Lisboa – Um museu dentro da Barbearia Campos

“Uma barbearia museu. Poderia ser assim designada a Barbearia Campos – Cabelleireiro. O termo, que resistiu a todas as revisões ortográficas, continua a constar no número quatro do Largo do Chiado, em Lisboa. Dentro, o espaço mantém-se igual à data de inauguração, o ano de 1886. Um negócio de fazer cabelo e barba na mesma família há quatro gerações” (ler o texto completo em Café Portugal, de onde retirei igualmente a imagem).


One thought on “Lisboa – Um museu dentro da Barbearia Campos”

  1. Excelentes comentários sobre uma barbearia, que se confunde com a história de Lisboa.

    Eu pessoalmente tenho uma e uma afinidade quase íntima, com as barbearias da baixa lisboeta.

    Em 1962 fui trabalhar como paquete, para a barbaria Palácio Elegante sita na Rua do Ouro. em frente à mesma, encontrava-se na altura a farmácia Barral. Hoje o espaço da referida barbearia é ocupado por um banco.

    Em 1964 fui trabalhar também como paquete, para a Barbearia Rosa de Maio, sita na rua de São Nicolau (encerrada na década de 80). Estive lá até 1967.
    A primeira barbearia Palácio Elegante, parecia mesmo um palácio, uma obra de arte! ia lá a fina flôr e a elite(isto sem desprimor para as classes populares, como é óbvio), da sociedade portuguesa…….
    Ainda, me lembro de haver caixas com cadeado de certos clientes, com o resdpectivo equipamento para utilização pessoal.

    No Natal, uma maneira de os barbeiros e manicuras arranjarem as broas, era sortear 1 bilhete de lotaria, que a clientela mais ao menos abastada participava simpaticamente…….

    Por fim, só dizer que o corte da moda na altura era o corte há francesa e custava 40 escudos- os barbeiros ganhavam à semana 600.00 escudos. Havia 2 engraxadores que pagavam diariamente uma taxa, para exercerem a profissão por conta própria. As manicuras também trabalhavam por conta própria. E por fim eu próprio mais um companheiro vivíamos das gorjetas que os clientes nos davam, não havia salário. O coronel Kaulza de Arriaga dava-nos uma boa gorjeta 2.50 tostões. O nosso trabalho consistia em arrumar os casacos dos clientes e ao fim escovar os cabelos retidos na roupa etc.
    Não me lembro da maioria dos nomes dos clientes, mas desde militares, ministros, secretários, do Estado, antiga nobreza, juízes etc. Recordo-me por exemplo do pai do Maestro Vitorino de Almeida e ele próprio(muito jovem na altura). Recordo-me do Carlos do Carmo, na altura talvez com 22 anos.

    Agora, recordo-me perfeitamente dos nomes dos artistas (barbeiros), todos, assim como das manicuras e engraxadores. Sinto uma enorme nostalgia pelo seu profissionalismo.São parte integrante do meu memorial histórico….

    Obrigado

    Manuel Paula

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.