Naturezas-mortas da pintura europeia na Gulbenkian

A exposição patente na Fundação Calouste Gulbenkian, A perspectiva das coisas. A natureza-morta na Europa. Séculos XIX-XX (1840-1955), é poética e luminosa. Creio que tenho de voltar a visitá-la, para apreender melhor o modo como, em dois séculos, os pintores europeus retrataram o que se convencionou chamar naturezas-mortas, de frutos a pequenos instrumentos e peças e até animais de caça.

O ponto de partida é o quadro de Paul Cézanne, Natureza-morta com pote de gengibre e beringelas (1893-1894), ou seja, a reinvenção da forma levada a cabo por aquele pintor francês. Sobre a obra, escreve Neil Cox no catálogo (desdobrável) da exposição: “O principal desafio que a arte da maturidade de Cézanne nos coloca é que façamos uma avaliação do que é coexistir com um mundo de coisas em nosso redor e de como percepcionamos e pensamos a realidade que se apresenta perante nós”.

Já no final da sua vida, a obra de Cézanne foi uma referência para os pintores mais novos, que, chegados à passagem do século XIX para o XX, começaram a experimentar novas estéticas. Retiro os subtítulos do texto de Cox: reflexões sobre a presença, negociar a tradição: dádivas da Natureza e artifícios, jogos de relações: a natureza-morta enquanto forma, estrutura e espaço, exílios e outros: política, primitivismo e o eu interior, a essência das coisas: materialidade e imaterialidade, a vida moderna: máquinas e produção em massa, modernismos: identidades nacionais e a atracção de Paris, as próprias coisas: o choque da fotografia, a crise do objecto: sonhos e pesadelos, da cena da caça ao horror, da perspectiva das coisas. Manet, Monet, Renoir, Van Gogh, Gauguin, Cézanne, Braque, Picasso, Juan Gris, Dalí, Magritte, Matisse, Ozenfant, Vieira da Silva, Courbet, Nicholson e outros enchem uma galeria cheia de cores e referências culturais europeias. Na minha retina, para além das outras todas, ficaram as obras expostas de Giorgio Morandi e de William Nicholson.

A exposição pode ser vista até 8 de Janeiro de 2012. Preço de entrada: cinco euros. Há visitas guiadas com marcação prévia, um ciclo de conferências e concertos. Ler em www.gulbenkian.pt.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *