A morte da Kodak

No Público de hoje, li a notícia sobre a falência da empresa norte-americana Kodak, gigante e pioneira mundial da fotografia de massas há mais de 100 anos: “A sofrer com a mudança maciça dos consumidores para a fotografia digital, a empresa diz que este pedido de falência, que lhe dará proteção face aos credores, visa a obtenção de liquidez nos EUA e no estrangeiro para rentabilizar a propriedade inteletual não estratégica, resolver o passivo e, assim, permitir à empresa que se concentre nas linhas de negócio mais valiosas”.

Hoje, o tema foi em muitos sítios e em muitas conversas, portanto, a Kodak. A Kodak, como a Agfa e marcas japonesas como a Fuji fizeram muitos dos meus momentos de alegria quando usava uma máquina de rolo de 35 mm, a Pentax Spotmatic, que me acompanhava para todo o sítio, como hoje a pequena Canon. Imagens e mais imagens, algumas de má qualidade, mas que me faziam sempre orgulhoso porque acreditava nas tecnologias usadas. A máquina está hoje arrumada, acho que fiquei com um rolo não revelado mas já lhe perdi o rasto. Um dia, era o repórter de uma cerimónia que reunia muitos amigos: o rolo não ficara suficientemente preso para rolar. Só quase no final da cerimónia é que me apercebi do erro e comecei a fotografar de verdade. Não sei se o rolo era Kodak, mas nunca mais voltei a ter tanta auto-confiança de fotógrafo de eventos com amigos.

Como se chegou a um desfecho como o da Kodak? Muito mudou nestes últimos anos, com as pequenas máquinas que fotografam e fazem vídeos e capturas de som e que permitem ver logo a qualidade. Mais do que isso, as centenas de imagens que faço e sem gasto suplementar. Isto embora haja fãs retro que fotografam experimentalmente com esses rolos, em especial, quando o prazo de validade expirou. Com o desaparecimento dos rolos também se perderam as revelações manuais em casa e as das lojas. Estas, ainda recentemente, tinham enormes máquinas automáticas e empregavam um ou mais  profissionais por instalação.

A mesma notícia quase se concluia do seguinte modo: “Kodak, símbolo do capitalismo norte-americano, foi criada por George Eastman, que inventou o filme fotográfico, e chegou a Portugal em 1919”. Quem escreveu o texto, introduziu muita ironia. Capitalismo, capitalismo americano e desaparecimento da Kodak parecem juntar-se nestes dias cinzentos da crise económica. O mundo mudou com as máquinas digitais, o mundo vai mudar após a falência da Kodak. Falta o mesmo ao capitalismo. Só que à Kodak se sucedeu uma máquina que faz muito e mais depressa. Quanto ao desaparecimento do capitalismo, não sei o que vem depois e que sofrimentos isso significa.

Escrevi aqui (18 de Janeiro de 2004, há precisamente oito anos) sobre o desaparecimento dos rolos de 35 mm da Kodak.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.