O poder da voz na comunicação para Maria Helena Falé

O poder da voz na comunicação: deliberações do provedor do ouvinte foi a dissertação apresentada por Maria Helena Falé na Escola Superior de Comunicação Social (Lisboa), hoje ao fim da manhã. Antiga locutora, jornalista, realizadora, apresentadora e coordenadora de noticiários, programas radiofónicos como Quando o Telefone Toca e Programa da Manhã e programas televisivos, profissional desde 1966, ela concluiu agora um trabalho que posso dizer que estava na sua mente há muitos anos. Do resumo da sua dissertação, retiro algumas ideias: “a voz que dá vida à palavra, a voz que está para a rádio como o grafismo está para o jornal, a forma que atrai para o conteúdo” tem na rádio uma maior exigência. Respiração, articulação, entoação, inflexão, projecção, tom, ritmo e pausas são elementos da boa voz na rádio.

Como tema de estudo empírico, Maria Helena Falé analisou os relatórios do provedor do ouvinte da rádio pública para compreender como a voz tem evoluído e alterado na rádio, em especial a partir dos relatórios escritos por Adelino Gomes, provedor que dedicou maior atenção ao domínio da voz radiofónica. A investigadora fez ainda um conjunto apreciável de entrevistas como especialistas e homens e mulheres da rádio que fizeram as suas observações práticas sobre a voz e o seu uso na rádio. Foram seus orientadores Maria Inácia Rezola e Carlos Andrade.

No pequeno vídeo abaixo, a agora mestre recorda os seus primeiros tempos de actividade na rádio.

A leitura do trabalho de Maria Helena Falé sobre a voz, a fala e a escrita levou-me a outras leituras, de que dou aqui conta: Eric Havelock, Eduardo Meditsch, Walter J. Ong e Fernando Curado Ribeiro. A partir de Havelock (A Musa Aprende a Escrever, 1996: 59-60), tem-se a ideia do salto oralidade-impresso-electrónica feito com prudência e prolongando-se no tempo. Havelock escreveria sobre o paradoxo da linguagem (1996: 61), quando diz que compreender a oralidade significa examinar o textual, aquilo que existe. Pergunta: “Como pode o conhecimento da oralidade ser derivado a partir do seu contrário”? No caso do trabalho de Helena Falé, os ouvintes, sem direito à voz – porque a rádio é oralidade remediada –, só podem reagir através do impresso. Continuamos no domínio do performativo em John L. Austin (How to do things with words): o que as palavras representam quando nós as dizemos e o modo como as dizemos. A palavra é acção, a escrita do ouvinte é acção.

Por seu lado, para Eduardo Meditsch (A rádio na era da informação, 1999), a rádio relaciona-se com o tempo. Diz ele (1999: 152) que, num debate radiofónico, uma voz que fala tem de ser identificada, para não se tornar apenas uma voz. Ao contrário, uma voz que cala tem de ser reclamada para não haver esquecimento. O presente auditivo vive dentro dos limites da memória de curto prazo. O mesmo autor obtém de empréstimo conceitos de Armand Balsebre, que, se calhar, valeria a pena discutir noutra ocasião: ritmo de pausas, ritmo melódico, ritmo harmónico, cor, melodia, subtexto, harmonia (1999: 153).

Meditsch seguiu Walter J. Ong (Orality and literacy, 1982), para quem as sensações têm lugar no tempo. Ong entende que o som tem uma relação especial com o tempo, ele existe quando se realiza (1982: 32). Por exemplo se eu digo permanência, quando estou a pronunciar nência o perma já se tornou som. Não há forma de ter som e parar o som. O som é dinâmico, o que se ouve pode também ver-se. Em determinadas circunstâncias, a palavra adquire um poder mágico. A palavra é um poder. O nome é isso: o nome dá poder a quem nomeia a coisa que tem esse nome. Uma ciência tem um conjunto de nomes, caso da química, o que confere poder a quem as enuncia e as articula. As palavras escritas e impressas podem ser simples etiquetas, nomes vazios ou imagens estéticas; as palavras faladas valem a realidade.

Lembro, para finalizar, um pequeno texto de Fernando Curado Ribeiro (autor de Rádio. Preparação-realização-estética). O autor escreveu um texto na revista Antena (15 de Setembro de 1965, nº 14, pp. 18-19, reproduzido abaixo; para o ler melhor, clicar em cima das imagens para as ampliar) sobre teatro radiofónico com elevada qualidade estética e conceptual. Para ele, a “obra, partindo de um texto, é um conjunto indivisível, em que são elementos importantes texto, música, interpretação, realização, etc., reunidos no filme radiofónico, na «banda sonora»”. Nos primeiros tempos da rádio, continua, escolhiam-se peças teatrais que já tivessem sido apresentadas ao público. Esse espectáculo nem sempre se adapta ao meio radiofónico, nomeadamente quando se joga com valores que não têm significado sonoro, o que leva a introduzir um narrador, voz que elucida e interrompe a acção. Nascia a sonoplastia (curiosamente, ele chamou também de ecologia). O autor procura explicar a criação radiofónica: “descrever um fenómeno, avaliá-lo, descobrir condicionamentos, marcar características e encontrar a relação que todos os elementos em jogo têm entre si, esforçando-se o seu esclarecimento”. Construindo uma teoria da recepção, Fernando Curado Ribeiro fala da diferença entre público na sala, que reage emocionalmente ao sentimento da sala, e indivíduo que escuta a rádio em casa.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.