BANDA DESENHADA DA AMADORA

O 22º Festival Internacional de Banda Desenhada 2011 da Amadora decorre sob o signo do humor e do centenário da fundação da Sociedade dos Humoristas Portugueses, cujo manifesto data de Junho de 1911, publicado no jornal Sátira. Conforme diz Osvaldo de Sousa no catálogo do Festival, o manifesto considerava que a “caricatura não serve só para desmandibular as multidões num riso animal. Tem uma grave responsabilidade perante a história, qual seja a concepção dos costumes”. Em torno da Sociedade, movimentaram-se humoristas como Christiano Cruz, Almada Negreiros, Stuart Carvalhais, Jorge Barradas e Hipólito Collomb. O único projecto concretizado da Sociedade dos Humoristas Portugueses foi a produção de duas exposições em 1912 e 1913.

Osvaldo de Sousa escreve igualmente sobre o humor na banda desenhada internacional. Ele estrutura o seu texto nos seguintes pontos: 1) génese estrutural e satírica, 1800-1900, 2) génese conceptual e humorística, 1895-1915, 3) génese da narrativa como sonho poético, 1900-1910, 4) despertar das estéticas e da ironia, 1915-1928, 5) da maturação à reconversão, 1928-1950, 6) da redescoberta à sublevação, 1947-1960, 7) revolução dos grotescos, 1955-1970, 8) da contestação ao apaziguamento irónico, 1968-1980, 9) contemporaneidade, 1980-2000, 10) século XXI.

Há ainda textos de John Lent (cartoons, banda desenhada e humor), Amadeu Carvalho Homem (riso, sátira e caricatura), Pedro Cleto (rir com Axtérix e a primeira publicação em Portugal na revista Foguetão). Os 60 anos dos Peanuts (desde o começo da década de 1950) são recordados com texto do museu Charles Schulz. Mais à frente, no catálogo há lugar para os prémios de 2010, para os concursos de 2011, o festival pela cidade e AmadoraCartoon.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.