A rádio informativa segundo o investigador João Agostinho

Hoje, na Universidade Católica Portuguesa, João Agostinho defendeu o relatório de estágio que lhe conferiu o grau de mestre com o tema A internet na redação da rádio TSF (ver vídeo abaixo, onde sintetizou o trabalho). O trabalho partiu de um estágio que fez na redação da TSF durante o período de janeiro a maio de 2011. Para além da aprendizagem proveniente do estágio (com observação participante incluída), fez entrevistas a responsáveis da emissora e a jornalistas. Nem sempre como resultado da sua observação direta mas das memórias dos jornalistas entrevistados e do que viu, analisa a passagem de um tempo em que a obtenção e a escrita da informação na rádio assentavam na lista telefónica, no telefone fixo e na máquina de escrever, para um tempo em que muitos contactos se estabelecem pelo telemóvel, pelo correio eletrónico ou pelas redes sociais como o Facebook e o MSN. Já na última década do século XX, os computadores e o gravador digital (em substituição da cassete) instauravam o arranque da digitalização da redação. Portabilidade e mobilidade são conceitos avaliados pelo aluno através do que chama de valências da internet. Algum determinismo tecnológico e menos relevo na mudança social, discurso dominante que encontramos em muitos autores neopositivistas e tecnólogos e que influenciam os jovens adultos, seria uma crítica a fazer ao seu trabalho.

O jovem mestre trabalhou a produção (rádio temática especializada em conteúdos informativos, práticas de radiojornalismo que culminam num “estilo TSF”, reuniões de turno, relação reportagem na rua com trabalho de recolha na internet, perda de alguma importância das agências de notícias, influência das notícias da televisão quando os canais privados começam a emitir, alargada para quando os canais de notícias por cabo iniciam a sua emissão, o que conduz a um uso diário de várias tecnologias, que incluem o gravador digital Marantz e a aplicação Luci do iPhone desde há um ano, que permite a produção de um som de modo direto e sem ir para a redação, blogues e podcasting, Facebook desde setembro de 2009) e receção (perfil do ouvinte TSF: género masculino, 35 a 44 anos de idade, quadro médio/superior, classe média alta, vivendo na região da grande Lisboa e acompanhando a rádio nas deslocações entre casa e emprego ao longo da semana, com 4,4% de audiência acumulada de véspera no primeiro trimestre de 2011). Debruçou-se também sobre a história da rádio desde o tempo das rádios livres e o percurso de mais de 15 anos de jornalismo em linha (a TSF inaugurou o seu sítio em setembro de 1996 e sofreu forte transformação entre fevereiro e julho de 2003). Conclui que, apesar de haver sete elementos de jornalismo em linha, não se pode falar de duas redações, pois a redação clássica e a ligada à internet ocupam o mesmo espaço físico.

 João Agostinho é atualmente log editor do canal de televisão por cabo Fox.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.