O cinema português na televisão pública (1957-1974)

No número 198 da Análise Social (1º trimestre de 2011), Paulo Cunha escreve sobre A emissão de cinema português na televisão pública (1957-1974). A hipótese de partida é interessante: o sucesso das comédias portuguesas da década de 1940 é um dos grandes mitos do cinema português (p. 153). A pretensa época de ouro do cinema português teria sido cimentada pela televisão pública, sobretudo do seu início (1957) até à mudança de regime político (1974). O autor parte da análise da transmissão de filmes de curta-metragem e de longa-metragem exibidas na RTP durante esse período, distingue os géneros e os realizadores e não conclui pela relação directa entre popularidade de filmes na época da sua realização e exibição de filmes na televisão mas detecta algumas tendências marcantes.

Assim, distingue dois tipos de curtas-metragens, as feitas por realizadores consagrados como Maurice Mariaud e Manoel de Oliveira e as propostas cinematográficas renovadoras de Baptista Rosa e Fernando Lopes (p. 140). O documentário seria um género de importância na programação televisiva, com cerca de 10,5% do total. A partir de meados da década de 1960, os documentários realizados sobre as colónias ignoraram os conflitos bélicos africanos. Em termos de longa-metragem, o autor analisa os formatos e os programas: 7ª Arte (1961-1968, apresentado por Fernando Garcia), Cinema sem Estrelas (1967 em diante, apresentado por Baptista Rosa), Cinemateca (1972 em diante, apresentado por António Ruano) e Noite de Cinema (apresentado por Luís de Pina, que organizou ciclos temáticos). O modelo de longa-metragem com apresentação e comentários foi sendo substituído ao longo do período estudado. Nos anos mais próximos de 1974, a exibição de filmes seria deslocada para horários mais tardios e no segundo canal, entretanto inaugurado (p. 145).

Cerca de metade do total de emissões de longas-metragens (25 em 52 títulos) ocorreu nos dois primeiros anos. O autor não identifica razões para essa evidência mas pode ter a ver com a passagem do gosto cinematográfico para um público mais vasto e fora dos centros urbanos onde havia uma maior frequência e consumo em sala. Os campeões de projecção seriam os filmes A Canção de Lisboa, Chaimite e O Pátio das Cantigas (cinco vezes cada um), Aniki Bóbó, A Canção da Terra, Fátima Terra de Fé, Frei Luís de Sousa, O grande Elias, O Pai Tirano, As Pupilas do Senhor Reitor, Ribatejo e Sonhar é Fácil (quatro vezes cada um) (p. 148). Uma das hipóteses para a sua selecção continuada pode ser a disponibilidade de cópias para transmissão, o que coloca em causa parte da hipótese inicial.

Outros dados de Paulo Cunha são aliciantes. Por exemplo, ele enumera os realizadores mais representativos nas transmissões (Jorge Brum do Canto, Arthur Duarte, Leitão de Barros e António Lopes Ribeiro, todos do núcleo duro de António Ferro, o ministro da Propaganda de Salazar) e os ignorados pela RTP: Constantino Esteves, António Macedo, Pedro Martins (pp. 150-151). Outro elemento identificado no texto é a passagem (ou desinvestimento) da longa-metragem para o telecinema ou telefilme, aposta que permite uma maior rentabilização de recursos humanos e técnicos e um aumento de produção própria da RTP. Aqui, os realizadores mais importantes seriam Baptista Rosa, Artur Ramos, Adriano Nazareth, Fernando Frazão, Augusto Cabrita e José Elyseu. O aumento da produção da RTP levou ao aluguer de instalações na Tóbis Portuguesa, relação que terminou recentemente.

Paulo Cunha recupera a hipótese inicial da relação entre época de ouro do cinema nacional e repetição frequente de alguns desses filmes na televisão. Esse mito coincide com a ideia do abandono ou divórcio do espectador do cinema da década de 1950 (p. 155), ainda bem dentro da identidade do regime de Salazar. O que quer dizer que a televisão criou de imediato um “gosto” dominante, notório pelo impacto da RTP nas audiências medidas em 1968, que chegavam a sete milhões de espectadores (p. 154). A acrescentar a isto, Paulo Cunha procura razões suplementares para o desconhecimento de realizadores do novo cinema português na programação televisiva, onde se integram nomes como José Fonseca e Costa, António Macedo, Alberto Seixas Santos, Faria de Almeida, João César Monteiro, Eduardo Geada e Fernando Matos Silva. Conquanto as conotações políticas desses realizadores, não terá havido uma intenção política comprovada dos programadores. Esta conclusão do autor merece algum cuidado suplementar de análise.

Paulo Cunha pertence ao CEIS20 da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e é dirigente da AIM – Associação de Investigadores da Imagem em Movimento.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.