Transportes e comunicação

Os transportes tornaram-se progressivamente dependentes das comunicações, nomeadamente através dos aparelhos de controlo. Ao longo das últimas décadas, os governos esforçaram-se na articulação das tecnologias da comunicação e dos transportes, procurando o controlo e a segurança. O controlo e a segurança vão além do uso da rádio. Elenco alguns tópicos: radar, câmara de vídeo, paragens auto-stop, senhas de estacionamento.

Nos seus trabalhos principais, James Carey (1934-2006) dera atenção à relação entre transportes e comunicação. Para ele, o advento do telégrafo teve uma importância fundamental: a comunicação libertou-se da dependência dos transportes. Aí, detecto a influência de Harold Innis, que Carey estudou bem. As mensagens podiam ser transferidas sem a ajuda das tecnologias de transporte como comboios, navios e outras. Isto é, a comunicação a longa distância já não precisava de se ligar aos jornais e aos veículos usados no seu transporte. Agora, a comunicação usava-se nos processos de controlo físico. Curiosamente, as comunicações foram dependentes das tecnologias de transporte por um período superior a 150 anos mas os transportes tornaram-se crescentemente dependentes das tecnologias de comunicação.

Jeremy Packer (2006, 2008), um seguidor de James Carey, aponta duas trajectórias teóricas: a) dependência em termos de controlo do espaço, seguindo Innis e Carey, b) compreensão da governamentalidade (= racionalidade política) – as comunicações e os transportes são meios que asseguram e alargam as possibilidades da governação, seguindo Foucault e Deleuze.

Como é que a comunicação e os transportes se mantêm interligados? Por exemplo, a falta de comunicação pode levar a um acidente. A noção de segurança significa um meio de justificar e legitimar modos de regulação e associar as tecnologias de comunicação e transportes. É com as ligações sem fios e com a comunicação através de computadores que muda a natureza da dependência dos transportes (no vídeo, o museu da ciência de Munique – Deustches Museum).

Leituras: Jeremy Packer (2006). “Rethinking dependency: new relations of transportation and communication”. In Jeremy Packer and Craig Robertson (eds.) Thinking with James Carey. Essays on communications, transportation, history. New York: Peter Lang
Jeremy Packer (2008). Mobility without mayhem. Safety, cars, and citizenship. Durham e Londres: Duke University Press


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Rogério Santos (8 de Novembro de 2011). Transportes e comunicação. INDÚSTRIAS CULTURAIS. Recuperado em 20 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qbg6


3 thoughts on “Transportes e comunicação”

  1. Onde você comenta que: as comunicações e os transportes são meios que asseguram e alargam as possibilidades da governação, seguindo Foucault e Deleuze. Quais são os livros destes autores que Jeremy Packer cita? Estou fazendo um trabalho de monografia e a citação me interessou. Aguardo respostas. Desde já meus agradecimentos.

  2. Os transportes tornaram-se progressivamente dependentes das comunicações, nomeadamente através dos aparelhos de controlo. Ao longo das últimas décadas, os governos esforçaram-se na articulação das tecnologias da comunicação e dos transportes, procurando o controlo e a segurança.
    Responder
    Deixar uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    Nome *
    Email *
    Website
    Comentário
    Pode usar estas etiquetas HTML e atributos:

  3. Os transportes tornaram-se progressivamente dependentes das comunicações, nomeadamente através dos aparelhos de controlo. Ao longo das últimas décadas, os governos esforçaram-se na articulação das tecnologias da comunicação e dos transportes, procurando o controlo e a segurança.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.