Jornal Português de actualidades filmadas (1938-1951)

Já escrevi aqui sobre Maria do Carmo Piçarra (a 2 de Dezembro de 2006), a propósito do seu livro Salazar vai ao cinema – o Jornal Português de actualidades filmadas (2006), da MinervaCoimbra. Ela insistiu no tema e publicou agora Salazar vai ao cinema II – a “Política do Espírito” no Jornal Português (2011), em edição da DrellaDesign.

No prólogo da obra de 2006, Maria do Carmo Piçarra descreve o seu objecto de trabalho: o Jornal Português foi um conjunto de edições de actualidades cinematográficas (95 edições entre 1938 e 1951) dirigido por António Lopes Ribeiro e promovido e financiado pelo Secretariado da Propaganda Nacional (SPN). Era uma iniciativa do próprio responsável do SPN, António Ferro, mas mal amada pelo primeiro-ministro António Salazar, que não compreendia a modernidade e a eficácia do cinema e achava este uma actividade muito dispendiosa.

O livro de 2006 (Salazar vai ao cinema – o Jornal Português de actualidades filmadas) divide-se em três partes, a primeira das quais se dedica ao género documental das actualidades cinematográficas, a segunda analisa a propaganda e o serviço que o cinema presta aquela, englobando o SPN e o estudo do realizador António Lopes Ribeiro, ao passo que a terceira parte se debruça sobre o Jornal Português. No livro de 2011 (Salazar vai ao cinema II – a “Política do Espírito” no Jornal Português), a autora reparte igualmente a sua análise em três partes, a primeira delas destinada à actualidade filmada em Portugal, a segunda ao “modo português de estar no mundo” e a terceira à projecção nacional dos totalitarismos (e os rituais de projecção nacional como o “feitiço do império”, a defesa do “além-mar” e “Portugal não é um país pequeno”).

Maria do Carmo Piçarra considera que a história do cinema tem sido a história do cinema de ficção. Em Portugal, por razões económicas, a propaganda usou fundamentalmente o cinema documental e as curtas-metragens (Piçarra, 2011: 124). O jornal de actualidades nasceu pelas dificuldades em se obter película devido aos conflitos da Guerra Civil de Espanha (1936-1939) e II Guerra Mundial (1939-1945), além dos atrasos na reconversão tecnológica do cinema mudo para o sonoro (Piçarra, 2006: 191). O aparecimento do Jornal Português, para além da consolidação ideológica do regime ditatorial, tem uma data próxima das comemorações centenárias (independência, restauração), o que serviu para exaltar os valores tradicionais portugueses (Piçarra, 2006: 193). A autora distingue duas fases na produção das actualidades, uma mais curta e em que o Estado se constituiu como produtor, outra em que orientou a produção cinematográfica através de uma política de subsídios (Piçarra, 2006: 192).

Um outro elemento que Maria do Carmo Piçarra destaca é a edição precária da equipa técnica, dadas as dificuldades de obtenção de financiamentos regulares por parte do Estado. Isso significou uma irregularidade da estreia da revista e uma subordinação dos critérios de noticiabilidade aos objectivos da propaganda nacional. Por outro lado, a investigadora analisa a questão do silenciamento do som directo, substituído por uma banda sonora manipulada (Piçarra, 2006: 195). Ela refere igualmente a colaboração de alguns artistas modernistas, embora em tempo muito curto (Piçarra, 2011: 125). Finalmente, faz um reparo quanto à recepção: não há dados em termos de distribuição e audiência, embora se estime a sua forte influência.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.