornais, jornalistas e jornalismo. Séculos XIX-XX, coordenado por Ana Cabrera, e com textos de Jorge Borges de Macedo (epistemologia da informação), Ana Cabrera (jornais Espectro e Quadrante), Jorge Pedro Sousa (Eduardo Coelho e o Diário de Notícias), Álvaro Costa de Matos jornais Pátria e 57 e biografia do jornalista Adolfo Simões Müller), Fernando Correia e Carla Baptista (jornais vespertinos Diário Ilustrado, Diário Popular, Diário de Lisboa e A Capital) e Helena Lima (Jornal de Notícias), editado por Livros Horizonte.

Retenho-me no texto de Fernando Correia e Carla Baptista, dado o arco histórico (período de 1956 a 1968), a dimensão das publicações (quatro jornais acima identificados) e os vários aspectos de análise e que mostram como esses jornais vespertinos foram responsáveis pela modernização dos media escritos. A isto acrescente-se a época política, a do tempo final da governação ditatorial de António Salazar. Um último elemento a indicar é que os autores identificam um período específico (1956-1968), quando até à sua investigação não havia essa separação, considerando-se como um só o período de 1933 a 1974 (da constituição ditatorial até à mudança de regime político). Algumas das características que Correia e Baptista inscrevem no período são: concepções e práticas, organização interna das redacções, relacionamento com outros sectores de cada empresa jornalística, construção do jornalismo como profissão (p. 152).

Correia e Baptista indicam que os vespertinos constituiram motores de mudança, com alterações a nível jornalístico (rejuvenescimento, maior qualificação académica e alguma feminização da redacção; novos conteúdos como suplementos – casos de economia, cultura e desporto -, entrevistas, reportagens e exclusivos), empresarial (externalização de tarefas, como uso de impressoras de outros media; tentativa de acabar com o duplo emprego, dados os baixos salários, com a ideia do “jornalista privativo” num só meio; iniciativas “jornalístico-comerciais” como casamentos de Santo António e festas populares, campanha para a desobrigação do uso de boné por parte dos taxistas, concursos tipo “descubra as sete diferenças”) e tecnológico (passagem da tipografia de chumbo para a composição e impressão “offset”, importância conferida ao fotógrafo).

No texto de apresentação do volume, escreve a coordenadora que os “estudos têm em comum serem abordagens históricas que analisam a imprensa, os jornalistas ou o jornalismo em diversas perspectivas, para distintas épocas e segundo diferentes ângulos”, cobrindo a “imprensa do século XIX ao XX, periódicos que se destinam a vários públicos e estudos que oferecem diversos modelos analíticos e metodológicos”. Ana Cabrera dá destaque ao primeiro texto publicado, pertencente ao historiador Jorge Borges de Macedo (1921-1996), “Para uma epistemologia da informação”, texto de 1984. Aí, ele distingue o trabalho do jornalista face ao do historiador e diz: “A notícia revela-se afinal como um dos fenómenos criadores do nosso tempo: a realidade não é o que existe mas o que se noticia” (p. 20).

Ana Cabrera é investigadora associada do CIMJ, autora da obra de referência Marcello Caetano: poder e imprensa (Livros Horizonte, 2006) e coordenadora de projectos naquele centro de investigação.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.