Dramoletes, de Bernhard

Em Dramoletes 2 – da Xenofobia, de Thomas Bernhard (1931-1989), representado no teatro S. João, do Porto, o polícia tem o boné na cabeça, ao contrário da imagem que acompanha o programa. Mas o efeito é o mesmo na peça representada pelo Teatro da Rainha.

Os textos que compõem a peça são formas breves, “plenas daquele humor terrível e oblíquo de que só Bernhard era capaz, falam-nos da sobrevivência de vestígios da mentalidade nazi num ambiente que mantém as condições do seu reaparecimento” (Teatro Nacional de S. João). Fernando Mora Ramos, o encenador, entende que estamos perante um “teatro não-panfletário, teatro de uma identificação [que põe] a cru das taras pós-modernas do conservadorismo que, como poder, continua nesta Europa do pós-guerra a governá-la em conúbio com o pior dos fanatismos”. No catálogo, prossegue o encenador: “Os dramoletes seguem a política da concisão máxima, são formas breves e nessa medida concentram também no veneno positivo que destilam em doses homeopáticas, para cumprirem a finalidade que perseguem: a denúncia do reaparecimento, hoje, de formas de ideologia nazi”.

António Parra, Carlos Borges, Elisabete Piecho, Isabel Carvalho, Isabel Lopes, Paulo Calatré e Victor Santos interpretam as três pequenas histórias: o polícia que está atento apenas ao futebol e a sua mulher, que procura a atenção dele (Match), as duas vizinhas que comentam a morte de um conterrâneo benfeitor, atropelado por um veículo de um turco, com uma delas a prometer gasear todos os turcos [“Essa escumalha tem piolhos, tem percevejos, são uns desavergonhados e vão comer‑nos a todos. Sabem fazer filhos mas não trabalham, sejam turcos ou jugoslavos. A essa escumalha haviam de gaseá‑la, gaseá‑los a todos”] (Mês de Maria), dois ministros presidentes regionais e as suas mulheres que passam férias numa praia do mar do Norte, com aqueles a evocarem a morte de camaradas durante a II Guerra Mundial (Gelados).

Do mesmo programa, retiro o que escreveu George Steiner: “Bernhard é principalmente um ficcionista – autor de romances, contos e peças radiofónicas. Prolífico e irregular, pode nos seus melhores momentos ser o mais notável artífice da prosa alemã depois de Kafka e Musil. Amras, Das Kalkwerk e Frost são obras que criam uma paisagem de angústia tão minuciosa, tão rigorosamente imaginada, que isso as distingue de tudo o que conhecemos na literatura actual. As florestas sombrias, as torrentes impetuosas mas muitas vezes inquinadas, as aldeias encharcadas e malignas da Caríntia – essa região da Áustria onde Bernhard vive no mais privado dos refúgios – transformam‑se no cenário de um inferno de segunda categoria. Aqui, a ignorância humana, os ódios arcaicos, a brutalidade sexual e a hipocrisia social são como víboras proliferantes”.

Sala bem composta de público, assistência jovem, duas entradas em palco dos actores para agradecimento aos aplausos.

O Teatro da Rainha foi fundado em 1985, tem sede nas Caldas da Rainha e é dirigido por Fernando Mora Ramos. O repertório da companhia tem fixação no humor fragmentário, na História, na poesia, no veneno reflexivo e no sublime (ideias tiradas a partir do programa).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.