Volta a Portugal em bicicleta

Ana Santos é antropóloga e docente da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa. A sua tese em sociologia sobre ciclismo foi agora editada com o título Volta a Portugal em bicicleta. Territórios, narrativas e identidades (2011, editora Mundos Sociais).

O seu orientador de tese dissera-lhe: para escrever sobre a volta a Portugal em bicicleta tem de ir a Mondim de Bastos (por causa do monte da Senhora da Graça e da etapa que ali termina). Ela foi, foi bem recebida devido à hospitalidade das pessoas da região e veio com uma outra visão do esforço destes homens e equipas que, em Agosto de cada ano, rolam por meio país, ao sol e ao calor, em planícies e em montanhas. Durante três edições seguidas (2005 a 2007), acompanhou as pedaladas dos corredores e conviveu com muitos deles (cada prova envolve cerca de 500 pessoas), dada a necessidade de uma etnografia da prova. A autora procurou conhecer as situações de efusividade e de emoção ao nível da produção mediática, na relação que a volta estabelece com o território e na reflexão sobre o sacrifício do corpo  (p. 5). E ainda os mitos e os nomes: camisola amarela, carro-vassoura, meta, meta-volante, fugas, pelotão, etapas, photo-finish.

Ana Santos organizou o livro em três partes: produção do espectáculo (comparação da Volta com o Tour francês), relação com os territórios nacionais das duas provas e fenómenos de identidade e identificação, rituais de preparação do corpo do ciclista. Vêm logo nomes à baila: José Maria Nicolau, Alfredo Trindade, Alves Barbosa, Artur Agostinho, Marco Chagas, Joaquim Gomes, heróis de quinze dias anuais de um país que os esquece depressa, submersos por novos heróis de glória efémera.

Na parte I, que mais me interessa, ela estuda a génese do espectáculo desportivo comercial, a valorização económica e emocional e o espaço de visibilidade mediática. Coloca a bicicleta no centro do espectáculo e observa a competição entre jornais, estuda em particular as edições das voltas organizadas pelo Jornal de Notícias (1982-2000) e a relação informal. Por regra, são os jornais desportivos que organizam a prova (caso do L’Equipe em França). No nosso país, a primeira volta é anunciada em 1927, com artigos publicados contando as reuniões, os apoios angariados e o regulamento da prova (p. 30). De Raul Oliveira, do jornal Os Sports, partiria a ideia de organizar a volta. Fica a história de ter saído a lotaria aquele jornalista, o que ajudou a realizar uma volta a Lisboa. A antropóloga conclui que há códigos de actuação específicos, uma cultura própria e transitória, com rotinas no trabalho de cada equipa, ao analisar o ritual do espectáculo e a produção de emoções, a mutação dos espectáculos e dos espectadores, a visibilidade mediática entre a razão e a emoção.

Registo uma última ideia do livro: os organizadores da volta geram uma festividade que paga o evento, caso dos festivais de pista e os circuitos, enquanto a rádio cria espectáculos especiais que promovem a estação de rádio e preenche os espaços sem notícias sobre a corrida (p. 63).

O prefaciador do livro é Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro e actual administrador da Gulbenkian, conhecido como aficionado do ciclismo. Lembra ele que uma das etapas da volta, em finais da década de 1940, tinha a meta em frente à sua casa em Castelo Branco (p. 61). Como havia telefone em casa, o pai de Marçal Grilo permitia que os jornalistas nesse dia usassem o seu aparelho para comunicar com a redacção do jornal. Um estafeta corria entre a meta e a casa de Marçal Grilo com papelinhos a indicar ao jornalista quem era o segundo ou o terceiro ou o quarto classificados e os tempos, diferenças e classificação geral, o que mostra a artesanalidade como era feita a cobertura noticiosa de então.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.