História do Rádio Clube Português (3)

O número de 15 de maio de 1965 da revista Antena inseria o terceiro capítulo da história do Rádio Clube Português. Dois assuntos tratados: a visita de Salazar à estação e o incêndio que deflagrou nas instalações em 14 de setembro de 1935. A visita do primeiro-ministro teve um tratamento específico, prova da relação próxima dos responsáveis da estação com Salazar. Lê-se no texto: “Cerca das 10,30 desse dia [17 de março de 1935], um automóvel estacionara junto ao portão do Clube. Alguém, metido num fato preto, saira da viatura e, de mãos enfiadas nos bolsos, ficara alguns momentos parado, olhando o edifício e a cerca. Os que se encontravam dentro do edifício verificaram, com surpresa, tratar-se do sr. Prof. Dr. Oliveira Salazar. Houve como que uma corrida aos telefones, a fim de chamar os directores da emissora que mais perto residiam, pois nada fazia antever tal visita. A presença do ilustre Chefe do Governo Português, nas instalações do Rádio Clube, foi breve mas minuciosa. Inúmeros foram os esclarecimentos e prontamente dados. Nada ficou por ver. […] a visita terminou com esta dedicatória escrita pelo próprio Prof. Dr. Oliveira Salazar no livro de honra do Clube: «O Estado deve aproveitar os ensinamentos da concorrência particular»”.

A visita de Salazar precisa de ser contextualizada. Por um lado, a Emissora Nacional, a estação do Estado, estava a emitir ainda experimentalmente. O presidente da comissão instaladora da estação, António Joyce, seria substituído pelo capitão Henrique Galvão, em junho de 1935. Salazar sabia já da necessidade de colocar um homem de grande confiança no poder da Emissora Nacional (Galvão viria a rebelar-se contra ele em 1961 com o desvio do paquete Santa Maria). Por outro lado, o Rádio Clube Português, liderado pelo capitão Botelho Moniz, fazia a apologia do governo e do poder de Salazar, com um discurso nacionalista e patriótico, através de conferências de propaganda nacional organizadas pela própria estação durante 1935. Em 1936, Botelho Moniz participou em comícios anticomunistas no Campo Pequeno (Lisboa) e Coliseu (Porto), apoiou a constituição da Legião Portuguesa e envolveu-se na Guerra Civil de Espanha, dando notícias favoráveis a Franco (ver Rogério Santos, 2005, As vozes da rádio, 1924-1939). Os capítulos 6, 7, 8, 9 (onde se relataria a destruição das instalações da Rádio causada pelo rebentamento de uma bomba, relacionada com a sua ligação a um dos lados da guerra espanhola), 11, 13 e 14 da história da estação contariam alguns episódios desta relação com a Falange espanhola.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.